BRASIL -BR – TAMUZ DE 5771 (Julho de 2011)                        ANO II – 66ª Edição     “ Tudo se ilumina para aquele qu...
PARASHÁ HASHAVÚA – “BALAQ”A parashá começa por relatar que Balak, rei de Moav, viu que o Povo de Israel tinha vencido os a...
E terminou por louvá-lo. Isto desagradou a Balak e decidiu levar Bilam acima do monte Pisgá, acreditandoter melhor sorte n...
Fez isso como zombaria - zombando de Dus, do povo judeu, e de tudo aquilo além do reino deste mundofísico. Porém a mensage...
MIDRASHIMOs moabitas escolhem Balac como líder contra o povo judeuQuando os judeus chegaram às imediações de Moav, os resi...
Depois de deixar a casa de seu sogro, Moshê destruiu a nação do Egito inteira! Os judeus não precisam dearmas ou de um gra...
Similarmente, Bilam sabia a hora exata em que uma maldição pode ser efetiva, e Balac sabia o local de ondedeveria ser pron...
Dus perguntou a Bilam: "Quem são esses (perversos) homens que estão com você?"Esta pergunta era um teste para Bilam, que d...
Quando Balac ficou sabendo da resposta de Bilam, disse: "Bilam não está satisfeito com minha oferta. Devemosoferecer-lhe m...
A segunda profecia de Bilam: a grandeza do povo judeu os protege contra maldições"Levante-se, Balac, e ouça, escute-me, Oh...
Você, Balac, disse-me para amaldiçoar os judeus com meus poderes de impureza. Como posso amaldiçoar umpovo cujo Dus está c...
"Chegará uma época na qual dirão a Yaacov e a Israel: O que Dus operou?"1. Na época de Mashiach, Dus realizará milagres pa...
Balac levou Bilam a um local diferente, onde, no futuro, os judeus adorariam o ídolo Báal Peor. Balac previuque os judeus ...
Bilam descreveu Mashiach como uma estrela que traça sua órbita de um extremo do universo a outro, parasimbolizar que Mashi...
"Mesmo se os Kenim se desencaminharem, quão longe a Assíria te carregará cativo?"Bilam continuou a dirigir-se aos Kenim, a...
Balac e os nobres de Midyan decidiram levar a cabo o plano de Bilam para fazer os homens judeus pecarem.Ordenaram que suas...
O judeu entraria na barraca e encontraria uma jovem e atraente midyanita, que pedia um preço bem baixopelas mesmas mercado...
E contudo, como resultado do hediondo plano de Bilam, havia judeus que concordaram em adorar esseídolo. Por isso, a ira do...
O ato corajoso de PinechasO neto de Aharon, Pinechas, observava a cena, fervendo de indignação.Dirigindo-se a Moshê, inqui...
Dus realizou doze milagres para proteger Pinechas e demonstrar que este agira corretamente. Por exemplo,a ponta de ferro d...
PEDIDOS –“refuát hanefesh urefuát hagúf”Pedimos que rezem pelo pronto restabelecimento de:Margarida Dias da Silva
ANUNCIE AQUIVOCÊ DE CAMPINAS E REGIÃO QUE NÃO TEM ACESSO FÁCIL À ARTIGOS JUDAICOS TAIS COMO, LIVROS, TORÁ,    VINHOS, VELA...
NOTÍCIAS
NOTÍCIASStrauss-Kahn, de 62 anos, judeu-francês, envolvido no caso de suposto assedio   sexual num hotel em NY, poderá vol...
NOTÍCIASUma família ultra-ortodoxa mostrou uma galinha de quatro patas que nasceu em      sua casa, no bairro de Mea Shear...
- CULINÁRIA SEFARADI -COALHADA SECA COM AZEITONAINGREDIENTES3 litro(s) de leite3 colher(es) (sopa) de sal1 copo(s) de iogu...
HUMOR JUDÁICO – KAKAKAKA... É PIADA... NÃO LEVEM TÃO À SÉRIO GENTE !!!                               KAKAAKAKSamuel está n...
A OBRA DO RESGATE PELO BRASIL Registramos aqui o contato da nossa leitora ilustre, Dona Rosimar M. Teixeira de Caruaru - P...
A OBRA DO RESGATE PELO BRASILFoi realizada mais um Kabalat Shabat na residência dos queridos Iranildo Lopes (Yaacov) e Ana...
ANÚNCIOS      INFORMAMOS AOS LEITORES, QUE SE ENCONTRA DISPONÍVEL UMA ÓTIMA FONTE DE    PESQUISA E ESTUDOS, O SITE MEMORIA...
PROPOSTA PARA OS BENEI ANUSSIM DO BRASILShalom Rav para todos !É indiscutível que muitas pessoas tem desempenhado trabalho...
Assim sendo, o que o Guilherme propôs é o seguinte:Segundo ele, um amigo da Comunidade de Campina Grande na Paraíba, entro...
HA –LAPID                      BRASILÉ um periódico semanal nascido na Associação Morashá Benei Ia’aqob do Varjão, Brasíli...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Periodico Semanal - Halapid 66 yaacob tsur

390 visualizações

Publicada em

Periodico Semanal HaLapid
Edição 66

Publicada em: Espiritual, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
390
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Periodico Semanal - Halapid 66 yaacob tsur

  1. 1. BRASIL -BR – TAMUZ DE 5771 (Julho de 2011) ANO II – 66ª Edição “ Tudo se ilumina para aquele que busca a luz” (Ben Rosh) HA–LAPID BRASIL IDEALIZADOR: Elias José Lourenço EDITOR:Tiago da Rocha Sales (Ia’aqob Tsur) COLABORADOR: Rodolfo Luz Penteado (Yeshaiahu Zeev HaOr)COMUNICADO:O presente periódico visa dar continuidade à missão iniciada pelo Capitão Barros Bastos Z”L, que com afinco criou o “Ha -Lapid” de Porto –Pt.
  2. 2. PARASHÁ HASHAVÚA – “BALAQ”A parashá começa por relatar que Balak, rei de Moav, viu que o Povo de Israel tinha vencido os amoritas e seatemorizou. Sabia que era um povo numeroso e temia ser invadido por eles e para evitá-lo alheou-se aosmidianitas. Enviou também mensageiros a Bilam, que vivia em Petor, que era profeta, para que osmaldissesse.Bilam pediu aos enviados que pernoitassem ali, pois ele consultaria o Eterno para saber se poderia fazê-lo ehavendo o Eterno D’us aparecido durante a noite indicou-lhe que não fizesse nada contra o povo, nem quetampouco acompanhasse os mensageiros. E assim fez.Balak considerou que um segundo convite sortiria um maior efeito e enviou outra delegação, maior e maisprestigiosa que a anterior que levava maiores recompensas. Novamente Bilam pediu que permanecessem essanoite com ele, para voltar a consultar o Eterno. Nesta oportunidade recebeu como resposta que fosse com osmensageiros mas que apenas falasse o que o Eterno lhe indicasse.Na manhã seguinte albardou o seu burro e dirigiu-se a Balak. No trajecto aparaceu-lhe um anjo que lheobstruiu o caminho. Apenas o asno viu o anjo do Eterno e desviou-se do caminho pelo que Bilam castigou-amas novamente o anjo não o permitiu continuar o caminho. Depois Bilam viu o anjo e prostrou-se e repetiu-lhe que apenas falaria as palavras do Eterno.Uma vez chegado até Balak, este ofereceu-lhe uma festa em sua honra. Na manhã seguinte foram à colina deBaal, para que Bilam visse dali o acampamento do Povo de Israel. Bilam pediu que se construíssem setealtares e que sacrificassem um carneiro e um boi em cada um eles e consultou Hashem, que pôs as Suaspalavras nele e no seu discurso disse: Porque é que ia a maldizer a quem Hashem não maldiz?
