Há um serial killer à solta em Los Angeles e as autoridades locais precisam de ajuda rápida. Por alguma
razão, o assassino...
Quando Beyond Birthday cometeu seu terceiro homicídio, na tentativa de um experimento.
Ou então, ver se era possível para ...
tinha sido envolvido em um caso em que havia pelo menos dez pessoas, ou um milhão de dólares
em jogo e essa é a razão que ...
A Mensagem
Enquanto que agora se referem a ele como Los Angeles B.B Murder Cases – um título
bastante ouvido – quando tudo...
Peço desculpas por tê-la contatado nesta maneira.
Gostaria de pedir a sua ajuda para resolver um caso.
Se você quiser me a...
do que eu estou falando? – L foi direto ao ponto, sem atender às suas palavras. Presumivelmente
porque ele queria completa...
Quatro deles na Insist Street.
Três deles na Terceira Avenida.
Pregados nas paredes.
O Wara Ningyo havia sido escondido no...
– Naomi Misora, você está dentro ou fora do prédio?
– Fora. Cheguei ao local do crime, mas ainda não entrei.
– Então, por ...
– Todos os pensamentos são úteis.
“...”
Oh?
Misora pensou por um momento.
– É anormal – respondeu ela, sem ponderar na esc...
os Wara Ningyo é uma variedade muito barata que poderia facilmente ser adquirido em qualquer
loja de brinquedo (cerca de t...
a teoria de Misora estivesse certa, e ele estivesse matando indiscriminadamente, a fim de disfarçar
sua verdadeira vítima,...
– Eu posso fazer o que eu posso fazer – disse Misora – Eu sei que já perguntei, mas se eu estou
investigando a cena mais u...
palavras cruzadas. Misora sentiu como se ela finalmente começasse a entender por que ele precisava
de sua ajuda. Não havia...
Está errado.
Talvez não houvesse.
– Algo que deveria ter estado lá, mas… falta alguma coisa que estava aqui primeiro… o Wa...
Uma camisa simples, calça jeans desbotada.
Ele era um rapaz, com linhas sob seu olhos grandes e salientes.
Magro e aparent...
Ryuzaki
L tinha ganhado um grau de hostilidade de outros detetives, e com inveja lhe chamaram de
detetive ermitão, ou de d...
Misora.
“...”
Neste ponto Misora não se interessava em quem era este Ryuzaki – detetive privado ou não
privado, ela não ti...
– Então, você decide se quiser me dar qualquer informação. Portanto, para começar tenho isso –
disse Ryuzaki, retirando do...
como um urso, mas um homem alto, com uma mancha arrastada pelos olhos. Quando ele pegou sua
mão pela quarta vez, cheio de ...
sempre dividida por algo extremamente importante.
– Ah.? Que vergonha – disse Ryuzaki, aparentemente sem ter encontrado al...
“...”
Ah.
Apenas, algarismos romanos, os mesmo que ela vê sobre seu relógio a cada dia – V, e I, óbvia
mente, e C, M, D, X...
particular fazer o que ele quer no momento. Por parte porque é perigoso deixar fora de sua vista,
ainda mais é importante ...
Chacha.
– … E então?
– Eu adoro este manga.
– Sério?
– Sim.
“...”
Como deveria reagir? Em contraste direto com seus desejo...
– O assassino tem e obviamente os levou com ele – disse Ryuzaki descaradamente a ignorando.
Misora não tinha a mesma idéia...
romanos, quais eram?
– 16, 59, 1423, 159, 13, 7, 582, 724, 1001, 40, 51 e 31.
Boa memória. Ele não tinha nenhuma necessida...
números. São todos os números que nós tiramos.
Ela folheou as páginas, e a quarta volta… – não devemos usar a primeira let...
Oposição
Se estivéssemos a discutir o motivo pela qual L se recusou a revelar-se tão categoricamente,
seria explicado de f...
Segundo a investigação de L, um detetive chamado Rue Ryuzaki tinha realmente sido contratado
pelos pais de Believe Bridesm...
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Death note   another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Death note another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original

13.472 visualizações

Publicada em

2 comentários
39 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.472
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
251
Comentários
2
Gostaram
39
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Death note another note - the los angeles bb murders cases (o caso dos assassinatos de los angeles) (português-br) original

  1. 1. Há um serial killer à solta em Los Angeles e as autoridades locais precisam de ajuda rápida. Por alguma razão, o assassino foi deixando uma série de pistas arcanos em cada cena do crime. Cada um desses indícios, parece um roteiro indecifrável para o próximo assassinato. Na cena vem L, um detetive misterioso. Apesar de seus hábitos peculiares de trabalho - ele nunca mostrou seu rosto em público, por exemplo - ele é o detetive mais decorado do mundo e nunca foi abordado um caso onde ele não foi capaz de resolve-lo. Mas desta vez ele precisa de ajuda. Atraindo os serviços de uma agente do FBI chamada Naomi Misora, L inicia uma busca por vestígios em toda Califórnia. Ela logo se torna evidente que a matança é um enigma psicótico projetado especificamente para engajar L em uma batalha de inteligência. Uma verdadeira batalha de raciocínio entre assassino e investigador, onde Misora se encontra entre eles, e, onde Misora inicia navegar entre ambos os corpos e as pistas para resolver o caso de homicídios B.B de Los Angeles.
  2. 2. Quando Beyond Birthday cometeu seu terceiro homicídio, na tentativa de um experimento. Ou então, ver se era possível para um ser humano morrer de hemorragia interna, sem ruptura de qualquer órgão. Por precisão, ele droga a sua vítima para que ela permaneça inconsciente, amarrou- a e continuou a bater seu braço esquerdo com cautela, tomando cuidado para não arranhar a pele. Esperava levá-la a uma morte hemorrágica por perda de sangue, mas a tentativa acabou, infelizmente, em falência. O sangue estava congestionado no braço ficando um vermelho para roxo sob a pele, mas a vítima não morreu. Apenas entrou em choque, teve convulsões e manteve-se viva. Ele estava convencido de que a perda de sangue resultante deste método seria o suficiente para matar alguém, mas, aparentemente subestimou a coisa. Como Beyond Birthday estava em causa, o método atual de abate foi relativamente de baixo nível de divertimento, e era mais do que uma experiência interessante. Ele não se importava especialmente se tivesse acontecido algo ou não. Beyond Birthday simplesmente encolheu os ombros e puxou uma faca. Não, não, não, não, não. Não é desta forma, esta voz narrativa. Eu nunca consigo manter esse tom corte através de todo o percurso. Quanto mais eu me esforço para tentar, mais chato e mais desleixado vou escrever. Para colocá-lo em termos que Holden Caulfield (um dos mais famosos charlatães da história literária) pode ser usado para descrever em detalhes o que ele fez e pensou, Beyond Birthday não satisfez o meu propósito (embora, do meu ponto de vista, eu tenho uma grande simpatia por ele). Explicarei em sentenças completas elaborando cuidadosamente seus assassinatos, com nenhum aumento de qualquer valor dessas notas. Isto não é um relatório, nem um romance. Mesmo que isso viesse a acontecer e reunir novamente à um desses, eu seria feliz. Eu odeio usar a terminologia usual, mas eu imagino quando alguém for colocar os olhos sobre estas palavras, eu não estarei mais vivo. Não preciso lembrar o leitor da batalha épica entre o maior detetive, L, e o assassino grotesco, Kira. A arma que o levou a morte foi apenas um pouco “mais imaginativa de uma guilhotina (por exemplo), mas tudo o que Kira foi interposto fora outra esfera de terror e uma maneira de pensar pateticamente infantil. Olhando para trás, só posso supor que os deuses da vitória de Kira sorriram para ele em vão para se divertirem. Talvez aqueles círculos eram realmente um mundo alagado de sangue, traição e falsas acusações. Talvez o episódio inteiro exista como uma lição para nos ensinar a diferença entre o Todo-Poderoso e os Shinigamis. Quem sabe? Eu, primeiro, não tenho intenção de gastar mais tempo pensando sobre esta série de eventos muito negativos. Para o inferno com Kira. Que conta para mim é L. L. O maior investigador do século. À luz de sua incrível capacidade mental, L morreu de uma morte prematura e injusta. Contando apenas os registros públicos, ele resolveu casos difíceis de aproximadamente 3.500, e mandou para a cadeia um número de degenerados três vezes maior desse valor. Exercido com um poder tremendo, foi capaz de mobilizar cada organização de investigação do mundo, e foi aplaudido pela sua generosa contribuição. E durante tudo isso, nunca mostrou seu rosto. Eu quero lembrar de suas palavras com a maior precisão possível. E eu quero deixar-lhes algo para procurar. Como alguém que foi autorizado a seguir seus passos… bem, eu não poderia ser o seu digno sucessor, mas eu quero deixar esse assunto para trás. Assim como você está lendo agora você é minha nota sobre L. É uma mensagem da morte, não pela minha parte, e não diretamente ao mundo. A primeira pessoa que ler este livro provavelmente entenderá essa grande cabeça estúpida de perto. Mas se fosse o caso, gostaria de dizer-lhe para rasgar ou queimar essas páginas. Se a causa da dor de descobrir que eu sabia das coisas que ele considerava seria um problema. Existe também a possibilidade de que Kira possa ler isto… espero que sim. Se estas páginas dizer ao assassino, que passou à frente apenas por um caderno sobrenatural da morte e por um idiota de um Shinigami, ele, em qualquer outra circunstância, não chegaria mesmo aos pés descalços de L, em seguida, iriam servir o seu propósito. Eu sou uma das poucas pessoas que eu já conheci L como ele é. Quando e onde eu conheci… isto são minhas memórias mais preciosas que tenho, e não escreverei aqui, mas nessa ocasião, L me disse três de seus negócios, e o episódio que tem a ver com Beyond Birthday foi um deles. Evite as desculpas, simplesmente eu estava me referindo a ele como Los Angeles B.B Murder Cases, então eu imagino que muitos de vocês se lembram de ter ouvido. Claro, nunca veio à tona que L – e mais importante, a Wammy's House, que eu abandonei quando eu tinha apenas 15 anos e que estava profundamente ligada ao caso, mais que a verdade, era – em princípio, nunca
  3. 3. tinha sido envolvido em um caso em que havia pelo menos dez pessoas, ou um milhão de dólares em jogo e essa é a razão que atrasado, mas de forma agressiva, ele estava envolvido neste caso pequeno que tinha apenas três ou quatro vítimas. Ele irá explicar mais tarde, nas páginas que se seguem, mas precisamente por este motivo, o Los Angeles B.B Murder Cases é um divisor de águas para L, para mim, e também para Kira. Foi um evento monumental para todos nós. Por quê? Porque este é o caso em que L é apresentado pela primeira vez como Ryuzaki. Portanto, deixarei o passado para todas as notícias chatas de como ele pensava, Beyond Birthday veio para matar três vítimas, já que eu não me importo muito depois de tudo, em quanto nós aqui, vamos pular a primeira e a segunda vítima, o que se compromete a não voltar para o primeiro assassinato, e por tanto na manhã do dia seguinte, o momento brilhante quando o melhor detetive do século, L, começa pela primeira vez a investigar o caso. Ah, quase esqueci. A quem está frustrado a ler estas páginas, vou fazer cortesia para me apresentar, agora, no final do prólogo. Eu sou o seu narrador, o seu navegador, o seu contador de histórias. Para mais ninguém, minha identidade poderia ser de nenhum interesse, mas eu sou aquele que no velho mundo ocupa a segunda posição, a um vestimento melhor, aquele que morreu como um cão, Mihael Keehl. Uma vez eu fui chamado de Mello e usei esse nome, mas foi há muito tempo. Boas lembranças e um pesadelo.
