SlideShare uma empresa Scribd logo
NÚCLEO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
CARTILHA SOBRE
DIABETES
1. O que é diabetes?
É uma doença muito comum e há pessoas diabéticas em todos os
lugares, que participam de atividades variadas no trabalho, esporte e
lazer.
Ela é resultado da diminuição da ação ou da quantidade de insulina,
que é o hormônio responsável pela utilização da glicose pelo organismo.
Tanto o açúcar industrializado (sacarose) quanto o encontrado nas
farinhas, cereais e raízes (amido) são carboidratos. Após sua ingestão,
são transformados no intestino em sua forma mais simples, chamada
glicose.
Se falta insulina, a glicose não é utilizada e se acumula no sangue. Uma
taxa elevada de glicose no sangue (hiperglicemia) é o que caracteriza a
pessoa com diabetes.
2. Como se manifesta?
Através dos Principais sintomas:
•	 Urinar com muita frequência
•	 Excesso de sede
•	 Apetite exagerado
•	 Emagrecimento sem causa aparente
•	 Cansaço
•	 Dificuldade de concentração
•	 Vômitos e dor abdominal
•	 Formigamento ou dor nas pernas e pés
•	 Visão embaçada
•	 Feridas de cicatrização difícil
•	 Infecções frequentes
3. Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico será feito pela medida da glicose no sangue (glicemia).
Outra maneira é a medida da glicemia após sobrecarga oral de glicose, o
teste de tolerância à glicose. Recentemente também se faz o diagnóstico
pela hemoglobina glicada.
4. Tipos de diabetes:
O diabetes costuma ser dividido em três tipos principais:
	
	 Tipo 1
É caracterizado pela deficiência absoluta de insulina que pode se
instalar abruptamente (mais comum em crianças e adolescentes) e
representa cerca de 5% a 10% dos casos. O tratamento com insulina é
necessário.
	 Tipo 2
Caracteriza-se por uma deficiência relativa de insulina, causada por
um defeito na sua função (resistência insulínica). Representa 90% dos
casos e geralmente aparece na fase adulta. Surge com maior frequência
em obesos. É tratado com dieta, medicamentos orais e frequentemente
com insulina.
Diabetes gestacional
É uma condição que surge na gravidez e normalmente desaparece
após o parto. Está associado com maior risco de desenvolvimento
posterior de diabetes na mãe e até mesmo no filho, quando se tornar
adulto. O controle da glicose durante a gestação previne um crescimento
exagerado do feto e riscos durante o parto.
5. Consequências do diabetes mal controlado
	 5.1 Complicações agudas
Cetoacidose
Ocorre quando a glicose alcança valores muito elevados, geralmente
entre 400-600 mg/dL. Nessa situação, acumulam-se no sangue as
cetonas, que são substâncias ácidas. Para eliminá-las, o paciente respira
mais rápido e mais fundo. Muitas vezes sente também dor na barriga e
fica muito desidratado. É uma situação de urgência e seu tratamento só
deve ser feito em hospital.
Estado hiperosmolar
É parecido com a cetoacidose, mas ocorre com glicemias ainda mais
elevadas (acima de 600 mg/dL) e na ausência de cetonas (não afeta a
respiração). A desidratação é muito mais grave e o paciente pode até
entrar em coma. A prevenção é a mesma e a hospitalização também é
essencial.
Hipoglicemia
Ocorre quando a glicose está abaixo do normal, geralmente abaixo de
50 mg/dL, mas alguns pacientes sentem-se mal com glicemias de 50-70
mg/dL. Outros não sentem nada com glicemias muito mais baixas, entre
30-50 mg/dL. Quanto mais frequentes as hipoglicemias, os pacientes
serão menos capazes de percebê-las logo no início.
Causas mais importantes da hipoglicemia
Hipoglicemias ocorrem quando os diabéticos comem pouco ou
pulam refeição ou quando praticam exercícios físicos, sem se alimentar
adequadamente (antes e durante o exercício) ou sem reduzir as doses
prévias de insulina, como o médico recomenda.
Como reconhecer a hipoglicemia
Os sintomas mais comuns são: suor frio com tremores, mal-estar,
palidez e enjoos. Se a glicemia cair muito, pode faltar glicose no cérebro
e ocorrer perda da consciência ou mesmo convulsões.
	 Sempre que possível, deve-se fazer uma glicemia capilar antes
de tratar a hipoglicemia.
Como tratar a hipoglicemia
Deve-se ingerir o equivalente a 15g de carboidratos, logo após o início
dos sintomas. Isso equivale a 1/2 copo de caldo de laranja ou 1/2 copo
de refrigerante comum, uma fruta média ou um saquinho de 15g glicose
(comprado em farmácias) ou mel. Se os sintomas ou a glicemia não
melhorarem após 10/15 minutos, deve-se repetir a mesma quantidade
de carboidratos e testar novamente. A hipoglicemia é uma forma de
estresse que se segue sempre de hiperglicemia, por causa dos hormônios
contrainsulínicos. Portanto não deve ser tratada com excesso de açúcar.
Mas, em caso de perda de consciência, não se deve ingerir alimentos
pela boca: o paciente pode se sufocar ou até mesmo aspirar esse
alimento para os pulmões. Nesse caso, deve-se injetar o Glucagon no
subcutâneo. Peça ao seu médico para lhe orientar sobre seu uso.
5.2 Complicações crônicas
“Se você controla o diabetes ele nunca vai controlar você”
Quando a glicose permanece acima das metas por mais tempo,
podem surgir problemas nos vasos sanguíneos muito finos, como os
dos rins (nefropatia diabética), dos olhos (retinopatia diabética) e dos
nervos (neuropatia diabética). Alguns pacientes também desenvolvem
entupimentos em vasos sanguíneos mais grossos, como os do coração,
do cérebro ou das pernas. Esses problemas, às vezes, se tornam um
grande transtorno. Mas a boa notícia é que podem ser evitados!
6. Quais são as metas de bom controle do diabetes?
Glicemias de jejum abaixo de 100-120 mg/dL e pós-alimentares
abaixo de 140-180 mg/dL.
	 A Hemoglobina Glicada (HbA1c) é um exame de sangue que
avalia a média das glicemias nos últimos 2 a 3 meses, mas que sofre
maior impacto de glicemias mais recentes (últimos 15/30 dias). É
utilizada para diagnóstico do diabetes (quando está igual ou maior que
6,5%) e também para avaliar se o diabetes está bem controlado. Nesse
caso, a meta é uma HbA1c menor que 7%.
6. Prevenindo as complicações do diabetes
Faça suas consultas médicas e exames regularmente. O controle
continuado da glicemia diminui muito a ocorrência e progressão das
complicações do diabetes.
Mantenha o seu peso ideal para a sua altura.
Faça exercícios físicos.
Tome seus medicamentos conforme prescritos pelo médico.
Não fume.
Alimente-se de forma saudável.
Evite o consumo de álcool.
Examine e cuide bem dos seus pés. Lembre seu médico de examiná-
los pelo menos uma vez por ano.
Cunsulte seu médico regularmente para detecção precoce de
alterações nos olhos, rins, nervos e vasos sanguíneos.
Mantenha a sua pressão arterial controlada (pressão alta acelera o
desenvolvimento de complicações crônicas).
Mantenha controlado o seu nível de gorduras no sangue (colesterol
e triglicérides). Quando altos, também aceleram o desenvolvimento de
complicações crônicas.
Participe de todas as atividades de “educação em diabetes”
promovidas pelo Setor de Diabetes do Núcleo de Promoção da Saúde.
8. TRATAMENTO
	 8.1 Nutrição e diabetes
	 “Alimentação: a chave para manter-se saudável”
O que é uma alimentação saudável?
É aquela que atende as necessidades nutricionais de cada indivíduo,
com a ingestão de alimentos de qualidade e em quantidades adequadas.
Deve conter todos os nutrientes: carboidratos, proteínas, gorduras,
vitaminas, sais minerais, fibras e água.
	 Em quais alimentos encontramos esses nutrientes?
Nutrientes Onde podemos encontrar
Carboidratos Massa, pães, macarrão, arroz, batata, mandioca,
frutas, doces e açúcares.
Proteínas Carnes de todos os tipos, ovos, leite, queijo, soja,
cereais integrais, feijões, lentilha, ervilha, nozes e
castanhas.
Gorduras Preferir: óleos vegetais como azeite de oliva, óleo
de canola, milho, girassol.
Evitar: Carnes gordas, bacon, torresmo, leite
integral, manteiga, lingüiça, salame, presunto,
salsicha, mortadela, frituras, fast foods, biscoitos.
Vitaminas e
sais mineirais
Frutas, verduras, legumes, leite, yogurte, queijos
magros e cereais integrais.
Fibras Frutas, verduras, legumes, farelo de aveia,
leguminosas (grãos dentro de favas).
“Comersabiamentetambémpodeajudá-loaatingirumpesosaudável”
	
