Agenda Regional de PráticasEducacionais Abertas (PEA)Uma abordagem de base para o desenvolvimentode um espaço comum de edu...
OportUnidad é um projeto de pesquisa-acão cujo objetivo é promover a adoção de práticas educacionais abertas (PEA)na Améri...
Agenda Regional de PráticasEducacionais Abertas (PEA)Uma abordagem de base para o desenvolvimentode um espaço comum de edu...
ContextoA agenda regional de práticas educacionais abertas (PEA) foi desenvolvida através de consultas com mais de 50unive...
Abordagens pedagógicas para REAAs recomendações levam em consideração a potencialidade das novas TICs (tecnologias de info...
Soluções tecnológicas para REAExistem inúmeras soluções tecnológicas para a produção e publicação de REA. A escolha depend...
Estruturas organizacionais e procedimentosAs instituições de ensino superior que desejam participar no fornecimento de REA...
Novos modelos de financiamento institucional e sustentabilidadeA disseminação dos REA e das PEA coloca importantes desafio...
Modelos colaborativos de REA entre instituiçõesUm dos resultados de iniciativas de REA é o de permitir a colaboração local...
GlossárioGovernos. A ação governativa pode desempenhar, em geral, um papel importante na implantação de PEA ao estabelecer...
Participant Institutions     1   CETYS Universidad     2   Conectando Pasos     3   Fundación Universitaria del Área Andin...
Esta publicação também está disponível em espanhol e em inglês.     Open Educational Practices (OEP) Regional Agenda10   w...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Agenda Regional de Práticas Educacionais Abertas (PEA)

1.148 visualizações

Publicada em

A agenda regional de práticas educacionais abertas (PEA) foi desenvolvida através de consultas com mais de 50 universidades associadas na América Latina. Apresenta orientações estratégicas para a abertura na educação superior, delineando políticas e ações que visam maximizar o benefício do uso, reuso e remixagem de recursos educacionais abertos (REA) para o desenvolvimento de cursos universitários como meio de abertura do acesso ao conhecimento.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.148
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
628
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Agenda Regional de Práticas Educacionais Abertas (PEA)

  1. 1. Agenda Regional de PráticasEducacionais Abertas (PEA)Uma abordagem de base para o desenvolvimentode um espaço comum de educação superior naAmérica Latina e na Europa 1
  2. 2. OportUnidad é um projeto de pesquisa-acão cujo objetivo é promover a adoção de práticas educacionais abertas (PEA)na América Latina.Parceiros: O consórcio OportUnidad é liderado por um grupo de universidades da América Latina e da Europa, a saber:Universidade Federal Fluminense (Brasil), Universidad Estatal a Distancia (Costa Rica), Universidad Técnica Particularde Loja (Ecuador), Fundación Uvirtual (Bolivia), Universidad Virtual del Tecnológico de Monterrey (Mexico), Universidadde la Empresa (Uruguay), Universidad Inca Garcilaso de la Vega (Peru), EAFIT University (Colombia), Università degliStudi Guglielmo Marconi (Itália) (Coordenadora do projeto), Universitat Oberta de Catalunya (Espanha), Universidadede Lisboa (Portugal) e University of Oxford (Reino Unido). O OportUnidad é apoiado pela European Commission sob oprograma EuropeAid ALFA III.Esta publicação foi produziada com a ajuda da União Europeia. O conteúdo desta publicação é da inteira responsabilidadede seus autores e não reflete o ponto de vista da União Europeia.
