Curso Ciência e Fé
Módulo VI – O Caso Galileu (Parte 2)
© Bernardo Motta
bmotta@observit.pt
http://espectadores.blogspot.c...
Curso Ciência e Fé
I – Introdução
II – Filosofia Grega e Cosmologia Grega
III – Filosofia Medieval e Ciência Medieval
IV –...
33
1. Introdução
2. Do nascimento de Galileu até 1616
3. Os acontecimentos de 1616
4. De 1616 até ao processo de 1633
5. D...
4
Os acontecimentos de 1616
A carta de Niccolò Lorini ao Cardeal Sfondrati (7 de Fevereiro de 1615)
O Cardeal Paolo Sfondr...
5
Os acontecimentos de 1616
Paolo Antonio Foscarini (1565-1616)
Frade carmelita, professor de filosofia e teologia em
Mess...
6
Os acontecimentos de 1616
O depoimento de Tommaso Caccini (1574-1648)
Frade e pregador dominicano em Florença (Santa Mar...
7
Os acontecimentos de 1616
O depoimento de Tommaso Caccini (1574-1648)
«Esta minha caritativa admonição, por muito que ag...
8
Os acontecimentos de 1616
O depoimento de Tommaso Caccini (1574-1648)
«[o Interrogador pergunta a Caccini qual é a opini...
9
Os acontecimentos de 1616
Frei Paolo Sarpi (1552-1623) e o “interdito papal”
Frade servita e intelectual veneziano, amig...
10
Os acontecimentos de 1616
Galileu viaja até Roma (1616)
Ao depoimento de Caccini, segue-se o de Ximenes e o de Attavant...
11
Os acontecimentos de 1616
A condenação (não oficial) do copernicanismo
Após a visita de Orsini, Paulo V manda chamar Be...
12
Os acontecimentos de 1616
A condenação (não oficial) do copernicanismo
1ª: Sol est centrum mundi, et omnino immobilis m...
13
Os acontecimentos de 1616
O dia fatídico de 26 de Fevereiro de 1616
25 de Fevereiro: o Papa Paulo V, via Cardeal Millin...
14
Os acontecimentos de 1616
O dia fatídico de 26 de Fevereiro de 1616: a “injunção especial” de Seghizzi
26 de Fevereiro:...
15
Os acontecimentos de 1616
Decreto da Congregação do Índice [de livros proibidos], 5 de Março de 1616
Entre outras obras...
16
Os acontecimentos de 1616
Carta de Galileu a Curzio Picchena, 6 de Março de 1616
No dia seguinte ao do Decreto, Galileu...
17
Os acontecimentos de 1616
Certidão do Cardeal Roberto Bellarmino, 26 de Maio de 1616
3 de Março: na reunião dos Inquisi...
1818
1. Introdução
2. Do nascimento de Galileu até 1616
3. Os acontecimentos de 1616
4. De 1616 até ao processo de 1633
5....
19
De 1616 até ao processo de 1633
Cronologia relevante
Galileu entra numa disputa oral com Francesco Ingoli acerca da mob...
20
De 1616 até ao processo de 1633
Cronologia relevante
1623: Publicação da Defesa de Galileu, de Tommaso Campanella, em
F...
21
De 1616 até ao processo de 1633
Cronologia relevante
Abril de 1624: Galileu vai a Roma ter seis audiências com o Papa e...
22
De 1616 até ao processo de 1633
Cronologia relevante
Setembro de 1624: Galileu decide responder a Ingoli (que ficara se...
23
De 1616 até ao processo de 1633
Cronologia relevante
20 de Outubro de 1625: Galileu, em carta a Diodati, manifesta a in...
24
De 1616 até ao processo de 1633
As peripécias em torno da publicação do “Diálogo”
O contexto em Roma, aos olhos de Gali...
25
De 1616 até ao processo de 1633
As peripécias em torno da publicação do “Diálogo”
Junho de 1630: Riccardi começa a anal...
26
De 1616 até ao processo de 1633
As peripécias em torno da publicação do “Diálogo”
Galileu propõe a Riccardi enviar-lhe ...
27
De 1616 até ao processo de 1633
As peripécias em torno da publicação do “Diálogo”
A 21 de Fevereiro de 1632, o editor G...
28
De 1616 até ao processo de 1633
Urbano VIII encurralado, no preciso momento em que circula em Roma o “Diálogo”
Neste mo...
29
De 1616 até ao processo de 1633
As suspeitas de Urbano VIII acerca da capa do “Diálogo”
“Grandior ut proles”, o lema do...
30
De 1616 até ao processo de 1633
Os problemas identificados no “Diálogo” (cfr. arquivos do processo)
1. Ter posto o impr...
31
De 1616 até ao processo de 1633
O processo contra Galileu
Por volta de Setembro de 1632, Niccolini tenta interceder jun...
32
De 1616 até ao processo de 1633
O processo contra Galileu
23 de Setembro de 1632: no Palácio Apostólico, na reunião do ...
33
De 1616 até ao processo de 1633
O processo contra Galileu: a abjuração “de vehementi” (22 de Junho)
É exigido a Galileu...
34
De 1616 até ao processo de 1633
Epilogo: "a queda do favorito"
A carreira social e científica de Galileu é indissociáve...
35
De 1616 até ao processo de 1633
Alonso de Barros (1552-1604), "Filosofia Cortesana" (ed. Nápoles, 1588)
3636
1. Introdução
2. Do nascimento de Galileu até 1616
3. Os acontecimentos de 1616
4. De 1616 até ao processo de 1633
5....
37
Da sentença de 1633 até à morte de Galileu
Galileu em prisão domiciliária
A 30 de Junho de 1633, Galileu pede ao Papa a...
3838
1. Introdução
2. Do nascimento de Galileu até 1616
3. Os acontecimentos de 1616
4. De 1616 até ao processo de 1633
5....
3939
1. Introdução
2. Do nascimento de Galileu até 1616
3. Os acontecimentos de 1616
4. De 1616 até ao processo de 1633
5....
40
Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
Nota: este Anexo foi escrito pelo meu amigo Nuno António, a quem agradeço a val...
41
Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
42
Introdução
Um dos grandes conflitos da história moderna europeia
Consistiu numa série de guerras, declaradas e não decl...
43
Antecedentes
1555: O Luteranismo é oficialmente reconhecido no Sacro Império Romano sob a Paz de
Augsburgo. O secularis...
44
O Sacro
Império
Romano
em 1618
Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
45
Guerra dos 30 anos (1618-1648)
Rosa: países com maioria protestante
Amarelo: Territórios dos Habsburgos
espanhóis
Laran...
46
A Guerra dos 30 anos na Boémia (1618-1621)
Os Boémios, frente à pressão dos Habsburgos, revoltam-se e coroam Frederico
...
47
A Guerra dos 30 anos no Palatinado (1621-1624)
Frederico V, aliado a outros líderes protestantes, consegue reconquistar...
48
A Guerra dos 30 anos na Dinamarca (1625-1630)
É formada uma liga entre franceses, ingleses e
holandeses para combaterem...
49
A Guerra dos 30 anos na Suécia (1630-1634): 1/2
O crescente poder dos Habsburgos no Báltico gera
preocupações no Reino ...
50
Vitória de Gustavo II
Adolfo na batalha de
Breitenfield (1631)
A Guerra dos 30 anos na Suécia (1630-1634): 2/2
As força...
51
Campanhas de
Torstenson
(1642)
A França na Guerra dos 30 anos (1634-1638)
Após a batalha de Nördlingen, a maioria dos l...
52
A paz de Vestefália (1648)
Assinada a 24 de Outubro de 1648 em
Osnabruque e Munique
Os suecos recebem uma generosa
inde...
53
Europadepoisdastréguas(1648)
Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Módulo VI - O caso Galileu - Parte 2

426 visualizações

Publicada em

A partir de 1615-16, a situação de Galileu perante as autoridades romanas, até então boa, quer em virtude da sua reputação científica, quer do seu papel como "embaixador científico" do Grão-Duque da Toscânia, começa a degradar-se. Em Dezembro desse ano, Galileu, temendo uma condenação do copernicanismo, vai a Roma para tentar evitá-la. Em Fevereiro de 1616, Galileu consegue uma audiência com o Papa Paulo V, que o avisa de que deve abandonar tais ideias, sinal de que os tempos tinham mudado. Nesse mês, a pedido do Santo Ofício, um painel de teólogos dá um parecer condenatório sobre o copernicanismo, do ponto de vista filosófico e teológico, mas o Papa Paulo V não oficializa essa condenação. No fatídico dia de 26 de Fevereiro, uma data decisiva para o futuro de Galileu, o sábio florentino é chamado a casa do Cardeal Bellarmino. Paulo V pedira ao Cardeal que avisasse Galileu, em privado, do parecer negativo dos teólogos. Mas nessa data, sem ter sido convocado, aparece também em casa do Cardeal o Padre Seghizzi da Lodi, Comissário-Geral do Santo Ofício, para testemunhar o colóquio entre Galileu e Bellarmino. Um documento não assinado consta dos arquivos do processo Galileu, com data de 26 de Fevereiro, atestando que Galileu fora, nessa data, intimado a abandonar e a não mais ensinar o copernicanismo. Mas, de forma contraditória com esse documento, quando tiver lugar o processo contra Galileu em 1633, este irá usar em sua defesa um atestado autêntico do Cardeal Bellarmino, confirmando que Galileu não fora obrigado a abjurar de ideia alguma perante as autoridades religiosas. Permanece até hoje a dúvida acerca do que foi realmente dito a Galileu nesse dia 26 de Fevereiro de 1616. Em Março desse ano, a obra "De Revolutionibus" de Copérnico, um comentário ao livro de Job, e uma obra do Frade Foscarini, copernicano e amigo de Galileu, serão colocadas no Índice de Obras Proibidas. Galileu falhara a sua missão a Roma, e os anos que medeiam entre 1616 e 1633 serão dedicados ao estudo científico e ao amadurecimento das suas teses em defesa do modelo de Copérnico. No Verão de 1623, é eleito o Papa Urbano VIII, Maffeo Barberini, o que causou grande alegria a Galileu, porque via no novo pontífice o homem providencial para o ajudar a ver aprovado o copernicanismo. Em Abril de 1624, Urbano VIII autoriza Galileu a escrever sobre o novo modelo, desde que de forma hipotética. Em Fevereiro de 1630, Urbano VIII atribui a Galileu uma pensão anual de 40 "scudi", e em Abril, Galileu termina o seu "Diálogo acerca dos dois máximos sistemas do Mundo – o Ptolemaico e o Copernicano", um título sugerido pelo próprio Urbano VIII.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
426
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Fontes:http://it.wikipedia.org/wiki/Paolo_Emilio_SfondratiSergio Pagano, CAV 21, pp. 69-71.
