( batch )                                                                   Opinião                                       ...
( batch )                                                                                                                 ...
(Editorial)                                                                                                 O seu final fe...
(Sumário)    12                                             26                         36                                 ...
(Expediente)            ( BATCH )            Conselho Editorial Antônio Machado de Barros                                 ...
(Perfil)                                                                               O GOSTOSO                           ...
alternativa. Acabou, naquele momento,                                                                                     ...
de implementar quando de sua                edifício diferenciado, que reuniria em      Paulista já era uma referência e m...
contato de publicidade e administrador                     ainda alimentava planos de fazereditorial, até montar, em 1966,...
Passados cerca de seis anos, o prédio foi   ricos e bem cuidados ingredientes          foi construída na cidade de São Pau...
a menina dos olhos de Rogério hoje           que estamos acostumados a aplicar no      medida em que reforça a ideia de qu...
(Capa)  a voz do verão  Quente, irreverente, criativo, expansivo e sedutor, o  verão é a estação em que desejamos nos sint...
“Quente, colorido, alegre, sonoro.                           “O encontro com meus queridos                       O verão é...
que da efervescência do Carnaval dos     blocos e da “pipoca” surgiram grandes     talentos e sucessos monumentais     em ...
FOTO: CACAU MANGABEIRA
FOTO: THIAGO LIMA                                        Como é da natureza dos artistas e dos grandes empreendedores,    ...
(Golfe)                                          SAÚDE     GUILLERMO PIERNES                                          PARA...
(Comportamento)                                            A FARDA,     RICARDO LORDES                                    ...
(Gastronomia)                                                               FOTOS: ROGÉRIO MONTENEGRO                     ...
I             magine uma pequena garagem no bairro de Vila               Maria (também situado na Vila Madalena) que compl...
(Trajetória)                                         Um grande                                              motor         ...
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Batch
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Batch

842 visualizações

Publicada em

Baseada nas quatro estações do ano, é uma plataforma multimídia que envolve conteúdo impresso e digital, eventos, relacionamento, viagens e experiências.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Batch

  1. 1. ( batch ) Opinião Negócios Gastronomia Perfil Viagem Inovação Estilo edição 00 ano 1 11 janeiro de 2013 - 12 abril de 2013a voz doverãoCarlinhos Brown édas personalidadessolares que só o Brasilé capaz de produzir E mais A origem da marca Fasano, A estrada de Roberto Cortes, A Nova China, Golfe, Futebol, Orient Express a todo vapor, Futebol, Golfe e ComportamentoR$ 18,00
  2. 2. ( batch ) chegou! estE é O número Zero de (BATCH) Mas o que é (BATCH)? E por que você? amigo, não é? Por isso, precisamos que você conheça melhorA ACG CHEGOU PARA UNIR PESSOAS E IDÉIAS.VENHA VOCÊ TAMBÉM! Se for procurar no dicionário vai achar definições diversas, a (BATCH) e nos ajude a sermos ainda mais amigos. Para tais como lote, porção, fornada, entre outras tantas que isso, vá até o Facebook, procure por (BATCH) e faça seus não querem dizer nada muito específico. Para nós – da comentários. Dê sua opinião, elogie, critique, sugira pautas, 1818BR – que criamos o conceito, (BATCH) é um grande dê dicas, indique nomes, lugares, restaurantes e experiências. amigo. Aquele amigo que não nos perturba, mas sempre Enfim, construa essa amizade junto com a gente. está ali, perto, presente. Um amigo que dá boas dicas, bons Quanto mais amigos participarem, mais legal ficará a nossaA ACG, Association for Corporate Growth chegou ao Brasil. Fundada em1954, é a maior comunidade de empresários e profissionais que vislumbram o conselhos, informa, diverte, distrai, faz pensar e chorar. (BATCH). Esse é o conceito! Queremos ser uma espécie decrescimento e desenvolvimento de seus membros e bem assim das corporações Gente como a gente, sabe?! confraria do bem da qual só participam pessoas interessantesa que pertencem. Tem como objetivo a construção de um valor corporativo Isso mesmo. Para nós, (BATCH) é isso tudo na forma de e interessadas. Assim como você!mundial. uma gostosa plataforma multimídia composta por revista, Realmente esperamos que todos curtam esse novo amigo, ou blog, eventos, cursos e viagens. Tudo isso, repleto de amiga, que estão conhecendo!Entre em contato hoje mesmo para saber mais sobre a associação e sua atuaçãona América Latina, os benefícios aos associados, e como a ACG Brasil pode ajudar conteúdos, de diversos mundos, para diversas tribos, no olharo seu desenvolvimento profissional e no crescimento da sua empresa. de diversas cabeças. Complicado? Não, simples até demais. Muito prazer! E é aí que reside a graça. Neste número Zero, buscamos darEnvie um email hoje para acgbrasil@acg.org www.acg.org/brazil uma boa ideia do que será nossa (BATCH). Mesmo assim, Francisco Britto sabemos que está longe da perfeição. Assim como todo novo Renato Forshaid ( batch ) 3
  3. 3. (Editorial) O seu final feliz começa com a gente! Batch... O cheiro doce dos biscoitos saindo do forno... toda vez que penso em Batch, que em inglês quer dizer fornada, penso na alegria que é ver um monte de coisas legais, daquelas que realmente dão prazer, saindo juntas, frescas e prontas para serem consumidas com voracidade. Por isso, passado o estranhamento pela escolha deste nome para uma revista, mergulhei de cabeça no projeto criado por Francisco Britto, amigo e ex-publisher que atualmente adoro chamar de meu Batch-chefe, e fiz questão de colocar o avental, arregaçar as mangas e botar a mão na massa com o destemor de quem gosta de uma aventura – seja no mar, no ar, numa cozinha ou numa redação. Outra expressão em inglês de que eu gosto bastante é “to make from scratch”, que significa fazer (uma receita) do zero – e que tem tudo a ver com o campo semântico de Batch. Pois é isso mesmo que estamos fazendo com essa edição zero. Claro que tempo de forno e fogão deixa a gente mais esperto e, para garantir o resultado, seguimos o conselho dos grandes chefs: buscamos os melhores ingredientes que pudemos encontrar, ou seja, repórteres, articulistas e colunistas com notório saber das suas áreas de especialidade e excelência comprovada enquanto redatores. Um casamento envolve gente. Diferentes pessoas e visões sobre um mesmo tema. Envolve, acima de tudo, emoções que Outro cuidado foi buscar uma equipe bem entrosada para cuidar das precisam ser respeitadas. Por isso, uma consultoria externa de planejamento, organização e produção pode dar, a todos panelas e não deixar a receita desandar. Na cozinha, tanto quanto numa envolvidos, idéias e saídas recheadas de bom senso. Todo casamento é um momento único. Mas, para esse momento ser mesmo redação, especialização e hierarquia são as bases do sucesso. Assim, único, é necessário muito carinho, criatividade, um bom planejamento e muita, muita, organização. A hora do casamento, não tenho de agradecer a todo mundo que “meteu a colher” e que “suou a camisa” no projeto e que, de uma forma ou de outra, fez com que a nossa é a hora de experimentar. Tudo deve ser perfeito e confiável. Ninguém melhor do que quem já casou para saber disso. Fale massa crescesse bem. com a gente. Divida suas idéias, expectativas e ansiedades. Vamos fazer de tudo para que você tenha realmente um final feliz. Mas, o fato é que, por mais que a gente se cerque de cuidados e consiga realizar a tal receita “made from scratch”, sempre é possível fazer a receita ficar ainda mais gostosa a partir das sugestões dos amigos. Às vezes, uma pitadinha a mais de noz moscada, umas passas ou umas gotas de chocolate podem fazer toda a diferença. Por isso, queremos saber mais sobre o que pode fazer da nossa Batch uma experiência ainda mais saborosa para você. Agora, prepare-se para uma nova receita de revista e boa leitura! ACESSORIA PARCIAL • ACESSORIA COMPLETA • ASSESSORIA DO DIA • CHÁS • NOIVADO E JANTAR DE PADRINHOS Andréa Ciaffone Diretora de Conteúdo Rua João Cachoeira, 571, Cj. 31 - Itaim VEJA A MENSAGEM ESPECIAL QUE PREPARAMOS PARA VOCÊ! Tel.: 7843.7349 e 7808.4581 www.todadebranco.com.br *para visualizar, baixe o leitor QR CODE6 ( BATCH ) para seu dispositivo móvel.
