O perigo mora ao lado: 158 pragas 
quarentenárias para o Brasil relatadas 
nos países da América do Sul 
Regina Sugayama, ...
3 Imigrantes + 3 Gerações + 80 anos = 130 descendentes 
Colonização como processo
Conteúdo 
Invasão biológica 
Histórico de entrada de pragas pelo Sul do Brasil 
Risco 
Pragas quarentenárias 
Metodologia ...
Invasão biológica 
Transporte 
Ativo/ passivo 
Não sobrevive 
Entrada 
Não estabelece 
Estabelecimento 
Permanece localiza...
Estima-se que de 5 a 20% das espécies exóticas 
introduzidas tornam-se invasoras (EUA): 
-Características da espécie 
- Ca...
Período de latência 
Populações baixas/ indetectáveis em seus novos habitats 
por anos/décadas até que ocorram explosões p...
Detecção de pragas no Brasil 
• Abrir gráficos interativos 
2013: 63 
2003: 42 
1993: 25 
1983: 18 
21 
17 
7
2 
1 
4 
1 
1 
1 
5 
2 
2 
1 
3 
2 
1 
2 
12 
3 
20 
5
22 x 1 
Década 
Número cumulativo 
Pragas cuja primeira detecção no Brasil ocorreu nos estados do Sul 
1929: Grapholitamol...
Ainda dá para piorar?
Risco = Perigo x Probabilidade
Perigo = Acidente 
Qual a probabilidade do perigo, considerando que 
um motoqueiro faça: 
- 1 corrida por mês? 
- 1 corrid...
Perigo = Entrada clandestina de produtos 
agropecuários 
Qual a probabilidade do perigo, considerando a 
entrada de: 
- 1 ...
Foto: MAPA/Vigiagro
Foto: MAPA/Vigiagro
Foto: MAPA/Vigiagro
Foto: MAPA/Vigiagro
Quais as pragas quarentenárias 
para o Brasil que ocorrem na 
América do Sul? 
(Odilson Ribeiro e Silva)
Levantamento de dados de distribuição geográfica 
-Bases de dados internacionais 
-Bibliografia especializada 
Elaboração ...
Pragas quarentenárias para o Brasil com 
relato nos países da América do Sul 
158 espécies 
http://agropec.socialgo.com 
/...
100 
80 
60 
40 
20 
0 
1 2 3 4 5 6 7 8 10 
Número de países com presença 
Número de espécies
Grupo de organismos: 
Coleoptera 
Diptera 
Fungus 
Hemiptera 
Hymenoptera 
Lepidoptera 
ProcarNioenmtatodaMite 
Superior p...
Acarus siro 
Acari: Acaridae 
Produtos armazenados em geral
Aculus schlechtendali 
Acari: Eriophydae 
Malus domestica, Pyrus communis, Malus 
sylvestris
Brevipalpus chilensis 
Acari: Tenuipalpidae 
Actinidia deliciosa, Annona cherimola, Ficus 
benghalensis, Ligustrumsinense,...
Brevipalpus lewisi 
Acari: Tenuipalpidae 
Citrus spp., Vitis vinifera, Juglans regia
Rhizoglyphus echinopus 
Acari: Acaridae 
Alho, cebola, ginseng
Brachycerus albidentatus 
Coleoptera: Curculionidae 
Allium sativum
Callidiellum rufipenne 
Coleoptera: Cerambycidae 
Chamaecyparis obtusa, Cryptomeria 
japonica, Chamaecyparis nootkatensis,...
Hylotrupes bajulus 
Cerambycidae 
Pinus spp., Abies spp., Larix spp., 
Pseudotsuga spp. 
?
Prodiplosis longifila 
Cecidomyidae 
Cynara scolymus, Medicago sativum, Gossypium 
spp, Allium cepa, Asparagus oficinalis,...
Stagonospora sacchari 
Cana-de-açúcar, Imperata cylindrica, 
Rottobellia cochinchinensis, Saccharum 
spontaneum, Miscanthu...
Thecaphora solani (=Angiosorus solani) 
Batata, Solanum spp., Datura stramonium, 
outros tubérculos
Tremex fuscicornis 
Siricidae 
Praga de florestas
Chilecomadia valdiviana 
Lepidoptera: Cossidae 
Eucalyptus spp.
