Successfully reported this slideshow.

Semi sonetos[1]

495 visualizações

Publicada em

Semi-sonetos do Poeta Mauro Maia

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Semi sonetos[1]

  1. 1. BOCA CHEIAPor vezes quero dissipar-me em nada,abrir os braços e sentir o vento,desejar que o sol não deixe a madrugada,deixar a chuva dissolver-me o alento,ver o dia a render-se à noite, sua namorada,perder-me num único obcessivo pensamento.Há um dia para cada possível sentimento,nem sempre a emoção é a mais desejada.Mas nesses dias há que ter coração lentoe saber que o sol nascerá na nossa arcada.Nesses dias, para animar, há só um alimento:tomar cada grão de felicidade à colherada!14/03/2009Mauro MaiaA DEDOHoje brilha o Sol na minha janela,hoje tudo à minha volta conspirapara me mostrar como a vida é bela.E tem razão, isso ninguém lhe tira,há que abrir a janelas da minha cela,deixar as aves serem a minha lira,os meus dedos traçarem o rosto dela,usar um sorriso como escudo anti-ira,abraçar a almofada vendo-a a sorrir nela.Ela, à volta de quem a minha Vida gira,Ela, o alicerce longe de mim, apenas Ela.Voo, sou oceano, sou chama na minha pira,sou todo fogo contra o silêncio que me gela.Hoje é dia de olhar à volta, ver quem me mira,e sentir-me feliz com a minha pequena Aguarela.21/03/2009Mauro Maia 1
  2. 2. RARO OLHARHoje acordei assim meio febril:o rosto contraído, olhos cerradoscoração a galopar a mil,joelhos trémulos, os pés cansados.Olhei pela janela, vidro frio.Olhei o exterior, rua deserta.Olhei dentro de mim, corpo vazio.Olhei para os meus olhos, chuva certa.O que me fazia falta era bem claro,não é preciso demasiada reflexão.O que fazia falta é pouco mas caro.Caro não de bolsa mas de coração:abraçar pela manhã este agora raroem que me queres e me dás a mão.14/10/2009Mauro MaiaEM CADA DIALá fora, o Sol tem menos cor,a brisa é mais forte e mais fria,cada noite é maior do que o dia,as horas arrepiam-se em vão torpor.Cá dentro, é o Natal que se anuncia,é a lareira que brilha em rubro calor,cada prenda com o nome para quem fore o Outono despede-se pedindo alegria.Todos os anos, em data que não se adia,tudo tem, a castanhas e família, o sabor,e o vermelho a canções e decorações se alia.Eu sei, ainda não é agora, mas façam o favorde viver, não só essa semana mas na maioria,com um coração pulsante feito de Natal e de Amor!8/11/2009Mauro Maia 2
  3. 3. FANTASIA DE VERÃOHá, por vezes, alguns diasem que acordo menos saltitão,com mais pesares que alegriase só quero abraçar o colchão.Quando estou nestes dias-não,em que o céu tem cores doentiase em que o ar me gela o coraçãorecordo-me que só te me aqueciasquando me beijas, seguras a mãoe me aqueces quando me acaricias,agarrada a mim, debaixo do edredão.Feliz, entrego-me a estas fantasias...Já não estás tão longe como o Verãoe as minhas manhãs já não são frias.21/11/2009Mauro MaiaBANHO AGUARDOHoje acordei assim estranho,perdido no meu escuro interior.É um sentimento de tamanho,sentimento longo e sem cor,elefante em corpo de musaranho.É algo sem tristeza e sem dorprato de bronze sem estanho,é luz do sol forte mas sem calor,comichão funda que não arranho.Levanto-me e sacudo o torporPreparo-me um relaxante banhoe aguardo que chegues, meu Amor!12/12/2009Mauro Maia 3
