Tarefa 1 1ªA Parte

709 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
709
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tarefa 1 1ªA Parte

  1. 1. AUTO AVALIAÇÃO da BIBLIOTECA ESCOLAR José fanhaAGRUPAMENTO DE ESCOLAS D.DINIS<br />Apresentação no Conselho Pedagógico<br />Fernanda Jacinto<br />
  2. 2. Introdução<br />“A biblioteca escolar (BE) constitui um contributo essencial para o sucesso educativo, sendo um recurso fundamental para o ensino aprendizagem” <br />“Os vários estudos internacionais têm identificado os factores que se podem considerar decisivos para o sucesso da missão que tanto o Manifesto da Unesco/IFLA como a declaração da IASL apontam há muito para a BE”<br />(RBE)<br />
  3. 3. Factores promotores de sucesso da função da BE<br />Cooperação/Parceria com todas as estruturas escolares: Direcção Executiva, Conselho Pedagógico, Departamentos, Comunidade em geral,<br />Colaboração entre o professor bibliotecário e os restantes docentes não só no respeitante às necessidades de determinados recursos (adequação da colecção e recursos tecnológicos), mas também no referente ao desenvolvimento de actividades conjuntas para o sucesso educativo dos alunos, <br />Acessibilidade e a qualidade dos serviços prestados,<br />Adequação da colecção e dos recursos tecnológicos<br />
  4. 4. O papel e mais valias da auto-avaliação da BE<br />A Auto-Avaliação da BE tem por objectivo avaliar o trabalho desta e o seu impacto no funcionamento global da escola, nas aprendizagens dos alunos, no sucesso educativo e nas aprendizagens ao longo da vida, numa perspectiva formativa.<br /> A Auto-Avaliação não constitui um fim em si mesmo, mas um instrumento pedagógico regulador, de melhoria contínua e indispensável num plano de desenvolvimento que permite aos órgãos directivos e aos coordenadores identificar as práticas que têm sucesso e deverão continuar e pontos fracos a melhorar.<br />A Auto-Avaliação constitui ainda um meio indispensável de qualificação da BE e das próprias escolas, no cumprimento da sua missão e objectivos.<br />
  5. 5. Processo de Auto-Avaliação<br />O modelo da auto-avaliação pretende abordar de forma qualitativa, a análise dos processos e dos resultados de forma a identificar as necessidades e as fragilidades.<br />Na aplicação do modelo devemos atender aos seguintes conceitos:<br />Valor da BE – Capacidade de produzir resultados efectivos que contibuam para a concretização dos objectivos da escola<br />Qualidade e eficácia - Necessidade própria de análise e reflexão, com finalidade à melhoria e mobilizadora da globalidade da escola (acção colectiva)<br />Utilização flexível – Adaptação à realidade da cada escola e de cada BE<br />Exequível e Integrável nas práticas de gestão da equipa da BE – implementação de procedimentos rotineiros de funcionamento<br />
  6. 6. Modelo de Auto-Avaliação<br />O modelo de auto-avaliação a aplicar é constituído por quatro domínios, objecto de avaliação e se subdividem em subdomínios que incluem indicadores temáticos que se concretizam em diversos factores críticos de sucesso, utilizar-se-ão diversos instrumentos que permitirão a recolha de evidências e respectiva articulação com os perfis de desenvolvimento.<br />O processo desencadeia-se num ciclo de 4 anos, analisando-se um domínio por ano.<br />A auto-avaliação é da responsabilidade de todos os intervenientes no processo educativo<br />
  7. 7. Domínios/Subdomínios/ Indicadores Objecto de Avaliação<br />A- Apoio ao desenvolvimento curricular<br />A.1Articulação curricular da BE com as estruturas de coordenação educativa <br />A.1.1- Cooperação da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica do agrupamento<br />A.1.2- Parceria da BE com os docentes responsáveis pelas áreas curriculares não disciplinares (ACND) do agrupamento<br />A.1.3- os Articulação da BE com os docentes responsáveis pelos serviços de apoios especializados e ducativos (SAE) do agrupamento<br />A.1.4- Ligação da BE ao Plano Tecnológico da Educação (PTE) e a outros programas e projectos curriculares de acção, inovação pedagógica e formação existentes no agrupamento<br />A.1.5- Integração da BE no plano de ocupação dos tempos escolares (OTE) do agrupamento<br />A.1.6- Colaboração da BE com os docentes na concretização das actividades curriculares desenvolvidas no espaço da BE ou tendo por base os seus recursos<br />
  8. 8. A.2 Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital<br />A.2.1- Organização de actividades de formação de utilizadores no agrupamento<br />A.2.2- Promoção do ensino em contexto de competências de informação doagrupamento<br />A.2.3- Promoção do ensino em contexto de competências tecnológicas e digitais no agrupamento<br />A.2.4- Impacto da BE nas competências tecnológicas, digitais e de informação dos alunos no agrupamento<br />A.2.5- Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida<br />
  9. 9. B- Leitura e Literacia<br />B.1- Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura no agrupamento<br />B.2- Integração da BE nas estratégias e programas de leitura do agrupamento<br />B.3- Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da literacia<br />