  3. 3. Agenda Regional de PráticasEducacionais Abertas (PEA)Uma abordagem de base para o desenvolvimentode um espaço comum de educação superior naAmérica Latina e na Europa
  4. 4. ContextoA agenda regional de práticas educacionais abertas (PEA) foi desenvolvida através de consultas com mais de 50universidades associadas na América Latina. Apresenta orientações estratégicas para a abertura na educaçãosuperior, delineando políticas e ações que visam maximizar o benefício do uso, reuso e remixagem de recursoseducacionais abertos (REA) para o desenvolvimento de cursos universitários como meio de abertura do acessoao conhecimento.A agenda inclui as seguintes dimensões recomendadas: Abordagens pedagógicas para REA (P), incluindo aspectos de ensino-aprendizagem e links para aprendizagem social, aprendizagem construtiva com pares; Soluções tecnológicas para REA (T), incluindo as principais tecnologias, normas, especificações (ou seja, metadados, publicação, consulta) e infraestrutura; Estruturas organizacionais e procedimentos (OF), os papéis dos diferentes envolvidos nas instituições para construir, reusar e remixar REA e procedimentos eficazes na relação custo-benefício para REA; Novos modelos de financiamento institucional e sustentabilidade (FMS), como os REA podem contribuir para gerar novos financiamentos e modelos de negócio institucional a fim de assegurar a sustentabilidade ao longo prazo das iniciativas; Modelos colaborativos de REA entre instituições (CM) e comunidades de interesse.Tendo como base esta agenda regional de PEA, cada universidade (as universidades parceiras ou associadasenvolvidas no projeto OportUnidad) definirá um roteiro institucional/plano de ação, ou seja, uma contextualizaçãoda agenda para o seu quadro local, cultural e institucional. É um plano estratégico de médio prazo para aimplementação de um ou mais ítens que estão na agenda e devem ser considerados para um plano contextualizadolocalmente dentro de um plano estratégico global.As dimensões incluídas nesta agenda devem ser abordadas priorizando as seguintes comunidades deintervenientes ou partes interessadas (tal como definidas no glossário): Ao nível regional, nacional e local: entidades intergovernamentais, governos, agências nacionais de credenciamento e organizações civis; Ao nível institucional: entidades estudantis, administração e gerência, comunidade de educadores, bibliotecários, funcionários técnicos (TI); Ao nível de usuários: estudantes, educadores, comunidades vulneráveis. Open Educational Practices (OEP) Regional Agenda2 www.oportunidadproject.eu
  5. 5. Abordagens pedagógicas para REAAs recomendações levam em consideração a potencialidade das novas TICs (tecnologias de informaçãoe comunicação) em relação ao processo de ensino e aprendizagem. Elas centram-se nas oportunidadesde aprendizagem social, ou seja, na aprendizagem construtiva e colaborativa entre pares. Apesar dos REAserem normalmente produzidos para apoiar o ensino e a aprendizagem, também podem ser criados porestudantes como parte de atividades de aprendizagem; pelo que também serão abordadas aqui direitosautorais e questões de licenças.Esta agenda recomenda que as Instituições de ensino superior, de acordo com as suas capacidades: P.1 Incorporem na educação uma abordagem aberta à produção do conhecimento, promovendo o uso, reuso e remixagem de recursos abertos. P.2 Promovam a tomada de consciência em relação aos REA por meio de experimentação prática. P.3 Busquem colaboração interinstitucional, promovendo o surgimento de comunidades de práticas em torno de temas educacionais e áreas de interesse. P.4 Reconheçam e deem crédito ao conhecimento adquirido através de PEA, por meio da criação de indicadores e medidas adequadas à avaliação de competências. P.5 Busquem a garantia de qualidade acadêmica e rigor no processo de produção de REA. P.6 Aumentem a consciência do papel de REA, apoiando práticas educacionais transformadoras e inovação na aprendizagem, a fim de motivar a distribuição de geração de conhecimento e transferência por meio de REA. P.7 Continuem a desenvolver a investigação empírica do valor pedagógico dos REA, incluindo seus impactos sobre os ambientes de educação formal e informal. P.8 Estimulem a criação de comunidades institucionais e regionais de educadores, a fim de facilitar a troca de experiências, transferência de conhecimentos e desenvolvimento de competências sobre a importância da iniciativa REA. P.9 Abordem os princípios de acessibilidade durante a concepção, implementação e uso de práticas de aprendizagem baseadas em REA. 3