  4. 4. HÁ DIASHá dias, hoje por exemplo,em que guardo da minha camaessa intensa imagem do temploonde nos consumimos em chama.Ali, revestido com cobertores,alinha-se com aprumo o altar,no ar volteiam os sons e odoresdo amor que recebemos ao dar.No chão, as marcas dos joelhosonde nos consagrámos a nós,as almofadas em tons vermelhosonde nos tornamos um a sós.Mas na mão, só vejo poemas velhos:quem outrora fomos, atado com nós.21/12/2009Mauro MaiaESPEROEstes dias correm tão devagar,parece que nunca mais têm fim!Só os quero ter todos para mim,para os poder, a meu gosto, moldar.Mas eles avançam no mais lento passo,indiferentes à minha forte impaciência.Empurro-os, grito-lhes, bato continência,argumento como o meu tempo é escasso.E os dias passam e continuam serenos,não fervilham e não se agitam como deviam,lá vão pachorrentos em passos pequenos.Em todos anseio os sinais que me enviam,esperando neles ver os teus amados acenos.Mas só em sonhos os teus passos se ouviam...16/01/2010Mauro Maia 4
  5. 5. HOJEHoje o Sol não apareceu,apenas a chuva me veio ver,só o vento me fez tremer,nem a tristeza se compadeceu.As nuvens cobriram o céu,tudo em meu redor desbotou,o arco-íris só uma cor formou,e sinto-me inocente julgado réu.Eu não cometi qualquer crime,não quebrei lei divina ou mortalmas não há rosa que me anime.Tudo hoje me sabe a excesso de sal,tudo é ode triste ainda que não rime.Tu não estás comigo, eis o meu mal!23/01/2010Mauro MaiaHORASO dia veio, a manhã veiomas eu não os recebi;a luz brilhou de anseio,bateu à porta e não abri;o meu despertador tocou;na cozinha queria-me o café;o chuveiro bem me esperou;o pardal na rua cantou já a pé.Mas eu continuei às escuras,aconchegado no meu abrigo,a saborear do calor as doçuras.Agarro o sono o mais que consigo,rejeito as horas e as suas regras duras.Quero continuar a sonhar contigo!30/01/2010Mauro Maia 5
  6. 6. NOITE SOLTAE surgiu a noite repentina,carregando um vento frioque me corta a alma fio a fioe a solta depois em neblina.Do céu cai uma chuva fina,cortante como um arrepio,alagando-me num desavariode água que corre sem crina.O Sol na sua rotina matutinahoje não brilhou com o brio,a Lua não veio nem de surdina.E do meu rosto solta-se um riode ânsia solta da sua pequena tina:o coração sem força ou poderio!14-02-2010Mauro MaiaPESO SILÊNCIOO dia de hoje veio mas escuro,a tarde dançou-me mas pouco,e a noite, num transe louco,não me trará quem procuro.Na brisa eu não ouço melodia,a chuva veio e não chamou,o Sol brilhou e não me animou,o Céu clareou mas sem alegria.As flores não abriram no canteiro,o vento que assobia soa a triste,da janela vejo que vem aí nevoeiro.Em meu redor nada mais existe,tenho de colar o coração primeiro...Tudo está assim porque partiste.16/02/2010Mauro Maia 6
  7. 7. ONTEM SOMENTEHoje, quando eu acordei,espreguicei-me com vontadee quis abraçar a mesma unidadeque senti ontem quando te amei.O teu cheiro ainda está em mim,o teu sabor ainda está entranhado,na cama o teu corpo ficou marcadoe nos lençóis o cheiro do teu jardim.Na minha pele ainda sinto o teu suor,nas minhas formas ainda sinto as tuase de me lembrar de ti fico ainda maior.Mas na cama há uma só marca e não duase o teu cheiro eu lembro mas de cor.Só em sonho se juntaram as nossas Luas...01/03/2010Mauro MaiaANTES AGORATenho tanta tristeza em mimque por dentro sou quase vazio,apenas circula um ar muito frionenhum líquido em tom carmim.Onde antes um ritmo quente corria,onde antes borbulhava frenética lava,onde antes tudo soava e tudo suava,onde antes tudo era palpitar energiaagora só há escuridão e desalento,uivam brisas frias e cortantesem redor do meu coração já cimento.As nuvens escuras tornaram-se gigantes.És a minha lua, o meu doce firmamento.Vem brilhar para mim, agora como antes!12/03/2010Mauro Maia 7
