Forma função design

1.055 visualizações

Publicada em

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.055
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Forma função design

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN CURSO DE MESTRADO COM ÁREA DE CONCENTRAÇÃO DESIGN & TECNOLOGIA Idéia-Avaliação-Ação: Ideação Aspectos gerais da avaliação da função no design Disciplina: Estágio Docência Orientação: Profs. Dr. Régio Pierre da Silva e Pós-Dr. Fábio Teixeira Aluno: Msc. Bento Gustavo Pimentel
  2. 2. Guga Pimentel Formação Complementar: 2012 – 2012 Objetos da Floresta. (Carga horária: 24h). Fundação Nacional de Artes. 2012 – 2012 Inovação na Agricultura. (Carga horária: 2h). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil. 2011 – 2012 e-Nova. (Carga horária: 96h). Universidade Federal de Santa Catarina. 2011 – 2011 C. Livre de Intr. à Leit. de T. em Inglês On-Line. (Carga horária: 90h). Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil. 2010 – 2010. O uso estratégico da Propriedade Intelectual. (Carga horária: 2h). Universidade do Estado do Pará, UEPA, Brasil. 2009 – 2009 Extensão universitária em Aperfeiçoamento e Vivência do PROcampo. (Carga horária: 200h). Universidade Federal Rural da Amazônia. 2009 – 2009 Capacitação Possíveis Multiplicadores. (Carga horária: 36h). Universidade Presbiteriana Mackenzie. 2008 – 2008 O aproveitamento de resíduos agroindustriais. (Carga horária: 4h). Universidade do Estado do Pará, UEPA, Brasil. 2008 – 2008 A embalagem de alimentos. (Carga horária: 4h). Universidade do Estado do Pará, UEPA, Brasil. 2007 – 2007 Produto de Moda. (Carga horária: 20h). Centro de Design da Amazônia. 2004 – 2004 O computador como instrumento musical. (Carga horária: 9h). Escola de Música da Universidade Federal do Pará. gportfolio.wix.com/whiteportfolio Áreas de atuação: 1.Grande área: Ciências Sociais Aplicadas / Área: Desenho Industrial. 2. Grande área: Lingüística, Letras e Artes / Área: Artes. 3.Grande área: Outros / Área: Ciências Ambientais. Títulos e Premiações: 2011 Finalista no IF Concept Award 2011, IF Design Awards e Design Excellence Brasil. 2010. Entre os finalistas na categoria 'Mista e Temática', Categoria Estudante no Concurso Prêmio Ethos Valor, Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. 2009. Menção Honrosa no Prêmio Alcoa de Inovação em Alumínio – América Latina e Caribe, Alcoa. 2009 Partipação do Quinto Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero, CNPQ. Vínculo institucional: SECULT, PA, BRASIL. 2012 - 2012 Vínculo: Funcionário, Enquadramento Funcional: Efetivo, Carga horária: 30 FUNDAÇÂO CURRO VELHO, FCV, Brasil. 2010 - 2012 Vínculo: Funcionário, Enquadramento Funcional: Assistente Cultural, Carga horária: 30 Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil. 2004 - 2005 Vínculo: Colaborador, Enquadramento Funcional: Vespertino, Carga horária: 20.
  3. 3. 1 Sistemas Naturais 2 Avaliação das soluções Bioinspiração Biomimética, Biomimicry Biônica Biodiseño (biodesign)
  4. 4. Avaliação em critério bioinspirado, sustentável e social Cradle to cradle: remaking the way we make things >> McDonough e Braumgart (2002); Design for the other 90% >> Smithsonian (2007); Nature design: from inspiration to innovation >> Museum für, Gestaltung Zürich (2007); O desenvolvimento de Produtos Sustentáveis >> Manzini e Vezzoli (2008); Biodiseño. Biologia y diseño >> Villarreal (2012);
  5. 5. Bio-inspiração, Biônica, Biomimética/Biomimicry, Biodiseño (biodiseño)
  6. 6. Teoria e Prática Diferenças Biônica (1960) Bio-engenharia + Cibernética + Tecnologia de Ponta (bio+eletrônica) Biomimética, Biomimicry e sua abordagem a partir dos anos 90 Conceito de desenvolvimento científico e tecnológico, sendo visualizada como modelo, medida e avaliação. Adquiriu força com os adventos da Eco 92. Biomimicry Institute: Inspiring, educating and connecting biommics throughout the world; Esquema adaptado por Pimentel e Silva (2013) a partir de Dimas (2009, p. 44). Biodesign segundo Vilarreal (2012) Conjunto de estudos capazes de analisar práticas como Biônica e Biomimética, do ponto de vista da descrição de conhecimento pelo design com inovação tecnológica (eficiência ecológica), bio-inspirada (mitigação da validade a partir do referencial) e focada em avaliar tais desenvolvimentos (verificabilidade da aplicação dos princípios);
