O slideshow foi denunciado.

BRASIL COLÔNIA: EXPANSÃO TERRITORIAL, OCUPAÇÃO DE TERRITÓRIO E TRABALHO

12.549 visualizações

Publicada em

  • How are you today,
    i hope fine,my name is miss blessing, i saw your profile today at (www.slideshare.net) and i became interested in you i will also like to know more about you, and i will like you to send an email to me so that i can send my photos to you, remember that distance, color or language does not matter but love matters allot in life, am waiting for your reply in my E-mail ID at blessingandrew3@yahoo.com have a nice day yours blessing.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

BRASIL COLÔNIA: EXPANSÃO TERRITORIAL, OCUPAÇÃO DE TERRITÓRIO E TRABALHO

  1. 1. BRASIL COLÔNIA:EXPANSÃO TERRITORIAL, OCUPAÇÃO DE TERRITÓRIO E TRABALHO
  2. 2. A ocupação do Brasil foi causada por expansãocomercial e não pressão demográfica.Fatores de atração e não de empurre.
  3. 3. A descoberta do Brasil “de iníciopareceu ser episódio secundário.”Ocupar o Brasil significava um alto custode oportunidade
  4. 4. No entanto o ouro nas colônias espanholas (México e Peru) mantém o interesse português.Outros países também passam a quererocupar terras no Mundo Novo.
  5. 5. Ocupação das terras.Tratados eram letra morta. Só ocupaçãogerava posse.O valor das terras era nulo.Pau Brasil - Miragem do ouro mantéminteresse português e força Portugal adefender sua posse.
  6. 6. Produção de açucarSe não tivesse sido possível produziraçúcar dificilmente Portugal teria tidocomo resistir à pressão dos outros países.Produção de açúcar no Brasil foi aprimeira produção agrícola na América.Antes havia extração, espoliação oucomércio.
  7. 7. ocupação da colônia brasileiraOcupação e posse.Terra sem valor.Esperança de futuros tesouros.Custo de oportunidade.Medo de ocupação estrangeira
  8. 8. Condições necessárias (porém nãosuficientes) para que fosse possívelproduzir açúcar economicamente noBrasil.
  9. 9. Fatores do Êxito da Empresa Agrícola
  10. 10. I - Tecnologia.Experiência obtida na produção nas ilhas do Atlântico.
  11. 11. II - Experiência e organização comercial. Holandeses dominavam a comercialização do açúcar brasileiro.
  12. 12. III - Demanda. Criação de um mercado paraaçúcar também foi realizada com grande participação Holandesa.
  13. 13. IV - Financiamento. Novamente os Holandeses foram instrumentais na provisão definanciamento. Não só para refino e comercialização, mas mesmo para produção e transporte.
  14. 14. V - Mão de Obra. Salários eram inviáveis e terranada valia. Havia pouca oferta em Portugal. Portugal já tinha experiência comescravos através de seus negócios na África.
  15. 15. V - Mão de Obra.Escravos indígenas foram usados.Alta rentabilidade do açúcar tornoupossível usar escravos importados.
  16. 16. VI – LATIFÚNDIOS Havia muita terra.Por que não aproveitá-la? Controle da produção. Plantations
  17. 17. VII – Monocultura Se o açúcar era a especiariadesejada na Europa, um produto que faria da colônia um investimento lucrativo.Por que produzir outro produto?
  18. 18. Outras condições:Clima apropriado.Terras apropriadas.Ausência de concorrência.
  19. 19. A Tríade: Monocultura LatifúndioTrabalho escravo
  20. 20. Sub-ciclosFumo – moeda de troca juntamente com aaguardentePecuáriaAlgodãomandioca
  21. 21. SOCIEDADERuralPatriarcal
