MODELOS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DEPROFESSORESProfa. Dra. Maria Regina PeresAluna: Elisabete Jorgino Ferreira Coelho21/05/20...
SUMÁRIO1.   Introdução2.   Perspectiva Crítica-reflexiva3.   Acúmulos de cursos x trabalho     reflexivo4.   Professor-Ref...
Introdução                                        20 anos atuando em Recursos Humanos e área    ELISABETE JORGINO        ...
Introdução                                     •   Tivemos acesso a referências    DA                                   té...
Dividida     entre      os  estudos... a carreira...                             E minha linda família.
PERSPECTIVA CRÍTICA-REFLEXIVASegundo António Nóvoa, a formação deve estimular uma  perspectiva critico-reflexiva, favorece...
ACÚMULOS DE CURSOS X TRABALHO                 REFLEXIVOÉ possível fazer uma reflexão quando António Nóvoa (1995) defende  ...
PROFESSOR-REFLEXIVO    Segundo Libâneo, (2002), é necessário      vivenciar a atitude reflexiva ultrapassando os      limi...
PROFESSOR-REFLEXIVO    Segundo Isabel Alarcão, o professor      reflexivo possui algumas caracteristicas      das quais me...
PROFESSOR-REFLEXIVO   Ainda na prática, exercito com o aluno,      principalmente na disciplina Estágio      supervisionad...
AVALIAÇÃOSegundo Perrenoud (1999), a prova periodica deve ser apenas um  mediador para a avaliação do aluno, devendo o pro...
CONSIDERAÇÕESA disciplina de Modelos e Práticas de Formação de Professores vieram   de encontro com os meus pensamentos so...
REFERÊNCIASNóvoa, António. Os professores      e   sua    formação.  Lisboa:D.Quixote, 1995.Libâneo, José Carlos. Reflexiv...
FIM
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

21 05 2011 portifólio modelos e praticas de formacao de professores pro fa. maria regina

5.595 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.595
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

21 05 2011 portifólio modelos e praticas de formacao de professores pro fa. maria regina