  • Fontes:http://galileo.rice.edu/chr/foscarini.htmlhttp://vitruvio.imss.fi.it/foto/isd/icona/bd348158_001_800.jpg
  • Fontes:http://en.wikipedia.org/wiki/Tommaso_Caccinihttp://galileo.rice.edu/chr/caccini.htmlhttp://vitruvio.imss.fi.it/foto/isd/icona/bd348158_001_800.jpgO depoimento de Caccini surge em Sergio Pagano, CAV 21, pp. 79-85.Detalhe de Galamini em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. XXXVII-XXXVIII.
  • Fontes:http://en.wikipedia.org/wiki/Tommaso_Caccinihttp://galileo.rice.edu/chr/caccini.htmlhttp://vitruvio.imss.fi.it/foto/isd/icona/bd348158_001_800.jpgO depoimento de Caccini surge em Sergio Pagano, CAV 21, pp. 79-85.
  • Fontes:http://en.wikipedia.org/wiki/Tommaso_Caccinihttp://galileo.rice.edu/chr/caccini.htmlhttp://vitruvio.imss.fi.it/foto/isd/icona/bd348158_001_800.jpgO depoimento de Caccini surge em Sergio Pagano, CAV 21, pp. 79-85.
  • Fontes:http://en.wikipedia.org/wiki/Paolo_Sarpihttp://galileo.rice.edu/gal/sarpi.htmlhttp://en.wikipedia.org/wiki/File:Paolo_Sarpi.jpghttp://en.wikipedia.org/wiki/Pope_Paul_Vhttp://en.wikipedia.org/wiki/Venetian_Interdict
  • Fontes:Detalhe do encontro de Galileu com Caccini em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. LI-LII.
  • Fontes:Detalhe do encontro de Galileu com Caccini em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. LI-LII.Documentos relativos às censuras em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. 42, docs. 18 e 19.Documentos relativos à admonição a Galileu em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. 45-46, docs. 20 e 21.Ver ainda Fantoli, p. 175-187.Em PDF:https://sites.google.com/site/casogalileu/documentos/24Fev1616.pdf?attredirects=0Quarta Sessão do Concílio de Trento (8-4-1546)https://history.hanover.edu/texts/trent/ct04.html"Furthermore, in order to restrain petulant spirits, It decrees, that no one, relying on his own skill, shall,--in matters of faith, and of morals pertaining to the edification of Christian doctrine, --wresting the sacred Scripture to his own senses, presume to interpret the said sacred Scripture contrary to that sense which holy mother Church,--whose it is to judge of the true sense and interpretation of the holy Scriptures,--hath held and doth hold; [Page 20] or even contrary to the unanimous consent of the Fathers; even though such interpretations were never (intended) to be at any time published. Contraveners shall be made known by their Ordinaries, and be punished with the penalties by law established."
  • Fontes:Documentos relevantes em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano:Explicação de Pagano: pp. LV-LVIII;Convocação de Galileu por parte do Cardeal Bellarmino, 25 de Fevereiro de 1616, p. 45, documento 20;Admonição do Cardeal Bellarmino a Galileu, 26 de Fevereiro de 1616, pp. 45-46, documento 21;Ver ainda Fantoli, p. 175-187.
  • Fontes:Documentos relevantes em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano:Explicação de Pagano: pp. LV-LVIII;Convocação de Galileu por parte do Cardeal Bellarmino, 25 de Fevereiro de 1616, p. 45, documento 20;Admonição do Cardeal Bellarmino a Galileu, 26 de Fevereiro de 1616, pp. 45-46, documento 21;Ver ainda Fantoli, p. 175-187.Em PDF:https://sites.google.com/site/casogalileu/documentos/26Fev1616.pdf?attredirects=0
  • Fontes:Documentos relevantes em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano:Explicação de Pagano: pp. LIV-LV;Texto original (em latim) do decreto, 5 de Março de 1616, pp. 46-47, documento 22; ver ainda Pagano, CAV 21, pp. 103-104.Ver ainda Fantoli, pp. 175-187.Quarta Sessão do Concílio de Trento (8-4-1546)https://history.hanover.edu/texts/trent/ct04.html"Furthermore, in order to restrain petulant spirits, It decrees, that no one, relying on his own skill, shall,--in matters of faith, and of morals pertaining to the edification of Christian doctrine, --wresting the sacred Scripture to his own senses, presume to interpret the said sacred Scripture contrary to that sense which holy mother Church,--whose it is to judge of the true sense and interpretation of the holy Scriptures,--hath held and doth hold; [Page 20] or even contrary to the unanimous consent of the Fathers; even though such interpretations were never (intended) to be at any time published. Contraveners shall be made known by their Ordinaries, and be punished with the penalties by law established."
  • Fontes:Documentos relevantes em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano:Explicação de Pagano: pp. LVIII-LIX;Ver ainda Pagano, CAV 21, pp. 103-104.Ver ainda Fantoli, pp. 185-187.Acerca das calúnias dos inimigos de Galileu, ver carta de Castelli a Galileu, enviada de Pisa a 20 de Abril, cfr. Pagano, p. LX.Carta de 6 de Março, em PDF:https://sites.google.com/site/casogalileu/documentos/6Mar1616.pdf?attredirects=0Lettera XII, 1187.GALILEO a [CURZIO PICCHENA in Firenze].Roma, 6 marzo 1616.Bibl. Naz. Fir. Mss. Gal., P. VI, T. V, car. 53-44. – Autografa.Ill.mo Sig.re e Pad.ne Col.moIo non scrissi la posta passata a V. S. Ill.ma, perchè non ci era cosa di nuovo da avvisargli, essendo che si stava sul pigliar resoluzione sopra quel negozio che gliel'havevo solamente accennato per negozio pubblico, e non di mio interesse, se non in quanto i miei nimici mi ci volevano havere, fuor d'ogni proposito, interessato. Questa era la deliberazione di S.ta Chiesa sopra il libro et opinione del Copernico intorno al moto della terra e quiete del sole, sopra la quale fu mossa difficoltà l'anno passato in S.ta Marianovella, e poi dal medesimo frate qui in Roma, nominandola egli contro alla fede et heretica; il qual concetto ha egli co' suoi aderenti, in voce e con scritture, proccurato di far rimaner persuaso: ma, per quello che l'esito ha dimostrato, il suo parere non ha trovato corrispondenza in S.ta Chiesa, la quale altro non ha risoluto se non che tale opinione non concordi con le Scritture Sacre, onde solo restano proibiti quei libri li quali ex professo hanno voluto sostenere che ella non discordi dalla Scrittura; e di tali libri non ci è altro che una lettera di un Padre Carmelitano(1), stampata l'anno passato, la qual sola resta proibita. Didaco a Stunica, eremita Agustiniano, havendo 30 anni fa stampato sopra Iob(2) e tenuto che tale opinione non repugni alle Scritture, resta sospeso donec corrigatur; e la correzzione è di levarne una carta nell'espositione sopra le parole: Qui commovet terram de loco suo etc. All'opera del Copernico stesso si leveranno 10 versi della prefazione a Paol terzo, dove accenna non gli parer che tal dottrina repugni alle Scritture; e, per quanto intendo, si potrebbe levare una parola in qua e in là, dove egli chiama, 2 o 3 volte, la terra sidus: e la correzzione di questi 2 libri è rimessa al S. Card. Gaetano(3). Di altri autori non si fa menzione.Io, come dalla natura stessa del negozio si scorge, non ci ho interesse alcuno, nè punto mi ci sarei occupato, se, come ho detto, i miei nimici non mi ci havessero intromesso. Quello che io ci habbia operato, si può sempre vedere dalle mie scritture, le quali per tal rispetto conservo, per poter sempre serrar la bocca alla malignità, potendo io mostrare come il mio negoziato in questa materia è stato tale che un santo non l'haverebbe trattato nè con maggior reverenza nè con maggior zelo verso S.ta Chiesa: il che forse non hanno fatto i miei nimici, che non hanno perdonato a machine, a calunnie et ad ogni diabolica suggestione, come con lunga istoria intenderanno loro AA. Ser.me, e V. S. ancora, a suo tempo. E perchè l'esperienza mi ha con molti rincontri fatto toccar con mano con quanta ragione io potevo temere della poca inclinazione di taluno verso di me, del quale mi par che io gli dessi qualche cenno, onde anco posso credere che il medesimo affetto rappresenti a lui, e forse faccia rappresentare ad altri, le cose mie alquanto alterate; però prego V. S. che mi conservi sino al mio ritorno quel concetto, dove bisogna, che merita la mia sincerità: se ben son sicurissimo che la sola venuta qua dell'Ill.mo e Rev.mo S. Cardinale(4) mi leverà il bisogno di dover pure fare una parola; tal nome sentirà di me per tutta questa Corte. Ma sopra tutto conoscerà V. S. con quanta flemma e temperanza io mi sia governato, e con quanto rispetto io habbia hauto riguardo alla reputazione di chi, per l'opposito, senza veruno riserbo ha acerbissimamente sempre proccurata la destruzzione della