PCRJ – SME – E/DEDFUNDAÇÃO ROBERTO MARINHOPROJETO AUTONOMIA CARIOCA Oficina de Artes – Aceleração 3           Prof.ª Beatr...
Um olhar sobre a ArteAs “formas” da Arte:• 1ª Arte - Música (som);• 2ª Arte - Dança/Coreografia (movimento);• 3ª Arte - Pi...
Apresentação da proposta de trabalho – Um olhar sobre a arte• Após aprender as formas em que a arte pode  ser classificada...
Proposta de trabalho na disciplina          de artes visuais• Este curso tem como objetivo estabelecer formas de  dialogar...
Sugestão de atividade:• Sugira a seus estudantes que eles serão os  “curadores” de uma exposição. Eles organizar-  se-ão e...
I. Quando a arte acontece?• A verdade é que convivemos com a arte o tempo  todo; ela está nos desenhos das ruas, na  repre...
II. Descobrindo os mistérios da              Natureza• É com o fim da Idade Média e a descoberta da  América que surge, na...
• O Renascimento é um conceito fora de  sua época pois apenas foi definido a  posteriori de sua concepção;• Seguindo-se ao...
Vista parcial da abóbada da Capela         Sistina (1508-11)
Michelangelo – E a arte cristã                               Dizem que o papa Júlio II,                               quan...
Davi (1504)    Davi encanta pela sua perfeição    e beleza. Michelangelo fazia    suas esculturas partindo de    blocos ma...
Jesus adentra o paraíso                           Utilizando provavelmente                           pigmentos a base de c...
Aleijadinho e o Barroco no Brasil                Retrato de Aleijadinho -                Euclásio Ventura (séc. XIX)
O sofrimento como inspiração       Acometido pela Hanseníase, na época       chamada de lepra, Aleijadinho ia perdendo    ...
III. A arte brasileira no século XIX• O século XIX, corolário da dupla revolução, significou  um passo adiante na integraç...
Debret – a beleza no Romantismo                                         Não à toa chamado de “Damas                       ...
O Rio de Debret                                Artista e retratista talentoso, Debret foi                                e...
O casamento de S.M.I. D. Pedro I          (c. 1829)
Cortina de cena do Teatro da Corte àocasião da coroação de D. Pedro I (c. 1822)
Roupas de ministros e secretários   de Estado – estudo (1826)
Família de Botocudos em marcha             (1834)
Família de um chefe Camacan sepreparando para uma festa (c. 1820-30)
IV. Uma nova maneira de pensar a              Arte• A chamada “Era da Razão” será um período  de convivência e confluência...
As meninas de RenoirPierre-Auguste Renoir – Rosa e azul (1881)
Renoir - Romantico, neo-clássico e          impressionista             Renoir foi tão representativo nesse             per...
Pierre-Auguste Renoir
Pontilhismo - O Impressionismo             tardio
Pontilhismo                               O pontilhismo é uma técnica do                               impressionismo tard...
V. Introdução aos tempos                modernos• Os artistas dos primeiros anos do século XX se  mostraram desiludidos pe...
Vicente, o olhar inocente
A grandeza simples                            Durante toda sua vida, Vincent Van Gogh                            foi pobre...
O gênio incomprendido    Van Gogh jamais teve em vida o    reconhecimento pela sua grande obra ou de sua    genialidade; n...
Picasso - O desenhista compulsivo
Pablo Picasso – o mais famoso           pintor do século XX                                 Pablo Picasso representa o aug...
Pablo Picasso
Salvador Dalí e o delírio literal do          Surrealismo
O incomformismo e a visão               diferenciada da arte                                 Em suas primeiras lições na e...
Salvador Dalí
Paul Klee – as figuras de sua        imaginação       A flor polícroma (1936)
Paul klee
VI. O modernismo no Brasil• O modernismo no Brasil surge definitivamente  com a Semana de arte moderna de 1922, esse  será...
Abaporu – Tarsila do Amaral
Tarsila – A moderna criada na            fazenda        Tarsila foi a pioneira feminina na intelectualidade        do Bras...
