Em sentido contrário - 7º 4ª

1.956 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.956
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.563
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Em sentido contrário - 7º 4ª

  1. 1. Trabalho realizado por:  Mário Ramos nº14  Neuza Amaral nº15 Projecto em sentido contrário
  2. 2. António Gedeão (Lisboa, 24 de Novembro de 1906 — Lisboa, 19 de Fevereiro de 1997), português, foi um químico, professor de físico-química do ensino secundário no Liceu Pedro Nunes e Liceu Camões, pedagogo, investigador de História da ciência em Portugal, divulgador da ciência, e poeta sob o pseudónimo de António Gedeão. Pedra Filosofal e Lágrima de Preta são dois dos seus mais célebres poemas.
  3. 3. Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões. Não é Júpiter, nem Thor, nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto teor dos Cabos Canaverais. A potência destinada às rotações da turbine não vem da nafta queimada, nem é de água oxigenada nem de ergóis de FURALINA. FURALINA. Erecta, na torre erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se VIDA. Chama-se AMOR, simplesmente. Poema Arma Secreta Afinidade temperamental ou psíquica. É uma obra para piano composta.
  4. 4. Tenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambidelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do Sol, por outra a luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra a Via Láctea como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão. Pela maior entra o espanto, pela menor a certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Poema Aurora boreal Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro arestas, quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, que as vigias são redondas e o sonho afaga e embala à semelhança das ondas.
  5. 5. Por além entra a tristeza, por aquela entra a saudade e o desejo, e a humildade, e o silêncio, e a surpresa, e o amor dos homens, e o tédio, e o medo, e a MELANCOLIA, e essa fonte sem remédio a que se chama poesia, e a inocência, e a bondade, e a dor própria, e a dor alheia, e a paixão que se incendeia, e a viuvez e a piedade, e o grande pássaro branco, e o grande pássaro negro que se olham obliquamente, arrepiados de medo, todos os RISOS e choros, todas as fomes, e SEDES tudo alonga a sua sombra nas minhas quatro paredes. Continuação do poema Carência de água; necessidade de ingerir líquidos. Expressão de alegria, de satisfação. Psicose caracterizada por depressão intensa, inibição, angústia, insónia, ideias de suicídio, sintomatologia esta que se manifesta por crises.
  6. 6. Tenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambinelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do sol, por outra luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra a Via Láctea como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão Pela maior entra o espanto, pela menor certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro arestas, quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, Que as vigias são redonda, E o sonho afaga e embala à semelhança das ondas.
  7. 7.  Por alem entra a tristeza Por aquela entra a saudade E o desejo, e a surpresa, E o amor dos homens, e o tédio, E o medo, e a melancolia, E essa fome sem remédio A que se chama poesia E a viuvez, e a piadade E o grande pássaro branco, E o grande pássaro negro Que se olhão obliquamente, Arrepiados de medo, todos os risos e choros, Todas as fomes e sedes, Tudo alonga a sua sombra Nas minhas quatro paredes, Oh janelas do meu quarto, Quem vos pude se rasgar! Com tanta janela aberta Falta me a luz e o mar.
  8. 8. Tenho uma arma secreta Ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta Mas dispara em linha reta Mais longe que os foguetões Não é Júpiter, nem Thor, Nem Snark ou outros tais. É coisa muito melhor Que todo o vasto teor Dos cabos canaverais A potencia destinada Ás rotações da turbina Não vem da nafta queimada, Nem é de água oxigenada Nem de ergóis de furalina. Ereta, na noite erguida, Em alerta permanente, Espera o sinal da partida. Podia chamar se VIDA. Chama se AMOR, simplesmente.