  4. 4. (Sumário) 12 26 36 76 78 38 40 44 80 84 38 COMPORTAMENTO 84 FUTEBOL 12 PERFIL A Farda, o fardo 60 NEGÓCIOS 76 TECNOLOGIA Nosso amado, mudou! 92 BATCH NEWS O gostoso sabor da boa reputação 40 GASTRONOMIA Sabedoria e sabor O Futuro é das microtiragens 87 OLHARES Malas, McQueen e mais 26 CAPA Aqui o cliente nem sem tem razão 64 ESTILO 78 ECONOMIA Cara de Mané 96 ASTROS A Voz do Verão 44 TRAJETÓRIA A (cada vez mais) Nova China Cenário mais claro 88 REFLEXÃO Astros e Negócios 36 GOLFE Um grande motor 72 VINHO 80 VIAGEM Um desafio às empresas 98 HUMOR Saúde para Todos 54 LUXO Tintos para o Calor O Viajante CNPJ convida o CPF 90 INTERNACIONAL Sinal dos tempos Muito Além da Ficção Miami: o eterno verão brasileiro 54 60 87 88 90 64 72 92 96 988 ( BATCH ) ( BATCH ) 9
  5. 5. (Expediente) ( BATCH ) Conselho Editorial Antônio Machado de Barros Ana Paula Ignácio Fernanda de Carvalho Francisco Britto Marcelo Candido Melo Renato Forshaid EQUIPE Publisher Francisco Britto Diretora de Conteúdo Andrea Ciaffone Coordenação Geral Renato Forshaid Projeto Gráfico Gabriel Martinez FRANCISCO BRITTO Para mais (BATCH), acesse: Diretor de Arte Leandro Pereira Edição de Fotografia Gustavo Soares Digital Alex Fukugava Fotografia Rogério Montenegro Revisão Thaís Iannarelli Publicidade José Carlos Montichel montichel@globo.com RENATO FORSHAID (11) 2386-1957 (11) 8689-5747 Colaboradores Andréia Modesto Antonio Carlos Machado Eduardo Barasch J.Freire Giovanna Barbieri Guillermo Piernes Kika Jardim – NY Luis Felipe Souza – Miami ANDRÉA CIAFFONE Luiz Gastão Bolonhez Mário Viana Ricardo Ferreira Ricardo Lordes Ricardo Setyon (BATCH) é uma publicação da NR18 e visa informar sobre pessoas, negócios e inovação. Os artigos autorais são de responsabilidade total dos seus autores. Informações e correspondência à Rua Itapicuru, 369 – cj.406/7 – Perdizes LEANDRO PEREIRA São Paulo – CEP - 05006-000 batch@1818br.com.br. A (BATCH) tem 10.000 exemplares de circulação, nos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. Sua tiragem e circulação é auditada pelo GRUPO 3 Rua Hawai, 877 - São Paulo - SP - Tel 11 3871 2084.10 ( BATCH )
  6. 6. (Perfil) O GOSTOSO SABOR DA BOA REPUTAÇÃO! com 110 anos de tradição, o grupo fasano é hoje uma empresa com mais de 1.400 funcionários distriBuídos por 14 casas dentro e fora do Brasil. liderados por rogério fasano, eles fazem mais do Que atender a uma clientela distinta: Buscam sempre honrar um padrão de excelência criado pelo patriarca da família e ampliado pelas novas gerações por francisco britto P ara quem conhece, a marca na quarta geração da família aqui no tema...”, pondera Rogério Fasano, Fasano é sinônimo de qualidade, Brasil. Meu bisavô, avô e até mesmo confortavelmente instalado em uma das bom serviço e modernidade meu pai eram muito mais “românticos” magníficas poltronas de couro “vintage” associada a uma forte tradição. Quem e menos preocupados com estratégia do Hotel Fasano em São Paulo. não conhece é capaz de identificar tudo de marketing e de continuidade. Eram Hoje, Rogério comanda uma empresa isso logo no primeiro contato com puros empreendedores, fazendo aquilo com mais de 1.400 funcionários, cerca qualquer de suas diversas casas, sejam que mais gostavam e acreditavam de 14 casas em diferentes locais, centro restaurantes ou hotéis. Mas todos nós da forma que sabiam, e isso servia de distribuição, treinamento e tudo sabemos que uma receita de sucesso magnificamente para a época de cada mais que garante a reputação da marca como essa, na qual pesa fortemente a um... Não que hoje tenhamos mudado da família. Mas, de fato e de direito, a tradição, é feita com vários temperos, totalmente a filosofia da família. história da marca Fasano começa muitas especiarias e tem um tempo Todo mundo sabe que ninguém é oficialmente em 1902. Vittorio Fasano, certo para chegar ao ponto. Qualquer mais apaixonado do que eu por tudo italiano de Milão e grande “patriarca” deslize, e a receita pode desandar. o que faço. Não passo um dia sem ir dessa família, chega ao Brasil e inaugura FOTOS: ARQUIVO FASANO “A questão da marca para mim nos restaurantes e frequento todos – quase 110 anos atrás – a sua Brasserie começou de forma mais efetiva, ou seja, os hotéis. Mas hoje temos sócios Paulista, na Praça Antônio Prado, no com a devida atenção e como parte de externos e, portanto, desenvolvemos centro histórico de São Paulo. Vittorio, uma estratégia de negócio, somente uma visão mais profissional sobre o que era conhecido na época como Rogerio Fasano, presidente do Grupo Fasano ( BATCH ) 13
  7. 7. alternativa. Acabou, naquele momento, “sobrando” para o genro, Valente Giannini. Casado com a filha mais velha de Vittorio, Giannini comprou a parte de todos da família Fasano, inclusive a de Ruggero, filho temporão de Vittorio. Após o falecimento de Vittorio, seu filho Ruggero, com apenas seis anos, foi mandado pelos irmãos já adultos de volta para a Itália para completar seus estudos na Escola Militar de Moncalieri, próxima a Turim. Ruggero, em 1937, resolve fazer uso de sua dupla cidadania e regressa ao Brasil, já de família constituída: a mulher, Ida e os filhos Fabio e Fabrizio, de quatro e dois anos respectivamente. Ruggero e Ida foram um exemplo de casal. Ele sempre demonstrou sua paixão por tudo aquilo Ida representou enquanto viva e também por tudo aquilo que representaria depois. Com o apoio de Dona Ida, Ruggero não pensou duas vezes ao abrir uma banca de aves e ovos no Mercado Municipal de São Paulo. O Mercado Municipal fica bem no centro antigo – na Rua Cantareira, próximo a 25 de Março e italiana e dona de uma próspera emprestou ao seu novo amigo 500 mil foi inaugurado em 1933, sendo sempre mercearia no mesmo mercado. Além cruzeiros. Importância suficiente para “confeiteiro”, logo que chegou da Itália de negócios, o perfil do público mudava importante, mas não necessariamente um importante entreposto comercial de ter uma boa situação financeira, reaver e restabelecer o antigo e desejado – possivelmente saído do porto de e a casa não ficava tão familiar assim. rica, que carregava muitos sobrenomes de atacado e varejo, especializado Judite era uma espécie de “paranormal”, negócio familiar. Só em 1947 é que Gênova – empregou-se na então Surgiam as chamadas “mariposas” famosos e outros não tão famosos, mas na comercialização de frutas, verduras, uma vidente. Embora poucos acreditem, Ruggero, com o apoio de Dona Ida, renomada Confeitaria Castelões, na (moças solteiras e mal intencionadas) marcantes. Em 1913, ao ficar viúvo da cereais, carnes, temperos e outros muitos discutam e alguns, tal como na conseguiu retomar de vez a tradição da Líbero Badaró. Era um tempo em que em busca de um “drink” e de uma boa sua belíssima Maria, Vittorio já era o produtos alimentícios. Mas essa Idade Média, creem que quem tem família, fundando o seu Fasano na Rua a cidade de São Paulo ainda não era companhia. Mas isso pode ser só mais chefe de uma família de seis filhos e experiência de Vittorio só se deu depois alucinações é um herege, a exemplo de Vieira de Carvalho. Nessa época, 500 capaz de imaginar o surgimento – ali uma daquelas boas lendas paulistanas. havia conquistado uma boa fortuna, de uma tentativa bastante infeliz de Joana