Revolução industrial

839 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
839
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
48
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revolução industrial

  1. 1. Revolução Industrial
  2. 2. A Revolução IndustrialA Inglaterra, no início do século XVIII, passou por profundas transformações socioeconômicas, a chamada Revolução Industrial, caracterizada pelas máquinas fabris, que passaram a determinar o ritmo e a forma de produção. A partir daí, as fábricas eram o lugar da produção, e a indústria passou a interferir na dinâmica da cidade, ditando o deveria ser produzido.
  3. 3. Na fase inicial da Revolução Industrial, ascondições de trabalho eram péssimas,não havia direitos trabalhistas e osempregados das fábricas, na sua maioria,eram mulheres e crianças. Porque nessafase, a mão de obra era uma tarefamecânica e repetitiva, portanto qualquerpessoa, de qualquer idade, poderiaexecutá-la. Além disso, o trabalho infantilera mais barato.
  4. 4. O avanço industrial exigiu maior infraestrutura para atender ao mercado consumidor. Em 1825, o transporte de mercadorias e de pessoas, que era feito por estradas e rios, passou a ser feito por locomotivas a vapor, que percorriam maiores distâncias em intervalos menores de tempo, além de transportar carga pesada.
  5. 5. O aumento da capacidade de produção dos países europeus industrializados atingiu o limite de consumo dos seus mercados tradicionais e esses países tiveram, então, que conquistar novos consumidores e novas fontes de matérias-primas. Assim, países da América Latina, África e Ásia, tradicionais fornecedores de matéria-prima e alimentos, passaram a constituir mercados consumidores complementares importantes, no século XVIII.
  6. 6. Nos Estados Unidos (Nova Inglaterra), a indústria foi criada e protegida da concorrência com a Inglaterra por uma tarifa protecionista, mas havia escassez de capital e mão de obra qualificada, que precisavam ser importados da Inglaterra. Engenheiros americanos aproveitavam as técnicas e as habilidades dos ingleses para criar máquinas simplificadoras da necessidade da mão de obra. Assim, inventaram o navio a vapor (1807-1813), a máquina de costura (1843) e a máquina de escrever, entre outras coisas.
  7. 7. O trabalho e o processo de industrializaçãoConsiderando a história e a cultura, a colonização da América permite regionalizar o continente em dois conjuntos: América Anglo- Saxônica e América Latina. A maior concentração industrial está na América Anglo- Saxônica (Canadá e EUA). Sua localização é explicada pelos seguintes fatores:• Concentração de jazidas de ferro e carvão mineral; rede de infraestrutura de transporte ferroviário e fluvial; área de mais antiga ocupação; grande concentração populacional.
  8. 8. Na América Latina, os principais e mais modernos parques industriais estão localizados no Brasil, Argentina e México. A contrário da América Anglo-Saxônica, o processo de industrialização latino-americano foi tardio e marcado por grande dependência de capital e tecnologia vindos do exterior.
  9. 9. Taylorismo, fordismo, toyotismo e volvismoAssim como a industrialização foi se mundializando, as formas de produção adotadas foram se uniformizando. Antes da 1ª Guerra Mundial (1914-1918), existiam fábricas com aproximadamente 20 mil operários nos EUA, na Inglaterra e na Alemanha, com grande produtividade. As indústrias adotavam o “fordismo- taylorismo”, ponto avançado dessa fase de evolução do capitalismo.
  10. 10. TaylorismoCriado pelo engenheiro norte-americano Frederick W. Taylor, consistia em um tratado que descrevia uma forma de se aumentar a produtividade. A proposta de Taylor era a organização da fábrica em etapas de produção, decompondo cada processo do trabalho em vários segmentos e montando frentes de trabalho fragmentadas. Esse sistema controlava a mão de obra com horário rígido, disciplina, hierarquia, punição e vigilância, com o objetivo de produzir mais em menos tempo. Serviu de modelo para o
  11. 11. FordismoO estadunidense Henry Ford criou a linha de montagem em associação com as etapas de produção do taylorismo. A especialização do trabalho mecânico e repetitivo teve início na indústria automobilística, em particular na empresa Ford Motor Company. Os ganhos em produtividade levaram Henry Ford, em 1914, a introduzir o trabalho de 8 horas por dia e 5 dólares como recompensa para os trabalhadores da linha de montagem de carros em Michigan, nos EUA.
  12. 12. Toyotismo• O toyotismo (alusão à fábrica japonesa Toyota) representou um novo modelo de relação dentro das empresas. O trabalhador passou a ser mais valorizado e a ter um pouco mais de autonomia.
  13. 13. VolvismoFoi criado na década de 1960, por Emti Chavanmco, engenheiro da Volvo. Características: altíssimo grau de informatização e automação; forte presença dos sindicatos trabalhistas; mão de obra altamente qualificada. As fábricas da Volvo são marcadas por um alto grau de experimentalismo, sem o qual talvez não fosse possível introduzir tantas mudanças.

×