Tarsila do AmaralTarsila é uma estrela que brilhará eternamente,não apenas pela grandiosidade de sua obra parao Brasil, ma...
Cândido Portinari                           Cândido Portinari nasceu em Brodósqui, no interior                           p...
Ícaro e Prometeu (1920)
Café – o homem vence a forma                          • Quando volta de Paris e                            redescobre o Br...
VII. Inaugurando um novo olhar            sobre a Arte• Com o advento da Segunda Grande Guerra  Mundial, as artes sofreram...
Marcel Duchamp –Roda de bicicleta (1913)
Marcel coloca um bigode na Mona Lisa         – L.H.O.O.Q. (1919)
Roy Lichtenstein e a arte HQ!Roy Lichtenstein – Whaam! (1963)
Roy Lichtenstein - Blam (1962)
Roy Lichtenstein – Still Life withGlass and Peeled Lemon (1972)
VIII. Plano e profundidade• Os artistas contemporâneos vêm constituindo  uma visão muito particular de plano e  profundida...
Alfredo Volpi                      Alfredo Volpi (1896-1988) foi um pintor ítalo-                      brasileiro, conside...
Realizou a primeira exposição individual aos 47anos de idade. Na década de 1950 evoluiu parao abstracionismo geométrico, d...
IX. Você tem fome de quê?        • A arte contemporânea, no          último terço do século XX          buscou a ideia de ...
Hélio Oiticica – PenetrávelQuadrado Mágico (1977)
Nosso olhar sobre a Arte• Chegamos ao fim do curso. Para cumprir plenamente nossos  objetivos, devemos começar, com nossos...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação plano de curso artes autonomia 2011

8.592 visualizações

Publicada em

Apresentação de proposta de Plano de Curso de Artes para o Aceleração 3 - Autonomia Carioca, SME/RJ e Fundação Roberto Marinho.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.592
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
157
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação plano de curso artes autonomia 2011

  1. 1. PCRJ – SME – E/DEDFUNDAÇÃO ROBERTO MARINHOPROJETO AUTONOMIA CARIOCA Oficina de Artes – Aceleração 3 Prof.ª Beatriz de Oliveira Ferreira Maia
  2. 2. Um olhar sobre a ArteAs “formas” da Arte:• 1ª Arte - Música (som);• 2ª Arte - Dança/Coreografia (movimento);• 3ª Arte - Pintura (cor);• 4ª Arte - Escultura (volume);• 5ª Arte - Teatro (representação);• 6ª Arte - Literatura (palavra);• 7ª Arte - Cinema• 8ª Arte - Fotografia (imagem);• 9ª Arte - Arte Sequencial (quadrinhos);• 10ª Arte - Videogame (alguns jogos integram todos elementos de todas as artes anteriores somado a 11ª, porém no mínimo, ele integra as 1ª, 3ª, 4ª, 6ª, 9ª arte somadas a 11ª desde a Terceira Geração dos Videogames);• 11ª Arte - Arte digital (integra artes gráficas computadorizadas 2D, 3D e programação).
  3. 3. Apresentação da proposta de trabalho – Um olhar sobre a arte• Após aprender as formas em que a arte pode ser classificada, propõe-se que os estudantes reflitam sobre as seguintes perguntas:• O que é arte?• Quem faz arte?• Para que serve a arte?• Onde se encontra a arte?
  4. 4. Proposta de trabalho na disciplina de artes visuais• Este curso tem como objetivo estabelecer formas de dialogar com as artes em geral e com as artes visuais em particular;• O recorte principal é o advento dos meios técnicos de reprodutibilidade da arte visual e sonora, que tornou possível o acesso a arte a todos os interessados;• O curso sugere que o professor, junto com seus alunos, torne-se autodidata e principalmente desenvolva o olhar sensível as produções artísticas que teremos acesso.
