SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
A transferência de energia e de matéria no ecossistema
Estrutura das cadeias alimentares 
 Cada componente da cadeia, representando um grupo de seres 
vivos, é denominado nível trófico. Assim, na cadeia gramíneas -> 
preás -> cobras -> decompositores: 
 as gramíneas formam o primeiro nível trófico; 
 os preás representam o segundo nível trófico; 
 as cobras são o terceiro nível trófico; 
 os decompositores formam o quarto nível trófico. 
 Observe que uma cadeia alimentar se inicia com os produtores e 
termina com os decompositores. Mas, por ser implícita a 
atuação dos decompositores, é comum não representar esses 
organismos em uma cadeia alimentar (cadeia onde a seta indica 
o nível trófico que obtém alimento).
Teia alimentar 
 Teia alimentar é o conjunto de cadeias alimentares que 
interagem em um ecossistema. 
 Observe a teia alimentar a seguir:
Cadeia alimentar e a perda de energia 
 A energia necessária para a manutenção do metabolismo em um 
organismo é obtida por meio da respiração celular, quando 
certas substâncias orgânicas contidas nos alimentos são 
oxidadas. Nesse processo, grande parte da energia química 
acumulada nas substâncias orgânicas se perde para o meio 
externo na forma de calor. Além da respiração celular, um 
organismo também pode perder parte da energia contida nos 
alimentos para o meio externo de outros modos. Assim, em uma 
cadeia alimentar, a disponibilidade de energia diminui à medida 
que ela é transferida de um nível trófico para outro.
Cadeia alimentar e a perda de energia 
 A quantidade de energia perdida para o meio externo varia. 
Muitas vezes, na transferência de energia de um nível trófico 
para outro, 90% ou mais da energia química dos alimentos se 
perde para o meio externo. Em consequência disso, as cadeias 
alimentares normalmente não possuem mais que cinco ou seis 
níveis tróficos. 
 Concluímos que, quanto mais próxima do início da cadeia 
alimentar estiver uma população, maior será a quantidade de 
energia disponível para ela e, portanto, essa população poderá 
abrigar maior número de indivíduos.
Cadeia alimentar e a perda de energia
O fluxo unidirecional de energia 
 A energia luminosa “penetra” no mundo vivo pelos seres 
clorofilados, sendo transformada em energia química por meio 
da fotossíntese. Então, ao longo da cadeia alimentar, a energia 
desenvolve um trajeto no sentido de produtores -> 
consumidores -> decompositores e, ao passar do mundo vivo 
para o mundo físico, na forma de calor, não pode mais ser 
reaproveitada. Diz-se então que o fluxo de energia em uma 
cadeia alimentar é unidirecional.
O ciclo da matéria 
 Ao contrário da energia, a matéria que passa do mundo vivo 
para o mundo físico pode ser reaproveitada pelos seres vivos. 
Depois de processada, incorporada à matéria viva e transferida 
ao longo da cadeia alimentar, a matéria retorna ao mundo físico 
principalmente pela ação de bactérias e de fungos, quando 
substâncias orgânicas são decompostas e podem ser novamente 
utilizadas por um ser produtor. Diz-se então que a matéria , em 
um ecossistema, apresenta trajeto cíclico.
Produtores e decompositores: indispensáveis no 
fluxo de energia e no ciclo da matéria 
 Os organismos produtores são considerados componentes bióticos 
indispensáveis para a manutenção de vida em um ecossistema 
independente. 
 Os seres decompositores são também componentes bióticos 
indispensáveis, por participarem diretamente da reciclagem da 
matéria na natureza. 
 Por não participar diretamente de nenhum dos processos citados, os 
consumidores não são considerados componentes bióticos 
indispensáveis para a manutenção de vida em um ecossistema. Mas a 
eliminação de determinado grupo de consumidores de uma região 
pode trazer sérias consequências ao ecossistema, muitas vezes 
afetando de forma considerável as demais populações estabelecidas 
naquela área.
Pirâmides ecológicas 
 As pirâmides ecológicas expressam, graficamente, a estrutura 
dos níveis tróficos de uma cadeia alimentar. Cada nível trófico é 
representado por um retângulo, assim: 
 o retângulo da base representa o primeiro nível trófico 
(produtores); 
 o segundo retângulo representa o segundo nível trófico 
(consumidores primários); 
 o terceiro retângulo apresenta o terceiro nível trófico 
(consumidores secundários), e assim por diante; 
 Existem três tipos de pirâmides: a pirâmide de energia, a 
pirâmide de biomassa e a pirâmide de números.
A pirâmide de energia 
 Mostra a quantidade de energia acumulada nas substâncias 
orgânicas de cada nível trófico. A quantidade de energia 
disponível diminui ao longo da cadeia alimentar; assim, quanto 
mais distante dos produtores estiver um determinado nível 
trófico, menor será a quantidade de energia que recebe por 
meio dos alimentos. Por isso, uma pirâmide de energia sempre 
apresenta o vértice virado para cima.
A pirâmide de energia
A pirâmide de biomassa 
 Expressa a quantidade de biomassa ou matéria acumulada nos 
seres vivos de cada nível trófico de cadeia alimentar. 
 Sabe-se que apenas uma parcela da biomassa adquirida por 
meio dos alimentos é transformada em matéria viva. Nos 
animais, por exemplo, uma parte da biomassa dos alimentos é 
utilizada como fonte de energia e eliminada para forma de 
resíduos respiratórios (CO2 E H2O); há também uma parte que 
é eliminada para o ambiente externo coma fezes ou como 
material de excreção, como ureia.
A pirâmide de números 
 Expressa a quantidade de indivíduos presentes em cada nível 
trófico da cadeia alimentar. Quando o número de indivíduos 
diminui ao longo da cadeia, pirâmide de números apresenta o 
vértice voltado para cima.
A pirâmide de números
Bianca Lima – nº 6 
Eduarda Hiraoka – nº 7 
Lucas Vilar – nº 21 
Maria Beatriz L. C. R. L. – nº 22 
Thaís da Glória – nº 34

