ENGENHARIA DE RESILIÊNCIA

CAPÍTULO 4
COMPLEXIDADE, EMERGÊNCIA, RESILIÊNCIA...

O futuro é inevitável, mas pode não aconte...
esiliência organizacional não significa necessariamente segurança. A
capacidade de uma organização para garantir a sua pró...
EDUCIONISMO
Afirma que objetos, fenômenos,
teorias e significados complexos
podem ser reduzidos ou seja,
expressos em unid...
A noção de emergência é então simplesmente uma forma mais ampla de relação
entre os níveis micro e macro, em que as propri...
EMERGÊNCIA FRACA:
Uma parte microscópica de um comportamento macroscópico esperado ainda
é possível, mas a compreensão det...
EMERGÊNCIA FORTE:
Quando as propriedades de nível macro não podem ser explicada, e muito
menos previstas, mesmo em princíp...
DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA
Cognição individual

Resiliência nominal emergente:
Referem-se a características de
resiliência...
DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA
Resiliência fracamente emergente (cont):
Esses sistemas podem permanecer ‘simples’ se as relaçõ...
DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA
A interação de agentes componentes produzem uma entidade agregada mais flexível e
adaptativa do...
DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA
Resiliência fortemente emergente :
É referente às características de uma organização resiliente...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência

435 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
435
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • {}
  • Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência

    1. 1. ENGENHARIA DE RESILIÊNCIA CAPÍTULO 4 COMPLEXIDADE, EMERGÊNCIA, RESILIÊNCIA... O futuro é inevitável, mas pode não acontecer Jorges Luis Borges
    2. 2. esiliência organizacional não significa necessariamente segurança. A capacidade de uma organização para garantir a sua própria sobrevivência/operação , contra circunstâncias adversas pode também implicar em estar momentaneamente insegura para os seus membros ou partes interessadas. Ex: Um país em guerra defendendo-se contra agressão militar No entanto... Considerando a resiliência organizacional como uma propriedade emergente de sistemas complexos • A segurança também pode ser vista como uma forma de resiliência , isto é, como o resultado da robustez de todos os processos que mantém o sistema seguro para todos os tipos de stress, patógenos e ameaças afins.
    3. 3. EDUCIONISMO Afirma que objetos, fenômenos, teorias e significados complexos podem ser reduzidos ou seja, expressos em unidades diferentes a fim de explicá-lo. X EMERGÊNCIA O que vem de fora é mais do que se passa dentro (John H. Holland _ Emergence: From Chaos to Order) È o que acontece quando tentamos entender as propriedades de um sistema que ultrapassa o nível de tamanho e complexidade que nosso intelecto pode compreender de uma só vez, de modo a compor o sistema em partes de componentes interativos É fácil explicar o peso de um despertador a partir do peso de cada um de seus componentes, o que faz com que alguém seja acordado ao tocar o despertador . Agora explicar como se comporta cada átomo do corpo ao despertar é um desafio insuperável, pois átomos não podem despertar, somente um ser vivo composto por átomos pode. O todo é maior do que a soma das partes
    4. 4. A noção de emergência é então simplesmente uma forma mais ampla de relação entre os níveis micro e macro, em que as propriedades de um nível superior são tanto dependentes quanto autônomas dos processos subjacentes dos níveis inferiores. (Bedau, 1997,2002) EMERGÊNCIA NOMINAL: Quando as propriedades de nível macro podem ser derivadas de propriedades do nível micro. Grafite como lubrificante (macro) deriva da estrutura molecular deslizante – laminar - (micro)
    5. 5. EMERGÊNCIA FRACA: Uma parte microscópica de um comportamento macroscópico esperado ainda é possível, mas a compreensão detalhada do comportamento global não pode ser previsto se não através de uma simulação. Cada participante (parte microscópica) sabe o que fazer, mas o resultado (parte macroscópica) pode não ocorrer como o esperado, sendo percebido somente na simulação.
    6. 6. EMERGÊNCIA FORTE: Quando as propriedades de nível macro não podem ser explicada, e muito menos previstas, mesmo em princípio, por qualquer causalidade de nível micro. e Emergência forte
    7. 7. DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA Cognição individual Resiliência nominal emergente: Referem-se a características de resiliência “computáveis” de combinações de propriedades individuais dos agentes Recursos humanos individuais Gerenciamento de erros Gestão de stess Medidas organizacionais Design de ambientes tolerantes a erros Resiliência fracamente emergente: Remete para as características de resiliência de uma organização resultante de uma combinação de propriedades do agente individual, de tal forma que, embora, em princípio “computável” o detalhamento e a compreensão do comportamento resiliênte macroscópico não pode ser previsto sem a realização de uma simulação.
    8. 8. DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA Resiliência fracamente emergente (cont): Esses sistemas podem permanecer ‘simples’ se as relações mútuas entre os componentes básicos tendem a aniquilar desvios individuais: a variedade individual é então submersa por valores médios estatísticos, de modo que a complexidade microscópica desapareça em escalas macroscópicas. Ex: Aquela única pessoa que durante a simulação não se dirigiu para o abrigo Sistemas de grande porte também podem se tornar ‘complexos’ quando a variedade individual ao nível microscópico é combinado e amplificado para que ele cria novas propriedades a nível macroscópico. – Pânico O mecanismo chave é o acoplamento indireto entre agentes componentes através de modificações que seu comportamento individual introduz no ambiente compartilhado. Ex: Pânico em Friburgo quando ocorreu o boato de rompimento de uma represa. Seres humanos tendem a imitar uns aos outros René Girad (1961)
    9. 9. DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA A interação de agentes componentes produzem uma entidade agregada mais flexível e adaptativa do que seus agentes componentes. Eles estabilizam “à beira do caos”. Distúrbio residual: Se nenhuma formiga se perdeu ao seguir a trilha de feromônio para a presa, nenhuma nova presa seria descoberta. Muita ordem leva a crise. Visão de acidentes como um fenômeno de ressonância(Hollnagel, 2004): Assim, estes sistemas/processos não são otimizados para um determinado ambiente: eles não fazem o melhor trabalho possível, mas fazem o trabalho suficiente
    10. 10. DA EMERGÊNCI À RESILIÊNCIA Resiliência fortemente emergente : É referente às características de uma organização resiliente que não pode ser explicada por uma combinação de propriedades de agentes individuais A representação do futuro pode alterar o presente : A certeza de que o risco está totalmente erradicado provavelmente desencadeará comportamentos que irão reintroduzir a ameaça – Morro do Bumba. De uma perspectiva de gestão de risco, a questão chave é como manter a preocupação com risco de vida, quando as coisas parecem seguras. O núcleo de uma boa cultura de segurança é uma profecia auto-destrutiva

    ×