SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Hoodid 2017 Mari Sales
Revisão: Cleidi Natal de Alcântara e Marta Fagundes.
Capa: Mari Sales
Todos os direitos reservados.
Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, lugares e acontecimentos
descritos são produtos da imaginação da autora. Qualquer semelhança com
nomes, datas e acontecimentos reais é mera coincidência.
Este livro segue as regras da Nova Ortografia da Língua Portuguesa.
São proibidos o armazenamento e/ou a reprodução de qualquer parte dessa
obra, através de quaisquer meios — tangível ou intangível — sem o
consentimento por escrito da autora.
ISBN: 978-85-923385-0-3
Para os que acreditam no poder do perdão e nas segundas chances.
No espelho, eu via apenas gordura e feiura. Eu era deprimente e um
vazio esteve dentro de mim desde sempre. Não havia nada de belo em mim,
apenas defeitos, imperfeições e indignidade.
Estava cansada de fazer terapia, de tomar remédios e falar dos meus
sentimentos. Eles diziam que eu estava doente, que meu comportamento
estava errado, mas nada poderia refutar o que o espelho refletia. Eu não tinha
conserto, era apenas uma aberração da natureza.
Apesar de ver gorda, eu escutava no colégio que era muito magra. Eu
não entendia de onde eles tiravam isso, talvez mais uma forma de me
ridicularizarem. Sem vaidade, pele muito branca e sem peitos para serem
admirados pelos meninos, sempre me senti um lixo de gente.
Nos meus diários, sempre escrevia cartas de despedida. Parecia a
escolha certa a fazer desde quando comecei a escrever neles. Eu pesquisava
na internet sobre encerrar minhas atividades nesse mundo e as imagens e
notícias que o sistema de busca me trazia de resultado eram inspiradores.
Além disso, o site de pesquisa apontou o número 141. Ele ficou por
muito tempo gravado na minha memória e não lembro o motivo de não ter
discado ele. Talvez, as coisas poderiam ter sido diferentes.
Em um momento de recaída, quando minha mãe se predispunha a
sentar comigo, conversar e me enfeitar com elogios e carinho, me arrisquei a ir
na festa do colégio. Não me importei com a maldade, não pensei que o
pequeno momento de alegria poderia se tornar o gatilho para fazer algo que eu
pensava, mas não tinha coragem de fazer.
Meus pais eram os melhores, mas por algum motivo, deveria ter algum
defeito de fabricação e por isso, eu precisava ser refeita. Só assim conseguiria
me arrumar.
Depois que o ato foi consumado, descobri que estava completamente
errada. A ajuda especializada e a clínica não poderiam ter sido interrompidas
como fiz, eles estavam me ajudando, eu estava melhorando. O número 141 era
do Centro de Valorização da Vida e não deveria ter sido desconsiderado por
mim. Meus pais me amavam e não deveriam arcar com a culpa que coloquei
em seus ombros quando meu ato foi consumado.
Na verdade, eu não deveria ter escutado as palavras maldosas dos
meus colegas de colégio. E, já que era fraca demais, precisava abrir minha
boca e pedir ajuda às pessoas que mais me amavam nesse mundo: meus pais.
E, como na lei do retorno, da causa e efeito, eu receberia de retorno
tudo o que desse aos outros da mesma forma que as pessoas do meu colégio
receberiam tudo o que me causaram.
“Quem semeia vento, colhe tempestades”.
“O preço que se paga às vezes é alto demais.
É alta madrugada, já é tarde demais.
Pra pedir perdão...
Pra fingir que não foi mal.”
Engenheiros do Hawaii, O Preço.
Entro na Igreja como faço todo ano. Eu cultivava esse hábito para
lembrar o aniversário de morte de Lucirene e hoje, faria dez anos de sua morte.
Descobri que seu nome era a junção do nome de suas duas avós, Lucia e
Irene, mulheres de garra e que criaram seus filhos de forma independente, já
que os maridos morreram antes do filho mais novo completar um ano.
Coincidência, não?
Apenas para me torturar, todo ano que me sento no banco dessa Igreja
e peço perdão pelos meus pecados, relembro minha época do colégio, o
quanto de futilidade que eu valorizava e quanto mal fiz para as pessoas ao meu
redor. Cultivei o desprezo e incentivei o bullying, matei uma pessoa e para meu
pecado não havia perdão.
