O que caracteriza uma EA (Enterprise Architeture) e como aplicamos o TOGAF®

648 visualizações

Publicada em

O que caracteriza uma EA (Enterprise Architeture) e como aplicamos o TOGAF®
Roberto Severo- Country Director -The Open Group - Brasil

Publicada em: Negócios
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
648
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que caracteriza uma EA (Enterprise Architeture) e como aplicamos o TOGAF®

  1. 1. Roberto Severo de A. Coelho Country Director - Brazil r.severo@opengroup.org Rua Bela Cintra, 409 São Paulo, SP 01415-000 Brazil Tel +55 11 3042 0807 +55 11 98181-4481 www.opengroup.org O que Caracteriza uma Arquitetura Corporativa e O TOGAF® Junho 2015 Blue Hawk – São Paulo
  2. 2. Roberto Severo •  Diretor do The Open Group – Brasil •  Presidente da AEA (Association of Enterprise Architects) Capítulo Brasil desde 2009. •  Certificado em TOGAF®, PMI e PEAF •  Apresentações em conferências do The Open Group (Londres/2011, San Francisco/2012, São Paulo/2012/2013/2015) •  Tradutor do "TOGAF 9.1 - A Pocket Guide" e "Introduction to PEAF". •  Tradução do Glossário do ArchiMate 2.0 •  Papers para "The Journal of Enterprise Architecture”. •  14 anos de vivência no mercado financeiro roberto.severo@gmail.com
  3. 3. Agenda •  O Problema •  A Solução Proposta •  O TOGAF® •  O TOGAF® ADM •  Onde achar mais informações? •  Evento 2015
  4. 4. Arquitetura Corporativa Solução Tática EA Operacional Estratégico Tático Share Holders CxOs Planejamento Gerência Cordenação Operação Produção Infraestrutura Missão Visão Valores
  5. 5. Imagem da situação no momento de mudanças
  6. 6. Solução? Arquitetura Corporativa •  “Plantas” que descrevem a Organização –  Processo (“Método”) para criar as plantas e mantê-las atualizadas –  “Local” para guardar as “plantas”
  7. 7. O TOGAF Framework de Conteúdo de Arquitetura Continuum da Corporação ADM Orientações e Técnicas do ADM Modelos de Referência Framework de Capacidade De Arquitetura
  8. 8. ADM do TOGAF® 9 http://opengroup.org
  9. 9. TOGAF® – Fases do ADM Preliminar: Ferramentas, equipe, método, processo de governança, aprovação, patrocínio, stakeholders Fase A – Visão da Arquitetura: Planejamento da arquitetura futura, estabelecer visão para metas estratégicas de negócio, (resultado: Documento de Visão de Arquitetura, Plano de Projeto para execução da rodada) Fase B – Arquitetura de Negócio: Documentaçao de AS-IS e TO-BE dos processos de negócios - segunda linha do Zachman (resultado: detalhamento de necessidades de processos de negócio, gap analysis para saber o tamanho do esforço) Fase C – Arquiteturas de Sistemas de Informação: AS-IS e TO-BE de Sistemas e Dados para atender visão futura de arquitetura, e gap analysis do que está faltando.
  10. 10. TOGAF® – Fases do ADM (cont.) Fase D – Arquitetura de Tecnologia: Idem a fase C porém com foco em infraestrutura tecnológica Fase E e F – Oportunidades e Soluções e Planejamento da Migração: Consolidação do Gap Analysis das fases B, C e D (resultado: portifólio de projetos). Fase G – Governança da Implementação: Fim do projeto de Arquitetura desta rodada, revisões de conformidade, auditoria e acompanhamento do portfólio de projetos.
  11. 11. TOGAF® – Fases do ADM (cont.) Fase H – Gestão de Mudanças na Arquitetura: Não é bem uma fase pois não tem tarefas bem definidas. O grupo de EA deve acompanhar o alinhamento das mudanças feitas no ciclo anterior com a estratégia e as transformações no negócio. Grandes mudanças vão exigir uma reentrada no Ciclo Gestão de Requisitos – Não é uma fase, é um controle no centro do ADM, significando que cada fase do ADM pode gerar ou alterar requisitos que servirão de entrada para as demais fases.
  12. 12. Utilidades e Benefícios da Arquitetura Corporativa •  Utilidades –  Análises de Impacto –  Análises de Risco –  Reuso de componentes em vários níveis de granularidade –  Derivação de Portfolio de Projetos relevante –  Disponibilização de informação relevante para os processos de Governança (Corporativa e de TI) •  Benefícios –  Alinhamento entre Estratégia e Execução –  Menor Risco (impactos conhecidos) –  Menor Custo (maior eficiência) –  Mais Agilidade –  Melhor Retorno dos Investimentos existentes
  13. 13. Evento Nacional do Open Group
  14. 14. Roberto Severo de A. Coelho Country Director - Brazil r.severo@opengroup.org Rua Bela Cintra, 409 São Paulo, SP 01415-000 Brazil Tel +55 11 3042 0807 +55 11 98181-4481 www.opengroup.org Obrigado!

×