D’Arc, queimada em 1431 mil cruzeiros equivaliam a algo como mesmo – do famoso Edifício Martinelli, Vittorio precisou de muito pouco para a qual contribuíra a atividade trabalhar como caixa do então “Fasano” quanto tinha 29 anos e ouvia vozes 30 mil dólares. Mas, mesmo sendo uma na região do Vale do Anhangabaú. tempo para entender o País, o carinho paralela de comerciante de café. Em de Valente Giannini. Dona Ida, sua desde adolescente, Judite gozava de importância significativa, Dona Judite A Castelões fora inaugurada em 1893 e pelo povo italiano, as necessidades e as 1923, Vittorio vem a falecer, e falta aos esposa, que já havia até desfilado na muito crédito, respeito e prestígio por nunca quis receber o dinheiro de volta, era de propriedade do Major Carlos possibilidades de uma cidade em franco seus filhos mais velhos (que já tinham Europa apresentando suas próprias suas vidências que nem sequer eram limitando-se a ficar apenas com o Castelões e seu sócio, Pierre crescimento para fundar o seu completado seus estudos e tinham criações, passou a costurar para as ricas muito públicas. Por acreditar piamente pagamento dos juros combinados. Em Brielmayere. Foi por muito tempo o próprio estabelecimento. É claro, voltado da Itália) capacidade para ir em italianas aqui residentes, tais como a em seus inexplicáveis, mas fortes, dotes, 1968, pouco antes de morrer, Ruggero local favorito das famílias paulistanas estrategicamente instalado bem em frente com imaginação própria e fazer Condessa Crespi, Selma Dei e as Dona Judite admitiu que recebia lembrou a Fabrizio dessa dívida com que, entre às duas e às cinco horas da frente ao Castelões. Vittorio fez da sua o negócio por ele criado prosperar. senhoras da família Scarpa. Enquanto mensagens do patriarca Vittorio, o qual Judite, mas mesmo assim, valeu o tarde ali tomavam sorvete e comiam os Brasserie Paulista o que poderíamos Uma cena muito comum ate hoje em isso, o filho Fabrizio cuidava da entrega aparentemente recomendava que ela combinado. Dizem algumas pessoas maravilhosos doces, a maioria baseada chamar de “o primeiro grande Fasano”. famílias empreendedoras já que, nem das encomendas e apreciava, sobretudo, ajudasse muito seu filho Ruggero, mais próximas que, pela boca de Dona em receitas da Europa, recheada de O restaurante mais chique da cidade. sempre existe um herdeiro capacitado as boas gorjetas que recebia dessas que fora prejudicado por incidentes Judite, o espírito de Vittorio ditava muitos cremes e frutas. Dizem os mais Rapidamente, o que era ponto vira para levar os negócios adiante. Ao senhoras abastadas. Ruggero teve a anteriores. Judite, sempre focada em com riqueza de detalhes toda a velhos que depois desse horário “nobre”, point, recebendo a nata da sociedade mesmo tempo, não conseguem ver na sorte de cair, de forma simpática, nos atender suas “vozes do além”, e mais estratégia de negócios que imaginava por estar no meio do centro paulistano paulista – engravatada, imponente e profissionalização uma boa e sadia olhares de Dona Judite Amato, também uma vez atendendo aos pedidos, para a família e que não tivera tempo14 ( BATCH ) ( BATCH ) 15
  8. 8. de implementar quando de sua edifício diferenciado, que reuniria em Paulista já era uma referência e muitos recém-formado e quase desconhecido. uma cidade pujante aos seus pés, fosse ressalta Rogério. Mas, como ocorreu passagem por aqui. Não houve um só um único espaço um hotel, restaurantes, faziam alusão à Quinta Avenida ou O jovem arquiteto, artista gráfico e de dia ou de noite. Várias festas de com diversas cidades brasileiras, a área movimento na vida empresarial de bares, cinemas, lojas comerciais e de mesmo a Madison graças às sedes dos pintor se inspirou no modelo cultural formatura e batizados foram realizados do centro começou a se deteriorar, e a Ruggero Fasano que não fosse prestação de serviços, além de diversos bancos que por lá se instalavam. da vanguarda mas, na organização e a casa recebeu celebridades decadência não poupou o império de orientado pela crença na sensibilidade escritórios e apartamentos residenciais Mas, para tanto, alguém precisava dar o espacial, solução estrutural e tecnologia internacionais que visitaram o Brasil Ruggero . Em 1963, ele vendeu seu paranormal de Dona Judite. Guiado ou com serviço de hotelaria. Hoje em dia, passo inicial. A primeira providência de construtiva se desviou do racionalismo como Nat King Cole, Marlene terraço para uma engarrafadora de gás não pelo espírito de Don Vittorio, os “experts” do mundo imobiliário Tjurs, foi comprar a mansão que funcionalista e criou uma solução mais Dietrich, Ginger Rogers, o Príncipe de uso doméstico. Ruggero faleceu em Ruggero tomou rapidamente conta da paulista falam ser esta a única saída pertencia à família de Horácio Sabino, humanista e acolhedora. Nascido em de Gales, o presidente norte- 1968 e foi sucedido pelo seu filho cidade e fez os negócios crescerem, por para uma cidade que cresceu e que e que ficava exatamente na esquina novembro de 1928 em Ponta Grossa, americano Dwight Einsenhower e, em Fabrizio no comando dos negócios. meio de salões de festas, casas de chá, cresce muito, sem controle ou da Avenida Paulista com a Rua no Paraná, Libeskind concluiu o curso contraponto, até mesmo o contestado Fabrizio, que sempre havia trabalhado rotisseries e confeitarias. Mas, o grande planejamento, onde as distâncias são Augusta. Para concretizar o audacioso na Escola de Arquitetura e Urbanismo líder comunista Fidel Castro. “Meu avô com o pai, era seu sucessor natural. sucesso veio mesmo do Jardim de grandes, e o trânsito, impossível. Agora, empreendimento, Tjurs realizou uma da Universidade Federal de Minas sabia mesmo como fazer. Era um dom. Porém, frente à crise e ao fechamento Inverno do Conjunto Nacional, no pensem: em 50 seria assim a vida? espécie de concurso aberto para a Gerais, em 1952. Logo depois, mudou- Todos os detalhes sempre eram do Fasano, viu-se desafiado a encher o final da Avenida Paulista, em São Então, bote empreendedor visionário elaboração do projeto, que teve a se para São Paulo e, em 1954, teve a observados, e o serviço, para a época ou peito de coragem e manter a família Paulo. No início dos anos 50, um nisso! Seu sonho, segundo amigos da participação de diversos arquitetos de oportunidade de projetar o Conjunto mesmo para hoje, era impecável. fazendo de tudo um pouco. Alugou empresário judeu-argentino de grande época, era ver a Paulista tornar-se a todo o País. Para surpresa dos Nacional. A nova casa dos Fasano, Os cardápios eram ricos, a bebida era carros da Auto-Drive e vendeu terrenos ousadia e tino comercial, de nome José “Quinta Avenida” de Nova York em concorrentes, foi escolhido o projeto de impressionava pelo seu bem decorado bem cuidada, mesas, cadeiras, faqueiros em Campos do Jordão. Ensaiou, Tjurs, planejava para São Paulo um São Paulo. Aliás, à época, a Avenida David Libeskind, de apenas 26 anos, jardim de inverno, que descortinava e tudo mais. Realmente, uma exceção”, inclusive com êxito, uma carreira de16 ( BATCH ) ( BATCH ) 17