Mesmo sabendo que não seria absolvida no final da vida, quando eu
fosse julgada pelas minhas ações aqui na Terra, decidi mudar minha postura a
fim de reverter o que tinha feito. Eu não salvaria Lucirene, mas tentaria salvar
outras pessoas.
Mudei de escola, cortei cabelo o mais curto possível e abandonei a
vaidade. Continuava bonita, mas não mais referência de beleza. Eu não queria
ser mais o centro das atenções, isso alimentava o monstro da vaidade e o
poder maquiavélico que habitava meu íntimo.
Terminei o ensino médio e a universidade passando despercebida.
Formei-me em psicologia e assistência social. O primeiro, porque queria
estudar o comportamento humano e os fenômenos psíquicos, para servir como
terapeuta; o segundo, porque queria promover o bem-estar coletivo e a
integração do indivíduo na sociedade.
Eu usaria o resto da minha vida em prol de ajudar os outros, e já não
merecia mais atenção, nem de mim mesma.
Minha mãe estranhou a minha mudança de postura, mas não criticou,
porque eu continuava seguindo seus comandos quando dentro de casa. Ela
queria saber a minha motivação para escolher um curso que possuía um
padrão de remuneração tão baixo e teve que se contentar com “ajudar as
pessoas me faz feliz”.
Bem de vida como eram, meus pais permitiram que eu trabalhasse de
forma voluntária em todos os abrigos e clínicas de reabilitação. Eles me
pagavam um salário, uma mesada, que era apenas o suficiente para manter
meu pequeno apartamento, carro e alimentação. Começaram a me ver como
uma pessoa de bom coração e caridosa. Mal sabiam eles que tudo isso não se
passava de peso na consciência.
Eu não saía, não tinha amigos e não queria ter ambição. Minha vida se
resumia na felicidade e recuperação dos meus pacientes e voluntariados.
Minha colega de trabalho na clínica de reabilitação de dependentes
químicos, Júlia, dizia que eu tinha síndrome de mártir. Estávamos sempre
juntas e nos consultávamos, a fim de manter o protocolo das psicólogas. Nós
tínhamos nossos carmas, mas diferente de mim, ela parecia ter se dado uma
nova chance e era feliz com sua família.
Eu não conseguia me dar uma chance, acreditava que não havia
sofrido o suficiente para isso. Talvez, nunca conseguiria e por isso, seguiria a
vida simples e de doação que decidi ter.
Poderia parecer estranho que uma pessoa com tantos problemas como
eu ajudava outras pessoas. Na verdade, era muito mais fácil ajudar os outros
do que a mim mesma.
Fecho meus olhos e faço minha oração.
“Senhor Jesus, pelo sangue precioso que derramastes carregando
vossa cruz, dignai-vos socorrer e livrar as almas do Purgatório, principalmente
a que sofre pelos maus exemplos que lhe dei. Levai-a hoje para o céu, a fim de
que, unida aos Anjos e à vossa Mãe Santíssima, ela vos bendiga para sempre.
Amém.1”
Desta vez, não só pela alma de Lucirene, mas pela alma de uma
paciente, a dona Beatriz, que acabou cedendo à esquizofrenia e num descuido,
ao atravessar a rua, foi atropelada por um ônibus. Ela era uma mulher muito
perturbada e nunca sabíamos o que era a realidade e o que era sua mente
pregando peças. Ela não aceitava o tratamento e vivia de abrigo em abrigo
contando suas histórias sobre homens que tentavam matá-la com armas de
caco de vidro.
Levanto-me de onde estou e sigo para meu turno vespertino na clínica
de dependentes químicos. Estou usando minha roupa habitual, calça jeans
larga, uma blusa indicando que era voluntária e meus cabelos curtos. Sempre
curtos, porque nada em mim teria indícios de vaidade. Eu prezava muito a
minha beleza quando adolescente e ainda hoje me pego cobiçando
maquiagens e penteados, mas essa era uma tortura que eu merecia e
precisava.
O único luxo que me permitia eram algumas pulseiras feitas e
presenteadas pelos meus pacientes. Elas ficavam em meu pulso esquerdo e
tinham um significado muito importante para mim.
Tenho um carro, dado pelo meu pai, que utilizo apenas para ir à sua
casa. No meu dia a dia, caminho ou uso transporte coletivo. A facilidade não
me atraía.
Caminho quase um quilômetro até chegar à clínica. Atravesso o
estacionamento e abro a porta de vidro da recepção.
