SlideShare uma empresa Scribd logo

Trabalho izabela individual

O documento apresenta uma análise de temas relacionados à administração estratégica, sistemas de informação e gestão de negócios. Aborda conceitos como comportamento do consumidor, desenvolvimento de produtos e serviços e uso de informações para planejamento. Também discute a matriz SWOT e sua importância para estratégia empresarial. Por fim, resume conceitos de automação comercial, hardware, software, bancos de dados e redes de comunicação.

1 de 26
Baixar para ler offline
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO
IZABELA DIAS PEREIRA DA SILVA
UMA ANÁLISE DE TEMAS ABORDADOS NA
ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA, ADMINISTRAÇÃO DE
SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS
DIAMANTINA
2014
IZABELA DIAS PEREIRA DA SILVA
UMA ANÁLISE DE TEMAS ABORDADOS NA
ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA, ADMINISTRAÇÃO DE
SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS
Trabalho apresentado ao Curso Administração da UNOPAR
- Universidade Norte do Paraná, para as disciplinas:
Administração Estratégica, Administração de Sistema de
Informação e Gestão de Negócios.
Prof.
Prof.
Prof.
DIAMANTINA
2014
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO......................................................................................... 04
2. DESENVOLVIMENTO..............................................................................
2.1. ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA.......................................................
05
05
2.2. ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA E INFORMAÇÃO.............................. 08
2.3. GESTÃO DE NEGÓCIOS....................................................................... 18
3. CONCLUSÃO........................................................................................... 25
4. REFERÊNCIAS......................................................................................... 26
4
1. INTRODUÇÃO
O presente trabalho tem como objetivo realizar uma análise sobre as variáveis
relacionada ao comportamento do consumidor, ao desenvolvimento de produtos e
serviços e o uso das informações para o planejamento. Ainda, será realizada uma
pesquisa sobre o que é, quais os componentes e como a Matriz SWOT pode contribuir
para estratégia da empresa.
Em um segundo momento, será resumido em breves linhas sobre o que é
automação comercial: conceitos, características e aplicações nas empresas. O
hardware e software: seus componentes básicos e a computação em nuvem e
virtualização usadas na empresa. O que são, para que serve, onde são usados e como
são usados os bancos de dados, bem como os benefícios e dificuldades que a empresa
encontra para utiliza-los. As redes e comunicações de dados: conceitos, topologia e
tipos de redes, meios de comunicações e a comunicação utilizada pelas empresas. E,
por fim, os sistemas empresariais conceitos e características, vantagens e
desvantagens e suas aplicações nas organizações.
Por fim, serão analisadas as ferramentas que a empresa pode utilizar na coleta
de informação no ambiente interno e externo e a importância da análise das
informações para tomada de decisão em uma empresa, bem como, os cuidados que
devemos tomar, em uma empresa, para que as metas de desempenho desenvolvido no
planejamento estratégico sejam alcançados.
5
2. DESENVOLVIMENTO
2.1.1. O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COM RELAÇÃO A
ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA
Atualmente, é de suma importância conhecer, estudar e monitorar
constantemente o comportamento dos consumidores, pois, com essa preocupação, os
profissionais ligados ao marketing e gestores empresariais podem detectar
oportunidades e ameaças aos seus negócios com a possível insatisfação ou recusa de
seus clientes.
Ao se realizar uma análise detalhada dos diversos comportamentos dos
consumidores, é possível visar as melhores estratégias de lançamento de um produto
ou a melhor forma de atacar na divulgação de um serviço de forma a satisfazer as
necessidades tanto do cliente quanto da empresa, assim, motivar, encantar e até
fidelizar os clientes de forma a aumentar a lucratividade no orçamento empresarial é o
ápice da satisfação por meio dos consumidores.
Desse modo, a decisão de comprar um produto ou serviço é um momento
importante para consumidores. Isto significa que as estratégias de marketing devem ser
inteligentes, eficazes e direcionadas ao mercado-alvo de acordo com o conhecimento
percebido da maneira que cada consumidor obtém seus produtos ou serviços. Assim,
observa-se então que as compras realizadas pelos consumidores são baseadas na
motivação e expectativas de consumo. Neste sentido, as influências tornam-se
decisivas no momento da efetivação da compra.
Portanto, para garantir a compra e fidelização do cliente, é relevante analisar o
comportamento do consumidor e usar de influências para motivar e finalizar o processo
de compra de forma que o resultado seja satisfatório para ambos os envolvidos.
2.1.2. O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS
6
Uma nova realidade forma-se para a empresa a cada dia que passa. Os
produtos e serviços têm que competir em preço e qualidade com similares estrangeiros,
vindos tanto de países com elevado nível de desenvolvimento tecnológico quanto de
países onde os custos de fabricação estão num patamar bem abaixo devido,
principalmente, ao menor valor da mão de obra.
Assim, a empresa brasileira tem sido forçada a assimilar e desenvolver
continuamente novas tecnologias e produtos e serviços, visando redução de custos,
manutenção e se possível ampliação de mercado, enfim se manter competitiva num
mercado cada vez mais globalizado.
Nesse ínterim, o processo de desenvolvimento de produtos pode ser definido
como um conjunto de atividades, envolvendo quase todos os setores da empresa, que
tem como objetivo a transformação de necessidades de mercado em produtos ou
serviços economicamente viáveis. O projeto é a atividade principal de quem desenvolve
produtos. Todo e qualquer desenvolvimento envolve sempre fatores tecnológicos,
econômicos, humanos e ambientais. O que varia de um produto ou serviço para outro é
a importância relativa destes fatores. Em suma, o projeto é basicamente influenciado
pela economia e tecnologia, mas também por fatores culturais, sociais e políticos da
comunidade a que se destina. É importante notar entretanto que assim como sofre
influências do meio social, o projeto a partir dos produtos ou resultados dele
decorrentes também pode influir sobre a sociedade mudando hábitos, costumes e
mesmo gerando novas necessidades.
2.1.3. USO DAS INFORMAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO
2.1.4. O QUE É MATRIZ SWOT?
SWOT é a sigla dos termos ingleses Strengths (Forças), Weaknesses

Recomendados

Seminário em grupo 3º periodo
Seminário em grupo 3º periodoSeminário em grupo 3º periodo
Seminário em grupo 3º periodoRenata Cavalcante
 
Trabalho em individual pedro
Trabalho em individual  pedroTrabalho em individual  pedro
Trabalho em individual pedroNicléia Macêdo
 
Portifolio idividual 3º semestre pdf
Portifolio idividual 3º semestre   pdfPortifolio idividual 3º semestre   pdf
Portifolio idividual 3º semestre pdfrodryggo231012
 
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pb
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pbApresentação adm 3º periodo unopar patos pb
Apresentação adm 3º periodo unopar patos pbRogerio Sena
 