  9. 9. Potencia- qualidade de potente, força, poder, força aplicada de certo efeito. Tristeza-característica de triste, carater daquilo que incita esse estado Nafta- petróleo bruto estrela.- astro dotado de luz própria, observável sob a forma de um ponto luminoso Negro- ausência de cor Bambinela- cortina franjada para o adormo interior de janelas. Escuridão- particularidade do que é escuro, aquilo que não possui luz foguetões- foguete usado para lançar de salvamento a náufragos ou barcos em perigo. Foguete que produz forte estampido. Luz do luar- o clarão da lua. A claridade que a lua espalha sobre a Terra. Pontos Cardeais- direções geográficas representadas
  10. 10. Projecto em “sentido contrário”
  11. 11. Rómulo Vasco da Gama de Carvalho, mais tarde conhecido por António Gedeão. Foi um escritor, professor, pedagogo, autor de manuais, um poeta nascido a 24 de Novembro de 1906 e falecido a 19 de Fevereiro de 1997. António Gedeão BIOGRAFIA
  12. 12. Aurora Boreal Tenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambinelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do Sol, por outra a luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra a Via Láctea como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão. Pela maior entra o espanto, pela menor a certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro arestas, quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, que as vigias são redondas, e o sonho afaga e embala à semelhança das ondas. Por além entra a tristeza, por aquela entra a saudade, e o desejo, e a humildade, e o silêncio, e a surpresa, e o amor dos homens, e o tédio, e o medo, e a melancolia, e essa fome sem remédio a que se chama poesia, e a inocência, e a bondade, e a dor própria, e a dor alheia, e a paixão que se incendeia, e a viuvez, e a piedade, e o grande pássaro branco, e o grande pássaro negro que se olham obliquamente, arrepiados de medo, todos os risos e choros, todas as fomes e sedes, tudo alonga a sua sombra nas minhas quatro paredes. Oh janelas do meu quarto, quem vos pudesse rasgar! Com tanta janela aberta falta-me a luz e o ar. Vértices S.M sumidade ; ápice ; cume; pináculo;ponto culminante;ponto mais alto;atingir o vérticede uma montanha é mais fácil que atingir o vértice da glória;o mesmo que vértex. Ondas S.F (do lat. Unda) porção de água do mar, lago ou rio que se eleva e desloca. Deprimi e eleva a superfície.
  13. 13. Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões. Não é Júpiter, nem Thor, nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto teor dos Cabos Canaverais. A potência destinada às rotações da turbina não vem da nafta queimada, nem é de água oxigenada nem de ergóis de furalina. Erecta, na noite erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se VIDA. Chama-se AMOR, simplesmente. Snark (snide coments): sarcasm Combinação de “falso” e “observação”. Comentário sarcástico (s). Também sarcástico (adjectivo) e snarkily (advérbio) Arma Secreta Arma S.F ( do lat. Arma) Instrumento ofensivo ou defensivo. Distintivo de nobreza Classe de tropa qualquer instrumento aparelho/objecto próprio para fins bélicos Recurso; meio; expediente
  14. 14. PROJETO EM SENTIDO CONTRÁRIO André Inácio Eduardo Estêvão 7º4º
  15. 15. Arma Secreta Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões. Não é Júpiter, nem Thor, nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto dos Cabos Canaverais. A potência destinada às rotações da turbina não vem da nafta queimada, nem é de água oxigenada nem de ergóis de furalina. Erecta, na noite erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se VIDA. Chama-se AMOR, simplesmenteteor Texto Mineral. O que uma mistura, liga ou contém um corpo ou outro minerado espoleta Explosivo feito de pólvora e usado em armas de brinquedo , geralmente,um anel ou plástico com pequenos recipientes coberto de pólvora
  16. 16. Aurora Boreal Tenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambinelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do Sol, por outra a luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra a Via Láctea como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão. Pela maior entra o espanto, pela menor a certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro arestas, quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, que as vigias são redondas, e o sonho afaga e embala à semelhança das ondas. É um fenómeno luminoso que acontece no pólo norte , a Aurora ocorre quando a particulas estão carregadas eletricamente
  17. 17. Aurora Boreal(continuação) Por além entra a tristeza, por aquela entra a saudade, e o desejo, e a humildade, e o silêncio, e a surpresa, e o amor dos homens, e o tédio, e o medo, e a melancolia, e essa fome sem remédio a que se chama poesia, e a inocência, e a bondade, e a dor própria, e a dor alheia, e a paixão que se incendeia, e a viuvez, e a piedade, e o grande pássaro branco, e o grande pássaro negro que se olham obliquamente, arrepiados de medo, todos os risos e choros, todas as fomes e sedes, tudo alonga a sua sombra nas minhas quatro paredes. Oh janelas do meu quarto, quem vos pudesse rasgar! Com tanta janela aberta falta-me a luz e o ar.
  18. 18. Trabalho realizado por : Bruno Ferreira Nº 3 Gonçalo Garcia Nº 7 PROJETO “EM SENTIDO CONTRÁRIO”
  19. 19. O maior dos planetas do sistema solar , que gira entre marte e saturno Arma Secreta Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões. Não é Júpiter, nem Thor, nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto teor dos Cabos Canaverais. A potência destinada às rotações da turbina não vem da nafta queimada, nem é de água oxigenada nem de ergóis de furalina. Erecta, na noite erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se VIDA. Chama-se AMOR, simplesmente.
