Isabel Gripp Damázio                                   TecnófobaTrabalho criado com excertos das publicações emitidas nos ...
Não discuto aqui se os jogos são bons ou maus; as  opiniões divergem. Serão nocivos se afastarem o jovem,       em pleno d...
 "A imagem de crianças usando o computador como um  instrumento de escrita é um exemplo particularmente bom para  a minha...
Usando desses dois autores e seus admiráveis argumentos, nós, tecnófobos somos contra a inclusão da tecnologia noensino bá...
Qualquer atividade intelectual que barre o pensamento livre e a criaçãodesenfreada pela mente de uma criança que assim o f...
Mais um fundamento para concretizar essa ideia que muitos discordam por           falta de informação e alienação de outra...
O professor deveria levar as necessidades de desenvolvimento do aluno como prioridade, e não tornar o aluno um ‘objeto ide...
A interação humana é basicamente o contato pessoal, o contato virtual      não satisfaz a necessidade da troca de energia ...
Para alguns o computador parecer ser a ferramenta que faltava para      animar as aulas e manter ocupados os irrequietos a...
Bibliografia OS COMPUTADORES E A EDUCAÇÃO.  ASPECTOS GERAIS - A. S. ALVES - Conferência pronunciada na Esc.  Sec. da Quin...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Computadores na educação básica ppt - isabel gripp damázio - tecnófoba

449 visualizações

Publicada em

Tecnologias e Práticas na Educação - Trabalho dramático de apoio aos Tecnófobos.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Computadores na educação básica ppt - isabel gripp damázio - tecnófoba