  4. 4. A Mensagem Enquanto que agora se referem a ele como Los Angeles B.B Murder Cases – um título bastante ouvido – quando tudo isso estava acontecendo, bem no olho do ciclone, antes não era chamado de uma maneira tão impressionante. A mídia o chamava de “Os assassinatos de Wara Ningyo”, ou “Os assassinatos das portas fechadas de LA”, ou qualquer outro tipo de nome horrível. Esta foi sem dúvida uma fonte de grande desconforto para Beyond Birthday – executor dos homicídios em questão – mas, francamente, eu acho que esses nomes iram fornecer uma descrição mais apurada do que estava acontecendo. Por outro lado, o dia depois de ter levado Beyond Birthday ao terceiro termo dos assassinatos, Agosto 14, 2002 às 8:15 am hora local, a agente do FBI Naomi Misora estava descansando na cama exausta de seu apartamento, mal despertou. Vestindo calças em cabedal com revestimento de couro, mas não era correto presumir que ela estava dormindo rotineiramente desta forma. Na noite anterior tinha passado várias horas de rodagem em movimento, em uma vã tentativa de ser capaz de eliminar o stress, e quando ela finalmente voltou ao seu apartamento, ela caiu imediatamente em um sono profundo, sem qualquer lavagem ou sem se despir. Quase como o nome de caso, Misora entrou na consciência de todos como a única que poderia resolver o caso de homicídios B.B de Los Angeles, mas a verdade é que no momento em que estes eventos estavam surgindo, tinha sido suspensa das suas funções de uma agente do FBI. De acordo com relatórios oficiais estava de licença, mas isso é só porque ela era completamente incapaz de resistir pressão de seus superiores e colegas. Suspensão, licença, férias de verão. Eu não acho que precisamos abordar os motivos de sua suspensão. O que é certo dizer é que isto é América, que ela era japonesa, uma mulher, e muito boa em seu trabalho, e que o FBI é uma grande organização… isso deve ser a divulgação completa de informações. Obviamente, ela tinha colegas que tinham uma grande visão dela e isso precisamente porque era capaz de trabalhar em uma organização por tanto tempo, mas um mês mais cedo, pouco antes dos assassinatos do B.B em Los Angeles, Misora tinha cometido um grande erro, tão grande que até mesmo ela poderia acreditar que foi isso que a levou diretamente na situação atual. Este não é o tipo de problema que atenuado pode estar rodando em torno de uma motocicleta no meio da noite. Misora estava pensando seriamente em deixar o FBI, mudar toda a sua vida e voltar ao Japão. Obviamente, parte dela estava doente de todas as incoerências que veio com o trabalho, mas além disso, havia a culpa que sentia por seu erro, que pesava sobre seus ombros como um peso morto. Mesmo sob pressão, que havia em torno dela – não que essa hipótese foi remotamente possível – Misora repensava se pedia uma pausa. Ou se renunciaria. Misora lentamente se levantou da cama, com a intenção de se lavar para retirar o suor da noite anterior, mas depois observou que o laptop na mesa dela foi, por algum motivo, ligado. Ela não se lembrava – depois de tudo, tinha acabado de acordar. Será que ela teria apertado o botão de ligar na noite anterior? E então ela dormiu sem pressionar novamente? Não se recordava de tal fato, mas porque a proteção de tela estava correndo, não havia outra explicação. Seria supor que, se ela tinha força necessária para ligá-lo, deveria também ter energia suficiente para se despir. Misora tirou o casaco e calças, e se sentindo mais leve levantou-se de sua cama, sentou-se na mesa e de esquerda sacudiu o mouse. Isso foi o suficiente para remover a proteção de tela, mas neste momento Misora se sentiu ainda mais confusa. O principal programa de e-mail foi usado e sinalizava uma mensagem “Novos e-mails recebidos”. É possível que eu estivesse dormindo com meu computador ligado, mas também dormi no meio do controle de e-mail? Enquanto ela ainda estava se perguntando sobre o assunto, surgiu uma nova caixa de entrada de correio. Houve uma nova mensagem, por Raye Penber. Este era o nome do namorado de Misora, que também era um agente do FBI. Era o mais óbvio exemplo de um agente que teve uma alta opinião. Por tal momento que sua licença estava agora a esgotar-se, isso poderia ser facilmente uma mensagem de trabalho, de todo modo Misora foi em frente e abriu a mensagem… “Naomi Misora”
  5. 5. Peço desculpas por tê-la contatado nesta maneira. Gostaria de pedir a sua ajuda para resolver um caso. Se você quiser me ajudar, por favor conecte-se no terceiro bloco da terceira sessão do servidor "Funny Disk", 14 de agosto, às nove horas da manhã. A linha será aberta exatamente por cinco minutos (por favor, interrompa o firewall você mesmo). L PS: Para contatos, tomei a liberdade de pedir o endereço de seu amigo. Esta foi a mais fácil e mais segura forma de contato com você, me perdoe. Qualquer decisão que você faça, eu preciso que você destrua esta maquina dentro de vinte e quatro horas depois de ler esta mensagem. “...” Quando terminou de ler, e reler imediatamente a mensagem inteira Misora, em seguida, verificou o nome do remetente, uma vez mais. L. Também poderia suspender, mas ainda era uma agente do FBI, e obviamente reconheceu o nome – que seria ao contrário imperdoável. Brevemente considerou a idéia de que Raye Penber, ou alguém, do mesmo simplesmente jogara uma piada, mas achou difícil acreditar que alguém poderia ter sido tão ousado em assinalar isso. L nunca foi revelado em público ou em particular, mas Misora tinha ouvido coisas horríveis sobre o que havia acontecido com os detetives que tentavam se passar por L. Era melhor dizer que ninguém se atreveria a usar seu nome, mesmo em tom de brincadeira. Por isso. – Porque – ela murmurou, e continuou a tomar um banho, lavando o cansaço da noite anterior. Enxugou os cabelos longos negros e bebeu um copo de café quente. Mas ela não poderia simplesmente fingir que consideraria a situação, na verdade não tinha escolha. Nenhum agente especialmente, do FBI, ao um nível tão baixo, jamais poderia considerar em recusar um pedido por L. Mas neste momento Misora não tinha opinião particularmente positiva ao grande detetive, então ela teve que fingir a hesitar, mesmo se fazendo sentir-se melhor. Se você considerar a personalidade de Misora, a razão para isto é clara. Parece óbvio a razão pela qual seu laptop estava ligado, era porque L havia hackeado, e era mais do que provável que estava nem um pouco deprimida com o fato de que teria que destruir por alguma razão, no caso o seu computador, o que tinha comprado apenas um mês antes. – Não vou cuidar… quero dizer, eu quero, mas… Ela não tinha escolha. Recentemente era 8:50, Misora estava sentada na frente de seu laptop, que agora tinha menos de vinte e três horas de vida, e começou a seguir as instruções de L. Ela não era um hacker experiente, mas tinha sido ensinada o básico, como parte de seu treinamento para o FBI. Uma vez com êxito obteve acesso ao servidor, a tela ficou completamente branca. Misora ficou momentaneamente assustada, mas depois viu um grande L caligráfico flutuando no centro da tela descontraído. – Naomi Misora – a voz veio das caixas do laptop após uma breve pausa. Era, obviamente, uma voz sintetizada. Mas esta era a voz identificada como sendo a de L em cada departamento investigativo no mundo. Misora tinha ouvido muitas vezes antes – mas esta foi a primeira vez que foi dirigida diretamente a ela. Ela sentiu uma sensação estranha, como se o sentimento de seu nome para uma TV – não que ela nunca havia tentado a experiência, mas esta era a forma como ela imaginava. – Eu sou L – Olá – começou a dizer Misora, mas depois percebeu o quanto era inútil. Seu laptop não tinha microfone instalado, e não havia nenhuma maneira dele ouvir. Então, ela começou a escrever: “Sou Naomi Misora. É uma honra falar com você, L”. Se a conexão foi estabelecida, então, ele deve ter recebido a mensagem. – Naomi Misora, você está muito familiarizada com o caso dos assassinatos em Los Angeles, sabe
  6. 6. do que eu estou falando? – L foi direto ao ponto, sem atender às suas palavras. Presumivelmente porque ele queria completar a notificação antes dás 9:05, mas esta maneira e essa atitude incomodou Misora. Como se fosse assumido que iria cooperar com ele, o que era verdade, mas colocá-la dessa forma, não pareceu mostrar respeito por seu orgulho. Assim Misora estaria autorizada a responder com um tom igualmente desdenhoso. “Eu não sou tão esperta para acompanhar todo o caso de homicídios em Los Angeles.” – Ah, é? Eu faço. Ele respondeu com um sarcasmo mas com certo orgulho. L continuou: – Refiro-me à série de assassinatos, a terceira vítima foi encontrada ontem. Acho que vai haver outras vítimas. HNN News chama o caso com o nome de “Os assassinatos de Wara Ningyo.” – Os assassinatos de Wara Ningyo? Ela não tinha ouvido falar. Ela estava em férias e havia deliberadamente evitado o tipo de notícia. Misora viveu no Japão até o diploma de ensino médio e, em seguida, o termo era familiar, mas ouvi-lo dizer essas palavras em Inglês, deu uma sensação de estranheza. – Eu gostaria de resolver o caso – disse L – Eu preciso parar o assassino. Mas a sua ajuda para esta situação é vital, Naomi Misora. “Por que eu?” – Escreveu ela. Isso, no entanto, poderia significar “Por que você precisa da minha ajuda?” ou “Por que devo ajudar você?”. Mas L, sem um momento de hesitação, considerou o primeiro significado. O sarcasmo pareceu desaparecer de suas palavras. – Naturalmente, porque você é uma pesquisadora qualificada, Naomi Misora. “Eu estou de licença…” – Eu sei. Não acha apropriado?” Três vítimas – disse ela. Claro, depende da vítima, mas o que L tinha dito, este caso ainda não havia alcançado os níveis necessários para solicitar a intervenção do FBI. Ela queria simplesmente assumir que foi por isso que ele tinha chegado por sua vez de ir para o diretor do FBI, mas tudo aconteceu muito de repente e não foi dado tempo para pensar sobre as coisas como elas eram. Mas não havia tempo suficiente para descobrir por que L teria que envolvê-la em um caso tão pouco para chegar ao FBI. Enfim imaginou que ele não responderia a esta questão através do computador. Ela olhou para seu relógio. Ela ainda tinha um minuto. “Ok, vou ajudar da maneira que eu puder” – escreveu Misora. L respondeu de imediato: – Obrigado, eu sabia que você teria aceito. Suas palavras não saíram com um tom sonoro, no entanto, muito grato. Mas talvez a culpa poderia ser invocada para a natureza artificial da sua voz. – Deixe-me explicar como você entrará em contato no futuro. Não temos tempo, vou ser breve. Então… Primeiro, ela teve que ser informada dos detalhes básicos do Los Angeles B.B Murder Cases. 31.Julho.2002, no quarto de uma casa pequena em Hollywood's Insist Street, um homem chamado Believe Bridesmaid foi morto. Ele morava sozinho, trabalhou como escritor free-lance. Ele tinha escrito dezenas de artigos em dezenas de revistas com nomes diferentes e foi relativamente bem conhecido no campo – mesmo que isso não significa exatamente nada. Foi estrangulado. Primeiro ficou inconsciente com algum tipo de droga e, em seguida, estrangulado por trás, com um tipo de corda. Havia sinais de luta, apesar de tudo, um crime executado corretamente. O segundo assassinato ocorreu quatro dias depois, em 4. Agosto.2002. Desta vez foi feito no centro, em um apartamento na Terceira Avenida, a vítima foi uma mulher – ou melhor, uma menina – chamada Quarter Queen. Desta vez a vítima foi espancada até a morte, seu crânio tinha sido cedido na testa por algo longo e duro. Mais uma vez, a segunda vítima havia sido aparentemente drogada, rendida inconsciente, a até então o momento da morte. A razão pela qual estavam convencidos de que esses dois assassinatos foram cometidos pelo mesmo assassino… bem, quem olhou as cenas do crime teria notado imediatamente a conexão. Havia bonecos vodu de palha pregados nas paredes em ambos os lugares. Esses bonecos eram especificamente conhecidos como Wara Ningyo.
