O sabor da doçura

1.359 visualizações

Publicada em

Geometria

Publicada em: Diversão e humor, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.359
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
140
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Saiba mais sobre a Geometria com esta história!
  • O sabor da doçura

    1. 1. A Medição da Doçura
    2. 2. <ul><li>Era uma vez, a muitos e muitos anos, um pais chamado EUCLIDÉIA, cujo rei, era obcecado pela Geometria , vivia num grande castelo cúbico flanqueado por quatro torres cilíndricas rematadas por cones. Os comprimentos, as áreas, e os volumes eram a principal preocupação do rei Metrônio , que tinha a seu serviço uma verdadeira legião de medidores. </li></ul>
    3. 3. <ul><li>O rei tinha uma filha única, chamada Hipotenusa , que, além de culta e inteligente, era muito bonita. Por isso, tinha inúmeros pretendentes. Mas Metrônio achava que nenhum deles estava à altura da princesa, eles costumavam ser bem mais baixos que a esbelta Hipotenusa . Os poucos pretendentes que a superavam em estatura eram muito menos inteligentes que ela, e, além do mais, nenhum deles conseguia resolver os problemas geométricos que o rei Metrônio inventava, dizem que com a ajuda da própria Hipotenusa. E sem resolvê-los nada de casamento. </li></ul>
    4. 4. <ul><li>Foi o caso de Fedegoso , o musculoso, o mais destemido de todos os pretendentes da princesa. Era um guerreiro de estatura elevada e aspecto imponente, mandíbula poderosa e pescoço de touro, que já tinha vencido vários duelos. Fedegoso tinha se apresentado no castelo de Metrônio disposto duelar contra qualquer pessoa, bicho ou algo que tivesse a coragem de aparecer na frente dele, e ficou ofendidíssimo ao descobrir que não tinha de enfrentar nenhum monstro ou coisa parecida, mas um problema geométrico. </li></ul><ul><li>- Se pretendes um dia usar minha coroa em vossa cabeça guerreiro- Avisou o rei -, terás de descobrir quanto ela pesa, para que não seja pesada demais para o seu devido valor. </li></ul>
    5. 5. <ul><li>- Fácil! Vou pegar uma balança – Respondeu ingenuamente Fedegoso . </li></ul><ul><li>O rei conteve-o com um gesto da mão, acompanhado por uma risadinha maliciosa. </li></ul><ul><li>- Com uma balança qualquer idiota pode descobrir o peso da minha coroa, e eu quero que me prove que não és um fanfarrão – Disse Metrônio . </li></ul><ul><li>- Ora, como vou descobrir um peso sem uma balança? –Perguntou Fedegoso. </li></ul><ul><li>- A coroa é de ouro puro –Explicou o rei. – Se descobrirdes seu volume, é só multiplicá-lo pela densidade do ouro. </li></ul><ul><li>- Achar esse volume é impossível, majestade – Protestou Fedegoso . – Não sou totalmente ignorante em Geometria ; sei achar o volume do prisma, da pirâmide e até do cilindro e do cone. Mas vossa coroa tem uma forma muito complicada, e nem com a ajuda dos mais sofisticados instrumentos de medida seria possível calcular esse volume. </li></ul>
    6. 6. <ul><li>- Você talvez não consiga guerreiro, mas aquele que tiver o mínimo de neurônios que exijo para quem quiser se casar com minha filha achará isso coisinha à-toa – Replicou o rei. E Fedegoso foi embora ofendidíssimo, sem nem mesmo uma mesura de despedida. </li></ul><ul><li>- Meu amor não podemos rejeitar um pretendente tão destemido como Fedegoso – Argumentou a rainha Elizabeth . </li></ul><ul><li>- Esse cateto não serve para nossa Hipotenusa meu amor! – Retrucou o rei. </li></ul><ul><li>Outros pretendentes não tiveram melhor sorte, até que um dia, um jovem cavaleiro chamado, Amoroso se apresentou ao rei. Ele tinha visto Hipotenusa numa das janelas do castelo e se apaixonara à primeira vista. </li></ul>
