Concepções de linguagem (2)

1.662 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.662
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Concepções de linguagem (2)

  1. 1. FILOSOFIA DA LINGUAGEM Há três diferentes visões gerais da linguagem, que definem três paradigmas hoje disponíveis para os estudos linguísticos – realismo, mentalismo e pragmatismo.
  2. 2. •A Filosofia (e também a Linguística) preocupa-se com o sentido. •As três tendências apontadas são ângulos não necessariamente excludentes para pensar a questão do sentido.
  3. 3. • O fenômeno da linguagem exige um tratamento complexo. • A Filosofia é uma proposta de busca dos sentidos alternativa em relação ao mito: enquanto a primeira é marcada pelo discurso justificado (passível de discussão), o segundo é pautado pela adesão (não questionável). • A Filosofia busca, a partir de um método racional, a “verdade”.
  4. 4. Os três caminhos em busca da “verdade” SOFISMO •A realidade não pode ser apreendida, não pode ser significada. •O real é “aquilo que se manifesta para nós como tal no discurso” (p. 452).
  5. 5. Um exemplo O brasileiro já se acostumou a ligar o noticiário da TV para assistir ao desfile de carros da Polícia Federal, de onde saem homens parrudos de colete negro para algemar cidadãos apanhados de surpresa em suas casas e escritórios, além de carregar computadores e pilhas de documentos. Promovidas com previsível espalhafato, essas ações costumam receber nomes poéticos, como Operação Pasárgada, destinada a apurar fraudes em prefeituras, ou sensacionalistas, como a Operação Sanguessuga, que investigou desvios na compra de ambulâncias, ou mesmo de inspiração infantil, como Pinóquio, em torno de crimes ambientais. [...] Época, 14 jul. 2008, p. 41.
  6. 6. •Relativismo: é impossível “estabelecerem-se verdades universalmente válidas, autônomas com relação às circunstâncias concretas, contingentes e variáveis da experiência humana” (p. 450). •Não há lugar para o “ter sentido”, mas para o “fazer sentido”, que se estabelece a partir de consensos.
  7. 7. Os três caminhos em busca da “verdade” REALISMO •Há a verdade, que prevalece sobre o consenso. •No sofismo, há uma oposição entre aquilo que é dito e aquilo que não é dito; não há espaço para a verdade (ou, melhor dizendo, a verdade é o consenso), pois a linguagem só trata “do que é”. •No realismo, há oposição entre aquilo que é verdadeiro e aquilo que é falso – é possível a linguagem dizer algo que não é. •A verdade ou a falsidade é verificada pela confirmação no real.
  8. 8. •Exemplo: VALDINAR (indivíduo); ESTÁ MINISTRANDO UMA AULA (atividade); ESTÁ ROUCO (estado). Pelo mero fato de serem proferidos, o enunciados tratam daquilo que é. •Portanto, enunciados como (1) “Valdinar está ministrando uma aula” e (2) “Valdinar está rouco” são, ambos, plausíveis.
  9. 9. •Contudo, ambos não são obrigatoriamente verdadeiros; apesar de suas partes tratarem daquilo que é, a articulação entre elas pode não imitar fielmente a realidade, como é o caso do enunciado (2). •Há um critério objetivo a ser considerado quanto à busca pelos sentidos: a correspondência com o real, o qual reflete uma essência (ideal) que lhe é subjacente.
  10. 10. •A principal função da linguagem é, portanto, a nomenclatura: dar a cada entidade o nome mais adequado que ela possa ter, para que se exprima uma essência. •“As diferentes línguas humanas, se representam corretamente a realidade, têm, a despeito de sua aparente variabilidade, a mesma estrutura conceptual profunda” (p. 461).
  11. 11. Os três caminhos em busca da “verdade” MENTALISMO •Realismo e mentalismo são primos carnais. A diferença reside no “tipo de entidade extralinguística que se supõe em cada caso constituir o significado das expressões” (p. 463). •No mentalismo, entre a linguagem e o real, há a alma (ou a mente). O “mundo das ideias” de Platão, onde se encontram as essências que orientam nossa observação das coisas do mundo, é substituído pelo intelecto humano.
  12. 12. •A mente humana é capaz de promover sentidos universais, pois filtra as imperfeições decorrentes das percepções individuais. •O raciocínio é a poderosa ferramenta que orienta o conhecimento. A lógica determina as formas de raciocínio “perfeitas”.
  13. 13. Todo cachorro é um animal. Um pitbull é um cachorro. Logo, o pitbull é um animal. B está contido em A. c pertence a B. Logo, c pertence a A
  14. 14. Reflexo dos três paradigmas nas teorias e disciplinas da Linguística •O paradigma realista-mentalista foi hegemônico durante muitos séculos. No século XX, o realismo pode ser associado ao Estruturalismo, enquanto o mentalismo ainda é o pilar do Gerativismo. •Todas as perspectivas calcadas na enunciação (que surgiram como contraposição aos estruturalismos) privilegiam o paradigma sofista, chamado modernamente de pragmático.
  15. 15. Linguística = estudo da linguagem = estudo do sentido veiculado pela comunicação Para que serve a linguagem? Apresentar a realidade [objetivismo] Exprimir o pensamento [mentalismo] Agir no mundo, “influenciar” as pessoas [perspectiva sociocultural]
  16. 16. Por que o estudo da linguagem é importante?

×