  9. 9. contato de publicidade e administrador ainda alimentava planos de fazereditorial, até montar, em 1966, uma cinema, mas a forte ligação que tinhaempresa de bebidas que revolucionou com o avô pesou fortemente na sua “Meuos tradicionais hábitos do brasileiro. decisão de assumir, sob a supervisãoSeu novo negócio desde 1965 era o experiente de Fabrizio, a tradição deuísque, que ele batizou Old Eight, receber bem de toda a família. “A ideia avô sabianuma clara identificação aos conhecidos do pessoal do Shopping era criar umaoito anos de envelhecimento, e que por espécie de espaço gourmet bacana,muitos tempo ostentou o seguinte diferente, atrativo. Fomos convidados,slogan: “O bom whisky você conheceno dia seguinte”. Fabrizio, de inicio,abarrotava seu próprio carro de caixas mesmo assim como na época também convidaram o pessoal do Rodeio, do Gallery, entre outros. Não lembro bem,de uísque e saía, entre o início da noitee a madrugada, para vender seus como fazer. mas acho que alguns – como o Rodeio – nem chegaram a ir. Foi um fiascoprodutos diretamente às melhores casas total! Nós fizemos tudo errado.da cidade. A história desta indústrianacional de bebidas, que cresceu muito Era um A começar pelo nome Jardin Gastronomique, passando pela adoção dom. Todose ganhou sócios, também teve seus de um cardápio francês e uma pose dealtos e baixos, como sempre costumava bistrô sem o ser. Mas tenho certeza deacontecer num País de constante que aprendemos muito com essa os detalhesinstabilidade sócio-político-econômica. experiência. Principalmente eu, semCerca de meses depois do lançamento, nenhuma dúvida, pois estava apenaso Old Eight passou a ser vendido começando no ramo. O principal foiregularmente no comércio, com umaprodução de 200 mil caixas por ano.Para isso acontecer, Fasano se associou sempre entender que nossa origem, nossa cultura, nossa base, é italiana. Sabemos fazer isso, e muito bem feito. Pronto!aos empresários Mario Amato(lembram-se de Dona Judite Amato?), eram Não adianta você perder de vista suas raízes, inventar...” analisa Rogério.Emidio Dias Carvalho e Albert Depois disso - por volta de 1984 –Bildener, que tinham lançado o Drury’s.Em 1969,essa turma de empreendedores observados, surge um novo Fasano, pequeno, italiano e em versão bem mais e o serviço,lançou outro ícone: o Bell’s, primeiro requintada, na Rua Amauri. “Você nãoscotch engarrafado no Brasil. A tem que casar com o local, tem quemultinacional Heublein comprou todas casar com sua filosofia, sua proposta”,as marcas em 1973. A marca Fasanoficou “fechada” até 1982, quandoFabrizio convocou Rogério, seu filho e para a acredita Rogério. Isso quer dizer, na opinião de quem viveu direta ou indiretamente muitas coisas, que apesarmembro da quarta geração dosFasano “restaurateurs”, para abrir umnovo restaurante no Shopping época ou do caráter circunstancial das mudanças, tais como a morte do avô ou o convite de investidores sem experiência paraEldorado então de propriedade dafamília Veríssímo. “Naquele momento, mesmo para abrir um negócio em um shopping, de certa forma tudo contribuiu maisapostamos na maturidade de uma ainda para a criação de um nome forte,cidade cosmopolitana como São Paulo,que começava a ficar mais exigente nos hoje, era em lugar de enfraquecê-lo. A grandiosidade e a mobilidade que São impecável.”hábitos e no paladar”, lembra sempre Paulo proporciona criou a oportunidadeFabrizio, a quem cabe igualmente o de cada um, para cada geração Fasanomérito de ter entendido em que sentido fazer a seu modo, o que inclusivea cidade iria expandir seu requinte modernizou a marca e o seu estilo semgastronômico. Nessa época, Rogério perder em nada a origem. ( BATCH ) 19
  10. 10. Passados cerca de seis anos, o prédio foi ricos e bem cuidados ingredientes foi construída na cidade de São Paulo há mais de 50 anos, desde a época em crescimento, estava se consolidando”, que fez do Gero no Rio um sucesso vendido e o restaurante foi transferido e pelos pratos clássicos da culinária – e é fruto da cabeça privilegiada de que trabalhava no restaurante Ca’d’Oro, completa Rogério. desde o primeiro dia. Além desses, a então para a Rua Haddock Lobo, no italiana, como risottos, massas, carnes Rogério. “A expansão foi impulsionada no centro da cidade. “O Bolito é minha E foi sempre com esse pensamento marca conta ainda com uma casa em bairro dos Jardins, em São Paulo, com e peixes, e já foi premiado por todas as por um desejo, no fundo um pouco vida, devo muito a ele. Amo o que faço, que Rogério se motivou a abrir mais Brasília, inaugurada em 2010 dentro do um projeto arquitetônico ousado e, até importantes publicações do setor. “O egoísta e particular, do que eu achava e meus clientes sentem isso... muito casas como uma versão mais despojada Shopping Iguatemi. O outro foi aberto certo ponto, exagerado. O arquiteto Gero foi meu primeiro case de sucesso. que faltava em São Paulo ou outro lugar bom... tão bom que não quero mais do Gero, e denominada de Café, no na Barra da Tijuca em 2011 para Gil Germain Donnat e o chef Luciano Foi a primeira vez que pude criar o em que convivo e consumo”, explica. nada da vida...”, revela. O segundo, e Shopping Iguatemi de São Paulo. atender a população dos dois “Rios”. Boseggia colaboraram na realização, que queria e acreditava e tocar um “Faltava um bom bar, então a gente não menos importante, é Hélio (Hélio “Quem vai as compras num local como A sequência de empreendimentos não mas a coordenação de todo o projeto negócio de ponta a ponta. O projeto do tinha que fazer algo como o Baretto; Luiz Andrade), que sabe o nome o Iguatemi, nem sempre quer comer se limita ao Gero. O Parigi, na Rua já teve a forte presença de Rogério. Em arquiteto Aurélio Martinez Flores foi quando fizemos o Parigi, achava que da grande maioria de seus clientes. fast-food numa praça de alimentação. Amauri, em São Paulo, inaugurado em 1995, Rogério inaugura o Restaurante muito inovador para a época e segue os clássicos franceses estavam meio Hélio é uma marca registrada da casa, Muita gente quer curtir um pouco, dar 1998, com projeto de Sig Bergamin, Gero, na mesma Haddock Lobo, atual até hoje. Todo grande restaurante em baixa na cidade e tinham que ser conhecido e respeitado por muita gente um tempo, encontrar com alguém, fazer também é sucesso e endereço certo dos do outro lado da rua. O restaurante do mundo tem seu bistrô à coté, ou seja, resgatados. O Parigi, aliás, abriga dois importante do cenário empresarial um papo de negócios” destaca Rogério. altos executivos paulistas, que chegam logo se tornou um marco da capital uma versão simplificada, mais informal, monstros sagrados dos restaurantes paulista. Ambos, Ático e Hélio, ajudam O lugar já se tornou, há muitos anos, a ter mesas pré-definidas e conhecidas paulista para encontros de negócios mais descolada. Sendo assim, a criação paulistas. Um é o “Seu Ático”. No auge a manter a boa reputação do grupo. uma vitrine, um point de quem quer dos frequentadores e da mídia. Outro ou de família, sempre lotado por do Gero para mim foi absolutamente dos seus 82 anos, ele passa às quintas No Rio, sempre senti falta de um ver e ser visto. Saindo de São Paulo, espaço importante, assinado pela dupla gente conhecida. A ideia era criar um natural, uma consequência lógica”, e domingos com seu belo carrinho hotel mais chic mas ao mesmo tempo a marca Gero foi primeiro para o