  3. 3. E terminou por louvá-lo. Isto desagradou a Balak e decidiu levar Bilam acima do monte Pisgá, acreditandoter melhor sorte nesse lugar. Mas novamente Bilam o decepcionou uma vez que voltou a bendizer o Povo deIsrael. Balak pediu a Bilam que desistisse do seu pedido e finalmente Bilam predisse que esse Povo seriasoberano e que venceria Moav, Edom e Amalek.Os Benei Israel acamparam posteriormente em Shitim, onde as mulheres moabitas provocaram os israelitaspara se unirem a elas, adorando idolatrias e imoralidades. O Eterno ordenou a Moshé sentencear à morteos pecadores e fê-lo mediante uma praga. Então Pinchás, filho de Eleazar, o Cohén Gadol, viu um BeneiIsrael que mantinha relações com uma midianita e decidiu matá-los a ambos com uma lança. Durante otempo que durou a praga morreram vinte e quatro mil israelitas. (Messilót Hatorá – www.mesilot.org.pt)MENSAGEM DA PARASHÁO Talmud (Tratado Berachot 12b) declara que os Sábios queriam incluir a porção Balac desta semana daTorá em nosso recital diário da prece fundamental Shemá. A questão, é claro: por que? O que há de tãoespecial na Porção Balac da Torá para justificar que seja recitada diariamente em uma de nossas precesmais importantes? A resposta pode ser encontrada em um versículo em particular - "Eles são uma naçãoque se levanta como um jovem leão" (Bamidbar 23:24).O Sfas Emes explica que os rabinos consideraram este versículo tão importante porque representa uma dasmais elevadas aclamações do povo judeu. Como o leão, somos uma nação que sempre se levanta; nãoimporta o quanto caímos, sempre nos levantamos. Isso é o que são os judeus, e é o traço de caráter do qualmais nos orgulhamos. Somos um povo que se ergue das cinzas. Essa é uma qualidade expressa por qualquerum que tenha alguma ligação com uma família que passou pelo Holocausto, e sobrevive hoje para chamar-se judeu.Nos campos de concentração, Eichmann tirou a cortina de uma Arca Sagrada e colocou-a sobre a entradada câmara de gás. Sobre ela estava escrito o versículo: "Este é o portão para Dus; os justos passarão porele."
  4. 4. Fez isso como zombaria - zombando de Dus, do povo judeu, e de tudo aquilo além do reino deste mundofísico. Porém a mensagem era bem verdadeira - os judeus que passaram por aquela cortina tornaram-sejustos.Eichmann e os nazistas desapareceram há muito tempo, mas colocamos de volta aquela cortina em nossasarcas. Erguemo-nos novamente como um leão, e existem agora mais cortinas e mais sinagogas para colocá-lasdo que jamais houve antes. Não importa quantas vezes possamos cair, sempre nos levantamos novamente.Esta é a característica do povo de Israel. Os profetas chamam-nos de "uma nação de sobreviventes."O Rei Salomão escreveu: "Um justo que cai sete vezes e se levanta novamente" (Mishlê 24:16). O que é,exatamente, um justo? Um indivíduo justo não é necessariamente quem jamais comete pecado, mas sim apessoa que peca e levanta-se novamente.Esta é a mensagem que Rabi Yitschac Hutner escreveu a um de seus alunos que estava desanimado sobre suaaparente falta de conquistas e desenvolvimento espirituais. Rabi Hutner disse-lhe: "Não desista. É disso quetrata a vida - as batalhas, os conflitos. Nossos sábios dizem que o único modo de tornar-se um indivíduo justoé após a queda. Isso é o que o torna melhor. O crescimento vem apenas com conflito. Não é automático. Àsvezes você precisa perder algumas batalhas antes de vencer a guerra."É disso que trata a teshuvá, retorno ao caminho de Torá e mitsvot. Haverá batalhas, retrocessos, conflitos eperdas. Mas temos de nos levantar outra vez. É uma lição na história judaica e uma lição a cada um de nós.Às vezes, nós, como judeus, podemos estar dormindo. Podemos passar anos sem cumprir mitsvot. E entãodespertamos como um leão e mudamos. Somos uma nação que não é derrotada, uma nação de sobreviventes.É devido a esta característica que ainda estamos aqui hoje. (www.chabad.org.br)SHABAT SHALOM !!!
  5. 5. MIDRASHIMOs moabitas escolhem Balac como líder contra o povo judeuQuando os judeus chegaram às imediações de Moav, os residentes locais tremeram. O rei de Moav ouvira anotícia de que os judeus derrotaram as nações que não lhes deram passagem, vencendo os poderosos gigantesSichon e Og. Moav também negara permissão para os judeus passarem por suas terras, e era uma naçãoainda menor que aquelas já conquistadas pelos judeus.Apesar deles saberem que a chegada do povo judeu não representava perigo a suas vidas (pois ouviram queDus proibira Moshê de travar guerra contra Moav), ainda assim, os moabitas apavoravam-se que sua terrafosse saqueada. Também temiam que o povo judeu exterminasse todos os vizinhos a sua volta.Sobretudo, os moabitas portavam o antigo ódio contra o povo judeu.O que podiam fazer frente a esse "perigo"? Primeiro, fizeram as pazes com seus vizinhos midyanitas, fazendouma coalizão para lutar contra os judeus. Depois, elegeram um novo rei, Tsur, que era uma pessoa sábia eforte. Uma vez que Tsur não era de estirpe real, porém um mero nobre, tampouco um moabita nativo, masum midyanita, não seria elegível para o cargo em tempos normais. Agora, no entanto, sua reputação comopoderoso herói de guerra e um mágico superior compeliram sua escolha. Eleito, seu nome passou a ser Balac,e sua tarefa, encontrar uma maneira de vencer os judeus.Apesar dos moabitas esperarem que organizasse um exército para guerrear, Balac anunciou: "Não faz sentidolutar contra os judeus, porque perderemos. Suas vitórias são extraordinárias! Enquanto lutavam contraSichon, seu líder conseguiu deter o sol em sua trajetória. Descubramos onde reside seu poder secreto!"Os moabitas sabiam que Moshê passara anos em Midyan, na casa de Yitrô. Enviaram mensageiros aos sábiosde Midyan, indagando: "Revelem-nos como os inimigos podem vencer os judeus. Moshê viveu muitos anosaqui, talvez vocês conheçam o segredo de seu sucesso."Os sábios responderam: "De fato, Moshê foi nutrido em nosso seio. Um midyanita convidou-o a sua casa,concedeu-lhe a filha em casamento e proveu-lhe dinheiro.