  7. 7. Quatro deles na Insist Street. Três deles na Terceira Avenida. Pregados nas paredes. O Wara Ningyo havia sido escondido nos noticiários, para não falar sobre isso abertamente porque havia um risco de alguém imitar o estilo do eventual crime, mas muitos outros detalhes foram feitos tão bem juntos, que fez com que a polícia considera-se o caso como uma série de assassinatos. Mas se assim for, iria travar uma forte dúvida – não avia absolutamente nenhuma dúvida porém, Believe Bridesmaid não tinha nenhuma conexão a Quarter Queen. Nem tinha o número do outro em seus telefones, nenhum deles tinha o cartão de visita do outro em suas carteiras, e além disso, Quarter Queen não tinha um telefone, nem um cartão – ela era uma menina de treze anos. O que à poderia ter ligação com um escritor free-lance de quarenta e quatro? Se houvesse uma ligação, provavelmente estaria relacionado com a mãe da menina, que estava fora da cidade quando o assassinato ocorreu, mas dada a diferença entre os bairros e a situação diferente entre ambos, foi igualmente difícil ver uma conexão significativa. Para usar um termo como dos romances policiais no velho estilo, havia um elo perdido – não encontraram nenhuma ligação entre as vítimas. A investigação centrou-se sobre este curso, mas nove dias mais tarde (já que a mídia começou a chamar os assassinatos de Wara Ningyo) 13. Agosto.2002, foi o terceiro assassinato. Havia dois Wara Ningyo na parede. Havia um boneco sobre cada assassinato. O terceiro assassinato ocorreu em West Los Angeles, em uma cidade perto do Metro Glass. Estação de Comboios, e o nome da vítima era Blackyard Bottomslash. A vítima era outra mulher – vinte e seis, um meio-termo entre a primeira e a segunda vítima – uma funcionária bancária. Mais uma vez não houve ligações entre Believe Bridesmaid e de Quarter Queen depois de tudo. Também não é provável de que eles encontrariam de qualquer outra forma. Ela morreu sangrando – hemorragia maciça. Estrangulamento, espancamento, e, finalmente, esfaqueamento, cada tempo um método diferente de matar, dando a impressão de que ele estava procurando novamente algo antinatural com cada assassinato. E não deixaram pistas em cada cena do crime. A única outra coisa que estavam investigando era a ligação entre eles, mas desde que ela foi encontrada, era muito estranho o tipo de assassinato, o terceiro assassinato deixou a polícia em impasse total. O assassino era muito melhor do que tinha sido a polícia. Não tenho intenção de elogiar Beyond Birthday, mas neste caso eu tenho que admitir que o mérito deve ser. Ah, mais – porém não apenas o Wara Ningyo, mas havia uma semelhança entre as cenas – todas foram a portas fechadas. Assim como um romance policial. Os detetives que investigaram o caso não deram mais importância a este aspecto particular do caso… mas quando Naomi Misora recebeu o arquivo de L sobre o caso, este aspecto foi a primeira coisa que chamou sua atenção. Quando Misora começou a investigar o caso – não como uma agente do FBI, mas de forma individual, sob a supervisão de L – foi o dia após a aplicação de L, em 15 de agosto. Estava fora de serviço, e seu distintivo e sua arma tinham sido levados embora, deixando-a sem direitos ou armas de qualquer outro cidadão. Eu não dei muita importância ao que – Misora nunca tinha sido o tipo de agente que espalha sua autoridade ao redor. Ela foi indiferente, e seu estado mental estava um pouco instável, por isso não estava em melhor posição para lidar com o caso, mas, nesse sentido, seu estado emocional era similar a o de L. Em outras palavras, ela não era boa em trabalhar em grupo, suas habilidades foram mais bem sucedidas quando fugiu das limitações da organização e trabalho – tal fato que poderia explicar por que ela tinha uma pitada de ressentimento com seus sentimentos em relação a L. Mas em 15 de agosto, após o meio-dia, Naomi Misora estava em Hollywood's Insist Street, a cena do primeiro assassinato. Olhando para a casa, que parecia um pouco grande para um homem que vivia sozinho, Misora escavou em sua bolsa, tirou o celular e discou o número que tinha sido dada. Ela foi informada que foi cinco vezes criptografado e completamente seguro. Não só seguro para L, mas seguro para Misora fora de serviço. – L, cheguei a cena do crime. – Bem – disse a voz artificial, como se esperasse alguma coisa dela. Misora brevemente imagino como seria L, que tipo de ambiente que ele se encontrara para as suas investigações, mas rapidamente percebeu que não teria feito qualquer diferença. – O que devo fazer?
  8. 8. – Naomi Misora, você está dentro ou fora do prédio? – Fora. Cheguei ao local do crime, mas ainda não entrei. – Então, por favor entre. Devo informa-la que esta aberta. Eu preparei a situação. – Obrigada. Bem preparado. Dentes cerrados, resistindo a necessidade de dizer algo sarcástico. Ela normalmente considerava o nível de premeditação que L merecia algum respeito, mas achava difícil que alguém como ele tinha preparado tão cuidadosamente. Ela abriu a porta e entrou na casa. A vítima havia sido morta em seu quarto e Misora esteve tão envolvida em tal número de investigações com o FBI que era capaz de adivinhar facilmente onde estava aquele quarto, apenas olhando de fora. Como numa casa normal se encontrava o quarto no primeiro andar, por isso ela mudou-se em conformidade. Havia se passado duas semanas após o assassinato, mas o local foi mantido limpo, claro. Não havia sequer um grão de poeira. – Mas, L… – O quê? – De acordo com os documentos que recebi ontem – não que não esteja claro, mas a polícia já havia examinado a cena? – Sim – Eu não sei como você fez, mas você já tem os relatórios da polícia, a este respeito? – Sim “...” Não foi muito útil. – Assim, não há nenhuma razão para eu estar aqui? – Não – disse L – Eu espero que você seja capaz de encontrar o que a polícia não conseguiu encontrar. – Bem… é bastante claro. Ou pelo menos um pouco óbvio. Mas não explica nada. – Eles dizem que você deve visitar a cena do crime uma centena de vezes, por isso é praticamente inútil. Isso foi ao mesmo tempo uma perda de tempo, assim que é possível uma coisa que vem à tona. Naomi Misora, a primeira coisa que devemos pensar sobre este caso é a conexão entre as vítimas. O que se assemelha entre Believe Bridesmaid, Quarter Queen, e a nova vítima, Backyard Bottomslash? Ou não há nenhuma ligação e os assassinatos estão completamente ao acaso? Mas mesmo se eles eram aleatórios, deve haver algo lógico para que o assassino escolhesse suas vítimas. O que eu estou pedindo, Misora, é encontrar esse elo perdido. – Eu entendi… Não era verdade, mas ela tinha começado a entender que a discussão com ele não iria parar de ser evasiva e dizer a ela o que ele queria saber, no momento, então ela decidiu não fazer perguntas demais. Além disso, ela encontrou o quarto. A porta estava aberta para dentro e, no momento da primeira visita da polícia, havia sido trancado. Um quarto fechado. Todas as cenas do crime, segundo e terceiro foram fechadas e trancadas… era a conexão? Não, não havia mais informações nesse arquivo. A polícia já tinha notificado. L estava procurando por algo mais. Não era um quarto muito grande, mas não havia muita mobília, assim ela não sentia a ansiedade. Havia uma grande cama no centro do espaço, mas havia apenas uma mobília presente que era uma biblioteca. Aquelas prateleiras foram preenchidas principalmente com livros de bricolage, com diferentes atividades de tempos e famosos quadrinhos japoneses, sugerindo que ele usasse este quarto exclusivamente para relaxamento. Parecia ser o cara que separa o trabalho meticuloso da privacidade – um tipo raro de se encontrar entre os escritores free-lance. Presumo que há algum tipo de estudo no segundo andar, pensou Misora, olhando distraidamente para o teto. Vou lá depois. – No entanto, Naomi Misora. O que você acha sobre o culpado dos assassinatos? Gostaria muito de ouvir seus pensamentos pessoais sobre ele. – Duvido que meus pensamentos podem ajudar você de alguma maneira, L…
  9. 9. – Todos os pensamentos são úteis. “...” Oh? Misora pensou por um momento. – É anormal – respondeu ela, sem ponderar na escolha das palavras, dando simplesmente a ouvir sua mente. Esta foi a principal impressão que ela tinha no dia anterior, após a leitura do arquivo. – Não só porque ele matou três pessoas, mas… todas as coisas que ele fez levou a essa impressão. E não tenta escondê-lo. – Por exemplo? – Por exemplo… impressões digitais. Não encontrei uma pegada única em qualquer local do crime. Foram cuidadosamente limpos. – Verdade… mas Naomi Misora, certamente, deixar impressões digitais são as técnicas mais básicas de criminosos. – Não nesta situação – disse Misora irritada, ela sabia que ele entendia onde ela queria chegar e estava certa de que ele estava testando suas habilidades, mas de forma alguma, dizia. Um teste para ver se ela poderia ser útil para a cena do crime. – Se você não quer deixar impressões digitais, a maioria das pessoas usam luvas – ou simplesmente ele não havia tocado… mas esse cara tem aparentemente limpo cada impressão digital em casa. Em todas as três cenas. Inicialmente eu pensei que, se ele foi à casa da vítima por diversas vezes, não teria idéia qual as coisas havia tocado e o que não havia, mas depois de ler que ele desaparafusava as lâmpadas e limpava as maçanetas, torna-se uma história completamente diferente. Quanto mais você pode chamá-lo, se não anormal? – Eu concordo. “...” Entendeu agora? – Assim, L, voltando ao que eu dizia antes, se ele tomou tais precauções extremas, então duvido que eu seria capaz de encontrar algo novo aqui. É uma ténue esperança na melhor das hipóteses. Alguém como ele não deve ter cometido um erro. Um erro. Como o que eu fiz no mês passado. – Normalmente, esse tipo de investigação começa por encontrar o erro do criminoso e, em seguida preencher o puzzle a partir desse ponto, mas, neste caso, eu duvido que vamos encontrar alguma coisa. – Não, eu não acho que nós vamos encontrá-lo – disse L – O que você acha se não fosse um erro? – Se não fosse um erro? – Sim… algo deliberadamente deixado para trás. E se os detetives da polícia simplesmente não perceberam isso… então podemos ter uma chance. “...” Deliberadamente deixar pistas? Sendo bem sucedido? Não no fluxo normal dos acontecimentos, não – Por que alguém iria deixar para trás algo que poderia ser usado contra ele? Ou espere. Agora que ele mencionou, já encontraram dois exemplos de tal comportamento similar. Um foram os Wara Ningyo pregados à parede e os outros foram as portas fechadas, criando uma sala trancada. Aquilo não era um erro, mas eles foram claramente vestígios deixado pelo assassino. Especialmente o último. Exatamente o que estava mais interessando Misora foram os quartos fechados que normalmente eram sempre criados quando o assassino estava tentando fazê-lo parecer um suicídio. Mas a primeira vítima foi estrangulado por trás, e a segunda tinha sido espancada até a morte com uma arma que não foi encontrado na cena, e a terceira foi esfaqueada, novamente, nenhuma arma foi encontrada na cena… nenhum deles jamais poderia ser uma situação que indicasse suicídio. O que significa que não havia nada a ganhar com a criação de quartos fechados. Não foi um erro, mas foi inatural. O mesmo era verdade para o Wara Ningyo. Ela não tinha idéia do que significava. Os Wara Ningyo foram usados para amaldiçoar o Japão, houve pessoas que na teoria de que o assassino era selvaticamente japonês, ou alguém com um rancor profundo contra os japoneses, mas
  10. 10. os Wara Ningyo é uma variedade muito barata que poderia facilmente ser adquirido em qualquer loja de brinquedo (cerca de três dólares nos E.U.) nenhuma teoria haveria sido evidencia. Misora fechou a porta atrás dela e quando a porta bateu foi ao auge de sua vida, transformou-a descuidada e trancada. Então ela olhou para cada posição em que os bonecos foram pregados nas paredes. Havia quatro. Um em cada uma das quatro paredes da sala quadrada. Naturalmente, haviam sido levados pela polícia como uma prova importante e já não estavam lá. Foi muito fácil dizer onde estavam, pois havia buracos nas paredes. Misora tirou seis fotografias do saco. Um de cada uma das quatro paredes. Um mostrando a vítima, Believe Bridesmaid, deitado de costas sobre a cama. Esta imagem mostrou claramente os sinais da corda no pescoço. E finalmente a última foto. Esta não pertencia a cena, uma fotografia do peito nu de Believe Bridesmaid, tirada durante a necropsia. Havia um grande número de cortes sobre ele, que pareceu ser esculpido na sua carne com uma faca. Não foram profundas, mas foram em todas as direções. Segundo o relatório havia sido feita após a morte da vítima. – Falando em geral, quando o assassino se envolve neste tipo de desfiguração do corpo inexplicável significa que ele têm um profundo ressentimento contra a vítima… para um escritor free-lance que levaria todo o trabalho, eu não ficaria surpresa se ele tivesse um pouco de inimigos. Ele lidava com várias revistas de fofocas… – Mas Misora, isso não explica a ligação com o segundo e terceiro assassinato. Ambos os outros órgãos também foram danificados em um caminho que não tem ligações diretas com a causa da morte, de fato, o dano parece ter se intensificado a cada assassinato. – É possível que Bridesmaid foi o único por quem ele teve rancor e os outros dois assassinatos foram projetados para mascarar isso. Ou talvez não era Bridesmaid, mas um dos outros dois… ou dois dos três, e o terceiro foi uma camuflagem. A desfiguração poderia aumentar gradualmente, pois a camuflagem, o… – Você acha que o assassino esta apenas fingindo matar indiscriminadamente? – Não. Esta é apenas uma hipótese que eu levo em consideração. Esta idéia explicaria os Wara Ningyo. Quer dizer, talvez ele tenha deliberadamente deixado lá para provar que os três haviam sido mortos pelo mesmo homem, e as portas poderiam ter sido bloqueadas por alguma razão. Nesse caso, o movimento de Hollywood para o centro, e depois para o oeste, poderia ser visto como um meio para confundir a investigação. Quanto mais pessoas ligadas ao caso, mais caótico fica o inquérito… e a escolha de uma menina como uma segunda vítima pode ter sido feito deliberadamente para faze-lo parecer um psicopata. – Partindo do princípio de que é anormal… bem, já a idéia de fazer isso é muito comum – disse L Misora ficou surpresa ao ouvi-lo expressar sentimentos humanos. A emoção que sentia era muito similar e ao ser exposta rapidamente trouxe a conversa para cobrir a sua reação ao seu objeto, se não para escondê-lo. – Assim, L, sinto-me ridícula em tentar imaginar uma ligação entre as vítimas. Acho que a polícia está fazendo um bom trabalho e…, francamente, considero que alguém conhecia cada um deles parece mais útil. Quer dizer, a terceira vítima, Backyard Bottomslash… ela deve estar envolvida em qualquer tipo de negócio com o banco. – Mas Misora – L interrompeu – Este não é o momento para discussões inúteis. Creio que em um futuro não muito distante haverá um quarto homicídio. – Mmm… Tinha dito algo semelhante no dia anterior. Que haveria mais vítimas. Mas baseado em que? Com o assassino ainda longe, era uma possibilidade óbvia, mas quase parecia como se os assassinatos terminariam no terceiro. Tudo depende do capricho do assassino e qualquer detetive acharia difícil estabelecer uma probabilidade maior de cinqüenta-e-cinqüenta. – O número de Wara Ningyo – disse L – Quatro onde está você, três no centro da cidade com a segunda vítima, e dois na terceira cena, a oeste de LA – um a menos em cada cena do crime. – Sim, o quê que tem? – O número de bonecas esta seguindo uma diminuição para um “...” Ela teria assumido. Na verdade, ele simplesmente contou de quatro para dois, e nada mais. Embora