Isay Weinfeld e Márcio Kogan, o restaurante que fosse uma espécie de comenta Rogério. Hoje, a renovação de prata oferecendo o Bolito Misto, despojado, moderno. Assim como na Rio de Janeiro, em 2002, instalando- Baretto, hoje em seu segundo endereço “filhote” mais informal, mais moderno, constante da marca Fasano pode ser tradicional cozido italiano. Difícil não Barra da Tijuca, o Acciloy (Alexandre se no badalado bairro de Ipanema e (começou na Rua Amauri onde hoje mais em conta do que o sofisticado claramente percebida na multiplicidade se encantar com a simpatia do Seu Accioly, sócio e empresário carioca) e decorado com fotos do Rio antigo, é a Enoteca Fasano), foi considerado Fasano. A proposta culinária, hoje com de restaurantes, bares e hotéis. A Ático. Tanta experiência e simpatia tem eu achávamos que faltava algo como um tiradas por Cesar Barreto. Uma área o bar número 1 do mundo, segundo a outro chef, continua primando pelos grande maioria dos estabelecimentos uma explicação: Ático serve esse prato Gero numa área que, mais do que em também carente de algo no gênero fato revista inglesa Wallpaper. Mas, talvez20 ( BATCH ) ( BATCH ) 21
  11. 11. a menina dos olhos de Rogério hoje que estamos acostumados a aplicar no medida em que reforça a ideia de queem dia seja mesmo o primeiro Hotel cotidiano em outros segmentos mais algo prestigioso não se encontra emFasano, na Rua Vittorio Fasano, como o mercado de massa. Por isso, qualquer lugar. Neste caso, o mercadoinstalado no miolo dos Jardins, em muitas vezes, práticas já conhecidas e de luxo funciona às avessas do mercadoSão Paulo. Também com projeto dos testadas em outros segmentos mostram- de massa. A conhecida luta desenfreadaarquitetos Weinfeld e Kogan, recria em se inapropriadas diante de situações por mais e mais pontos de vendas éreleitura arrojada o estilo dos anos 1930. bastante particulares vivenciadas nesse substituída pela disputa entre poucos“O Hotel era um sonho de mais de dez mundo do luxo. Existem vários desafios pontos de venda qualitativos, que geremanos.... mais até que um sonho! Era um no composto de marketing que devem imagem e concentrem realmente osenorme desafio trazer para a hotelaria ser cuidados com observação constante consumidores com altíssimo potencialo padrão Fasano dos restaurantes. Um na construção sólida de uma marca de de compra e reconhecimento. Isto éhotel é uma cidade, cheia de detalhes e luxo. A primeira regra talvez seja ter importante, porque quanto maior forproblemas diferentes de um restaurante um posicionamento preciso. O nível o nível de concentração de clientes,em quantidade e proporção. E sempre de exigência em relação à marca nos maior será a otimização do ponto detive preocupação com os detalhes, na mercados segmentados demanda, sem venda em questão. Fidelidade é umaharmonia, no padrão. Isso cria nossa sombra de dúvida, uma diferenciação importante peça nesse jogo. Os clientesmarca, nosso estilo, nossa personalidade. de forma muito particular, quase que esperam encontrar as marcas de luxoA nossa clientela é exigente, viaja pelo exclusiva. Este posicionamento é apenas em certos tipos de lugares. Istomundo todo, conhece tudo que é bom! necessário devido a uma aceleração faz parte do “contrato de fidelidade”Mas o resultado hoje me agrada muito, muito grande no processo de inovação que mantem com essas marcas. E tudomesmo sempre tendo algo para inovar e diferenciação nos dias de hoje. A está ligado a uma concretização doou melhorar...”, pondera Rogério. busca constante do “singular”, do sonho, do aspiracional , do atendimentoAlém de São Paulo, o hotel está marcante , de novos estilos sem perda pleno das expectativas. Enfim, daquilopresente no Rio, em Punta Del Este e da raiz e de uma estética realmente que projetamos ao elegermos umano condomínio Fazenda Boa Vista, e diferenciada vem sendo a forma de determinada marca de luxo. Muitastodos são referência. “Nossa principal proteção das marcas de prestígio vezes, o zelo por uma marca é tão grandecaracterística pode até parecer simples, contra as imitações-pobres a um preço que são criadas verdadeiras leis por meiomas é sem dúvida o caminho mais mais acessível. Não nos referimos a de manuais de comportamento. Nestesdifícil: somos formais e descontraídos. grandes saltos, grandes diferenças, espaços, a expressão da marca é regidaÉ difícil de achar o ponto e, ao mas sim a cópias quase perfeitas, pelo rigor e respeito aos valores. Nada,mesmo tempo, é uma mistura muito mas sem alma. As propriedades e o absolutamente nada, pode estar fora dosrica. Quando digo o ponto certo me patrimônio da marca ficam protegidos padrões estabelecidos. A prova maiorrefiro a tudo, à decoração, à comida, à graças a um posicionamento claro disso foi que quando da entrevista combebida, à música... é sempre um grande e constante, preciso em relação às Rogério no lobby bar do Hotel Fasanodesafio”, destaca Rogério. O universo demais, que é essencial na construção o garçom estava distraído e não notoudo marketing de marcas de luxo nem e sustentação saudável de uma marca. nossos três chamados. O problema foisempre segue as regras básicas que Uma distribuição seletiva e bem corrigido na hora. Não com repreensão,encontramos nos livros, ou mesmo pensada é condição importantíssima na mas sim com orientação. FASANO www.fasano.com.br ( BATCH ) 25
  12. 12. (Capa) a voz do verão Quente, irreverente, criativo, expansivo e sedutor, o verão é a estação em que desejamos nos sintonizar para viver o que há de mais intenso nesta vida. é nessa frequência que encontramos Carlinhos Brown com seu carisma, ritmo e energia expansiva que, Tal qual uma onda de calor, faz a gente mudar de batida por andréa ciaffone Foto: reprodução globo
  13. 13. “Quente, colorido, alegre, sonoro. “O encontro com meus queridos O verão é a cara do Brasil”, diz o amigos Claudinha, Daniel e Lulu, multi-instrumentista multicultural e o contato com tantos talentos e, ultramediático Carlinhos Brown. “Na principalmente o envolvimento do Bahia, então, o verão é uma grande festa, é a cultura do povo na rua”, diz “O verão inspira público são grandes presentes”, diz. “É uma experiência de comunicação o fundador da Timbalada. “Pra mim, muito interessante também sentir verão também é sinônimo de muito o encontro. a repercussão de um programa de trabalho”, completa esse cidadão do televisão tão popular, que atinge várias mundo nascido no bairro do Candeal, em Salvador, e que é uma autoridade Nas festas faixas etárias, que reúne as famílias nas tardes de domingo”, completa o líder em música, comunicação, ação social e também em verão. populares, de time que mais mobiliza o palco com suas atitudes expansivas e que deixa o “O verão inspira o encontro. Nas festas populares, nas praias, nas ruas. nas praias, apresentador Tiago Leifert dividido entre o prazer de ver suas atitudes, Essa possibilidade de reunião e das o desejo de ganhar mais tempo para manifestações culturais ocupando nas ruas. Essa tomar decisões difíceis e a necessidade a cidade, construídas e vividas pelo de manter o programa dentro dos coletivo, é algo que se acentua nessa época do ano e que é motivador”, possibilidade de precisos horários de televisão. Assim como o verão, Carlinhos Brown diz