    7. 7. <ul><li>- Pois bem, bravo jovem, vejamos se servis para algo – Disse o rei a Amoroso. – Aqui esta minha coroa. Dizei-me quanto pesa. </li></ul><ul><li>- Vossa majestade podes me emprestar um balde cheio de água até a borda?- pediu o rapaz. </li></ul><ul><li>- Mas para que queres emprestado um balde cheio de água? – Perguntou o rei desconfiado. </li></ul><ul><li>- Para que eu possa te dizer quanto pesa a vossa coroa. – Explicou Amoroso </li></ul><ul><li>- Pois bem meu jovem. – Animou-se o rei Metrônio. </li></ul>
    8. 8. <ul><li>Então o rei mandou que um de seus empregados trouxe-se o tal balde cheio de água. </li></ul><ul><li>- Veja a coroa fez transbordar uma quantidade de líquido igual ao volume da coroa e tirando-a vemos que falta um décimo de litro de água para encher novamente o cubo até aborda .Como o ouro é dezenove vezes e meia mais pesado que a água, um décimo de litro de ouro pesa um quilo 1 quilo e 950 gramas. – Disse Amoroso. </li></ul><ul><li>- Muito bem, meu rapaz. – Felicitou o rei. –Ganhaste o direito de usar uma balança na próxima prova,e já que queres tanto herdar meu reino, terás que calcular a sua superfície. Tomara que não seja grande de mais para você. Aqui tens um mapa para facilitar o trabalho. </li></ul><ul><li>O rei da o rolo de pergaminho e despedindo Amoroso com a mão. </li></ul>
    9. 9. <ul><li>O jovem Amoroso saiu ao pátio do castelo, preocupado com aquela segunda prova, que não sabia como vencer, lá nesse pátio que ele conheceu o anão Eurico . </li></ul><ul><li>- Você deve ser o Amoroso ,o jovem que deseja se casar com a princesa Hipotenusa .-Perguntou Eurico . - Isso mesmo.Apaixonei-me, mal a vi, mas creio que minhas possibilidades de casar com ela são poucas, mas quem és tu? E como sabes quem sois e que desejo me casar com a princesa Hipotenusa ? - Perguntou desconfiado Amoroso . </li></ul><ul><li>- Meu nome é Eurico ,e vim aqui porque ouvi dizer que o rei Metrônio é um grande amante da Geometria , matéria que também me interessa muito e quanto a você sabes como é o reino! Diga-me, por que vê poucas possibilidades em se cassar com sua amada? – Perguntou curiosamente o anão Eurico . </li></ul><ul><li>- O rei me deu mais uma prova, onde ainda devo cumpri-la para poder me casar com Hipotenusa mas dessa vez não sei como medir a extensão de um território tão complexo, o mapa que me foi dado não tem nem a escala. – Desabafou Amoroso . </li></ul>
    10. 10. <ul><li>- Que tal ir caminhando até o sol nascente? – Foi a enigmática resposta do anão. </li></ul><ul><li>- Claro!Se caminharmos até a fronteira em linha reta até o leste e contarmos o número de passos,saberemos qual a distância do castelo até a extremidade oriental do reino.-Explicou Amoroso,traçando com sua pena uma linha horizontal, do ponto que representava o castelo até o perímetro de Euclidéia.Comparando essa distancia real com o comprimento da linha que acabas de traçar saberemos a escala do mapa. -Emendou Amoroso entusiasmado. </li></ul><ul><li>-Exato.Então pés a obra! –Disse Eurico animando Amoroso. </li></ul><ul><li>Partiram e caminharam o dia todo rumo ao leste. Ao chegar à fronteira, claramente indicada por uma fileira de marcos de pedras, calcularam que tinham caminhado uns 40 quilômetros. Voltaram ao castelo e ,sem perder tempo, desenrolaram o mapa. </li></ul><ul><li>-A linha que representa,no mapa,o caminho que percorremos mede 4 centímetros. –Raciocinou Amoroso. – Quatro centímetros do mapa correspondem a 40 km,que são 4.000.000 centímetros.Logo, 1centímetro do mapa corresponde a 1.000.000 de centímetros no território,ou seja o território é 1 milhão de vezes maior do que o mapa. </li></ul>