  6. 6. Soluções tecnológicas para REAExistem inúmeras soluções tecnológicas para a produção e publicação de REA. A escolha dependede uma série de fatores, como a escala, o público e os recursos disponíveis para a iniciativa. Noentanto, esta Agenda incide sobre tecnologias-chave, padrões, especificações de metadados (porexemplo, edição, consulta) e infra-estrutura, e recomenda que as instituições de ensino superior, deacordo com as suas capacidades: T.1 Garantam acesso seguro às tecnologias da informação e comunicação (TIC), requisito fundamental na adoção e produção de REA. T.2 Promovam um acesso aberto, inclusivo e democrático às tecnologias digitais (hardware e software), a fim de melhorar a utilização, adaptação e apropriação das TIC, tendo em vista contribuir para melhorar e consolidar iniciativas de REA. T.3 Implementem uma infraestrutura tecnológica e apoio tecnológico adequados que facilitem o desenvolvimento de iniciativas de REA. T.4 Incorporem nos programas de formação de professores o uso e valor de normas. Promovam abertamente a incorporação de sistemas de código aberto para a prática da educação, desenvolvendo habilidades técnicas e competências para encontrar, usar, remixar e contribuir com REA, bem como para envolver e promover as PEA. T.5 Busquem soluções descentralizadas ou federadas para a gestão do conhecimento que facilitem a criação de iniciativas de REA interinstitucionais e regionais, as quais possam aproveitar a facilidade de se encontrar, trocar, reutilizar e reaproveitar os recursos no âmbito de uma comunidade ampla de usuários dentro e fora das instituições de ensino. T.6 Adotem padrões abertos, princípios de acessibilidade e critérios bibliométricos ao publicar REA. T.7 Estruturem repositórios de REA em formato legível por máquina para permitir uma indexação adequada e optimização dos motores de busca dos recursos. Open Educational Practices (OEP) Regional Agenda4 www.oportunidadproject.eu
  7. 7. Estruturas organizacionais e procedimentosAs instituições de ensino superior que desejam participar no fornecimento de REA se deparam com anecessidade de conduzir alterações profundas nas estruturas organizacionais e procedimentos. A maioriadessas mudanças ocorrem ao longo do tempo e são incorporados em diferentes níveis da instituição:administrativos, educacionais, e, transversais a estes dois, em nível cultural. É provável que quandoas mudanças consigam transformar a cultura da organização, os efeitos também sejam percebidos porfuncionários, estudantes e a comunidade em geral.Esta Agenda recomenda que as Instituições de ensino superior, de acordo com as suas capacidades: OF.1 Assegurem o acesso livre ao conhecimento de modo igual e democrático. OF.2 Implementem políticas consistentes e inclusivas de REA, delineando as formas pelas quais a organização pretende se envolver com REA e PEA para promover as melhores práticas de acessibilidade, em que contexto e envolvendo quais departamentos / pessoas e como tal envolvimento se relaciona com sua missão global e valores. OF.3 Desenvolvam um plano estratégico de produção, uso e difusão dos REA em tanto de um modo sistemático como de forma integrada dentro da organização. OF.4 Estimulem a adoção de PEA por meio de incentivos institucionais e / ou financeiros para os membros da equipe e reconhecimento profissional. OF.5 Promovam uma cultura de REA através de práticas de gestão do conhecimento que permitam uma mudança de paradigma educacional em direção a abertura e colaboração. OF.6 