Ferramentas da Revolução Global

1.719 visualizações

Publicada em

Redes, guerilha virtual, tags, práticas, memes, ferramentas, identidades coletivas, imaginários e conexões da ‎#globalrevolution

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.719
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ferramentas da Revolução Global

  1. 1. Ferramentas da #GlobalRevolution Por Bernardo GutiérrezPor Bernardo Gutiérrez / @bernardosampa (Twitter)
  2. 2. Casos prévios globais MUNDO PRE INTERNET. Os primeiros cases de multidões inteligentes da história foram com SMS, em 2001 nas Filipinas (contra o presidente Estrada) e na Espanha 2004 (contra o Governo de Aznar). A antiglobalizão, os zapatistas, a cultura livre-hacker são influências nítidas. Wikileaks e Anonymous, sem dúvida, muito importantes. ESPANHA. O Governo Espanhol tramitou a Ley 2/2011 (4 de março), de “Economía Sostenible”, conhecida como LES (nov 2010). A reação da sociedade em rede foi fortísima. Nasceu a Red Sostenible ( http://red-sostenible.net/index.php/P%C3%A1gina_Principal) a LA LISTA DE SINDE ( http://wiki.hacktivistas.net/index.php?title=Accion/lalistadesinde/web), ENVÍO MAILS / TELEFONEMAS MASIVOS (http://hacktivistas.net/content/24-horas-para-la-votaci%C3%B3n-de-la-ley-sinde-), FERRAMENTA PARA ENVIAR MAIL A (Xmailer (http://hacktivistas.net/content/recarguemos-la-libertad-nuestros-diputados) e NOLESVOTES (wiki semente do 15Mhttp://wiki.nolesvotes.org/wiki/Portada). AMÉRICA LATINA. Têm muitos casos prévios de lutas conectadas. O México é o país com mais passado em rede. Antes de #YoSoy132, além dos zapatistas, aconteceram #InternetNecesario (desde 2009 luta para democratizar Internet), #Wiriruta (contra a construçã de uma mina), #GuarderiaABC (contra o incêndio de uma cresche. A mobilização de redes a favor do candidato Mockus (Colômbia foi bem significativa). No Brasil, o caso de Pinheirinhos, festival Baixo Centro ou #ExisteAmoremSP seriam bons exemplos.
  3. 3. A revolução da identidade coletiva -O anonimato conforma uma nova identidade coletiva que vem sendo estudada há um tempo. Kevin Kelly fala de enxames, Toni Negri de “multidão”. -Ainda que existe desde sempre, os casos recentes ajudam entender o fenômeno. Os principais são os Zapatistas (subcomandante Marcos), na Itália Luther Blisset + WU MING ( http://www.wumingfoundation.com) a revista Tycoon (França) e , sobre todo, Anonymous. -A identidade coletiva é elemento comum das revoltas globais. Por um lado, é vital para agregar a diferença. Por otro, para trabalhar de forma coletiva. A maioria das revoltas em rede têm identidade coletiva. O 15M – Indignados (como 15M, como Democracia Real Já, como #NolesVotes, como as Mareas), OccupyWall Street, #YoSoy132 e OccupyGezi (Turquia)
  4. 4. Plataformas conectoras A maioria das revoltas criaram as plataformas de comunicação / ação, além das velhas marcas,para conectar lutas, regiões e eixos temáticos. Plataformas ao serviço das novas identidades coletivas. Os coletivos já existentes são parceiros, nunca inimigos. • TOMALAPLAZA.NET foi a ferramenta (software livre, template de Wordpress) de comunicação interna e externa de todas as praças tomadas da Espanha. Tomalosbarrios.net descentralizou. Democracia Real Ya também foi muito importante. • TAKETHESQUARE. O site Takethesquare e a conta do Twitter foram registrados em Madri na madrugada do 16 de maio. Tem sido a principal ferramenta de todas as ocupações (também Occupy
  5. 5. Nós, a mídia Plataformas como INDYMEDIA.ORG, GLOBALVOICES ou CMI, e sites regionais de jornalismo independente tem sido vitais em todos os países, da Tunísia ao Brasil. Mas o mais interessante são as novas plataformas que configuram a autocomunicação de massas da que fala Manuel Castells. -15M. O nascimento de plataformas independentes foi automático. Sol.tv. Ágora Sol Radio, TomalaTele (http://www.tomalatele.tv /web/), Fotomovimiento… Destaca a impresão de jornal propio em papel para chegar na populaçåo idosa e menos digital, o Periódico 15M. -THE OCCUPIED WALL STREET JOURNAL / OCCUPY NEWS Occupy Wall Street lançou o jornal The