mia; e la farò stupire. Questo dico a V. S. Ill.ma, in evento che sentisse da qualche banda giugner costà cosa che paresse aggravarmi(5), che assolutamente sarebbe falsissima, sì come spero che da altre bande non alterate si intenderà.Quanto alla mia scorsa sino a Napoli(1), sin hora i tempi e le strade sono state pessime; se si accomoderanno, vedrò quello che potrò fare, volendo anteporre il ritrovarmi qui alla venuta del S. Cardinale ad ogn'altro mio affare. In tanto rendo grazie alla benignità di loro AA. Ser.me, le quali trovo sempre tanto humanamente inclinate a favorirmi; et a V. S., come mio singolarissimo padrone e protettore, resto infinitamente obbligato, e con ogni reverenza gli bacio le mani.Di Roma, li 6 di Marzo 1616.Di V. S. Ill.maDev.mo et Obblig.mo Ser.reGalileo Galilei.Carta de 12 de Março, em PDF:https://sites.google.com/site/casogalileu/documentos/12Mar1616.pdf?attredirects=0Lettera XII, 1189.GALILEO a [CURZIO PICCHENA in Firenze].Roma, 12 marzo 1616.Bibl. Naz. Fir. Mss. Gal., P. I, T. IV, car. 66. – Autografa.Ill.mo Sig.re e Pad.ne Col.moGià ho dato conto(1) a V. S. Ill.ma della determinazione presa dalla Congregazione dell'indice sopra il libro del Copernico, che è che la sua opinione non sia concorde con le Scritture Sacre, e però vien sospeso donec corrigatur; e la correzzione si haverà presto, nè sarà toccato altro che un luogo della prefazione a Papa Paol 3°, dove egli accennava la sua opinione non contrariare alle Scritture, e si rimoveranno alcune parole nel fine del cap. X del primo libro, dove egli, dopo haver dichiarato la disposizione del suo sistema, scrive: Tanta nimirum est divina haec Optimi Maximi fabrica.Ieri fui a baciare il piede a S. S.tà, con la quale passeggiando ragionai per 3/4 d'hora con benignissima audienza. Prima gli feci reverenza in nome delle Ser.me Alt.ze nostre Signore; la quale ricevuta benignamente, con altrettanta benignità hebbi ordine di rimandarla. Raccontai a S. S.tà la cagione della mia venuta qua; e dicendogli come, nel licenziarmi da loro A. S.me, rinunziai ad ogni favore che da quelle mi fosse potuto venire, mentre si trattava di religione o d'integrità di vita e di costumi, fu con molte e replicate lodi approvata la mia resoluzione. Feci constare a S. S.tà la malignità de' miei persecutori et alcune delle loro false calunnie; e qui mi rispose che altrettanto era da lui stata conosciuta l'integrità mia e la sincerità di mente: e finalmente, mostrandomi io di restar con qualche inquiete per dubbio di havere ad esser sempre perseguitato dall'implacabile malignità, mi consolò con dirmi che io vivessi con l'animo riposato, perchè restavo in tal concetto appresso S. S.tà e tutta la Congregazione, che non si darebbe leggiermente orecchio a i calunniatori, e che vivente lui io potevo esser sicuro; et avanti che io partissi, molte volte mi replicò d'esser molto ben disposto a mostrarmi anco con effetti in tutte le occasione la sua buona inclinazione a favorirmi. Io ne ho dato volentieri conto a V. S. Ill.ma, stimando che ne sia per sentir contento, come anco loro AA.ze Ser.me, per loro humanità.Io son continuamente favorito dall'Ill.mo et Ecc.mo S. Principe di S. Angelo(2), figliuolo del Duca d'Acquasparta e devotissimo servitore delle nostre AA.ze Ser.me, come quello che è benissimo consapevole di quanto la sua casa è obbligata alla casa Medici, con la quale grandemente desidera di strigner più la sua servitù; di che gli darebbe buona occasione l'imparentarsi con la casa dell'Ill.mo S. Marchese Salviati(3), come si va trattando. Se una santità di vita, una mente angelica et una indicibile soavità di maniere nobilissime meritano di esser messe in qualche conto con la nobiltà del sangue e con le ricchezze, questo Signore ne è grandissimamente adornato; et io lo so per lunga et intrinsechissima pratica, et ho voluto che V. S. lo sappia anco da me, perchè non si essendo per concludere il negozio senza la satisfazione di loro AA. S.me, in occasione che si presentasse a V. S. Ill.ma campo di favorir questo Signore, ella sappia che impiegherà l'opera sua per un suggetto da far viver felice quella con chi si accompagnerà. So che la bassezza della mia condizione dovrebbe ritenermi dal por bocca in questi negozii; ma se la benignità di questo Signore fa stima di me sopra il merito, io non potrei renunziare senza nota di scortesia alla confidenza che ha meco: però V. S. scusi me, e gradisca l'affetto col quale vorrei servire i miei padroni. E qui ricordandomegli servitore devotissimo, gli bacio reverentemente le mani, e gli prego dal Signore Dio somma felicità.Di Roma, li 12 di Marzo 1616.Di V. S. Ill.maDev.mo et Obblig.mo Ser.reGalileo Galilei.
  • Em PDF:https://sites.google.com/site/casogalileu/documentos/26Mai1616.pdf?attredirects=0Ver Pagano, pp. LX-LXI.Ver ainda Fantoli, p. 188.
  • Fontes:Sobre a polémica com Orazio Grassi, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. LXVI-XC
  • Fontes:http://en.wikipedia.org/wiki/File:Assayertitle.pnghttp://lensonleeuwenhoek.net/images/microscopes/galileoth.jpghttp://www.sciencephoto.com/media/151279/enlargeSobre a eleição de Urbano VIII e a sua estima por Galileu, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. LXXVII-LXXIXSobre o frontispício do “Il Saggiatore” e a reacção de Grassi, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. LXXX-LXXXISobre Urbano VIII ter gostado do “Il Saggiatore”, ver a referência a uma carta de Cesarini para Galileu (nota de rodapé 244: Galilei, Opere, XIII, p. 141) em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. XCII.
  • Fontes:http://en.wikipedia.org/wiki/File:Assayertitle.pnghttp://lensonleeuwenhoek.net/images/microscopes/galileoth.jpghttp://www.sciencephoto.com/media/151279/enlargeSobre a viagem de Galileu a Roma em 1624, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. XC-XCVIIISobre o encontro do Cardeal Hohenzollern com Urbano VIII, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. XCIVSobre a carta apostólica (escrita por Ciampoli e assinada pelo Papa) de Urbano VIII a Fernando II de Médicis, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. XCVI
  • Fontes:Sobre a suposta “heresia” de Galileu e sobre a denúncia anónima, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. LXXXVSobre as cartas de Galileu a Cesi e Marsili, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. CIII
  • Fontes:Sobre a carta de Galileu a Diodati, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. CIV
  • Fontes:Sobre o episódio do horóscopo anti-Barberini, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CIX-CXI
  • Fontes:Sobre a carta de Visconti a Galileu, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CXIII
  • Fontes:Sobre a carta de Visconti a Galileu, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CXIII
  • Fontes:Sobre o consistório secreto e a agitação em Roma, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CL-CLII
  • Fonteshttp://vitruvio.imss.fi.it/foto/isd/icona/icona28305_800.jpgSobre as preocupações de Urbano VIII com a capa do “Diálogo”, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. CLIIISobre a reacção negativa de Urbano VIII ao “Diálogo”, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. CLIVSobre a atitude evasiva de Riccardi no Verão de 1632, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, p. CLVI
  • Fontes:Ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. 49-57.O parágrafo em latim surge na página 53 de Pagano (pág. 108 da versão antiga, “CAV 21”):«L’autore hebbe precertto del 1616 dal Sant’Oficio, ut supradictam opinionem, quod sol sit centrum mundi et terra moveatur omnino relinquat, nec eam de caetero quovis modo teneat, doceat aut defendat verbo, aut scriptis, alias contra ipsum procedetur in Sancto Officio, cui praecepto acquievit et parere promisit».
  • Fontes:Sobre o desenrolar dos acontecimentos até ao início do processo, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CLIX-CLXVIII
  • Fontes:Sobre o desenrolar dos acontecimentos do processo, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CLXVIII-CCIV
  • Fontes:Sobre o desenrolar dos acontecimentos do processo, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CLXVIII-CCIV.A sentença de Condenação está em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. 159-165.A abjuração de Galileu está em Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. 165-166.
