Uma Aventura Na AmazóNia 7º B

4.059 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.059
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
147
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uma Aventura Na AmazóNia 7º B

  1. 1. Uma aventura na Amazónia Já cansados de tanto e tanto andar acabaram por encontrar … Numa tarde muito quente, nas férias de Verão, um grupo de jovens que tinha ido passar uns dias à Amazónia, decidiu que iriam explorar toda aquela zona que, para eles, lhes era totalmente desconhecida. Começaram a andar, a andar, até que acabaram por se perder. Os cinco jovens: Gabriel, Sofia, Ana, David e Miguel decidiram continuar a andar para ver se conseguiam encontrar de novo a pousada em que estavam hospedados.
  2. 2. Um helicóptero que se tinha - Vamos procurar uma gruta ou despenhado há pouco tempo. O grupo algo para passarmos lá a noite. - sugeriu que andava perdido foi para dentro do Miguel. helicóptero para ver se tinha rádio. - Sim, também acho que é a melhor Todos estavam com esperança de serem coisa a fazer. - disse Ana. salvos, mas tiveram azar, pois o rádio E lá partiram… estava sem rede. E assim continuaram a sua caminhada sem água, sem comida e perdidos. Caminharam dias e noites seguidas e iam sempre ter ao mesmo local… Andavam às voltas. - Vá lá, não vamos perder a esperança. - disse Gabriel. - Mas, como podemos acreditar que nos vamos safar, se andamos sempre às voltas! - retorquiu Sofia, já cansada.
  3. 3. Mas a cada momento que passava, Nesse preciso momento, ouviram a noite tornava-se mais escura e ruídos um pouco estranhos… assustadora. Após alguns minutos de caminhada, viram uma luz ao longe. Rápido lá chegaram! Era uma fogueira semi-apagada metida entre duas enormes pedras. - Boa! - disse Gabriel - já temos onde nos aquecer e onde nos aconchegar. - Sim! É verdade. - responderam os outros, um pouco aliviados. Mas, de repente ouviram Ana: - Não acham muito estranho, uma fogueira sem ninguém por perto?
  4. 4. Aqueles ruídos vinham de longe, Todos ficaram a tremer de medo, mas cada vez se aproximavam mais… porque não sabiam o que os índios Começaram a ver pessoas, com caras queriam. pintadas. Os cinco amigos só tiveram tempo de fugir. Correram, correram, correram até que um deles caiu. Todos queriam continuar a correr, mas o colega não conseguia andar e decidiram parar. E Gabriel sussurrou: - Parecem índios! - Pois são! - disseram todos os outros. Entretanto, dois índios aproximaram-se deles…
  5. 5. Mas, para espanto deles, um dos - Já está na hora de os matar. índios perguntou-lhes: Ana e David, muito assustados, - Estão perdidos? Querem ajuda? foram avisar os amigos e sugeriram … - Sim! - disse Ana, depois de olharem uns para os outros. Passaram-se alguns dias e os cinco jovens tinham tudo o que precisavam: comida, água, e casa, não era bem uma casa, era uma gruta, mas servia perfeitamente. De um momento para o outro, as coisas começaram a mudar, os índios tornaram-se agressivos e a segredarem muito. Certa noite, Ana e David ouviram os índios dizer:
  6. 6. Fugir. - Já está! Podemos atravessar, mas Correram, correram e foram ter ao com cuidado, pois os crocodilos estão rio Amazonas. por perto. - disse Ana. E aí o Gabriel disse: - Agora podemos nadar e atravessar o rio. - Não, não! - disse Sofia. - Porquê? - perguntaram todos. - Não estão a ver ali os crocodilos. - disse Sofia. Então o Miguel teve uma ideia: - Vamos cortar uma árvore para fazer de ponte, e assim poderemos passar para o outro lado. E assim, foram todos juntos, fazer força para colocar a árvore no chão. Depois de algum esforço jogaram o tronco ao rio.
  7. 7. Já do outro lado do rio, os jovens -Tenho, vamos por ali. - respondeu pensavam que estavam seguros. Mas, Gabriel, muito confiante. qual o espanto quando se aperceberam - Está bem, vamos acreditar, que que tudo o que se avistava era só seja o caminho certo. - opinou Miguel, vegetação alta e que lhes iria dificultar um pouco desconfiado. imenso a descoberta do caminho para a pousada. Mesmo assim decidiram avançar. Andaram, andaram e nada. - Que vamos fazer? - perguntou Sofia. - Não sabemos! - disseram alguns. - Devemos estar perto da pousada. Eu ainda me lembro de ter passado aqui. - disse Gabriel. - Tens a certeza? - perguntou Ana.