  11. 11. a teoria de Misora estivesse certa, e ele estivesse matando indiscriminadamente, a fim de disfarçar sua verdadeira vítima, com as vítimas, o plano seria mais eficaz. Naturalmente, cada novo assassinato era um risco na maioria, mas o ganho, provavelmente, justificaria a escolha. Francamente, não havia maneira de saber se o assassino tinha considerado as mortes como um risco, certamente havia considerado os assassinos que matam o mesmo que um lucro global. E isso era incomum a alegação de ser anormal… – Portanto, L… você acha que haverá dois outros assassinatos? – Há mais de noventa por cento de chance – disse ele – Eu diria que uma centena, mas há uma pequena chance de que alguma coisa aconteça com o assassino, que o impeça de continuar. Então eu diria que noventa e dois por cento. Mas Misora se algo vier a acontecer, não haverá dois, mas apenas um. Há apenas trinta por cento de chance que aconteça um quinto homicídio – Trinta por cento? – Quase uma gota. – Por quê? Há ainda dois Wara Ningyo… se ele está usando para representar as suas vítimas… – Mas nesse caso, ele não seria capaz de deixar um Wara Ningyo na quinta cena do crime. Ele vai passar de dois para um quando matar a quarta vítima. A boneca vai deixar claro que essa será a obra do mesmo assassino, mas… – Oh! Eu compreendi – disse Misora, tremendo através da sua própria estupidez. Obviamente, qualquer que seja o motivo do assassino, deixar Wara Ningyo na cena do crime fazia parte das regras. Ele dificilmente teria matado uma quinta vítima, quando o número de bonecas teria atingido a zero. – Há uma chance de trinta por cento que o assassino não pense nesta possibilidade, mas é muito incerto. Afinal, ele limpou os soquetes das lâmpadas… – Assim, haverá apenas quatro vítimas no total. O próximo é o último. – Não. O terceiro foi o último – L disse com firmeza, apesar de ser uma voz artificial – Não haverá outro. Não comigo envolvido. “...” Confiança? Ou presunção? As duas últimas soaram com um sentimento em particular. Confiança? Orgulho? Não sei mais. – Mas eu preciso de sua ajuda, Naomi Misora. Eu espero grandes coisas de sua investigação. – Sério? – Sim, Por favor, mantenha seu coração frio com o trabalho. Na minha experiência, um caso como este exige uma mente que não pode ser abalada por qualquer coisa. Comporte-se como se estivesse jogando xadrez no gelo. “...” Isso é algo fluente – L, você sabe que eu estou de licença? – Sim, é por isso que pedi a sua ajuda. Para este caso, eu preciso de um indivíduo qualificado que possa trabalhar em paz. – Então, eu acho que você sabe porque eu estou de licença? – Não – disse ele, para a maravilha de Misora – Eu não sei. – Você não tem ciência de tal fato? – Eu não estou interessado. Você é inteligente e estava atualmente disponível e isso era tudo de que eu me importei a menos que haja alguma coisa que eu deveria saber? Nesse caso eu poderia encontrar em um minuto. – Não… – disse ela, fazendo careta. Sentiu como se o mundo inteiro soubesse de seu erro, mas nem mesmo o melhor detetive do mundo sabia. E ele descreveu a demissão ou suspensão de Misora, apenas como um “tornar disponível.” Nunca tinha pensado para imaginar, mas parecia que L tinha um senso de humor. – Ok, L, se quisermos parar o quarto assassinato, devemos começar. O que devo fazer primeiro? – O quê por exemplo?
  12. 12. – Eu posso fazer o que eu posso fazer – disse Misora – Eu sei que já perguntei, mas se eu estou investigando a cena mais uma vez… procurando por algo que ele deixou fora os Wara Ningyo… exatamente o que estou procurando? – Qualquer tipo de mensagem. – Mensagem? – Sim, isto não foi escrito nos dados que você forneceu, mas nove dias antes de 31 de julho, antes do primeiro assassinato, 22 de julho, o LAPD1 recebeu uma carta. – Uma carta? Ele estava avisando? A polícia de Los Angeles…? – Ligado ao caso? – No momento, nenhum dos envolvidos detetives encontraram uma ligação. Eu não sei ao certo se realmente existe uma, mas eu penso que sim. – Que parte? – Oitenta por cento. Resposta instantânea. – O remetente é desconhecido – foi utilizado um sistema de revezamento na transferência e não há maneira de dizer de onde veio. Dentro do envelope estava um pedaço de papel que parecia um jogo de palavras cruzadas. – Palavras cruzadas? Humh… – Não seja apressada. Era um enigma muito difícil, e ninguém foi capaz de resolvê-lo. Obviamente podemos considerar também que ninguém o levou implementavelmente a sério, mas parece razoável supor que vários policiais que trabalharam no setor não foram capazes de resolvê-lo. – Eu entendi. E então? – Talvez tenham decidido que o enigma era apenas uma piada e tem sido postado de lado… mas ontem a minha rede recolheu informações que tenha obtido uma cópia através de outros canais. – Ontem… Então foi por isso que ele não estava no arquivo. Mesmo quando eu estava se preparando para a investigação, L continuava no caso de um ângulo diferente. – Eu já o resolvi – disse L. Aparentemente, a hipótese sobre a dificuldade do enigma havia sido apenas para se vangloriar, pensou Misora. – Se eu estou enganado, então a resposta para o enigma é o lugar onde você está – o local do primeiro assassinato – 221 Insist St., Hollywood? Onde estou agora? Mas isso significa que… – Exatamente. Ele havia dito que estava prestes a cometer os assassinatos. Mas o enigma era tão difícil que ninguém pôde resolvê-lo, havia uma possibilidade realista de que serviria para esse fim… – A LAPD recebeu mais cartas como essa? Indicando o endereço para o assassinato, segundo e terceiro? – Não. Eu chequei todo o estado da Califórnia, só para ter certeza. Eu descobri outras cartas ou e- mail semelhantes. Eu acho que vai continuar a acompanhar, mas… – Então, pode ser simplesmente uma coincidência? Não, é impossível. Se ele escreveu o endereço exatamente deveria ser assim… mas por nove dias? – O tempo entre o segundo e terceiro homicídio foi de nove dias. De 4 de agosto á 13 de agosto. É possível que o assassino prefira o número nove. – Mas há apenas quatro dias entre o primeiro e o segundo assassinato… apenas um acaso? – Interpretação razoável. Mas parece pena ter em mente o tempo que decorre. Nove dias, quatro dias, nove dias. Em ambos os casos, o assassino é o cara que observa as suas ações entre a polícia. Embora estivesse apenas fingindo em ser esse tipo de assassino, continua a ser uma boa possibilidade de que haja algum tipo de mensagem no quarto, algo fora do Wara Ningyo. – Hmm… assim… Alguma coisa se destina. Uma mensagem mais difícil de entender que o Wara Ningyo Wara… algo como um jogo difícil de 1 Los Angeles Police Departament, do inglês “Departamento de Policia de Los Angeles”
  13. 13. palavras cruzadas. Misora sentiu como se ela finalmente começasse a entender por que ele precisava de sua ajuda. Não havia nenhuma maneira que um detetive fosse capaz de encontrar propriamente algo dentro de um quarto. Você vê a cena com seus olhos, ser capaz de chegar e tocar as coisas… e que exige uma qualidade sobre a quantidade. Alguém que possa observar a cena de sua perspectiva, com a sua própria maneira de pensar… Mas também era de se colocar-se muito dela. Se era para ser os olhos de L… então era demais para suportar por uma agente ordinária do FBI. – Algo errado, Misora? – Não… apenas pensando – Tudo bem. Atualmente, a perda de comunicação. Tenho muitas coisas que eu espero. – Certamente. Este era o L, ele, sem dúvida, resolvia muitos outros casos, todos juntos. Casos em todo o mundo. Para ele, este caso era apenas uma das muitas investigações paralelas. Como poderia manter a sua reputação como o melhor detetive do mundo? O maior detetive, L. Detetive sem clientes. – Espero ouvir boas notícias de você. A próxima vez que você me ligar, por favor, use o número na quinta linha, Naomi Misora. – disse L, e desligou. Misora fechou o telefone e colocou-o no saco. Em seguida, mudou-se para a mesa para começar a investigação. Não havia nada no quarto, exceto a cama e a mesa, de modo que não havia nada para investigar. – No entanto, como o assassino, me parece que até mesmo o assassinato de Believe Bridesmaid foi razoavelmente… Os livros foram firmados firmemente nas prateleiras, sem espaço em excesso. Misora fez uma rápida conta – cinquenta e sete volumes. Tentou escolher um ao acaso e puxar, mas o resultado foi um pouco mais difícil fazer. O dedo indicador por si era insuficiente e teve de usar o polegar e o princípio da alavanca para puxá-lo para fora. Ela virou as páginas, bem ciente de que isso era desnecessário. Estava simplesmente segurando em suas mãos envolvidas enquanto tentava descobrir o que fazer. Seria bom e simples se houvesse uma mensagem escondida entre as páginas do livro, mas era demais para se esperar. Segundo os arquivos, como a tomada da lâmpada, cada página de cada livro foi limpa, retirando todas as impressões digitais – o que sugere não só que o assassino era extremamente meticuloso, mas que a polícia tenha realmente verificado todos os livros. Supondo que não há mensagem. Ou a mensagem foi criada para que a polícia não fosse perceber algo que parecesse… como um indicador simples, mas que os sérvios em si um código escondido… mas depois de um assustador livro, e julgar o caso. Os livros não tinham marcadores. Believe Bridesmaid não parecia gostar de indicadores. Muitos leitores exigentes odiava a ligeira curva que poderia deixar bookmarks marcas nas páginas dos livros… o que significa que mesmo o mais problemático dos assassinos nunca sonho em colocar qualquer objeto em um livro. Misora moveu-se das prateleiras. Ela olhou para a cama, mas parecia que ainda estava lá menos para investigar. Não havia nada a fazer além de jogar fora os lençóis e olhar debaixo do colchão. E ela nem sequer precisaria olhar para os arquivos para saber que a polícia já tinha feito. Parece quase impossível de esconder em uma cama uma mensagem de que a polícia não teria notado. – Debaixo do tapete, por trás da tapeçaria… não, não, por que esconder a mensagem? Ele a quer que ela seja encontrada. Não é uma mensagem se não for encontrada. Ele enviou o enigma das palavras cruzadas para a polícia… muito egoísta. Ele quer que o enigma seja difícil apenas para provar que nós… somos estúpidos. Ele não estava tentando vencê-los em esperteza. Ele queria brincadeira. – Você está abaixo de mim, Você nunca poderá me derrotar, isto é o que diz a mensagem… o que significa que ele não está tentando fazer tudo ir a um caminho certo e evitar ser capturado, à procura de algo além do seu objetivo… ou zombar de nós é o seu propósito? Mas quem é “nós”? Polícia? A polícia de Los Angeles? Sociedade? Ou U.S.A.? Mundo? Não… a meta deve ser menor… algo mais pessoal. Portanto, esta mensagem… ou algo como uma mensagem… deve haver um lugar neste quarto… ou, espere… – Não deve ser…
  14. 14. Está errado. Talvez não houvesse. – Algo que deveria ter estado lá, mas… falta alguma coisa que estava aqui primeiro… o Wara Ningyo? Não, esses eram um símbolo para as vítimas, e não uma mensagem… o quarto… oh, achei! O inquilino! O habitante do quarto não está aqui. Faltando alguma coisa, que não está mais aqui. Como o proprietário do quarto, Believe Bridesmaid. Misora novamente tomou as fotografias e olhou atentamente para as duas fotografias do corpo de Bridesmaid na cena do crime, e as outras medidas tomadas durante a autópsia. Se o assassino deixou uma mensagem no corpo, isso obviamente não era o sinal da corda, mas os cortes em seu peito. Como Misora havia dito à L, poderia normalmente ser considerado como o sinal de uma vingança pessoal, mas agora ela pensou que não eram naturais. Na foto da cena do crime, o corpo estava descansando de costas, vestindo uma camiseta que havia pouca evidência de sangue sobre ele… mas a camiseta em si não foi danificada. O que significa que o assassino, após a morte da vitima, despojou-o de sua camiseta, fez o corte com uma faca e, em seguida, colocou novamente a camiseta. Se fosse rancor, era simples, ele simplesmente atravessaria o tecido. Havia uma razão para o qual ele não tinha cortado a camiseta?! Mas parecia que ele não se importava em se lambuzar de sangue… e a camiseta certamente pertencia à vítima. . . – Se você olhar com atenção… os sinais parecem letras… uma espécie de… Você tem que girar muito a imagem, ela pensou. – V… V… I? Não, M… talvez V… X? D… e esses são três I em uma linha… L? Parece um L… hmm… eu sinto como se estivesse forçando… Tornava-se apenas em círculos. Eles não eram Kanji ou Hangul – letra do alfabeto que consiste de linhas simples e curvas, e todos os outros sinais ao acaso, que com uma caneta ou uma faca pode se parecer algo. – Em geral, eu prefiro ver o que eles acha um detetive encarregado, as pessoas efetivamente envolvidas no caso… mas eu não tenho um crachá, então não há dúvida. Certamente L, é possível lidar com esse tipo de coisa sem mim. Misora estava começando a reconhecer o quanto era difícil trabalhar sozinha, sem o apoio da organização. Ela sempre se sentia fora do posto de agente do FBI, mas só agora percebeu como muitos se aproveitavam dos recursos que eram oferecidos. – Acho que devo verificar em outros cômodos… parece um pouco inútil. Mas se ele limpou todas as impressões digitais da casa… – ela murmurou, e virou-se para sair do quarto. Mas então ela percebeu que havia um lugar que não tinha verificado. Debaixo da cama. Suficiente fácil de ser encontrado, e muito mais provável que debaixo do tapete ou atrás do papel de parede, pensamento bastante improvável que ele tinha perdido algo em um lugar como aquele, mas parecia a pena verificar, apenas para ter certeza. Poderia haver algo de novo que ela podia ver de lá de baixo. Por esta razão, Misora agachou-se para a cama… “...?!” Uma mão estendeu por baixo dela. Misora imediatamente pulou para trás, segurando o aumento de suas emoções que esta série de eventos repentinos tinha mexido, e puxou os punhos. Não havia uma arma com ela – não porque ela foi suspensa, mas simplesmente porque não era solicitado eles usarem uma em todo caso. Sem arma, não haveria como se defender. – O que… não, quem é você? – Ela gritou, tentando soar intimidadora. Mas a mão foi atingida por uma segunda mão, como sua voz era somente o vento soprando, um corpo surgiu. Um homem rastejou debaixo da cama. Quanto tempo… ele estava lá…? Ele estava debaixo da cama esse tempo todo? Ele ouviu falar com L? Todo o tipo de pergunta foram surgindo na cabeça de Misora. – Responda. Quem é você? Pôs a mão em seu casaco, fingindo ter uma arma. O homem levantou a cabeça. E, lentamente, se levantou. Cabelos intensamente negros.