Um nutricionista poderá orientá-lo.
Tente estabelecer horários regulares para as refeições e lanches do
dia.
Consuma diariamente frutas, vegetais frescos e crus, cereais integrais.
Evite alimentos que contenham gorduras trans (salgadinhos e batatas,
biscoitos recheados).
Reduza os alimentos ricos em gorduras.
Asse, ferva ou grelhe os seus alimentos. Evite assim as frituras.
Tenha por hábito ler o rótulo dos produtos dos supermercados,
identifique o conteúdo calórico, a quantidade de sódio (sal), de gordura
trans e a quantidade de açúcar.
8.2 Diabetes e exercício físico:
Porque é importante fazer exercícios físicos?
Está cientificamente provado que os exercícios ajudam a:
Melhorar a glicemia.
Controlar o peso.
Reduzir a pressão arterial.
Evitar as enfermidades do coração.
Melhorar a qualidade de vida e o bem- estar.
Prevenir o aparecimento de diabetes.
Como fazer:
Tipo de exercício: o ideal é uma combinação dos dois tipos abaixo:
Exercício aeróbio (exercícios que reduzem o fôlego e fazem suar):
caminhada, ciclismo, natação, dança, entre outros (3 a 4 vezes por
semana)
Exercício anaeróbio (de resistência ou “de força”): musculação, pilates
(2 vezes por semana)
	