  6. 6. -Na Espanha, a explosão do 15M tem incentivado o surgimento de uma nova mídia, que usa licenças livres, baseada no compartilhamento e na inteligência coletiva. Já tinha antes, mas agora a paisagem é espectacular. -Destacam Eldiario.es, EsMateria.es, Lamarea.com, lamarea.com, Revistanumerosrojos.com, www.revistamongolia.com, fixmedia.org…. Do ‘We, the media’ à nova mídia
  7. 7. Twitter, a máquina de guerra -Todas as Revoluções Globais fizeram um uso do Twitter. Quase sempre aproveitando contas já existentes (Hacktivistas na Espanha, Adbusters em Occupy Wall Street…). Mas quem levou o peso das revoltas foi a ‘identidade coletiva’ e perfis coletivos. -TWITTER permite dialogar à vista, pois não esconde as informações como Facebook. Permite dialogar em tempo real no mundo todo ao redor de Hashtags, com ‘c’ copia a outras contas, atribuir fontes (V), modificar tuits e cruzar diálogos (MT). É explosivo. -TWITTER é uma curadoria. Criar listas de contas é vital. Gera curadoria e permete a criação de revists sociais. -REVISTAS SOCIAIS. Foram muito usadas ferramentas como PAPER.LI, POSTPOST.COM, SCOOP.IT, FLIPBOARD ou REBEL MOUSE para construir revistas om os contatos de contas, listas. -TWITTER é o lugar onde nascem os Hashtags e o lugar que impõe a agenda na mídia (mais que Facebook). Os Trending Topic (TT) são uma ferramenta importante.
  8. 8. Facebook EGITO – Facebook foi importante sim, na revolta do Egito. Alguns grupos conseguiram unir pessoas na luta e encher as ruas de gente. Not Sorry Mubarak http://www.facebook.com/Not.Sorry.Mubarak • MARROCOS http://orsai.bitacoras.com/2011/12/una-lengua-comun. • LÍBIA http://www.facebook.com/17022011libya ESPANHA. “Esto sólo lo arreglamos sin ellos”. A sociedade remixa uma propaganda do Governo, uma publicidade chamada “Esto lo arreglamos entre todos”. Nasce um grupo de Facebook “Esto solo arreglamos sin ellos” http://www.facebook.com/media/set/?set=a.484141136 Democracia Real Ya. ( http://www.facebook.com/democraciarealya
  9. 9. Ferramentas de Voice / Som Em todas as Revoluções Globais surgiram algumas ferramentas para facilitar a censura das redes sociais. Ferramentas que ajudam “Tuitar” ou postar usando a voz. VOICE-TO-TWITTER. Engenheiros do Google, Twitter e SayNow desenvolveram um serviço speak- to-tweet. Ligando para números telefónicos dava para Tuitar. A conta criada foi @speak2tweet. OCCUPYGLOBAL.NET é um website que conta com um TeamSpeak voice-chat organizado por países e cidades MUMBLE. mumble.sourceforge.net A ferramenta mais usada nas Revoluções globais tem sido o Mumble, de código aberto. É um chat de voz que pode ser usada por muitas pessoas. Pode ter um moderador. Um vídeo de instruções: http://takethesquare.net/2011/10/04/mumble-setup-walkthrough/ SOUNDSCAPE OF THE REVOLUTION. O coletivo espanhol Media Tele Tipo colocou na nuvem os diferentes sons da Spanish Revolution. http://www.mediateletipos.net/archives/15881 TELEFONIA IP. O 15M espanhol desenvolveu um sistema de telefonia IP com software livre. https://dev.tomalaplaza.net/projects/voip
  10. 10. -Documentos online colaborativos para trabalhar em red, que substituem o Google DOC. Os mais usados são PiratePad (piratepad.net/‎) e TitanPAD (http:/‎/‎titanpad.com/‎) e -Os PADS são usados para criar campanhas conjuntas. Tem a posibilidade de ser privados e até ter ‘arvores’ de PADs temáticos. Para as campanhas de Twitter o mais comum é criar PADS públicos de forma secreta e depois abandonar eles. Exemplo: PAD usado para o tuitaço #Brevolution http://titanpad.com/BRevolution PADS
  11. 11. Redes livres -A rede construída com software livre N-1.cc é a ferramenta mais usada no 15M / Occupy. Forma parte do projeto Lorea (redes federativas) -O controle da privacidade é total. A diferença do Facebook, está pensada para grupos de trabalho. Tem muitas ferramentas para trabalhar em grupo. -Aquí umas instruções com audios http://www.archive.org/details/LoreaN-1 -Tem outras redes não comerciais funcionando, como Network 99 (magazin.network-99.com, feita na Espanha), Holisticscommons (holisticcommons.com), Anillo Sur (anillosur.cc, Cono Sul) Identi.ca ou Disaspora ou Occupy The Commons. -#YoSoy132, no México, lançou sua própria rede social livre, Democracia Real Yá (Espanha) tem sua própria rede livre.
