SlideShare uma empresa Scribd logo
HEMORRAGIA DIGESTIVA
ALTA E BAIXA
HEMORRAGIA DIGESTIVAALTA
Hemorragia digestiva alta:
é uma patologia frequente
taxa de mortalidade em torno de 10%
80% dos casos cessem espontaneamente
15% dos casos requerem tratamento cirúrgico.
DEFINÇÃO:
É qualquer sangramento proximal ao ligamento de
TREITZ,podendo se exteriorizar como hematêmese, melena e
ou ENTERORRAGIA (sangue vivo nas fezes ), sangue oculto
nas fezes.
HEMORRAGIA DIGESTIVAALTA
Tipos de sangramento:
a) Sangramento Oculto: É detectado pela pesquisa de sangue
oculto nas fezes com ou sem anemia porem sem sinais
de hematemese,melena, enterorragia ou repercussão
hemodinâmica
b) Sangramento Manifesto: É aquele onde se evidencia sinais
de hematemese,melena, enterorragia sem repercussão
hemodinâmica
c) Sangramento Maciço: É acompanhado de alterações
circulatórias como hipotensão, taquicardia, oliguria, sede,
palidez, com perda de 20% do volume sanguíneo.
DIAGNÓSTICO
As hemorragias digestivas maciças altas se manifestam
através de vômitos e defecações sanguinolentas.
Hematêmese: Vomito contendo sangue vivo, ou digerido isolado ou
misturado com alimentos sob a forma líquida ou de coágulos
Melena: Evacuações contendo sangue escuro, isolados ou
misturados às fezes, é de cor negra e consistência semelhante ao
piche.
Enterorragia Evacuações contendo sangue vermelho vivo, isolados
ou misturados às fezes.
Obs: A hematemese é característica de HDA, a melena isolada,
sugere HDA mas pode ocorrer em sangramento de jejuno-íleo com
transito intestinal lento
DIAGNÓSTICO
Os dados de anamnese auxiliam no diagnóstico como
passado de doença ulcerosa,
ingestão de drogas,
Alcoolismo,
sinais de hipertensão portal,
história de sangramento anteriores.
EXAMES SUBSIDIÁRIOS
ENDOSCOPIA:
A esofagogastroduodenoscopia,é no momento o principal meio
diagnóstico das lesões e para se ter positividade a endoscopia deve
ser realizada nas primeiras 24 h após o sangramento.
Este exame é capaz de fazer diagnóstico de 80 a 90% das lesões e
suas contra indicações estão relacionadas aos pacientes
com patologias cardiovasculares graves.
EXAMES RADIOLÓGICOS BARITADOS:
São exames de importância secundária após o advento da
endoscopia, sendo usados apenas após a cessação da hemorragia e o
esvaziamento do tubo gástrico.
EXAMES SUBSIDIÁRIOS
ANGIOGRAFIA:
O estudo angiográfico é utilizado apenas quando a
endoscopia é inconclusiva, como método terapêutico permite
a infusão de vasopressina ou trombina, diretamente no vaso
sangrante, o que por vezes possibilita a parada do
sangramento.
HEMOGRAMA E COAGULOGRAMA:
São usados para excluir a possibilidade de discrasias
sanguíneas que provocam sangramento sistêmico inclusive no
tubo digestivo
Etiopatogenia:
As principais causas de HDA podem estar localizadas
em qualquer dos órgão a cima do ligamento de Traitz
assim veremos as causas mais comuns de hemorragia
digestiva alta
nos diversos locais como Esôfago, Estomago e Duodeno
:
Hérnia de hiato é uma alteração
anatômica onde por fraqueza dos
pilares diafragmático, ocorre uma
herniação do estômago para o tórax
o que altera o sistema de contensão
gástrico levando a refluxo gástrico-
esofágico, o que determina
inflamação da mucosa esofágica,
que dependendo do grau pode
causar sangramento.
HÉRNIA DE HIATO
Esôfago de Barret
A esofagite de refluxo provoca
alteração do epitélio com
modificação do padrão mucoso, de
pavimentoso estratificado para