  1. 1. Isabel Gripp Damázio TecnófobaTrabalho criado com excertos das publicações emitidas nos links:http://www.mat.uc.pt/~jaimecs/nonius/nonius5_1.html ehttp://www.ime.usp.br/~vwsetzer/argsport.html.
  2. 2. Não discuto aqui se os jogos são bons ou maus; as opiniões divergem. Serão nocivos se afastarem o jovem, em pleno desenvolvimento, do exercício físico contribuindo assim para aumentar a percentagem de ombros descaídos.’. A.S. Alves A.S. Alves, em um artigo nº5 ISSN 0870-7669 Maio 1987 Folha Informativa do Projeto “Computação no Ensino da Matemática” da Conferência pronunciada na Esc. Sec. da Quinta das Flores (Coimbra)durante uma tarde de Matemática da SPM. Trabalha o uso do computador e a inserção da plataforma digital na infância e outros períodos da vida. Seja essa inserção na escola ou no próprio lar da pessoa.
  3. 3.  "A imagem de crianças usando o computador como um instrumento de escrita é um exemplo particularmente bom para a minha tese geral que o que é bom para profissionais é bom para crianças." Isto é, em nossa opinião ele não reconhece algumas das diferenças essenciais que existem entre crianças e adultos. Ele também não vê o prejuízo que se pode fazer em crianças quando elas são tratadas como adultos. Seu argumento (6) parece surpreendente: comportar-se como psicólogo, e principalmente epistemológico coloca claramente uma criança em um estado adulto de consciência. Valdemar W.Setzer em ‘UMA REVISÃO DE ARGUMENTOS A FAVOR DO USO DE COMPUTADORES NA EDUCAÇÃO ELEMENTAR’ (http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/argsport.html.) estuda vinte e um argumentos mais utilizados para a defesa e inclusão de uso do computador nas escolares e lares e critica o abuso de uso da tecnologia também de adultos.
  4. 4. Usando desses dois autores e seus admiráveis argumentos, nós, tecnófobos somos contra a inclusão da tecnologia noensino básico e fundamental pelo simples e grande interpordo fato que a infância é quase que suprimida de uma criança que socializam através de um meio muito utilizado que é a internet.
  5. 5. Qualquer atividade intelectual que barre o pensamento livre e a criaçãodesenfreada pela mente de uma criança que assim o faz pela devida necessidadede desfrute de sua infância tem como resultado a triste e precoce evolução para amente adulta. A mente formulada, uma mente já concreta e sem necessidade vitalde desenvolvimento criativo, já que tem em suas bases o filtro de uma infância emque a criação foi utilizada como estatização de ideias, meios em umapersonalidade própria.“A aceleração de um desenvolvimento mental e psicológico, fazendo a criança comportar-seinterior e exteriormente como adulto, é em nossa opinião a pior influencia exercida porcomputadores. Obviamente, somos da opinião que há uma época adequada para cadadesenvolvimento infantil e juvenil. Qualquer aceleração indevida produz algum prejuízo; emparticular, pensamos que atividades intelectuais precoces tendem a roubar das crianças a suainfância, necessária para um desenvolvimento equilibrado, o qual deveria abarcar aspectosfísicos, psicológicos, artísticos, sociais e intelectuais. Nesse sentido, estendemos para qualquertipo de uso de computadores os receios de Neil Postman quanto ao eminente desaparecimentoda infância , que ele concluiu principalmente examinando o impacto de meios de comunicação(especialmente a TV). ” Valdemar W.Setzer emhttp://www.ime.usp.br/~vwsetzer/argsport.html.
  6. 6. Mais um fundamento para concretizar essa ideia que muitos discordam por falta de informação e alienação de outras fontes...  O computador por ser um sistema lógico-matemático não induz disciplina por ser basicamente um conjunto de regras? “Em quarto lugar, o ensino deve ser dirigido aos estudantes como individualidades completas, e não somente como cérebros intelectuais. Em outras palavras, ações (o querer) e sentimentos devem ser tão apreciados e desenvolvidos como um pensar claro e sadio. De fato, a Pedagogia Wardolf salienta o fato que, durante o ensino elementar (antigo 1° grau), o aprendizado deve ser primordialmente feito através de sentimentos, principalmente por meio de atividades artísticas e pela apresentação artística de cada matéria (incluindo Matemática!). Em idade normal do colegial, os alunos começam a procurar explicações puramente conceituais do mundo; é nesse estágio que a PW apresenta conteúdos de uma maneira puramente abstrata e rigorosamente formal, como requerido por teorias científicas, mas sempre em relação ao mundo real, e não como puras abstrações intelectuais.”. A.S. Alves.
  7. 7. O professor deveria levar as necessidades de desenvolvimento do aluno como prioridade, e não tornar o aluno um ‘objeto ideal’ resultante doprojeto estatal de escolarização e treino do aluno nas redes de ensino.  ‘Somente um adulto deveria ter o autocontrole necessário para impor limites a si próprio, tais como limitar o tempo de uso, examinando objetivamente somente o que se determinou como a finalidade da sessão interativa, e assim por diante. Uma criança normal não é capaz de exercer tais controles; se ela o fosse, estaria comportando-se como adulta, e teria nessa atividade deixado de ser criança , o que para nós traria; consequências extremamente nefastas em sua vida futura.’ Valdemar W. Setzer.
  8. 8. A interação humana é basicamente o contato pessoal, o contato virtual não satisfaz a necessidade da troca de energia corporal, seja ela verbalmente ou literalmente corpórea.O ser humano usa 70% da linguagem corpórea para se comunica e somente 30% da linguagem é verbal.  “A argumentação de promoção de interação social e familiar é devida ao fato de um usuário poder descobrir algum novo comando ou sequência de comandos de um software ou linguagem de programação, ou mesmo um novo "site" da WWW na Internet e mostrá-lo às outras pessoas ao seu redor. Consideramos essa interação social como muito pobre. Compare-se com a situação de uma criança brincando de bola com seus coleguinhas, ou uma atividade familiar tal como uma conversa durante uma refeição. Dever-se-ia perguntar: qual é a situação de interação mais natural e mais intensa? Qual realmente melhora as relações sociais?  Note-se que o ambiente do computador poderá eventualmente ocorrer na vida profissional; no entanto, a interação social normal sem o incentivo de uma máquina será a situação padrão para a vida futura. O que queremos ensinar nossas crianças e jovens, serem levados a interações sociais por máquinas ou por um interesse interior e prazer em vida social rica com contatos pessoais diretos?”. Valdemar W.Setzer.
  9. 9. Para alguns o computador parecer ser a ferramenta que faltava para animar as aulas e manter ocupados os irrequietos adolescentes, principalmente os com suas diversas formas de distúrbio de atenção.Porém o aluno tem o computador específico para a aula ( com hardwares esoftwares controlados e devidamente programados para as atividades em sala somente) como um novo modismo que , com o tempo tornar-se-á tedioso e comum assim como as aulas que já assim considera.  “Onde entra o computador em tudo isto ? Na realidade, o computador parecer ser o elemento que faltava para animar as aulas e manter ocupados os irrequietos adolescentes. Ainda com a esperança de lhes ensinar coisas quando eles estão fixos diante do ecrã, interessados por aquele aparelho novo.  Sobre isto, eu queria dizer apenas uma palavra final: se o aluno não quiser aprender, não aprende mesmo; e quando ele quer aprender não há mau método que o detenha. ”. A. S. Alves.
  10. 10. Bibliografia OS COMPUTADORES E A EDUCAÇÃO. ASPECTOS GERAIS - A. S. ALVES - Conferência pronunciada na Esc. Sec. da Quinta das Flores (Coimbra) durante uma tarde de Matemática da SPM. http://www.mat.uc.pt/~jaimecs/nonius/nonius5_1.html UMA REVISÃO DE ARGUMENTOS A FAVOR DO USO DE COMPUTADORES NA EDUCAÇÃO ELEMENTAR- Valdemar W.Setzer- http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/argsport.html

×