  12. 12. Ferramentas internas Listas correios. Tanto o 15M como Take The Square tem listas de correios próprias. http://madrid.tomalaplaza.net/com http://howtocamp.takethesquare.net/2011/10/27/mailing-lists-listservs-index/ Our Project é o serviço mais usado. Também, Google Groups IRC Channels Um guia (http://bit.ly/yDqzL5) FERRAMENTAS PRÓPIAS DO 15M 15m.virtualpol.com Chats, foros, grupos de trabalho Visualização grupos trabalho http://madrid.tomalaplaza.net/grupos-de-trabajo-2/ Arvore de contatos https://n-1.cc/pg/file/read/267867/estructura-indignados
  13. 13. O 15M espanhol usou coletivamente de uma forma muito ágil , “populista” (no bom sentido) e eficaz diferentes cartografias. Fora usadas ferramentas como Meipi (meipi.org), Google Maps, Crowd Map ou Ushahidi (ushahidi.com). Tem alguns projetos anterioresao 15M que influenciaram (e muito) no 15M. Foi a base dos mapas de Occupy. O hackitecto (arquiteto+hacker) fez um resumo de cartografias insurgentes. http:/‎/‎www.scoop.it/‎t/‎los-mapas-del-15m http:/‎/‎cartografiasinsurgentes.wordpress.com/‎2011/‎ O urbanista Doménico di Siena fez esse resumo de ferramentas http:/‎/‎urbanohumano.org/‎social- network/‎mapeo-y-documentacion-en-red/‎ Cartografias insurgentes
  14. 14. CASASTRISTES.ORG Vivendas vazias. ELDISPARATE.DE Mapa de comércio de armas de cada região da Espanha. CIUDADESSINFRONTERAS.NET Para denunciar check points contra migrantes. THETECHNOANT.INFO/CAMPMAP Mapas dos acampamentos do mundo inteiro. 15M.BIFI.ES Vídeo com as interações entre usuários durante a semana do 15M. MAPA CONCEPTUAL DA ACAMPADA SOL. http://www.unalineasobreelmar.net/mapa-conceptual-de-la-acampada/ MAPA DA NÃO VIOLÊNCIA. http://www.unalineasobreelmar.net/2011/08/15/mapa-conceptual-de-la-no-violencia-del-15-m/ MAPA DENÚNCIA. Mapa usado para denunciar as represão da policia http://acampadadebarcelona.org/denunciacolectiva27m MAPA DOS RICOS DE ESPANHA. http://estrecho.indymedia.org/sites/default/files/MAPA-ricos.jpg UNITED GLOBAL CHANGE -15º http://map.15october.net/main #VOCES25S / CONVOCA.CC. Mapa em tempo real do espaço púlblico feito via Twitter geolocalizado. Com HT concretos, os pontos no mapa aparecem coloridos http://convoca.cc/ /http://www.voces25s.es/
  15. 15. STOP DESHAUCIOS. Especial destaque tem o projeto STOPDeshaucios (Stop despejos). http://stopdesahucios.tomalaplaza.net -O coletivo Hacktivista de Tomalaplaza.es desenvolveu uma ferramenta com a Plataforma Afectados pelas Hipotecas (pessoas que perdem os apartamentos porque não tem dinheiro para pagar a hipoteca do banco). -Foi criada com Ushahidi (ferramenta de código aberto). Não só da para ver o estado atual dos despejos. Cada pessoa pode crear uma alerta por distâncias e saber que despejo está programado por dia. -STOP DESHAUCIOS, além, conseguiu uma lista de vivendas que os bancos tem vazias que é entregue a cada familia despejada. -Milhares de despejos tem Stop deshaucios
  16. 16. O 15M espanhol, graças a popularidade dos smart phones no pais, criou pontes entre território e as redes. O “espaço de fluxos” do que fala Manuel Castells movimento que ainda está vivo. O coletivo Platoniq criou o Tweetómetro #yeswecamp, uma ferramenta para votar via Twitter as questões das assambleias. www.platoniq.net/‎yeswecamp/‎ Os protestos são protestos de fluxos, flexíveis, os hashtags indicam ruas cortadas, novos caminhos. Alguns eventos do 15M acontecem ao redor de hashtags, como Stop Deshaucios (falaremos Espaços híbridos