colunar, sua causa mais frequente é
hérnia hiatal e a presença de
esofagite leva a ulcerações e
sangramento
ESÔFAGO DE BARRET COM
ESOFAGITE
Presença de
ulceração e
sangramento é um
lesão pré-neoplásica se não
se não for tratada
adequadamente
VARIZES DE ESÔFAGO
As varizes são formadas
devido ao
aumento da pressão portal
ocasionado
por cirrose e ou
esquistossomose
hepática, é uma importante
causa de sangramento maciço.
CANCER AVANÇADO DO ESÔFAGO
O câncer avançado do esôfago, é uma causa importante de
hemorragia digestiva alta pois o crescimento do tumor e sua
alta vascularização propiciam o sangramento.
Gastrite Erosiva Antral
As gastrites erosivas também
são hoje as principais
causas de HDA, e seu
aparecimento está ligado
principalmente ao uso de anti-
inflamatórios não hormonais.
São alterações raras porem
quando presentes podem
ocasionar hemorragias
importantes.
Ectasias Vasculares
Ulcera Gástrica
Lesões da mucosa com
fundo fibrinoso, que as vezes
acomete vasos, com
sangramentos maciços.
Úlcera Gástrica Hemorrágica
Lesões gástricas com quadro
de sangramento recente
ainda com sangue em suas
bordas, todas as ulceras
gástricas devem ser
biopsiadas para diagnóstico
diferencial com câncer
gástrico.
Corpo Estranho de Estômago
Os corpos estranhos de estômago
dependendo de sua forma podem
levar a lesões da mucosa com
sangramento e ou perfuração do
órgão
Varizes de Fundo Gástrico
As varizes de fundo gástrico
têm a mesma origem das
esofagianas e dependem
da hipertensão portal, e as vezes
são a causa do sangramento
digestivo alto.
Os tumores gástricos avançados
são predispostos a sangramentos
devido a sua rica vascularização e
friabilidade de seus tecidos.
Na maioria das vezes seu sangra-
mento é por sangue oculto nas fe-
zes, levando a espoliação do paci-
ente
Câncer Gástrico Avançado
Os pólipos gástricos alem de
potencialmente carcinogênico dependendo
de sua linhagem histológica, principalmente
naqueles com mais de 2 cm, também por
necrose de seu ápice, são responsáveis por
sangramento digestivo alto.
Pólipo Gástrico
As úlceras duodenais,
são bastante comuns e podem
levar a sangramento maciço
com choque hipovolêmico se
for acometido a artéria gastro-
duodenal e ou a pancreático-
duodenal que passa entre o
duodeno e a cabeça do
pâncreas, e podem ser
acometidas nas ulceras
terebrantes para o pâncreas
Úlcera Duodenal
As duodenites erosivas são erosões da
mucosa duodenal principalmente
causadas por uso de anti-inflamatórios
não hormonais; outra causa
muito frequente são as verminoses
principalmente as giardiases e
ancilostomiase, são causa de sangramento
que se manifesta frequentemente por
sangue oculto nas fezes.
Duodenite Erosiva
HEMORRAGIA DIGESTIVA
BAIXA
HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA
Por hemorragia digestiva baixa entende-se perda
de sangue pelo reto, de origem abaixo do angulo
de Treitz.
HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA
TIPOS DE SANGRAMENTO
a) Melena: exoneração de sangue parcialmente digerido,
com aspecto de borra de café que ocorre nas lesões
esofagogástricas, jejunoileais, ou de cólon direito.
b)Enterorragia: exoneração de sangue vermelho vivo ou
vinhoso, que ocorre nas lesões do intestino grosso e
do canal anal e nas localizações altas com
sangramento profuso e trânsito acelerado.
HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA
INTENSIDADE DO SANGRAMENTO
a)Leve: Quando a quantidade de sangue é mínima sem alteração