Brown. Em 23 de setembro, junto com o reunião e das é aquele excesso que estimula, motiva, mobiliza. Amplificado pelo poder da manifestações equinócio de primavera, estreava TV, o grande cacique do Candeal, o na Rede Globo a primeira edição compositor de mais de uma centena brasileira do The Voice, franquia de músicas, o produtor cultural e o internacional que faz sucesso em todos os países onde é realizada. Além culturais promotor social se fundem em uma pessoa inquieta e divertida. O efeito das super-novas que o programa pretendia revelar, algumas estrelas se ocupando do programa foi paradoxal: com o The Voice Brasil, aquele personagem alinharam para escolher candidatos para seus times: Lulu Santos, Claudia a cidade, mediático exótico acabou ganhando contornos mais humanos e conquistou Leitte, Daniel e Carlinhos Brown. O construídas e a simpatia das pessoas para além do programa tinha a missão de, antes da seu talento, que desde sempre foi chegada do verão, entregar uma nova reconhecido. voz ao Brasil. Mas, ele fez mais do que isso: ele tirou Carlinhos Brown vividas pelo Sim, há muitos talentos – brasileiros e estrangeiros, vivos ou no além da galáxia muito, muito distante dos compositores e multi-instrumentistas coletivo, é algo – que trazem consigo o calor e a sensualidade do verão tropical. A lista ultracelebrados e o transformou em alguém muito próximo de todos os que se acentua é longa: vai de Chiquinha Gonzaga a Thiaguinho e Péricles, passando pelos brasileiros, num amigo que entra na grandes sambistas, pela Bossa Nova, sua casa num domingo à tarde para, nessa época pela Tropicália, pelo Rock Nacional, sem cerimônia alguma, romper com e tem nos artistas baianos um dos a sua tão sonhada tranquilidade com o pressionar de um botão vermelho. do ano e que é seus grandes capítulos. A “velha guarda” baiana com Dorival Caymmi E, ao contrário do que seria o lógico, acaba sendo efusivamente agradecido motivador.” ,é indiscutível enquanto música para embalar uma tarde na rede com cheiroFOTO: JOÃO MEIRELLES por isso. Sobre a participação no de brisa do mar. Nos últimos 20 anos, programa, Brown diz que, antes de o Axé conquistou multidões e foi mais nada, está sendo gratificante. desprezado por muitos, mas é inegável ( BATCH ) 29
  14. 14. que da efervescência do Carnaval dos blocos e da “pipoca” surgiram grandes talentos e sucessos monumentais em vendas e popularidade, como, por exemplo, as cantoras Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Claudia Leitte. Entretanto, deles, talvez o mais transcendente seja justamente Brown. Popular com Timbalada, Brown também soube conquistar seu lugar junto às hostes mais intelectualizadas da música. O projeto Tribalistas, com Marisa Monte e Arnaldo Antunes e parcerias com nomes de outras tribos, como Nando Reis e Cássia Eller, formam a ponta do iceberg de trabalhos feitos ao longo dos seus mais de 30 anos de carreira. Para se ter uma medida mais exata da sua produtividade enquanto autor, vale dizer que em 2008 ele foi considerado samba-reggae, em 1989 fez parte da O futuro com a Timbalada se pelo ranking do ECAD como o banda de Caetano Veloso no disco anunciava tão vibrante e promissor segundo maior arrecadador de direitos Estrangeiro. Nesta participação, sua quanto o som dos timbaus, mas a autorais em shows do país, atrás composição “Meia Lua Inteira”, que inquietude artística bateu de novo. apenas do seu sogro, Chico Buarque. foi tema de novela e um dos hits da Era hora da carreira solo, que foi Brown é casado com Helena Buarque lambada, fez muito sucesso no Brasil inaugurada em 1996 com o trabalho e o casal tem quatro filhos. e no exterior. O reconhecimento Alfagamabetizado, que recentemente Em 1979, quando fez sua primeira da crítica também não demorou, e entrou para a lista do livro “1001 gravação com a banda de rock Mar ele ganhou o troféu Caymmi. Em discos para ouvir antes de morrer”, Revolto, o garoto que criou seu nome paralelo, a carreira de instrumentista o que reúne opiniões de noventa críticos artístico em homenagem a James levou a participar de turnês mundiais reconhecidos internacionalmente. Brown e H.Rap Brown, líderes da de atistas consagrados como João De lá para cá vieram outros quatro música negra – funk e soul – norte- Gilberto, Djavan e João Bosco. trabalhos solo, o mais recente em 2007. americana nos anos 1970, jamais Com a chegada dos anos 1990, a Tal qual o verão, Carlinhos Brown tem imaginaria que estaria entre os maiores inquietação de Brown o levou a criar espírito agregador e, em 2002, lançou arrecadadores de direitos autorais a Timbalada, grupo com mais de 100 com Marisa Monte e com Arnaldo do Brasil. Talvez ele não tivesse essa percussionistas e cantores que tomava Antunes, o projeto Tribalistas que noção, mas certamente Osvaldo Alves de assalto as ruas de Salvador com nem precisa constar em livro para da Silva, o Mestre Pintado do Bongô seu som envolvente. Como boa parte estar entre os favoritos das pessoas já via a grandeza do talento daquele dos seus integrantes tinha a mesma – prova disso que vendeu mais de 1 garoto do Candeal. Percussionista de origem de Carlinhos – o bairro do milhão de cópias. Outro mega sucesso nascimento e formação desenvolveu Candeal e a pobreza que ali reinava foi sua participação na trilha sonora muito do seu trabalho a partir das –, o grupo acabou tendo uma função do filme de animação Rio para o qual células rítmicas provenientes dos de promoção social que quase rivaliza, criou as canções “Sapo Cai”, “Let Me terreiros de candomblé. E já no em termos de sucesso, com o seu Take You To Rio”,”Forró da Fruta”, começo dos anos 1980 estava entre papel artístico. Aliás, o seu disco “Funky Monkey” e a indicada ao os instrumentistas mais requisitados foi considerado pela revista inglesa Oscar de 2012, “Real in Rio”, FOTOS: THIAGO LIMA da Bahia. Nessa fase, tocou com Luiz Billboard como o melhor trabalho em parceria com Sérgio Mendes, Caldas na banda Acordes Verdes. musical produzido em 1993 na indicada ao Oscar de Melhor Considerado um dos criadores do América Latina. Canção Original.30 ( BATCH ) ( BATCH ) 31
  15. 15. FOTO: CACAU MANGABEIRA
  16. 16. FOTO: THIAGO LIMA Como é da natureza dos artistas e dos grandes empreendedores, oficinas de capoeira, dança e de temáticas ligadas à cultura afro- Carlinhos Brown é daquelas pessoas que naturalmente sabem brasileira, além de uma escola infantil. Os projetos são parceiros “fazer de um limão, uma limonada”. de instituições importantes, como os Ministérios da Educação Assim, o que faltou em disponibilidade financeira durante sua e do Trabalho e a Unesco. infância no Candeal Pequeno sobrou em liberdade e estímulos Pela sua trajetória de engajamento com as questões sociais, artísticos. Sempre ligado às suas origens, Brown criou vários Carlinhos Brown já recebeu diversos prêmios. Entre eles, um projetos, programas e grupos musicais que modificam a vida em forma de participação em outra bela peça de arte: o filme de crianças e jovens carentes de Salvador. Através das mãos de El Milagro de Candeal, do cineasta espanhol Fernando Trueba, Brown, já foram formados mais de 5.000 percussionistas que de 2004. O filme retrata a comunidade do Candeal através dos hoje se destacam tocando pelo Brasil e pelo mundo. Alguns em olhos do músico cubano Bebo Valdés em sua primeira visita à carreira solo, outros acompanhando grandes nomes da música Bahia aos 83 anos e seu encontro musical com Brown. mundial, como o grupo americano Stomp. A fertilidade musical de Brown continua a deixar seus No Candeal, Carlinhos implementou o projeto “Tá Rebocado”, rebentos nos mais diversos espaços musicais, por aqui e de urbanização e saneamento do bairro, que recebeu, em no exterior, e nos mais diferentes ambientes musicais. “O 2002, o Certificado de Melhores Práticas do Programa de Brasil é um país de muitos ritmos, diversidade é a nossa Assentamentos Humanos das Nações Unidas/UN-Habitat. marca. O mais legal é que sempre soaremos plurais”, dizFOTO: THIAGO LIMA Em 1994, Brown fundou a Associação Pracatum Ação Social. Brown que é, sim, daquelas andorinhas que fazem verão. O lugar é um centro de referência em cursos de formação profissional em moda, costura, reciclagem, idiomas e oferece *Agradecimentos a Elaine Hazin, que colaborou com esta reportagem. ( BATCH ) 35