  17. 17. A revolução do streaming A mídia chegou tarde na Puerta del Sol de Madri. Também em Taksim em Istambul. Ou em muitos protestos do Brasil. Mas graças ao streaming o mundo intereiro soube do 15M ou #OccupyGezi. No 15M, desde o primeiro dia foi criada Soltv.tv, 24 horas de imagens desde um terraço da Puerta del Sol de Madri. Tras Occupy Wall Street nasceu GlobalRevolution Livestream http://www.livestream.co m/globalrevolution Na Turquia, Capul.TV foi vital: As duas ferramentas mais usadas de streaming nas Revoluções 2.0 são ustream.tv (plataforma interativa) y Livestream.com. http://www.Capul.tv
  18. 18. Celulares, streaming P2P •-O uso de smart phones tem sido fundamental •em todas as revoluçoes em rede. Por um lado, para •Informar e usar redes sociais. Mas também para •espalhar sinal wifi e para registrar abusos policiais •com fotos e vídeos. •-Existe um PDF de instruções em Takethesquare: •http://bit.ly/t9hxsh •-O celular está sendo vital nas ações de guerilha do •15M, como “Yonopago” (campanha contra a subida •do preço do Metrô da Greça e Espanha) •http://es-es.facebook.com/yonopago •People Witness (Espanha) A maior rede de streamers cidadãos conectados do mundo. Bots no twitter, tutoriais •http://peoplewitness.wordpress.com/ etc •Whatsapp. O aplicativo que permite enviar SMS • sem custo tem sido usado na campanha do 15M •“Contra os privilégios da classe política” •Notícia: http://bit.ly/AC02up •Bambuser O aplicativo mais usado para fazer streaming desde telefones celulares Bambuser.com Twittcam e Twitcasting. Streaming celular conectado ao Twitter http://twitcam.com.br/ / http://pt.twitcasting.tv/ •
  19. 19. Redes alternativas de Wi-Fi A grande penetração de smart phones com conexão Internet e de 3G facilitou a força do 15M / Occupy. Mas também teve uma estragégia de expandir wifi no espaço público com tecnologia livre. Alguns casos: Nodo móvil (Espanha). Um nodo móvil que permite a conexão de Internet, outros nodos móveis e qualquer dispositivo digital. http://www.goteo.org/project/nodo-movil Guifi.net (Espanha). Rede neutra alternativa de acesso à Internet. Muito ativa no 15M Wifis.org(Espanha). Aplicativo que bota em contato vizinhos para compartilhar WI-Fi. #AbretuWiFI(Espanha). Incentivar abrir o WI-FI no espaço público com a tag. Noinet (Italia). Rede distribuida de acceso à Internet. www.noinet.eu/on Netsukuku (Italia). Convertir PCs em nodos de expansão wifi.http://netsukuku.freaknet.org VPN (Turquia). Muitas Virtual Private Networks em Istambul. Telecomix divulgou Passwords: User/Password: telecomix Host: http://vpn.rrspot.net / 31.172.42.78
  20. 20. Documentos wikis Os documentos wiki tem sido fundamentais no desenvolvimento das Revoluções globais. Mais não só como ferramentas de trabalho, se não como vínculo do território e as redes e como uma nova forma de fazer política. Alguns casos: Propongo (Espanha) Ferramenta wiki (software livre) que facilita que cada praça, assambléia, bairro, proponha coisas e discuta sobre elas. propongo.tomalaplaza.net Street vendor project (Occupy) Occupy Wall Street resolveu com um wiki um problema: as lojas de comida do lado não vendiam comida porque o movimento recebia doações. OWS pediu grana e não só comida. http://bit.ly/AjIsqN Wikipartidos, wikiconstituições (worldwide) Na Espanha nasceu um wikipartido (wikipartido.es). Outros novos partidos como Partido Pirata, Equo (equova.org) ou Partido da Internet (partidodeinternet.es) criaram seu programa em rede, com documentos wikis. O 15M está escrevendo coletivamente uma nova constituição espanhola, como Islândia fez. Partido da Red (Argentina) ou Wikipartido do México são filhos das revoltas. 15MPedia Wiki guardac huvas do 15M http://wiki.15m.cc/wiki/Portada
