O CORTIÇO - AULA

4.596 visualizações

Publicada em

PROF. PAULO PIMENTEL
OPERAÇÃO UNEMAT 2012

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.596
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.261
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
88
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O CORTIÇO - AULA

  1. 1.        O  CORTIÇO  –  ALUÍSIO  AZEVEDO  
  2. 2. CARACTERÍSTICAS  DO  NATURALISMO  
  3. 3. 1881  –  O  Mulato  –  Aluísio  Azevedo    •  Proletariado;  classes  suburbanas.  •  Análise  comportamental.  •  Homem  =  animal.  •  MoLvação  pelo  insLnto.  •  Aspectos  torpes  e  degradantes.    
  4. 4.  •   O   mundo   pode   ser   explicado   através   das   forças  da  natureza.  •   O   ser   humano   está   condicionado   às   suas  caracterísLcas   biológicas   (hereditariedade)   e   ao  meio  social  em  que  vive.  •   Forte   influência   do   evolucionismo   de   Charles  Darwin.  •   A   realidade   é   mostrada   através   de   uma   forma  cien]fica  (influência  do  PosiLvismo).  •   Nas   artes   plásLcas,   por   exemplo,   os   pintores  enfaLzam   cenas   do   mundo   real   em   suas   obras.  Pintavam  aquilo  que  observavam.  
  5. 5. •   Na   literatura,   ocorre   muito   o   uso   de  descrições  de  ambientes  e  de  pessoas.  •   Ainda   na   literatura,   a   linguagem   é  coloquial;  •   Os   principais   temas   abordados   nas  obras   literárias   naturalistas   são:  desejos   humanos,   insLntos,   loucura,  violência,   traição,   miséria,   exploração  social,  etc.    
  6. 6.              ALUÍSIO  AZEVEDO   (1857  –  1913)  
  7. 7. 1ª  Fase:  RomânLca      2ª  Fase:  Naturalista    1881  -­‐  O  Mulato:  foco  no  indivíduo    1884  -­‐  Casa  de  Pensão:  indivíduo  X  coleLvo    1890  -­‐  O  CorLço:  Foco  no  coleLvo  
  8. 8. O  CORTIÇO  
  9. 9. HOMEM  PORTUGUÊS:    •  Enriquece  em  Portugal:  Miranda;    •  Enriquece  no  Brasil:  João  Romão    •  Não  Enriquece:  Jerônimo  
  10. 10. João  Romão:      -­‐  Capitalista  -­‐  Explorador  -­‐  Trapaceiro  -­‐  Visionário    
  11. 11. BERTOLEZA:    -­‐  Negra/  escrava  fugida  -­‐  Explorada  -­‐  “VíLma  alegórica”  -­‐  Mulher  Brasileira:        Trabalho  X  Sexo  (Rita  Baiana)  
  12. 12. •  Protagonista  =  O  próprio  CorLço  •  Protagonista  =  João  Romão  (cérebro)  •  Sobrado  (ricos)  X  corLço  (pobres)  •  Galeria  de  misérias:    •  sexo;      •  marginalidade;      •  violência;      •  exploração;      
  13. 13. Homossexualismo   X  Homossexualidade  
  14. 14. ROMANCE  DE  TESE:    Determinismo  (Taine):  O  ser  humano  é  determinado   pelo   meio/   sociedade,  época/  tempo  e  biologia/raça.    Evolucionismo   (Darwin):   Só   os   mais  aptos  e  adaptáveis  sobrevivem.  
  15. 15. Mulher:    •  Submissa  -­‐  Pobre:  Bertoleza  -­‐  Rica:  Zulmira    •  Assimilada  -­‐  pobre:  Rita  Baiana  -­‐  rica:  Estela    •  “Livre”  -­‐  sem  disLnção:  Pombinha  e  Leónie  
  16. 16.   Eram   cinco   horas   da   manhã   e   o   corLço   acordava,   abrindo,  não   os   olhos,   mas   a   sua   infinidade   de   portas   e   janelas  alinhadas.     Um   acordar   alegre   e   farto   de   quem   dormiu   de   uma  assentada  sete  horas  de  chumbo.  Como  que  se  senLam  ainda  na   indolência   de   neblina   as   derradeiras   notas   da   ulLma  guitarra   da   noite   antecedente,   dissolvendo-­‐se   à   luz   loura   e  tenra  da  aurora,  que  nem  um  suspiro  de  saudade  perdido  em  terra  alheia.     A   roupa   lavada,   que   ficara   de   véspera   nos   coradouros,  umedecia  o  ar  e  punha-­‐lhe  um  farto  acre  de  sabão  ordinário.  As   pedras   do   chão,   esbranquiçadas   no   lugar   da   lavagem   e   em  alguns   pontos   azuladas   pelo   anil,   mostravam   uma   palidez  grisalha  e  triste,  feita  de  acumulações  de  espumas  secas.  