Frequência do exercício:
	 •Três a cinco vezes por semana
Duração do exercício
	 •Diário: 30 a 60 minutos
	 •Semanal: 150 minutos
Dicas para o exercício físico:
	 •Use roupas e calçados adequados.
	 •Faça aquecimento e alongamento por 5 a 10 minutos.
	 •Inicie com uma atividade leve e curta e vá aumentado aos
poucos.
	 •Beba líquidos antes e durante o exercício.
•Mantenha sempre ao alcance carboidratos de absorção rápida
(caldo de laranja ou refrigerante comum) e use em torno de 1/2 copo a
cada 1/2 hora de exercício.
	 •Interrompa o exercício se sentir tontura, dor ou dificuldade
para respirar.
	 •Faça uma avaliação de seu coração antes de começar um
programa de atividade física.
8.3 Antidiabéticos orais
Muitos diabéticos do tipo 2 ficam bem controlados por muito tempo
em uso de comprimidos para diabetes. Existem vários no comércio,
mas os mais usados, por sua segurança e facilidade de acesso (SUS ou
Farmácia Popular) são a metformina e as sulfoniluréias (glibenclamida,
gliclazida e glimepirida).
8.4 Insulina
“É o que falta no diabético!”
	 Hoje em dia o sistema de saúde fornece as insulinas em canetas
muito práticas, com agulhas muito finas e curtinhas. E são receitadas
cada vez mais cedo no curso do diabetes, mesmo no tipo 2. Os pacientes
geralmente perdem seu receio rapidamente quando percebem que é
bem fácil utilizá-las!
	 Diabéticos do tipo 1 - necessitam do esquema conhecido como
Basal-bolus.
	 Ele imita a produção de insulina de quem não tem diabetes. É
portanto mais natural.
		 Basal: existe uma produção de insulina pequena, mas
constante, mesmo quando em jejum, até durante a noite.
		 Bolus: é a insulina que é produzida, em quantidade
maior e de forma mais abrupta, sempre que a glicemia começa a subir,
logo depois de uma refeição.
	 O tratamento do diabetes tipo 1 procura reproduzir a produção
basal através de 1 a 3 aplicações diárias de ação lenta ou intermediária
(NPH humana ou glargina ou detemir).
	 Os bolus pré-alimentares são feitos com aplicações de insulinas
rápida (regular humana) ou ultrarrápidas (lispro, asparte ou glulisina).
Os bolus devem se constituir da soma de duas partes:
		 Doses para o conteúdo de carboidratos da refeição:
Antes de cada refeição, os diabéticos podem aplicar insulina de ação
rápida na quantidade apropriada para seu conteúdo em carboidratos:
quem come sempre parecido em termos de carboidratos no dia a dia,
usa uma dose fixa de insulina, e quem gosta de variar, calcula a dose pré-
alimentar pelo método de contagem de carboidratos. Você e seu médico
irão escolher o esquema que melhor se adapta às suas condições.
		 Dose de correção: Ao fazer a glicemia capilar antes das
refeições, o diabético pode somar às doses descritas acima a quantidade
necessária para também corrigir essa glicemia, caso esteja elevada. Esse
método se baseia na sua faixa de sensibilidade, isto é, um cálculo de
quanto na sua glicemia uma unidade de insulina vai baixar.
	 Diabéticos do tipo 2 - o tratamento com insulina vem sendo
cada vez mais utilizado nesse grupo de pacientes.
	 Muitas vezes é iniciada uma pequena dose noturna de insulina,
com a manutenção dos antidiabéticos orais (comprimidos). Depois de
um tempo, e de acordo com a necessidade, o número de aplicações
diárias de insulina pode aumentar.
	 Muitos diabéticos do tipo 2 usam insulina em associação
com comprimidos que melhoram seu efeito, como a metformina, por
exemplo.
	 Como o diabetes tipo 2 é uma doença progressiva, isto é, a
produção de insulina tende a diminuir com o tempo, é natural essa
intensificação do tratamento. Alguns pacientes chegam a usar o
esquema basal-bolus, depois de um certo tempo tempo de diabetes
tipo 2, como se tivessem um diabetes tipo 1.
“Insulina não é castigo para pacientes que não se cuidam! E não deve
ser adiada quando há necessidade de seu uso!”
Tipos de insulina (ver tabela 1)
Aplicando insulina
Insulina é administrada no tecido
subcutâneo (Ver figura 1), que é a gordura
logo abaixo de pele. Não é necessário fazer
uma dobra na pele, agora que as agulhas são
bem curtas e não alcançam o músculo. Insulina
NPH deve ser gentilmente rolada antes do uso,
nunca sacudir.
Os locais de aplicação são mostrados na
figura 2. São locais onde sempre há gordura e os vasos sanguíneos
são poucos. Prefira aplicar insulinas de ação mais curta no abdome e
flancos (locais de absorção
mais rápida) e as de ação mais
longa nos braços (durante
o dia) e nas coxas (durante
a noite, quando há pouco
movimento). Nunca aplique
no mesmo ponto, varie os
pontos em cada um desses
locais.
Armazene os frascos de insulina fechados na gaveta de legumes da
geladeira, nunca na porta. E sempre longe do congelador! Os frascos
ou caneta em uso (abertos) devem ficar fora da geladeira, mas longe do
calor (menos de 30 graus).
Ao transportar insulina em viagens não é necessário refrigerá-la, mas
se o ambiente for muito quente (mais de 30 graus ou ao sol) poderá
ser levada em isopor com gelo, separado do frasco de insulina por um
tecido ou papelão. Nunca deixe seu frasco de insulina no porta-luvas, no
painel ou no bagageiro de carro ou ônibus.
As canetas injetoras são práticas. Alguns cuidados são essenciais:
nunca reabasteça o cartucho da caneta, descarte-o após seu término.
Sempre conte até 10 antes de retirar a agulha do tecido subcutâneo,
isso evita perder parte da dose.
Ao descartar o material, use recipiente próprio para material perfuro-
cortante ou improvise o seu: use uma garrafa pet. Encaminhe esse
recipiente à unidade de saúde mais perto de sua casa.
8.5 Educação em diabetes
É hoje uma importante ferramenta no tratamento do diabetes e na
prevenção de suas complicações. Amplia a compreensão da doença e
capacita o diabético a assumir seu tratamento de forma plena, evitando
as descompensações agudas e crônicas.
Pode ser desenvolvida em dois níveis: individual, com membros da
equipecomformaçãoemeducaçãoemdiabetes(equipeinterdisciplinar:
médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, nutricionistas,
psicólogos e assistentes sociais) e em grupo. Nas avaliações
individuais procuramos orientar sobre temas ligados ao autocuidado:
insulinoterapia, monitorização glicêmica, cuidados os pés etc. Os
grupos complementam as orientações individuais e permitem a troca
de conhecimentos e experiências entre os participantes. Em nosso Setor
de Diabetes, ligado ao Núcleo de Promoção da Saúde, disponibilizamos:
Grupos instrutivos de 10 a 15 pessoas com a equipe interdisciplinar,
com duração limitada (4 a 6 encontros voltados para os conhecimentos
básicos), seguidos de reavaliações periódicas com novos temas
instrutivos, na medida em que se mostram necessários.
Grupos psicoeducativos de 25 a 30 pacientes: dirigidos aos pacientes
com baixa adesão ao tratamento especialmente ligadas às limitações
psicoafetivas.
Ciclo de palestras mensais: voltadas a um público maior, de
aproximadamente 60 pessoas e que visam à reciclagem de temas mais
solicitados pelos diabéticos.
	 Seminário anual: no Dia Mundial do Diabetes (14 de novembro).
Para participar do grupo, inscreva-se no setor de promoção da Saúde do
Centro de Especialidades Médicas - CEM.
Núcleo de Promoção da Saúde (31) 3247-3350
9. Dia a dia com seu diabetes
	 9.1 Monitorização da glicose
O sistema de saúde em Minas Gerais e em Belo Horizonte tem
fornecido glicosímetros e tiras reagentes para glicemia capilar nas
seguintes quantidades: 1 a 3 tiras por dia para diabetes tipo 2 em uso de
insulina e 4 a 5 tiras por dia para diabetes tipo 1. A quantidade varia de
acordo com a necessidade de cada caso.
Isso permite que os diabéticos tipo 1 corrijam as glicemias elevadas
antes de cada refeição, adicionando mais insulina de ação rápida além
da necessária para os alimentos (dose de correção). Caso apresentem
glicemias abaixo das metas, sabem também como reduzir as doses de
insulina rápida pré-alimentares. Com a automonitorização das glicemias
capilares, podem se manter bem controlados em seu dia a dia e isso se
reflete nos bons resultados da HbA1c e na prevenção das complicações.
Também os diabéticos do tipo 2 em uso de insulina devem fazer a
automonitorização das glicemias capilares. A maioria não necessita
do esquema basal-bolus, portanto fazem as glicemias com menor
frequência.
	