  8. 8. NO SILÊNCIODe súbito, a floresta ficou silenciosa:as aves desapareceram sem cantar,as nuvens agitadas pararam em pleno ara corrente no rio ficou mais harmoniosa.O Sol não sabia se havia de se pôr ou nascer,as folhas deixaram de se agitar nos ramos,tudo parou, Reis, Rainhas, Criados e Amos,todos em silêncio, aguardando o que ia acontecer.O vento estava azul por suster a respiração,as ovelhas, aflitas, nem sequer cochichavam,e o pó nem se atrevia a levantar-se e sair do chão.Todas as pedras, folhas, animais, flores aguardavamfaces ora rubras ora brancas a segurar o coraçãoAo longe, apenas os teus passos se escutavam...01/04/2010Mauro MaiaVOU CONTAR-TEDeitado ontem pensei em ti,no incontável que és em mim.Tu em mim és meio eu sem fim,tu em mim és infinito mas aqui.Tu em mim és açúcar, pimenta e sal,tu em mim és o arco-íris mais belo,tu em mim és chocolate e caramelo,tu em mim és melódico recital.Tu em mim és nota fina de violino,tu em mim és Cânone de Pachelbel,tu em mim és o meu riso de menino.Tu em mim és o meu coração de mel,tu em mim és ponderado desatino.Para te contar, não há suficiente papel!30/04/2010 8
  9. 9. Mauro MaiaÀ LUZ DO LUARMil palavras ou um olhar,eis a dúvida que me persiste.Eu quase mudo, como viste,perante ti, coração a galopar.O que os meus olhos te falaramenquanto a minha boca secava,o meu olhar ao teu se agarrava,em mim mente e emoção chocaram?Tenho tudo a ganhar, nada a perder,é a abelha que voa à rosa para namorar,é o Sol que o passarinho vem aquecer,é o gato sobe ao telhado à Lua para miar.E se eu escorregar? Eu caio e vai-me doer.Mas vai-me doer mais se perder por não falar.23/06/2010Mauro MaiaNOITE RELENTOA noite deitou-se agitada,afundada em pensamentos,rogando pragas aos ventos,enfrentando chuva e trovoada.Na sua mão direita o trovão,na esquerda pingava a chuva,tinha em malha de ferro a luvae o escudo era o seu coração.De súbito, um relâmpago brilhoue as nuvens abriram-se a par.O céu escuro sorriu e clareou,a chuva começou a evaporar.Olhei para ver porque mudou:Ah! Tu chegaste para me abraçar. 9
  10. 10. 05/08/2010Mauro MaiaRUBROS AFLUENTESO meu coração está mudo,nem uma palavra dele sainem um suspiro se esvaio Silêncio governa-me tudo.Sinto as palavras em ebulição,chocando ferozmente entre si.Exigem sair, querem chegar a timas perdem-se a caminho da mão.«Que se passa?», pergunto-me eu.«Onde estão os meus rios ferventes?»Sei que a sua fonte não se perdeu,sei que permanecem rubro-quentes.É a tua imagem que em mim cresceuos rios desviam-se e são de ti afluentes.21/08/2010Mauro MaiaFUGASe eu te pudesse escapar,fugir dos teus abraços,soltar-me e me afastar,retirar-te os meus pedaços,poder dançar num outro salão,provar outros lábios abertos,tocar outra cintura com a mão,de outra ter meus olhos cobertos,ficar zonzo com outro sorriso,aquecer-me com outra cintura,ter noutra tudo o que preciso,viveria numa constante torturaseria infeliz sem qualquer avisoporque fugiria indo à tua procura. 10
  11. 11. 10/11/2010Mauro MaiaQUARTO ESCUROO quarto está às escuras,as janelas estão encerradas,as luzes estão apagadas,acabaram as emoções duras.Somente o barulho da rua,inconstante e indefinido,treme o silêncio contidomas a cama permanece nua.Cobertores revirados no chão,os lençóis em parte incerta,eu a recuperar a respiração.E tudo em solidão se coberta,desejando o toque da tua mão.Vem a mim, a porta está aberta!20/11/2010Mauro Maia 11

×