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaReinan Santos
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tcTeresa Monteiro
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tcTeresa Monteiro
 
Fixismo e Evolucionismo
 Fixismo e Evolucionismo Fixismo e Evolucionismo
Fixismo e Evolucionismoelvira.sequeira
 
Fatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticosFatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticosMarcia Bantim
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicosprofatatiana
 
Diversidade biologica
Diversidade biologicaDiversidade biologica
Diversidade biologicaJosenildocte
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011Roberto Bagatini
 
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivospreuniversitarioitab
 
Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologiaGrupo UNIASSELVI
 

Mais procurados (20)

Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Biopirataria
BiopiratariaBiopirataria
Biopirataria
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
 
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
 
Fixismo e Evolucionismo
 Fixismo e Evolucionismo Fixismo e Evolucionismo
Fixismo e Evolucionismo
 
Fatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticosFatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticos
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Dinamica populacional
Dinamica populacionalDinamica populacional
Dinamica populacional
 
Biodiversidade e aspectos biológicos
Biodiversidade e aspectos biológicosBiodiversidade e aspectos biológicos
Biodiversidade e aspectos biológicos
 
Lixo!
Lixo!Lixo!
Lixo!
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
 
Diversidade biologica
Diversidade biologicaDiversidade biologica
Diversidade biologica
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
 
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
 
Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologia
 

Destaque

Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaLucca
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores BióticosCatir
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.pptLeonor Vaz Pereira
 
Powerpoint Nr. 3 PirâMides EcolóGicas
Powerpoint Nr. 3   PirâMides EcolóGicasPowerpoint Nr. 3   PirâMides EcolóGicas
Powerpoint Nr. 3 PirâMides EcolóGicasNuno Correia
 
Energia transferencia de energia
Energia   transferencia de energiaEnergia   transferencia de energia
Energia transferencia de energiaPaulo Brites
 
Ficha de trabalho 8º ano (correcção)
Ficha de trabalho 8º ano (correcção)Ficha de trabalho 8º ano (correcção)
Ficha de trabalho 8º ano (correcção)isabelalexandrapinto
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraCarla Brites
 
Aula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energiaAula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energiaLiliane Morgado
 
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasFluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasCristina Couto Varela
 
Ciclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energiaCiclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energiaAna Castro
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraLuís Filipe Marinho
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoemanuel
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaRita Pereira
 
Fatores limitantes
Fatores limitantesFatores limitantes
Fatores limitantesunesp
 

Destaque (20)

Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
 
Cadeias Alimentares
Cadeias AlimentaresCadeias Alimentares
Cadeias Alimentares
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
1.1. modulo a1.1 divers.organ.ppt
 
Sucessão ecológica lara - biologia 1 ano
Sucessão ecológica   lara - biologia 1 anoSucessão ecológica   lara - biologia 1 ano
Sucessão ecológica lara - biologia 1 ano
 
Powerpoint Nr. 3 PirâMides EcolóGicas
Powerpoint Nr. 3   PirâMides EcolóGicasPowerpoint Nr. 3   PirâMides EcolóGicas
Powerpoint Nr. 3 PirâMides EcolóGicas
 