Cydia fabivora 
Tortricidae 
Soja, feijão 
Larvas perfurem o caule
Diaphania indica 
Crambidae 
Cucurbitáceas, soja, algodão
Rhyacionia buoliana 
Tortricidae 
Pinus spp.
Globodera pallida 
Tomate, berinjela, batata, solanáceas em 
geral 
Cistos (ca. 500 ovos): vários anos
Globodera rostochiensis 
Tomate, berinjea, batata, Solanáceas em 
geral 
Cistos (sobrevivência até 30 anos)
Heterodera schachtii 
Heteroderidae 
Polífago, ataca plantas de várias famílias: 
Chenopodiaceae, Brassicaceae, 
Polygonac...
Meloidogyne chitwoodi 
Cenoura, tomate, alfafa, batata, feijão, 
ervilha, milho
Nacobbus aberrans 
Polífaga 
Brássicas, beterraba, cenoura, alface, 
tomate, ervilha, batata, espinafre, 
pepino, etc
Xiphinema rivesi 
Xiphinematidae 
Aveia, morango, maçã, alfafa, tabaco, 
Prunus spp., videira, etc
Acroptilon repens 
Asterales: Asteraceae 
Triticum, Medicago, Avena sativa, Hordeum, 
pastagens 
Perene 
Alelopatia 
Reduç...
Alopecurus myosuroides 
Cyperales: Poaceae 
Brassica napus, Hordeum vulgare, Secale 
cereale, Triticum aestivum, Allium ce...
Asphodelus tenuifolius 
Liliales: Liliaceae 
Cicer arietinum, Linum usitatissimum, 
Nicotiana tabacum, Pisum sativum, 
Sol...
Cardaria draba 
Capparales: Brassicaceae 
Aveia, beterraba, Citrus spp., frutíferas, 
girassol, tabaco, batata, trigo, vid...
Cirsium arvense 
Asterales: Asteraceae 
Aveia, brássicas, Soja, Algodão, Girassol, 
poáceas, pastagens, milho, trigo, alho...
Ludwigia adscendens 
Myrtales: Onagraceae 
Arroz (irrigado) 
Anual 
Competidora
Orobanche minor 
Scrophulariales: Orobanchaceae 
Trifolium spp., Vicia faba, amendoim, 
cenoura, girassol, alfafa, tabaco,...
Senecio vulgaris 
Asteraceae: Asteraceae 
Desenvolve-se em uma ampla gama de 
agroecossistemas, tanto anuais quanto 
peren...
Striga gesnerioides 
Scrophulariales: Scrophulariaceae 
Amplo círculo de hospedeiros, que inclui 
tanto plantas lenhosas p...
Pantoea stewartii 
Bacterial wild of maize 
Zea mays, Zea mexicana, Triticum aestivum, 
Cucumis sativum, Shorgum spp., out...
Frankliniella cestrum 
Thysanoptera: Thripidae 
Prunus spp., pera, videira, Diospyros spp.
Spiroplasma citri 
Entomoplasmatales: Spiroplasmataceae 
Citrus spp. e Brassicaceae 
Transmitido por cigarrinhas 
? 
?
Barley stripe mosaic virus - (BSMV) 
Hordeum vulgare, Triticum aestivum, Avena 
sativa 
Transmissível por sementes 
? 
? 
...
Plum pox virus - (PPV) 
Prunus armeniaca, Prunus domestica, 
Prunus persica, Prunus alviu, Prunus 
spp., Juglans regia 
Tr...
Potato spindle tuber viroid - (PSTVd) 
(=Tomato bunchy top viroid) 
Tomate, abacate, batata, batata doce, 
berinjela, Sola...
Lobesia botrana 
Lepidoptera: Tortricidae 
Videira
Considerações finais 
•Espécies com mecanismos 
naturais de dispersão 
•Espécies fortemente 
associadas com atividades 
hu...
Suspensão 
de produtos 
Demora no 
registro de 
novos produtos 
Leque reduzido 
de ferramentas 
para MIP e manejo 
de resi...
É esta a agricultura que queremos/iremos 
deixar para as gerações futuras?