  6. 6. Depois de deixar a casa de seu sogro, Moshê destruiu a nação do Egito inteira! Os judeus não precisam dearmas ou de um grande exército. Seu poder está em sua palavra. Simplesmente, Moshê pronuncia o Nome deDus, e seus inimigos morrem. Os judeus vencem as guerras porque oram pela vitória.""Combata os judeus exatamente com o mesmo método. Nosso conselho é que convoque Bilam, cujo poder dafala iguala-se ao de Moshê."Os poderes mágicos de BilamA fama de Bilam como profundo filósofo e intérprete profissional de sonhos era internacional. Mais tarde,também se tornaria conhecido como mágico de poderosos efeitos. Reis de perto e de longe pagavam-lhe somasfabulosas para pronunciar maldições sobre seus adversários, ou outorgar-lhes bênçãos de sucesso.Balac estava pessoalmente convencido do poder de Bilam, por que há anos Bilam profetizara que Balactornar-se-ia rei, e agora, as palavras de Bilam tornaram-se realidade. Além disso, desde que o rei Balac eramelhor mágico que todos os habitantes de Moav (que eram todos proficientes nesta arte), ele, mais quequalquer outro, apreciava o domínio de Bilam sobre as forças da impureza.Balac escolhera convidar Bilam para amaldiçoar os judeus, pois acreditava que estes estavam sujeitos àsforças naturais (mazal), como todas as outras nações. (Não se dava conta de que os judeus estão sob aProvidência direta de Dus.) Se o próprio Balac era feiticeiro, por que precisava de Bilam?De fato, a perícia de um completava a do outro. Balac era instruído em assuntos práticos; por exemplo, podiadeterminar exatamente onde alguém deveria postar-se para amaldiçoar efetivamente. Bilam possuía as chavesinteriores, as palavras apropriadas com as quais amaldiçoar. A quem os dois podem ser relacionados?Um (Bilam) era como um cirurgião que podia manejar o bisturi, mas não estava familiarizado com as partesdo corpo. O outro (Balac) era como um anatomista que consegue identificar o órgão doente, porém não poderealizar a cirurgia. Juntos, poderiam empreender uma operação.
  7. 7. Similarmente, Bilam sabia a hora exata em que uma maldição pode ser efetiva, e Balac sabia o local de ondedeveria ser pronunciada.O Talmud relata que, todos os dias, há um momento em que Dus fica irado. Isto significa que é justamentenesta hora que Ele julga os pecadores. Evidentemente, aquele que é culpado de transgressão, fica maisvulnerável nesta hora. Bilam tinha o dom de saber exatamente quando ocorriam estes momentos. Umamaldição proferida nestes instantes poderia expor sua vítima ao julgamento Divino. Balac concluiu: "Que euconvoque Bilam! Juntos, sobrepujaremos o povo judeu."A magia pode prejudicar um judeu? O Talmud nos conta a seguinte história:Certa vez, uma bruxa queria matar Rabi Chaniná com magia. Para que a magia surtisse efeito, ela precisavapegar o pó de sob os pés de Rabi Chaniná.Sem medo algum, Rabi Chaniná disse: "Pegue o pó e comprove! A magia não fará efeito. Sei que "Não háoutro, só Dus!" Uma vez que Rabi Chaniná tinha plena certeza de que a magia não podia mudar o que Dusordena, a feiticeira foi incapaz de prejudicá-lo.Dus fala com BilamÀ noite, Dus apareceu a Bilam e falou com ele.Em honra aos judeus, Bilam recebeu uma profecia, mesmo sendo um perverso. Geralmente, Bilam percebiaDus através de seus poderes de feitiçaria. Agora, pela primeira vez, Dus concedeu-lhe uma visão proféticaatravés do espírito sagrado de profecia. Apesar do impuro Balac não ser merecedor de elevação, Dusconcedeu-lhe uma visão profética em honra aos judeus. Às vezes, Dus revela-Se aos perversos por causa dostsadikim. Assim, Ele falou a Lavan num sonho profético em prol de Yaacov; e ao rei filisteu Avimêlech pelomérito de Avraham.Mesmo assim, Dus não falou com Bilam da mesma forma como falava com os profetas judeus. Mandou umanuvem que O separava de Bilam, que não podia ver o esplendor da Shechiná (Presença Divina).
  8. 8. Dus perguntou a Bilam: "Quem são esses (perversos) homens que estão com você?"Esta pergunta era um teste para Bilam, que deveria ter respondido: "Mestre do Universo, Você é Onisciente;Você não precisa me perguntar quem são.“ Porém, fervia de desejo de amaldiçoar os judeus, Bilaminterpretou mal a pergunta de Dus, como uma indicação de que Ele não está sempre consciente do queacontece nesta terra. "Nesses momentos," pensou, "minhas maldições podem realizar-se."Respondeu arrogantemente: "Balac filho de Tsipor, rei de Moav, enviou-os a mim para pedir-me queamaldiçoe os judeus. (Veja como até mesmo os reis procuram minha ajuda!)."Dus desorientou Bilam propositadamente, colocando-lhe uma pergunta ambígua como punição, por Bilamter desviado sua geração.Bilam, entre outros males, inovou antros de apostas e casas de prostituição.Antes da época de Bilam, as nações gentias mantinham oficialmente um certo padrão de decência,reconhecendo que imoralidade fora uma das razões para que o Dilúvio destruísse o mundo. Bilam, ele próprioentregando-se as mais baixas formas da lascívia, ensinou à humanidade como indulgir na imoralidade.Na noite em que os sábios de Moav hospedaram-se em sua casa, apresentou-os à suas práticas imorais. Assimsendo, Dus retribuiu a Bilam desencaminhando-o.Dus replicou a indagação de Bilam: "Você não deve ir com esses homens!"O ardiloso Bilam pensou: "Talvez Ele não queira perturbar-me, um justo, a viajar para um país distante."Indagou, esperançoso: "Devo então amaldiçoar os judeus estando aqui?""Não," replicou Dus, "você não deve amaldiçoá-los de lugar algum.“ Bilam indagou: "Se assim é, deixe-me,em vez disso, abençoar os judeus" (e uma bênção em momento não oportuno equivale a uma maldição)."Eles não necessitam de sua bênção," respondeu Dus. "São abençoados através de seus patriarcas, e Eu osabençôo diariamente, sancionando a bênção sacerdotal."Na manhã seguinte, Bilam anunciou: "Dus não me permite ir com vocês". Bilam queria dar a impressão deque Dus havia lhe proibido ir porque era abaixo de sua dignidade acompanhar pessoas de tão poucaimportância; ele só podia viajar com ministros ou reis. Ele não admitiu que Dus havia lhe proibido deamaldiçoar os judeus.