  15. 15. Uma camisa simples, calça jeans desbotada. Ele era um rapaz, com linhas sob seu olhos grandes e salientes. Magro e aparentemente muito alto, mas suas costas estavam curvadas, trazendo o seu olhar mais baixo do que a de Misora, de modo que parecia olhar de baixo. – Prazer em conhece-la – disse ele, completamente imperturbável. Curvou-se ainda mais baixo. – Por favor, me chame de Ryuzaki.
  16. 16. Ryuzaki L tinha ganhado um grau de hostilidade de outros detetives, e com inveja lhe chamaram de detetive ermitão, ou de detetive do computador, mas nada disso é uma representação precisa da realidade. Naomi Misora veio também a pensar em L como o detetive do quarto, mas na verdade, L era exatamente o oposto, muito ativo e agressivo individualmente. Embora tivesse absolutamente nenhum interesse em convenções sociais, certamente não era o tipo de detetive que mantinha o silêncio em um quarto e se recusava a sair da sombra. Ele é bem conhecido entre os três principais detetives de pós-guerra, L, Eraldo Coil e Danuve, foram, ao mesmo tempo a mesma pessoa. Certamente quem lê estas páginas tem a certeza de saber… embora não soubessem que L encetou uma luta com o real e verdadeiro Danuve e Eraldo Coil onde foi o vencedor, recuperando suas identidades por detetives. Os detalhes dessa guerra entre detetives ficam para uma outra ocasião, mas havia muito mais além destes três nomes, L tinha muitas outras identidades como detetive. Eu não tenho idéia de quantos, mas era almenos um valor três vezes maior. E pequenas partes deles eram detetives bastante conhecidos – de fato, aqueles que lêem estas páginas sabem que ele apareceu depois de Kira se denominando por exemplo de Ryuzaki ou Hideki Ryuga. Claro, Naomi Misora não tinha como saber, mas na minha opinião, o nome do L era, para ele, apenas um de muitos. Ele nunca tinha qualquer ligação direta com sua identidade, ele nunca tinha pensado em si mesmo como L – era apenas o mais famoso e influente da identidade de muitos detetives que tinha usado durante a vida. Nome que teve sua utilidade, mas desprovido de mistério. L tinha um nome real de que não sabia, e ninguém nunca vai saber, mas um nome que só ele sabia que ele nunca havia dito. Algumas vezes gostaria de saber, eu mesmo nunca soube exatamente qual nome estava escrito no Death Note. Ironicamente Seu próprio nome foi quem o matou. – Ryuzaki… – disse Naomi Misora olhando para o cartão negro que lhe havia sido entregue sem se preocupar em esconder os suspeitos. – Rue Ryuzaki, certo? – Sim. Rue Ryuzaki – disse o homem no mesmo tom casual. Seus grandes olhos estavam apontando para ela atravessados por círculos escuros, e pouco a sua altura. Eles se mudaram para fora do quarto até a sala da casa de Believe Bridesmaid. Sentaram-se frente a frente em um sofá caro. Ryuzaki estava sentado com os joelhos para cima e braços em torno deles. Misora pensou que era um pouco infantil, mas por tal momento Ryuzaki obviamente não era uma criança, parecia um pouco perturbado. O fato dela não poder comentar sobre isso foi porque ele estava bem crescido. Para escapar do silêncio constrangedor, Misora olhou novamente para o bilhete: Rue Ryuzaki: detetive. – De acordo com isto, você é um detetive? – Sim, eu sou. – Você quer dizer… um detetive particular? – Não, esse termo não é muito preciso. A palavra “privado” soa como se levasse consigo um excesso de egoísmo neurótico… você poderia dizer que eu não sou um detetive privado – um detetive sem ego. – Eu entendi. Em outras palavras, ele não tinha licença. Se ela tivesse uma caneta, escreveria “idiota” no bilhete, mas infelizmente, não havia meios para escrever no bilhete, por isso decidiu colocá-lo sobre a mesa o mais rápido possível, como se estivesse sujo. – Assim, Ryuzaki… deixe-me perguntar de novo, exatamente o que está fazendo aqui? – A mesma coisa que você está fazendo. Estou investigando – disse Ryuzaki sem a menor mudança de expressão. Seus olhos de aro em preto, não piscavam. Era perturbador. – Fui contratado pelos pais do dono da casa, os pais do Sr. Bridesmaid, e estou a realizar um inquérito sobre o assassinato. Me parece que você esta aqui mais ou menos por alguma razão,
  17. 17. Misora. “...” Neste ponto Misora não se interessava em quem era este Ryuzaki – detetive privado ou não privado, ela não tinha nada a ver com ele. O único problema era se sua conversa havia sido ouvida debaixo da cama… que na pior das hipóteses poderá prejudicar sua futura carreira. Se qualquer informação sobre o misterioso L fosse tornado a público por causa dela, ela deveria fazer muito mais do que apenas pedir sua demissão. Pensamentos imediatos sobre esta questão, teria dito que a cama havia umedecido o som de sua voz e em seguida, ele foi incapaz de entender o que ela estava dizendo, mas isso era algo que ela mesma acharia difícil de acreditar. – Sim… eu também sou um detetive – disse Misora, sentindo como se ela não tinha escolha. Se não estivesse de licença, ela poderia se vangloriar de ser uma agente do FBI, mas desde que foi suspensa, não iria correr o risco dele pedir o seu crachá. Parecia mais seguro depois de tudo, havia uma possibilidade distinta que ele estava mentindo. Não era o caso para ela de se sentir culpado. – Eu posso dizer para quem estou trabalhando, mas me pediram para investigar em segredo. Para descobrir quem matou Believe Bridesmaid, Quarter Queen e Backyard Bottomslash… – Sério? Então poderíamos cooperar – disse ele instantaneamente. O nível de seu nervo tinha sumido como numa ducha fria. – Assim, Ryuzaki. Encontrar alguma coisa debaixo da cama que poderia ser um teste útil para resolver o caso? Eu suponho que você estava procurando por algo que o assassino pode ter deixado para trás, mas… – Não, nada disso. Eu ouvi alguém entrar na casa, por isso decidi se esconder e acompanhar a situação. Depois ficou claro que você não era uma pessoa perigosa, por isso sai para fora no aberto. – Uma pessoa perigosa? – Sim. Por exemplo, o assassino voltaria para pegar algo que ele tinha esquecido. Se acontecesse, seria uma boa chance! Mas, aparentemente, as minhas esperanças foram em vão. “...” Mentiroso. Misora estava quase completamente convencida de que ele estava se escondendo para ouvir sua conversa com L. Em qualquer outra situação, esta poderia ter sido apenas paranoia, mas este homem estranho não era uma pessoa comum. Não havia nada sobre ele que não era suspeito. – No entanto, em vez disso eu tive a sorte de te encontrar, não foi um fracasso total. Não é um romance ou um livro em quadrinhos, então não há razão para detetives companheiros desprezar um ao outro. O que acha Misora? Você concorda em troca de informações? – … Não. Obrigada pela oferta, mas eu me recuso. Eu tenho o dever de manter sigilo – disse Misora. L havia dado tudo o que ela poderia começar sobre o caso, parecia que ela não poderia receber qualquer informação a partir de um detetive particular inexperiente. E certamente não tinha intenção de lhe dar qualquer coisa. – Tenho certeza que você também tem segredos. – Não. – … É claro que você tem. É um detetive. – Ah, é? Sim, eu sou. Dócil. De qualquer forma, se sentia à vontade com ele. – Mas eu acho que a solução deste caso, deve prevalecer… muito bem, Misora. Devido a isto: vou dar-lhe todas as informações que eu tenho algo para nada. – Eh…? Uh, eu não poderia… – Por favor. Basicamente, eu não me importo se for eu quem vou resolver o caso ou você que resolverá. O desejo de meus clientes é de ver o caso resolvido, e nada mais. Se você possuir uma mente acentuada do que a minha, digo em seguida, que tudo será mais eficaz. Tudo parecia bom, mas dificilmente poderia pensar que, na realidade, a desconfiança em relação a Ryuzaki cresceu cada vez mais acentuada. Onde ele queria chegar? Poucos minutos atrás ele havia improvisado uma mentira, dizendo que ele pensou que era o assassino que voltou ao local do crime, mas a teoria de Misora do porque dele se esconder debaixo da cama, parecia muito mais adequada do que a dele.