9.2 Saúde bucal no diabetes:
•	 Qualquer lesão bucal representa um potencial perigo de
desequilíbrio metabólico.
•	 Asdoençasdacavidadeoralestãoassociadasàhigienedeficiente
e irregular e ao controle metabólico insuficiente.
•	 A doença periodontal (doenças das gengivas e do osso que
suporta o dente) é a doença da boca mais frequente em diabéticos.
•	 Consulte regularmente o seu dentista, pois a doença periodontal
geralmente não é dolorosa, por isto fique atento.
•	 Outras manifestações orais do diabetes do tipo 1 e do tipo 2,
são:
•	 xerostomia (boca seca por baixo fluxo salivar)
•	 candidíase (sapinho)
•	 cáries dentárias
•	 gengivas vermelhas, inflamadas ou afastadas dos dentes
•	 saburra lingual (matéria orgânica estagnada no dorso da língua)
•	 sangramentos
•	 dentes móveis
A melhor forma de prevenir é:
•	 Rigorosa higiene oral
•	 Bom controle metabólico
•	 Visitas periódicas ao dentista
9.3 Cuidados com os pés
	 A neuropatia faz com que os diabéticos não “sintam” bem os
seus pés. Por isso é importante:
•	 Cortar as unhas em linha reta, evitando cortar os cantos.
•	 Evitar uso de abrasivos químicos, lixas, alicate de cutículas ou
lâmina de barbear para remover calosidades.
•	 Nunca usar calor local (escalda-pés, bolsas de água quente) para
aquecer os pés.
•	 Secar bem os pés, especialmente entre os dedos
•	 Usar hidratantes na superfície dos pés
•	 Escolher bem os sapatos: comprá-los na primeira metade da
tarde (quando já estão levemente inchados, mas não muito); preferir
sapatos de couro ou tecido firme (como tênis), fechados e sem costuras
ou dobras internas.
•	 Verificar diariamente se não há qualquer corpo estranho dentro
de seu sapato.
•	 Não usar o mesmo sapato por mais de um dia
•	 As sandálias ou chinelos devem ser evitados: os pés ressecam,
racham e podem facilmente se ferir.
•	 Examine diariamente seus pés. Se não enxergar bem peça
alguém para fazê-lo. Em caso de vermelhidão ou ferimento, procure
orientação médica
Bibliografia:
•	 Sociedade Brasileira de diabetes
•	 Http/www.diabetes.org.br
•	 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde.
Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de
reorganização da atenção a hipertensão arterial sistêmica e ao diabetes
mellitus/Departamento de ações programáticas estratégicas – Brasilia:
Ministério da Saúde 2001;104 páginas
Cartilha elaborada por equipe multidisciplinar do Núcleo da Promoção da
Saúde/NUPS/APRES
Chefia : Solange Lage Bretas
Coordenação: Denise Monteiro de Barros Caixeta
Enfermeira: Maria de Fátima Fonseca de Campos
Médico: Adelaide Andrade Rodrigues - Endocrinologista
Governador do Estado de Minas Gerais
Antonio Augusto Anastasia
Vice-Governador do Estado de Minas Gerais
Alberto Pinto Coelho
Secretária de Estado de Planejamento e Gestão
Renata Maria Paes de Vilhena
Presidente do IPSEMG
Jomara Alves da Silva
Vice-Presidente do IPSEMG
Paulo Elisiário Nunes
Secretário Geral:
Fernando César Vicente de Paula
Diretor de Saúde:
Leonardo Tadeu Campera Brescia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
Sérgio Franco - CDPI
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
guest30e4af
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
DIABETES
DIABETESDIABETES
Cartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetesCartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetes
Roberto Silva
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
Jessica Timoteo
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
Vanessa Paiva
 
OBESIDADE - 1 B
OBESIDADE - 1 BOBESIDADE - 1 B
Diabete Mellitus
Diabete MellitusDiabete Mellitus
Diabete Mellitus
Prof. Saulo Bezerra
 
Nutrição e diabetes
Nutrição e diabetesNutrição e diabetes
Nutrição e diabetes
FACULDADE ESTACIO DE SÁ
 
Palestra diabetes
Palestra diabetes Palestra diabetes
Palestra diabetes
Forte de Coimbra
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Alimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e HipertensãoAlimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e Hipertensão
Ângela Patrícia Ramos
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
CNProf
 
Manual contagem carboidratos
Manual contagem carboidratosManual contagem carboidratos
Manual contagem carboidratos
Veridiana Lopes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Mel Medina
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013
Elaine Moura
 
Diabete mellitus
Diabete mellitusDiabete mellitus
Diabete mellitus
Tales Porto
 

Mais procurados (20)

Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
Cartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetesCartilha sobre diabetes
Cartilha sobre diabetes
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
 
OBESIDADE - 1 B
OBESIDADE - 1 BOBESIDADE - 1 B
OBESIDADE - 1 B
 
Diabete Mellitus
Diabete MellitusDiabete Mellitus
Diabete Mellitus
 
Nutrição e diabetes
Nutrição e diabetesNutrição e diabetes
Nutrição e diabetes
 
Palestra diabetes
Palestra diabetes Palestra diabetes
Palestra diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Alimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e HipertensãoAlimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e Hipertensão
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 
Manual contagem carboidratos
Manual contagem carboidratosManual contagem carboidratos
Manual contagem carboidratos
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013
 
Diabete mellitus
Diabete mellitusDiabete mellitus
Diabete mellitus
 

Destaque

Cartilha Sae2014
Cartilha Sae2014Cartilha Sae2014
Cartilha Sae2014
nucane
 
Diabetes tipo 2 e Exercício Físico
Diabetes tipo 2 e Exercício Físico Diabetes tipo 2 e Exercício Físico
Diabetes tipo 2 e Exercício Físico
João Gabriel Rodrigues
 
Risco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome Metabólica
Risco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome MetabólicaRisco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome Metabólica
Risco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome Metabólica
Laf Unirg
 
Cartilha paciente
Cartilha pacienteCartilha paciente
Cartilha paciente
saudefieb
 
Revisao gametogenese
Revisao gametogeneseRevisao gametogenese
Revisao gametogenese
bioemanuel
 
Principios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionárioPrincipios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionário
bioemanuel
 
Diferenciação celular linhagem somatica e germinativa
Diferenciação celular linhagem somatica e germinativaDiferenciação celular linhagem somatica e germinativa
Diferenciação celular linhagem somatica e germinativa
bioemanuel
 
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com DiabetesManual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Sérgio Amaral
 
Sistema Endocrino - Resumo
Sistema Endocrino - ResumoSistema Endocrino - Resumo
Sistema Endocrino - Resumo
bioemanuel
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
bioemanuel
 
Manual d diabetes
Manual d diabetesManual d diabetes
Manual d diabetes
barbiebruxadoleste
 
Estudo do Corpo humano
Estudo do Corpo humanoEstudo do Corpo humano
Estudo do Corpo humano
bioemanuel
 
Síndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - BioquímicaSíndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - Bioquímica
Enfº Ícaro Araújo
 
Organização do Corpo Humano
Organização do Corpo HumanoOrganização do Corpo Humano
Organização do Corpo Humano
bioemanuel
 
01 imunidade inata
01 imunidade inata01 imunidade inata
01 imunidade inata
Ta_ta
 
Sistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatórioSistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatório
emanuel
 
Bioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compactoBioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compacto
emanuel
 
Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
cipasap
 
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
3° simulado ENEM -  matematica e linguagens3° simulado ENEM -  matematica e linguagens
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
emanuel
 
Fundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimicaFundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimica
emanuel
 

Destaque (20)

Cartilha Sae2014
Cartilha Sae2014Cartilha Sae2014
Cartilha Sae2014
 
Diabetes tipo 2 e Exercício Físico
Diabetes tipo 2 e Exercício Físico Diabetes tipo 2 e Exercício Físico
Diabetes tipo 2 e Exercício Físico
 
Risco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome Metabólica
Risco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome MetabólicaRisco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome Metabólica
Risco de AVE Isquêmico e Transitório relacionados a Síndrome Metabólica
 
Cartilha paciente
Cartilha pacienteCartilha paciente
Cartilha paciente
 
Revisao gametogenese
Revisao gametogeneseRevisao gametogenese
Revisao gametogenese
 
Principios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionárioPrincipios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionário
 
Diferenciação celular linhagem somatica e germinativa
Diferenciação celular linhagem somatica e germinativaDiferenciação celular linhagem somatica e germinativa
Diferenciação celular linhagem somatica e germinativa
 
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com DiabetesManual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
Manual de Nutrição para Pessoas com Diabetes
 
Sistema Endocrino - Resumo
Sistema Endocrino - ResumoSistema Endocrino - Resumo
Sistema Endocrino - Resumo
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
 
Manual d diabetes
Manual d diabetesManual d diabetes
Manual d diabetes
 
Estudo do Corpo humano
Estudo do Corpo humanoEstudo do Corpo humano
Estudo do Corpo humano
 
Síndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - BioquímicaSíndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - Bioquímica
 
Organização do Corpo Humano
Organização do Corpo HumanoOrganização do Corpo Humano
Organização do Corpo Humano
 
01 imunidade inata
01 imunidade inata01 imunidade inata
01 imunidade inata
 
Sistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatórioSistema digestório e circulatório
Sistema digestório e circulatório
 
Bioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compactoBioquímica - Enem compacto
Bioquímica - Enem compacto
 
Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
 
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
3° simulado ENEM -  matematica e linguagens3° simulado ENEM -  matematica e linguagens
3° simulado ENEM - matematica e linguagens
 
Fundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimicaFundamentos da bioquimica
Fundamentos da bioquimica
 

Semelhante a Diabetes

AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptxAULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
JoaoLucasSilva9
 
Fasciculo Nutricao 03
Fasciculo Nutricao 03Fasciculo Nutricao 03
Fasciculo Nutricao 03
quituteira quitutes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)
Airton Santos
 
guide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdfguide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdf
João Carvalho Silva
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
BIBFJ
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
BIBFJ
 
intro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptxintro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptx
GustavoWallace10
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
ap3bmachado
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Dia nacional controle diabetes
Dia nacional controle diabetesDia nacional controle diabetes
Dia nacional controle diabetes
Thiago Gacciona
 
Programa Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para DiabetesPrograma Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para Diabetes
Lucio Mauro Marques de Almeida
 
Diabetes 14 Nov Joao AscençãO E Tc
Diabetes 14 Nov Joao AscençãO E TcDiabetes 14 Nov Joao AscençãO E Tc
Diabetes 14 Nov Joao AscençãO E Tc
Teresa Monteiro
 
DIABETES.pptx
DIABETES.pptxDIABETES.pptx
DIABETES.pptx
DaianeSantos80986
 
Dia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetesDia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetes
Maria José Ramalho
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
Fátima Rocha
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
Dessa Reis
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
AFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptx
AFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptxAFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptx
AFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptx
Kalinevaloesvidal
 
Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir
Mary Alvarenga
 

Semelhante a Diabetes (20)

AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptxAULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
AULA 09 - DIABETES MELLITUS - Enfermagem Médica.pptx
 
Fasciculo Nutricao 03
Fasciculo Nutricao 03Fasciculo Nutricao 03
Fasciculo Nutricao 03
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)
 
guide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdfguide-du-diabete-portugais.pdf
guide-du-diabete-portugais.pdf
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
 
intro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptxintro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptx
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Dia nacional controle diabetes
Dia nacional controle diabetesDia nacional controle diabetes
Dia nacional controle diabetes
 
Programa Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para DiabetesPrograma Sugerido Para Diabetes
Programa Sugerido Para Diabetes
 
Diabetes 14 Nov Joao AscençãO E Tc
Diabetes 14 Nov Joao AscençãO E TcDiabetes 14 Nov Joao AscençãO E Tc
Diabetes 14 Nov Joao AscençãO E Tc
 
DIABETES.pptx
DIABETES.pptxDIABETES.pptx
DIABETES.pptx
 
Dia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetesDia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetes
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
AFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptx
AFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptxAFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptx
AFERIÇÃO DE GLICOSE E PRESSÃO ARTERIAL.pptx
 
Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Diabetes

  • 1. NÚCLEO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE CARTILHA SOBRE DIABETES
  • 2. 1. O que é diabetes? É uma doença muito comum e há pessoas diabéticas em todos os lugares, que participam de atividades variadas no trabalho, esporte e lazer. Ela é resultado da diminuição da ação ou da quantidade de insulina, que é o hormônio responsável pela utilização da glicose pelo organismo. Tanto o açúcar industrializado (sacarose) quanto o encontrado nas farinhas, cereais e raízes (amido) são carboidratos. Após sua ingestão, são transformados no intestino em sua forma mais simples, chamada glicose. Se falta insulina, a glicose não é utilizada e se acumula no sangue. Uma taxa elevada de glicose no sangue (hiperglicemia) é o que caracteriza a pessoa com diabetes. 2. Como se manifesta? Através dos Principais sintomas: • Urinar com muita frequência • Excesso de sede • Apetite exagerado • Emagrecimento sem causa aparente • Cansaço • Dificuldade de concentração • Vômitos e dor abdominal • Formigamento ou dor nas pernas e pés • Visão embaçada • Feridas de cicatrização difícil • Infecções frequentes
  • 3. 3. Como se faz o diagnóstico? O diagnóstico será feito pela medida da glicose no sangue (glicemia). Outra maneira é a medida da glicemia após sobrecarga oral de glicose, o teste de tolerância à glicose. Recentemente também se faz o diagnóstico pela hemoglobina glicada. 4. Tipos de diabetes: O diabetes costuma ser dividido em três tipos principais: Tipo 1 É caracterizado pela deficiência absoluta de insulina que pode se instalar abruptamente (mais comum em crianças e adolescentes) e representa cerca de 5% a 10% dos casos. O tratamento com insulina é necessário. Tipo 2 Caracteriza-se por uma deficiência relativa de insulina, causada por um defeito na sua função (resistência insulínica). Representa 90% dos casos e geralmente aparece na fase adulta. Surge com maior frequência em obesos. É tratado com dieta, medicamentos orais e frequentemente com insulina.
  • 4. Diabetes gestacional É uma condição que surge na gravidez e normalmente desaparece após o parto. Está associado com maior risco de desenvolvimento posterior de diabetes na mãe e até mesmo no filho, quando se tornar adulto. O controle da glicose durante a gestação previne um crescimento exagerado do feto e riscos durante o parto. 5. Consequências do diabetes mal controlado 5.1 Complicações agudas Cetoacidose Ocorre quando a glicose alcança valores muito elevados, geralmente entre 400-600 mg/dL. Nessa situação, acumulam-se no sangue as cetonas, que são substâncias ácidas. Para eliminá-las, o paciente respira mais rápido e mais fundo. Muitas vezes sente também dor na barriga e fica muito desidratado. É uma situação de urgência e seu tratamento só deve ser feito em hospital. Estado hiperosmolar É parecido com a cetoacidose, mas ocorre com glicemias ainda mais elevadas (acima de 600 mg/dL) e na ausência de cetonas (não afeta a
  • 5. respiração). A desidratação é muito mais grave e o paciente pode até entrar em coma. A prevenção é a mesma e a hospitalização também é essencial. Hipoglicemia Ocorre quando a glicose está abaixo do normal, geralmente abaixo de 50 mg/dL, mas alguns pacientes sentem-se mal com glicemias de 50-70 mg/dL. Outros não sentem nada com glicemias muito mais baixas, entre 30-50 mg/dL. Quanto mais frequentes as hipoglicemias, os pacientes serão menos capazes de percebê-las logo no início. Causas mais importantes da hipoglicemia Hipoglicemias ocorrem quando os diabéticos comem pouco ou pulam refeição ou quando praticam exercícios físicos, sem se alimentar adequadamente (antes e durante o exercício) ou sem reduzir as doses prévias de insulina, como o médico recomenda. Como reconhecer a hipoglicemia Os sintomas mais comuns são: suor frio com tremores, mal-estar, palidez e enjoos. Se a glicemia cair muito, pode faltar glicose no cérebro e ocorrer perda da consciência ou mesmo convulsões. Sempre que possível, deve-se fazer uma glicemia capilar antes de tratar a hipoglicemia. Como tratar a hipoglicemia Deve-se ingerir o equivalente a 15g de carboidratos, logo após o início dos sintomas. Isso equivale a 1/2 copo de caldo de laranja ou 1/2 copo de refrigerante comum, uma fruta média ou um saquinho de 15g glicose (comprado em farmácias) ou mel. Se os sintomas ou a glicemia não melhorarem após 10/15 minutos, deve-se repetir a mesma quantidade de carboidratos e testar novamente. A hipoglicemia é uma forma de estresse que se segue sempre de hiperglicemia, por causa dos hormônios contrainsulínicos. Portanto não deve ser tratada com excesso de açúcar. Mas, em caso de perda de consciência, não se deve ingerir alimentos pela boca: o paciente pode se sufocar ou até mesmo aspirar esse alimento para os pulmões. Nesse caso, deve-se injetar o Glucagon no subcutâneo. Peça ao seu médico para lhe orientar sobre seu uso.
  • 6. 5.2 Complicações crônicas “Se você controla o diabetes ele nunca vai controlar você” Quando a glicose permanece acima das metas por mais tempo, podem surgir problemas nos vasos sanguíneos muito finos, como os dos rins (nefropatia diabética), dos olhos (retinopatia diabética) e dos nervos (neuropatia diabética). Alguns pacientes também desenvolvem entupimentos em vasos sanguíneos mais grossos, como os do coração, do cérebro ou das pernas. Esses problemas, às vezes, se tornam um grande transtorno. Mas a boa notícia é que podem ser evitados! 6. Quais são as metas de bom controle do diabetes? Glicemias de jejum abaixo de 100-120 mg/dL e pós-alimentares abaixo de 140-180 mg/dL. A Hemoglobina Glicada (HbA1c) é um exame de sangue que avalia a média das glicemias nos últimos 2 a 3 meses, mas que sofre maior impacto de glicemias mais recentes (últimos 15/30 dias). É utilizada para diagnóstico do diabetes (quando está igual ou maior que 6,5%) e também para avaliar se o diabetes está bem controlado. Nesse caso, a meta é uma HbA1c menor que 7%. 6. Prevenindo as complicações do diabetes Faça suas consultas médicas e exames regularmente. O controle continuado da glicemia diminui muito a ocorrência e progressão das complicações do diabetes. Mantenha o seu peso ideal para a sua altura.
  • 7. Faça exercícios físicos. Tome seus medicamentos conforme prescritos pelo médico. Não fume. Alimente-se de forma saudável. Evite o consumo de álcool. Examine e cuide bem dos seus pés. Lembre seu médico de examiná- los pelo menos uma vez por ano. Cunsulte seu médico regularmente para detecção precoce de alterações nos olhos, rins, nervos e vasos sanguíneos. Mantenha a sua pressão arterial controlada (pressão alta acelera o desenvolvimento de complicações crônicas). Mantenha controlado o seu nível de gorduras no sangue (colesterol e triglicérides). Quando altos, também aceleram o desenvolvimento de complicações crônicas. Participe de todas as atividades de “educação em diabetes” promovidas pelo Setor de Diabetes do Núcleo de Promoção da Saúde. 8. TRATAMENTO 8.1 Nutrição e diabetes “Alimentação: a chave para manter-se saudável” O que é uma alimentação saudável? É aquela que atende as necessidades nutricionais de cada indivíduo, com a ingestão de alimentos de qualidade e em quantidades adequadas. Deve conter todos os nutrientes: carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas, sais minerais, fibras e água. Em quais alimentos encontramos esses nutrientes?