  9. 9. Quando Balac ficou sabendo da resposta de Bilam, disse: "Bilam não está satisfeito com minha oferta. Devemosoferecer-lhe mais riquezas e honras!"O rei Balac escolheu uma nova delegação. Estes eram príncipes de alta estirpe real. Instruiu-os a dizer a Bilam:"Por favor, não se recuse a vir! Balac lhe pagará quantias mais altas pelos seus serviços."Desta vez, Bilam confessou aos mensageiros: "Não posso transgredir os comandos de Dus, mesmo se Balacoferecesse-me todo o ouro e prata de seus tesouros." De fato, o ladino Bilam estava indicando a exorbitante taxa queexigiria - toda a fortuna de Balac. "Esta soma não é exagerada," refletiu o ganancioso Bilam. "Muito pelo contrário,sou uma mão de obra barata. Balac contratou-me para aniquilar uma nação inteira. Se não fosse por mim, teriamobilizado e financiado um exército inteiro, o que lhe custaria muito mais que seu tesouro inteiro. Além disso, seuexército poderia não vencer a guerra, enquanto que o êxito de minhas maldições é garantido.""Pernoitem aqui hoje," disse Bilam aos príncipes moabitas. "Deixem-me ver o que mais Dus me dirá."Apesar de ter ouvido claramente Dus proibi-lo de amaldiçoar os judeus seu desejo de unir-se a Balac era tãoardente por causa da sua avidez por dinheiro e honra, que fez outra tentativa de obter permissão.Ao ver a insistência de Bilam, Dus aquiesceu, uma vez que "todo homem é levado pela senda que deseja trilhar."Uma pessoa deve implorar constantemente a Dus para mostrar-lhe o caminho apropriado a seguir. Não deve presumirque seu caminho atual é necessariamente correto, pois pode jamais descobrir a verdade. Em vez disso, uma pessoa devebuscar esclarecimentos consistentes em todos os assuntos. Se for sincero em seu desejo, receberá ajuda de Cima.Dus disse: "Perverso, sabe por que Eu quis impedi-lo de unir-se a Balac? Desejei impedir sua morte. Não desejo amorte nem mesmo de um perverso. Se insistir em seguir a trilha da destruição, então vá."Dus também permitiu a Bilam que vá para que depois não dissesse: "Dus está com medo de minhas maldições.Portanto, Ele não me deixa amaldiçoar Seu povo."Bilam ficou satisfeito com a resposta de Dus: "Assim como Ele mudou de idéia deixando-me ir," pensou, "Ele aindamudará de idéia sobre eu amaldiçoar os judeus."
  10. 10. A segunda profecia de Bilam: a grandeza do povo judeu os protege contra maldições"Levante-se, Balac, e ouça, escute-me, Oh filho de Tsipor."Não trate levianamente minha profecia, Balac. Você não deve permanecer sentado enquanto ouve aspalavras de Dus. Levante-se e fique de pé!"Dus não é um homem, para que Ele seja falso, nem um ser humano que Se arrependa."Um homem às vezes faz uma promessa, e mais tarde recusa-se a cumpri-la, ou arrepende-se de tê-la feito.Dus, contudo, mantém Sua palavra. Ele prometeu aos patriarcas que Ele levaria os judeus a Terra de Israele lhes daria sua posse. Você acha que Ele quebraria Sua promessa e deixaria você destrui-los no deserto?Da bênção de Bilam podemos apreender a maldição que desejava pronunciar: que Dus deveria quebrar aaliança que selou com os patriarcas, e não levar o povo para a Terra Santa."Acaso Ele falou e não o fará, ou Ele disse e Ele não o cumprirá?"Essas idéias são formuladas como questões retóricas (em vez de afirmações, "Se Ele disse, Ele certamente ofará...") para sugerir que, de fato, há épocas em que Dus não cumpre Sua palavra: Se Ele decreta algo demal sobre o povo, e este se arrepende depois, Ele anula Seu decreto. Porém, quando se trata de uma bênçãodo Todo Poderoso, esta é irrevogável."Vejam, eu recebi as bênção, Ele abençoou, e eu não posso retirar."Em seu íntimo, Bilam implorava a Dus para não compeli-lo a pronunciar mais bênçãos, porém suaverdadeira fala admitia que estava em poder de Dus."Ele não viu iniqüidade em Yaacov, e nem viu Ele algo errado em Israel."Bilam tentava desesperadamente encontrar defeitos nos judeus. Todavia, a geração que chegou a Israel erauma geração de tsadikim, e desta forma foi forçado a admitir que não conseguiria encontrar pecadoresentre eles."Dus, seu Dus, está com eles, e a Shechiná do Rei está com eles.“
  11. 11. Você, Balac, disse-me para amaldiçoar os judeus com meus poderes de impureza. Como posso amaldiçoar umpovo cujo Dus está constantemente em seu meio, e os guarda e protege? Um ladrão pode conseguir entrarnum vinhedo e arrancá-lo enquanto o proprietário está dormindo; mas "O Guardião de Israel não dormenem dormita. " (Tehilim 121:4). Como, então, posso prejudicar os judeus?Ao ouvir as palavras de Bilam, Balac perguntou: "Será possível que suas maldições são ineficazes por causado poder de seu atual líder, Moshê? Talvez você deva atrasar os efeitos da maldição para a época depois damorte de Moshê, quando os judeus serão guiados por outro líder?""Impossível," replicou Bilam. "O sucessor de Moshê, Yehoshua, batalhará contra os inimigos tãovigorosamente quanto Moshê. Quando tocar trombetas perante Dus, os muros de Jericó esfacelar-se-ão edesmoronarão!""Dus tirou-os do Egito com o poder da Sua elevação."Você, Balac, disse-me: Veja, um povo saiu do Egito." Estas palavras não eram acuradas. O povo não poderiater deixado o Egito sozinho, mas deve ter sido tirado de lá por Dus de maneira sobrenatural. Eu, Bilam,enfeiticei todas as fronteiras do Egito com meus poderes mágicos, a fim de impedir a fuga dos escravoshebreus. Não obstante, minha feitiçaria foi ineficaz, pois Dus, Ele próprio tirou-os de lá."Pois não há adivinhações em Yaacov, tampouco há qualquer feitiçaria em Israel."Este versículo pode ser compreendido de duas maneiras:1. Nenhuma adivinhação é efetiva contra Israel (uma vez que Dus está em seu meio); portanto, asferramentas de magia que os sábios de Midyan trouxeram a mim são completamente inúteis. Pois, diferentedas nações, este povo não é regido por anjos encarregados, mas estão sob Supervisão direta de Dus.Quando meu avô Lavan estava sequioso por destruir seu patriarca Yaacov com sua artes mágicas, Dus nãodeixou que tivesse êxito. Similarmente, não posso derrotar os descendentes de Yaacov.2. Não poderão ser encontrados adivinhos e feiticeiros entre os judeus. Não praticam magia como as outrasnações, porém consultam Dus diretamente, através de seus profetas, e através da placa peitoral do Sumo-sacerdote. Portanto, este grande povo certamente merece ser abençoado.
  12. 12. "Chegará uma época na qual dirão a Yaacov e a Israel: O que Dus operou?"1. Na época de Mashiach, Dus realizará milagres para os judeus, que ultrapassarão todos os que foramfeitos no passado. As nações gentias então virão e indagarão aos judeus sobre os grandes feitos de Dus.2. Na era que se seguirá à ressurreição dos mortos, o amor de Dus pelo povo judeu se tornará evidente atodos. Dus, pessoalmente, será seu professor de Torá. Os tsadikim sentar-se-ão na frente de Dus comoestudantes ante seu mestre, e Ele lhes revelará os profundos significados da Torá.3. Não será permitido aos anjos entrarem, porém precisarão perguntar aos judeus: "O que Dus te ensinou?""Vejam, o povo levantar-se-á como um filhote de leão, e se levantará como um leão."1. Este povo ergue-se tão forte quanto um leão, e não descansará até ter destruído seus inimigos e tomado osespólio de Canaã.2. Não há nação na terra que serve o Criador com tanta energia quanto o povo judeu. Quando um judeu selevanta de manhã, ele se fortalece como um leão para agarrar as mitsvot, para vestir tsitsit e tefilin, e pararecitar o Shemá na hora certa."Não se deitará até que tenha comido de sua presa, e beba o sangue da caça."1. Bilam predisse que Moshê não faleceria antes de vingar-se dele e dos cinco reis midyanitas.2. Um judeu não se deita à noite até ter recitado o Shemá. Ao pronunciar as palavras: "Dus é Um,"reconhecendo assim que não há outro poder que o Todo Poderoso. Dus destrói agentes prejudiciais.Depois de aprender da segunda profecia de Bilam que os judeus conquistariam Canaã e matariam os reis dasnações, Balac aconselhou Bilam: "Melhor ir para casa em silêncio! Não preciso nem de suas maldições, nemde suas bênçãos!"Bilam replicou: "Já não lhe disse que preciso seguir as instruções de Dus?"Balac decidiu fazer mais uma tentativa. "Afinal de contas," pensou, "Sei que esta nação não é invencível.Foram atacados, no passado, pelos amalequitas e canaanitas. Mesmo que eu não consiga destrui-lostotalmente, ou impedi-los de entrar em Canaã, deve haver algum modo de prejudicá-los."