Trabalho individual 1° SEMESTRE UNOPAR
Trabalho individual 1° SEMESTRE UNOPARTrabalho individual 1° SEMESTRE UNOPAR
Trabalho individual 1° SEMESTRE UNOPARTonyAlbertRibeiro
 
85986227 plano-de-negocio-padaria
85986227 plano-de-negocio-padaria85986227 plano-de-negocio-padaria
85986227 plano-de-negocio-padariaAdelmo Melo
 
trabalho individual
trabalho individualtrabalho individual
trabalho individualEsther Ltz
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pim 1 -_finalizado
Pim 1 -_finalizadoPim 1 -_finalizado
Pim 1 -_finalizadoCarla Lee
 
PIM III PROCESSOS GERENCIAIS
PIM III PROCESSOS GERENCIAISPIM III PROCESSOS GERENCIAIS
PIM III PROCESSOS GERENCIAISDorica Martins
 
Plano de negocio completo para padaria
Plano de negocio completo para padariaPlano de negocio completo para padaria
Plano de negocio completo para padariaDaniel Marinho
 
TCM Gestão Empresarial Logística
TCM Gestão Empresarial LogísticaTCM Gestão Empresarial Logística
TCM Gestão Empresarial LogísticaAndressa Marafigo
 
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...Kamila Lohn
 
Plano de Negócio Analise SWOT para farmácias
Plano de Negócio Analise SWOT para farmáciasPlano de Negócio Analise SWOT para farmácias
Plano de Negócio Analise SWOT para farmáciasfarmwaine
 
Plano de-maketing-empresa-alimento(2)
Plano de-maketing-empresa-alimento(2)Plano de-maketing-empresa-alimento(2)
Plano de-maketing-empresa-alimento(2)Vitória Dantas
 
8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresas
8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresas8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresas
8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresasEnock Viana
 
Plano de marketing lanches mais corrigido
Plano de marketing lanches mais corrigidoPlano de marketing lanches mais corrigido
Plano de marketing lanches mais corrigidoCelio Bastos
 
Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]
Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]
Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]RAMINIROSA
 
15a Conferencia Gestao Integrada de Riscos
15a Conferencia Gestao Integrada de Riscos15a Conferencia Gestao Integrada de Riscos
15a Conferencia Gestao Integrada de RiscosMelissa Dalla Rosa
 
Projeto integrador 4° semestre grupo khelf
Projeto integrador 4° semestre grupo khelfProjeto integrador 4° semestre grupo khelf
Projeto integrador 4° semestre grupo khelfNatasha-Sousa
 
Apostila Projetos em Empreendedorismo
Apostila Projetos em EmpreendedorismoApostila Projetos em Empreendedorismo
Apostila Projetos em EmpreendedorismoÉrlei Araújo
 
Projeto Integrado Multidisciplinar - PIM III
Projeto Integrado Multidisciplinar - PIM IIIProjeto Integrado Multidisciplinar - PIM III
Projeto Integrado Multidisciplinar - PIM IIIHenry Jackman
 
ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...
ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...
ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...EEL USP / Faculdade Canção Nova / Fatea
 

Mais procurados (20)

Pim 1 -_finalizado
Pim 1 -_finalizadoPim 1 -_finalizado
Pim 1 -_finalizado
 
PIM III PROCESSOS GERENCIAIS
PIM III PROCESSOS GERENCIAISPIM III PROCESSOS GERENCIAIS
PIM III PROCESSOS GERENCIAIS
 
Plano de negocio completo para padaria
Plano de negocio completo para padariaPlano de negocio completo para padaria
Plano de negocio completo para padaria
 
Projeto integrador ii parte inicial
Projeto integrador ii   parte inicialProjeto integrador ii   parte inicial
Projeto integrador ii parte inicial
 
TCM Gestão Empresarial Logística
TCM Gestão Empresarial LogísticaTCM Gestão Empresarial Logística
TCM Gestão Empresarial Logística
 
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
 
Plano de Negócio Analise SWOT para farmácias
Plano de Negócio Analise SWOT para farmáciasPlano de Negócio Analise SWOT para farmácias
Plano de Negócio Analise SWOT para farmácias
 
Plano de-maketing-empresa-alimento(2)
Plano de-maketing-empresa-alimento(2)Plano de-maketing-empresa-alimento(2)
Plano de-maketing-empresa-alimento(2)
 
8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresas
8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresas8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresas
8049621 ferramentas-de-gestao-utilizadas-pelas-micro-e-pequenas-empresas
 
Magazine luiza pim iii
Magazine luiza   pim iiiMagazine luiza   pim iii
Magazine luiza pim iii
 
Plano de marketing lanches mais corrigido
Plano de marketing lanches mais corrigidoPlano de marketing lanches mais corrigido
Plano de marketing lanches mais corrigido
 
Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]
Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]
Andrea souza mello_meirelles(_trab._pronto)[1]
 
15a Conferencia Gestao Integrada de Riscos
15a Conferencia Gestao Integrada de Riscos15a Conferencia Gestao Integrada de Riscos
15a Conferencia Gestao Integrada de Riscos
 
Projeto integrador 4° semestre grupo khelf
Projeto integrador 4° semestre grupo khelfProjeto integrador 4° semestre grupo khelf
Projeto integrador 4° semestre grupo khelf
 
Ptg 1º sem flex e 2º semestre
Ptg  1º sem flex e 2º semestrePtg  1º sem flex e 2º semestre
Ptg 1º sem flex e 2º semestre
 
Apostila Projetos em Empreendedorismo
Apostila Projetos em EmpreendedorismoApostila Projetos em Empreendedorismo
Apostila Projetos em Empreendedorismo
 
Plano Marketing
Plano Marketing Plano Marketing
Plano Marketing
 
Projeto Integrado Multidisciplinar - PIM III
Projeto Integrado Multidisciplinar - PIM IIIProjeto Integrado Multidisciplinar - PIM III
Projeto Integrado Multidisciplinar - PIM III
 
Projecto de criacao de lanchonete
Projecto de criacao de lanchoneteProjecto de criacao de lanchonete
Projecto de criacao de lanchonete
 
ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...
ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...
ESTUDO DE VIABILIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE ROUPAS FEMININAS: PLANO...
 