  18. 18. – Então, você decide se quiser me dar qualquer informação. Portanto, para começar tenho isso – disse Ryuzaki, retirando do bolso da calça jeans um pedaço de papel dobrado. Ele entregou a ela sem se preocupar em abri-lo. Misora pegou e abriu duvidosamente… era um jogo de palavras cruzadas. Uma pista, uma grande pista em uma escrita minúscula. Misora adivinhou o que era. – Este é… – Ah, é? Você sabe algo sobre ele? – Uh, não… não diretamente… – ela gaguejou, sem saber como reagir. Parecia óbvio que este era o mesmo jogo de palavras que havia sido enviado para a LAPD de um remetente desconhecido. Aparentemente, ninguém pôde resolvê-lo, mas você foi capaz de resolvê-lo, teria lhe dado o endereço desta casa. Presumivelmente, era uma espécie de aviso à policia e a sociedade em geral de que o assassino à polícia e a sociedade em geral. Uma declaração de guerra, pode-se dizer. – Entendo. Agora… Ao contrário do que L tinha dito, parte dela ainda era ignorante sobre tal coisa, assim como as palavras cruzadas, mas agora que ela podia ler as pistas, parecia muito difícil. Indícios pareciam tão frustrantes que a maioria das pessoas teria rendido mesmo antes de tentar resolver um. Mas o homem na frente dela tinha resolvido tudo sozinho? – Você tem certeza que a resposta mostrar este endereço? – Sim. Sinta-se livre para corrigi-lo em seu lazer, se você duvidar de mim. No entanto, o assassino que enviou o aviso esta geralmente procurando por atenção, assumindo de que ele não têm nenhum objetivo. Tanto os Wara Ningyo e os quartos fechados ambos os casos tem aspectos que se encaixam no perfil. Então parece que há uma forte probabilidade de que existam outras mensagens… ou algo semelhante a uma mensagem, algo que deixou em cena. Você concorda, Misora? “...” As mesmas conclusões do L. Quem é este homem? Se ele simplesmente tirou as mesmas conclusões de L, ele poderia ter deixado escapar na base da conversa que tinha ouvido escondido debaixo da cama, mas na verdade para ele ter uma cópia do jogo de palavras cruzadas, uma cópia de alguém que só L pôde ser capaz de… minha dúvida sobre a identidade do Ryuzaki esta se tornando mais crítica – Desculpe – disse Ryuzaki, colocando os dois pés no chão e caminhando, ainda com as pernas dobradas em direção à cozinha, como se ele saísse da sala para dar a Misora um tempo para se recuperar. Ele abriu a geladeira com uma jogada inteligente, como se esta fosse a sua casa, introduziu seu braço no interior da geladeira e puxou um pote, em seguida se mudou para o sofá, deixando a porta da geladeira aberta. Parecia ser um pote de geleia de morango. – O que você está fazendo com este doce?! – Oh, isso é meu. Eu trouxe comigo e eu o coloquei lá, pois tem que ser mantido frio. É hora do almoço. – Almoço? Era sensato que não havia comida na geladeira de um homem que morreu há duas semanas, mas um almoço? Antes mesmo Misora gostou da geleia, mas ela não viu um pão – e antes que o pensamento lhe viesse a sua cabeça, Ryuzaki abriu a tampa, enfiou a mão dentro, puxou para cima e começou a lamber o atolamento em seus dedos… “...” Naomi Misora engasgou de boca aberta. As palavras estavam em falta. – Hmm…? Algo de errado, Misora? – Seus hábitos alimentares são estranhos. – Sério? Não penso assim. Ryuzaki puxou a outra mão cheia de doces na boca. – Quando eu começo a pensar, eu necessito de doces. Se eu tiver que trabalhar bem, o congestionamento é essencial. O açúcar é bom para o cérebro. – Hunh… Misora tinha uma opinião de que o seu cérebro precisa de mais do que um médico que se especializasse em açúcar, mas no momento, ela não teve a coragem de dizer. Sua atitude lembrou o ursinho Pooh, mas Ryuzaki não era nem amarelo nem adorável, e ainda menos dispostos a aparecer
  19. 19. como um urso, mas um homem alto, com uma mancha arrastada pelos olhos. Quando ele pegou sua mão pela quarta vez, cheio de doces, na boca, começou a colocar os lábios na borda direita do pote como um copo de chá e bebeu o conteúdo inteiro. Em um minuto ele havia consumido o pote todo. – Desculpe pelo tempo. – Ah… não foi nada. – Eu tenho outra geleia na geladeira, você quer um pouco? – N-não, obrigada… Essa refeição era como uma tortura. Ela se recusou mesmo que ela estava morrendo de fome. Cada fibra de seu corpo recusou a Ryuzaki. Totalmente. Misora nunca teve muita confiança em fingir sorrir, mas desta vez ela estava sendo realmente convincente. – Ok – disse Ryuzaki, lambendo a geleia entre seus dedos, sem dar sinais de como começou sua reação – Bem, Misora, vamos lá. – Ir? Ir para onde? – Misora perguntou, tentando desesperadamente encontrar uma maneira de diminuir com poucas chances em sua tentativa de afastar sua mão. – Óbvio – disse Ryuzaki – Continuar a nossa investigação da cena, Misora. Neste ponto, Misora não foi capaz de escolher (arbitrariamente) em seu caminho para ver o que estava acontecendo. Ela poderia ter fisicamente chutado o Ryuzaki da casa de Believe Bridesmaid, e demonstrado também que poderia dizer que isso seria a reação mais razoável para a sua presença, mas embora ela tenha-se pensado muito, tentando escolher uma abordagem razoável, Misora persuadiu sua mente para fazê-lo permanecer. Acima de tudo, a possibilidade de que ele tinha ouvido sua conversa com L fazia de Riuzaki um risco, mas mesmo o excluindo ele era suspeito, e tinha uma cópia das palavras cruzadas, isso fez com que abraçasse a situação. Ela precisava mantê- lo em observação até que eles tivessem uma idéia melhor de quem ele era. Certamente, quem sabia mais sobre a situação, ninguém, como eu poderia dizer que isto foi exatamente o que esperávamos de Ryuzaki, exatamente o que eu estava tentando alcançar, mas seria pedir muito se Misora tivesse feito isso tão cedo. Depois de tudo, há muitos anos após o Los Angeles B.B Murder Cases, quando foi morta por Kira, Misora continuou convencida de que nunca encontrou L em pessoa, ela tinha apenas obedecido às ordens da sua voz alterada através da tela do seu computador. Dependendo de como você olha para ele, isso poderia ter sido uma coisa boa para o mundo, se o assassino Kira, conhecesse de que tinha uma profunda ligação entre Misora e L, nunca a teria matado tão rápido. A vida de L teria sido prolongada por alguns anos a mais, mas isso poderia ser devido a Misora… nah, é inútil pensar. Voltando ao ponto. Quem leu Sherlock Holmes vai lembrar a vívida descrição do grande detetive que saltava ao redor da sala examinando com cuidado tudo com sua lupa. Irônica imagem que é tão firmemente associada à romances policiais de idade que não tinham visto alguma vez um detetive se comportar dessa maneira. Por esse motivo, o termo crimes fictícios não é mais utilizado – agora eram chamados de contos de mistério ou de romances policiais. Ninguém quer um detetive que deduza tudo – seria mais emocionante se ele simplesmente descobrisse a verdade. O processo de dedução exige muito trabalho, e necessita de um verdadeiro gênio no trabalho. Assim, uma vez dentro do quarto, Ryuzaki inclinou-se fortemente e ficou de quatro, assim como quando ele saiu da cama ou quando ele começou a rastejar em torno do quarto (embora não com uma lupa), Misora estava genuinamente surpresa. Aparentemente ficar debaixo da cama não foi a única razão de sua postura. Parecia tão acostumado a estar de quatro pernas que parecia pronto para subir a parede através do teto. – O que você está esperando, Misora? Junte-se à mim! “!” Misora balançou a cabeça bem rápido e permaneceu confusa. Foi abaixo do seu orgulho como uma mulher. Não, a humanidade e de se juntar a ele seria para
  20. 20. sempre dividida por algo extremamente importante. – Ah.? Que vergonha – disse Ryuzaki, aparentemente sem ter encontrado algo fundamental em primeiro lugar, eles haviam procurado. Ele acenou com a cabeça tristemente e continuou a olhar ao redor do quarto. – Mas Ryuzaki eu não acho que há nada deixado aqui para encontrar. Quer dizer, a polícia já procurou com muito cuidado… – Mas a polícia tem sobrevoado as palavras cruzadas. Não me surpreenderia se eles tivessem sobrevoado outra coisa aqui. – Se você se colocar dessa maneira… mas há tão pouco para se trabalhar. Eu gostaria de ter uma ideia do que eu suponho que nós estamos procurando – o quarto é muito vazio apenas para atrapalhar as coisas ao acaso. E a casa é muito grande. – Uma pista…? – disse Ryuzaki, parando de quatro. Pois-se lentamente a morder a unha do seu polegar com tanto cuidado que parecia refletir – mas os movimentos eram tão infantis como era igualmente estúpido. Misora não poderia decidir quem sairia vitorioso. – O que você achou, Misora? Quando você chegou, você pensou em algo? Alguma ideia sobre algo que pode ajudar a estreitar o campo? – Bem… sim, mas… Havia uma coisa – cortes no peito da vítima. Ela não sentia certeza se deveria falar para Ryuzaki. Mas também era verdade que de outra forma não chegaria a nada… é o caso, com Ryuzaki. Possivelmente, deveria testá-lo, assim como ele havia observado a reação dela quando ele tinha mostrado as palavras cruzadas. Se ela jogar bem suas cartas, ela poderia entender se ele tinha ouvido a conversa no seu telefone a partir em que estava debaixo da cama. – Bem… Ryuzaki. Como agradecimento, lhe darei a primeira troca de informações… olhe para esta fotografia. – Fotografia? – disse Ryuzaki. A reação era exagerada que alguém teria pensado que ele nunca tinha ouvido essa palavra antes. Ele moveu-se para ela… ainda de quatro, e sem se preocupar em girar ao redor. Essencialmente virou para ela, uma visão que certamente teria feito uma criança chorar. – Um retrato da vítima… – disse Misora, lhe entregando a foto da autópsia. Ryuzaki a tomou, acenando de uma forma muito acentuada. Ou fingindo aceno nesse sentindo. Por enquanto havia passado em seu teste. – Muito bem, Misora! – Sim? – A notícia não menciona que o corpo tinha sido cortado desta maneira, o que significa que esta foto vem a partir dos arquivos da polícia. Estou impressionado que você tenha sido capaz de chegar em suas mãos. Obviamente você não é um detetive comum. – … Então, como você tem as palavras cruzadas, Ryuzaki? – Isso agora seria o “meu” dever de guardar segredo. Sua tentativa foi varrida facilmente. Tardiamente, ela desejava que ele a tivesse lhe recusado permissão para ter um segredo que nunca tinha ensinado primeiramente para o conceito. Ela também estava muito certa de que não fazem sentido gramaticalmente. – De qualquer forma você não precisa me responder como você conseguiu essa imagem, Misora. Mas de qualquer modo isto esta relacionada com a sua ideia? – Sim, bem… eu acho que a mensagem poderia ser algo que não está mais no quarto, mas estava no quarto naquele momento. É a coisa mais óbvia que poderia estar aqui, mas não esta… – É o proprietário do quarto, Believe Bridesmaid. Genial. – E se você olhar para a imagem apenas por este canto… os cortes não se parecem com letras? Eu acho que poderia ser algum tipo de mensagem… – Oh? – disse Ryuzaki, levando a imagem perfeitamente em linha reta enquanto ele movia em torno de sua cabeça com irregularidades. Havia ossos sólidos em seu pescoço? Si movia como uma contorcionista. Misora sentia o desejo de procurar noutro lado. – Não, não li nada… – Não?… eu pensei que tinha encontrado e lido algo… – Não, não, Misora, eu não estou excluindo completamente a sua ideia, apenas uma parte. Isto não são letras, mas algarismos romanos.