do estado geral, sem alterações hemodinâmicas ou hematológicas.
b)Moderada:Quando o sangramento é de regular quantidade, com
discreta alteração hemodinâmica e anemia pouco significativa.
c)Maciça: Quando o sangramento é profuso, levando a
hipovolemia ou choque, necessitando de reposição volêmica.
CARACTERISTICA DO SANGRAMENTO
O sangue perdido pode estar misturado com as fezes
ou ser eliminado independente, sua associação com
muco e ou pus pode ter significado diagnóstico
Para efeito didático as hemorragias serão analisadas quanto a seu
local de origem, e quanto a sua intensidade.
CAUSA DO SANGRAMENTO
1ª ANAIS
a) HEMORRÓIDAS
Aqui incluem-se as hemorróidas responsáveis por 70 a 80% das
hemorragias digestivas baixas.
b) FISSURAS ANAIS
Lesão ulcerada no anoderma do
canal anal, é extremamente dolo-
rosa, com intensidade máxima
durante as evacuações, causando
frequentemente, sangramento
anal tipo hematoquesia
c) CARCINOMAS EPIDERMOIDES
Os tumores espinocelulares
ou escamosos são os mais
frequentes tumores
epidermoides do ânus 80a
85%, seus sintomas mais
frequentes são sangramento,
dor e prurido
2ª COLORRETAIS
A- DOENÇAS VASCULARES
Lesão vascular muito frequente a partir da 6ª
década, sendo uma das causas mais frequente
de hemorragia digestiva nesta faixa etária.
a) Angio-displasia do Ceco
b)Retocolite Ulcerativa Idiopática
Patologia inflamatória, levando a
inflamação, ulceração e
sangramento da mucosa.
a) Retocolite ulcerativa fase inicial
Nesta fase paciente apresenta,
diarréia muco sanguinolenta
B-DOENÇAS INFLAMATÓRIAS
c) Retocolite ulcerativa amebiana
Patologia inflamatória de causa
amebiana, levando a inflamação,
ulceração e sangramento da
mucosa.
d) Colite ulcerativa em paciente
com AIDS
Paciente HIV positivo desenvol-
vendo lesão ulcerada de intestino
grosso caracterizada por
sangramento e diarréia crônica.
e)Doença de Crohn
Doença inflamatória intestinal com ulceração e
sangramento, observa-se ulceras longitudinais na
mucosa.
Doença diverticular dos cólons
Óstios diverticulares alguns com fecalito no
seu interior
f) Moléstia diverticular dos cólons hipotônica
Verminose Estrongiloidiase
As verminoses podem causar processos inflamatórios e às vezes
sangramento
C-INFESTAÇÕES POR VERMES
a) Pólipo adenomatoso do colon
Patologia benigna dos cólons com
elevado pontencial de sangramento e em
algumas linhagens, também de
malignização
D-DOENÇAS TUMORAIS
A1) Pólipo Adenomatoso Sangrante
A2) Polipectomia de pólipo adenomatoso
b) Câncer avançado do colon
Tumoração vegetante com ulceração e sangramento.
DIAGNÓSTICO: exames subsidiários
EXAME PROCTOLÓGICO:
É o exame inicial para o diagnóstico e compreende inspeção,
toque retal e retossigmoidoscopia, que permite a identificação de
várias patologias hemorrágicas como hemorróidas, prolapso
mucoso, precedência de reto, fissuras e traumas locais; o toque
retal fornece dados sobre os pólipos e câncer de reto;
a retossigmoidoscopia com tubo rígido atinge até 30 cm da BA .
ENEMA OPACO:
Exame radiológico que visualiza todo o intestino grosso e parte do
ílio terminal.
COLONOSCOPIA: Atinge sob visão direta todo o
intestino grosso, sendo possível a realização de
procedimentos como polipectomia, biópsias e esclerose de
vasos sangrantes.
ANGIOGRAFIA SELETIVA: Só tem indicação em
hemorragia maciça, é elucidativa em malformações
vasculares.
MAPEAMENTO COM TECNÉCIO: Só tem positividade
se o exame for realizado, na vigência do sangramento
DIAGNÓSTICO: exames subsidiários