  5. 5. Sugestão de atividade:• Sugira a seus estudantes que eles serão os “curadores” de uma exposição. Eles organizar- se-ão em grupos e escolherão artistas e obras a serem trabalhados. Quando organizarem a mostra de sua produção, cada grupo apresentará sua exposição, lendo o título e os critérios de seleção das obras. Segue-se introdução à Arte:
  6. 6. I. Quando a arte acontece?• A verdade é que convivemos com a arte o tempo todo; ela está nos desenhos das ruas, na representações de naturezas mortas e vivas, na fotografia do seu primo, na festa de sua avó.• As artes são a expressão mais antiga do velho e sempre atual espírito humano, a arte é como nós expressamos nossa compreensão do mundo, como nos relacionamos com ele, como amamos ou odiamos. Sempre ela nos é companheira, já que não podemos nos expressar sem ela.
  7. 7. II. Descobrindo os mistérios da Natureza• É com o fim da Idade Média e a descoberta da América que surge, na Europa, a arte autoral. Os artistas passam a assinar suas obras, as técnicas, materiais e recursos avançam muito e surge um mercado para a Arte.• Os artistas do Renascimento se dedicaram a construção de novas concepções estilísticas, rompendo com o obscurantismo difundido pelas religiões oficiais;
  8. 8. • O Renascimento é um conceito fora de sua época pois apenas foi definido a posteriori de sua concepção;• Seguindo-se ao Renascimento, o Barroco será o ápice da concepção neo agostiniana, opondo-se ao estilo anterior;
  9. 9. Vista parcial da abóbada da Capela Sistina (1508-11)
  10. 10. Michelangelo – E a arte cristã Dizem que o papa Júlio II, quando questionava o artista sobre o término da obra da Capela Sistina, sempre recebia a mesma resposta: “Estará pronto quando eu terminar”.A Pietá (1499) é uma obraatemporal, já que demonstrao amor da mãe pelo seu filhomorto. Sua obra demonstraum desejo sincero deperfeccionismo e maestria.
  11. 11. Davi (1504) Davi encanta pela sua perfeição e beleza. Michelangelo fazia suas esculturas partindo de blocos maciços de mármore de Carrara . Eram necessários muitos estudos e esboços para a execução de obras que excedem o tamanho natural dos seres humanos.
  12. 12. Jesus adentra o paraíso Utilizando provavelmente pigmentos a base de cobalto, vemos um Jesus em sua plena beleza física. Não é o pobre e magro descrito na cruz, mas o forte que volta em carne aos domínios de seu pai. Neste detalhe, vemos que o estilo do artista excede ao pedido do papa ou aos desejos da Santa Madre Igreja CatólicaMichelangelo – O JuízoFinal (1534-41; detalhe)
  13. 13. Aleijadinho e o Barroco no Brasil Retrato de Aleijadinho - Euclásio Ventura (séc. XIX)
  14. 14. O sofrimento como inspiração Acometido pela Hanseníase, na época chamada de lepra, Aleijadinho ia perdendo partes do corpo enquanto modelava em pedra sabão seus famosos e tombados profetas. O sofrimento fazia com que o devoto olhasse o céu e clamasse contra sua miséria. Como escultor, foi um dos mestres dos detalhes, destacando sempre o olhar e o movimento das peças. O olhar se suas esculturas buscam a misericórdia divina, a compaixão dos homens. Aleijadinho - O profeta Ezequiel (1800-5)
  15. 15. III. A arte brasileira no século XIX• O século XIX, corolário da dupla revolução, significou um passo adiante na integração dos povos sob um sistema internacional de Estados-Nação; no caso especifico do Brasil, negros, brancos, indígenas e suas mestiçagens, assim como os imigrantes, seriam temas constantes desta época.• Debret, em 1829, montou a primeira exposição pública de arte no Brasil, trazendo da França um novo olhar.
  16. 16. Debret – a beleza no Romantismo Não à toa chamado de “Damas da corte”, este quadro de Debret tornou-se fonte primária para o entendimento da sociedade escravista do século XIX no Brasil. Reparem nos detalhes captados pelo artista, que ao mesmo tempo em que retrata a “boa sociedade” da época, redefine osDebret - Dames de la Cour (c. 1820-30) padrões de beleza desta. Neste quadro vemos a influência francesa na indumentária da elite imperial.