  13. 13. Balac levou Bilam a um local diferente, onde, no futuro, os judeus adorariam o ídolo Báal Peor. Balac previuque os judeus seriam punidos lá, mas era incapaz de adivinhar detalhes. Pensou: "Talvez sua punição será oresultado da maldição de Bilam."Balac e Bilam ergueram novamente sete altares e ofereceram um touro e um carneiro sobre cada um.Desta vez, Bilam não tentou utilizar seus poderes de impureza, uma vez que admitira em sua última profeciaque os judeus eram imunes à mágica. Em vez disso, concentrou seus poderes em seus pecados. Virou sua faceem direção ao deserto, para lembrar Dus do pecado do bezerro de ouro. Não obstante, ao erguer os olhos,percebeu que a Shechiná pairava sobre as tendas dos israelitas. Soube então que Dus perdoara seu pecado.Em honra ao povo judeu, o espírito de profecia penetrou Bilam. Dus forçou-o a pronunciar novas bênçãos.A quarta e última profecia: eventos que acontecerão na época de David e Mashiach"A irrevogável declaração de Bilam, filho de Beor, e a irrevogável declaração do homem com boa visão.Irrevogável declaração daquele que ouve as falas de Dus, e conhece a mente do mais Elevado. O que vê avisão do Todo Poderoso, prostrando-se enquanto lhe está sendo revelada."Bilam revela aqui um novo aspecto de sua grandeza profética, de que sua habilidade de amaldiçoar deriva deseu "conhecimento da mente do mais Elevado" - ou seja, ele podia discernir o momento exato da ira Divina.Além disso, Bilam louvava a si mesmo de que conhecia a "mente do mais Elevado", pois estava prestes afazer revelações referentes a assuntos ocultos que transpirariam desde a época do Rei David até o fim dosdias."Eu o vejo, porém não agora; percebo-o, mas não perto."Vejo o Rei David erguendo-se, mas não agora (pois ainda se passarão mais quatrocentos anos até onascimento de David), e eu percebo o Rei Mashiach nesse futuro longínquo."Uma estrela partiu de Yaacov, e um cetro [governante] ergueu-se de Israel."
  14. 14. Bilam descreveu Mashiach como uma estrela que traça sua órbita de um extremo do universo a outro, parasimbolizar que Mashiach reunirá os exilados de todos os cantos da terra.As palavras "e um governante ergueu-se de Israel" podem referir-se ao Rei David ou a Mashiach."E perfurará os cantos de Moav, e solapa todas as nações, descendentes de Shet."David perfurará todos os cantos de Moav, ele subjugará a terra de Moav. Mashiach solapará as nações,inclusive Moav, e essas serão subservientes ao povo judeu."E Edom será uma posse e Seir também se tornará propriedade do seu inimigo, e Israel a herdará."Bilam profetizou que o exílio edomita (nosso exílio atual) será finalmente terminado por Mashiach."Outro governará de Yaacov e ele destruirá quaisquer vestígios da cidade [de Roma]."Mashiach destruirá todos os remanescentes da casa de Essav."E ele previu [a punição] de Amalec, e ele declamou sua parábola e disse: O primeiro a lutar contra os judeus[após o Êxodo] foi Amalec, e seu fim será a destruição eterna."Bilam descreveu profeticamente o destino de duas nações - uma, Amalec, que escolheu ser inimiga do TodoPoderoso e do povo judeu; e a outra, a família de Yitrô, sogro de Moshê, (descrita no próximo versículo), queescolheu unir-se a Dus. Amalec recusou-se a se arrepender, mesmo depois de ter perdido a guerra contra osjudeus, e foi condenado à destruição eterna. A família de Yitrô, os Kenim, mereceram bênçãos eternas."E ele previu [o destino] dos Kenim [descendentes de Yitrô], e declamou sua parábola e disse: Quão firme é seulocal de habitação desde que você colocou seu ninho sobre a rocha."Bilam exclamou: Vejo que você escapou das artimanhas do yêtser hará (má inclinação) tal um pássaro escapade uma armadilha. Você fez teshuvá, converteu-se e uniu-se firmemente a Rocha, o Dus do povo judeu.Prevejo que colherá bênçãos por isso, pois seus descendentes sentarão no Sanhedrin (Corte Suprema) juntocom a elite dos judeus.
  15. 15. "Mesmo se os Kenim se desencaminharem, quão longe a Assíria te carregará cativo?"Bilam continuou a dirigir-se aos Kenim, afirmando: Vocês fizeram bem em unirem-se firmemente ao povojudeu. Mesmo se forem exilados por Sancheriv, rei de Assíria, junto com as Dez Tribos, não ficarão perdidoseternamente. Voltarão do Exílio, para Israel junto com os judeus."E declamou sua parábola e disse: Oh!, quem viverá quando Dus concederá redenção a Seu povo,recompensando os tsadikim e punindo os perversos."A profecia de Bilam refere-se ao grande e temível Dia do Julgamento na época de Mashiach, quando Dusimporá justiça à humanidade."E uma flecha das mãos dos Kitim [romanos] afligirá Assíria e afligirá Ever [os judeus], porém eles [osromanos] também serão destruídos para sempre."Bilam profetizou que os assírios seriam atacados pelos romanos, que afligi-los-ão, e a seus judeus cativos.Finalmente, no fim dos dias, Roma cairá nas mãos de Mashiach, e nosso exílio chegará a um fim.Quando Bilam terminou essas profundas declarações proféticas, levantou-se, pois estava deitado, prostrado,enquanto Dus comunicava-se com ele. O espírito de Dus que imbuiu-Se nele em honra aos judeus partia delepara sempre. Passou o resto de sua vida como um mágico comum.Bilam partiu para retornar a sua terra, Aram Naharayim. Antes de partir, supervisionou a construção degrande número de tendas e barracas, nas quais postou as filhas de Midyan, com o propósito de seduzir oshomens judeus.O perverso conselho de Bilam para fazer os judeus pecar com imoralidadeBilam disse a Balac: "Existe um meio seguro de destruir os judeus: se pecarem Dus os castigará. Dusproibiu-os de se relacionarem com mulheres não judias, pois não quer que se misturem à outras nações. Enviemulheres aos judeus, e diga-lhes para persuadir os homens judeus a pecar. Se conseguirem Dus fará com queos judeus desapareçam."