  21. 21. Crowd funding contra o 1% O crowd funding foi muito usado durante as revoluçoes globais. Em Occupy Wall Street (para imprimir o jornal, por exemplo), no 15M (Revista Números Rojos, revistanumerosrojos.com ou Periódico 15M) ou no #YOSOY132 (festival na praça do Zócalo). GOTEO.ORG. Filha do 15M, é uma plataforma para incentivar o crowd funding só para projetos de código aberto e para o bem comum .www.goteo.org/ 15MPARATO. Primeiro case de crowd funding coletivo (e identidade coletiva) para procesar um banqueiro (Rodrigo Rato, ex diretor do FMI) http://15mparato.wordpress.com/ TOMAPARTE. Rede de advogados anónimos conectados em rede que usam crowd funding a favor do 99% Tomaparte.es ROLLING JUBILEE. Uma campanha para hackear as dívidas das famílias lançada por
  22. 22. Open design VOCESCONFUTURA. Foi criado um blog em Tumblr para colocar online trabalhos gráficos enviados por designers do mundo inteiro. Muitas imagens foram usadas em protedtos, paredes.. http://vocesconfutura.tumblr.com/ ADBUSTERS. O papel da revista do Canadá tem sido muito importante.
  23. 23. Trolling & ARTivismo Lúdico O humor é uma arma fortísima das revoltas globais. Com bastante diferença, os Indignados da Espanha têm transformado o humor numa bomba de destruição masiva. Alguns cases: TWITTER TROLLING. Por um lado, contas coletivas super influentes como @Barbijaputa, o satíricas como @elputohelicóptero. Por outro, os milhares de contas fake de políticos, marcas e instituições, usados para confundir. Tem até uma escola de Trolling (@ikastrolla), especializada no troleo profisssional. MANIFICCIÓ. Um case de guerilla contra o poder foi a #ManiFicció de Barcelona. Convocar uma manifestão para que a policia cercasse o Banco Central Europeu. Depois desconvocar por baixo. HT #ManiFicció: https://twitter.com/search?q= %23manificcio&src=hash CIERRA BANKIA / TOQUE A BANKIA. Primeiro chegou a contrapublicidade contra a
  24. 24. Resiliência A inteligência coletiva sendo muito útil para lutar contra o poder em situações nas que não tem outra posibilidades. Quatro cases sobre resiliência (adaptação, mutação). MEMETRO (Espanha).A cooperativa MeMetro incentiva vida sem catracas. Quando alguém toma multa, a cooperativa paga. Muito mais barato que o bihete único mensal YONOPAGO (Greça /Espanha). O movimento YoNoPago [Eu não pago], nascido na Grécia, que luta contra os pedágios de estradas ou o aumento da passagem do metrô, também é uma prova de resilência. GREVE DE AUTÓNOMOS. Quando o IVA [equivalente ao Imposto Sobre Serviços brasileiro] cobra sobre
  25. 25. Plataformas ativistas em rede Algumas páginas o plataformas como Avaaz tiveram tanta importância como as redes sociais. ACTUABLE.ES. A plataforma de ciberativismo espanhola Actuable.es foi um ator fundamental desde o início de 2011. Não só serve para enviar petições. Também para criar comunidades e informar. Alguns grupos como Malestar.org nasceram de uma petição de Actuable. Uma petição de actuable contra a Junta Eleitoral que proibia o protesto na Puerta del Sol de Madri obteve 215.000