  8. 8. E continuaram a andar com - O que será que se passou aqui? - esperança de encontrarem a pousada e perguntou Miguel. não apanharem mais nenhum susto. - Não dá para entender! - disse Depois de algumas horas a andar, Ana. encontraram a pousada. - Algo se passa, a pousada está diferente! - exclamou Sofia. - Se calhar estamos a fazer confusão! - disse a Ana. - Vamos entrar e logo vemos. - disse David. Quando entraram, ficaram todos de boca aberta. Parecia que não era habitada há muito tempo: os móveis cheios de pó, muitas teias de aranha, estantes quase a cair… - Estou a ficar assustada! - disse Sofia.
  9. 9. E continuaram a revistar a casa. - Junto à churrasqueira não havia Foram ao quarto onde dormiam e já não esta parede e nem aquele muro junto estava lá nada do que era seu. poço. - Acho que avançámos no tempo! - - Tens razão, esta não é a nossa disse Sofia. pousada e nem estamos no futuro. - - Mas, tu estás parva! Andar no disse Sofia. tempo! Só em filmes! - falou Miguel, - Vamos mas é sair daqui! - disse um pouco aborrecido. Miguel. Quando saíram para a rua, repararam que tudo estava seco no jardim e a piscina vazia. E Sofia insistiu: - De certeza que estamos no futuro. Os outros começaram a ter certas dúvidas. Seria de doidos, mas … Depois de alguns momentos de silêncio. David lembrou-se e disse:
  10. 10. Iam para sair quando… Durante alguns dias ficaram por Ouviram gritos. Olharam uns para ali, comendo o que encontravam e os outros e deram por falta do Gabriel. fazendo turnos de vigia durante as - Socorro! Socorro! - gritava noites. Gabriel, preso nas escadas. Correram até às escadas e com cuidado, ajudaram-no a soltar-se. - Estás bem? O que te aconteceu? - perguntou-lhe Ana. - Não interessa, vamos mas é sair daqui, que isto é uma casa assustadora! - respondeu Gabriel, aterrorizado. E começaram todos a correr para se afastarem da casa. Depois de estarem bem longe, resolveram arranjar um abrigo e descansar.
  11. 11. - Está na hora de partir, temos de Mal entraram, as recepcionistas encontrar o caminho para a pousada. - reconheceram-nos e correram para eles, disse Ana. contentes e aliviadas, pois já tinham E decidiram partir mais uma vez acabado as buscas em seu salvamento e em busca da pousada. já tinham perdido as esperanças. Andaram, andaram, andaram e a certa altura ouviram algo… Seguindo os sons, começaram a correr sem parar. Já perto, gritaram todos: - É a nossa pousada! Estamos salvos. Uns saltavam de alegria, outros choravam emocionados, pois tinham passado um mau bocado. Resolveram entrar na pousada.
  12. 12. Depois de algumas perguntas e Quando estavam a almoçar e a respostas, as funcionárias resolveram contar as aventuras que viveram … telefonar para os pais e polícia a contar o acontecido. Estes, mal souberam, marcaram viagens e partiram logo em direcção à pousada. Queriam ver os seus filhos adorados, o mais rápido possível. De seguida, os cinco meninos, exaustos, foram tomar um bom banho e vestir roupas lavadas. Descansaram algumas horas e depois foram para o salão de almoços. O salão onde iam almoçar parecia um salão de festas. Estava tudo enfeitado e a mesa cheia de coisas maravilhosas.
  13. 13. …Entram os pais e é o que se pode Que bom é, quando tudo acaba imaginar, uma emoção total. bem!
  14. 14. Professores e alunos que Nota Prévia participaram na história. Este livro foi feito pelo professor de Educação Especial, Jorge Lima, com ajuda de Marco Miranda, aluno com Currículo Específico Individual e também com a imprescindível colaboração dos alunos do 7ºB e sua directora de Turma. Esta história percorreu todos os alunos, que iam continuando a história, escrevendo e ilustrando, de acordo com a sua imaginação. Alunos do 7ºB que participaram na história: Adriana, Beatriz, Bruno, Cristiano, Daniela, Diogo Ferreira, Diogo Neto, Mariana, Marco Agradecimentos Miranda, Micaela, Raquel e Sara. A todos os alunos da Turma B do 7º ano da E.B. 2, 3 de Vilarinho do Bairro e respectiva O Professor de Educação Especial: Directora de Turma que prontamente se Jorge Lima disponibilizaram e colaboraram na elaboração desta história. A Directora de Turma do 7ºB:
  15. 15. Amélia Melo História 7º B
  16. 16. E.B. 2, 3 de Vilarinho do Bairro Professores e alunos que participaram na história. Alunos do 7ºB que participaram na história: Adriana, Beatriz, Bruno, Cristiano, Daniela, Diogo Ferreira, Diogo Neto, Mariana, Marco Miranda, Micaela, Raquel e Sara. O Professor de Educação Especial: Jorge Lima A Directora de Turma do 7ºB: Amélia Melo

×