  • Fontes:Sobre o desenrolar dos acontecimentos do processo, ver Sergio Pagano, I documenti vaticani del processo a Galileo, 2009, Vaticano, pp. CLXVIII-CCIVSobre a mítica frase “Eppur si muove!”, ver: http://en.wikipedia.org/wiki/Eppur_si_muove
  • Módulo VI - O caso Galileu - Parte 2

    1. 1. Curso Ciência e Fé Módulo VI – O Caso Galileu (Parte 2) © Bernardo Motta bmotta@observit.pt http://espectadores.blogspot.com
    2. 2. Curso Ciência e Fé I – Introdução II – Filosofia Grega e Cosmologia Grega III – Filosofia Medieval e Ciência Medieval IV – Inquisição e Ciência V e VI – O Caso Galileu VII – A Revolução Científica VIII – Darwin e a Igreja Católica IX – Os Argumentos Cosmológico e Teleológico X – Filosofia da Mente e Inteligência Artificial XI – Milagres e Ciência XII – Concordância entre Cristianismo e Ciência
    3. 3. 33 1. Introdução 2. Do nascimento de Galileu até 1616 3. Os acontecimentos de 1616 4. De 1616 até ao processo de 1633 5. Da sentença de 1633 até à morte de Galileu 6. O caso Galileu até aos nossos dias 7. Anexo: a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) Índice
    4. 4. 4 Os acontecimentos de 1616 A carta de Niccolò Lorini ao Cardeal Sfondrati (7 de Fevereiro de 1615) O Cardeal Paolo Sfondrati (1560-1618) era o Prefeito da Congregação do Índice Lorini anexa à sua carta a Carta de Galileu a Castelli (21 de Dezembro de 1613) «(…) tendo-me vindo parar às mãos um escrito, que aqui corre pelas mãos de todos, feita por estes que se afirmam Galileístas, que afirmam que a terra se move e o céu está parado, seguindo as posições de Copérnico, onde, seguindo o juízo de todos estes nossos Padres deste religiosíssimo convento de S. Marco, se encontram muitas proposições que parecem ou suspeitas ou temerárias, como dizer que certos modos de falar da Santa Escritura são inconvenientes e que nas disputas dos efeitos naturais a mesma Escritura tenha o último lugar, e que os seus expositores muitas vezes erram na sua exposição, [que] tenha maior força o argumento filosófico ou astronómico do que o sacro e o divino, proposições estas que V. S. ilustríssima verá sublinhadas por mim no escrito acima referido, do qual lhe mando cópia verdadeira (…). Confesso que tenho todos estes, que se afirmam galileístas, como homens de bem e bons cristãos, mas um pouco presunçosos e duros nas suas opiniões; como também digo que neste serviço não me movo senão por zelo, e suplico a V. S. ilustríssima que esta minha carta (e não digo o escrito [a carta de Galileu]) seja por vós mantida, como estou certo de que o fará, secreta, e não seja tomada ao modo de depoimento judicial, mas só amoroso aviso entre mim e vós, como entre servo e patrono singularíssimo, e fazendo-lhe saber ainda mais que por ocasião deste escrito [a carta de Galileu] foram feitas uma ou duas lições públicas na nossa igreja de S. Maria Novella por um Padre Mestre frei Tommaso Caccini, expondo o livro de Josué e o capítulo X do dito livro (…)»
    5. 5. 5 Os acontecimentos de 1616 Paolo Antonio Foscarini (1565-1616) Frade carmelita, professor de filosofia e teologia em Messina (Sicília), copernicano e amigo de Galileu Provincial dos Carmelitas na Calábria Em Março de 1615, publica em Nápoles a Lettera sopra l'Opinione de' Pittagorici, e del Copernico della Mobilità della Terra, e Stabilità del Sole, e del Nuovo Pittagorico Sistema del Mondo É provável que ele e Galileu tenham combinado uma estratégia para defender o modelo copernicano Foscarini envia um exemplar do seu livro a Bellarmino A 12 de Abril de 1615, o Cardeal Bellarmino escreve a Foscarini, aconselhando-o (e a Galileu) a referirem-se hipoteticamente ao modelo de Copérnico (ver Parte 1) Esta obra de Foscarini será proibida pelo decreto de 5 de Março de 1616 da Congregação do Índice Foscarini não tinha o estatuto de Galileu, e era mais fácil colocar no Index uma obra de Foscarini Não esquecer que Galileu era o “embaixador científico” do soberano da Toscânia – questões diplomáticas pesam
    6. 6. 6 Os acontecimentos de 1616 O depoimento de Tommaso Caccini (1574-1648) Frade e pregador dominicano em Florença (Santa Maria della Novella), homem ambicioso e polémico Membro da “Liga dos Pombos”, liderada por Lodovico delle Collombe, arqui-inimigo de Galileu A “Liga dos Pombos” incluia Niccolò Lorini e o Arcebispo de Florença Caccini consegue um posto importante como superior de Santa Maria sopra Minerva, em Roma Caccini pede ao Cardeal Agostino Galamini (dominicano) para ser ouvido pela Inquisição 19 de Março de 1615: o Papa manda a Inquisição de Roma interrogar Caccini, que depõe a 20: «(…) Digo então, que lendo eu no quarto Domingo do advento deste ano passado na igreja de S. Maria Novella de Florença (…) tocou-me ler aquela passagem do capítulo X daquele livro, onde o sacro escritor refere o grande milagre que, às orações de Josué, fez Deus fazendo parar o sol (…) . Aproveitada a ocasião de neste lugar (…) reprovar (…) uma certa opinião já de Nicolau Copérnico, e nestes tempos, por aquele (…) senhor Galileu Galilei matemático, que o sol, sendo, segundo ele, centro do mundo, por consequência é imóvel de movimento local progressivo, ou seja de uma ponta à outra; e [eu] disse como semelhante opinião era tida como dissonante da fé católica por gravíssimos escritores, porque contradizia muitas passagens da divina Escritura, as quais em sentido literal, (...) soam e significam o contrário. (…) acrescentei que não sabia ver como tal doutrina não fosse quase herética (…) Depois deste discurso adverti que não era lícito a ninguém interpretar a divina Escritura contra aquele sentido no qual todos os Santos Padres concorrem porque tal era vedado pelo Concílio Lateranense sob Leão X e pelo Concílio Tridentino.»
    7. 7. 7 Os acontecimentos de 1616 O depoimento de Tommaso Caccini (1574-1648) «Esta minha caritativa admonição, por muito que agradasse grandemente a muitos gentis- homens literatos e devotos, de outro modo desagradava a certos discípulos do referido Galilei, o que levou alguns deles a procurar o Padre pregador da catedral (…) por zelo da verdade, dei conta ao muito reverendo Padre Inquisidor de Florença de como me tinha parecido [bem] por razões de consciência tratar sobre a referida passagem de Josué, avisando-o que era bom colocar freio a certos petulantes sábios, discípulos do dito Galilei, do qual me foi dito pelo reverendo Padre frei Fernandino Cimenes, regente de S. Maria Novella, que de alguns deles tinha ouvido estas três proposições, a saber: Deus não é substância, mas acidente; Deus é sensitivo, porque nele existem sentidos divinos; Verdadeiramente que os milagres que se dizem ter sido feitos por Santos, não são verdadeiros milagres. Depois destes acontecimentos, foi-me mostrada pelo Padre Mestre frei Nicolò Lorini uma cópia de uma carta escrita pelo referido senhor Galileu Galilei ao Padre Don Benedetto Castello, monge beneditino e público matemático de Pisa, a qual me parece conter não boa doutrina em matéria de teologia (…). [o Interrogador pergunta a Caccini se conhece Galileu] Nem sequer o conheço de vista.» (o negrito é meu)
    8. 8. 8 Os acontecimentos de 1616 O depoimento de Tommaso Caccini (1574-1648) «[o Interrogador pergunta a Caccini qual é a opinião dos florentinos acerca de Galileu em matéria de fé] Por muitos é tido [por] bom católico; por outros é tido como suspeito nas coisas da fé, porque dizem que seja muito íntimo daquele frei Paolo servita [Paolo Sarpi], tão famoso em Veneza pela sua impiedade, e dizem que também trocam presentemente cartas entre eles. (…) [o Interrogador insiste em ter mais detalhes sobre as “propositiones”: onde e como foram proferidas] O Padre Ferdinando disse-me que teria ouvido as ditas proposições dos alunos de Galileu várias vezes, e no claustro de baixo e no dormitório de baixo e na sua cela, e isto depois de eu ter feito aquela lição, aproveitando a ocasião para me dizer que me tinha defendido deles; nem me recordo que mais alguém tenha estado presente. [o Interrogador pergunta a Caccini se tem inimizade por Galileu ou por outros discípulos de Galileu] Eu não só não tenho inimizade com o dito Galilei, como nem sequer o conheço; (…) não tenho nem inimizade nem ódio, nem com outros discípulos de Galileu, de tal modo que rezo a Deus por eles. [o Interrogador pergunta se Galileu ensina publicamente em Florença e se tem muitos discípulos] Eu não sei se o Galileu ensina publicamente nem se tem muitos discípulos: sei bem que em Florença [ele] tem muitos sequazes, que se chamam galileístas; e estes são aqueles que vão ampliando e louvando a sua doutrina e opiniões. (…)»
    9. 9. 9 Os acontecimentos de 1616 Frei Paolo Sarpi (1552-1623) e o “interdito papal” Frade servita e intelectual veneziano, amigo de Galileu Paulo V (1552-1621) é eleito papa a 16 de Maio de 1605 O Papa quer mais poder sobre o clero veneziano, e Veneza recusa O Papa entra em rota de colisão com a República de Veneza Em Abril de 1606, Paulo V excomunga os Venezianos Paolo Sarpi adopta uma posição pública fortemente anti-papal Sarpi é escolhido para canonista e conselheiro teológico da República As potências católicas rejeitam tomar partidos nesta controvérsia Pela via diplomática, chega-se a um compromisso em Abril de 1607 No final de 1609, Galileu ofereceu um telescópio à República de Veneza Sarpi foi o mediador dessa oferta Galileu e Sarpi trocaram correspondência sobre vários temas científicos
    10. 10. 10 Os acontecimentos de 1616 Galileu viaja até Roma (1616) Ao depoimento de Caccini, segue-se o de Ximenes e o de Attavanti, referidos por Caccini No entanto, a Inquisição Romana não lhes dá qualquer seguimento Galileu decide ir a Roma em Dezembro de 1615, para evitar uma condenação do copernicanismo Guicciardini, embaixador toscano em Roma, escreve no dia 11 a Picchena, Secretário de Cosme II: A explicação oficial de Cosme II para a viagem de Galileu: “(…) para se defender de (…) calúnias (…)” Em Janeiro e Fevereiro de 1616, Galileu tem vários encontros com eclesiásticos do Santo Ofício A 5 de Fevereiro, Galileu tem um encontro com Caccini: este nega ter sido o “motor dos rumores” A 6 de Fevereiro, Galileu escreve confiante a Picchena, satisfeito com a reacção das autoridades O jovem Cardeal Alessandro Orsini (educado na corte toscana) pede a Paulo V que receba Galileu O Papa reage friamente: Galileu deve abandonar o copernicanismo, e o tema está com o Santo Ofício «(…) Sei bem que alguns frades de São Domingos, que têm grande peso no Santo Ofício, e outros, querem-lhe mal; e este não é país para se vir disputar sobre a Lua, nem para se querer, no século que corre, defender ou trazer doutrinas novas. E porque eu ouvi dizer que vem para casa de Sua Alteza [Villa Medici, em Trinità dei Monti] o nosso Senhor [Galileu], e sei que é vosso servidor, apesar de eu não ter sido advertido por Vossa Senhoria (…) todavia atrevo-me, por bem, a dizer-vos isto. (…)»
    11. 11. 11 Os acontecimentos de 1616 A condenação (não oficial) do copernicanismo Após a visita de Orsini, Paulo V manda chamar Bellarmino A 19 de Fevereiro, o Santo Ofício pede a um painel de onze teólogos que analise duas teses: 1. Que o Sol seja o centro do mundo, e por consequência, imóvel de movimento local 2. Que a terra não é o centro do mundo nem imóvel, mas se mova segundo si mesma toda, e também de movimento diurno [exactamente a mesma frase do depoimento de Caccini!] Os onze teólogos tiveram apenas cinco dias para debate, pois reuniram-se a 23 e 24 de Fevereiro A primeira proposição é considerada “estulta e absurda em Filosofia; e formalmente herética” Filosofia: devido ao aristotelismo, pois no centro do mundo estariam os corpos mais densos Fé: “formalmente herética” porque contrária à leitura habitual das passagens problemáticas (ex: Josué), o que é um erro, porque uma afirmação contrária às Escrituras não era "ipso facto" herética! A segunda proposição recebe a mesma avaliação filosófica e é tida como “pelo menos errónea na Fé” No dia 25, são lidas a Paulo V as conclusões dos teólogos Esta condenação é um acto privado: Paulo V não a torna num acto oficial do Magistério da Igreja Concílio de Trento (Decreto da 4ª sessão) – "(...) decreta que ninguém poderá – em matérias de fé e de morais relativas à edificação da doutrina Cristã – (...) pretender interpretar a dita sagrada Escritura de forma contrária ao sentido que a Santa Madre Igreja tiver defendido e sustentado; ou mesmo contrária ao consentimento unânime dos Padres (...)"