  20. 20. conjunto de espaços , corpos e seres , que a vista humana pode abranger é o estado gasoso tornando por uma substancia cuja a forma é sólida ou liquida , gas Animal racional e mamífero, que pela sua inteligência, pelo dom da palavra e pela história, se distingue dos outros seres organizados, ocupando entre eles o primeiro lugar. Aurora Boreal Tenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambinelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do Sol, por outra a luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra a Via Láctea como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão. Pela maior entra o espanto, pela menor a certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro arestas, quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, que as vigias são redondas, e o sonho afaga e embala à semelhança das ondas.
  21. 21. Trabalho realizado por: Isa Rodrigues nº10 Daniel Correia nº4
  22. 22. António Gedeão, (Rómulo Vasco da Gama de Carvalho), nasceu em Lisboa em 1906. Com 5 anos escreveu os seus primeiros poemas e aos 10 decidiu completar "Os Lusíadas" de Camões. Entrou para o liceu Gil Vicente, onde tomou contacto com as ciências e foi aí que despertou nele um novo interesse. Em 1931 licenciou se em Ciências Físico Químicas pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e em 1932 concluiu o curso de Ciências Pedagógicas.
  23. 23. Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões. Não é Júpiter, nem Thor, nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto teor Dos Cabos Canaveiras. A potência destinada às rotações da turbina não vem da nafta queimada, nem é de água oxigenada nem de ergóis de furalina. Erecta, na noite erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se VIDA. Chama-se AMOR, simplesmente. Cabo Canaveral (originalmente em castelhano Cabo Canaveral, ou seja, Cabo Canavial) é uma faixa de terra dos Estados Unidos de uma região denominada Brevard, situada na parte costeira oriental, próximo ao seu centro, no estado da Flórida. Faz parte de uma região conhecida como Space Coast, pois lá se situam o Centro Espacial Kennedy (Kennedy Space Center) e uma Base da Força Aérea (Cape Canaveral Air Force Station). O peróxido de hidrogénio que, em solução aquosa é conhecido comercialmente como água oxigenada , é um líquido claro de formula química H2O2. Foi descrito a primeira vez por Louis Jacques Thénard, numa reacção de peróxido de bário com ácido nítrico. Trata-se de um liquido viscoso e poderoso oxidável. É incoloro a temperatura ambiente e presenta característico sabor amargo. Quantidades pequenas de peróxido de hidrogénio gasoso ocorrem naturalmente no ar.
  24. 24.  Beija-flor: Beija-flor, também conhecido com colibri , cuitelo, chupa-flor, pica-flor, chupa-mel, é uma é uma ave da família Trochilidae e inclui 108 géneros. Existem 322 espécies conhecidas. No Brasil, alguns géneros recebem outros nomes, como os rabos-brancos do género Phaethornis ou os bicos-retos do género.  Segunda-feira: A palavra é originária do latim, Lunedì que significa "segunda feira", e de mesma acepção existe em galego (segunda feira) , mirandês (segunda) e tétum (loron-segunda).
  25. 25.  O saca-rolhas simples possui uma espiral de metal que penetra na rolha e uma pega onde a mão imprime um movimento circular ao instrumento. Este movimento permite a penetração da espiral na rolha; esta é retirada do gargalo da garrafa puxando o saca-rolhas, ficando a rolha presa à parte espiralada.  Segunda-feira: A palavra é originária do latim Secunda Feria, que significa "segunda feira", e de mesma acepção existe em galego (segunda feira)3 , mirandês (segunda) e tétum (loron-segunda).  Povos pagãos antigos reverenciavam seus deuses dedicando este dia ao astro Lua o que originou outras denominações, em espanhol diz- se lunes e no italiano lunedì, com o significado de Lua e dia da Lua. Outros povos reverenciavam deuses mitológicos, em inglês diz-se monday e em alemão montag, que significam dia da Lua.  Na cultura popular, é considerado o dia mais "aborrecido" da semana pois é o primeiro dia de trabalho após o fim de semana. O Garfield, por exemplo, odeia as segundas- feiras.