  17. 17. O Rio de Debret Artista e retratista talentoso, Debret foi extremamente generoso em suas pinturas, dando privilégio à beleza da cidade e de seus moradores. A sujeira, a fome, o “esquecimento nos trópicos” serão ignorados em suas temáticas. A dor é mostrada nas formas de castigos que os negros recebiam no Brasil, mas sua visão é extremamente elogiosa à beleza das diferentes raças. Senhoras brancas ou negras, moleques e senhores, todos serão retratados deDebret - Interior de uma casa maneira a enaltecer suas qualidades.cigana (c. 1820)
  18. 18. O casamento de S.M.I. D. Pedro I (c. 1829)
  19. 19. Cortina de cena do Teatro da Corte àocasião da coroação de D. Pedro I (c. 1822)
  20. 20. Roupas de ministros e secretários de Estado – estudo (1826)
  21. 21. Família de Botocudos em marcha (1834)
  22. 22. Família de um chefe Camacan sepreparando para uma festa (c. 1820-30)
  23. 23. IV. Uma nova maneira de pensar a Arte• A chamada “Era da Razão” será um período de convivência e confluência de diversos estilos: O Romântico, o neo clássico e o impressionismo. Tornando –se assim um período onde a arte abandono definitivo da figura do mecenas e se redefine como um novo mercado.• A partir desse período difundiu-se a construções de museus que tornasem públicas a grande arte.
  24. 24. As meninas de RenoirPierre-Auguste Renoir – Rosa e azul (1881)
  25. 25. Renoir - Romantico, neo-clássico e impressionista Renoir foi tão representativo nesse período de produção artística que expressou em suas pinturas toda efervescência de sua época. Seus quadros pesam pela beleza estética e os detalhes.
  26. 26. Pierre-Auguste Renoir
  27. 27. Pontilhismo - O Impressionismo tardio
  28. 28. Pontilhismo O pontilhismo é uma técnica do impressionismo tardio que consiste em pontilhar ao invés de pincelar ou desenhar. Podemos fazer com nossos alunos várias experiências usando essaGeorges Seurat – Uma tarde técnica.de domingo na Ilha da GrandeJatte (1884)
  29. 29. V. Introdução aos tempos modernos• Os artistas dos primeiros anos do século XX se mostraram desiludidos pela Primeira Guerra Mundial e impressionados com suas novas invenções e seus maus usos (como no caso de Santos Dumont, que se matou ao ver sua invenção, o avião, sendo utilizado como arma de guerra). Era como se vissem Ícaro morrendo novamente.• Inconformados com os massacres, expressaram em suas obras o fim definitivo da inocência nas artes. A partir daí, ela passaria a ser toda intencional e muitas vezes militante.
  30. 30. Vicente, o olhar inocente
  31. 31. A grandeza simples Durante toda sua vida, Vincent Van Gogh foi pobre. Muitas vezes esteve faminto ou doente. Quando faleceu em 1890, aos 37 anos, parecia que seu trabalho seria esquecido; ao invés disso, tornou-se um dos pintores mais emblemáticos de sua geração. Vincent era um mestre esquecido pelos seus contemporâneos. Passeou por diversos estilos da época, como o expressionismo, o pontilhismo, naturezasVincent Van Gogh – Quarto mortas, perspectivas, luz, sombras, vazios eem Arles (1888) ausências com cores fortes e tintas duras e de pouca elasticidade; as pinceladas de Vincent são emblemáticas para o estudo contemporâneo das cores e de seus usos.
  32. 32. O gênio incomprendido Van Gogh jamais teve em vida o reconhecimento pela sua grande obra ou de sua genialidade; na verdade, ficou sempre marcado pela loucura. Seus quadros eram ridicularizados pelos seus contemporâneos, que não os compreendiam. Aos 37 anos, escreveu a seu irmão Théo: “Minha vida está ameaçada no mais profundo do meu ser, e meus passos estão vacilantes. Bem, em meu trabalho estou arriscando minha vida, e metade de minha razão se desfez por causa dele.” Em 27 de julho de1890, Vicente foi para o campo e atirou em si mesmo. Morreu dois dias depois, nos braços de seu único amigo.
