Como o problema do design

754 visualizações

Publicada em

P & D 2014

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
754
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como o problema do design

  1. 1. Como o problema do conhecimento no design se apresenta PIMENTEL, B.G.S. SILVA, R. P. Décimo primeiro Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento de Design Gramado-RS, De 30 de setembro a 2 de Outubro de 2014 332
  2. 2. Bento Pimentel, 30 , VID/UFRGS, DEPROMA/UEPA bento.pimentel@ufrgs.br gportfolio.wix.com/whiteportfolio SILVA, R.P.
  3. 3. Abordagem Investigação Conceitual Ensino Processos Psicológicos Relações de Trabalho Especulação Filosófica Fundo histórico
  4. 4. Transferência de conhecimento Atividades e processos de design Investigação
  5. 5. Vivemos em uma época em que muitas coisas acontecem
  6. 6. É necessário mensurar o conhecimento gerado a partir de estâncias internalizadas, mediante aplicações geradas em projeto?
  7. 7. Se isto é possível, é ao mesmo tempo necessário um afunilamento produtivo que acompanhe tal complexidade descritiva.
  8. 8. Sendo assim, <Cross, 2001, Dorst, 2001> <Coyne, 2004, Buchanan, 2010> <Crilly, 2010> Kees Dorst Nigel Cross
  9. 9. Em contrapartida, Em um quadro descritível pelo conceito de sociedade do conhecimento, a contemporaneidade é marcada por um capitalismo informacional por estar relacionada ao mercado da criação e geração de ideias, tal como apresentado em Saraiva e Veiga-Neto (2010). Acrescenta-se a isto, a entrada e permanência da tecnologia avançada nos hábitos do cotidiano (BÜRDEK, 2006), e o contínuo sintoma de crise e insegurança frente à cataclismas naturais, com direta correlação social (MORELLI, 2007); Neste cenário é necessário ainda atender as demandas de consumo tendo em vista a correlação entre as áreas (NORMAN, 2005): Mercado Conhecimento Emoção
  10. 10. Disciplinaridades Então verifica-se a necessidade em fomentar o desenvolvimento de novas tecnologias Algoritmos Executáveis Tarefas utiizando tecnologia Regras Ações humanas Regras – Protocolos - Previsão - Desenvolvimento de design - Realização de tarefas utilizando tecnologia Herbert Simon Dorst, 1997 Sarewitz, Pielke, 1999
  11. 11. Como aprimorar tal heurística de forma a beneficiar a atividade de projetação ?
  12. 12. Modulação nos conceitos Experimento Teoria Inovação Teoria Experimento Inovação 1. 2. Gui Bonsiepe
  13. 13. Ação e reação Ação e reação das contribuições ganho-ganho nas práticas de educação para a inovação e transferência tecnológica
  14. 14. Complementarmente GDT: Adaptable Design; Axiomatic Design (AD); Characteristics-Properties Modeling (CPM) of Weber; Concurrent Engineering; Contact and Channel Model (C&CM) of Albers; Design for X (DfX); Design Decision-Making Methods; Design Structure Matrix (DSM); Emergent Synthesis; Failure Mode and Effect Analysis (FMEA); Hansen; Hubka and Eder; Integrated Product Development of Andreasen; Koller; Pahl and Beitz; Quality Function Deployment (QFD); Roth; Taguchi Method; Total Design of Pugh; TRIZ; Universal Design Theory (UDT); Ullman; Ulrich and Eppinger. TOMIYAMA, T. et al. Design methodologies: Industrial and educational applications. CIRP Annals-Manufacturing Technology, v. 58, n. 2, p. 543-565, 2009. Avanço tecnológico Necessidade econômica Aspecto estético Relações de trabalho
  15. 15. Em contrapartida, resta a questão: qual o papel da inovação a ser transmitido no ensino de design? Então, quais seriam os fatores imbricados na retórica de mudança e fortalecimentos da prática do design, subjacentes em dinâmicas de transformação acerca da atividade? Tais tópicos poderiam estar diretamente relacionados a alguma teoria ou conceito? Estas recomendações estariam à disposição no campo da educação para a formação em design?
  16. 16. Ensino Sistemas visuais Desenvolvimento de objetos materiais Design de serviços organizados Design para ambientes História Tecnologia Estrutura/Forma Mídia Projeto/Prática da vida cotidiana Globalização/Mercado Bonsiepe, 2011
  17. 17. Origem No calendário da macroeconomia brasileira, verificou-se durante a era Vargas, um forte investimento no setor industrial de base, objetivado a produção de bens não-duráveis e inovação incremental, com aparatos normativos voltados á proteção econômica, investimentos infra-estruturais e regulamentação do mercado de trabalho. Na década de 40, desenvolveu-se o setor mineral, siderúrgico, e petrolífero, bem como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPQ, e a Financiadora de Estudos e Projetos, a FINEP (PEREIRA, et al., 2010). Nos anos 50 foram executadas as diretrizes do plano de metas de Juscelino Kubitschek, tendo por conseqüência a penetração acentuada dos investimentos internacionais, dado a redução das tarifas comerciais e impostos industriais (PEREIRA, et al., 2010). Em 1962, dá-se o marco do ensino do design no Brasil a partir do início de atividades da ESDI (Escola Superior de Desenho Industrial), logo após a implementação das bases do projeto, em uma decisão de particular voluntarismo governamental lacerdista, segundo Niemeier (1998). Diferente da trajetória tecnológica brasileira, as raízes da pesquisa sistematizadas em Design na comunidade internacional remontam á década de 20, que em sua primeira fase apresenta o estabelecimento da metodologia bauhausiana, prolongando-se até a década de 50, em parte por benefício do estilo internacional. Na década de 60, o ponto de vista das necessidades do design mudou de foco, partindo dos sistemas científicos clássicos, aos das necessidades humanas (CROSS, 2001a), dado uma revolução científica percebível nos métodos do design, bem como em todo o panorama científico, representado de forma generalizada na obra de Kuhn (1997).
  18. 18. Road-map (Calveira, 1992) •Confusão entre prática e teoria WALKER, 2005); •Problemas perversos (BUCHANAN, 2010); •Dificuldades em descrever conteúdo tácito de conhecimento nas transferências (DORST, 1997);
  19. 19. Últimos comentários A opção pelo termo ‘transferência tecnológica’, portanto, se esvaziaria, uma vez, que, se aplicada ao contexto das formas de co-propriedade da patente intelectual em âmbito internacional, a cooperação seria uma prática destinada a esmo, dado o agenciamento de royalties. Desta forma opta-se portanto, por formas acompanhadas de contribuição, tal qual o Desenvolvimento e Desdobramento de Tecnologia (TDD- Tecnology Development and Deployment), aonde ao fim do acompanhamento, o país estaria apto a montar seu próprio sistema de C, T e I. O entendimento profundo do design leva à compreensão do centro do desenvolvimento científico, da contrapartida entre os princípios que desenvolvem a ciência como um processo adaptativo. Esta verificação, levada a cabo pela curiosidade científica, é bem recebida pela complexidade. Não menos por acaso, este também é o caminho pelo qual o design á primeira vista pode ser mal compreendido em sua validade na recepção superficial, porque não o compreende em profundidade, de imediato. A compreensão desta interrelação ulterior traria a validade percebida de incrementação ao design, em nível produtivo e de semântica, no limite teórico.

×