    12. 12. 12 Os acontecimentos de 1616 A condenação (não oficial) do copernicanismo 1ª: Sol est centrum mundi, et omnino immobilis motu locali. Censura: Omnes dixerunt dictam propositionem esse stultam et absurdam in Philosophia; et formaliter haereticam, quatenus contradicit expresse sententiis sacrae scripturae in multis locis, secundum proprietatem verborum, et secundum communem expositionem, et sensum, Sanctorum Patrum et Theologorum doctorum. 2ª: Terra non est centrum mundi, nec immobilis, sed secundum se Totam, movetur, etiam motu diurno. Censura: Omnes dixerunt, hanc propositionem recipere eandem censuram in Philosophia; et spectando veritatem Theologicam, adminus esse in fide erroneam.
    13. 13. 13 Os acontecimentos de 1616 O dia fatídico de 26 de Fevereiro de 1616 25 de Fevereiro: o Papa Paulo V, via Cardeal Millini, pede a Bellarmino que convoque Galileu: 26 de Fevereiro: o Cardeal Bellarmino convoca Galileu para sua casa, e Galileu acorre imediatamente Presentes: Cardeal Roberto Bellarmino (anfitrião) Galileu Galilei Padre Michelangelo Seghizzi da Lodi (dominicano, Comissário-Geral do Santo Ofício) Badino Nores de Nicosa (“maestro di camera” do Cardeal Bellarmino, serviu de testemunha) Agostino Mongardo (“aiutante di camera” do Cardeal Bellarmino, serviu de testemunha) É muito estranha, e difícil de explicar, a presença de Seghizzi da Lodi, o Comissário-Geral A ordem do Papa, via Cardeal Millini, só requeria a presença do “Padre Comissário” para escrever uma injunção caso Galileu não se apresentasse à convocatória de Bellarmino Galileu apresentou-se a Bellarmino (no mesmo dia e apenas poucas horas depois de convocado) «(…) [o Santo Padre] ordenou o Ilustríssimo Senhor Cardeal Bellarmino a convocar Galileu perante si, aconselhando-o a abandonar as ditas opiniões, e se ele se recusar a comparecer, o Padre Comissário, na presença de um Notário e Testemunhas, far-lhe-á uma injunção para que se abstenha de ensinar, defender ou tratar de qualquer modo estas doutrinas e opiniões; se ele não aquiescer, será encarcerado.»
    14. 14. 14 Os acontecimentos de 1616 O dia fatídico de 26 de Fevereiro de 1616: a “injunção especial” de Seghizzi 26 de Fevereiro: um documento não assinado consta dos arquivos do processo, e diz o seguinte: Esta injunção especial a Galileu não condiz com a ordem Papal, transmitida via Cardeal Millini O Papa, ao pedir a Bellarmino para convocar Galileu, preferira a via de uma admonição em privado Era uma forma diplomaticamente elegante de admonir Galileu sem o vexar publicamente A presença de Seghizzi não fazia parte do plano: este documento será usado contra Galileu em 1633 Permanece ainda hoje a dúvida: Galileu recebeu mesmo a ordem de Seghizzi? «Sexta-feira, dia 26. No palácio, a residência habitual do Ilustríssimo Cardeal Bellarmino, o dito Galileu, tendo sido convocado e tendo-se apresentado perante o dito Senhor Cardeal, foi, na presença do Reverendo padre frade Michelangelo Seghizzi da Lodi, da ordem dos Pregadores, Comissário-geral do Santo Ofício, avisado do erro da referida opinião e que a abandonasse; e imediatamente a seguir, perante mim [escreve Seghizzi], e perante testemunhas, estando ainda presente o Ilustríssimo Senhor Cardeal, o dito Galileu foi ordenado e intimado, em nome de Sua Santidade o Papa e de toda a Congregação do Santo Ofício, para que abandone de vez a dita opinião de que o Sol seja o centro do mundo, e imóvel, e a Terra se mova; nem doravante a sustenha, ensine ou defenda, seja escrita seja oralmente (“…nec eam de Caetero quovis modo teneat, doceat, aut defendat, verbo, aut scriptis…”); caso contrário, o Santo Ofício procederá contra ele; Galileu aquiesceu a esta injunção e prometeu obedecer.»
    15. 15. 15 Os acontecimentos de 1616 Decreto da Congregação do Índice [de livros proibidos], 5 de Março de 1616 Entre outras obras pouco relevantes para o tema, foram proibidos os seguintes livros: De revolutionis orbium coelestium, de Copérnico In Job, de Astunica Lettera del R. Padre Maestro Paolo Antonio Foscarini Carmelitano sopra l’opinione de Pittagorici, e del Copernico, della mobilità della Terra, e stabilità del Sole, & il nuovo Pittagorico Sistema del mondo, de Foscarini A suspensão dos livros de Copérnico e Astunica é temporária, até serem corrigidos (“donec corrigantur”) A proibição do livro de Foscarini era definitiva, total e absoluta É muito significativa a ausência de Galileu deste decreto É um documento disciplinar: uma proibição da leitura de certas obras (não necessariamente heréticas) Não é um documento doutrinário, ou seja, não corresponde a um acto do Magistério da Igreja Católica Logo, este decreto não fere o dogma da infalibilidade A proibição deve ser lida no contexto do Decreto da Quarta Sessão do Concílio de Trento (8-4-1546) Esse Decreto conciliar proibia interpretações das Escrituras contrárias à tradição da Igreja e à Patrística O Decreto incidia apenas sobre questões de doutrina católica e/ou de moral
    16. 16. 16 Os acontecimentos de 1616 Carta de Galileu a Curzio Picchena, 6 de Março de 1616 No dia seguinte ao do Decreto, Galileu escreve em tom positivo e confiante a Curzio Pichenna, Secretário de Estado do Grão-Ducado da Toscânia No entender de Galileu, a Igreja Católica não fazia caso das calúnias dos seus inimigos Esta carta mostra bem a satisfação de Galileu com o desfecho do caso Galileu não interpreta o Decreto como sendo uma condenação do copernicanismo como herético Galileu permanece uns dias em Roma: consegue uma audiência com o Papa Paulo V a 11 de Março Galileu escreve a Picchena a 12 de Março, relatando a conversa que teve com o Papa na véspera Na carta, Galileu diz que o Papa o "consolou", dizendo-lhe que "vivesse com o ânimo repousado", porque o Papa e toda a Congregação o tinham como pessoa íntegra e sincera Os inimigos de Galileu fazem circular rumores de que Galileu abjurou em privado a Bellarmino «(...) por aquilo que o êxito demonstrou, o seu parecer [dos inimigos de Galileu] não encontrou correspondência na Santa Igreja, a qual não decidiu senão que tal opinião [o copernicanismo] não concorda com as Escrituras Sacras, de modo que só restam proibidos aqueles livros que quiseram suster que ela [a opinião copernicana] não discordava da Escritura (...)»
    17. 17. 17 Os acontecimentos de 1616 Certidão do Cardeal Roberto Bellarmino, 26 de Maio de 1616 3 de Março: na reunião dos Inquisidores, Bellarmino dá conta de que Galileu aceitou a admonição Bellarmino não faz qualquer menção à injunção especial (supostamente) feita por Seghizzi A 26 de Maio, Bellarmino passa a Galileu uma certidão importante, que parece contrariar a injunção A historiografia actual tende a considerar que a injunção foi mesmo feita, contra a vontade de Bellarmino
    18. 18. 1818 1. Introdução 2. Do nascimento de Galileu até 1616 3. Os acontecimentos de 1616 4. De 1616 até ao processo de 1633 5. Da sentença de 1633 até à morte de Galileu 6. O caso Galileu até aos nossos dias 7. Anexo: a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) Índice
    19. 19. 19 De 1616 até ao processo de 1633 Cronologia relevante Galileu entra numa disputa oral com Francesco Ingoli acerca da mobilidade da Terra e do sistema copernicano: fica combinado que iriam debater a questão por escrito Ingoli escreve um texto que não chega a ser impresso; por prudência, Galileu não responde 1618: Durante este ano, fazem a sua aparição três cometas diferentes; Orazio Grassi, professor de matemática do Collegio Romano, faz uma palestra sobre eles; uma cópia da palestra é enviada a Galileu Junho de 1619: Mario Guiducci, aluno de Galileu, faz uma palestra na Accademia Fiorentina sobre cometas na qual contesta algumas opiniões dos jesuítas do Collegio Romano Outubro: Grassi, sob o pseudónimo Sarsi, escreve uma obra contra as ideias de Galileu e de Guiducci 1620: A Congregação do Índice publica as correcções a fazer à obra de Copérnico Junho: Guiducci publica uma carta de contestação à obra de Lothario Sarsi (Orazio Grassi) Agosto: o Cardeal Barberini (futuro Urbano VIII) envia a Galileu um poema laudatório da sua autoria Janeiro de 1621: Galileu é eleito Cônsul da Accademia Fiorentina; a Paulo V sucede Gregório XV Fevereiro: Morte do Grão-duque Cosme II de Médicis; é sucedido por Fernando II, de onze anos de idade, que reinará sob a regência da sua avó Cristina de Lorena e da sua mãe, Maria Madalena de Áustria 17 de Setembro: Morte do Cardeal Roberto Bellarmino Outubro de 1622: Galileu envia o manuscrito Il Saggiatore (a sua resposta mordaz a Grassi) à Accademia dei Lincei; a obra é dedicada ao Papa Gregório XV
    20. 20. 20 De 1616 até ao processo de 1633 Cronologia relevante 1623: Publicação da Defesa de Galileu, de Tommaso Campanella, em Frankfurt Fevereiro: os censores romanos autorizam a impressão da obra Il Saggiatore de Galileu; a impressão atrasa-se e só termina em Outubro Julho / Agosto: Morte do Papa Gregório XV; eleição do Cardeal Maffeo Barberini (Papa Urbano VIII), para grande alegria de Galileu Cesarini e Ciampoli, amigos de Galileu, obtêm importantes cargos ao serviço do novo Papa 8 de Setembro: Stelluti (“linceu”) diz a Galileu que o frontispício vai ser todo refeito, com as armas dos Barberini e as da Accademia Francesco Barberini, sobrinho do Papa, é feito “linceu” Stelluti conta assim a Galileu como Grassi reagiu ao Il Saggiatore: Galileu levou a sátira a Grassi ao limite, e parece que o Papa gostou! «(…) [Sarsi, na Libreria del Sole, em Roma] pediu o dito livro, e ao ler o frontispício mudou de cor, e disse que Vossa Senhoria o fizera esperar três anos por esta resposta, mas talvez quando [ele] a ler vai achá-la demasiado apressada. Meteu subitamente o livro sob o braço e foi-se embora.»