Vigilância Detecção 
P&D&I 
precoce Diagnóstico 
Avaliação de 
Potencial de Impacto 
Econômico 
Planos de 
contingência 
‘...
Obrigada por não terem afundado o navio. 
Regina Sugayama 
regina.sugayama@defesaagropecuaria.com
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos países da América do Sul
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos países da América do Sul
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos países da América do Sul

462 visualizações

Publicada em

Workshop realizado pela SBDA e SEAPA em 11 de setembro de 2014, em Bento Gonçalves, RS.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
462
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos países da América do Sul

  1. 1. O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos países da América do Sul Regina Sugayama, Andrea Stancioli & Giliardi Alves Agropec Consultoria Workshop Ameaças Fitossanitárias – Bento Gonçalves – Setembro 2014
  2. 2. 3 Imigrantes + 3 Gerações + 80 anos = 130 descendentes Colonização como processo
  3. 3. Conteúdo Invasão biológica Histórico de entrada de pragas pelo Sul do Brasil Risco Pragas quarentenárias Metodologia da pesquisa Resultados Considerações finais
  4. 4. Invasão biológica Transporte Ativo/ passivo Não sobrevive Entrada Não estabelece Estabelecimento Permanece localizada Dispersão Impacto baixo Impacto alto
  5. 5. Estima-se que de 5 a 20% das espécies exóticas introduzidas tornam-se invasoras (EUA): -Características da espécie - Características do ambiente
  6. 6. Período de latência Populações baixas/ indetectáveis em seus novos habitats por anos/décadas até que ocorram explosões populacionais ou expansão geográfica – fatores bióticos e abióticos – mudanças no ambiente tornando-o mais favorável – adaptação genética da praga – habilidade de detecção e reconhecimento
  7. 7. Detecção de pragas no Brasil • Abrir gráficos interativos 2013: 63 2003: 42 1993: 25 1983: 18 21 17 7
  8. 8. 2 1 4 1 1 1 5 2 2 1 3 2 1 2 12 3 20 5
  9. 9. 22 x 1 Década Número cumulativo Pragas cuja primeira detecção no Brasil ocorreu nos estados do Sul 1929: Grapholitamolesta 2014: Fusarium circinatum 1991-2014: Cydia pomonella
  10. 10. Ainda dá para piorar?
  11. 11. Risco = Perigo x Probabilidade
  12. 12. Perigo = Acidente Qual a probabilidade do perigo, considerando que um motoqueiro faça: - 1 corrida por mês? - 1 corrida por dia? - 10 corridas por dia?
  13. 13. Perigo = Entrada clandestina de produtos agropecuários Qual a probabilidade do perigo, considerando a entrada de: - 1 passageiro por dia? - 100 passageiros por dia? - 1.000 passageiros por dia?
  14. 14. Foto: MAPA/Vigiagro
  15. 15. Foto: MAPA/Vigiagro
  16. 16. Foto: MAPA/Vigiagro
  17. 17. Foto: MAPA/Vigiagro
  18. 18. Quais as pragas quarentenárias para o Brasil que ocorrem na América do Sul? (Odilson Ribeiro e Silva)
  19. 19. Levantamento de dados de distribuição geográfica -Bases de dados internacionais -Bibliografia especializada Elaboração de matriz espécie x situação nos países da América do Sul
  20. 20. Pragas quarentenárias para o Brasil com relato nos países da América do Sul 158 espécies http://agropec.socialgo.com /ameacasfitossanitarias 28 43 22 36 58 59 8 20 29 12 7 7
  21. 21. 100 80 60 40 20 0 1 2 3 4 5 6 7 8 10 Número de países com presença Número de espécies
  22. 22. Grupo de organismos: Coleoptera Diptera Fungus Hemiptera Hymenoptera Lepidoptera ProcarNioenmtatodaMite Superior plant ThysanopVteirruas
  23. 23. Acarus siro Acari: Acaridae Produtos armazenados em geral
  24. 24. Aculus schlechtendali Acari: Eriophydae Malus domestica, Pyrus communis, Malus sylvestris
  25. 25. Brevipalpus chilensis Acari: Tenuipalpidae Actinidia deliciosa, Annona cherimola, Ficus benghalensis, Ligustrumsinense, Vitis vinifera,Antirrhinum, Chrysanthemum, Citrus aurantium, Citrus limon, Citrus sinensis, Diospyros kaki, Geranium, Convolvulus arvensis
  26. 26. Brevipalpus lewisi Acari: Tenuipalpidae Citrus spp., Vitis vinifera, Juglans regia
  27. 27. Rhizoglyphus echinopus Acari: Acaridae Alho, cebola, ginseng
  28. 28. Brachycerus albidentatus Coleoptera: Curculionidae Allium sativum
  29. 29. Callidiellum rufipenne Coleoptera: Cerambycidae Chamaecyparis obtusa, Cryptomeria japonica, Chamaecyparis nootkatensis, Cypressus macrocarpa, Juniperus communis, Juniperus virginiana, Thuja occidentalis, Pinaceae, Cupressaceae
  30. 30. Hylotrupes bajulus Cerambycidae Pinus spp., Abies spp., Larix spp., Pseudotsuga spp. ?
