Ritos funeráriosKaingáng- Quando uma pessoa morre, alguém deve recitar uma fórmula ao som do maracá.-O cadáver é levado pa...
A cerimônia• Os convidados são recebidos com uma bebida feita a base decachaça, açúcar, milho verde socado e água. A cerim...
Fases no rito funerário• O defunto Kaingáng passa por três etapas:• 1º: fase de separação = sepultamento, quandose separa ...
Rito e culto• Os ritos não são sempre ligados àreligião.• Ex: trote dos universitários; passagem doEquador, etecetera...• ...
Por que se infligem maus-tratos emcertos ritos?• Os indivíduos maltratados estão na iminência depertencer à categoria daqu...
Maracá
Maracá
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ritos de passagem história da arte brasileira

598 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
598
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ritos de passagem história da arte brasileira

  1. 1. Ritos funeráriosKaingáng- Quando uma pessoa morre, alguém deve recitar uma fórmula ao som do maracá.-O cadáver é levado para o cemitério marcando-se as árvores a cada parada para des-canso.-Os Kaingáng acreditam que o mortovive uma vida pós-tumulo-O morto oferece um grande perigo à comunidade pois produz a morte e a doença.-Entre junho e abril realiza-se um rito paraque o morto vá embora.
  2. 2. A cerimônia• Os convidados são recebidos com uma bebida feita a base decachaça, açúcar, milho verde socado e água. A cerimônia acontecenuma tarde estando os indios divididos em metades caminhandopara o cemitério.• À frente de cada metade vão um cantador e três dançarinos.Quando alcançam a primeira marca feita na árvore, o cantador e osdançarinos canta e dançam respectivamente enquanto os demaisficam em torno sem nada fazerem.• Acabando o cântico, repetem a mesma coisa nas outras marcas.Quando chegam no túmulo fazem o mesmo e a metade opostatambém à uns cinco metros.• Por fim, retornam à aldeia, acendem fogueiras e cantam e dançamaté a bebida oferecida acabar.
  3. 3. Fases no rito funerário• O defunto Kaingáng passa por três etapas:• 1º: fase de separação = sepultamento, quandose separa dos vivos.• 2º fase de transição = está afastado dos vivos,mas constitui uma ameaça para eles.• 3º fase da incorporação = não é mais do mundodos vivos e através do ritual, é definitivamenteafugentado da aldeia.
  4. 4. Rito e culto• Os ritos não são sempre ligados àreligião.• Ex: trote dos universitários; passagem doEquador, etecetera...• Não quer isso dizer que nunca seencontre rituais de culto entre as tribosindígenas. Os Tupinambá, por exemplo,faziam oferendas aos maracáspreparados pelos feiticeiros, xamãs.
  5. 5. Por que se infligem maus-tratos emcertos ritos?• Os indivíduos maltratados estão na iminência depertencer à categoria daqueles que osmaltratam.• Os ritos, ao marcarem a passagem de umindivíduo ou de vários indivíduos de um grupopara outro, produzem uma intensificação doestado que será modificado: tornam manifestaessa hostilidade latente, enfatizam a hostilidadeentre dois grupos que se fundirão num só.• Ex: Carnaval – Quaresma – Semana Santa -Páscoa
  6. 6. Maracá
  7. 7. Maracá

×