    21. 21. 21 De 1616 até ao processo de 1633 Cronologia relevante Abril de 1624: Galileu vai a Roma ter seis audiências com o Papa e vários cardeais; o Papa assegura-lhe que pode escrever sobre a teoria copernicana, desde que a encare como uma hipótese matemática Galileu mostra um microscópio à Accademia dei Lincei: uma abelha é vista com este aparelho (desenhos desta experiência serão publicados por Francesco Stelluti em 1630), que depois é entregue ao Cardeal Hohenzollern para ser presenteado ao Duque da Baviera O Cardeal Hohenzollern fala com Urbano VIII sobre Copérnico: O Papa diz: “… Santa Chiesa non l’haveva dannata [a tese de Copérnico] né era per dannarla per eretica, ma solo per temeraria” Ou seja, diz o Papa que a Santa Igreja não quis condenar a tese copernicana, nem considerá-la herética, mas apenas “temerária” Maffeo Barberini [Urbano VIII] era um dos Cardeais da Congregação do Índice em 1616, quando a comissão de teólogos do Santo Ofício considerou “formalmente herética” a tese da imobilidade do sol Isto mostra a pouca importância dada por Urbano VIII, em 1624, à posição tomada por essa comissão em Fevereiro de 1616 O Papa não acredita que alguém possa demonstrar a tese de Copérnico como necessariamente verdadeira Junho: Galileu regressa a Florença com uma carta de Urbano VIII para Fernando II de Médicis, na qual elogia a ciência e a piedade de Galileu
    22. 22. 22 De 1616 até ao processo de 1633 Cronologia relevante Setembro de 1624: Galileu decide responder a Ingoli (que ficara sem resposta desde 1616) Galileu começa a rever o seu trabalho sobre as marés, que servirá de base para o seu futuro “Diálogo” sobre os dois sistemas planetários, a surgir apenas em 1632 A 23 de Setembro, Galileu escreve a Cesi: Em Dezembro, Galileu escreve a Marsili 1624/1625: Queixa anónima acerca da obra de Galileu Il Saggiatore é depositada na Inquisição A queixa alega falsamente que as ideias atomistas expostas por Galileu nessa obra não são compatíveis com a doutrina católica da transubstanciação, relativa ao sacramento da Eucaristia, pelo qual o pão e o vinho são transformados em Corpo e Sangue de Cristo Após uma investigação por parte da Inquisição, Galileu é ilibado das suspeitas de heresia «Neste momento, regressei ao fluxo e refluxo [às marés], e cheguei a esta proposição: estando a Terra imóvel, é impossível que sucedam os fluxos e refluxos; e movendo-se [a Terra] dos movimentos já assinalados, é necessário que [eles] sucedam, com todos os acidentes que nesses se observam.» «Entretanto, vou levando adiante o meu Diálogo do fluxo e refluxo, do qual se retira como consequência o sistema copernicano e, graças a Deus, sinto-me de tal forma com saúde que posso aplicar qualquer hora do dia a este serviço.»
    23. 23. 23 De 1616 até ao processo de 1633 Cronologia relevante 20 de Outubro de 1625: Galileu, em carta a Diodati, manifesta a intenção de ampliar a sua obra, para lá do tema do fluxo e refluxo, para a tornar numa ilustração dos sistemas ptolemaico e copernicano 1626: Orazio Grassi publica em Paris uma obra de reacção ao Il Saggiatore 1626: Urbano VIII nomeia Castelli (discípulo predilecto de Galileu) professor de Matemática em Roma; Castelli também é escolhido para tutor do sobrinho do Papa, Taddeo Barberini (1603-1647) Março de 1627: Urbano VIII atribui uma pensão de 60 scudi por ano a Vincenzo, filho de Galileu 1628: Uma doença grave afecta Galileu, que o atormenta com dores durante ano e meio 1629: Os amigos de Galileu anseiam pela conclusão do “Diálogo” Perto do Natal de 1629, Galileu anuncia a Cesi e a Ciampoli que “conduziu ao porto” a sua obra Fevereiro de 1630: Urbano VIII atribui uma pensão de 40 scudi por ano a Galileu Abril de 1630: Galileu termina o seu Diálogo acerca dos dois máximos sistemas do Mundo – o Ptolemaico e o Copernicano; escrito sob a forma de diálogo, confrontavam-se três personagens: Salviati, o adepto de Copérnico, inspirado no amigo de Galileu Filippo Salviati (1582-1614) Simplício, o adepto de Ptolomeu, cujo nome evocaria Simplício de Cilícia (c. 490-560 d.C.), comentador de Aristóteles; nome malicioso: é Simplício que expõe os maus argumentos Sagredo, inicialmente neutro, será convencido dos argumentos a favor de Copérnico, e cujo nome teria sido inspirado noutro amigo de Galileu, Giovanfrancesco Sagredo (1571-1620)
    24. 24. 24 De 1616 até ao processo de 1633 As peripécias em torno da publicação do “Diálogo” O contexto em Roma, aos olhos de Galileu, parecia muito bom: na cidade, Galileu tinha do seu lado Cesi, Ciampoli, Castelli, e o recente novo embaixador da Toscânia em Roma, Francesco Niccolini Niccolini mostrava grande simpatia por Galileu, mais do que o seu antecessor Guicciardini A mulher de Niccolini, Caterina Riccardi era parente do Padre Riccardi, mestre do Sacro Palácio O Padre Niccolò Riccardi era o responsável pela concessão do “imprimatur” em Roma A 26 de Abril de 1630, Galileu parte de Florença rumo a Roma, levando consigo o manuscrito A 3 de Maio está em Roma, alojado na Villa Medici A 17 ou 18 de Maio, Galileu é recebido pelo Papa Urbano VIII Na primeira quinzena de Maio, circulou por Roma um horóscopo que previa a morte próxima do Papa e do seu sobrinho Taddeo Barberini, obra do círculo de astrólogos em torno de Orazio Morandi No dia 18 de Maio, Antonio Baldelli divulga uma “notícia” que associa Galileu ao horóscopo 28 de Maio: Galileu, ingénuo, aceita um convite de Morandi, e encontra-se com ele e outros Por coincidência, um grupo de cardeais estrangeiros chegava a Roma ao mesmo tempo Supersticioso, temendo morrer, Urbano VIII manda prender Morandi em Tor di Nona Galileu pede ao seu amigo Michelangelo Buonarroti (o jovem) que desminta junto do Cardeal Francesco Barberini qualquer envolvimento seu no caso Morandi
    25. 25. 25 De 1616 até ao processo de 1633 As peripécias em torno da publicação do “Diálogo” Junho de 1630: Riccardi começa a analisar o livro de Galileu e pede a ajuda do seu amigo Visconti 16 de Junho: Visconti faz o ponto de situação a Galileu: As “pequenas coisas” visam, genericamente, tornar “hipotético” o modelo copernicano É muito provável que nem Riccardi, nem Visconti, nesta fase tivessem lido a obra por completo A 26 de Junho, Galileu parte de Roma de regresso a Florença levando consigo o manuscrito Em Junho, Scheiner publica a Rosa Ursina, obra sobre as manchas solares, na qual Galileu é atacado logo no primeiro livro; o que demonstra que Galileu perdera o apoio do Collegio Romano A 1 de Agosto, morre Federico Cesi, na sequência de febres altas Galileu abandona a ideia de imprimir o “Diálogo” em Roma, e opta por Florença O “imprimatur” de Riccardi só era válido para Roma: Galileu informa Riccardi da sua nova vontade Riccardi aceita a mudança para Florença, mas quer ler por inteiro uma cópia antes de a autorizar A 11 de Setembro, o Vigário-geral e o Inquisidor de Florença (Niccolini e Egidi) dão o “imprimatur” Galileu não manda o manuscrito para o Padre Riccardi, justificando-se com a peste e as fumigações «O Padre Mestre [do Sacro Palácio, Riccardi] beija-lhe as mãos, e diz que a obra lhe agrada, e que amanhã de manhã falará com o Papa acerca do frontispício da obra, e que de resto, acomodando pequenas coisas, semelhantes às que acomodámos juntos, lhe dará o livro»
    26. 26. 26 De 1616 até ao processo de 1633 As peripécias em torno da publicação do “Diálogo” Galileu propõe a Riccardi enviar-lhe o prefácio e a conclusão do livro, sugerindo que Riccardi escolha alguém para fazer, em Florença, a revisão do corpo da obra Contrariado, Riccardi aceita a sugestão de Galileu e escolhe o padre dominicano Ignazio del Nente Posteriormente, a revisão passa para as mãos de Giacinto Stefani, consultor local do Santo Ofício A revisão de Stefani não alterou em nada a substância; todavia, Riccardi não enviou o “imprimatur” Em Março de 1631, Galileu perde a paciência e pede a ajuda do Secretário de Estado, Andrea Cioli Em Abril, Riccardi escreve a Niccolini dizendo que vai aprovar a obra, mas sob condições: Receber a versão final e inalterável do prefácio e da conclusão Em seguida, enviar ao padre Stefani as eventuais correcções a fazer antes do “imprimatur” A 27 de Maio, Niccolini entrega a Riccardi as versões finais e definitivas do prefácio e da conclusão A 19 de Julho, Riccardi envia o prefácio e a conclusão com as suas revisões: Galileu pode fazer alterações à forma (não à substância) e ao prefácio; a conclusão deve conter o raciocínio teológico de Urbano VIII acerca da Divina Omnipotência, que impede a defesa definitiva de um modelo planetário Segundo Urbano VIII, Deus poderia ter feito, ou fazer, as coisas de forma diversa do observado É Urbano VIII quem insiste para que o título do livro refira os dois máximos sistemas do mundo Galileu queria, com a sua obra, provar pelas marés o modelo copernicano Urbano VIII queria deixar a questão em aberto, com espaço para a defesa de ambos os modelos
    27. 27. 27 De 1616 até ao processo de 1633 As peripécias em torno da publicação do “Diálogo” A 21 de Fevereiro de 1632, o editor Giovanni Batista Landini (Florença) termina a impressão
    28. 28. 28 De 1616 até ao processo de 1633 Urbano VIII encurralado, no preciso momento em que circula em Roma o “Diálogo” Neste momento da Guerra dos Trinta Anos, o Papa apoiava França e aliados protestantes: O Rei de França, Luís XIII O Rei da Suécia, Gustavo II Adolfo (protestante) O Papa estava do lado oposto dos Habsburgo (Portugal, Espanha e o Sacro Império) No consistório secreto de 8 de Março de 1632, Urbano VIII enfrenta as críticas do Cardeal Bórgia Nesse consistório, Gaspare Borgia, sem autorização prévia, lê uma declaração aos Cardeais Bórgia (com Ubaldini, co-autor) critica o papa por apoiar “as potências heréticas com o rei da Suécia”: Urbano VIII manda calar Bórgia, mas este prossegue o discurso inflamado, dividindo os Cardeais entre si Por se ter alinhado com os Cardeais filo-espanhóis, Ciampoli, o amigo de Galileu, é exonerado Tumultos em Roma: “Han fatto più danno / Urbano e nepoti / Che Vandali e Goti” «(…) Ele [o Rei de Espanha, Filipe IV] voltou-se para Vossa Santidade como pai universal, pregando insistentemente e humildemente que [o Papa] queira contribuir com as próprias forças em dinheiro, mas o que mais importa é congregar todos os princípios e povos católicos ante o perigo (…) de forma a que Vossa Santidade se mostre doravante com apostólico zelo como um daqueles papas, os quais foram os vossos santos e celebérrimos antecessores. Pois estes fizeram ressoar a sua voz apostólica como uma trompa, exortando toda a cristandade a firmar aquelas gloriosas alianças que deveriam defender a fé e até propagá-la.»