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
ctisaolucascopacabana
 
01.hemograma med
01.hemograma med01.hemograma med
01.hemograma med
Carlo Chacaltana
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Anemia 20
Anemia 20Anemia 20
Anemia 20
pauloalambert
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
Brenda Lahlou
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
Ana Nataly
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
blogped1
 
IRC e Diálise
IRC e DiáliseIRC e Diálise
IRC e Diálise
Ladocriativo
 
Pericardite
PericarditePericardite
Pericardite
resenfe2013
 
Distúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicosDistúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicos
Julai1991
 
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda GobbiInsuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Eduarda Gobbi
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Rodrigo Biondi
 
Sinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urináriosSinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urinários
pauloalambert
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
pauloalambert
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
janinemagalhaes
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
Eduardo Gomes da Silva
 
1 c
1  c1  c
Hematologia
HematologiaHematologia
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
Laboratório Sérgio Franco
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Joziane Brunelli
 

Mais procurados (20)

Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
 
01.hemograma med
01.hemograma med01.hemograma med
01.hemograma med
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Anemia 20
Anemia 20Anemia 20
Anemia 20
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
 
IRC e Diálise
IRC e DiáliseIRC e Diálise
IRC e Diálise
 
Pericardite
PericarditePericardite
Pericardite
 
Distúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicosDistúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicos
 
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda GobbiInsuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
 
Sinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urináriosSinais e sintomas urinários
Sinais e sintomas urinários
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
 
1 c
1  c1  c
1 c
 
Hematologia
HematologiaHematologia
Hematologia
 
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 

Semelhante a 232370940-Hemorragia-Digestiva-Alta-e-Baixa.ppt

Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxHemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
BernabManuelTepa
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
Paulo Alambert
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
pauloalambert
 
Boca, hemorragia digestiva
Boca, hemorragia digestivaBoca, hemorragia digestiva
Boca, hemorragia digestiva
AdalbertoBoca
 
vitor
vitorvitor
hemorragias-digestivas-altas.pdf
hemorragias-digestivas-altas.pdfhemorragias-digestivas-altas.pdf
hemorragias-digestivas-altas.pdf
Hpyloribotucatu
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
Paulo Alambert
 
6 hemorragia digestiva ue atu
6   hemorragia digestiva ue atu6   hemorragia digestiva ue atu
6 hemorragia digestiva ue atu
Camila Reis
 
Hda aulas de semiologia
Hda aulas de semiologiaHda aulas de semiologia
Hemorragias disgestivas
Hemorragias disgestivasHemorragias disgestivas
Hemorragias disgestivas
Angela Moritz
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
GiselyDallIgna
 
Hemorragia Digestiva Baixa
Hemorragia Digestiva BaixaHemorragia Digestiva Baixa
Hemorragia Digestiva Baixa
Paulo Filho Caldas
 
null.ppt
null.ppt null.ppt
null.ppt
Basilio4
 
Hemorragia Digestiva baixa.ppt
Hemorragia Digestiva baixa.pptHemorragia Digestiva baixa.ppt
Hemorragia Digestiva baixa.ppt
Basilio4
 
Síndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliaresSíndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliares
pauloalambert
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva altaHemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva alta
Karoline Pereira
 
roteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdf
roteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdfroteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdf
roteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdf
kaiodaniloleitedasil
 
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos FundamentaisDoenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Ozimo Gama
 
Hematúria na pediatria
Hematúria na pediatriaHematúria na pediatria
Hematúria na pediatria
Henrique Fiorillo
 

Semelhante a 232370940-Hemorragia-Digestiva-Alta-e-Baixa.ppt (20)

Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxHemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Boca, hemorragia digestiva
Boca, hemorragia digestivaBoca, hemorragia digestiva
Boca, hemorragia digestiva
 
vitor
vitorvitor
vitor
 
hemorragias-digestivas-altas.pdf
hemorragias-digestivas-altas.pdfhemorragias-digestivas-altas.pdf
hemorragias-digestivas-altas.pdf
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
6 hemorragia digestiva ue atu
6   hemorragia digestiva ue atu6   hemorragia digestiva ue atu
6 hemorragia digestiva ue atu
 
Hda aulas de semiologia
Hda aulas de semiologiaHda aulas de semiologia
Hda aulas de semiologia
 
Hemorragias disgestivas
Hemorragias disgestivasHemorragias disgestivas
Hemorragias disgestivas
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
 
Hemorragia Digestiva Baixa
Hemorragia Digestiva BaixaHemorragia Digestiva Baixa
Hemorragia Digestiva Baixa
 
null.ppt
null.ppt null.ppt
null.ppt
 
Hemorragia Digestiva baixa.ppt
Hemorragia Digestiva baixa.pptHemorragia Digestiva baixa.ppt
Hemorragia Digestiva baixa.ppt
 
Síndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliaresSíndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliares
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
Hemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva altaHemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva alta
 
roteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdf
roteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdfroteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdf
roteiro-de-estudos-hemorragia-digestiva-422.pdf
 
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos FundamentaisDoenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
 
Hematúria na pediatria
Hematúria na pediatriaHematúria na pediatria
Hematúria na pediatria
 

Mais de bianca375788

Embriologia .pptx
Embriologia .pptxEmbriologia .pptx
Embriologia .pptx
bianca375788
 
Parto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdfParto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdf
bianca375788
 
Parto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdfParto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdf
bianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
bianca375788
 
fecundacao.ppt
fecundacao.pptfecundacao.ppt
fecundacao.ppt
bianca375788
 
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdfaula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
bianca375788
 
pre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdfpre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdf
bianca375788
 
Delirium.pptx
Delirium.pptxDelirium.pptx
Delirium.pptx
bianca375788
 
AULA 13 EDIT.pptx
AULA 13 EDIT.pptxAULA 13 EDIT.pptx
AULA 13 EDIT.pptx
bianca375788
 
InsCard.ppt
InsCard.pptInsCard.ppt
InsCard.ppt
bianca375788
 
Conceitos matemáticos e revisão.pptx
Conceitos matemáticos e  revisão.pptxConceitos matemáticos e  revisão.pptx
Conceitos matemáticos e revisão.pptx
bianca375788
 
hiper e diab 2018 (1).pptx
hiper e diab 2018 (1).pptxhiper e diab 2018 (1).pptx
hiper e diab 2018 (1).pptx
bianca375788
 
desenvolvimento fetal e embrionario.pptx
desenvolvimento fetal e embrionario.pptxdesenvolvimento fetal e embrionario.pptx
desenvolvimento fetal e embrionario.pptx
bianca375788
 
Aula 11 - Edema agudo de pulmão.pptx
Aula 11 - Edema agudo de pulmão.pptxAula 11 - Edema agudo de pulmão.pptx
Aula 11 - Edema agudo de pulmão.pptx
bianca375788
 
Agulhas, seringas e suas indicações.pptx
Agulhas, seringas e suas indicações.pptxAgulhas, seringas e suas indicações.pptx
Agulhas, seringas e suas indicações.pptx
bianca375788
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
bianca375788
 
PRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptx
PRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptxPRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptx
PRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptx
bianca375788
 
Administração de Medicamentos.pptx
Administração de Medicamentos.pptxAdministração de Medicamentos.pptx
Administração de Medicamentos.pptx
bianca375788
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
bianca375788
 
Aula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptx
Aula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptxAula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptx
Aula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptx
bianca375788
 

Mais de bianca375788 (20)

Embriologia .pptx
Embriologia .pptxEmbriologia .pptx
Embriologia .pptx
 
Parto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdfParto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdf
 
Parto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdfParto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdf
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
fecundacao.ppt
fecundacao.pptfecundacao.ppt
fecundacao.ppt
 
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdfaula3prnatal-160525004253 (1).pdf
aula3prnatal-160525004253 (1).pdf
 
pre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdfpre natal saude publica.pdf
pre natal saude publica.pdf
 
Delirium.pptx
Delirium.pptxDelirium.pptx
Delirium.pptx
 
AULA 13 EDIT.pptx
AULA 13 EDIT.pptxAULA 13 EDIT.pptx
AULA 13 EDIT.pptx
 
InsCard.ppt
InsCard.pptInsCard.ppt
InsCard.ppt
 
Conceitos matemáticos e revisão.pptx
Conceitos matemáticos e  revisão.pptxConceitos matemáticos e  revisão.pptx
Conceitos matemáticos e revisão.pptx
 
hiper e diab 2018 (1).pptx
hiper e diab 2018 (1).pptxhiper e diab 2018 (1).pptx
hiper e diab 2018 (1).pptx
 
desenvolvimento fetal e embrionario.pptx
desenvolvimento fetal e embrionario.pptxdesenvolvimento fetal e embrionario.pptx
desenvolvimento fetal e embrionario.pptx
 