  • 8. Nutrientes Onde podemos encontrar Carboidratos Massa, pães, macarrão, arroz, batata, mandioca, frutas, doces e açúcares. Proteínas Carnes de todos os tipos, ovos, leite, queijo, soja, cereais integrais, feijões, lentilha, ervilha, nozes e castanhas. Gorduras Preferir: óleos vegetais como azeite de oliva, óleo de canola, milho, girassol. Evitar: Carnes gordas, bacon, torresmo, leite integral, manteiga, lingüiça, salame, presunto, salsicha, mortadela, frituras, fast foods, biscoitos. Vitaminas e sais mineirais Frutas, verduras, legumes, leite, yogurte, queijos magros e cereais integrais. Fibras Frutas, verduras, legumes, farelo de aveia, leguminosas (grãos dentro de favas). “Comersabiamentetambémpodeajudá-loaatingirumpesosaudável” Um nutricionista poderá orientá-lo. Tente estabelecer horários regulares para as refeições e lanches do dia. Consuma diariamente frutas, vegetais frescos e crus, cereais integrais. Evite alimentos que contenham gorduras trans (salgadinhos e batatas, biscoitos recheados). Reduza os alimentos ricos em gorduras. Asse, ferva ou grelhe os seus alimentos. Evite assim as frituras. Tenha por hábito ler o rótulo dos produtos dos supermercados, identifique o conteúdo calórico, a quantidade de sódio (sal), de gordura trans e a quantidade de açúcar. 8.2 Diabetes e exercício físico: Porque é importante fazer exercícios físicos? Está cientificamente provado que os exercícios ajudam a: Melhorar a glicemia.
  • 9. Controlar o peso. Reduzir a pressão arterial. Evitar as enfermidades do coração. Melhorar a qualidade de vida e o bem- estar. Prevenir o aparecimento de diabetes. Como fazer: Tipo de exercício: o ideal é uma combinação dos dois tipos abaixo: Exercício aeróbio (exercícios que reduzem o fôlego e fazem suar): caminhada, ciclismo, natação, dança, entre outros (3 a 4 vezes por semana) Exercício anaeróbio (de resistência ou “de força”): musculação, pilates (2 vezes por semana) Frequência do exercício: •Três a cinco vezes por semana Duração do exercício •Diário: 30 a 60 minutos •Semanal: 150 minutos Dicas para o exercício físico: •Use roupas e calçados adequados. •Faça aquecimento e alongamento por 5 a 10 minutos. •Inicie com uma atividade leve e curta e vá aumentado aos poucos. •Beba líquidos antes e durante o exercício.
  • 10. •Mantenha sempre ao alcance carboidratos de absorção rápida (caldo de laranja ou refrigerante comum) e use em torno de 1/2 copo a cada 1/2 hora de exercício. •Interrompa o exercício se sentir tontura, dor ou dificuldade para respirar. •Faça uma avaliação de seu coração antes de começar um programa de atividade física. 8.3 Antidiabéticos orais Muitos diabéticos do tipo 2 ficam bem controlados por muito tempo em uso de comprimidos para diabetes. Existem vários no comércio, mas os mais usados, por sua segurança e facilidade de acesso (SUS ou Farmácia Popular) são a metformina e as sulfoniluréias (glibenclamida, gliclazida e glimepirida). 8.4 Insulina “É o que falta no diabético!” Hoje em dia o sistema de saúde fornece as insulinas em canetas muito práticas, com agulhas muito finas e curtinhas. E são receitadas cada vez mais cedo no curso do diabetes, mesmo no tipo 2. Os pacientes geralmente perdem seu receio rapidamente quando percebem que é bem fácil utilizá-las! Diabéticos do tipo 1 - necessitam do esquema conhecido como Basal-bolus. Ele imita a produção de insulina de quem não tem diabetes. É
  • 11. portanto mais natural. Basal: existe uma produção de insulina pequena, mas constante, mesmo quando em jejum, até durante a noite. Bolus: é a insulina que é produzida, em quantidade maior e de forma mais abrupta, sempre que a glicemia começa a subir, logo depois de uma refeição. O tratamento do diabetes tipo 1 procura reproduzir a produção basal através de 1 a 3 aplicações diárias de ação lenta ou intermediária (NPH humana ou glargina ou detemir). Os bolus pré-alimentares são feitos com aplicações de insulinas rápida (regular humana) ou ultrarrápidas (lispro, asparte ou glulisina). Os bolus devem se constituir da soma de duas partes: Doses para o conteúdo de carboidratos da refeição: Antes de cada refeição, os diabéticos podem aplicar insulina de ação rápida na quantidade apropriada para seu conteúdo em carboidratos: quem come sempre parecido em termos de carboidratos no dia a dia, usa uma dose fixa de insulina, e quem gosta de variar, calcula a dose pré- alimentar pelo método de contagem de carboidratos. Você e seu médico irão escolher o esquema que melhor se adapta às suas condições. Dose de correção: Ao fazer a glicemia capilar antes das refeições, o diabético pode somar às doses descritas acima a quantidade necessária para também corrigir essa glicemia, caso esteja elevada. Esse método se baseia na sua faixa de sensibilidade, isto é, um cálculo de quanto na sua glicemia uma unidade de insulina vai baixar. Diabéticos do tipo 2 - o tratamento com insulina vem sendo cada vez mais utilizado nesse grupo de pacientes. Muitas vezes é iniciada uma pequena dose noturna de insulina, com a manutenção dos antidiabéticos orais (comprimidos). Depois de um tempo, e de acordo com a necessidade, o número de aplicações diárias de insulina pode aumentar. Muitos diabéticos do tipo 2 usam insulina em associação com comprimidos que melhoram seu efeito, como a metformina, por exemplo. Como o diabetes tipo 2 é uma doença progressiva, isto é, a produção de insulina tende a diminuir com o tempo, é natural essa intensificação do tratamento. Alguns pacientes chegam a usar o esquema basal-bolus, depois de um certo tempo tempo de diabetes
  • 12. tipo 2, como se tivessem um diabetes tipo 1. “Insulina não é castigo para pacientes que não se cuidam! E não deve ser adiada quando há necessidade de seu uso!” Tipos de insulina (ver tabela 1) Aplicando insulina Insulina é administrada no tecido subcutâneo (Ver figura 1), que é a gordura logo abaixo de pele. Não é necessário fazer uma dobra na pele, agora que as agulhas são bem curtas e não alcançam o músculo. Insulina NPH deve ser gentilmente rolada antes do uso, nunca sacudir. Os locais de aplicação são mostrados na figura 2. São locais onde sempre há gordura e os vasos sanguíneos são poucos. Prefira aplicar insulinas de ação mais curta no abdome e