  26. 26. “Em sentido contrário”
  27. 27. António Gedeão Estudou no liceu Gil vicente e tirou o curso de ciências nessa altura já escrevia poemas mas não os publicou até 1950 quando ganhou um concurso de literatura. Entre as suas obras estão “maquina de fogo” e “obra poética”
  28. 28. Arma secreta Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões. Não é Júpiter, nem , nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto teor dos Cabos Canaverais. A potência destinada às rotações da turbina não vem da nafta queimada, nem é de água oxigenada nem de ergóis de furalina. Erecta, na noite erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se VIDA. Chama-se AMOR, simplesmente. Thor Deus do trovão na mitologia nórdica
  29. 29. Aurora Boreal Tenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambinelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do Sol, por outra a luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão. Pela maior entra o espanto, pela menor a certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro , quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, que as são redondas, e o sonho afaga e embala à semelhança das ondas. Por além entra a tristeza, por aquela entra a saudade, e o desejo, e a humildade, e o silêncio, e a surpresa, e o amor dos homens, e o tédio, e o medo, e a melancolia, e essa fome sem remédio a que se chama poesia, e a inocência, e a bondade, e a dor própria, e a dor alheia, e a paixão que se incendeia, e a viuvez, e a piedade, e o grande pássaro branco, e o grande pássaro negro que se olham obliquamente, arrepiados de medo, todos os risos e choros, todas as fomes e sedes, tudo alonga a sua sombra nas minhas quatro paredes. Oh janelas do meu quarto, quem vos pudesse rasgar! Com tanta janela aberta falta-me a luz e o ar. Via Láctea arestas vigias Larga faixa esbranquiçada , formada por uma infinidade de estrelas reta comum ás duas faces de um diedro espécie de janela redonda por onde entra a luz nos camarotes dos navios
  30. 30. Projecto Em Sentido Contrário  Trabalho Realizado Por:  Vasco Bizarro Nº22  Maria Correia Nº13 António Gedeão
  31. 31. Biografia De António Gedeão António Gedeão é o pseudónimo de Rómulo Vasco da Gama de Carvalho, professor, pedagogo, autor de manuais, divulgador científico e poeta nascido a 24 de Novembro de 1906, em Lisboa. Apesar de ter cursado Ciências Físico-Químicas no Porto e de ter lecionado e publicado livros nesta área e na de história da ciência, Rómulo de Carvalho ficou tão conhecido por esse nome, enquanto homem da ciência, como pelo de António Gedeão, enquanto homem de Letras e poeta. Na verdade, um e outro nunca se dissociaram muito já que a sua poesia, e essa é uma das suas singularidades, revela toda uma imagística associada ao mundo da ciência, sobretudo no que se refere ao vocabulário, mas também ao olhar analítico do cientista sobre a realidade circundante.
  32. 32. Biografia De António Gedeão (Continuação) Movimento Perpétuo foi a sua primeira obra publicada, em 1956, embora António Gedeão escrevesse desde novo. Seguiram- se Teatro do Mundo, em 1958, Máquina de Fogo, em 1961, Poesias Completas, em 1964, que reúne toda a obra até então editada e que conta com um estudo aprofundado de Jorge de Sena, Linhas de Força, em 1967, Poemas Póstumos, em 1983, e Novos Poemas Póstumos, em 1990.
  33. 33. A Arma Secreta Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões. Não é Júpiter, nem Thor, nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto teor dos Cabos Canaverais. *água- 1.Líquido natural, transparente, incolor, geralmente insípido e inodo ro, indispensável para a sobrevivên cia da maior parte dos seres vivos. Substância química formada por dois átomos de hidrogénio e um de oxigénio. É encontrado no estado líquido a temperatura ambiente. Sua fórmula molecular é H2O. Na natureza, pode ser encontrada nos estados físicos sólido, líquido e gasoso. Esse líquido como recurso natural que cobre cerca de 70% da superfí cie terrestre. 2. Liquido transparente; inodoro e sem sabor; essencial à vida. A potência destinada às rotações da turbina não vem da nafta queimada, nem é de *água oxigenada nem de ergóis de furalina. Erecta, na noite erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se VIDA. Chama-se AMOR, simplesmente.