  17. 17. (Golfe) SAÚDE GUILLERMO PIERNES PARA TODOS O golfe é um esporte exigente para o corpo, além de praticante. Ou seja, para um homem de 40 anos seria um uma excelente ferramenta para manter ou conquistar batimento cardíaco máximo de 144 para um homem de 50 a saúde física e mental “Golfe é para velhos... o de 136, e para um esportista de 60 anos, de 128 batimentos. golfe não é esporte... A terra é plana... O Sol gira em torno Em alguns condados do norte da Inglaterra, os idosos recebem da Terra...” Nada como os preconceitos para desinformar. Os subsídios para jogar golfe e, assim, prevenir alta pressão e diferentes estudos da medicina esportiva são conclusivos sobre depressão. Um estudo do Karolinska Institutet, importante os benefícios do golfe para a saúde física e mental, sem contar centro de pesquisas sueco, concluiu que os golfistas tem os relacionamentos, que em tudo ajudam. uma expectativa de vida cinco anos maior em relação aos Uma volta de 18 buracos de golfe, em média, significa caminhar que não praticam o esporte. Para chegar a essa conclusão, sete quilômetros durante quatro horas. A perda pode chegar a os pesquisadores Anders Ahlbom e Bahman Farahmand 1.400 calorias, o que não é nada mal quando muitos pensam estudaram dados de 300 mil golfistas suecos. que jogar golfe não requer esforço físico. Com três dias de “Uma partida de golfe significa estar ao ar livre por um período golfe, ou seja, 54 buracos por semana, uma pessoa se afasta de que oscila entre quatro e cinco horas, caminhando num ritmo problemas cardíacos e pressão alta com a queima de perto de rápido por cerca de 6 a 7 quilômetros. Todos sabem que isso mais de 4.000 calorias semanais. é mesmo bom para a saúde”, considerou Ahlbom. “As pessoas “O movimento do swing do taco de golfe provoca um jogam golfe até a velhice. Também existem os aspectos sociais significativo gasto de energia”, disse Neil Wolkodoff, diretor e psicológicos do esporte, que podem ser úteis”, completou. do Rose Center de Ciências da Saúde e o Esporte, de Denver, nos Nas minhas palestras corporativas, destaco também os Estados Unidos. Deveria ser um dos esportes mais indicados aspetos psicológicos desenvolvidos com a prática de golfe, para pessoas com mais de 40 anos ou ligeiramente fora de perseverança, foco, rapidez para voltar ao equilíbrio emocional. forma. Ao contrário de esportes que exigem grandes picos de São decisivos para o sucesso do executivo, do empresário e das esforço, com o consequente perigo de falha cardíaca, o golfe pessoas que buscam que a sua vida tenha qualidade. nunca exige o coração além do nível de batimento seguro. FOTO: DIVULGAÇÃO Os médicos recomendam um esforço máximo para o coração Guillermo Piernes é autor de Liderança e Golfe – O Poder medido em um número de batidas cardíacas que corresponda do Jogo na Vida Corporativa. www.guillermopiernes.com.br a 80% da operação aritmética de 220 menos a idade do piernes@golfempresas.com.br36 ( BATCH )
  18. 18. (Comportamento) A FARDA, RICARDO LORDES O FARDO “É difícil fazer publicidade O para o público primeiro homem a sair da caverna estava apaixonado. Para quem havia aprendido a ser homem em escolas militares – e Intuiu que conquistar o mundo o ajudaria a conquistar a não havia uma única mulher na AMAN, nem como professora mulher. Como deu certo, logo foi seguido pelos demais – se não, estaríamos lá até hoje. Já eu, querendo impressionar a –, como eu, logo eu poderia criar uma campanha para algo tão umbilicalmente ligado às mulheres? feminino. Imagine então garota por quem me apaixonei no colégio, fui para a caserna, para Há tema mais feminino que a maternidade? Se você vir uma o quartel, talvez por ter lido em alguma aula o poema do Mário roda com dez mulheres, pode apostar que no centro há um bebê. Quintana: “Se dependesse das mães, não haveria guerras / Mas (Se forem dez homens, pode apostar que no meio há uma Playboy.) as filhas preferem os soldados”. Aquela menina parecia mesmo preferir. Havia namorado em sequência dois soldados do Exército. O fato foi que consegui criar essa campanha – contando com a ajuda valiosíssima de minha mãe, que meses antes escrevera uma para um jovem Eu tinha 14 anos, seria demais esperar até os 18 pelo alistamento militar e ainda ter de esperar mais um ano pela convocação. carta que inspirou a solução. Criei essa e muitas outras campanhas para o público feminino, para marcas como Natura, Roche, que chega à Fora que ainda existia o perigo de eu ser dispensado por excesso de contingente. Para ganhar tempo e não depender da sorte, bolei Disney, Continental e Contigo, entre outras. Ao longo de duas décadas e com aprendizados incríveis para mim e minhas equipes. publicidade um plano. Estudei enlouquecidamente por um ano, prestei É sobre esses cases que falo no livro Olhar Femino – A publicidade concurso e fui um dos duzentos aprovados dentre 14.641 que a mulher quer ver. E é sobre isso, também, que falarei neste após passar candidatos para a Escola Preparatória de Cadetes do Exército. espaço, nos próximos meses. Eu não pretendo dar dicas, lições, Assim, aos 16 anos recém-completos, eu já era hierarquicamente superior a todo e qualquer soldadinho que pudesse cruzar o métodos, nada disso, pode ficar tranquilo. Pretendo apenas dividir um pouco do que passei e do que pensei ao criar cada anos em caminho da garota. Cabelo cortado, farda engomada, sapato engraxado, dei meu jeito, nada casual, de a encontrar casualmente. uma dessas campanhas. Pretendo apenas conversar sobre dois de meus temas prediletos: propaganda e mulher – não nessa ordem, academias E ela não quis namorar comigo. Só muito depois fui entender que ela não havia se interessado pelos evidentemente. Creio que isso pode inspirar os leitores em geral – e os homens em particular – que fazem marketing e propaganda militares que dois por serem soldados, mas por terem 19 anos. Para ela, os dois para as mulheres. Para encerrar essa primeira conversa, já digo eram homens maduros, enquanto eu era verde como a minha farda. que meu único mérito ao lono de todo esse tempo foi o de não tinham Fiz 19 anos. Fui para a Academia Militar das Agulhas Negras. sempre partir do princípio que eu não as conhecia de verdade E começamos a namorar, finalmente. Para minha sorte, desde o primeiro dia eu passei a amar também – como Freud, que admitiu ter fracassado completamente em responder à pergunta “afinal, o que quer a mulher?”