Aula 11 - Edema agudo de pulmão.pptx
Aula 11 - Edema agudo de pulmão.pptxAula 11 - Edema agudo de pulmão.pptx
Aula 11 - Edema agudo de pulmão.pptx
 
Agulhas, seringas e suas indicações.pptx
Agulhas, seringas e suas indicações.pptxAgulhas, seringas e suas indicações.pptx
Agulhas, seringas e suas indicações.pptx
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
 
PRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptx
PRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptxPRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptx
PRONTUÁRIO DO PACIENTE.pptx
 
Administração de Medicamentos.pptx
Administração de Medicamentos.pptxAdministração de Medicamentos.pptx
Administração de Medicamentos.pptx
 
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptxOXIGENOTERAPIA E INA.pptx
OXIGENOTERAPIA E INA.pptx
 
Aula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptx
Aula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptxAula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptx
Aula 02 Infecção Hospitalar PREVENÇÃO.pptx
 

232370940-Hemorragia-Digestiva-Alta-e-Baixa.ppt

  • 2. HEMORRAGIA DIGESTIVAALTA Hemorragia digestiva alta: é uma patologia frequente taxa de mortalidade em torno de 10% 80% dos casos cessem espontaneamente 15% dos casos requerem tratamento cirúrgico. DEFINÇÃO: É qualquer sangramento proximal ao ligamento de TREITZ,podendo se exteriorizar como hematêmese, melena e ou ENTERORRAGIA (sangue vivo nas fezes ), sangue oculto nas fezes.
  • 3. HEMORRAGIA DIGESTIVAALTA Tipos de sangramento: a) Sangramento Oculto: É detectado pela pesquisa de sangue oculto nas fezes com ou sem anemia porem sem sinais de hematemese,melena, enterorragia ou repercussão hemodinâmica b) Sangramento Manifesto: É aquele onde se evidencia sinais de hematemese,melena, enterorragia sem repercussão hemodinâmica c) Sangramento Maciço: É acompanhado de alterações circulatórias como hipotensão, taquicardia, oliguria, sede, palidez, com perda de 20% do volume sanguíneo.
  • 4. DIAGNÓSTICO As hemorragias digestivas maciças altas se manifestam através de vômitos e defecações sanguinolentas. Hematêmese: Vomito contendo sangue vivo, ou digerido isolado ou misturado com alimentos sob a forma líquida ou de coágulos Melena: Evacuações contendo sangue escuro, isolados ou misturados às fezes, é de cor negra e consistência semelhante ao piche. Enterorragia Evacuações contendo sangue vermelho vivo, isolados ou misturados às fezes. Obs: A hematemese é característica de HDA, a melena isolada, sugere HDA mas pode ocorrer em sangramento de jejuno-íleo com transito intestinal lento
  • 5. DIAGNÓSTICO Os dados de anamnese auxiliam no diagnóstico como passado de doença ulcerosa, ingestão de drogas, Alcoolismo, sinais de hipertensão portal, história de sangramento anteriores.
  • 6. EXAMES SUBSIDIÁRIOS ENDOSCOPIA: A esofagogastroduodenoscopia,é no momento o principal meio diagnóstico das lesões e para se ter positividade a endoscopia deve ser realizada nas primeiras 24 h após o sangramento. Este exame é capaz de fazer diagnóstico de 80 a 90% das lesões e suas contra indicações estão relacionadas aos pacientes com patologias cardiovasculares graves. EXAMES RADIOLÓGICOS BARITADOS: São exames de importância secundária após o advento da endoscopia, sendo usados apenas após a cessação da hemorragia e o esvaziamento do tubo gástrico.
  • 7. EXAMES SUBSIDIÁRIOS ANGIOGRAFIA: O estudo angiográfico é utilizado apenas quando a endoscopia é inconclusiva, como método terapêutico permite a infusão de vasopressina ou trombina, diretamente no vaso sangrante, o que por vezes possibilita a parada do sangramento. HEMOGRAMA E COAGULOGRAMA: São usados para excluir a possibilidade de discrasias sanguíneas que provocam sangramento sistêmico inclusive no tubo digestivo