Difundam e disseminem os REA e as PEA dentro e fora da instituição. OF.7 Promovam o avanço da pesquisa acadêmica sobre os vários desafios organizacionais associados com a implementação e utilização de REA. OF.8 Desenvolvam e disseminem uma metodologia de produção e adoção de REA internamente, tanto em termos pedagógicos como institucionais. OF.9 Respeitem os direitos autorais e divulguem informações sobre os tipos de licenças disponíveis. OF.10 Capacitem líderes (comunidades ou indivíduos inovadores que adotam os seus princípios) para difundir a proposta de valor e os benefícios dos REA junto dos membros do corpo docente da Instituição e a outras pessoas também. OF.11 Desenvolvam e disseminem diretrizes institucionais e um conjunto claro de critérios de qualidade para avaliar REA bem como a eficácia das PEA existente. OF.12 Implementem a formação permanente sobre práticas colaborativas de criação e remixagem de conhecimento, tanto para membros do corpo docente como para os não docentes. 5
  8. 8. Novos modelos de financiamento institucional e sustentabilidadeA disseminação dos REA e das PEA coloca importantes desafios aos modelos de negóciosinstitucionais. Há dimensões econômicas relevantes a tomar em conta quando se parte para acriação, gestão e publicação de REA, muitas das quais estão sendo atualmente aplicadas pordiferentes instituições de ensino superior em todo o mundo. Apesar de muitas iniciativas de REAexistentes terem sido construídas com base num financiamento unitário, tendo em conta o respetivovalor de mercado ou pelo simples princípio altruísta de alargar o acesso à educação, a suasustentabilidade se tornou um conceito crítico que ainda não se encontra totalmente estabilizado.Esta Agenda recomenda que as Instituições de Ensino Superior, de acordo com as suas capacidades: FMS.1 Busquem e gerenciem ativamente a mudança na cultura organizacional em direção a uma abordagem aberta e de colaboração para o ambiente educacional. FMS.2 Explorem novas abordagens que, sem afetar o livre acesso aos recursos educacionais, possam proporcionar novas fontes de receita para as instituições de financiamento e ou provedores de conteúdo (ex: garantia de qualidade da certificação, programas de capacitação; customização de software de código aberto ou sistemas de novos credenciamentos). FMS.3 Direcionem recursos econômicos para iniciativas de REA. FMS.4 Busquem novos modelos de negócio que não se baseiem na restrição e exclusividade do acesso ao conhecimento, mas sim no valor potencial gerado pelo próprio acesso. FMS.5 Participem em projetos financiados externamente que visam o desenvolvimento de REA e de PEA, bem como busquem apoio interno para iniciativas semelhantes. FMS.6 Identifiquem e compartilhem projetos de REA que contribuam para garantir a sustentabilidade das iniciativas de recursos educacionais abertos institucionais e interinstitucionais. FMS.7 Divulguem a existência de modelos de negócios que apoiam e promovam o desenvolvimento consistente de PEA. FMS.8 Desenvolvam modelos flexíveis institucionais e interinstitucionais de certificação que avaliem, qualifiquem e reconheçam os resultados de aprendizagem dos que aprenderam por meio do uso de REA e PEA. Open Educational Practices (OEP) Regional Agenda6 www.oportunidadproject.eu
  9. 9. Modelos colaborativos de REA entre instituiçõesUm dos resultados de iniciativas de REA é o de permitir a colaboração local e global através daInternet, tanto entre os funcionários como entre as instituições. Através da oferta de REA, asuniversidades começaram a ter políticas mais claras sobre o uso do conteúdo de seus sites. Aadoção da prática de aprovação institucional do licenciamento comum pode ativar e facilitar umaparticipação mais dinâmica e melhor coordenada dos produtores de conteúdo.O fornecimento e uso de REA também é visto como uma oportunidade para expandir a aprendizagempara além dos limites da educação tradicional. A crescente disponibilidade de REA permite queestas iniciativas cheguem a maiores comunidades online, fortalecendo a