  21. 21. “...” Ah. Apenas, algarismos romanos, os mesmo que ela vê sobre seu relógio a cada dia – V, e I, óbvia mente, e C, M, D, X, e L… teria que ter imaginado quando deveria ter visto três I um perto do outro – não era três I, mas III. Mas havia um L imediatamente depois deles, ela tinha ligado o nome do detetive, distraidamente. – I é um, II é dois, III é três, IV é quatro, V é cinco, VI é de seis, VII, sete, VIII são oito, IX é nove, X é dez, L é cinquenta, C é um cem, D é quinhentos, M é mil. Então, esses cortes podem ser lidos como 16, 59, 1423, 159, 13, 7, 582, 724, 1001, 40, 51 e 31 – disse Ryuzaki, lendo os números complexos sem parar um segundo. Ele era bom com números romanos. – É apenas uma foto, então eu não sei ler corretamente, mas há uma chance de oitenta por cento de que não estou errado. – Por cento? – De qualquer forma, estou com medo que não mude a situação. Sem saber o que esses números sugerem, poderia ser prejudicial para assumir que essa é uma mensagem do assassino. Talvez possa ser apenas uma seleção. – … Me desculpe, Ryuzaki – disse Misora dando um passo para trás. – Pelo quê? – Vou retocar minha maquiagem. Sem esperar por uma resposta, Misora saiu da sala e subiu as escadas, apontando para o segundo (não ao primeiro) banheiro. Ela fechou a porta por dentro e tomou o seu celular. Ela hesitou por um momento, então chamou L. O número da quinta linha. Houve um bip curto seguido de um sinal de criptografia do ruído, e então finalmente houve conexão. – O que é, Naomi Misora? A voz artificial. L. Baixando a voz, e escondendo a boca por trás da mão, Misora disse – Eu tenho algo a comunicar. – Progresso com o caso? Trabalhou muito rápido. – Não… bem, um pouco. Eu posso ter encontrado a mensagem do assassino. – Muito bom. – Mas isso não é o ponto. Como posso dizer… a uma espécie de detetive particular misterioso… – Um detetive particular misterioso. – L com uma expressão quase rindo. – … Ele apareceu. – Eu compreendo – disse a voz artificial, e calou-se. Foi um silêncio deprimente para Misora, afinal, ela tinha tomado a decisão de mostrar a imagem a Ryuzaki tentando testá-lo. Quando L não disse nada, Misora continuou a explicar o que Riuzaki havia dito sobre as fotos da autópsia. E ele tinha uma cópia do jogo de palavras cruzadas. Esta peça de informação criou uma reação em L, mas desde que era uma voz de computador, ela não pôde ler a emoção por trás dele. – O que devo fazer? Francamente, acho que é perigoso tirar os olhos dele. – Ele foi legal? – Hunh?” A pergunta de L estava completamente fora de lugar, e o pressionou para pedi-lo um segundo para que ela pudesse responder, ainda incapaz de entender onde ele queria chegar. – Não, absolutamente não – disse ela, honestamente. – Horrível e patético, consequentemente suspeitoso, se eu não estivesse em licença, eu teria o abordado no momento em que coloquei os olhos em cima dele. Se dividirmos o mundo entre aqueles que seria melhor morrer e quem não é, eu não teria dúvida de que ele estaria entre os primeiros. Me surpreende que uma tal anomalia não se matou. “...” Não houve resposta. O que aconteceu? – Então, Naomi Misora, suas instruções. – Sim? – Eu suponho que você está pensando mais ou menos o que eu penso, mas deixe o detetive
  22. 22. particular fazer o que ele quer no momento. Por parte porque é perigoso deixar fora de sua vista, ainda mais é importante observar suas ações. Creio que o mérito para as deduções sobre as fotos da autópsia pertencem mais a você do que para ele, mas ele é certamente uma pessoa normal. – Eu concordo. – Ele esta ao seu lado? – Não, eu estou sozinha. Eu estou ligando do banheiro, em cima da escada na parte traseira da casa, longe do quarto. – Volte logo com ele. Vou investigar, seu nome, e vou tentar descobrir se um detetive chamado Ryuzaki realmente foi contratado pelos pais de Believe Bridesmaid. – Ok. – Você pode usar a mesma linha da próxima vez que você chamar. – E desligou. Misora desligou com um estrondo. Ela deve voltar logo, para que ele não tenha suspeitas, mas sentiu uma sensação bastante estranha, saiu do banheiro. Ryuzaki estava de pé a direita de fora da porta. – Eek…! – Misora. Então você estava aqui? Não estava de quatro, mas Misora saltou de qualquer maneira. Quanto tempo estava ali? – Depois que você saiu da sala, descobri algo interessante, e eu não podia esperar. Então, eu vim para te encontrar. Acabou? – S-sim… – Dessa forma. Ele se afastou, ainda dobrado até as escadas. Ainda abalada, Misora o seguiu. Será que havia escutado através da porta? Esta questão a torturava. Ele havia descoberto algo interessante? Aquele poderia ser o ponto da virada… ela tinha mantido a sua voz tão baixa que, de qualquer maneira ele não poderia ouvi-la, mas de qualquer maneira, deve ter certamente tentado. O que significa… – Oh, Misora… – disse Ryuzaki sem se virar. – S-sim? – Por que não consegui ouvir o banheiro antes de sair do quarto? – … É um pouco rude perguntar a uma mulher uma coisa como essa, Ryuzaki – tentou responder contrariando levemente seu rosto contra o dele. Ryuzaki não parecia tocado. – É sim? No entanto… se você esqueceu de puxar o escape, não é demasiado tarde. Você ainda pode voltar. Os sexos são iguais quando se ocorre a necessidade de cuidados no sanitário. “...” Que maneira horrível de dizer algo. De qualquer maneira que você quer dizer. – Eu estava no telefone. Uma verificação simples com meu cliente. Mas eu não fiz nada disso. – Ah, é? Mas, em todo caso, eu recomendo que você puxe a corrente. Parecerá uma camuflagem. – Eu suponho que sim. Eles chegaram no quarto. Ryuzaki foi reduzido a quatro e cruzou o limiar. Mais do que um método de investigação foi modelada sobre Sherlock Holmes, parecia uma espécie de ritual religioso. – Bem aqui. Ryuzaki atravessou o tapete para a biblioteca. A biblioteca de Believe Bridesmaid, com cinquenta e sete livros firmemente encravados. Ali foi o primeiro lugar que Misora tinha procurado depois de falar com L. – Você disse que encontrou algo novo? – Sim. Algo novo, não permitiria descarta-lo. Eu descobri um fato importante. “...” Sua tentativa de ser legal a irritou. Ela ignorou. – Então você encontrou algum tipo de pista na biblioteca, né? – Olhe aqui – disse Ryuzaki apontando para a direita da segunda prateleira na parte inferior. Havia uma coleção de onze volumes de uma história em quadrinhos popular japonês chamado Akazukin
  23. 23. Chacha. – … E então? – Eu adoro este manga. – Sério? – Sim. “...” Como deveria reagir? Em contraste direto com seus desejos, ela sentiu sua expressão enfraquecendo, sem qualquer tentativa de sondar sua luta interior. Ryuzaki continuou. – Está é a Nikkei2 , certo? – Nikkei…? Meus pais são ambos japoneses. Meu passaporte é americano agora, mas eu morava no Japão até o ensino médio… – Então você sabe o que é este manga. A criação do lendário mestre Ayahana Min. Eu leio cada edição nunca perdi. Shiina é tão adorável! O eu gosto tanto do anime quanto do mangá. Amor, coragem e esperança-sacral – Ryuzaki, você ainda quer continuar? Se assim for, eu posso esperar em outra sala… – Por que você faria isso enquanto eu falo? – Er, hum… quero dizer, eu gosto Akazukin Chacha. Eu assisti o anime. Amor, coragem, esperança e santidade. Ela gostaria de informá-lo exatamente que estava nem um pouco interessada em seu hobby, mas duvidou que o detetive particular seria capaz de compreender as críticas como dirigidas. Ryuzaki era inquestionável como a si mesmo. Ou ele estava exagerando? – Bom. Poderíamos discutir o prazer oferecido pela alma em detalhes em outra ocasião, mas por enquanto olhe aqui. – Hunh… – disse Misora, anotando devidamente os volumes Akazukin Chacha na prateleira. – Nada de aviso? – Nada… Os olhos de aro preto de Ryuzaki ficou imóvel olhando para ela. Desconfortada, Misora evitou o seu olhar, verificando cada volume individualmente. Mas mesmo depois de verificar que ele tinha acabado, não encontrou nada que mostrasse um vestígio ou algo parecido como uma pista. – Eu não vejo nada… alguma ideia sobre os desenhos animados? – Não. – … Hunh? – Houve mais do que uma pitada de raiva em sua voz. Ela não gostava de ser enganada. – Não? O que quer dizer… – Nenhum deles – disse Ryuzaki. – Algo que deveria estar aqui, mas que não está . Misora, você é a primeira pessoa a imaginar – cada mensagem do assassino é indicada pela ausência de algo que deveria estar lá. Você é a primeira a ter imaginado que isto deveria se referir ao corpo do Believe Bridesmaid. Eu não acho que devo explicar – olhe com cuidado, Misora. Não há todos os volumes. Quatro e nove estão em falta. – Huh? – Akazukin Chacha é composto de treze volumes. Não onze Misora olhou para trás para os livros, e os números eram um, dois, três, foram para cinco, seis, sete e oito à dez diretamente. Se Ryuzaki estivesse certo, havia apenas treze volumes, com tudo, estavam faltando dois – volume quatro e nove. – Hmm… bem. Mas… Ryuzaki, então? Você quer dizer que o assassino levou esses dois livros com ele? É certamente uma possibilidade, mas você também pode considerar que ele perdeu. Talvez o assassino tinha planejado lê-los primeiro. Nem todo mundo lê o manga em ordem, você sabe. Quero dizer, olha, há também uma série de Dickwood interrompido até aqui… – Impossível – disse Ryuzaki com firmeza. – Ninguém no mundo pularia dois volumes do Akazukin Chacha. Estou absolutamente certo de que isso iria a julgamento penal. “...” Este homem já foi um juiz? 2 Imigrantes japoneses e seus descendentes que fundaram novas comunidades em todo o mundo
  24. 24. – O assassino tem e obviamente os levou com ele – disse Ryuzaki descaradamente a ignorando. Misora não tinha a mesma idéia. Seus pés estavam firmemente ancorados em um plano realista – Mas você não tem prova disso, Ryuzaki. É também possível que ele tenha emprestado a um amigo. – Akazukin Chacha?! Você nunca emprestaria até mesmo para seus pais! Que você diria para comprar um deles! A única explicação possível é que o assassino os levou embora! – insistiu Ryuzaki com grande firmeza. – Além disso, ninguém na terra só lê quatro livros de nove – Eu apostaria minha geléia. – Se você está se referindo a geleia que você comeu antes, uma jarra é vendida por apenas cinco dólares. – Como resultado, Misora, quando o assassino retirou estes dois volumes da sala, teve algum outro motivo não relacionado essencialmente com o manga para fazer isso. – … Desde que seja verdade que estes dois volumes estão faltando, ignorando a lógica a uma possibilidade de tempo de continuar com essa hipótese… mas ainda é muito estranho, não? Quero dizer, Ryuzaki, esta biblioteca… – Esta cheia. Tão firme que a remoção de um livro a partir deles seria muito difícil. Se ele tivesse efetivamente removido dois volumes do mangá, então deveria haver um pouco de espaço ou… espere… – Ryuzaki. Você sabe quantas páginas existem nos volumes quatro e nove de Akazukin Chacha? – Sim. 192 e 184 páginas. “...” Ela não esperava que ele soubesse a resposta… mas 192 mais 184 era 376 páginas. Misora olhou para a prateleira, buscando através destes cinquenta e sete livros um volume da mesma espessura de 376 páginas do mangá. Não demorou muito tempo. Havia apenas um livro de que a espessura na prateleira. Insufficient Relaxation (Relaxamento Insuficiente) por Permit Winter. Quando ela o tirou de sua mesa, na verdade, acabou por ser exatamente 376 páginas. “...” Esperançosa, Misora, virou as páginas, mas não viu nada de particularmente interessante. – O que foi Misora?” – Ah… eu percebi que, se o assassino colocou um livro na estante para substituir os dois que haviam tomado, e se esse livro era a mensagem real… Presumo que realmente Believe Bridesmaid cuidadosamente organizava seus livros exatamente para encher a prateleira. Teria que ser algo mais aleatório, o que o assassino não deve ter enchido o espaço com os livros tirado de um outro quarto – e contínua por esta hipótese em primeiro lugar não se sabe se este outro livro de Akazukin Chacha realmente não pertence a Believe Bridesmaid. Com a falta de marcadores pode ser tudo parte de uma mensagem do assassino, mas mesmo se fosse esse o caso? Se for o caso, tenho feito uma compreensão de uma mensagem bastante convincente. Mas se tiver havido nada de anormal nos próprios livros… Então toda a teoria seria anulada. Foi nada mais do que uma fantasia ociosa. – Não é uma má ideia. Não. melhor, uma boa ideia, nada mais faz sentido – disse Ryuzaki, estendendo-se em direção a Misora. Por um momento ela pensou que ele queria apertar sua mão, e entrou em pânico, mas depois percebeu que ele queria apenas o livro Relaxamento Insuficiente. Entregou a ele. Ryuzaki colocou- o entre suas mãos e o abriu com o dedo indicador e o polegar, e começou a ler. Ele leu rapidamente e através de todas as 376 páginas com uma velocidade impressionante. Levou menos de cinco minutos a ler o livro inteiro. – Eu entendi! – Hein? Você encontrou alguma coisa? – Não. Não há absolutamente nada aqui. Não olhe assim. Eu juro, eu não estou brincando. Isto é simplesmente um romance de entretenimento comum, não uma mensagem, ou mesmo uma metáfora como o Wara Ningyo. E, certamente, não houve qualquer tipo de cartas escondidas entre as páginas, ou qualquer rabisco nas margens. – As margens? – Sim. não havia nada sobre as margens, se não os números de página. – Número de páginas? – Ecoava Misora. – Os números de página… números? Números, como… algarismos romanos? – Ryuzaki, se lembra dos cortes no peito da vítima foram algarismos
  25. 25. romanos, quais eram? – 16, 59, 1423, 159, 13, 7, 582, 724, 1001, 40, 51 e 31. Boa memória. Ele não tinha nenhuma necessidade de olhar a foto novamente. Quase uma memória fotográfica, antes os números das páginas do mangá e agora isto. – Então? – Eu estava imaginando se poderia indicar as páginas deste livro, mas… dois desses números são quatro dígitos. O livro é grande, apenas 376 páginas. Os outros não importam. – Sim… não, Misora, e se for compartilhados? Por exemplo, 476 pode ser visto como 376 como uma centena, indicando a página 100. – … O que isso significa?. – Eu não sei. Mas vamos tentar… 16 é fácil, página 16, 59, 1423, 159, 13, 7, 582, 724, 1001, 40, 51, 31… Apertou os olhos de aro preto. Sem sequer olhar para o livro. Seriamente? Apesar da velocidade com a qual ele tinha lido, tinha decorado todo o conteúdo perfeitamente? Seria possível? Poderia realmente? Em qualquer caso, Misora só podia ficar ali e esperar. – … Eu compreendo. – Que não há nada lá? – Não… não é uma coisa. Algo mais específico, Misora. Ryuzaki retornou ao livro de Misora – Abra-o na página 16 – disse ele. – Ok. – Qual é a primeira palavra na página? – Quadratic. – A página seguinte é de 59. A primeira palavra na página? – Ukulele. – O próximo é 259. 1423 completa o livro três vezes, e termina na página 259, na quarta volta. A primeira palavra é? – Tenacious. Continuando. 159 é 159, 13 é 13, 7 é 7, 582 era a página 206, 725 era a página 348, 1001 era a página 249, página 40 é 40, 51 é 51 e 31 é de 31 e em cada página, Misora lia a primeira palavra. Em ordem: “rable” – “table” – “egg” – “arbiter” – “equable” – “thud” – “effect” – “ Elsewhere” – e “Name”. – Então. – Então… o quê? – Tome a primeira letra de cada palavra. – A primeira letra? Um… Misora estava de volta entre as páginas. Ela tinha má memória, mas não foi capaz de lembrar vinte palavras de uma só vez. Pelo menos, não sem ter sido avisado que ela deveria. – Q-U-T-R-T-E-A-E-T-E-E-N… qutr tea eteen? O quê? – Muito parecido com o nome da segunda vítima. A menina de treze anos, não é? – Suponho que sim… A segunda vítima. A menina de treze anos. Quarter Queen – Há uma quarta vaga semelhança… Queen… apenas quatro letras são diferentes. – Sim. Enfim… – disse Ryuzaki com relutância –, quatro pontos em doze é demais. Um terço dos que estão errados. Se uma letra for diferente, toda a teoria cairia. Se isso não ocorrer perfeitamente sentido nenhum para chamar de mensagem. Eu acho que deveria haver alguma coisa lá, mas pode ser apenas uma coincidência… – Mas… para ser uma coincidência… Era tão óbvio. Como pode ser isso? Tinha de ser intencional. … Intencional ou anormal. – Ainda assim, Misora… se não corresponde, não corresponde. Há pouco a se fazer, mas… – Não, Ryuzaki. Pense nisso. Todos os quatro números errados correspondem mais de 376
  26. 26. números. São todos os números que nós tiramos. Ela folheou as páginas, e a quarta volta… – não devemos usar a primeira letra, mas a quarta letra. Não T, mas A. E, com 582, “arbiter”, uma vez retirado do livro, a segunda volta si dá a R em vez de A. Portanto torna-se um Qutrtea de Quarter. Com a mesma lógica, “equable”, número 724, mais uma vez, na segunda volta, a segunda letra: Q. E com 1001 “thud” não T, mas U. Eteen que se transforma em Queen. Quarter Queen. L estava certo. O assassino tinha deixado uma mensagem. Os cortes no corpo, os dois livros em falta, o assassino tinha deixado uma mensagem. Assim como o enigma que havia enviado a polícia, uma mensagem descrevendo sua próxima vítima… – Bom trabalho, Misora – disse Ryuzaki plácido – , excelente dedução. Eu não saberia no que pensar mais.