  • 8. Etiopatogenia: As principais causas de HDA podem estar localizadas em qualquer dos órgão a cima do ligamento de Traitz assim veremos as causas mais comuns de hemorragia digestiva alta nos diversos locais como Esôfago, Estomago e Duodeno :
  • 9. Hérnia de hiato é uma alteração anatômica onde por fraqueza dos pilares diafragmático, ocorre uma herniação do estômago para o tórax o que altera o sistema de contensão gástrico levando a refluxo gástrico- esofágico, o que determina inflamação da mucosa esofágica, que dependendo do grau pode causar sangramento. HÉRNIA DE HIATO
  • 10. Esôfago de Barret A esofagite de refluxo provoca alteração do epitélio com modificação do padrão mucoso, de pavimentoso estratificado para colunar, sua causa mais frequente é hérnia hiatal e a presença de esofagite leva a ulcerações e sangramento ESÔFAGO DE BARRET COM ESOFAGITE Presença de ulceração e sangramento é um lesão pré-neoplásica se não se não for tratada adequadamente
  • 11. VARIZES DE ESÔFAGO As varizes são formadas devido ao aumento da pressão portal ocasionado por cirrose e ou esquistossomose hepática, é uma importante causa de sangramento maciço.
  • 12. CANCER AVANÇADO DO ESÔFAGO O câncer avançado do esôfago, é uma causa importante de hemorragia digestiva alta pois o crescimento do tumor e sua alta vascularização propiciam o sangramento.
  • 13. Gastrite Erosiva Antral As gastrites erosivas também são hoje as principais causas de HDA, e seu aparecimento está ligado principalmente ao uso de anti- inflamatórios não hormonais. São alterações raras porem quando presentes podem ocasionar hemorragias importantes. Ectasias Vasculares
  • 14. Ulcera Gástrica Lesões da mucosa com fundo fibrinoso, que as vezes acomete vasos, com sangramentos maciços.
  • 15. Úlcera Gástrica Hemorrágica Lesões gástricas com quadro de sangramento recente ainda com sangue em suas bordas, todas as ulceras gástricas devem ser biopsiadas para diagnóstico diferencial com câncer gástrico.
  • 16. Corpo Estranho de Estômago Os corpos estranhos de estômago dependendo de sua forma podem levar a lesões da mucosa com sangramento e ou perfuração do órgão
  • 17. Varizes de Fundo Gástrico As varizes de fundo gástrico têm a mesma origem das esofagianas e dependem da hipertensão portal, e as vezes são a causa do sangramento digestivo alto.
  • 18. Os tumores gástricos avançados são predispostos a sangramentos devido a sua rica vascularização e friabilidade de seus tecidos. Na maioria das vezes seu sangra- mento é por sangue oculto nas fe- zes, levando a espoliação do paci- ente Câncer Gástrico Avançado
  • 19. Os pólipos gástricos alem de potencialmente carcinogênico dependendo de sua linhagem histológica, principalmente naqueles com mais de 2 cm, também por necrose de seu ápice, são responsáveis por sangramento digestivo alto. Pólipo Gástrico
  • 20. As úlceras duodenais, são bastante comuns e podem levar a sangramento maciço com choque hipovolêmico se for acometido a artéria gastro- duodenal e ou a pancreático- duodenal que passa entre o duodeno e a cabeça do pâncreas, e podem ser acometidas nas ulceras terebrantes para o pâncreas Úlcera Duodenal
  • 21. As duodenites erosivas são erosões da mucosa duodenal principalmente causadas por uso de anti-inflamatórios não hormonais; outra causa muito frequente são as verminoses principalmente as giardiases e ancilostomiase, são causa de sangramento que se manifesta frequentemente por sangue oculto nas fezes. Duodenite Erosiva
  • 23. HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA Por hemorragia digestiva baixa entende-se perda de sangue pelo reto, de origem abaixo do angulo de Treitz.
  • 24. HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA TIPOS DE SANGRAMENTO a) Melena: exoneração de sangue parcialmente digerido, com aspecto de borra de café que ocorre nas lesões esofagogástricas, jejunoileais, ou de cólon direito. b)Enterorragia: exoneração de sangue vermelho vivo ou vinhoso, que ocorre nas lesões do intestino grosso e do canal anal e nas localizações altas com sangramento profuso e trânsito acelerado.