    29. 29. 29 De 1616 até ao processo de 1633 As suspeitas de Urbano VIII acerca da capa do “Diálogo” “Grandior ut proles”, o lema do editor florentino Giovanni Battista Landini, surge na capa e contracapa O lema significa: “cresço com os meus descendentes” Urbano VIII achou que esse lema era uma acusação velada contra o seu nepotismo Urbano VIII achou que os três golfinhos (“delfino”) representavam os seus três sobrinhos, por ele agraciados com cargos importantes O Papa pede esclarecimentos ao inquisidor de Florença, Egidi Egidi explica que Landini usava a iconografia em todas as obras A 25 de Julho de 1632, Riccardi escreve ao inquisidor Egidi: Galileu, realmente, modificou o prefácio, enfraqueceu os argumentos do Papa e colocou-os na boca de Simplício No entanto, Riccardi fez um mau trabalho de revisão ao livro Riccardi, que deu o “imprimatur”, desculpa-se em Galileu, que ele se desviou do que fora acordado «(…) Chegou a estas bandas o livro do Senhor Galileu, e há muitas coisas que não agradam (…) é ordem do Nosso Senhor [do Papa] (…) que o livro se retenha, e não passe assim, sem que se mande o que há a corrigir, e muito menos se o deixe sair [circular]»
    30. 30. 30 De 1616 até ao processo de 1633 Os problemas identificados no “Diálogo” (cfr. arquivos do processo) 1. Ter posto o imprimatur de Roma sem [ter recebido] ordem, e sem participar a publicação com quem diz se ter subscrito. 2. Ter posto o prefácio com carácter distinto, e o ter tornado inútil como [se fosse] alienado do corpo da obra, e ter posto a cautela do fim na boca de um tolo, e em tal parte que nem sequer se encontra senão com dificuldade, aprovada depois pelo outro interlocutor friamente, e com acenar somente e não distinguir o bem que mostra dizer de má vontade. 3. Esquecer-se na obra muitas vezes e retirar-se da hipótese, ou afirmando absolutamente a mobilidade da terra e a estabilidade do sol, ou qualificando os argumentos sobre os quais a funda como demonstrativos e necessários, ou tratando a parte negativa por impossível. 4. Trata a coisa como não decidida, e como se se esperasse [pela decisão] e não se pressuponha a definição [do geocentrismo] 5. O mal tratar dos autores contrários e de quem mais se serve [a] Santa Igreja. 6. Afirmar-se e declarar-se mal qualquer igualdade, no compreender as coisas geométricas, entre o intelecto humano e divino. 7. Dar por argumento de verdade que os ptolemaicos passam a copernicanos, e não vice-versa. 8. Ter resolvido mal o existente fluxo e refluxo do mar na estabilidade do sol e mobilidade da terra, não existente. 9. Todas estas coisas se poderiam emendar, se se julgasse existir qualquer utilidade no livro (…) No final desta lista, consta um parágrafo em latim com a injunção especial de Seghizzi (1616) Este parágrafo está destacado por um traço vertical feito a tinta: é o mote para o processo
    31. 31. 31 De 1616 até ao processo de 1633 O processo contra Galileu Por volta de Setembro de 1632, Niccolini tenta interceder junto de Urbano VIII, mas como ele relata numa carta escrita no dia 5 para o Secretário de Estado Cioli, o Papa sentia-se enganado e manipulado, sobretudo por Galileu e Ciampoli: Niccolini, a pedido de Florença, insiste junto de Urbano VIII em defesa de Galileu, e que a obra deste fora aprovada pelas autoridades romanas O Papa não reage bem a estas insistências e alude que também Riccardi tinha sido irresponsável Niccolini, em último recurso, pede ao Papa que Galileu possa saber quais as acusações para se defender O Papa responde que Galileu sabe muito bem quais os problemas, que eles os discutiram no passado Niccolini anda pede a Urbano VIII para ter em consideração o Príncipe (Fernando II de Medici) O Papa, furioso, diz que sempre tratou bem Galileu, melhor do que este o tratou A 11 de Setembro, Riccardi confidencia a Niccolini um segredo: encontrou-se, nos arquivos do Santo Ofício, uma injunção a Galileu datada “de há doze [16] anos atrás (…) e que esta basta para o arruinar” Que Galileu tenha mantido esta injunção em segredo (se ela lhe foi feita) agravou ainda mais o seu caso Urbano VIII convoca uma comissão para avaliar o caso: unânime, esta decide passá-lo ao Santo Ofício «(…) Sua Santidade irrompe em muita cólera, e de improviso, disse-me que também o nosso Galileu se tinha atrevido a entrar onde não devia, e em matéria da maior gravidade e perigo que se poderia suscitar nestes tempos. (…)»
    32. 32. 32 De 1616 até ao processo de 1633 O processo contra Galileu 23 de Setembro de 1632: no Palácio Apostólico, na reunião do Santo Ofício, e na presença do Papa e dos Cardeais inquisidores (com Gaspare Borgia à cabeça da lista), Urbano VIII ordena que se escreva ao Inquisidor de Florença para que este convoque Galileu a vir a Roma no próximo mês de Outubro Galileu, aceitando comparecer, adia repetidas vezes a sua partida por motivos de saúde A 30 de Dezembro, em reunião da Inquisição, Urbano VIII intima Galileu a comparecer ou ser preso Galileu chega a Roma em Fevereiro de 1633, ficando na Villa Medici, sem poder fazer contactos sociais Galileu é interrogado pela Inquisição em Abril; de 12 a 30 de Abril permanece detido nos aposentos de um oficial do Palácio Apostólico (Santo Ofício) No depoimento do dia 12 de Abril, Galileu mostra o atestado do Cardeal Bellarmino, datado de 1616 Galileu nega ter recebido qualquer preceito, para além do texto da Decreto da Congregação do Índice No dia 30 de Abril, Galileu depõe novamente, e reconhece ser possível ler a sua obra como uma defesa do modelo de Copérnico, e oferece-se para modificar as passagens ambíguas Galileu é autorizado, nesta data, a permanecer na Villa Medici, sob prisão domiciliária Volta a depor no dia 10 de Maio: Galileu insiste em que não foi intimado pessoalmente a não ensinar ou defender o modelo de Copérnico, e volta a usar o atestado de Bellarmino nesse sentido A 16 de Junho, o “Diálogo” é formalmente proibido; Galileu admite ter-se excedido na defesa do copernicanismo e de não ter escrito hipoteticamente; é sentenciado a prisão por tempo indeterminado
    33. 33. 33 De 1616 até ao processo de 1633 O processo contra Galileu: a abjuração “de vehementi” (22 de Junho) É exigido a Galileu que abjure “de vehementi”, uma fórmula aplicada a todos os réus que negavam uma heresia e, ao mesmo tempo, eram suspeitos de ter persistido nessa heresia durante longo período de tempo O texto de abjuração é apresentado a Galileu, e este dirigiu-se aos Cardeais nestes termos: De seguida, Galileu abjura “com coração sincero e fé não fingida”: A frase “Eppur si muove!” é uma lenda: surge pela primeira vez em 1757 na obra de Giuseppe Baretti «(…) dado que se procedia com ele desta maneira, ele iria dizer tudo o que agradasse a suas Eminências, exceptuando apenas duas coisas: ele nunca diria que não era católico, porque ele o era e [assim] queria morrer (…); e que não poderia nem sequer dizer que teria enganado alguém, e especialmente na publicação do seu livro, que ele havia submetido à censura eclesiástica, e recebida legitimamente a aprovação (…)» «Eu Galileu Galilei (…) ajoelhado perante Vós, Eminentíssimos e Reverendíssimos Senhores Cardeais (…) tendo perante os meus olhos os sacrossantos Evangelhos, os quais toco com as próprias mãos. Juro que sempre acreditei, sempre aderi, e com a ajuda de Deus acreditarei doravante em tudo o que tem, prega e ensina a Santa Católica e Apostólica Igreja Romana. (…) querendo eu remover das mentes de Vossas Eminências, e de todo o fiel cristão, esta veemente suspeição racionalmente concebida contra mim, de coração sincero e fé não fingida, abjuro, amaldiçoo e detesto os referidos erros [copernicanos] e heresias (…) e juro que doravante mais nada direi, nem assertirei verbalmente ou por escrito coisas tais que permitam ter de mim semelhante suspeição (…) recitada palavra a palavra em Roma, no Convento da Minerva neste 22 de Junho de 1633, eu Galileu Galilei abjurei como acima [descrito] por mão própria.»