. mulheres o Exército – e sempre amarei, pelo muito que aprendi e pelos amigos que fiz e tenho por lá até hoje. Só que, com o fim do regime Admitir sua ignorância não é fácil para ninguém, mas é ainda mais difícil para um publicitário – profissional generalista por dever, e nem como professoras.” militar, as vacas ficaram magras nos quartéis – e elas nunca haviam que, por ser tão generalista e por crer que sempre esperam dele uma sido muito gordas. Era gravíssimo: o orçamento mal dava para as opinião nova e inteligente, acaba com aquele ar de sabe-tudo que refeições dos soldados, coisa difícil de engolir. irrita até os amigos. Diante do desafio de criar para a mulher, fiquei Inconformado, pedi desligamento e voltei para São Paulo. em paz com minha ignorância e me coloquei como um sabe-nada. Decidi ser publicitário e fui estudar na ESPM. Isso foi decisivo, estou certo. E nem machucou muito meu ego. Uma mudança e tanto, não? Até porque eu estava com Freud. Nem tanto. Mudança mesmo foi me ver, poucos anos depois, diante de um pedido de criação da campanha de lançamento da Ricardo Lordes é presidente da agência Pátria e autor do livro linha Natura Mamãe e Bebê. Olhar Feminino – A publicidade que as mulheres querem ver.38 ( BATCH ) ( BATCH ) 39
  19. 19. (Gastronomia) FOTOS: ROGÉRIO MONTENEGRO AQUI, NEM SEMPRE O CLIENTE TEM RAZÃO! com estes e outros conceitos, cesinha criou um dos pontos mais charmosos da vila por francisco britto40 ( BATCH )
  20. 20. I magine uma pequena garagem no bairro de Vila Maria (também situado na Vila Madalena) que completou 50 Madalena, em São Paulo. Isso mesmo, uma garagem, anos neste ano e que prima por uma educação holística voltada daquelas dos sobradinhos geminados paulistas de a educar a mente, o coração e a vontade. Das conversas francas antigamente, projetadas para acomodar não mais que um e abertas do casal veio a ideia: abrir na garagem da casa uma barulhento DKW. Agora, coloque neste mesmo cenário espécie de bomboniere, com doces, refrigerantes e guloseimas 120 tipos diferentes de cervejas de todo o mundo, 15 cachaças e com o resultado disso, investir na educação das crianças. E dos mais variados locais do País, aperitivos fantásticos e deu certo! Rafael, hoje já casado, é formado em administração exclusivos, um garçom chamdo Jerry Adriane e a clientela mais com especialização em comércio exterior pelo Makenzie, pós- exótica e diversificada que você puder imaginar. Muito bem: graduado pela Getúlio Vargas e ocupa uma posição executiva esse é o boteco do Cesinha. Uma sensação conhecida dentro na multinacional Kimberly-Clark. Carolina fez hotelaria, e fora do País que recebe desde políticos como José Serra e trabalha numa operadora de turismo e se prepara para alçar Celso Jatene, jornalistas como Ricardo Kotscho a jogadores novos voos. E foi o próprio filho que o estimulou a mudar a como Felipe (Flamengo), e que produzem forte presença bomboniere para o boteco. Rafael, um amante de cerveja, após na mídia espontânea. uma temporada de trabalho e estudos na Irlanda, sugeriu ao pai Seu proprietário é José Anfrísio dos Santos, o Cesinha, que começar a servir a encorpada cerveja Guinness. No início, uma saiu de Iepê – no interior paulista – aos 15 anos de idade para tentativa tímida. Compravam no mercado algumas unidades e vir tentar a vida em São Paulo. Iepê, em tupi-guarani, significa ofertavam aos clientes sem muita expectativa. Pouco a pouco o liberdade. E é por isso mesmo que a cidade foi batizada com negócio foi pegando, os clientes indicando mais e mais marcas, este nome. O pequeno município, hoje com não mais de 8 mil e assim por diante. “Hoje, servimos cervejas de todo mundo, habitantes, nasceu para sanar a impossibilidade dos protestantes que são degustadas por mim, minha esposa, meus filhos e enterrarem seus mortos e construírem uma escola para seus depois de aprovadas, vêm para venda...” explica Cesinha sobre filhos no patrimônio de São Roque, onde moravam. Várias como compõem seu rico menu. Mas, como nem só de cerveja famílias então se mudaram para o novo povoado, em busca da vive o homem, anos atrás os clientes começaram a pedir mais liberdade religiosa almejada. Essa sede de liberdade deve ter que amendoim e salgadinhos. Foi daí que Marisa, pensando e se entranhado nas veias de Cesinha, que, por conta da perda fuçando nas receitas da mãe, decidiu fazer um rosbife caseiro, da mãe, deixou o pai na roça e veio morar com um tio. “Deus sempre fresquinho e bem temperado, para ser servido como sempre esteve comigo, sempre...” prega Cesinha ao contar os sanduíche ou em porções. O sucesso foi imediato. “Até hoje diversos desafios que a vida lhe apresentou. Mas o sucesso do escolho a carne todos os dias, sempre pedaços do mesmo boteco veio mesmo de um enorme amor entre ele, sua esposa tamanho, com a mesma qualidade, tempero, selo, levo ao forno Marisa e os filhos Rafael e Carolina. Aliás, foi por causa dos e também cuido do vinagrete pessoalmente, todos os dias”, filhos que tudo começou. Cesinha é, até hoje, um bem-sucedido explica Marisa, orgulhosa de sua criação e atenção aos detalhes. profissional de carreira na CET – Companhia de Engenharia Além dessa iguaria, os clientes não abrem mão da porção mista de Tráfego, focado em projetos de sinalização para cidade de de frios que só o Cesinha sabe fazer. “Sou um cara muito chato. São Paulo. Porém, no final de 1990, a renda de Cesinha não Todos produtos têm de ser de qualidade. O corte, a disposição mais permitia que os filhos continuassem os estudos no colégio no prato, o pãozinho... tudo, tudo tem de ter padrão... isso difere particular Santa Clara. E isso ele não permitiria de forma nossos petiscos. Sem falar, é claro, no jeito caseiro de faze-los alguma. “Sempre quis que meus filhos tivessem uma boa base, e servi-los...”arremata Cesinha. Além de irem orgulhosos à uma boa escola... e sabia que disso não poderia nunca abrir formatura dos dois filhos, quando questionados sobre o que lhes mão, a nenhum custo...”, lembra Cesinha emocionado. O Santa dá mais alegria no boteco, a resposta é tão simples e honesta Clara é um colégio tradicional, dirigido pela Congregação das como os dois: servir bem, receber gente bacana que aproveita Irmãs Franciscanas Missionárias do Coração Imaculado de e que se sente em casa. CESINHA Funciona de Terça à Sábado, das 13:15hs às 23:35hs. Rua Delfina, 66 – Vila Madalena – São Paulo – Tel. 11 3032 0058. Exemplos exóticos de cerveja, tais como a Lucifer (8%), Delirium Nocturnum (8,5%) e Aceita cartões de débito e crédito. a Martin’s (6,9%) são apenas algumas das belezas que enfeitam as prateleiras do boteco.42 ( BATCH ) ( BATCH ) 43
  21. 21. (Trajetória) Um grande motor Aproveitando as retas e otimizando as curvas, Antônio Roberto Cortes, Presidente e CEO da MAN Latin América e da Volkswagen Caminhões e Ônibus, é um executivo empreendedor, que conseguiu se manter constante diante de todas as variações do caminho por francisco britto Foto: reprodução man

×