  7. 7. Cradle-to-cradle Arquiteto William McDonough pratica arquitetura verde em escala maciça. Em um projeto de 20 anos, ele está redesenhando na cidade de porte River Rouge , uma fábrica de caminhões da Ford e transformando-o em ‘criança eco-poster’ do Rust Belt, com a maior ‘telhado vivo’ do mundo para o reaproveitamento pluvial. Ele criou edifícios ecoeficientes e está construindo o design do futuro no lugar de uma futura exploração: a Base de Sustentabilidade NASA. Também está projetando sete cidades totalmente novas e inteiramente verdes na China. www.mcdonough.com/biography/ Já foi considerado o melhor químico indsutrial do mundo. É acadêmico na Cradle to Cradle Innovation & Quality na Rotterdam School of Management (RSM); Fundador Diretor Científico na EPEA Internationale Umweltforschung GmbH, Co-fundador da MBDC McDonough Braungart Design Chemistry, L.L.C., e Fundador e Diretor Científico na Hamburger Umweltinstitut. www.braungart.com/ MCDONOUGH, W. BRAUMGART, M. Cradle to cradle: remaking the way we make things. North Point Press, New York. USA, 2002.
  8. 8. Adolf Loos Gui Bonsiepe ‘ Le corbuisier Louis Sullivan Walter Gropius Frank lloyd Wright
  9. 9. William Morris Dieter Rams Steve Jobs
  10. 10. Como desenvolver estas questões nos meus produtos? Freelas? Emprego? Pesquisa? Projetos de vida?
  11. 11. Livros Cradle to cradle: remaking the way we make things >> McDonough e Braumgart (2002); Design for the other 90% >> Smithsonian (2007); O desenvolvimento de Produtos Sustentáveis >> Manzini e Vezzoli (2008); Design >> Bürdek (2006); Implementação do QFD para o desenvolvimento de produtos >> Miguel (2008); Projeto de Produto >> Mike Baxter (2009); Emotional Design >> Norman (2006);
  12. 12. Design como ciência A partir do alto à esquerda: Bucksminter Füller, Herbert Simon, Donald Schön, Nigel Cross, Kees Dorst.
  13. 13. Análise de protocolo (Design Thinking) CROSS., N. IN: Décimo Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. Creative cognition in design. São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 10 a 13 de Outubro de 2012. DORST., C. H. Describing design – a comparison of paradigms. Thesis TUDelft, 1997.
  14. 14. CRITÉRIOS DE DECISÃO Critérios de decisão X Tomada de decisão PIMENTEL, B. G. S. O desenvolvimento de uma composteira doméstica segundo o desdobramento da função da qualidade: um método sintético. Trabalho de Conclusão. Centro de Ciências Naturais e Tecnologia. Universidade do Estado do Pará, 2011;
  15. 15. Descrição de cenários e intervenção Venda ou P & D Tendências mercadológicas Viabilidade técnica X Decisões de Design Projetos de Design – Pesquisa em Design Necessidades
  16. 16. Do projeto à implementação da ação STEINBECK, Reinhold. Building Creative Competence in Globally Distributed Courses through Design Thinking. Revista Comunicar, 2011, vol. XIX, n. 37, pp. 27-34; PIMENTEL, B. G. S. SANTOS, N. S. S. R. P. SILVA. IN: Vigésimo CBECIMAT -Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciências dos Materiais. Utilizando o QFD para o planejamento de configuração em design: projetos rápidos, racionais e mirados na sustentabilidade. 04 e 08 de Novembro de 2012, Joinville, SC, Brasil;
  17. 17. O critério de qualidade e o design
  18. 18. Ideação-QFDs PLANEJAMENTO PROJETO INFORMACIONAL
  19. 19. Desenho do processo PLANEJAMENTO PROJETO INFORMACIONAL
  20. 20. Desenho do processo PLANEJAMENTO PROJETO INFORMACIONAL PROJETO INFORMACIONAL PROJETO CONCEITUAL PROJETO DETALHADO PROJETO FINAL
  21. 21. Requisitos do Usuário------------------------Características da Qualidade (QFDr) Primário Design acessível Material alternativo Estética agradável Secundário Uso com objetividade; Design emocional voltado ao uso, evitar visceralidade demasiado emocional (NORMAN, 2004); Pesquisar padrões de qualidade a partir de uma correlação com a ISO. Utilização das fontes de material e produtivas da economia local; Aproveitamento de resíduos de madeira; Fabricação sem segredos; Verificar uma correlação entre a tendência do uso de materiais alternativos e a aquisição desta gama de produtos mediante a divulgação das tendências; Terciário Sem inversões na forma de utilizar os dispositivos de uso; Evitar uso de recursos simbólicos; Verificar Bambu; Processos de Fingering com resíduos da indústria moveleira que utiliza madeira; As peças da bicicleta podem ser organizadas em conjuntos fixos como módulos. Sendo assim, nem todas as peças precisam ser