    11. 11. <ul><li>-Não é bem assim. O território é muitas vezes maior do que o mapa,mais de 1 milhão de vezes,mais de 1 bilhão.Na verdade, o território é 1 trilhão de vezes maior. –Corrigiu Eurico. </li></ul><ul><li>- Um Trilhão? -Espantou-se Amoroso. </li></ul><ul><li>-Claro.Se o lado de um quadrado é o dobro do lado de outro,a área dele é quatro vezes maior .Se o lado é o triplo,a área é nove vezes maior.A razão entre as superfícies de duas figuras semelhantes é a razão entre as linhas elevada ao quadrado E 1milhão elevado ao quadrado é um trilhão! </li></ul><ul><li>- Está certo- admitiu Amoroso.-Agora é só calcular a superfície de Euclidéia e multiplicá-la por 1 trilhão. </li></ul><ul><li>-Então vamos pesar o mapa ! – Eurico deu a idéia.-Pesa 100 gramas. –Anunciou. </li></ul><ul><li>-Agora vamos medir a base e a altura. </li></ul><ul><li>E o anão tirou da sacola uma comprida tira de couro dividida em centímetros. Amoroso mediu com ela o pergaminho e disse: </li></ul><ul><li>-Tem 50 centímetros de base por 30 de altura.Sua área, portanto,é 50 vezes 30,ou seja, 1.500 centímetros quadrados. </li></ul>
    12. 12. <ul><li>-Muito bem.Agora sabemos que 1.500cm²de pergaminho pesam 100g ,logo cada grama correspondem a 15cm².Se soubéssemos quanto pesa o pedaço correspondente ao mapa de Euclidéia... </li></ul><ul><li>Eurico deixou o resto da frase no ar e olhou para Amoroso com um sorriso maroto. </li></ul><ul><li>-Claro! –Exclamou o rapaz, dando um tapa na testa.-É só recortar o contorno de Euclidéia e pesá-lo! </li></ul><ul><li>Foi o que Amoroso fez. </li></ul><ul><li>-São 40g. Se fizermos 40 vezes 15,teremos 600cm². Como Euclidéia é um trilhão de vezes maior,sua superfície total é de 600 trilhões de cm². </li></ul><ul><li>-Acho que o rei vai querer que tu dês a superfície em unidades mais práticas. -Sugeriu Eurico. </li></ul><ul><li>-Não há dúvida. Num m² há 10.000cm². dividindo 600 trilhões por 10.000 cm² teremos 60 bilhões de m². Com um milhão de m² é 1 km², o reino de Euclidéia tem uma superfície de 60.000 km² </li></ul><ul><li>-Excelente cálculo –Cumprimentou Eurico. –És o digno sucessor do geométrico Metrônio </li></ul>
    13. 13. <ul><li>O rei teve a mesma opinião ao ouvir a explicação da boca de amoroso.Deu por encerrada a prova e mandou chamar a princesa Hipotenusa. </li></ul><ul><li>-Com todo respeito, majestade,não basta conceder a mão de vossa filha.Ela tem de aceitar de bom grado o pretendente .-Disse Eurico. –Com amor não se brinca. </li></ul><ul><li>-Agrada-me ouvir-te falar assim.Mas na realidade foi ela mesma quem inventou essas provas e prometeu dar sua mão a quem as solucionasse. –Explicou Metrônio. </li></ul><ul><li>Hipotenusa confirma as palavras do pai assim que entrou no salão,olhando com agrado para o elegante Amoroso. </li></ul><ul><li>-Nesse caso. -Disse Eurico,esfregando as mãos com evidente satisfação. –Será uma honra pra mim casar-me o quanto antes com a princesa . </li></ul><ul><li>-Como! –Exclamou a princesa Hipotenusa vermelha de raiva. –Eu me casar com um miserável anão?Meu pretendente é Amoroso! </li></ul><ul><li>-Nada disso,princesa. –Replicou Eurico. –Na verdade, amoroso é meu ajudante. Fui eu quem resolvi os problemas. </li></ul><ul><li>- Eu não me casaria nem morta contigo,aborto da natureza! –Gritou Hipotenusa. </li></ul>
