Era uma vez uma vila diferente

700 visualizações

Publicada em

Ensino Especial - Caminhar passo a passo com a diferença

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
700
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
159
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Era uma vez uma vila diferente

  1. 1. ERA UMA VEZ UMA VILA DIFERENTE
  2. 2. Há muitos, muitos anos, existia uma Vila Diferente onde todos eram especiais… Havia o tio Joaquim, de perna de pau e cara de mau, que se ouvia ao longe enquanto andava (toc… toc).
  3. 3. O Ruivo que não ria nem sorria, tinha cara inexpressiva…
  4. 4. A Malú que não via lá muito bem, até confundia o pai com o poste da luz…
  5. 5. Então e o irmão? Esse era só ele, não brincava, nem conversava, para tudo só olhava…
  6. 6. Bem, o Felismino não falava, ou melhor, só gesticulava!
  7. 7. E o que mais graça tinha era o Rito que só fazia tolices
  8. 8. Mas morava lá também o Zenão que era tão normal que até se sentia mal: • Ele falava, via, ouvia, ria, andava e abraçava… Destoava na Vila. Ele começou a ficar triste. • Pensou: • - Só posso ser adotado, devo ter nascido, aqui ao lado, na Vila Normal que se parece afinal com a Cidade Funcional!
  9. 9. Pois na Vila Diferente ninguém tinha reparado que o Zenão era “especial”. • E todos gostavam muito do seu feitio, sorridente, prestável e competente! • Só o Zenão não estava contente…
  10. 10. Queria saber porque era diferente? • Procurou o sábio do lugar e, com ele foi falar… • - Quem sou eu afinal?...
  11. 11. E o sábio que era gago, respondeu a gracejar: • - Pois tu, tu… não sabes? Zenão? É o diferente di-fe-ren-te não… És apenas igual a toda a gente! Diferente é aquele que é especial…E tu és especial, és importante para todos nós, amigo, companheiro, prestável, estás no coração de todos os que te amam e tens uma função a desempenhar. Se o fazes bem ou não, amigo, é lá contigo, mas o que te está destinado cumprir jamais outros o farão.
  12. 12. Sabes o que te digo Zé-não? • Alegra-te por poderes completar cada um desta vila, pois tens sempre algo que complementa as necessidades especiais de cada um de nós… • Ora pensa: com o teu olhar de lince orientas o que não vê; com a capacidade de perceber os gestos traduzes o que quer dizer ao que não fala, com os teus ouvidos poderás ouvir contar as histórias e recontá-las aos que não ouvem, através dos gestos. Também com os teus dois braços podes sempre abraçar e com as perninhas correr, pular e empurrar.
  13. 13. Faz-nos felizes… Partilha connosco as tuas habilidades e faz da nossa Vila uma oportunidade para todos!
  14. 14. Autoria do texto: Elisabete Baptista Antunes Projeto elaborado pela equipa do Departamento de Educação Especial /Núcleo de Apoios Educativos
  15. 15. CAMINHANDO, PASSO A PASSO, COM A DIFERENÇA…. Vamos fazer EXPERIÊNCIAS… fazer de conta… e quem sabe, vamos descobrir aqui algumas das nossas ignorâncias.
  16. 16. A “língua das mãos” • “Bom dia”, em Língua Gestual. • As cores. • Os números. • O que nos quis dizer? • Mostrar folha com abecedário em língua gestual. • Sabiam que as pessoas que não ouvem comunicam através desta língua? • O que sentiram?
  17. 17. “Ter luz no escuro” • Sentar alunos no chão • Tapar os olhos com venda • Pedir para fazer a sua autoimagem em folhas brancas com lápis de cera • Dar aproximadamente 5 minutos. • De seguida pede-se que repitam o exercício sem vendas. • Mostrar símbolos em braille/máquina, lupa TV e explicar que estas pessoas leem e escrevem com este recurso.
  18. 18. “As mãos mágicas” • Prender o dedo polegar e indicador com fita-cola. • Dar um lápis de cera e … • Pedir para desenhar um círculo com um quadrado por dentro . • Mesmo que seja difícil, é preciso tentar.
  19. 19. “Ler sem saber…” Dar um texto para cada um ler. • Dar algum tempo para resolver. • O que sentiram ao não conseguirem resolver? • É assim que os vossos colegas com DID se sentem quando lhes damos atividades escolares que para a maioria são fáceis de resolver; • Mas eles não percebem por vezes o que se lhes pede.
  20. 20. Caminhando passo a passo com a diferença!

×