presença institucionale novas formas de reconhecimento acadêmico. No entanto, a discussão sobre os REA não estáisenta de desafios. A adoção generalizada dos REA pela comunidade acadêmica ainda nãoestá completamente consolidada, e exigirá que as instituições enfrentem os limites de naturezainterinstitucional e multicultural existentes e cooperem conjuntamente na sua superação.Esta Agenda recomenda que as Instituições de ensino superior, de acordo com as suas capacidades: CM.1 Incentivem uma maior cooperação com outras instituições que realizam iniciativas de REA, fomentando a construção de comunidades e colaboração entre pares. CM.2 Adotem licenças abertas que permitam a cooperação entre instituições e indivíduos através da reutilização e remixagem de recursos educacionais, com clareza quanto a direitos autorais e condições de uso. CM.3 Participem de iniciativas que visem o desenvolvimento de mecanismos flexíveis de garantia de qualidade para analisar e avaliar recursos educacionais. CM.4 Garantam que as normas abertas são usadas em todos os repositórios online, garantindo não só a acessibilidade, mas também a interoperabilidade com plataformas existentes. CM.5 Estimulem a consolidação de comunidades ativas, nacionais e / ou regionais (ou seja, educadores, tomadores de decisão, diretores de ensino e / ou administradores de tecnologia) que estão interessados no desenvolvimento e sustentabilidade de REA e PEA. CM.6 Promovam a colaboração com iniciativas nacionais e internacionais (ou seja, consór- cios, federações mundiais, iniciativas promovidas pela UNESCO, etc), que melhorem a coordenação externa e a participação em iniciativas PEA em todo o mundo. 7
  10. 10. GlossárioGovernos. A ação governativa pode desempenhar, em geral, um papel importante na implantação de PEA ao estabelecerpolíticas para os sistemas de ensino superior. O seu interesse centra-se em assegurar que os investimentos públicosno ensino superior tenham uma contribuição útil e efetiva para o desenvolvimento socioeconômico. Aliás, a maioria dosgovernos sustenta financeiramente várias universidades.Instituições de ensino superior. Podem desempenhar um papel fundamental ao apoiar o seu corpo docente na criaçãode ambientes eficazes de ensino e aprendizagem para os alunos, proporcionando oportunidades contínuas dedesenvolvimento profissional.Corpo docente. São agentes vitais para garantir a qualidade do ensino e da aprendizagem desenvolvida pelosestudantes; são fundamentais no processo de ensino-aprendizagem.Corpo discente. Promovem os papéis emergentes e de mudança e ainda devem desempenhar um papel na formaçãoda qualidade de sua própria experiência educacional.Órgãos de controle da qualidade/credenciamento e reconhecimento acadêmico. Os órgãos de controle da qualidadedesempenham um papel essencial na promoção de uma cultura de qualidade através da avaliação de programase opiniões de mecanismos institucionais de garantia da qualidade. As agências de reconhecimento também devemcompreender a importância do papel dos REA no ensino superior para garantir o justo reconhecimento das qualificações.Grupos vulneráveis. Tratam-se dos grupos constituídos pelas pessoas mais vulneráveis socialmente, como osdesempregados de longa duração, e também os cidadãos inativos e não registrados como desempregados. Nestegrupos se devem incluir também os trabalhadores com empregos precários e consequentemente com risco elevadode perder seus postos de trabalho.Estudantes. Alunos do campus que irão se beneficiar das práticas educacionais abertas, as quais permitem umaaproximação dos processos de aprendizagem e seus resultados do que é necessário no mundo atual para ingressarno mercado de trabalho e participar com sucesso na dinâmica de uma sociedade baseada no conhecimento.Recursos Educacionais Abertos (REA). “Os REA são recursos para o ensino, a aprendizagem e a pesquisa queresidem no domínio público ou foram publicados sob uma licença de propriedade intelectual que permite seu livreuso e remixagem por outros. Os REA incluem cursos