Energia transferencia de energia
Energia   transferencia de energiaEnergia   transferencia de energia
Energia transferencia de energia
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Ficha de trabalho 8º ano (correcção)
Ficha de trabalho 8º ano (correcção)Ficha de trabalho 8º ano (correcção)
Ficha de trabalho 8º ano (correcção)
 
Influência da água e do solo
Influência da água e do soloInfluência da água e do solo
Influência da água e do solo
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Aula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energiaAula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energia
 
Influência da luz e da temperatura
Influência da luz e da temperaturaInfluência da luz e da temperatura
Influência da luz e da temperatura
 
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos EcossistemasFluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
Fluxos de Energia e Ciclos de Matéria nos Ecossistemas
 
Ciclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energiaCiclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energia
 
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terraI2   equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
I2 equilíbrio dinâmico e sustentabilidade da terra
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materia
 
Ecologia de Populações
Ecologia de PopulaçõesEcologia de Populações
Ecologia de Populações
 
Fatores limitantes
Fatores limitantesFatores limitantes
Fatores limitantes
 

Semelhante a Ecossistemas: Fluxo de Energia e Cadeias Alimentares

Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Roberto Bagatini
 
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]Leonardo Alves
 
Fluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matériaFluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matériaadelinacgomes
 
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02helder raposo
 
Relações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptRelações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptLarissiFial
 
Cadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMidesCadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMidesSérgio Luiz
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresAngela Boucinha
 
Trabalho de biologia do gabi
Trabalho de biologia do gabiTrabalho de biologia do gabi
Trabalho de biologia do gabiRoberto Bagatini
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;s1lv1alouro
 
1587720847uPWGbYeE.ppt
1587720847uPWGbYeE.ppt1587720847uPWGbYeE.ppt
1587720847uPWGbYeE.pptmariabonfim11
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicaskoala69panda
 
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1anoAlpha Colégio e Vestibulares
 
fluxo de energia e piramides ecologicas 1.ppt
fluxo de energia e piramides ecologicas 1.pptfluxo de energia e piramides ecologicas 1.ppt
fluxo de energia e piramides ecologicas 1.pptTERCIOSANTANA6
 
03 ecologia relacoes troficas
03 ecologia   relacoes troficas03 ecologia   relacoes troficas
03 ecologia relacoes troficasrommel andrade
 

Semelhante a Ecossistemas: Fluxo de Energia e Cadeias Alimentares (20)

Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
 
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
 
Fluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matériaFluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matéria
 
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
 
Seminário "
Seminário "Seminário "
Seminário "
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Relações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptRelações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.ppt
 
Cadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMidesCadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMides
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Trabalho de biologia do gabi
Trabalho de biologia do gabiTrabalho de biologia do gabi
Trabalho de biologia do gabi
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
 
1587720847uPWGbYeE.ppt
1587720847uPWGbYeE.ppt1587720847uPWGbYeE.ppt
1587720847uPWGbYeE.ppt
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
 
fluxo de energia e piramides ecologicas 1.ppt
fluxo de energia e piramides ecologicas 1.pptfluxo de energia e piramides ecologicas 1.ppt
fluxo de energia e piramides ecologicas 1.ppt
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
 
03 ecologia relacoes troficas
03 ecologia   relacoes troficas03 ecologia   relacoes troficas
03 ecologia relacoes troficas
 