  34. 34. Aurora BorealTenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambinelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do Sol, por outra a luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra a Via Láctea como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão. e a paixão que se *incendeia, e a viuvez, e a piedade, e o grande pássaro branco, e o grande pássaro negro que se olham *obliquamente, arrepiados de medo, todos os risos e choros, todas as fomes e sedes, tudo alonga a sua sombra nas minhas quatro paredes. Oh janelas do meu quarto, quem vos pudesse rasgar! Com tanta janela aberta falta-me a luz e o *ar. *Silêncio: 1.Estado de quem se abstém o u pára de falar. Cessação de som ou ruído. Sossego, quietude, calma. 2. Estado de uma pessoa que se cala; que se abstém de falar; recusa-se a falar. *Incendiar: 1.verbo transitivo Pôr fogo a; fazer arder. = INFLA MAR verbo transitivo e pronominal Excitar(-se), animar(- se), entusiasmar(-se). verbo pronominal Arder. 2. Lançar; deitar fogo a; fazer arder; incendiar; queimar. pela outra a escuridão. Pela maior entra o espanto, pela menor a certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro arestas, quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, que as vigias são redondas, e o sonho afaga e embala *Obliqua: 1.substantivo feminino [Geometria] Linha reta q ue forma com outra (ou c om uma superfície) um â ngulo agudo e outro obtu so. Obliquo: Não perpendicular, não v ertical. = INCLINADO Em diagonal. = ENVIES ADO [Geometria] Diz- se do sólido cujo eixo nã o é perpendicular à base 2..Recta que com outra ou uma superfície forma um ângulo agudo ou obtuso Ar: 1. Mistura de 78% de nitrogénio, 21% de oxigénio, 1% de argónio e mais outros gases, como o dióxido carbónico da atmosfera terrestre. símbolo [Química] Símbolo quími co do árgon. substantivo masculino F1uido que envolve a Ter ra. O fluido que respiramos. 2. Fluído gasoso que envolva terra e compõe a atmosfera, é necessário à respiração e à combustão.
  35. 35. Projecto “Em Sentido Contrário” Rita Moreira nº 19 e Salomé Gonçalves nº 21 7º 4ª
  36. 36. Rómulo de Carvalho Rómulo de Carvalho aos 22 anos Rómulo Vasco da Gama de Carvalho nasceu a 24 de novembro de 1906 e foi professor de química, pedagogo, investigador de História da ciência em Portugal, divulgador da ciência, e poeta sob o pseudónimo de António Gedeão. Aos 5 anos, Rómulo, escreveu os seus primeiros poemas mas, quando entrou para o Liceu Gil Vicente e tomou contacto, pela primeira vez, com as ciências, a sua vida mudou.
  37. 37. A Arma secreta Tenho uma arma secreta ao serviço das nações. Não tem carga nem espoleta mas dispara em linha recta mais longe que os foguetões Não é Júpiter, nem Thor, nem Snark ou outros que tais. É coisa muito melhor que todo o vasto teor dos Cabos Canaverais. A potência destinada às rotações da turbina não vem da nafta queimada, nem é de água oxigenada nem de de furalina. Erecta, na noite erguida, em alerta permanente, espera o sinal da partida. Podia chamar-se . Chama-se AMOR, simplesmente. VIDA A vida é um conceito muito amplo e admite diversas funções. Pode-se referir ao processo em curso do qual os seres vivos são uma parte; ao espaço tempo entre a concepção e morte de um ser vivo. ergóis Um ergól , em química, é o nome genérico das substâncias que entram na composição de misturas usadas na propulção de mísseis.
  38. 38. Aurora Boreal Tenho quarenta janelas nas paredes do meu quarto. Sem vidros nem bambinelas posso ver através delas o mundo em que me reparto. Por uma entra a luz do Sol, por outra a luz do luar, por outra a luz das estrelas que andam no céu a rolar. Por esta entra a Via Láctea como um vapor de algodão, por aquela a luz dos homens, pela outra a escuridão. Pela maior entra o espanto, pela menor a certeza, pela da frente a beleza que inunda de canto a canto. Pela quadrada entra a esperança de quatro lados iguais, quatro arestas, quatro vértices, quatro pontos cardeais. Pela redonda entra o sonho, que as vigias são redondas, e o sonho afaga e embala à semelhança das ondas.
  39. 39. branco Por além entra a tristeza, por aquela entra a saudade, e o desejo, e a humildade, e o silêncio, e a surpresa, e o amor dos homens, e o tédio, e o , e a melancolia, e essa fome sem remédio a que se chama poesia, e a inocência, e a bondade, e a dor própria, e a dor alheia, e a que se incendeia, e a viuvez, e a piedade, e o grande pássaro e o grande pássaro negro que se olham obliquamente, arrepiados de medo, todos os risos e , todas as fomes e sedes, tudo alonga a sua sombra nas minhas quatro paredes. Oh janelas do meu quarto, quem vos pudesse rasgar! Com tanta janela aberta Falta-me a luz e o ar. medo O medo é uma sensação que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. paixão choros O choro, pranto ou ato de chorar é um efeito fisiológico dos seres humanos que consiste na produção em grande quantidade de lágrimas dos olhos, geralmente quando estão em estado emocional alterado. Branco- O conjunto de cores forma o espetro de luz branca, que pode ser também denominado espetro de luz visível branco A paixão é um sentimento muito poderoso, de tal forma que abala a individualidade, a identidade e o poder de raciocínio do indivíduo. Apesar de intensa e arrebatadora, é um sentimento passageiro.

×