Semelhante a Trabalho izabela individual

64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copia
64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copia64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copia
64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copiaCelio Chagas
 
GESTAO DA QUALIDADE - O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdf
GESTAO DA QUALIDADE -  O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdfGESTAO DA QUALIDADE -  O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdf
GESTAO DA QUALIDADE - O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdfHELENO FAVACHO
 
Gestão de resultados Nova Gestões
Gestão de resultados   Nova GestõesGestão de resultados   Nova Gestões
Gestão de resultados Nova GestõesAntonio Moreira
 
Apostila 01 planejamento estratégico
Apostila 01   planejamento estratégicoApostila 01   planejamento estratégico
Apostila 01 planejamento estratégicokatiagomide
 
S&OP IBP Foods & Beverage Industries Monograph
S&OP IBP Foods & Beverage Industries MonographS&OP IBP Foods & Beverage Industries Monograph
S&OP IBP Foods & Beverage Industries MonographMichel Nachbar, MBA
 
Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...
Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...
Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...Renato Fontana Capalbo
 
Workshop de design de produto
Workshop de design de produtoWorkshop de design de produto
Workshop de design de produtoAndré Ramos
 
Gestão de resultados ga telecom
Gestão de resultados   ga telecomGestão de resultados   ga telecom
Gestão de resultados ga telecomAntonio Moreira
 
Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.
Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.
Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.CompanyWeb
 
DiagnóStico De Design Roteiro De Briefing
DiagnóStico De Design Roteiro De BriefingDiagnóStico De Design Roteiro De Briefing
DiagnóStico De Design Roteiro De Briefinggraziellacarrara
 
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONALGESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONALRicardo Dutra da Silva
 
Atps controladoria pronta
Atps controladoria prontaAtps controladoria pronta
Atps controladoria prontaFrancisco Gomes
 
Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...
Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...
Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...HELENO FAVACHO
 
Plano_Estrategico_MKT_PM
Plano_Estrategico_MKT_PMPlano_Estrategico_MKT_PM
Plano_Estrategico_MKT_PMPaulo Mansoldo
 

Semelhante a Trabalho izabela individual (20)

Business intelligence
Business intelligenceBusiness intelligence
Business intelligence
 
64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copia
64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copia64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copia
64183461 administracao-da-producao-e-operacoe s-copia
 
GESTAO DA QUALIDADE - O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdf
GESTAO DA QUALIDADE -  O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdfGESTAO DA QUALIDADE -  O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdf
GESTAO DA QUALIDADE - O PEDIDO FOI TROCADO, E AGORA!.pdf
 
Contabilidade.pdf
Contabilidade.pdfContabilidade.pdf
Contabilidade.pdf
 
Gestão de resultados Nova Gestões
Gestão de resultados   Nova GestõesGestão de resultados   Nova Gestões
Gestão de resultados Nova Gestões
 
Apostila 01 planejamento estratégico
Apostila 01   planejamento estratégicoApostila 01   planejamento estratégico
Apostila 01 planejamento estratégico
 
Pipa Marina
Pipa MarinaPipa Marina
Pipa Marina
 
S&OP IBP Foods & Beverage Industries Monograph
S&OP IBP Foods & Beverage Industries MonographS&OP IBP Foods & Beverage Industries Monograph
S&OP IBP Foods & Beverage Industries Monograph
 
Tc fast fit
Tc fast fitTc fast fit
Tc fast fit
 
Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...
Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...
Webinar Enora Leaders - A Experiência do Cliente como Ferramenta de Inovação ...
 
Workshop de design de produto
Workshop de design de produtoWorkshop de design de produto
Workshop de design de produto
 
Gestão de resultados ga telecom
Gestão de resultados   ga telecomGestão de resultados   ga telecom
Gestão de resultados ga telecom
 
Estratégias de Comercialização
Estratégias de ComercializaçãoEstratégias de Comercialização
Estratégias de Comercialização
 
Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.
Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.
Gestao Hospitalar | Gestão de Processos e Ativos hospitalares.
 
DiagnóStico De Design Roteiro De Briefing
DiagnóStico De Design Roteiro De BriefingDiagnóStico De Design Roteiro De Briefing
DiagnóStico De Design Roteiro De Briefing
 
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONALGESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
 
Atps controladoria pronta
Atps controladoria prontaAtps controladoria pronta
Atps controladoria pronta
 
Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...
Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...
Companhia de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos – LABORLIFE - Ciência...
 
Plano_Estrategico_MKT_PM
Plano_Estrategico_MKT_PMPlano_Estrategico_MKT_PM
Plano_Estrategico_MKT_PM
 
Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
Controladoria: a ferramenta amiga dos EmpreendedoresControladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
 

Último

Existe Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e Humanizado
Existe Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e HumanizadoExiste Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e Humanizado
Existe Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e Humanizadolununesdtna01
 
Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024
Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024
Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024vivapariquera
 
Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?
Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?
Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?sindiconet
 
Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024
Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024
Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024PabloVieira31
 
O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...
O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...
O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...naldowidestock
 
Banner WhatsApp - Influenciadores no condomínio
Banner WhatsApp - Influenciadores no condomínioBanner WhatsApp - Influenciadores no condomínio
Banner WhatsApp - Influenciadores no condomíniosindiconet
 
Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024
Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024
Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024sindiconet
 

Último (7)

Existe Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e Humanizado
Existe Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e HumanizadoExiste Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e Humanizado
Existe Idade para se Relacionar - Sob um olhar Simples e Humanizado
 
Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024
Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024
Viva Pariquera | Janeiro e Fevereiro de 2024
 
Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?
Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?
Informativo Março 2024 | Você acompanha a prestação de contas?
 
Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024
Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024
Marketing Vix - primeiro evento da comunidade. em 2024
 
O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...
O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...
O Poder das Histórias: Como Usar Narrativas para Conectar e Influenciar seu P...
 
Banner WhatsApp - Influenciadores no condomínio
Banner WhatsApp - Influenciadores no condomínioBanner WhatsApp - Influenciadores no condomínio
Banner WhatsApp - Influenciadores no condomínio
 
Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024
Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024
Planner de Comunicação Eletromidia | Março 2024
 