— Boa tarde, Joana, tudo bem? — Chego sorridente e cumprimento a
jovem recepcionista. Ela é simpática e atenciosa, mas muito fechada quando
se trata de seus assuntos pessoais. Existe algo de muito ruim ou muito triste na
1
Orai sem cessar 2: A força de todo cristão, Áurea Cristina Assis Barreto, 3ª. Edição, Editora Santuário.
sua vida e percebo que o trabalho é uma fuga. Não pressiono para informações
ou sugerir soluções, apenas tento proporcionar o melhor ambiente possível
para que ela se sinta bem. Joana tem dezoito anos e largou os estudos para
ajudar com a renda da família.
— Estou indo, Dra. Isabel e você? — ela responde como sempre,
nunca está bem, apenas indo.
Abro minha bolsa e tiro de dentro um bombom trufado. No dia anterior,
a vi disfarçando o olhar quando o parente de um de nossos pacientes trouxe
uma caixa de bombons trufados. Joana era humilde e todo o salário que
recebia, entregava para os pais, que bancavam mais outros quatro irmãos.
Entrego o presente a ela, que abre um grande sorriso, um que nunca
vi.
— Passei na frente da loja de chocolate e não resisti. Experimenta! —
Estimulo e ela prontamente faz o que sugiro. Desembrulha o bombom como se
fosse uma joia rara e então, dá a primeira mordida, pequena, como se tivesse
medo de acabar com essa preciosidade.
— Hum, delicioso. — Aprecia a menina.
— Então coma tudo! — Sorrio, encorajando-a.
— Vou guardar para depois, comerei aos poucos. — Ela ameaça
fechar o bombom quando pego outro dentro da minha bolsa.
— Esse você come agora. — Indico o que está na sua mão. — Esse
aqui, você pode deixar para depois. — Mostro o outro na minha mão.
Seus olhos se arregalam de um jeito que me faz querer comprar a loja
inteira. Essa é a minha recompensa, o que preciso para seguir em frente.
— Eles devem ser caros, você não deveria... — ela fica sem graça.
Poucos sabem que meus pais eram ricos e que isso não faria falta a mim e a
eles.
— Bobagem, coma esse logo, senão não lhe darei o outro. — Ameaço
colocá-lo na minha bolsa e ela rapidamente coloca todo o primeiro bombom na
boca. Ela se levanta e me dá um abraço de urso.
— Obrigada! Eu nunca comi um desses — diz e se afasta,
envergonhada por revelar algo tão pessoal quanto isso.
— Se você continuar tratando meus pacientes com tanto amor e
carinho, talvez eu compre uma caixa e então, você pode compartilhar em casa.
— Tento descontrair, mas ao mencionar sua casa, ela murcha sua alegria e
apenas concorda com a cabeça, calada.
Passo por ela e ando pelo corredor, colocando minha cabeça para
dentro das salas abertas e proferindo boas-tardes para todos. Quem me vê
feliz e prestativa não imagina que isso é apenas uma fachada para que as
pessoas se sintam bem e não a minha verdadeira felicidade.
No final do corredor, abro a porta da sala, que é a mesma que divido
com Júlia e me surpreendo por encontrá-la ocupada por ela e um homem. Ele
é bonito, apesar de não conseguir ver seu rosto por completo, já que está
olhando para o chão. Seus ombros são largos e estão salientados pela
camiseta de manga curta, braços torneados e, sua postura curvada indica que
a conversa que estava acontecendo com Júlia não era agradável.
Olho para Júlia e a vejo enxugar as lágrimas em seu rosto e controlar o
choro. Ela levanta da cadeira quando percebe minha presença e vai até um
canto da sala, onde temos uma mesa com copos e uma jarra de água.
— Precisa de ajuda, Júlia? — pergunto, preocupada pelo estado da
minha colega, mas sabendo que não devo ultrapassar o limite invisível de
nossa não intimidade.
— Não, está tudo bem, nós... — ela funga e serve dois copos de água
com a mão trêmula.
Sigo minha intuição e entro na sala, vou até minha colega e termino de
servir a água por ela. Aperto sua mão e nos encaramos. Ela sorri agradecida e
vou até o rapaz sentado no sofá.
— Aqui, senhor. — Ofereço o copo de água e ele levanta sua cabeça
em minha direção. Nossos olhos se encontram e algo dentro de mim se
aquece, como um cobertor no frio de zero grau.