  10. 10. C- Projectos, Parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade<br />C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de abertura à comunidade e de enriquecimento curricular<br />C.1.1- Apoio à aquisição e desenvolvimento de métodos de trabalho e de estudo autónomos<br />C.1.2- Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural no agrupamento<br />C.1.3- Apoio à utilização autónoma e voluntária como espaço de lazer e livre de fruição de recursos <br />C.1.4- Disponibilização de espaços, tempos e recursos para a iniciativa e intervenção livre dos alunos<br />C.1.5- Apoio às actividades de enriquecimento curricular (AEC), conciliando-as com a utilização livre da BE (Só para o 1º CEB)<br />
  11. 11. C.2 Projectos e parcerias<br />C.2.1- Envolvimento da BE em projectos da respectivo agrupamento ou desenvolvidos em parceria, a nível local ou mais amplo <br />C.2.2- Desenvolvimento de trabalho e serviços colaborativos com outras escolas, agrupamentos e BE<br />C.2.3- Participação com outras escolas/agrupamentos e, eventualmente, com outras entidades (RBE, DRE, CFAE) em reuniões da BM/SABE ou outro grupo de trabalho a nível concelhio ou interconcelhio<br />C.2.4- Estímulo à participação e Mobilização dos pais/encarregados de educação no domínio da promoção da leitura e desenvolvimento de competências das crianças e jovens que frequentam o agrupamento (Só para o EB)<br />C.2.5- Abertura da BE à comunidade local<br />
  12. 12. D- Gestão da BE<br />D.1 Articulação da BE Com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE<br />D.1.1- Integração/acção da BE no agrupamento<br />D.1.2- Valorização da Be pelos órgãos de direcção, administração e gestão do agrupamento<br />D.1.3- Resposta da BE às necessidades do agrupamento<br />D.1.4- Avaliação da BE no grupamento<br />
  13. 13. D.2 Projectos e parcerias<br />D.2.1- Liderança do professor bibliotecário no agrupamento <br />D.2.2- Adequação dos recursos humanos às necessidades de funcionamento da BE no agrupamento <br />D.2.3- Adequação da BE em termos de espaço às necessidades do agrupamento <br />D.2.4- Adequação dos computadores e equipamentos tecnológicos ao trabalho da BE e dos utilizadores no agrupamento <br />
  14. 14. D.3 Gestão da Colecção/da Informação<br />D.3.1- Planeamento/gestão da colecção de acordo com a inventariação das necessidades curriculares e dos utilizadores do agrupamento<br />D.3.2- Adequação dos livros e de outros recursos de informação (no local e online) às necessidades curriculares e aos interesses dos utilizadores no agrupamento<br />D.3.3- Uso da colecção pelos utilizadores do agrupamento<br />D.3.4- Organização da informação. Informatização da colecção<br />D.3.5- Difusão da informação<br />
  15. 15. Evidências<br />A avaliação pretende recolher evidências que nos mostrem os pontos fortes e fracos da BE, no referente à sua gestão e funcionamento:<br />- Condições de funcionamento<br />- Serviços que presta ao agrupamento<br />- Utilização feita pelos diversos utilizadores <br /> - Impacto no ensino/aprendizagem<br />
  16. 16. Instrumentos<br />Os instrumentos que o modelo de auto-avaliação utiliza para recolher as evidências são os seguintes:<br />- Grelhas/Fichas de observação<br />- Questionários<br />- Dados estatísticos<br />- Análise documental<br /> - Auto-avaliação do professor bibliotecário<br />A recolha de dados devem ser feita de forma realista, abarcar apenas os aspectos significativos <br />A amostra engloba todos os alunos/docentes do Agrupamento<br />Recolher dados em diversos momentos do ano lectivo<br />Observações fora da BE (Apoio de docentes titulares de turma/alunos observados)<br />
  17. 17. Perfis de Desempenho<br />Cada domínio/subdomínio é articulado com os perfis de desempenho caracterizadores da área avaliada, onde são envolvidos todos os intervenientes do processo educativo: órgãos de administração e gestão, docentes em geral, ...<br />Os perfis de desempenho estão escalonados em quatro níveis descritores que reflectem o padrão de execução da BE em cada um dos níveis <br />
  18. 18.
  19. 19. Etapas a Observar<br />Planeamento<br />Execução<br />Avaliação - Análise dos dados<br /> - Evidências: -Pontos fortes<br /> - Pontos fracos<br />Reflexão - Acções para a melhoria<br />Registo da auto-avaliação no relatório anual da BE<br />Integração na auto-avaliação do Agrupamento, <br />
  20. 20. Envolvimento dos Intervenientes<br />Director – Apoia na definição do domínio a avaliar e é parte coadjuvante do processo<br />Conselho Pedagógico – Analise e aprova o relatório da auto-avaliação e as propostas das acções atinentes à melhoria<br />Docentes - Colaboradores activos nas respostas aos questionários e nas acções de melhoria<br />Alunos/Pais/Encarregados de Educação – Colaboração nas respostas aos questionários e recolha de outra informação<br />Professor Bibliotecário- Lidera todo o processo de auto-avaliação coadjuvado pela equipa, elabora o relatório final/acções a implementar conducentes à melhoria das práticas e do sucesso educativo.<br />
  21. 21. Conclusão<br />Oportunidade de aferir o impacto da BE:<br />- No ensino/aprendizagem dos alunos,<br />-Da sua interacção com outras estruturas do agrupamento<br />Identificar as prioridades para a melhoria, eficácia, desenvolvimento do serviço prestado e atribuição de verbas <br />Identificar constrangimentos impeditivos da melhoria<br />

×