Fluxo de energia
Fluxo de energia Fluxo de energia
Fluxo de energia
 

Último

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 

Ecossistemas: Fluxo de Energia e Cadeias Alimentares

  • 1. A transferência de energia e de matéria no ecossistema
  • 2. Estrutura das cadeias alimentares  Cada componente da cadeia, representando um grupo de seres vivos, é denominado nível trófico. Assim, na cadeia gramíneas -> preás -> cobras -> decompositores:  as gramíneas formam o primeiro nível trófico;  os preás representam o segundo nível trófico;  as cobras são o terceiro nível trófico;  os decompositores formam o quarto nível trófico.  Observe que uma cadeia alimentar se inicia com os produtores e termina com os decompositores. Mas, por ser implícita a atuação dos decompositores, é comum não representar esses organismos em uma cadeia alimentar (cadeia onde a seta indica o nível trófico que obtém alimento).
  • 3. Teia alimentar  Teia alimentar é o conjunto de cadeias alimentares que interagem em um ecossistema.  Observe a teia alimentar a seguir:
  • 4. Cadeia alimentar e a perda de energia  A energia necessária para a manutenção do metabolismo em um organismo é obtida por meio da respiração celular, quando certas substâncias orgânicas contidas nos alimentos são oxidadas. Nesse processo, grande parte da energia química acumulada nas substâncias orgânicas se perde para o meio externo na forma de calor. Além da respiração celular, um organismo também pode perder parte da energia contida nos alimentos para o meio externo de outros modos. Assim, em uma cadeia alimentar, a disponibilidade de energia diminui à medida que ela é transferida de um nível trófico para outro.
  • 5. Cadeia alimentar e a perda de energia  A quantidade de energia perdida para o meio externo varia. Muitas vezes, na transferência de energia de um nível trófico para outro, 90% ou mais da energia química dos alimentos se perde para o meio externo. Em consequência disso, as cadeias alimentares normalmente não possuem mais que cinco ou seis níveis tróficos.  Concluímos que, quanto mais próxima do início da cadeia alimentar estiver uma população, maior será a quantidade de energia disponível para ela e, portanto, essa população poderá abrigar maior número de indivíduos.
  • 6. Cadeia alimentar e a perda de energia
  • 7. O fluxo unidirecional de energia  A energia luminosa “penetra” no mundo vivo pelos seres clorofilados, sendo transformada em energia química por meio da fotossíntese. Então, ao longo da cadeia alimentar, a energia desenvolve um trajeto no sentido de produtores -> consumidores -> decompositores e, ao passar do mundo vivo para o mundo físico, na forma de calor, não pode mais ser reaproveitada. Diz-se então que o fluxo de energia em uma cadeia alimentar é unidirecional.
  • 8. O ciclo da matéria  Ao contrário da energia, a matéria que passa do mundo vivo para o mundo físico pode ser reaproveitada pelos seres vivos. Depois de processada, incorporada à matéria viva e transferida ao longo da cadeia alimentar, a matéria retorna ao mundo físico principalmente pela ação de bactérias e de fungos, quando substâncias orgânicas são decompostas e podem ser novamente utilizadas por um ser produtor. Diz-se então que a matéria , em um ecossistema, apresenta trajeto cíclico.
  • 9.
  • 10. Produtores e decompositores: indispensáveis no fluxo de energia e no ciclo da matéria  Os organismos produtores são considerados componentes bióticos indispensáveis para a manutenção de vida em um ecossistema independente.  Os seres decompositores são também componentes bióticos indispensáveis, por participarem diretamente da reciclagem da matéria na natureza.  Por não participar diretamente de nenhum dos processos citados, os consumidores não são considerados componentes bióticos indispensáveis para a manutenção de vida em um ecossistema. Mas a eliminação de determinado grupo de consumidores de uma região pode trazer sérias consequências ao ecossistema, muitas vezes afetando de forma considerável as demais populações estabelecidas naquela área.
  • 11. Pirâmides ecológicas  As pirâmides ecológicas expressam, graficamente, a estrutura dos níveis tróficos de uma cadeia alimentar. Cada nível trófico é representado por um retângulo, assim:  o retângulo da base representa o primeiro nível trófico (produtores);  o segundo retângulo representa o segundo nível trófico (consumidores primários);  o terceiro retângulo apresenta o terceiro nível trófico (consumidores secundários), e assim por diante;  Existem três tipos de pirâmides: a pirâmide de energia, a pirâmide de biomassa e a pirâmide de números.
  • 12. A pirâmide de energia  Mostra a quantidade de energia acumulada nas substâncias orgânicas de cada nível trófico. A quantidade de energia disponível diminui ao longo da cadeia alimentar; assim, quanto mais distante dos produtores estiver um determinado nível trófico, menor será a quantidade de energia que recebe por meio dos alimentos. Por isso, uma pirâmide de energia sempre apresenta o vértice virado para cima.
  • 13. A pirâmide de energia
  • 14. A pirâmide de biomassa  Expressa a quantidade de biomassa ou matéria acumulada nos seres vivos de cada nível trófico de cadeia alimentar.  Sabe-se que apenas uma parcela da biomassa adquirida por meio dos alimentos é transformada em matéria viva. Nos animais, por exemplo, uma parte da biomassa dos alimentos é utilizada como fonte de energia e eliminada para forma de resíduos respiratórios (CO2 E H2O); há também uma parte que é eliminada para o ambiente externo coma fezes ou como material de excreção, como ureia.
  • 15.
  • 16. A pirâmide de números  Expressa a quantidade de indivíduos presentes em cada nível trófico da cadeia alimentar. Quando o número de indivíduos diminui ao longo da cadeia, pirâmide de números apresenta o vértice voltado para cima.
  • 17. A pirâmide de números
  • 18. Bianca Lima – nº 6 Eduarda Hiraoka – nº 7 Lucas Vilar – nº 21 Maria Beatriz L. C. R. L. – nº 22 Thaís da Glória – nº 34