Trabalho izabela individual

  • 1. SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO IZABELA DIAS PEREIRA DA SILVA UMA ANÁLISE DE TEMAS ABORDADOS NA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA, ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS DIAMANTINA 2014
  • 2. IZABELA DIAS PEREIRA DA SILVA UMA ANÁLISE DE TEMAS ABORDADOS NA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA, ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO DE NEGÓCIOS Trabalho apresentado ao Curso Administração da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para as disciplinas: Administração Estratégica, Administração de Sistema de Informação e Gestão de Negócios. Prof. Prof. Prof. DIAMANTINA 2014
  • 3. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO......................................................................................... 04 2. DESENVOLVIMENTO.............................................................................. 2.1. ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA....................................................... 05 05 2.2. ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA E INFORMAÇÃO.............................. 08 2.3. GESTÃO DE NEGÓCIOS....................................................................... 18 3. CONCLUSÃO........................................................................................... 25 4. REFERÊNCIAS......................................................................................... 26
  • 4. 4 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo realizar uma análise sobre as variáveis relacionada ao comportamento do consumidor, ao desenvolvimento de produtos e serviços e o uso das informações para o planejamento. Ainda, será realizada uma pesquisa sobre o que é, quais os componentes e como a Matriz SWOT pode contribuir para estratégia da empresa. Em um segundo momento, será resumido em breves linhas sobre o que é automação comercial: conceitos, características e aplicações nas empresas. O hardware e software: seus componentes básicos e a computação em nuvem e virtualização usadas na empresa. O que são, para que serve, onde são usados e como são usados os bancos de dados, bem como os benefícios e dificuldades que a empresa encontra para utiliza-los. As redes e comunicações de dados: conceitos, topologia e tipos de redes, meios de comunicações e a comunicação utilizada pelas empresas. E, por fim, os sistemas empresariais conceitos e características, vantagens e desvantagens e suas aplicações nas organizações. Por fim, serão analisadas as ferramentas que a empresa pode utilizar na coleta de informação no ambiente interno e externo e a importância da análise das informações para tomada de decisão em uma empresa, bem como, os cuidados que devemos tomar, em uma empresa, para que as metas de desempenho desenvolvido no planejamento estratégico sejam alcançados.
  • 5. 5 2. DESENVOLVIMENTO 2.1.1. O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COM RELAÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Atualmente, é de suma importância conhecer, estudar e monitorar constantemente o comportamento dos consumidores, pois, com essa preocupação, os profissionais ligados ao marketing e gestores empresariais podem detectar oportunidades e ameaças aos seus negócios com a possível insatisfação ou recusa de seus clientes. Ao se realizar uma análise detalhada dos diversos comportamentos dos consumidores, é possível visar as melhores estratégias de lançamento de um produto ou a melhor forma de atacar na divulgação de um serviço de forma a satisfazer as necessidades tanto do cliente quanto da empresa, assim, motivar, encantar e até fidelizar os clientes de forma a aumentar a lucratividade no orçamento empresarial é o ápice da satisfação por meio dos consumidores. Desse modo, a decisão de comprar um produto ou serviço é um momento importante para consumidores. Isto significa que as estratégias de marketing devem ser inteligentes, eficazes e direcionadas ao mercado-alvo de acordo com o conhecimento percebido da maneira que cada consumidor obtém seus produtos ou serviços. Assim, observa-se então que as compras realizadas pelos consumidores são baseadas na motivação e expectativas de consumo. Neste sentido, as influências tornam-se decisivas no momento da efetivação da compra. Portanto, para garantir a compra e fidelização do cliente, é relevante analisar o comportamento do consumidor e usar de influências para motivar e finalizar o processo de compra de forma que o resultado seja satisfatório para ambos os envolvidos. 2.1.2. O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS
  • 6. 6 Uma nova realidade forma-se para a empresa a cada dia que passa. Os produtos e serviços têm que competir em preço e qualidade com similares estrangeiros, vindos tanto de países com elevado nível de desenvolvimento tecnológico quanto de países onde os custos de fabricação estão num patamar bem abaixo devido, principalmente, ao menor valor da mão de obra. Assim, a empresa brasileira tem sido forçada a assimilar e desenvolver continuamente novas tecnologias e produtos e serviços, visando redução de custos, manutenção e se possível ampliação de mercado, enfim se manter competitiva num mercado cada vez mais globalizado. Nesse ínterim, o processo de desenvolvimento de produtos pode ser definido como um conjunto de atividades, envolvendo quase todos os setores da empresa, que tem como objetivo a transformação de necessidades de mercado em produtos ou serviços economicamente viáveis. O projeto é a atividade principal de quem desenvolve produtos. Todo e qualquer desenvolvimento envolve sempre fatores tecnológicos, econômicos, humanos e ambientais. O que varia de um produto ou serviço para outro é a importância relativa destes fatores. Em suma, o projeto é basicamente influenciado pela economia e tecnologia, mas também por fatores culturais, sociais e políticos da comunidade a que se destina. É importante notar entretanto que assim como sofre influências do meio social, o projeto a partir dos produtos ou resultados dele decorrentes também pode influir sobre a sociedade mudando hábitos, costumes e mesmo gerando novas necessidades. 2.1.3. USO DAS INFORMAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO 2.1.4. O QUE É MATRIZ SWOT? SWOT é a sigla dos termos ingleses Strengths (Forças), Weaknesses
  • 7. 7 (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) que consiste em uma metodologia bastante popular no âmbito empresarial. A técnica de análise SWOT foi elaborada pelo norte-americano Albert Humphrey, durante o desenvolvimento de um projeto de pesquisa na Universidade de Stanford entre as décadas de 1960 e 1970, usando dados da Fortune 500, uma revista que compõe um ranking das maiores empresas americanas1 . Quando aplicada na administração de empresas, a análise svwot é um importante instrumento utilizado para planejamento estratégico que consiste em recolher dados importantes que caracterizam o ambiente interno (forças e fraquezas) e externo (oportunidades e ameaças) da empresa. 2.1.5. QUAIS OS COMPONENTES DA MATRIZ SWOT? A matriz swot é composta por2 : Strengths (forças) - vantagens internas da empresa em relação às concorrentes. Ex.: qualidade do produto oferecido, bom serviço prestado ao cliente, solidez financeira, etc. Weaknesses (fraquezas) - desvantagens internas da empresa em relação às concorrentes. Ex.: altos custos de produção, má imagem, instalações desadequadas, marca fraca, etc.; Opportunities (oportunidades) – aspectos externos positivos que podem potenciar a vantagem competitiva da empresa. Ex.: mudanças nos gostos dos clientes, falência de empresa concorrente, etc.; Threats (ameaças) - aspectos externos negativos que podem por em risco a vantagem competitiva da empresa. Ex.: novos competidores, perda de trabalhadores fundamentais, etc. 1 http://www.significados.com.br/swot/ 2 idem