  26. 26. Culture Jamming, contra publicidade A apropiação de símbolos comercais, remix e reutilização tem uma grande tradição nos Estados Unidos. Durante Occupy Wall Street o culture jamming foi praticado intensamente. 15M espanhol também fez (ver vocesconfutura.tumblr.com), ainda que menos. Brasil fez alguns ótimos. Indico três vídeos remixados que mostram a força do culture jamming: -Vota al banco (campanha Cajero electoral) http://www.youtube.com/watch?v=z0KTEoe7MUY -Pelé corrigido http://www.youtube.com/watch?v=TEg6Jpda6LY Indico estas campanhas de contra publicidade, animaçåo, que foram virais -Aritmética20N (boicote eleitoral partidos grandes) http://www.youtube.com/watch?v=i7SdXlwOgYk
  27. 27. Cultura coletiva “À luz do 15M” espanhol nasceram vários projetos onde a autoria individual desaparece e nasceu uma criação coletiva. BOOKCAMPING.CC e VIDEOCAMPING.CC São bibliotecas colaborativas (livros e vídeo), a maioria das obras tem licenças Abertas. FUNDACIÓN ROBO (fundacionrobo.org). Músicos, identidade coletiva, copyleft. ASALTO. Literatura coletiva (http://www.fundacionrobo.org/asalto/) LAS PLAZAS INVISIBLES. Literatura coletiva do Italo Calvino + o 99%. http://lasplazasinvisibles.wordpress.com/ 15M.CC. E um projeto transmedia de livro, documentário e web que pretende pesquisar que é o movimento 15M. Creative Commons.O documentário tem imagens enviadas por qualquer pessoa. Além, vai ter uma nuvem com horas / dias /meses de imagens, para que qualquer pessoa faça o documentário que quiser.
  28. 28. Dados abertos •O movimento global de Open Data tem tido uma influência •grande nas revoluções globais. Algumas ferramentas surgidas antes ou durante do 15M, Occypy Wall Street ou as revoltas do Brasil Dondevanmisimpuestos.es. Visualização de impostos. Monquartier.heroku.com Dados de bairros / cidades. Sena2.info Controle de senadores. Tuderechoasaber.es Ferramenta de acceso à dados. Parlamento.openpolis.it (Italia) e opendatacongreso.org (Espanha). Controle dos deputados. #Adoptaunsenador, #AdoptaUndiputado. (Espanha-México) Campanha cidadã para organizar a declaração de bens dos políticos. http://bit.ly/pKruGD Occupydata.Visualizações de datos públicos, Transparência http://bit.ly/sHXIO8sd 15Mdatanalysis http://datanalysis15m.wordpress.com/ Visualizações e estudos ao redor do big data do 15M. Transparencia hacker. Campanha transparência Ônibus SP ttps://www.change.org/transporteSP
  29. 29. Demo4punto0 É um projeto que incentiva um sistema híbrido de votações, uma mistura de físico e virtual. Está sendo adoptado por Democracia Real Ya. -Por cada 100.000 cidadãos que votem uma proposta política, seria tirada uma cadeira do parlamento (350 cadeiras), proporcionalmente para cada grupo. www.demo4punto0.net
  30. 30. Realidad aumentada •O coletivo Space Vandals (Barcelona) criou um projeto de realidade aumentada na •Plaza Catalunya (onde ficou o acampamento em maio – junho). Espalharam tags •na praça, legíveis com leitores de códigos QR. Os usuários são direcionados à uma •“ciberacampada”, com frases, desigs e consignas. Foi usado o aplicativo Layar.com. • •www.nohaypan.org
  31. 31. @bernardosampa

×