  31. 31. Prodiplosis longifila Cecidomyidae Cynara scolymus, Medicago sativum, Gossypium spp, Allium cepa, Asparagus oficinalis, Spinacea oleracea, Fragaria vesca, Phaseolus vulgaris, Chenopodium murale, Solanum nigrum, Ricinus communis, Pisum sativum v. Macrocarpum, Citrus aurantifolia, Citrus sp., Tagetes erecta, Cucumis melo, Morus nigra, Phaseolus lunatus, Persea americana, Solanum tuberosum, Capsicum annuum, Cucumis sativus, Capsicum chinense, Capsicum annuum, Citrullus vulgaris, Glicyne max, Pisum sativum v. Macrocarpum, Lycopersicon esculentum, Lycopersicon pimpinellifolium, Vitis vinifera, Amaranthus spp.
  32. 32. Stagonospora sacchari Cana-de-açúcar, Imperata cylindrica, Rottobellia cochinchinensis, Saccharum spontaneum, Miscanthus japonica, Miscanthus chinensis
  33. 33. Thecaphora solani (=Angiosorus solani) Batata, Solanum spp., Datura stramonium, outros tubérculos
  34. 34. Tremex fuscicornis Siricidae Praga de florestas
  35. 35. Chilecomadia valdiviana Lepidoptera: Cossidae Eucalyptus spp.
  36. 36. Cydia fabivora Tortricidae Soja, feijão Larvas perfurem o caule
  37. 37. Diaphania indica Crambidae Cucurbitáceas, soja, algodão
  38. 38. Rhyacionia buoliana Tortricidae Pinus spp.
  39. 39. Globodera pallida Tomate, berinjela, batata, solanáceas em geral Cistos (ca. 500 ovos): vários anos
  40. 40. Globodera rostochiensis Tomate, berinjea, batata, Solanáceas em geral Cistos (sobrevivência até 30 anos)
  41. 41. Heterodera schachtii Heteroderidae Polífago, ataca plantas de várias famílias: Chenopodiaceae, Brassicaceae, Polygonaceae, Caryophyllaceae, Amaranthaceae, Lamiaceae, Portulacaceae, Scrophulariaceae,Fabaceae e Solanaceae
  42. 42. Meloidogyne chitwoodi Cenoura, tomate, alfafa, batata, feijão, ervilha, milho
  43. 43. Nacobbus aberrans Polífaga Brássicas, beterraba, cenoura, alface, tomate, ervilha, batata, espinafre, pepino, etc
  44. 44. Xiphinema rivesi Xiphinematidae Aveia, morango, maçã, alfafa, tabaco, Prunus spp., videira, etc
  45. 45. Acroptilon repens Asterales: Asteraceae Triticum, Medicago, Avena sativa, Hordeum, pastagens Perene Alelopatia Redução da qualidade da farinha, como contaminante Tóxica a alguns animais Impacto sobre biodiversidade
  46. 46. Alopecurus myosuroides Cyperales: Poaceae Brassica napus, Hordeum vulgare, Secale cereale, Triticum aestivum, Allium cepa, Beta vulgaris, Malus, Prunus, Pyrus, Solanum tuberosum, Zea mays Redução de produtividade: 15,6% em Hordeum vulgare
  47. 47. Asphodelus tenuifolius Liliales: Liliaceae Cicer arietinum, Linum usitatissimum, Nicotiana tabacum, Pisum sativum, Solanum tuberosum, Triticum aestivum, Beta vulgaris, Brassica juncea, Citrus, Gossypium hirsutum, Hordeum vulgare, Medicago sativa, Phoenix dactylifera, Saccharum officinarum, Zea mays Anual Redução na produtividade: 42% (Cicer arietinum)
  48. 48. Cardaria draba Capparales: Brassicaceae Aveia, beterraba, Citrus spp., frutíferas, girassol, tabaco, batata, trigo, videira, milho, morango, algodão Perene Alelopatia Forte competidora