  33. 33. Picasso - O desenhista compulsivo
  34. 34. Pablo Picasso – o mais famoso pintor do século XX Pablo Picasso representa o auge da pintura moderna, engajada com os grandes debates sociais de seu tempo. Foi um pintor extremamente prolífico, apaixonado pelo corpo feminino e seu universo, retratando-o com cores fortes e pinceladas másculas. Hoje é um dos artistas mais famosos da história, comparado aos grandes mestres, como Michelangelo e Da Vinci. Picasso desnudava os sentimentos em suas obras; nelas encontramos volúpias, dor, solidão, desejo, devassidão, morte,Pablo Picasso – O sonho (1932) complacência, ou (in)justiça, como em Guernica, seu quadro mais emblemático
  35. 35. Pablo Picasso
  36. 36. Salvador Dalí e o delírio literal do Surrealismo
  37. 37. O incomformismo e a visão diferenciada da arte Em suas primeiras lições na escola de Belas Artes, Dalí era sempre repreendido por retratar um universo diferente daqueles propostos pelos mestres: o corpo feminino, representava como uma balança. Questionado, afirmava ver outros aspectos da realidade; por isso, seu universo pode ser classificado como surreal, fruto de uma imaginação galopante e conflitante eSalvador Dalí – A persistência inquieta. da memória (1931) Nasceram daí imagens alienígenas, que são ao mesmo tempo impossíveis na realidade mas plenamente construídas na imaginação.
  38. 38. Salvador Dalí
  39. 39. Paul Klee – as figuras de sua imaginação A flor polícroma (1936)
  40. 40. Paul klee
  41. 41. VI. O modernismo no Brasil• O modernismo no Brasil surge definitivamente com a Semana de arte moderna de 1922, esse será o momento de maturidade estilística nas produções artísticas brasileiras.• Nossos artistas desenvolveram uma maneira “tropical” de ver o mundo, utilizando-se de diversas técnicas passadas por meio de uma estética inédita, o antropofagismo.
  42. 42. Abaporu – Tarsila do Amaral
  43. 43. Tarsila – A moderna criada na fazenda Tarsila foi a pioneira feminina na intelectualidade do Brasil. Junto com seus companheiros da Semana de 22, revolucionou toda a história da pintura brasileira, ainda muito presa ao romantismo. Tarsila representou sua ama de leite, as cores do campo, a imaginação infantil levada ao seu apogeu estilístico. Seus anjos são caipiras, suas santas brasileiras, e as negras são representadas em sua beleza mestiça. O modernismo no Brasil foi um movimento com cores e atitude nacionais, objetivando o entendimento de nossa cultura por meio de uma estética própria, no que se contrapunha aos tradicionalistas.
  44. 44. Tarsila do AmaralTarsila é uma estrela que brilhará eternamente,não apenas pela grandiosidade de sua obra parao Brasil, mas pelo sentido simples e ingênuo que ela representa.A alma feminina e sua generosidade é o olhar de Tarsila.Como atividade, propomos utilizar o desenho para pintar doAbaporu. A ideia é que os alunos utilizem cores diferentes dooriginal. Isso permitira a apreensão da obra com sua produçãoartística.Como todas as atividades propostas nesse curso, no final decada produção os trabalhos devem ser organizados de formaestética, tendo como objetivo divulgar e difundir nossasproduções artísticas.
  45. 45. Cândido Portinari Cândido Portinari nasceu em Brodósqui, no interior paulista, sendo criado na fazenda Santa Rosa. Durante sua carreira, a temática rural será redefinida a partir de seus trabalhos, que valorizam o trabalho humano, ampliando seus horizontes. Pintou seu primeiro quadro aos 10 anos. Desde muito jovem o artista percebeu as injustiças da sociedade brasileira moderna e tentava ser crítico a ela. Cândido pintou desde estrelas em tetos de igreja a fachadas de prédios monumentais, como o Palácio Gustavo Capanema ou o Edifício-sede da ONU.Portinari - A descoberta Como estudante da Escola Nacional de Belas Artes da terra (1941) viveu um tempo morando literalmente em um banheiro de pensão. Em 1930 casou-se e, vivendo em Paris, teve a chance de conhecer o trabalho de grandes mestres, como Giotto, Matisse, Modigliani, assim como Van Gogh e Cézanne.