ajustáveis ou reguláveis, dando ao artefato um ar mais funcional, de aspecto mais conceitual; O assento pode ser feito com materiais alternativos, o que pode abrir precedência para problemas de ergonomia, direcionando o artefato a um uso de breve duração, anulando a possibilidade do mesmo ser utilizado em viagens ou em trabalhos com uso de força; Há a possibilidade de se utilizar fios de Nylon para encapar a estrutura do assento, abrindo procedência para uma situação de conforto e uso com certa ergonomia; É verificada a possibilidade de realizar o acabamento da superfície do assento a partir de um composto baseado na adição de resina de propileno e Curauá, ocasionando um aspecto alternativo do material; Quartenário Uso linear; Avaliação: 5-Forte; 3-Média; 1-Fraca; Avaliação mediante possibilidade de fabricação frente à norma; Uso para passeio, não aconselhável para trabalhos de força; Entre 5 e 3; Destinado a mercados com afinidade em comprar artefatos fabricados com materiais alternativos; Entre 5 e 3, a verificar a possibilidade de realizar testes em Pontos de Venda, e viabilização de material de divulgação em estudo fotográfico;
  22. 22. QFD
  23. 23. Quatro fases de um QFD convencional
  24. 24. Quadro geral
  25. 25. BAXTER, Mike. Projeto de Produto. São Paulo: Edgard Blücher, 2000; BRITO, T. O. Sistema de Sutura a partir da técnica biônica. Departamento de Design e Expressão Gráfica. Universidade Federal do Amazonas -UFAM, 2009; BÜRDEK, Bernhard E. (2006). História. teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Editora Edgard Blücher; DORST., C. H. Describing design – a comparison of paradigms. Thesis TUDelft, 1997; FERNANDES, S. V. D. H. Artefato de auxílio ao transporte de crianças em diferentes meios. TCC de Graduação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura, Curso de Design de Produto. Porto Alegre, 2012. GAMBONI, D. Art noveau: the shape of life. Nature design: From Inspiration to Innovation. p. 98-112. Zurique, Suíça: Museum für, Gestaltung Zürich. Zürcher Hochschule der Künste ZHdK, Zürcher Fachhochsule and Lars Müller Publishers. Lars Müller Publishers, 2007. LÖBACH, Bernd. Design Industrial: Bases para a configuração dos produtos industriais. São Paulo: Editora Blücher, 2001; MANZINI, E. VEZZOLI, C. O desenvolvimento de Produtos Sustentáveis. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008; MIGUEL, P. A. C. Implementação do QFD para o Desenvolvimento de Novos Produtos. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2008; MCDONOUGH, W. BRAUNGART, M. Cradle to cradle: remaking the way we make things, 2002; NORMAN, D. A. Design emocional: por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia; tradução de Ana Deiró. Rio de Janeiro: Rocco, 2004; PIMENTEL, B. G. S. O desenvolvimento de uma composteira doméstica segundo o desdobramento da função da qualidade: um método sintético. Trabalho de Conclusão. Centro de Ciências Naturais e Tecnologia. Universidade do Estado do Pará, 2011; PIMENTEL, B. G. S. SANTOS, N. S. S. R. P. SILVA. IN: Vigésimo CBECIMAT -Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciências dos Materiais. Utilizando o QFD para o planejamento de configuração em design: projetos rápidos, racionais e mirados na sustentabilidade. 04 e 08 de Novembro de 2012, Joinville, SC, Brasil; POLAK, P. Design for the Other 90%, Design ofr the other 90%. Smithsonian Cooper-Hewitt, National Design Museum, New York, pp 5-25, 2007. SACHS, A. Paradise lost? Comteporary strategies of nature design. Nature design: From Inspiration to Innovation. p. 262274. Zurique, Suíça: Museum für, Gestaltung Zürich. Zürcher Hochschule der Künste ZHdK, Zürcher Fachhochsule and Lars Müller Publishers. Lars Müller Publishers, 2007. STEINBECK, Reinhold. Building Creative Competence in Globally Distributed Courses through Design Thinking. Revista Comunicar, 2011, vol. XIX, n. 37, pp. 27-34; YOUSEFIE, S. MOHAMMADI, M. MONFARED, J. H. Selection effective management tools on setting European Foundation for Quality Management (EFQM) model by a quality function deployment (QFD) approach. Expert Systems with Applications. Journal of Cleaner Production, Elsevier, 2011;
  26. 26. www.biomimicryinstitute.org/ biomimicry.net/ www.rosslovegrove.com/ www.cmu.edu/me/ddl/publications.html iopscience.iop.org/ complexity.xozzox.de/tensegrity.html http://biomimetics.mit.edu
  27. 27. bgugapimentel.designer@yahoo.com.br

×