  17. 17.  Entretanto,  das  portas  surgiam  cabeças  congesLonadas  de  sono;   ouviam-­‐se   amplos   bocejos,   fortes   como   o   marulhar   das  ondas;  pigarreava-­‐se  grosso  por  toda  a  parte;  começavam  as  xícaras   a   Llintar;   o   cheiro   quente   do   café   aquecia,  suplantando   todos   os   outros;   trocavam-­‐se   de   janela   para  janela   as   primeiras   palavras,   os   bons-­‐dias;   reatavam-­‐se  conversas   interrompidas   à   noite;   a   pequenada   cá   fora  traquinava  já,  e  lá  dentro  das  casas  vinham  choros  abafados  de  crianças  que  ainda  não  andam.  No  confuso  rumor  que  se  formava,  destacavam-­‐se  risos,  sons  de  vozes  que  altercavam,  sem   se   saber   onde,   grasnar   de   marrecos,   cantar   de   galos,  cacarejar  de  galinhas.  De  alguns  quartos  saiam  mulheres  que  vinham  pendurar  cá  fora,  na  parede,  a  gaiola  do  papagaio,  e  os   louros,   à   semelhança   dos   donos,   cumprimentavam-­‐se  ruidosamente,  espanejando-­‐se  à  luz  nova  do  dia.  
  18. 18.  Daí  a  pouco,  em  volta  das  bicas  era  um  zunzum  crescente;  uma  aglomeração   tumultuosa   de   machos   e   fêmeas.   Uns,   após   outros,  lavavam   a   cara,   incomodamente,   debaixo   do   fio   de   água   que  escorria   da   altura   de   uns   cinco   palmos.   O   chão   inundava-­‐se.   As  mulheres  precisavam  já  prender  as  saias  entre  as  coxas  para  não  as   molhar;   via-­‐se-­‐lhes   a   tostada   nudez   dos   braços   e   do   pescoço,  que   elas   despiam,   suspendendo   o   cabelo   todo   para   o   alto   do  casco;   os   homens,   esses   não   se   preocupavam   em   não   molhar   o  pêlo,   ao   contrário   meLam   a   cabeça   bem   debaixo   da   água   e      esfregavam   com   força   as   ventas   e   as   barbas,   fossando   e   fungando  contra  as  palmas  da  mão.  As  portas  das  latrinas  não  descansavam,  era   um   abrir   e   fechar   de   cada   instante,   um   entrar   e   sair   sem  tréguas.  Não  se  demoravam  lá  dentro  e  vinham  ainda  amarrando  as  calças  ou  as  saias;  as  crianças  não  se  davam  ao  trabalho  de  lá  ir,  despachavam-­‐se   ali   mesmo,   no   capinzal   dos   fundos,   por   detrás   da  estalagem  ou  no  recanto  das  hortas.  
  19. 19.   Durante   dois   anos   o   corLço   prosperou   de   dia   para   dia,   ganhando  forças,  socando-­‐se  de  gente.  E  ao  lado  o  Miranda  assustava-­‐se,  inquieto  com   aquela   exuberância   brutal   de   vida,   aterrado   defronte   daquela  floresta   implacável   que   lhe   crescia   junto   da   casa,   por   debaixo   das  janelas,  e  cujas  raízes,  piores  e  mais  grossas  do  que  serpentes,  minavam  por  toda  a  parte,  ameaçando  rebentar  o  chão  em  torno  dela,  rachando  o  solo  e  abalando  tudo.     Posto   que   lá   na   Rua   do   Hospício   os   seus   negócios   não   corressem  mal,   custava-­‐lhe   a   sofrer   a   escandalosa   fortuna   do   vendeiro   "aquele  Lpo!   um   miserável,   um   sujo,   que   não   pusera   nunca   um   paletó,   e   que  vivia  de  cama  e  mesa  com  uma  negra!"     À   noite   e   aos   domingos   ainda   mais   recrudescia   o   seu   azedume,  quando   ele,   recolhendo-­‐se   faLgado   do   serviço,   deixava-­‐se   ficar  estendido  numa  preguiçosa,  junto  à  mesa  da  sala  de  jantar,  e  ouvia,  a  contragosto,  o  grosseiro  rumor  que  vinha  da  estalagem  numa  exalação  forte   de   animais   cansados.   Não   podia   chegar   à   janela   sem   receber   no  rosto   aquele   bafo,   quente   e   sensual,   que   o   embebedava   com   o   seu  fartum  de  bestas  no  coito.  

×