  16. 16. Balac e os nobres de Midyan decidiram levar a cabo o plano de Bilam para fazer os homens judeus pecarem.Ordenaram que suas filhas se adornassem para atraírem e seduzirem os judeus. Balac ordenou a sua própriafilha que atraísse ninguém menos que Moshê.Os moabitas encorajaram o plano vil de Midyan permitindo-lhes utilizar seu território para esse propósito.Bilam sugerira que um enorme bazar fosse erguido nas vizinhanças do Acampamento judeu. "Venda artigosde vestuário para atrair os judeus," aconselhou. "Coloque mulheres velhas fora das bancas, mas coloque asjovens dentro das barracas."Naquele momento os judeus estavam acampados em Shitim, uma estação na margem leste do Jordão, nasplanícies de Moav.Acampados em Shitim, os judeus sentiram-se seguros e autoconfiantes. Dus rechaçara todos os seus inimigos,incluindo o famoso feiticeiro Bilam, que foi forçado a louvá-los e abençoá-los. Uma certa despreocupação eleviandade permeava o Acampamento.Mais que isso, a própria parada de Shitim conduzia à lascívia. A cada parada no deserto Dus confrontava osjudeus com um teste especial. Ele imbuiu Shitim com o forte apelo da imoralidade.Porém, Dus preparara muito antes do pecado um outro agente para salvar Seu povo da destruição. Ordenou quea Arca Sagrada do Santuário fosse feita de madeira conhecida como Shitim, acácia, para expiar pelo pecado queos judeus mais tarde cometeriam em Shitim.Os judeus, famosos por sua moralidade superior até mesmo na decadente sociedade do Egito, foram agoraapanhados num teste difícil.O pecado começou com os menos importantes do povo. Após terminarem a refeição, decidiram relaxar umpouco visitando o bazar fora do Acampamento.As mulheres velhas paradas fora das barracas mostravam as mercadorias e cotavam o preço, comentando:"Sei que esses artigos são caros, mas temos uma variedade de artigos baratos lá dentro."
  17. 17. O judeu entraria na barraca e encontraria uma jovem e atraente midyanita, que pedia um preço bem baixopelas mesmas mercadorias que vira do lado de fora. Conversando de maneira convidativa, dizia ao judeu:"Só não conseguimos entender como vocês, judeus, odeiam-nos e recusam-se a se casarem conosco. Gostamosde seu povo. Acaso não somos todos descendentes de Têrach, pai de Avraham?""Veja, eu te dou este artigo de presente porque somos parentes. Você se parece com um velho conhecido. Porquê não se senta e come algo?"Se o judeu recusasse, ela diria: "Não precisa objetar motivos religiosos. Sei que você segue leis dietéticasestritas. Veja, aqui há bezerros e galinhas gordas! Mande que sejam abatidos de acordo com suas exigências,então poderá comê-los. Enquanto isso, beba algo."Cada moça tinha um frasco de vinho vermelho de forte buquê, que oferecia ao judeu.Quando o judeu ficava embriagado, era convidado a maiores intimidades, mas apenas sob a condição de queprimeiro adorasse seu ídolo, o Báal Peor. O judeu replicaria: "Não me curvarei a este ídolo." A moça entãoexplicaria: "Você não precisa curvar-se a ele. Simplesmente realize suas funções corporais normais peranteele."O abominável serviço desse deus requeria de seus adoradores que se alimentassem e então se despissem e sealiviassem na frente do ídolo.Este culto simbolizava a inteira filosofia das nações gentias: "Viver a fim de satisfazer seus desejos animais.Não há motivos para sentir-se inibido, nem mesmo na frente de deuses!" Sua doutrina de absoluta falta devergonha é diametralmente oposta ao conceito de recato e decoro da Torá, que deriva da consciênciaconstante da presença de Dus, Que criou o homem para servi-Lo em todos os tempos.Certa vez, uma mulher gentia sentiu-se gravemente doente e prometeu: "Se me recuperar dessa doença, adorareitodas as divindades do mundo." Ela se recuperou e perambulou de sacerdote em sacerdote para aprender sobretodos os deuses e a maneira como eram adorados. Ao ouvir sobre a divindade Báal Peor, perguntou a seusacerdote: "Qual o serviço deste deus?" O sacerdote instruiu-a: "Coma alguns vegetais, beba vinho, dispa-se erealize suas funções corporais na frente dele." A mulher, incrédula, comentou: "Prefiro contrair minha doençanovamente a realizar este serviço repulsivo."
  18. 18. E contudo, como resultado do hediondo plano de Bilam, havia judeus que concordaram em adorar esseídolo. Por isso, a ira do Todo Poderoso acendeu-se.A maioria dos que pecaram com as moças midyanitas e adoraram o Báal Peor pertenciam ao êrev rav(convertidos egípcios). A Torá salienta que aqueles que pecaram eram "haam - o povo", uma expressão quesempre se refere aos elementos menos valorosos do povo. As sementes do desejo impuro nunca foramtotalmente erradicadas de seus corações. Este indivíduos foram agora eliminados da pura estirpe dos judeusatravés do teste de Peor e da subseqüente punição.Contudo, mesmo judeus melhores, da Tribo de Shimon,tropeçaram ao adorarem Peor. Apesar de sua intenção ser de zombar do deus, emulando sua desgraçadamaneira de adoração, foram, não obstante, considerados culpados.Dus ordenou a Moshê que indicasse os líderes do povo como juizes para punir os que adoraram Báal Peor."Como posso determinar quem estava entre os idólatras?" - perguntou Moshê. "Os que adoraram Peorfizeram-no em privacidade, não na presença de testemunhas válidas que possam testemunhar contra eles.""Eu revelarei os pecadores," respondeu Dus.As Nuvens de Glória retiraram-se de sobre os que eram culpados, de maneira que o sol brilhou sobre eles, eficaram expostos.Dus também ordenou a Moshê: "Aqueles que adoraram Báal Peor serão condenados à morte."Os juizes se reuniram, examinaram o caso e concluíram que muitos homens da tribo de Shimon adoraramBáal Peor. Foram condenados. Os demais membros da tribo de Shimon estavam revoltados. Apresentaram-se perante seu líder, Zimri, e disseram: "Como você permite que Moshê mate tantos dos nossos? Faça algo!"
  19. 19. O ato corajoso de PinechasO neto de Aharon, Pinechas, observava a cena, fervendo de indignação.Dirigindo-se a Moshê, inquiriu: "Meu tio-avô, você não nos ensinou, ao descer do Monte Sinai, que aqueleque coabita com uma mulher gentia pode ser atacado por um devoto?!"Moshê respondeu: "Aquele que se lembra da lei que seja nosso agente e execute-a!""Se eu matar Zimri, na certa os membros de sua tribo me matarão, como vingança. Contudo, Dus esperaque eu dê minha vida por Ele."Pinechas, que trabalhava no Tabernáculo como levi, não estava acostumado ao manejo de armas. Nãoobstante, pegou uma lança para matar Zimri. Pinechas sabia que estava arriscando sua vida. Zimri era umapessoa importante, um líder. E a família de Cozbi também vingaria sua morte.Pinechas ainda hesitava, pois sabia que os membros de Shimon não permitiriam que entrasse na tenda deZimri, ao redor da qual postaram guardas. A fim de obter entrada, teria de fingir que queria ser admitidoporque também tinha propósitos pecaminosos. Então, se matasse Zimri, ou se Zimri o matasse, o povopensaria que os dois lutaram pela posse de Cozbi. Desta maneira, isto resultaria numa profanação do Nomede Dus ainda maior.Todavia, suas deliberações chegaram a um repentino fim, pois uma praga começara a afligir o povo. A ira deDus acendera-se contra os judeus por causa do pecado público de Zimri. Agora Pinechas sabia queprecisava agir, a fim de salvar o povo da punição Celestial.Tomou a lança de Moshê, escondeu a ponta de metal em suas roupas e usou o cabo de madeira como umabengala. Ao se aproximar da tenda, os guardas lhe perguntaram: "O que você quer aqui?"Pinechas replicou: "Não sou pior que seu líder. Meu pai, assim como Moshê, casou-se com uma mulhermidyanita. Gosto das midyanitas."Permitiram-lhe que entrasse. Uma vez lá dentro, Pinechas arremeteu a lança contra ambos, Zimri e Cozbi.