  46. 46. Ícaro e Prometeu (1920)
  47. 47. Café – o homem vence a forma • Quando volta de Paris e redescobre o Brasil, Portinari transforma suas pinturas, agora sem formas ou regras regulares. O homem se torna sua preocupação principal. • A partir de 1936, desenvolveu a pintura de grandePortinari - Café (1938) superfícies, tornando-se um dos maiores muralistas da história.
  48. 48. VII. Inaugurando um novo olhar sobre a Arte• Com o advento da Segunda Grande Guerra Mundial, as artes sofreram uma nova transformação , tornando-se populares e passíveis de fácil reprodução;• Aristas como Andy Warhol, Roy Lichtenstein, Marcel Duchamp vão criar uma nova arte, totalmente voltada para a difusão dos ícones de consumo de sua geração e rompendo com a bi-dimensionalidade da pintura tradicional.
  49. 49. Marcel Duchamp –Roda de bicicleta (1913)
  50. 50. Marcel coloca um bigode na Mona Lisa – L.H.O.O.Q. (1919)
  51. 51. Roy Lichtenstein e a arte HQ!Roy Lichtenstein – Whaam! (1963)
  52. 52. Roy Lichtenstein - Blam (1962)
  53. 53. Roy Lichtenstein – Still Life withGlass and Peeled Lemon (1972)
  54. 54. VIII. Plano e profundidade• Os artistas contemporâneos vêm constituindo uma visão muito particular de plano e profundidade;• Alfredo Volpi será um dos principais idealizadores dessa geração; seus trabalhos estão marcados por uma visão concreta da realidade.
  55. 55. Alfredo Volpi Alfredo Volpi (1896-1988) foi um pintor ítalo- brasileiro, considerado pela crítica como um dos artistas mais importantes da segunda geração do modernismo. Uma das características de suas obras são as bandeirinhas e os casarios. Autodidata, começou a pintar em 1911, executando murais decorativos. Em seguida, trabalhou com óleo sobre madeira, consagrando- se como mestre utilizador de têmpera sobre tela. Grande colorista, explorou através das formas, composições magníficas, de grande impacto visual. Trabalhou também como pintor decorador em residências da sociedade paulista da época, executando trabalho de decoração artística em paredes e murais.Bandeirinha (1958)
  56. 56. Realizou a primeira exposição individual aos 47anos de idade. Na década de 1950 evoluiu parao abstracionismo geométrico, de que é exemploa série de bandeiras e mastros de festasjuninas.Recebeu o prêmio de melhor pintor nacional nasegunda Bienal de São Paulo, em 1953.Participou da primeira Exposição de ArteConcreta, em 1956, mesmo não pertencendooficialmente ao Grupo Santa Helena, ao qualera muito ligado.
  57. 57. IX. Você tem fome de quê? • A arte contemporânea, no último terço do século XX buscou a ideia de instalações, criações de ambientes onde a arte não é apenas vista mas vivenciada; • Os grandes expoentes deste estilo no Brasil são Lígia Clark Hélio Oiticica, que, com seus penetráveis e úteros, colocam as pessoas para experimentar novas formas de ver o mundo.
  58. 58. Hélio Oiticica – PenetrávelQuadrado Mágico (1977)
  59. 59. Nosso olhar sobre a Arte• Chegamos ao fim do curso. Para cumprir plenamente nossos objetivos, devemos começar, com nossos alunos, a organizar a exposição de seus trabalhos;• A mostra deve seguir critérios estéticos de apresentação e ser instalada em lugar de destaque na UE, para que toda a comunidade escolar possa participar e se deliciar;• Duas sugestões de sítios a se visitar:• http://culturas.colorir.com/pre-historia/ e• http://www.smartkids.com.br/desenhos-para- colorir/artes.html• Confira esta apresentação em http://www.slideshare.net/biabouch• Boa sorte e boas artes!

×