  27. 27. Oposição Se estivéssemos a discutir o motivo pela qual L se recusou a revelar-se tão categoricamente, seria explicado de forma muito fácil: seria perigoso. Perigoso. Para começar os líderes mundiais devem se esforçar para manter segura as melhores mentes – e não apenas aqueles de detetives – mas o fato é que o sistema social atual não permite isso, e L não pensou em outra escolha para proteger a sua mente a não ser sob seu poder. A partir da simples aritmética, L em 2002 era o equivalente a cinco mesas de operações de inquéritos e sete agências de inteligência (e no momento em que ele colidiu com Kira, esses números espirraram para uma média mais alta). É fácil de pensar nisso como uma razão para respeitar e admirar alguém, mas deixe-me dizer tão claramente quanto possível: todas as habilidades para ser um único humano, é uma coisa muito perigosa. As técnicas modernas de gestão de risco são muito importantes e expõe ao risco, mas sua existência foi exatamente o oposto. Em outras palavras, se alguém houvesse planejado um crime, poderia ter aumentado substancialmente uma possibilidade de matar simplesmente L antes dele começar. Por esta razão escondeu sua identidade. Não porque ele era tímido, ou porque ele nunca tinha saído de casa. Para lhe garantir sua salvação. Para um detetive com a capacidade de L, e que sua preservação da paz mundial estavam no mesmo nível, não seria correto descrever suas ações como covarde ou egocêntrico. Embora eu nem sequer consideraria a ideia de comparação, se Kira tinha a capacidade de matar alguém apenas escrevendo seu nome em um caderno, seria dificilmente divulgar tal coisa, exatamente pelas mesmas razões. Uma pessoa inteligente mascarando do povo tal fato. Os homens sábios não utilizavam etiquetas com o nome. Quanto mais as pessoas falam sobre suas habilidades, mais são desesperados – os trabalhos devem falar por si. Em qualquer momento L estava trabalhando, ele teria provavelmente alguém para mostrar a sua face em público – neste caso, a agente do FBI Naomi Misora , compreendeu isso desde o início. Era o escudo de L. Embora mais arriscado, a ligação direta com L à colocaria em extremo… Misora tentou muitas vezes compreender a verdadeira natureza de Ryuzaki, mas de modo nenhum, ela poderia conseguir ver a situação de forma otimista, mas foi capaz de enxerga-lo melhor, “Ele provavelmente não tenha ouvido falar muito da conversa”, e essa hipótese não era ainda tão certa. Se Ryuzaki tivesse notado a ligação entre Misora e L, ele faria o vazamento de informações no lugar certo, ela estava em grave perigo antes que você possa dizer… antes que você possa pensar em dizer alguma coisa, e esse pensamento fez Misora ficar nervosa. Dado o óbvio… a capacidade dedutiva de Ryuzaki dias após o término da mensagem escondida no quarto de Believe Bridesmaid, Misora começou a se perguntar se suas próprias deduções não haviam sido orientadas pela capacidade de Ryuzaki. Naquele momento ela sentiu como se estivesse fazendo todas as suas vontades. Mas olhando para trás, os números de páginas, a ideia de transformar o livro que ela havia notado só porque ele tinha estabelecido as fundações. Nos seria uma verdadeira razão por que ela iria abrir o livro em si, a extrapolação de cada palavra? Não foi possível rejeitar a idéia de que tudo isso foi um artifício para fazê-la sentir como se ele estivesse tomando parte na resolução do enigma, e que tinha efetivamente autorizado a fazer a etapa final, depois de resolver tudo com cuidado para a ela. Tudo isso poderia ser nada mais do que a paranoia de ter feito pressão para trás sobre L…, mas descobrir o nome da segunda vítima na biblioteca de Believe Bridesmaid foi um grande resultado de sua investigação. Mais tarde, ela havia marcado, e a segunda vítima foi a única pessoa, toda a área da Grande Los Angeles, chamada Quarter Queen, mas isto não era relevante. 16 de Agosto. Naomi Misora estava no centro, na Terceira Avenida, a visitar a cena do segundo assassinato. Não conhecia o caminho do quarteirão, e depois tinha que olhar em um mapa para encontrá-la. Sem saber quanto tempo isso levaria ao quarto assassinato, parte dela tentou verificar o andar de cima da casa de Believe Bridesmaid, mas ela tinha outras coisas a controlar antes, tantos testes para procurar, e dado ao problema de movimento ela teria de esperar até o dia seguinte. Havia passado últimos três dias pelo terceiro assassinato – nove dias, quatro dias, nove dias – e se o assassino decidiu novamente por quatro dias, então o próximo assassinato terá lugar no dia seguinte – mas não havia escolha. Não há forma de impedir que tal aconteça. Então ela fez a única coisa que poderia fazer. Busca de evidências que permitiriam controlar a crise que se aproximava.
  28. 28. Segundo a investigação de L, um detetive chamado Rue Ryuzaki tinha realmente sido contratado pelos pais de Believe Bridesmaid – mas não só, o mesmo com os familiares da segunda vítima, Quarter Queen, e a terceira vítima, Backyard Bottomslash – Ryuzaki pediu para investigar o caso. Tudo era um pouco “bom demais para ser verdade” na opinião da Misora, mas se ele tinha dito então, ela teve de aceitá-lo. Não havia espaço para dúvidas. Mas L ainda não havia providenciado algo sobre o passado de Ryuzaki, e depois ela foi convidada a manter o olho, cooperar com Ryuzaki e fingir que eles estavam trabalhando juntos sobre o caso. L realmente não chegava a uma conclusão sobre Ryuzaki? Misora passou vários minutos colocando-se sobre esta questão. Talvez explicavelmente era simplesmente demasiado perigoso… Misora nunca havia pensado por um momento que o mesmo fornecia todas as informações que ele tinha. E Ryuzaki poderia ser parte dessa categoria, mas isso também poderia ser uma infundada paranoia. Ryuzaki era certamente suspeito, mas ele não tinha claramente feito nada de mal então não havia nada. O pensamento de vê-lo rastejar novamente de quatro hoje, em torno da cena do crime foi inegavelmente deprimente (ela também tinha tido um pesadelo sobre o assunto. Misora geralmente tende a acordar uma vez durante os pesadelos, mas este sonho em particular teve consequência em acabar de tira-la da cama). E então, em 16 de Agosto, às dez horas da manhã… Naomi Misora foi atacada. Ela estava tomando um atalho por um beco escuro e solitário, quando alguém bateu por trás, com um blackjack. Ou melhor, não conseguiu bater – devido ao momento em que se abaixou e evitou. O Blackjack é uma arma leve – uma engenhoca muito simples, consistindo de nada mais do que um pequeno saco cheio de areia. É fácil criar e muito fácil de esconder, e uma arma eficaz indefinível. Ela sentiu-lhe cortar o ar como se ele à tivesse tocado por trás de seu cabelo. Misora estava em perigo a partir do momento em que ele entendia ser a mãos, olhos e escudo de L, não pareceu muito surpresa e reagiu rapidamente. Isto poderia ter afastado de sua cabeça todos os pensamentos sobre Ryuzaki, era melhor. Ela bateu no chão com ambas as mãos empurrando e dando um empurrão com a perna para cima girando-a cabeça para baixo – enviando os seus pés em direção ao queixo de seu agressor. Ela errou o alvo. Mas isso não importa – o principal objetivo desta iniciativa foi dar a volta e olhar para o seu adversário. Havia apenas um, e usava uma máscara. Ela ficou surpresa com a falta de seus companheiros, mas, além do Blackjack, carregava- se um bastão rígido na sua mão esquerda, a colocando em desvantagem. Não era um criminoso aleatório. Como no dia anterior, Misora não tinha arma. E, naturalmente, nenhum crachá ou algemas. Correr seria a escolha lógica, mas Misora não tinha esse tipo de personalidade derrotista que lhe permitia escapar ao ser atacada. Seu apelido era o “FBI Misora Massacre”. Claramente, havia um grau de malícia por trás desse nome, mas não foi totalmente sem justificativa. Ela saltou para cima aterrando em suas pernas, sua mão direita na frente do rosto e do baixo centro de gravidade, apontando seu oponente, balançando um pouco, pronta para lutar. Ele hesitou por um momento viu a sua posição, mas, em seguida, acenou para ela – não contra o blackjack, mas com a barra de aço. A parte superior do corpo balançava, evitando-o, em seguida, fez uma espécie de giro de 360º com seu corpo por toda a largura do beco estreito, a fim de atingir gravemente com os calcanhares o rosto de seu agressor. Ele fugiu novamente, mas o sua batalha acabou. Misora não tinha intenção de fugir, mas seu oponente parecia ser muito ousado. Misora ao retornar a seus pés, ele se virou e fugiu. Por um momento Misora considerou a idéia e depois dele fez alguns passos na mesma direção antes de sair. Ela estava certa de que o agressor era um homem. Era seguro o suficiente para ser capaz de reagir em um combate, mas não em uma corrida. Não era um corredor cumprido. Não queria perder suas energias. Ela ajeitou o cabelo, pegou o celular e chamou L. O telefone tocou, mas ninguém respondeu. O melhor detetive do mundo era um homem ocupado e, provavelmente, difícil de rastrear a fora do prazo acordado. Felizmente não foi ferida, então o relacionamento poderia esperar. Talvez ter chegado à cena do crime rapidamente teria sido uma ideia melhor – ser atacada desta maneira apenas aumentou as suspeitas de Misora contra Ryuzaki. Não havia maneira de saber se o seu agressor era alguém que estava envolvido no caso ou alguém que não tinha nada a ver com isso, mas ele sabia sobre sua relação com L, mas em ambos os casos, com base no momento do ataque, a probabilidade de Ryuzaki estar envolvido não foi terrivelmente baixo. Talvez você deve ter o controle dele pelo próprio, em vez de permitir a investigação de L… só para a proteger. Ela considerou chamar Raye, e controlar a coisa em segredo.

×