  • 8. 8 2.1.6. COMO A MATRIZ SWOT PODE CONTRIBUIR PARA ESTRATÉGIA DA EMPRESA? A matriz swot ajuda a ter clareza do negócio, possibilitando que se identifiquem quais pontos fortes explorar e quais pontos a trabalhar no âmbito de toda a gestão empresarial. Essa ferramenta ajuda a determinar a posição atual da empresa e antecipar o futuro, visando às oportunidades e precavendo as ameaças.3 2.2. AUTOMAÇÃO COMERCIAL 2.2.1. CONCEITO Automação Comercial pode ser entendia como um esforço para transformar tarefas manuais repetitivas em processos automáticos, realizados por uma máquina. Isto que dizer que, tarefas que são executadas por pessoas e passiveis de erro como digitação de preço dos produtos, quantidade de itens, uma simples anotação do peso de uma mercadoria ou mesmo o preenchimento de um cheque, na automação comercial são feitas por computador com total eficiência e maior velocidade. 2.2.2. CARACTERÍSTICA A tecnologia da informação permite o controle de todos os itens da loja e comunicação eletrônica com a rede de suprimentos. O controle de estoque é simplificado com a baixa automática do item quando o cliente efetua o pagamento no caixa através de um PDV (Ponto de Venda). 3 http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/saiba-como-fazer-uma-analise-swot/73989/
  • 9. 9 Aplicando técnicas de Business Intelligence (BI) para acompanhar as vendas históricas, por período, é possível determinar a oferta de itens com antecedência. Relacionando a demanda da procura histórica com eventos externos, como a previsão de aumento de temperatura, é possível aumentar o estoque de bebidas e sorvetes. O BI também permite associar compras relacionadas de clientes, a partir de um padrão de comportamento é possível colocar os itens próximos para motivar a compra. Um software de automação comercial deve ter as seguintes características e funcionalidades: gerenciamento de transações; controle de tickets de vendas; registro de itens; gestão de preços; gestão de estoques; relatório e consultas; integração com outros softwares de gestão empresarial.4 2.2.3. APLICAÇÕES NA EMPRESA O consumidor está cada vez mais exigente. Hoje o cliente quer encontrar uma variedade maior de produtos à sua disposição; deseja ser melhor atendido e, principalmente, procura sempre preços mais compatíveis. Quase todos os comerciantes já entenderam que a automação comercial pode gerar ótimos resultados em seu negócio. Isso pode ser percebido nos supermercados, lojas de departamento, de calçados, de confecções, entre outros exemplos, que estão apresentando excelentes resultados com a utilização da informática. 2.3. HARDWARE E SOFTWARE 2.3.1. OS COMPONENTES BÁSICOS DOS HARDWARES E SOFTWARES 4 http://www.efagundes.com/tecnologias/Automacao_comercial.htm
  • 10. 10 Hardware é um termo em inglês que não tem uma tradução específica, deriva da palavra hard em inglês, que significa duro. É usado para definir todos os componentes físicos (mecânicos, magnéticos e eletrônicos) de um computador, ou seja, a máquina propriamente dita. O hardware de um computador pode ser dividido basicamente em quatro categorias: processador, placa-mãe, memória e dispositivos de entrada e saída. O processador, também chamado de Unidade Central de Processamento (UCP), do inglês Central Processing Unit (CPU), é o principal componente eletrônico de um computador. Ele fica acoplado na placa-mãe e é o responsável pela execução, com auxílio da memória e dos dispositivos de entrada e saída, de todas as operações no computador. Pode ser considerado o “cérebro” do computador. A memória principal é aquela que é acessada diretamente pelo processador e armazena os dados de forma eletrônica. Apresenta alta velocidade e baixa capacidade de armazenamento. É formada pela memória RAM (do inglês Random Access Memory, que significa “memória de acesso aleatório”), que armazena as informações que são utilizadas no trabalho do processador; e pela memória ROM (Read Only Memory, “memória somente para leitura”), que armazena as instruções de inicialização do computador. A memória secundária, também chamada memória de massa, apresenta alta capacidade de armazenamento e baixa velocidade. É usada para gravar grande quantidade de dados por um período longo de tempo e não é acessada diretamente pelo processador. Quando necessita de uma informação armazenada nessa memória, o processador a copia anteriormente para a memória principal. São exemplos de memória de massa as unidades de fita, os disquetes, os discos rígidos, os discos óticos (CDs, DVDs e Blu-rays) e os discos removíveis (pendrives, cartões de memória, etc.). Finalmente, há a placa-mãe, do inglês motherboard, também chamada mainboard (inglês para “placa principal”), é a principal placa do computador, responsável pela interconexão de todos os dispositivos que o compõem. Se o processador é o “cérebro” do computador, pode-se comparar a placa-mãe a um “sistema nervoso”.
  • 11. 11 Há o software operacional (também chamado de sistema operacional) que é o software responsável por operacionalizar o computador, ou seja, torná-lo operacional. Ele gerencia a comunicação entre todos os seus componentes (entre hardware e software, entre um aplicativo e outro), e entre estes e o usuário, de forma a tornar o computador uma máquina funcional, capaz de “atender ordens”. Ele também dispõe de recursos para tornar mais fácil a comunicação entre o usuário e o computador, como a interface gráfica. Há também o BIOS (do inglês Basic Input/Output System, sistema básico de entrada e saída), que é o primeiro programa a ser executado quando o computador é ligado. Ele reconhece os componentes de hardware instalados, verifica se todos estão funcionando e passa o comando do computador ao sistema operacional, provendo a este informações sobre o hardware da máquina. Podemos então classificar o software de um computador em dois grupos, diferentes entre si quanto à importância que eles possuem para o funcionamento da máquina e a sua utilidade: básicos e aplicativos. Os softwares básicos de um computador são aqueles essenciais ao seu funcionamento, como o sistema operacional, o BIOS e os programas fornecidos pelo fabricante junto com a máquina. Já os softwares aplicativos, ou simplesmente aplicativos, são desenvolvidos para auxiliar o usuário na execução de alguma tarefa ou na obtenção da solução para algum problema, ou seja, são softwares desenvolvidos para uma aplicação específica. Quase todos os programas que não são softwares básicos são softwares aplicativos. 2.3.2. COMPUTAÇÃO EM NUVEM E VIRTUALIZAÇÃO USADAS NA EMPRESA Acesso privilegiado de usuários: a sensibilidade de informações confidenciais nas empresas obriga um controle de acesso dos usuários e informação bem específica