    34. 34. 34 De 1616 até ao processo de 1633 Epilogo: "a queda do favorito" A carreira social e científica de Galileu é indissociável da dinâmica do mecenato Essa dinâmica ajudou-o a construir uma imagem e uma reputação invejáveis Todavia, também contribuiu para a sua queda em 1632-33 Professor na Universidade de Pisa • Pisa (1589) Professor na Universidade de Pádua • Veneza (1591) Matemático e Filósofo do Grão-Duque • Florença (1610) Matemático e Filósofo do Papa • Roma (1623)
    35. 35. 35 De 1616 até ao processo de 1633 Alonso de Barros (1552-1604), "Filosofia Cortesana" (ed. Nápoles, 1588)
    36. 36. 3636 1. Introdução 2. Do nascimento de Galileu até 1616 3. Os acontecimentos de 1616 4. De 1616 até ao processo de 1633 5. Da sentença de 1633 até à morte de Galileu 6. O caso Galileu até aos nossos dias 7. Anexo: a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) Índice
    37. 37. 37 Da sentença de 1633 até à morte de Galileu Galileu em prisão domiciliária A 30 de Junho de 1633, Galileu pede ao Papa a comutação da pena para a sua residência em Florença Em Dezembro, Galileu recebe permissão para voltar para sua casa, em Arcetri (arredores de Florença) Em 1636, o editor holandês Elsevier aceita publicar os “Discursos e demonstrações matemáticas em torno das novas ciências acerca da mecânica e movimento local” Em Janeiro de 1638, Galileu está cego de ambos os olhos Pede à Inquisição que o liberte da prisão domiciliária A 25 de Fevereiro, a Inquisição diz que não, mas permite que ele se mude de Arcetri para Florença, para estar perto dos médicos A 20 de Março, o Inquisidor de Florença transmite a Roma um pedido de Galileu: poder assistir à missa em dias festivos No dia 29, obtém a permissão, mas não pode falar com ninguém A obra-prima de Galileu é editada em Leiden em Julho de 1638 Não pôde circular nos países católicos devido a um interdito geral a todas as obras de Galileu Em Janeiro de 1642, Galileu morre em Arcetri É sepultado na Igreja de Santa Cruz, em Florença
    38. 38. 3838 1. Introdução 2. Do nascimento de Galileu até 1616 3. Os acontecimentos de 1616 4. De 1616 até ao processo de 1633 5. Da sentença de 1633 até à morte de Galileu 6. O caso Galileu até aos nossos dias 7. Anexo: a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) Índice
    39. 39. 3939 1. Introdução 2. Do nascimento de Galileu até 1616 3. Os acontecimentos de 1616 4. De 1616 até ao processo de 1633 5. Da sentença de 1633 até à morte de Galileu 6. O caso Galileu até aos nossos dias 7. Anexo: a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648) Índice
    40. 40. 40 Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648) Nota: este Anexo foi escrito pelo meu amigo Nuno António, a quem agradeço a valiosa ajuda
    41. 41. 41 Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    42. 42. 42 Introdução Um dos grandes conflitos da história moderna europeia Consistiu numa série de guerras, declaradas e não declaradas, na Europa central, entre 1618 e 1648 De um dos lados tínhamos a casa de Áustria: os Imperadores Habsburgos do Sacro Império Romano Fernando II e III aliados ao seu primo espanhol Filipe IV Estes foram confrontados por vários oponentes: Dinamarqueses, Holandeses e, acima de tudo, Franceses e Suecos Adicionalmente, este conflito foi também uma guerra civil entre principados alemães que tomaram as cores de um lado ou outro durante os 30 anos que durou Do ponto de vista religioso, a Guerra foi, pelo menos parcialmente, um conflito entre Católicos, Luteranos e Calvinistas. Fernando II e, em menor grau, o seu principal aliado Maximiliano I representavam as forças da contra-reforma. Já Frederico V do Palatinado representava os Calvinistas No entanto, muitos líderes facilmente trocavam convicções religiosas por vantagens políticas: A França católica irá apoiar os protestantes em troca de vantagens políticas. A teia de conflitos militares e políticos é grandemente complexa e apenas forneceremos alguns tópicos principais Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    43. 43. 43 Antecedentes 1555: O Luteranismo é oficialmente reconhecido no Sacro Império Romano sob a Paz de Augsburgo. O secularistas que se apropriaram das suas terras mantiveram-nas. Os Príncipes alemães começam a impor a sua religião aos súbditos. Começa a montar-se o “caleidoscópio” Os Calvinistas argumentam não estarem vinculados a este acordo de paz entre Católicos e Luteranos e continuam a apropriação de terras no norte da actual Alemanha depois do acordo ter sido assinado. A máquina administrativa Católica começa a ser desmantelada pelos Protestantes Católicos e Protestantes formam alianças para preservar os seus direitos. Os primeiros juntam-se à volta de Maximiliano I da Baviera enquanto a união Protestante é formada em torno de Frederico V do Palatinado Começam a ocorrer revoltas de índole religioso na Boémia, Morávia e outras áreas dissidentes do Império Austríaco. Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    44. 44. 44 O Sacro Império Romano em 1618 Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    45. 45. 45 Guerra dos 30 anos (1618-1648) Rosa: países com maioria protestante Amarelo: Territórios dos Habsburgos espanhóis Laranja: Territórios dos Habsburgos austríacos
    46. 46. 46 A Guerra dos 30 anos na Boémia (1618-1621) Os Boémios, frente à pressão dos Habsburgos, revoltam-se e coroam Frederico V do Palatinado como seu Rei Apesar dos sucessos iniciais, Fernando II, apoiado pelos parentes espanhóis, pela Liga Católica e pela Luterana Saxónia esmaga a revolta na montanha branca perto de Praga Em simultâneo, a Espanha invade e conquista o Baixo Palatinado, no Reno, assegurando uma faixa contínua entre os seus territórios de Itália e da actualmente Bélgica. Guerra dos 30 anos (1618-1648) A defenestração de Praga: O Imperador Matias quer colocar Fernando no trono da Boémia para garantir uma sucessão católica ao título. Um grupo de protestantes revolta-se e marcha para o palácio real de Praga em 1618 e atira os conselheiros do Rei pela janela fora para o fosso exterior. Johan Tzerclaes, Conde de Tilly, comandante dos exércitos bávaro e imperial.
    47. 47. 47 A Guerra dos 30 anos no Palatinado (1621-1624) Frederico V, aliado a outros líderes protestantes, consegue reconquistar o Baixo Palatinado. Os Holandeses, que combatem a Espanha pela sua independência desde 1568, vão dar um forte suporte a esta campanha Batalha de Stadtlohn, vista aérea por Pieter SnayersA derrota de Frederico Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    48. 48. 48 A Guerra dos 30 anos na Dinamarca (1625-1630) É formada uma liga entre franceses, ingleses e holandeses para combaterem os Habsburgos. O seu campeão é Cristiano IV da Dinamarca, o qual possuía também extensos territórios no Norte da “Alemanha” A invasão é completamente esmagada pelo exército da Liga Católica e a nova força Imperial sob as ordens do Boémio e enigmático condottiere Wallenstein A inércia criada pela vitória conduz ao Édito de Restituição que devolve as terras expropriadas desde 1550 à Igreja Católica Romana Wallenstein torna-se temido e os líderes territoriais forçam o imperador a removê-lo do poder a reduzir a dimensão do exército imperial. Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648) General Católico Albrecht von Wallenstein
    49. 49. 49 A Guerra dos 30 anos na Suécia (1630-1634): 1/2 O crescente poder dos Habsburgos no Báltico gera preocupações no Reino da Suécia. Liderados por um dos maiores génios militares da História, Gustavo Adolfo, eles invadem o norte da Alemanha Apesar de serem protestantes luteranos, não foram bem recebidos pelos locais com quem partilhavam a fé. O seu único aliado de peso serão os franceses que subsidiam o seu exército Em 1631, Magdeburgo, cidade aliada dos suecos, é invadida pelas tropas imperiais de Johann Tserclaes, Conde de Tilly. São massacrados 20000 habitantes. Este gesto levou a que os protestantes locais se começassem a armar As tropas imperiais vão de seguida invadir a Saxónia. Esta vai aliar-se também aos suecos. Gustavo II Adolfo Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    50. 50. 50 Vitória de Gustavo II Adolfo na batalha de Breitenfield (1631) A Guerra dos 30 anos na Suécia (1630-1634): 2/2 As forças imperiais e suecas vão finalmente encontrar-se em Breitenfeld, sendo os primeiros aniquilados pelos escandinavos No seguimento desta vitória, os suecos apropriam-se de quase todo o sul da Alemanha. O imperador, em desespero, volta a chamar Wallenstein As tropas suecas e as do novo exército de Wallenstein encontram-se em Lützen, perto de Leipzig. O desfecho da batalha foi um empate mas Gustavo Adolfo é morto Temendo a fama e poder de Wallenstein, o imperador manda matá-lo As tropas imperiais, agora aliadas às espanholas, infligem uma derrota esmagadora aos suecos em Nördlingen. Todas as terras no sul da Alemanha são recuperadas Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    51. 51. 51 Campanhas de Torstenson (1642) A França na Guerra dos 30 anos (1634-1638) Após a batalha de Nördlingen, a maioria dos líderes alemães faz tréguas com o imperador. Pelo tratado de Praga, todas as terras imperiais apropriadas pelos protestantes em 1627 irão ficar na posses destes últimos França declara Guerra à Espanha As tropas imperiais vão gradualmente enfraquecendo. A França conquista a Alsácia e quase toda a bacia do Reno enquanto os Suecos apropriam-se ou neutralizam os principados do norte da Alemanha e levam o conflito até à Boémia. Cardeal Richelieu Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    52. 52. 52 A paz de Vestefália (1648) Assinada a 24 de Outubro de 1648 em Osnabruque e Munique Os suecos recebem uma generosa indemnização e controlo sobre o Oeste da Pomerânia, Bremen e Verden Aos franceses são concedidos direitos (de justificação duvidosa) sobre a Alsácia O controlo do Imperador sobre os territórios alemães torna-se nulo Dentro da porção alemã do Império, irá ser permitido o protestantismo e proceder-se-á à secularização dos órgãos de governo Nos territórios dos Habsburgos na Boémia e Áustria, o Imperador retomará o carácter oficial do catolicismo Percentagem da população morta durante o conflito Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)
    53. 53. 53 Europadepoisdastréguas(1648) Anexo: a Guerra dos 30 anos (1618-1648)

    ×