  49. 49. Cirsium arvense Asterales: Asteraceae Aveia, brássicas, Soja, Algodão, Girassol, poáceas, pastagens, milho, trigo, alho, cebola, amendoim, cucurbitáceas, morango, tomate, tabaco, pera, maçã, Prunus spp., videira, etc Uma das piores invasoras do mundo Perene Sementes sobrevivem > 20 anos Controle caro Reduz alimentação por animais em pastagens Tóxica Alelopatia
  50. 50. Ludwigia adscendens Myrtales: Onagraceae Arroz (irrigado) Anual Competidora
  51. 51. Orobanche minor Scrophulariales: Orobanchaceae Trifolium spp., Vicia faba, amendoim, cenoura, girassol, alfafa, tabaco, etc Parasita Retira açúcares, minerais e água do hospedeiro 1 planta à100.000 sementes Menos severa que Striga spp.
  52. 52. Senecio vulgaris Asteraceae: Asteraceae Desenvolve-se em uma ampla gama de agroecossistemas, tanto anuais quanto perenes: alho, cebola, brássicas, cucurbitáceas, frutas, algodão, girassol, soja, alface, feijão, batata, trigo, videira, milho, etc Anual Milho: -8-13% produtividade
  53. 53. Striga gesnerioides Scrophulariales: Scrophulariaceae Amplo círculo de hospedeiros, que inclui tanto plantas lenhosas perenes quanto algumas gramíneas Parasita 1 planta: 60.000 sementes
  54. 54. Pantoea stewartii Bacterial wild of maize Zea mays, Zea mexicana, Triticum aestivum, Cucumis sativum, Shorgum spp., outras poáceas Vetor: Chaetocnema pulicaria (A) Dados inconsistentes sobre impacto
  55. 55. Frankliniella cestrum Thysanoptera: Thripidae Prunus spp., pera, videira, Diospyros spp.
  56. 56. Spiroplasma citri Entomoplasmatales: Spiroplasmataceae Citrus spp. e Brassicaceae Transmitido por cigarrinhas ? ?
  57. 57. Barley stripe mosaic virus - (BSMV) Hordeum vulgare, Triticum aestivum, Avena sativa Transmissível por sementes ? ? ?
  58. 58. Plum pox virus - (PPV) Prunus armeniaca, Prunus domestica, Prunus persica, Prunus alviu, Prunus spp., Juglans regia Transmissão por enxertia ou vetores (Aphis spiraecola, Myzus persicae e outros)
  59. 59. Potato spindle tuber viroid - (PSTVd) (=Tomato bunchy top viroid) Tomate, abacate, batata, batata doce, berinjela, Solanum spp. Transmissão: sementes, pólen, seiva
  60. 60. Lobesia botrana Lepidoptera: Tortricidae Videira
  61. 61. Considerações finais •Espécies com mecanismos naturais de dispersão •Espécies fortemente associadas com atividades humanas Prevenção Combate
  62. 62. Suspensão de produtos Demora no registro de novos produtos Leque reduzido de ferramentas para MIP e manejo de resistência Maior trânsito de pessoas e mercadorias Introdução de pragas agrícola Novas fronteiras SUSTENTABILIDADE? agrícolas Disseminação facilitada
  63. 63. É esta a agricultura que queremos/iremos deixar para as gerações futuras?
  64. 64. Vigilância Detecção P&D&I precoce Diagnóstico Avaliação de Potencial de Impacto Econômico Planos de contingência ‘Preparedness’ Sensibilização Educação sanitária
  65. 65. Obrigada por não terem afundado o navio. Regina Sugayama regina.sugayama@defesaagropecuaria.com

×