  • 12. 12 de quem terá privilégio de administrador, para então esse administrador controle os acessos. Compliance com regulamentação: as empresas são responsáveis pela segurança, integridade e a confidencialidade de seus próprios dados. Os fornecedores de computação em nuvem devem estar preparados para auditorias externas e certificações de segurança. Localização dos dados: a empresa que usa cloud provavelmente não sabe exatamente onde os dados estão armazenados, talvez nem o país onde as informações estão guardadas. O fornecedor deve estar disposto a se comprometer a armazenar e a processar dados em jurisdições específicas, assumindo um compromisso em contrato de obedecer aos requerimentos de privacidade que o país de origem da empresa pede. Segregação dos dados: geralmente uma empresa divide um ambiente com dados de diversos clientes. Procure entender o que é feito para a separação de dados, que tipo de criptografia é segura o suficiente para o funcionamento correto da aplicação. Recuperação dos dados: o fornecedor em cloud deve saber onde estão os dados da empresa e o que acontece para recuperação de dados em caso de catástrofe. Qualquer aplicação que não replica os dados e a infraestrutura em diversas localidades está vulnerável a falha completa. Importante ter um plano de recuperação completa e um tempo estimado para tal. Apoio à investigação: a auditabilidade de atividades ilegais pode se tornar impossível na computação em nuvem uma vez que há uma variação de servidores conforme o tempo onde estão localizados os acessos e os dados dos usuários. Importante obter um compromisso contratual com a empresa fornecedora do serviço e uma evidência de sucesso no passado para esse tipo de investigação. Viabilidade em longo prazo: no mundo ideal, o seu fornecedor de computação em nuvem jamais vai falir ou ser adquirido por uma empresa maior. A empresa precisa garantir que os seus dados estarão disponíveis caso o fornecedor de computação em nuvem deixe de existir ou seja migrado para uma empresa maior. Importante haver um
  • 13. 13 plano de recuperação de dados e o formato para que possa ser utilizado em uma aplicação substituta. 2.4. BANCOS DE DADOS 2.4.1. O QUE É BANCOS DE DADOS? Bancos de dados ou bases de dados são coleções organizadas de dados que se relacionam de forma a criar algum sentido (Informação) e dar mais eficiência durante uma pesquisa ou estudo. São de vital importância para empresas, e há duas décadas se tornaram a principal peça dos sistemas de informação. Normalmente existem por vários anos sem alterações em sua estrutura. A principal aplicação de Banco de Dados é controle de operações empresariais. Outra aplicação também importante é gerenciamento de informações de estudos, como fazem os Bancos de Dados Geográficos, que unem informações convencionais com espaciais.5 2.4.2. PARA QUE SERVE OS BANCOS DE DADOS? Serve para manipular (ou processar) dados. Existem certas maneiras padronizadas de se lidar com grandes quantidades de dados (informações no computador), que funcionam também com pequenas quantidades. Estas "maneiras padronizadas" são chamadas de formato, padrão, paradigma, etc, mas definem como os dados são guardados no computador e como eles são apresentados. Neste caso deve ser usado um programa, um "SGBD - Sistema Gerenciador de Banco de Dados" 5 http://pt.wikipedia.org/wiki/Banco_de_dados
  • 14. 14 (ou "DBMS", em inglês, de "Data Base Management System"), como o MySQL, o Access, etc. 2.4.3. ONDE É USADO? Os bancos de dados são usados em qualquer lugar que os dados precisam ser armazenados e facilmente recuperados6 . 2.4.4. COMO SÃO USADOS BANCOS DE DADOS? Bancos de dados são, obviamente, utilizados em aplicações de negócios e operações financeiras. O seu supermercado, banco, loja de aluguel de vídeo e loja de roupa favorita todos os bancos usam para manter o controle de clientes, estoque, funcionários e informações contábeis. Bases de dados para permitir que os dados sejam armazenados de forma rápida e facilmente e são usados em muitos aspectos da sua vida diária. 2.4.5. BENEFÍCIOS E DIFICULDADES QUE A EMPRESA ENCONTRA PARA UTILIZA-LOS Pelo fato dos bancos de dados serem armazenados digitalmente, vários usuários em diferentes locais podem visualizar os dados em mais de uma vez lugar. Os bancos de dados permitem maior flexibilidade, porque eles estão em um formato digital. As empresas usam bancos de dados para o inventário e preços item. A rede de varejo pode ver quando as lojas são baixas no inventário e encomendar automaticamente 6 http://pt.wingwit.com/Software/database-software/116018.html#.U3Jfa4FdUgc
  • 15. 15 mais. Os preços podem ser atualizados em todo o país imediatamente, em comparação a ter que fazê-lo manualmente em cada loja. Os bancos de dados são usados para distribuir dados de forma rápida e facilmente, porque eles só são atualizados uma vez e pode ser lido por muitos usuários. 2.5. REDES E COMUNICAÇÕES DE DADOS 2.5.1. CONCEITOS DAS REDES E COMUNICAÇÕES DE DADOS As redes de comunicação de dados, também vulgarmente designadas por redes de computadores, têm-se desenvolvido a um ritmo acentuado, sobretudo devido aos avanços nas áreas da microeletrônica e da informática, sendo hoje imprescindíveis em praticamente todas as áreas de atividade. Estas redes disponibilizam aos utilizadores um conjunto de vantagens que as tornam atrativas. Entre outras, podem destacar-se a possibilidade de acesso a computadores remotos, o uso e a partilha de recursos diversificados e/ou dispendiosos, o acesso à informação e a facilidade de transferência de dados. 2.5.2. TOPOLOGIA E TIPOS DE REDES Estas redes podem ser classificadas em três grupos, conforme as suas características e finalidades: LANs (Local Area Network - Rede Local de Computadores), MANs (Metropolitan Area Network - Rede Metropolitana de Computadores) e WANs (Wide Area Network - Rede de Grandes Áreas). As LANs são redes usadas em áreas pequenas (tipicamente um edifício ou conjunto de edifícios) e operam a velocidades elevadas (da ordem das dezenas de Mbit/s). As MANs são usadas em áreas mais alargadas (por exemplo, uma cidade) e operam a velocidades
  • 16. 16 da ordem das várias dezenas ou das centenas de Mbit/s. As WANs são redes que abrangem áreas muito vastas (por exemplo, um país) e operam a baixas velocidades (ordem dos kbit/s), limitadas sobretudo pelos recursos de transmissão que utilizam (rede telefónica, na maior parte dos casos)7 . 2.5.3. MEIOS DE COMUNICAÇÕES A comunicação é hoje uma das principais preocupações das empresas num mundo globalizado, pois todas elas hoje para terem sucesso devem trabalhar em equipe. A comunicação organizacional ou empresarial, assim, tem por fim ser o elemento de equilíbrio e transformação nos processos sociais internos das organizações. Trabalhando os diversos públicos, prioritariamente interno e externo, a comunicação deve possibilitar à organização o equilíbrio nas relações do público interno de modo a repercutir nas relações com o público externo, consumidor da imagem da organização, a qual é o reflexo do ambiente organizacional. Há vários canais através dos quais a comunicação pode ocorrer: canais descendentes; canais descendentes – orais e visuais; discurso anual; reuniões; entrevistas; relação direta; rádios; alto-falantes; telefones; semáforos; indicadores por números; informação anual; jornal da empresa; cartas diretas ao pessoal; manual de recepção; circulares, panfletos; boletins murais. A Intranet é o veículo de comunicação inicial para melhorar a comunicação dentro de uma empresa. Melhorando essa comunicação ela poderá ser expandida para fornecedores, criando uma Extranet que garante a comunicação entre a empresa e o "mundo exterior". Esta comunicação segura acontece em tempo real, e pode contar com tipos de acesso diferenciados como, por exemplo, para: fornecedores, funcionários, ou vendedores (que passam a maior parte do tempo fora da empresa). 7 http://www.infopedia.pt/$redes-de-comunicacao-de-dados;jsessionid=JAxIorTCr6ospdb5hFQaAw__