  22. 22. FIM DA UNIÃO IBÉRICALuta contra Holandeses que invadiramPernambuco em 1630 e que são expulsosapenas 14 anos depois do final da União“Os holandeses não se tinham apoderado doBrasil com a intenção de o colonizar (...) movia-os, sobretudo o interesse mercantil. Haviam-nosatraído os grandes lucros do açúcar, fabricadonos engenhos que os portugueses tinhamfundado nas terras tropicais.” (MENDONÇA &PIRES, 2002, P. 76)
  23. 23. A concorrência AntilhanaHolandeses expulsos se instalam nas ilhas doCaribeCom o conhecimento técnico do cultivo eprocessamento e dominando a distribuiçãoeuropéia do produto, holandeses e mais tardesoutros (franceses) quebram o monopólioportuguêsNa segunda metade do século XVII, Portugalexporta apenas metade do que exportava nocomeço do século ao mesmo tempo que ospreços continuavam em declínio
  24. 24. O declínio da economia açucareira Há aumento das dificuldades econômicas e sociais na Metrópole, aumentando também as pressões sociais e os desequilíbrios externos, forçando uma desvalorização cambial da moeda portuguesa A desvalorização da moeda promove certo alívio para a economia exportadora, porém aumentam problemas nas regiões mais pobres, tanto de Portugal quanto do Brasil
  25. 25. O declínio açucareiroA auge do açúcar foi em 1650. Depois o volume das exportações médiasanuais cai para a metade do preço nosmelhores anos.Os preços caem pela metade.A renda real se reduziu a um quarto darenda real anterior.
  26. 26. MINERAÇÃOCICLO DO OURO
  27. 27. INTERIORIZAÇÃOCriação de gadoAtividade complementar ao açúcarExpansão dos engenhos, escasseamentodas terras do litoralRiqueza móvelNo sul, trazidos pelos jesuítas.
  28. 28. AmazôniaJesuítas – século XVIIMissõesEspeciarias e drogasDinheiro para o sustentoAuxílio do índios
  29. 29. Entradas e BandeirasEntradas: organizadas pelo governoseu centro principal de propagação no litoralnordestino, saindo da Bahia e de Pernambucopara o interior em missão geralmente oficial demapeamento do território. A atuação dasentradas estende-se do Nordeste à Amazônia eao Centro-Oeste, abrangendo ainda áreaspróximas do Rio de Janeiro.
  30. 30. Bandeiras: iniciativa privadaOs paulistas, vivendo numa pobrecidadezinha do interior, no planalto, longedo açúcar, longe dos rebanhos e do pau-brasil, buscavam sua subsistência nacaça ao índio.Monções - fluviais
  31. 31. MINERAÇÃONa Passagem do Século XVII para o XVIII sãodescobertas ricas jazidas de ouro no centro-suldo Brasil;-Coroa Portuguesa direciona seu interesse parao Brasil;-Região de minas: Atual Minas Gerais; Goiás eMato Grosso. Minas se espalham e atraemmigrantes (portugueses à caça de fortunha,nordestinos e aventureiros de outras regiões doBrasil); novas vilas, como Vila Rica e OuroPreto, são criadas;
  32. 32. -O Quinto: a exportação de ouro era livre, massujeita ao pagamento de um quinto do totalexplorado; surgem 1720 as casas de fundição,que transformavam o ouro em barras timbradas esobre as quais incidia o imposto. Em 1765 éinstituída a Derrama: em caso de déficit naprodução, os moradores tinham seus bensconfiscados para cobrir o valor estipulado para oquinto.-Período Áureo: 1735 a 1754. Produção anual:14.500kg.
  33. 33. -Diversificação social; novas relações de trabalho epossibilidade de escravos ficarem com uma certaquantidade do ouro que encontravam (compra dealforria).-No final do ciclo, volume enviado para Portugal caipara 4.300kg/ano.-A exploração de diamantes (Diamantina) também foiexpressiva.
  34. 34. Efeitos da Economia MineradoraAumento rápido da população colonial.Ampliação da ocupação territorial em direção aointerior.Propensão à urbanização.Formação de mercado interno.Acentuação da divisão social do trabalho.Estreitamento dos vínculos econômicos inter-regionais

×