    14. 14. <ul><li>Fez-se um silêncio pesado. </li></ul><ul><li>-Eu estava brincando. –Disse por fim Eurico. –Foi Amoroso que venceu todas as provas e ele é o único de nós dois tonto o bastante para se casar com Vossa Alteza. </li></ul><ul><li>Antes que hipotenusa pudesse replicar, o jovem cavaleiro falou num tom arrependido: </li></ul><ul><li>-Tonto,sim,por me apaixonar por uma mulher sem dela conhecer mais que seu belo rosto.Mas não tão tonto para continuar apaixonado depois de ver sua arrogância e brutalidade da sua alma...A Medição da Doçura do seu coração deu um resultado negativo. </li></ul><ul><li>-Tu venceste a prova e agora vais ter de te casar comigo! –Berrou hipotenusa.Amoroso, fazendo uma leve inclinação de cabeça ao rei, que não disse nada pois,no fundo, preferia que sua filha não se casasse,retirou-se da sala do trono. </li></ul><ul><li>Antes de acompanhar o cavaleiro,Eurico disse à princesa: </li></ul><ul><li>-Ele venceu a prova mas tu não. </li></ul><ul><li>E foi se embora,deixando a princesa com a cara de quem comeu e não gostou. </li></ul><ul><li>FIM </li></ul>
    15. 15. <ul><li>POESIA MATEMÁTICA </li></ul><ul><li>Às folhas tantas </li></ul><ul><li>do livro matemático </li></ul><ul><li>um Quociente apaixonou-se </li></ul><ul><li>um dia </li></ul><ul><li>doidamente </li></ul><ul><li>por uma incógnita. </li></ul><ul><li>Olhou-a com seu olhar inumerável </li></ul><ul><li>e viu-a, do Ápice à Base, </li></ul><ul><li>uma figura ímpar: </li></ul><ul><li>olhos rombóides, boca trapezóide, </li></ul><ul><li>corpo octogonal, seios esferóides. </li></ul><ul><li>Fez da sua uma vida </li></ul><ul><li>paralela à dela </li></ul><ul><li>até que se encontraram </li></ul><ul><li>no infinito. </li></ul><ul><li>” Quem és tu? “ , indagou ele </li></ul><ul><li>em ânsia radical. </li></ul><ul><li>” Sou a soma do quadrado dos catetos. </li></ul><ul><li>Mas pode me chamar de Hipotenusa.’’ </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>E enfim resolveram se casar, </li></ul><ul><li>constituir um lar, </li></ul><ul><li>mais que um lar, </li></ul><ul><li>um perpendicular. </li></ul><ul><li>Convidaram para padrinhos </li></ul><ul><li>o Poliedro e a Bissetriz. </li></ul><ul><li>E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro </li></ul><ul><li>sonhando com uma felicidade </li></ul><ul><li>Integral e diferencial. </li></ul><ul><li>E se casaram e tiveram uma secante e três cones </li></ul><ul><li>muito engraçadinhos </li></ul><ul><li>(...) </li></ul>
    16. 17. Apresentando: <ul><li>Metrônio </li></ul><ul><li>Ciáxeres </li></ul><ul><li>Amoroso </li></ul><ul><li>Márcio </li></ul><ul><li>Eurico </li></ul><ul><li>Lucas </li></ul><ul><li>Fedegoso </li></ul><ul><li>Juan </li></ul><ul><li>Hipotenusa </li></ul><ul><li>Katheryn </li></ul><ul><li>Elizabeth </li></ul><ul><li>Juliane </li></ul><ul><li>Direção/Montagens&Efeitos/Fotografias </li></ul><ul><li>Debora </li></ul><ul><li>Fotografia/Cenário </li></ul><ul><li>Paola </li></ul>
    17. 18. Colaborações <ul><li>Avô da Debora </li></ul><ul><li>Namorado da Debora </li></ul><ul><li>Irmão da Debora </li></ul><ul><li>Mãe da Debora </li></ul><ul><li>Mãe do Lucas </li></ul><ul><li>Livro do Lucas </li></ul><ul><li>Casa da Paola </li></ul><ul><li>Irmã da Paola </li></ul><ul><li>Câmera da Irmã da Katheryn </li></ul><ul><li>Pai da katheryn </li></ul><ul><li>Pai do Ciáxeres </li></ul><ul><li>Além de todos os participantes do grupo </li></ul>

    ×