  • 17. 17 Estas informações são interligadas aos sistemas internos da empresa (ERP, CRM, etc...), para garantir que todas estejam sempre atualizadas. 2.5.4. A COMUNICAÇÃO UTILIZADA PELAS EMPRESAS A comunicação é imprescindível para qualquer organização social. O sistema organizacional se viabiliza graças ao sistema de comunicação nele existente, que permitirá sua realimentação e sua vital sobrevivência frente aos desafios e obstáculos cotidianos. Por isso é necessário tornar a comunicação eficaz, para que haja cooperação e coordenação, sempre imprescindíveis ao incremento da produtividade nas empresas. As barreiras da comunicação sempre existirão. Nem sempre existe compreensão entre o emissor e o receptor, os mesmos devem tomar cuidado com os ruídos que podem acontecer na comunicação entre eles. Pois a comunicação é imprescindível para qualquer organização social. O sistema organizacional se viabiliza graças ao sistema de comunicação nele existente, que permitirá sua realimentação e sua vital sobrevivência frente aos desafios e obstáculos cotidianos. As organizações constituem um sistema cujos elementos são interdependentes, formando um todo unitário. A dinâmica organizacional, que visa coordenar recursos humanos e materiais para atingir objetivos definidos, processa-se por meio da interligação e do relacionamento dos membros e de seus sistemas constitutivos. Podemos perceber, desde então, a importância da interação e de uma eficaz comunicação que englobe todos os colaboradores e departamentos administrativos da organização, até a alta cúpula administrativa ou as diretorias eleitas. Vale a pena acrescentar que não é pelo fato de existir uma comunicação interna formalizada que todos os problemas internos quanto ao fluxo de informações será resolvido. Será com uma comunicação interna que torna possível a disseminação de
  • 18. 18 informações de maneira eficaz, fortalecendo os propósitos e os objetivos finais das nossas organizações8 . 2.6. SISTEMAS EMPRESARIAIS 2.6.1. CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS EMPRESARIAIS Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (SIGE ou SIG), em inglês Enterprise Resource Planning (ERP) , são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional (sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras etc) e sob a perspectiva sistêmica (sistema de processamento de transações, sistemas de informações gerenciais, sistemas de apoio à decisão etc)9 . 2.6.2. VANTAGENS E DESVANTAGENS Algumas das vantagens da à implementação de um sistema de gestão numa empresa são: Eliminar o uso de interfaces manuais; Otimizar o fluxo da informação e a qualidade da mesma dentro da organização (eficiência); Otimizar o processo de tomada de decisão; 8 http://webcache.googleusercontent.com/search? q=cache:mdqaMArSWo4J:www.administradores.com.br/artigos/marketing/o-processo-de-comunicacao- dentro-da-empresa/56412/+&cd=5&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br 9 http://webcache.googleusercontent.com/search? q=cache:BbJKc6JdjxQJ:pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_integrado_de_gest %25C3%25A3o_empresarial+&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br
  • 19. 19 Eliminar a redundância de atividades; Reduzir os limites de tempo de resposta ao mercado; Reduzir as incertezas do Lead time; Incorporação de melhores práticas (codificadas no ERP) aos processos internos da empresa; Reduzir o tempo dos processos gerenciais; Redução de estoque; Desvantagens do ERP (editar-editar código-fonte); Algumas das desvantagens da implementação de um sistema de gestão em uma empresa são: A utilização do ERP por si só não torna uma empresa verdadeiramente integrada; Altos custos que muitas vezes não comprovam a relação custo/benefício; Dependência do fornecedor do pacote; Adoção de melhores práticas aumenta o grau de imitação e padronização entre as empresas de um segmento; Torna os módulos dependentes uns dos outros, pois cada departamento depende das informações do módulo anterior, por exemplo. Logo, as informações têm que ser constantemente atualizadas, uma vez que as informações são em tempo real, ocasionando maior trabalho; Aumento da carga de trabalho dos servidores da empresa e extrema dependência dos mesmos. 2.6.3. SUAS APLICAÇÕES NAS ORGANIZAÇÕES
  • 20. 20 Entre as mudanças mais palpáveis que um sistema de sistema de gestão proporciona a uma corporação, está é a maior confiabilidade dos dados, agora monitorados em tempo real, e a diminuição do retrabalho. Algo que é conseguido com o auxílio e o comprometimento dos funcionários, responsáveis por fazer a atualização sistemática dos dados que alimentam toda a cadeia de módulos do ERP e que, em última instância, fazem com que a empresa possa interagir. Assim, as informações trafegam pelos módulos em tempo real, ou seja, uma ordem de vendas dispara o processo de fabricação com o envio da informação para múltiplas bases, do estoque de insumos à logística do produto. Tudo realizado com dados orgânicos, integrados e não redundantes. Para entender melhor como isto funciona, o ERP pode ser visto como um grande banco de dados com informações que interagem e se realimentam. Assim, o dado inicial sofre uma mutação de acordo com seu status, como a ordem de vendas que se transforma no produto final alocado no estoque da companhia. Ao desfazer a complexidade do acompanhamento de todo o processo de produção, venda e faturamento, a empresa tem mais subsídios para se planejar, diminuir gastos e repensar a cadeia de produção. Um bom exemplo de como o ERP revoluciona uma companhia é que com uma melhor administração da produção, um investimento, como uma nova infraestrutura logística, pode ser repensado ou simplesmente abandonado. Neste caso, ao controlar e entender melhor todas as etapas que levam a um produto final, a companhia pode chegar ao ponto de produzir de forma mais inteligente, rápida e melhor, o que, em outras palavras, reduz o tempo que o produto fica parado no estoque. A tomada de decisões também ganha uma outra dinâmica. Imagine uma empresa que por alguma razão, talvez uma mudança nas normas de segurança, precise modificar aspectos da fabricação de um de seus produtos. Com o ERP, todas as áreas corporativas são informadas e se preparam de forma integrada para o evento, das compras à produção, passando pelo almoxarifado e chegando até mesmo à área de marketing, que pode assim ter informações para mudar algo nas campanhas
  • 21. 21 publicitárias de seus produtos. E tudo realizado em muito menos tempo do que seria possível sem a presença do sistema. De acordo com a empresa, é possível direcionar ou adaptar o ERP para outros objetivos, estabelecendo prioridades que podem tanto estar na cadeia de produção quanto no apoio ao departamento de vendas como na distribuição, entre outras. Com a capacidade de integração dos módulos, é possível diagnosticar as áreas mais e menos eficientes e focar em processos que possam ter o desempenho melhorado com a ajuda do conjunto de sistemas. 2.7. AS FERRAMENTAS QUE A EMPRESA PODE UTILIZAR NA COLETA DE INFORMAÇÃO 2.7.1. AMBIENTE INTERNO No ambiente interno, é necessário determinar as forças e fraquezas de uma companhia em comparação com outras empresas do mesmo ramo de atuação. Tais variáveis são determinadas por meio do próprio contexto da companhia, das ações realizadas, e devem ser sanadas pelos líderes e suas equipes. Por exemplo, as forças e fraquezas podem ser medidas diante da quantidade e qualidade de recursos de uma empresa em face aos concorrentes, como mão de obra qualificada e receita. 2.7.2. AMBIENTE EXTERNO As oportunidades e ameaças estão dentro do chamado ambiente externo. Elas variam de acordo com o mercado em que o empreendimento está inserido. Por exemplo, uma oportunidade para uma empresa é o crescimento do setor do qual faz parte e o surgimento de novos nichos de consumidores. Já as ameaças podem ser a