  • 13. flancos (locais de absorção mais rápida) e as de ação mais longa nos braços (durante o dia) e nas coxas (durante a noite, quando há pouco movimento). Nunca aplique no mesmo ponto, varie os pontos em cada um desses locais. Armazene os frascos de insulina fechados na gaveta de legumes da geladeira, nunca na porta. E sempre longe do congelador! Os frascos ou caneta em uso (abertos) devem ficar fora da geladeira, mas longe do calor (menos de 30 graus). Ao transportar insulina em viagens não é necessário refrigerá-la, mas se o ambiente for muito quente (mais de 30 graus ou ao sol) poderá ser levada em isopor com gelo, separado do frasco de insulina por um tecido ou papelão. Nunca deixe seu frasco de insulina no porta-luvas, no painel ou no bagageiro de carro ou ônibus. As canetas injetoras são práticas. Alguns cuidados são essenciais: nunca reabasteça o cartucho da caneta, descarte-o após seu término. Sempre conte até 10 antes de retirar a agulha do tecido subcutâneo, isso evita perder parte da dose.
  • 14. Ao descartar o material, use recipiente próprio para material perfuro- cortante ou improvise o seu: use uma garrafa pet. Encaminhe esse recipiente à unidade de saúde mais perto de sua casa. 8.5 Educação em diabetes É hoje uma importante ferramenta no tratamento do diabetes e na prevenção de suas complicações. Amplia a compreensão da doença e capacita o diabético a assumir seu tratamento de forma plena, evitando as descompensações agudas e crônicas. Pode ser desenvolvida em dois níveis: individual, com membros da equipecomformaçãoemeducaçãoemdiabetes(equipeinterdisciplinar: médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, nutricionistas, psicólogos e assistentes sociais) e em grupo. Nas avaliações individuais procuramos orientar sobre temas ligados ao autocuidado: insulinoterapia, monitorização glicêmica, cuidados os pés etc. Os grupos complementam as orientações individuais e permitem a troca de conhecimentos e experiências entre os participantes. Em nosso Setor de Diabetes, ligado ao Núcleo de Promoção da Saúde, disponibilizamos: Grupos instrutivos de 10 a 15 pessoas com a equipe interdisciplinar, com duração limitada (4 a 6 encontros voltados para os conhecimentos básicos), seguidos de reavaliações periódicas com novos temas instrutivos, na medida em que se mostram necessários. Grupos psicoeducativos de 25 a 30 pacientes: dirigidos aos pacientes com baixa adesão ao tratamento especialmente ligadas às limitações psicoafetivas. Ciclo de palestras mensais: voltadas a um público maior, de aproximadamente 60 pessoas e que visam à reciclagem de temas mais solicitados pelos diabéticos. Seminário anual: no Dia Mundial do Diabetes (14 de novembro). Para participar do grupo, inscreva-se no setor de promoção da Saúde do Centro de Especialidades Médicas - CEM. Núcleo de Promoção da Saúde (31) 3247-3350
  • 15. 9. Dia a dia com seu diabetes 9.1 Monitorização da glicose O sistema de saúde em Minas Gerais e em Belo Horizonte tem fornecido glicosímetros e tiras reagentes para glicemia capilar nas seguintes quantidades: 1 a 3 tiras por dia para diabetes tipo 2 em uso de insulina e 4 a 5 tiras por dia para diabetes tipo 1. A quantidade varia de acordo com a necessidade de cada caso. Isso permite que os diabéticos tipo 1 corrijam as glicemias elevadas antes de cada refeição, adicionando mais insulina de ação rápida além da necessária para os alimentos (dose de correção). Caso apresentem glicemias abaixo das metas, sabem também como reduzir as doses de insulina rápida pré-alimentares. Com a automonitorização das glicemias capilares, podem se manter bem controlados em seu dia a dia e isso se reflete nos bons resultados da HbA1c e na prevenção das complicações. Também os diabéticos do tipo 2 em uso de insulina devem fazer a automonitorização das glicemias capilares. A maioria não necessita do esquema basal-bolus, portanto fazem as glicemias com menor frequência. 9.2 Saúde bucal no diabetes: • Qualquer lesão bucal representa um potencial perigo de desequilíbrio metabólico. • Asdoençasdacavidadeoralestãoassociadasàhigienedeficiente e irregular e ao controle metabólico insuficiente.
  • 16. • A doença periodontal (doenças das gengivas e do osso que suporta o dente) é a doença da boca mais frequente em diabéticos. • Consulte regularmente o seu dentista, pois a doença periodontal geralmente não é dolorosa, por isto fique atento. • Outras manifestações orais do diabetes do tipo 1 e do tipo 2, são: • xerostomia (boca seca por baixo fluxo salivar) • candidíase (sapinho) • cáries dentárias • gengivas vermelhas, inflamadas ou afastadas dos dentes • saburra lingual (matéria orgânica estagnada no dorso da língua) • sangramentos • dentes móveis A melhor forma de prevenir é: • Rigorosa higiene oral • Bom controle metabólico • Visitas periódicas ao dentista 9.3 Cuidados com os pés A neuropatia faz com que os diabéticos não “sintam” bem os seus pés. Por isso é importante: • Cortar as unhas em linha reta, evitando cortar os cantos.
  • 17. • Evitar uso de abrasivos químicos, lixas, alicate de cutículas ou lâmina de barbear para remover calosidades. • Nunca usar calor local (escalda-pés, bolsas de água quente) para aquecer os pés. • Secar bem os pés, especialmente entre os dedos • Usar hidratantes na superfície dos pés • Escolher bem os sapatos: comprá-los na primeira metade da tarde (quando já estão levemente inchados, mas não muito); preferir sapatos de couro ou tecido firme (como tênis), fechados e sem costuras ou dobras internas. • Verificar diariamente se não há qualquer corpo estranho dentro de seu sapato. • Não usar o mesmo sapato por mais de um dia • As sandálias ou chinelos devem ser evitados: os pés ressecam, racham e podem facilmente se ferir. • Examine diariamente seus pés. Se não enxergar bem peça alguém para fazê-lo. Em caso de vermelhidão ou ferimento, procure orientação médica Bibliografia: • Sociedade Brasileira de diabetes • Http/www.diabetes.org.br • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de reorganização da atenção a hipertensão arterial sistêmica e ao diabetes mellitus/Departamento de ações programáticas estratégicas – Brasilia: Ministério da Saúde 2001;104 páginas
  • 18. Cartilha elaborada por equipe multidisciplinar do Núcleo da Promoção da Saúde/NUPS/APRES Chefia : Solange Lage Bretas Coordenação: Denise Monteiro de Barros Caixeta Enfermeira: Maria de Fátima Fonseca de Campos Médico: Adelaide Andrade Rodrigues - Endocrinologista Governador do Estado de Minas Gerais Antonio Augusto Anastasia Vice-Governador do Estado de Minas Gerais Alberto Pinto Coelho Secretária de Estado de Planejamento e Gestão Renata Maria Paes de Vilhena Presidente do IPSEMG Jomara Alves da Silva Vice-Presidente do IPSEMG Paulo Elisiário Nunes Secretário Geral: Fernando César Vicente de Paula Diretor de Saúde: Leonardo Tadeu Campera Brescia