  20. 20. Dus realizou doze milagres para proteger Pinechas e demonstrar que este agira corretamente. Por exemplo,a ponta de ferro da lança alongou-se de forma que os dois pecadores foram trespassados juntos. Dus fechouas bocas de Zimri e Cozbi, de forma que não podiam gritar. Se tivessem gritado, membros da tribo deShimon correriam imediatamente, para matar Pinechas. Eles não expiraram imediatamente, se nãoPinechas ficaria impuro. Tampouco sangraram, nem o impurificaram como conseqüência disso. Foi-lheconcedida força extra para erguê-los e mostrá-los ao povo.Assim que Pinechas matou Zimri a praga cessou.Quando Pinechas expôs o casal assassinado ao povo, os membros da tribo de Shimon quiseram matá-lo.Dus renovou a praga, e quem quer que atacasse Pinechas, perecia.Cônscio disso, Pinechas atirou ao chão o casal morto e começou a rezar em prol da tribo de Shimon, comoestá escrito (Tehilim 106:30): "E levantou-se Pinechas e suplicou." Dus ouviu sua oração, e a praga chegouao fim. Similarmente, o ato zeloso de Pinechas impediu a destruição do povo judeu.Vinte e quatro mil judeus morreram na praga (todos da Tribo de Shimon), comparados aos três mil queforam executados depois do pecado do bezerro de ouro. O pecado em Shitim foi mais grave; uma vez queenvolvia imoralidade, além de idolatria, mais que isso, degradou a honra dos judeus, pois cometeramdevassidão com mulheres gentias.Através da história subseqüente de nosso povo, todas as tribos produziram grandes líderes, com a exceçãode Shimon. As conseqüências do crime de Zimri em Shitim demonstram o quão seriamente Dus considera opecado da imoralidade.Através de seu ato corajoso, Pinechas restaurou a honra de Dus. Ignorou a importância de Zimri, que eraum líder, e a de Cozbi, uma princesa midyanita, demonstrando, desta feita, que a honra de Dus está acimade tudo. Sua façanha exemplifica os poderosos resultados que podem ser obtidos até mesmo por um únicoindivíduo que age em Nome dos Céus.Pinechas também ensinou aos judeus que para defender a honra de Dus um judeu deve ser corajoso,mesmo que isso lhe seja desagradável ou signifique arriscar sua própria vida. (www.chabad.org.br)
  21. 21. PEDIDOS –“refuát hanefesh urefuát hagúf”Pedimos que rezem pelo pronto restabelecimento de:Margarida Dias da Silva
  22. 22. ANUNCIE AQUIVOCÊ DE CAMPINAS E REGIÃO QUE NÃO TEM ACESSO FÁCIL À ARTIGOS JUDAICOS TAIS COMO, LIVROS, TORÁ, VINHOS, VELAS, MEZUZÓT, PERGAMINHOS, CAMISETAS COM TEMAS JUDAICOS, E OUTROS ARTIGOS RELIGIOSOS, ESTÁ FUNCIONANDO EM CAMPINAS, NA RUA GENERAL OSÓRIO 698 1º PISO (PRÓXIMO AO MERCADÃO MUNICIPAL – REGIÃO CENTRAL DE CAMPINAS) A MAIS NOVA LOJA DE ARTIGOS JUDAICOS,“MORASHÁ”. É DO NOSSO AMIGO E COMPANHEIRO NA CAUSA ANUSSIM Shimon Melachim (Alecsandro Reis). PREÇOS ACESSÍVEIS!! CONFIRAM!! CHAZAK U’BARUCH E MAZAL TOV PELA INICIATIVA!!! CONTATOS: (19) 3232-8121 / 8154-2339
  23. 23. NOTÍCIAS
  24. 24. NOTÍCIASStrauss-Kahn, de 62 anos, judeu-francês, envolvido no caso de suposto assedio sexual num hotel em NY, poderá voltar a ser candidato nas próximas eleições para presidente da França. A promotoria americana achou várias incorreções nos depoimentos da suposta vítima e considerou as acusações como inconsistentes. A decisão agitou os mercados financeiros e políticos na Europa e EUA.(Rua Judaica)
  25. 25. NOTÍCIASUma família ultra-ortodoxa mostrou uma galinha de quatro patas que nasceu em sua casa, no bairro de Mea Shearim, em Jerusalém. A ave levantou um debate religioso sobre seu rótulo de alimento "kosher". Segundo a crença, um animal que tenha órgãos sobressalentes seria considerado impuro ("treif"), mas há quem defenda que isso só é verdade no caso de as patas extras estarem ligadas de alguma forma à bacia da ave, como as patas normais. Por conta disso, alguns defendem que só se saberá se a carne da galinha é "kosher" ou "treif" depois que o animal for abatido, e sua estrutura, analisada.(Rua Judaica)
  26. 26. - CULINÁRIA SEFARADI -COALHADA SECA COM AZEITONAINGREDIENTES3 litro(s) de leite3 colher(es) (sopa) de sal1 copo(s) de iogurte naturalquanto baste de azeitona verde picada(s)quanto baste de azeitequanto baste de oréganoPREPAROFerva o leite e, depois, deixe esfriar até ficar morno. Na mesma panela, incorpore o iogurte, sem mexer numcanto da panela. Tampe a panela e reserve num lugar protegido de correntes de ar (o lugar ideal é no forno).Recomendo fazer este processo cedo, pela manhã. No fim do dia, comece a coar este leite. Para isto, coloqueum coador de arame fino numa bacia. Forre o coador com um pano grande e fino, e despeje o leite, deixandocoar. Coloque sal, espalhando em toda a superfície. Com as pontas do pano, faça um nó e deixe pendurado anoite toda. Na manhã seguinte , recolha o creme que se formou. Passe no processador para obter umacoalhada seca, bem leve e cremosa. Tempere adicionando as azeitonas verdes picadas, o azeite e o orégano agosto.
  27. 27. HUMOR JUDÁICO – KAKAKAKA... É PIADA... NÃO LEVEM TÃO À SÉRIO GENTE !!! KAKAAKAKSamuel está na sala de cirurgia, onde vai ser operado pelo próprio filho. Chama-o e diz: "filho, fique tranqüilo, trabalhe bem e tudo vai dar certo. Só lembre que se não der certo, mamãe vai morar com você..."
  28. 28. A OBRA DO RESGATE PELO BRASIL Registramos aqui o contato da nossa leitora ilustre, Dona Rosimar M. Teixeira de Caruaru - Pe.Também entrou em contato conosco Dona Idalina da nossa Associação em Campinas. Outra pessoa da causa, que entrou em contato foi nosso amigo e companheiro na causa, que está residindo em Brasília, o grande Guilherme Neto. O Guilherme fez uma ótima proposta, que postarei adiante aqui no HA – LAPID BRASIL, com relação ao futuro dos Benei Anussim. Possa Ha Kadosh Baruch Hu bendizer à todos vocês. SHABAT SHALOM PARA TODOS!!!!