  • 22. 22 expansão ou o lançamento de novas tecnologias por uma concorrente do mesmo segmento. 2.8. A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES PARA TOMADA DE DECISÃO EM UMA EMPRESA As informações têm-se tornado o principal diferencial competitivo nas organizações empresariais, sendo sua utilização de vital importância para sobrevivência e manutenção na realidade de toda e qualquer empresa. O processo de tomada de decisões tem como sua referencia e consulta as informações sobre o mercado, economia, comportamento, moda entre outros fatores determinantes para mudança e adaptação do produto ou serviço no mercado organizacional. A empresa em si é uma estrutura estática. O que movimenta esta estrutura, o que lhe dá dinamismo, é o conjunto de seus sistemas de informações, ou seja, a gama de informações produzidas pelos seus sistemas, de modo a possibilitar o planejamento, a coordenação e o controle de suas operações. Já é do consenso geral, no mundo empresarial, que as informações compõem um dos maiores e mais valiosos ativos da empresa. Podemos afirmar que uma empresa será mais dinâmica, mais agressiva e mais atuante do que outras na medida em que possua melhores sistemas de informações e, evidentemente, pessoal de alta e média administração, capacitado e motivado a se utilizar destas informações para as suas tomadas de decisões. Tomar decisões implica correr riscos, ter maiores possibilidades de mantê-la por um longo período, bastante competitiva. A integração de informações e conhecimentos é de extrema importância para o desenvolvimento de uma empresa.
  • 23. 23 2.9. OS CUIDADOS QUE DEVEMOS TOMAR, EM UMA EMPRESA, PARA QUE AS METAS DE DESEMPENHO DESENVOLVIDO NO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SEJAM ALCANÇADOS Muitos administradores associando os ambientes externo e interno consideram o planejamento estratégico a melhor forma que a direção da empresa utiliza para interagir com os fatores externos. Estes são considerados não controláveis demandam prazo de atuação mais longo, amplo, com riscos maiores, atividades mais finalísticas e com flexibilidade menor. Os elementos necessários para se realizar o planejamento estratégico são: diagnóstico estratégico, missão da empresa, instrumentos prescritivos e quantitativos, controle e avaliação. Não existe um melhor caminho para a criação de uma estratégia como também inexiste um melhor caminho para o direcionamento das organizações, porque formas bem diferentes funcionam em contextos particulares. Pode-se afirmar que um planejamento estratégico, quando bem utilizado proporciona uma série de vantagens para a empresa como um todo. Embora possa parecer óbvia e alguns possam entender a lista abaixo como extensa, merecendo ser resumida, a considera de relevância, pois fornece um cenário completo de resultados: (a) identifica áreas que exigem decisões e garante que a devida atenção lhes seja dispensada, tendo em vista os resultados esperados; (b) estabelece um fluxo mais rígido de informações importantes para os tomadores de decisões e que sejam as mais adequadas para o processo estratégico da empresa; (c) facilita a mudança organizacional durante a execução dos planos estabelecidos, sendo que isso ocorre por meio de uma comunicação aprimorada e adequada; (d) procura o envolvimento de vários profissionais da empresa para com os objetivos, desafios e metas por meio do direcionamento de esforços; (e) facilita e agiliza o processo de tomada de decisões; (f) facilita a alocação dos recursos da empresa; (g) possibilita maior consenso, compromisso e consistência entre os profissionais da empresa; (h) cria alternativas administrativas; (i) possibilita o comportamento sinérgico das várias unidades organizacionais da empresa; (j)possibilita à empresa manter maior interação com o ambiente; (k) incentiva e facilita a função de direção na empresa; (l) transforma as
  • 24. 24 organizações reativas em organizações proativas e, em situações otimizadas, em organizações interativas; (m)facilita e desenvolve um processo descentralizado de decisão na empresa; (n) cria situações em que os executivos se sentem obrigados a se afastar das atividades rotineiras; (o) Incentiva a utilização de modelos organizacionais adequados aos diversos contextos ambientais atuais e futuros; (p) orienta o desenvolvimento dos planejamentos táticos e operacionais; e (q) fortalece e agiliza o processo orçamentário. 3. CONCLUSÃO Após analisados os tópicos acima, podemos concluir que a real efetividade de
  • 25. 25 uma empresa se resume ao reconhecimento da eficácia do seu gerenciamento, delineado com o objetivo principal de melhorar a capacidade da organização de assertivamente exercer sua função. A Gestão Estratégica da Informação como prática gerencial, se volta para o controle da oferta, e não mais para a identificação da demanda. Cabe às empresas criar mecanismos que favoreçam a aproximação do homem ao que ele procura pela subjetividade do usuário da informação, no que diz respeito à recepção e distribuição da informação. Cabe ao administrador de uma empresa gerar informações, formar redes e se divulgar seus produtos e serviços a uma demanda irrestrita dada as novas necessidades consumeristas que surgem ao longo do tempo e dos novos meios tecnológicos que vêm se desenvolvendo. 4. REFERÊNCIAS Disponível em: http://www.significados.com.br/swot/. Acesso em: 10 mai 2014.
  • 26. 26 Disponível em: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/saiba-como-fazer- uma-analise-swot/73989/. Acesso em: 10 mai 2014. Disponível em: http://www.pecepoli.com.br/PT/GEP/. Acesso em: 10 mai 2014. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Automa%C3%A7%C3%A3o_comercial. Acesso em: 10 mai 2014. Disponível em: http://www.efagundes.com/tecnologias/Automacao_comercial.htm. Acesso em 12 mai 2014. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Banco_de_dados. Acesso em 12 mai 2014. Disponível em: http://www.infoescola.com/informatica/banco-de-dados/. Acesso em 12 mai 2014. Disponível em: http://pt.wingwit.com/Software/database- software/116018.html#.U3Jfa4FdUgc. Acesso em: 12 mai 2014. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search? q=cache:6IB_1vABbKkJ:paginas.fe.up.pt/~mricardo/02_03/rcd/teoricas/cp_v4.pdf+&cd= 10&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 12 mai 2014. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search? q=cache:spSWEw1SNHkJ:https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/download/80 58/7442+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 12 mai 2014. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search? q=cache:mdqaMArSWo4J:www.administradores.com.br/artigos/marketing/o-processo- de-comunicacao-dentro-da-empresa/56412/+&cd=5&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em 12 mai 2014. Disponível em: http://www.infopedia.pt/$redes-de-comunicacao-de- dados;jsessionid=JAxIorTCr6ospdb5hFQaAw__. Acesso em 12 mai 2014.