  1. 1. MODELOS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DEPROFESSORESProfa. Dra. Maria Regina PeresAluna: Elisabete Jorgino Ferreira Coelho21/05/2011.
  2. 2. SUMÁRIO1. Introdução2. Perspectiva Crítica-reflexiva3. Acúmulos de cursos x trabalho reflexivo4. Professor-Reflexivo5. Avaliação6. Considerações7. Referências
  3. 3. Introdução  20 anos atuando em Recursos Humanos e área ELISABETE JORGINO Administrativo-Financeiro de grandes FERREIRA COELHO corporações, nos últimos 6 anos atuei especificamente como Headhunter, com foco em hunting, voltada para Indústria de automobilística, Construção Civil, Agregados, Cimenteiras, Centro de Distribuições, sendo que há um ano fui convidada para assumir a Diretoria de uma das• Aluna no curso de Pós- unidades. Tenho parceria com uma Assessoria graduação com acesso ao Contábil desenvolvendo um projeto de Métodos e Mestrado Europeu de processos com foco em melhoria continua. Ciências da Educação, tendo ingresso no segundo semestre de 2010.  6 anos atuando como Professora Universitária Atualmente estou nas disciplinas de Exatas e Humanas, para os trabalhando em um Estudo cursos de Graduação de Administração, Ciências de Caso de aluno especial Contábeis e Tecnólogos em geral, Coordenadora afim de comprovar eficácia de Estágio Supervisionado e Atividades do professor reflexivo. Complementares, hoje na Faculdade Mário Schenberg.
  4. 4. Introdução • Tivemos acesso a referências DA técnicas desta disciplina tanto de autores brasileiros como IMPORTÂNCIA portugueses e isto foi um diferencial.• Identifiquei-me ao modelo do • Os estudos são amplos e curso em especial o Módulo organizados, com pensamentos e de Modelos e Práticas de pesquisas, que para mim foi muito Formação Professores. relevante e mágico, onde pude ver em alguns estudos o reflexo da• O fato de apresentar o projeto minha atuação como professora de mestrado no Grupo universitária, como Coach e ainda Lusófono em Portugal, me como recrutadora e avaliadora de estimulará a ser mais exigente executivos. no que tange ao foco do projeto por estarmos falando • A proposta é de extrema de outro pais. importância para a nossa formação como pesquisadores da ciências da Educação.
  5. 5. Dividida entre os estudos... a carreira... E minha linda família.
  6. 6. PERSPECTIVA CRÍTICA-REFLEXIVASegundo António Nóvoa, a formação deve estimular uma perspectiva critico-reflexiva, favorecendo a autonomia e a participação.• Identifiquei-me com esta afirmativa da qual ouso praticar uma vez que busco como desenvolvimento de minha formação a ampliação da crítica analisando os pontos e temas a serem discutidos e/ou abordados. Não consigo imaginar um ato pedagógico sem esta perspectiva, seja desde a alfabetização até nivel universitário se estendendo para qualquer prática docente.
  7. 7. ACÚMULOS DE CURSOS X TRABALHO REFLEXIVOÉ possível fazer uma reflexão quando António Nóvoa (1995) defende que a formação não se constrói por acúmulos de cursos, de conhecimentos, de técnicas, mas sim através de um trabalho de reflexão critica sobre as ações, de construção e de reconstrução de uma identidade pessoal. Em minha curta trajetória profissional de docente e até em minha carreira no mercado corporativo, deparei-me com docentes ou executivos, que justamente por terem através de um trabalho utilizado de reflexão crítica sobre as suas ações, na busca da construção e de reconstrução de uma identidade pessoal, buscaram os acúmulos de cursos e de conhecimentos e técnicas para construir e reconstruir esta identidade pessoal, para tanto, entendo que não poderemos generalizar o que o autor diz, há muitos que buscam nos conhecimentos, cursos e técnicas a construção e reconstrução.
  8. 8. PROFESSOR-REFLEXIVO Segundo Libâneo, (2002), é necessário vivenciar a atitude reflexiva ultrapassando os limites da sala de aula, superando a perspectiva de busca de solução para os problemas imediatos.• Rodopiei em meu próprio modo de atuar em sala de aula, diante dos conteúdos e perante a resultado dos alunos, te-los em dependência ou reprovado é algo que me incomoda e faz-me refletir onde errei com aquele aluno, porque não consegui desenvolver nele o aprendizado.• Através da reflexão “ultrapassando os limites da sala de aula”, pude aprimorar o relacionamento com os alunos e identificar onde a fragilidade estava relacionada naquele aprendizado.• Lembro-me de uma reflexão em relação ao conteúdo de uma disciplina de Custos, onde os livros didáticos não expressavam algumas ações que no dia-a-dia o aluno deveria aplicar e não conseguiria fazer relação teoria X prática, ousei levar produto para dentro da sala de aula identificando e classificando os custos diretos e indiretos, foi algo que me causaram muitos questionamentos por parte dos alunos e se eu não tivesse preparada para responde-las teria me decepcionado com tais interpretações..
  9. 9. PROFESSOR-REFLEXIVO Segundo Isabel Alarcão, o professor reflexivo possui algumas caracteristicas das quais me identifiquei, destacando- se: pensar no que faz, comprometimento, autonomia, repensar sua própria atuação e avaliação diagnóstica.• Como educadora e professora em curso de graduação promovo questionamentos em sala de aula.• Levanto dúvidas sobre minha didática inclusive com a participação do aluno investigando o porque o aluno não aprende aquele conteúdo ou não possui interesse.
  10. 10. PROFESSOR-REFLEXIVO Ainda na prática, exercito com o aluno, principalmente na disciplina Estágio supervisionado, a curiosidade da pesquisa de referências teóricas citadas em sala de aula, faço esforço para que entendam o Plano de Ensino da disciplina com a curiosidade de onde previamente estudar aquele conteúdo encorajando-o a aplicar.Há um volume relevante a estudar, pesquisar e aplicar, mas observei no conteúdo desta disciplina que o caminho é este, é direcionar o aluno a autonomia, promovendo dinâmicas com a participação dos mesmos, intercalando a teoria com a prática o que sem dúvida alguma é uma ousadia perigosa para o professor que não é reflexivo, mas vale a pena tentar.
  11. 11. AVALIAÇÃOSegundo Perrenoud (1999), a prova periodica deve ser apenas um mediador para a avaliação do aluno, devendo o professor avaliar a performance no decorrer do período letivo. Minha metodologia avaliativa aplica-se o seu conceito onde a prova não é uma ferramenta decisiva para a avaliação do aluno, a cada conteúdo aplicado em sala de aula, a conduta do aluno em sala, a iniciativa, a colocação, a curiosidade o cumprimento dos trabalhos e exercícios propostos, sendo estes os instrumentos de suporte para a avaliação do aluno.
  12. 12. CONSIDERAÇÕESA disciplina de Modelos e Práticas de Formação de Professores vieram de encontro com os meus pensamentos sobre a educação, pois não adianta falar de capacitação de Professores, de professor reflexivo, de processos de aprendizagem sem considerar a educação propriamente dita.
  13. 13. REFERÊNCIASNóvoa, António. Os professores e sua formação. Lisboa:D.Quixote, 1995.Libâneo, José Carlos. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro?, in Pimenta, S.G. e Ghedin, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.ALARCÃO, Isabel. Professores Reflexivos em uma Escola Reflexiva. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2003.PERRENOLD, P. Avaliação: da excelência a regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre:Artmed, 1999
  14. 14. FIM

×