completos, conteúdo para cursos, módulos, livros, vídeos,testes, softwares e qualquer outras ferramentas, materiais ou técnicas usadas que suportem e permitam o acesso aoconhecimento.”Atkins, D.E., Brown, J.S. & Hammond, A.L., 2007.A review of the open educational resources (OER) movement:Achievements, challenges, and new opportunities, Report to The William and Flora Hewlett Foundation. Available at:www.hewlett.org/uploads/files/Hewlett_OER_report.pdfLicenças de propriedade intelectual. Durante as ações do projeto, serão consideradas licenças “abertas” as da CreativeCommons (http://creativecommons.org/licenses), da iniciativa Open Source (http://www.opensource.org/licenses) etambém licenças personalizadas . Licenças personalizadas são licenças que foram escolhidas por Instituições ouindivíduos que optaram por criar sua própria licença - e que, freqüentemente, usam termos de empréstimo das licençaspadronizadas, permitindo o uso livre de recursos educacionais.Bissell, A., and Park, J. (2008). What Status for Open? An Examination of the Licensing Policies of Open EducationalOrganizations and Projects, a report from ccLearn (Creative Commons) to The William and Flora Hewlett Foundation,http://creativecommons.org/weblog/entry/11700Práticas educacionais abertas (PEA). “As PEA são definidas como práticas que sustentam a (re) utilização e produçãode REA por meio de políticas institucionais, promovendo modelos pedagógicos inovadores, respeitando e capacitandoalunos como coprodutores no seu caminho de aprendizagem. As PEA estão dirigidas à comunidade de REA: gestoresde políticas, gestores/administradores de Instituições, profissionais da educação e alunos “OPAL (2012).Open Educational Quality Initiative (OPAL) a project funded with support from the European Commission.Progress Report (Public Part); Report version: Final; Date of preparation: 10.1.2012. Available in http://www.oer-quality.org/wp-content/uploads/2012/02/D1.4_Project_Report_pub_PrintFinal_Public.pdf Open Educational Practices (OEP) Regional Agenda8 www.oportunidadproject.eu
  11. 11. Participant Institutions 1 CETYS Universidad 2 Conectando Pasos 3 Fundación Universitaria del Área Andina 4 Fundación Uvirtual (Bolivia) 5 Pontificia Universidade Católica do Paraná 6 Universidade Estácio de Sá – UNESA (Brazil) 7 Universidade do Sul de Santa Catarina - Campus UnisulVirtual 8 Universidad Autónoma de Manizales 9 Universidad Autónoma del Estado de Morelos 10 Universidad Católica de Santa Fe 11 Universidad Católica de Santiago de Guayaquil 12 Universidad Católica del Uruguay 13 Universidad Católica Redemptoris Mater 14 Universidad Central de Venezuela 15 Universidad Colegio Mayor de Nuestra Señora del Rosario 16 Universidad de Colima 17 Universidad de La Empresa 18 Universidad de la República de Uruguay 19 Universidad de La Sabana 20 Universidad de Los Lagos 21 Universidad de Montemorelos 22 Universidad del Norte 23 Universidad del Quindío 24 Universidad del Salvador 25 Universidad EAFIT 26 Universidad Estatal a Distancia (UNED) de Costa Rica 27 Universidad Inca Garcilaso de la Vega (Peru) 28 Universidad Metropolitana de Ciencias de laEducación 29 Universidad Nacional Autónoma de México 30 Universidad Pedagógica Nacional 31 Universidad Señor de Sipán 32 Universidad Tecnológica de El Salvador 33 Universidad Tecnológica de Honduras 34 Universidad TECVirtual del Sistema Tecnológico de Monterrey 35 Universidad Técnica de Ambato UTA 36 Universidad Técnica Particular de Loja (UTPL) 37 Universidad Veracruzana 38 Universidad Virtual del Estado de Guanajuato 39 Universidade Estadual de Maringá 40 Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) 41 Universidade Federal de Juiz de Fora 42 Universidade Federal Fluminense (UFF) 43 Universitat Oberta de Catalunya 44 University of Lisbon 45 University of Oxford 46 Università degli Studi Guglielmo Marconi 47 Universidad Tecnológica de Honduras 9
  12. 12. Esta publicação também está disponível em espanhol e em inglês. Open Educational Practices (OEP) Regional Agenda10 www.oportunidadproject.eu

×