  • 25. HEMORRAGIA DIGESTIVA BAIXA INTENSIDADE DO SANGRAMENTO a)Leve: Quando a quantidade de sangue é mínima sem alteração do estado geral, sem alterações hemodinâmicas ou hematológicas. b)Moderada:Quando o sangramento é de regular quantidade, com discreta alteração hemodinâmica e anemia pouco significativa. c)Maciça: Quando o sangramento é profuso, levando a hipovolemia ou choque, necessitando de reposição volêmica.
  • 26. CARACTERISTICA DO SANGRAMENTO O sangue perdido pode estar misturado com as fezes ou ser eliminado independente, sua associação com muco e ou pus pode ter significado diagnóstico
  • 27. Para efeito didático as hemorragias serão analisadas quanto a seu local de origem, e quanto a sua intensidade. CAUSA DO SANGRAMENTO 1ª ANAIS a) HEMORRÓIDAS Aqui incluem-se as hemorróidas responsáveis por 70 a 80% das hemorragias digestivas baixas.
  • 28. b) FISSURAS ANAIS Lesão ulcerada no anoderma do canal anal, é extremamente dolo- rosa, com intensidade máxima durante as evacuações, causando frequentemente, sangramento anal tipo hematoquesia c) CARCINOMAS EPIDERMOIDES Os tumores espinocelulares ou escamosos são os mais frequentes tumores epidermoides do ânus 80a 85%, seus sintomas mais frequentes são sangramento, dor e prurido
  • 29. 2ª COLORRETAIS A- DOENÇAS VASCULARES Lesão vascular muito frequente a partir da 6ª década, sendo uma das causas mais frequente de hemorragia digestiva nesta faixa etária. a) Angio-displasia do Ceco
  • 30. b)Retocolite Ulcerativa Idiopática Patologia inflamatória, levando a inflamação, ulceração e sangramento da mucosa. a) Retocolite ulcerativa fase inicial Nesta fase paciente apresenta, diarréia muco sanguinolenta B-DOENÇAS INFLAMATÓRIAS
  • 31. c) Retocolite ulcerativa amebiana Patologia inflamatória de causa amebiana, levando a inflamação, ulceração e sangramento da mucosa. d) Colite ulcerativa em paciente com AIDS Paciente HIV positivo desenvol- vendo lesão ulcerada de intestino grosso caracterizada por sangramento e diarréia crônica.
  • 32. e)Doença de Crohn Doença inflamatória intestinal com ulceração e sangramento, observa-se ulceras longitudinais na mucosa.
  • 33. Doença diverticular dos cólons Óstios diverticulares alguns com fecalito no seu interior f) Moléstia diverticular dos cólons hipotônica
  • 34. Verminose Estrongiloidiase As verminoses podem causar processos inflamatórios e às vezes sangramento C-INFESTAÇÕES POR VERMES
  • 35. a) Pólipo adenomatoso do colon Patologia benigna dos cólons com elevado pontencial de sangramento e em algumas linhagens, também de malignização D-DOENÇAS TUMORAIS
  • 37. A2) Polipectomia de pólipo adenomatoso
  • 38. b) Câncer avançado do colon Tumoração vegetante com ulceração e sangramento.
  • 39. DIAGNÓSTICO: exames subsidiários EXAME PROCTOLÓGICO: É o exame inicial para o diagnóstico e compreende inspeção, toque retal e retossigmoidoscopia, que permite a identificação de várias patologias hemorrágicas como hemorróidas, prolapso mucoso, precedência de reto, fissuras e traumas locais; o toque retal fornece dados sobre os pólipos e câncer de reto; a retossigmoidoscopia com tubo rígido atinge até 30 cm da BA . ENEMA OPACO: Exame radiológico que visualiza todo o intestino grosso e parte do ílio terminal.
  • 40. COLONOSCOPIA: Atinge sob visão direta todo o intestino grosso, sendo possível a realização de procedimentos como polipectomia, biópsias e esclerose de vasos sangrantes. ANGIOGRAFIA SELETIVA: Só tem indicação em hemorragia maciça, é elucidativa em malformações vasculares. MAPEAMENTO COM TECNÉCIO: Só tem positividade se o exame for realizado, na vigência do sangramento DIAGNÓSTICO: exames subsidiários