  29. 29. A OBRA DO RESGATE PELO BRASILFoi realizada mais um Kabalat Shabat na residência dos queridos Iranildo Lopes (Yaacov) e Ana Lopes. Desfrutamos de uma verdadeira festa, com um banquete preparado pela referida família e todos da Associação Sefaradita Beit Melech de Campinas. Também nos reunirmos a na manhã de Shabat.Celebramos Shacharit, passamos a tarde estudando e ao final celebramos a Havdaláh. Possa Ha Kadosh Baruch Hu dar Saúde, Força e União à todos nós. Shabat Shalom à todos.
  30. 30. ANÚNCIOS INFORMAMOS AOS LEITORES, QUE SE ENCONTRA DISPONÍVEL UMA ÓTIMA FONTE DE PESQUISA E ESTUDOS, O SITE MEMORIAL BRASIL SEFARAD. O Memorial Brasil Sefarad nasceu como uma organização dedicada à pesquisa, divulgação e preservação da memória dos judeus sefarditas (judeus ibéricos) e de seus descendentes no Brasil. Mantido com recursos próprios e trabalho voluntário, o Memorial atua em 4 campos de ação: 1) pesquisa direta; 2) fomento à pesquisa - bolsas de pesquisa; 3) divulgação - através do site e de material impresso; 4) auxílio a comunidades de descendentes. Maiores informações no site: www.brasilsefarad.com/joomla/JÁ DEVERIA TER POSTADO HÁ MAIS TEMPO, MAS NUNCA É TARDE. SEGUE UM IMPORTANTÍSSIMO SITE ONDE ENCONTRAMOS TODOS OS PRODUTOS QUE SÃO AUTORIZADOS AO NOSSO CONSUMO E USO, COM AUTORIZAÇÃO DO BEIT DIN . http://www.bdk.com.br/default.aspx O PORTAL AMAZÔNIA JUDAICA ESTÁ DE VOLTA!!! NOVO SITE, NOVO VISUAL, MUITAS NOVIDADES, VENHA CONHECER E DESFRUTAR!!! ACESSEM: www.amazoniajudaica.org PRESENTEI AMIGOS E PARENTES COM A MAIS NOVA HAGADÁ DE PESSACH SEFARADI. ENTRE AGORA NO SITE!!!
  31. 31. PROPOSTA PARA OS BENEI ANUSSIM DO BRASILShalom Rav para todos !É indiscutível que muitas pessoas tem desempenhado trabalhos de ajuda aos descendente dos Anussim deoutrora, espalhados pelo Brasil a fora. Inúmeras são os Grupos , Comunidades e Sinagogas sendo levantadascom a ajuda de Rabinos e outros judeus da Comunidade judaica oficial, levando com isso de alguma formaTorá para os mentes e os corações daqueles que durante séculos ficaram no esquecimento.No último Congresso Anussim realizado em Fortaleza, idealizado pelo nosso nobre e inesquecível amigoSaguiv Simona (que sua alma esteja em paz no Gan Éden junto com todos os justos e justas, e que estejaligada à corrente da vida Eterna) , Roberto Cosme, Cláudio Pinto e outros, muita coisa aconteceu graças àD’us. Mas, precisamos avançar mais, pois como diria o grande poeta “o tempo é curto e o dragão é voraz”.Todos aqui sabem que tenho dito que no momento uma das grandes alternativas para o Anussim que pensamem se unirem ao Povo Judeu de uma vez, fazendo sua conversão de dúvida, tem sido a Shavei Israel que temdesempenhando um papel muito relevante para com todos os descendentes de judeus do mundo inteiro.Me lembro que em uma das tantas coisas que o dileto Sr David Salgado comentou, a respeito da dificuldadede fazer com que os Anussim do Brasil tomem um rumo mais concreto, é o fato de os mesmos estaremespalhados e não terem algo que os ligue, que os uma, mesmo sendo um distante do outro, o que é óbvio pelanossa história, e pelo fato do nosso País ser muito grande.Mas, eu assim como outras pessoas,que são muitas, ainda pensamos que a Shavei Israel poderia fazer muitopelos descendentes dos Anussim de outrora aqui do Brasil.Isto tudo só depende mesmo de nós mesmos. De sabermos de fato e de verdade, e termos a consciência de quefazemos parte de todo Israel, sendo poucos, mas sendo fortes.Na semana passada, recebi um e-mail de um dos leitores do HA – LAPID BRASIL, o Guilherme Neto,residindo agora em Brasília, uma proposta a ser compartilhada com todos os leitores deste modestoperiódico. Espero mesmo que todos que recebam “corram o olho” pelo menos em tudo que é escrito aanunciado aqui. Tomara D’us que pelo menos 10 viva’almas tenham o interesse de ler o HA - LAPID.
  32. 32. Assim sendo, o que o Guilherme propôs é o seguinte:Segundo ele, um amigo da Comunidade de Campina Grande na Paraíba, entrou em contato com a ShaveiIsrael e acabou obtendo a informação de que, o custo para a Shavei manter um Rabino da própria Shavei,aqui no Brasil seria de aproximadamente U$ 8.000,00 (oito mil dólares – o que está hoje em torno de R$12.480,00 para mais ou para menos).Deste valor, a própria Shavei Israel arcaria com a metade deste valor (ou seja, U$ 4.000,00 – o que ficaria R$6.240,00), ficando a outra metade (outros R$ 6.240,00) com a responsabilidade do Grupo ou Comunidade quehouvesse interesse nesta proposta.Será que não existe alguém interessado, algum Grupo, Comunidade ou Sinagoga interessado nesta proposta,que possa assumir esta responsabilidade e em parceria com a Shavei Israel trazer um Rabino de Israel paracá, para ajudar aqueles que tanto pedem ajuda?Que eu conheço e que tive a oportunidade conversar pessoalmente, tendo condições de com a ajuda de cadaum, manter esta proposta são 3 pessoas. O valor que cada uma destas três ajudaria mensalmente ficaria emtorno de 500,00 a 750,00 R$. Só aqui, se contarmos por baixo, já teríamos R$ 1.500,00 fazendo o cálculo porbaixo, pelo menor valor. Detalhe, todas estas pessoas moram em cidades diferentes uma das outras comdistância mínima de 800 km, mas se dispuseram a ajudar, mesmo que o local escolhido seja distante do seulocal de orígem. Ou seja, decidiram se “sacrificar” em benefícios da maioria, para que algo de concretoaconteça.Com tudo isto querido leitores, pelo amor que temos as nossas futuras gerações, quantos aqui que teminteresse nesta proposta? Quantos aqui se “sacrificariam” se empenhando em ajudar o local em que houvesseuma maioria de pessoa com condições financeiras suficientes para trazer um Rabino da Shavei Israel para oBrasil?Por favor, aqueles que tem interesse, por gentileza entrem em contato comigo para vermos como podemosviabilizar esta proposta EFETIVAMENTE!!! Obrigado à todos.Tiago da Rocha Sales (Ia’aqob Tsur)
  33. 33. HA –LAPID BRASILÉ um periódico semanal nascido na Associação Morashá Benei Ia’aqob do Varjão, Brasília,tendo como idealizador o Srº Elias José Lourenço de Israel. É distribuído entre ascomunidades judaicas, instituições e amigos desta causa.Contatos, dúvidas e idéias: yaakovtsurbenovadiah@gmail.com ou yaakov@ha-lapidbrasil.com.brWeb: www.ha-lapidbrasil.com.br

×