Ele pega o copo da minha mão, nossos dedos se tocam brevemente e
foi o suficiente para que eu imaginasse essa mão na minha, forte e cuidadosa.
Ele olha para Júlia, bebe todo o copo e se levanta com determinação.
— Eu gostaria de poder conversar mais, se você permitir. — Ele
estende o copo em minha direção e agradece de forma silenciosa. Sua atenção
era toda de Júlia.
— Tudo bem, sim, claro — ela responde no automático e respira fundo.
— Vou trazer a ficha do seu pai, aguarde só um momento. — Júlia sai da sala,
quase correndo e franzo a testa para esse visitante, que deve conhecer algum
paciente.
— Você é parente de algum paciente? — pergunto, sigo até a mesa de
canto e devolvo o copo na bandeja.
— Sim, meu pai esteve nessa clínica duas vezes no ano passado e
desta vez, não estou conseguindo que ele venha por vontade própria. Então,
preciso de alguns documentos para entregar ao advogado, para interditá-lo e
interná-lo contra sua vontade. — O cansaço e a frustração são evidentes em
seu tom.
— Entendo. — Aproximo-me dele e nos encaramos por um momento.
— Muito prazer, sou Isabel, psicóloga voluntária da clínica. Quem é seu pai?
Talvez o conheça e possa ajudar. — Estendo minha mão e ele a pega. Sua
palma na minha e, seu olhar intenso no meu me deixa tímida, como nunca
antes fiquei. Abaixo meu olhar, solto minha mão da sua e dou um passo para
trás, receosa da aproximação e dessa reação que nunca antes senti.
Não sei o que está acontecendo comigo e essa sensação estranha faz
com que meu coração comece a bater forte.
— Guilherme Pontes, 54 anos, alcoólatra e usuário de crack — ele diz
com vergonha e pesar. Minha mente começa a trabalhar, imaginando o que
esse homem e esse pai já passaram.
Júlia volta para a sala recomposta, com o seu sorriso simpático no
rosto e um envelope branco nas mãos.
— Pronto, Luís. Espero que dê tudo certo e estaremos aqui para
recebê-lo com muito amor e dedicação — ela diz, entrega o envelope, faz o
discurso padrão para os parentes e dá um passo para trás, me olha com
súplica. — Isabel, você poderia acompanhá-lo até a saída?
— Claro. Por favor, me acompanhe. — Sigo na frente de Luís e sinto
seus olhos na minha nuca. Assim que chegamos à porta de saída da clínica,
abro-a e me despeço. — Até breve. — Luís sai, se despedindo de mim apenas
com o olhar.
— Nossa, doutora, o cara é lindo — Joana sussurra e olho para ela
com o cenho franzido para repreensão de brincadeira. Ela se ajeita em sua
cadeira e fica acanhada.
Aproximo-me dela e falo em seu ouvido:
— Bonito e esconde muitos segredos, Joana. — Pisco um olho para
ela e volto para a sala, em busca de Júlia e algumas explicações.
Ela está sentada no sofá, olhos fechados e cabeça apoiada no
encosto.
— Júlia, quer conversar sobre isso? — pergunto, com meu tom
profissional.
— Lembra-se do rapaz que dei minha virgindade e então, engravidei?
— Ela eleva sua cabeça e abre seus olhos para mim. A dor e a desolação que
vejo neles é assustadora. — Então, é Luís, o filho do nosso paciente
Guilherme.
Saio da clínica que meu pai frequentou em suas duas últimas recaídas
mais devastado do que entrei.
Depois que minha mãe tentou me matar e fugiu, há dez anos, nunca
mais soube dela e nunca pensei em procurá-la. Estar com um pai irresponsável
e alcoólatra, com dezesseis anos, se mostrou muito melhor do que imaginei.
Eu consegui tudo o que queria, ser um pegador e então, cabulei dois anos de
colégio.
A decadência e falta de dinheiro, depois de toda a diversão, não foi tão
atraente. O choque de realidade quando meus amigos se formaram, entraram
na faculdade e me excluíram de suas vidas por eu ser um bêbado chato, fiquei
consciente da minha situação e pedi ajuda para o dono do bar que fornecia
todas as nossas bebidas e comidas.
Ele me encaminhou para os Alcoólicos Anônimos e tive a grande sorte
de ser apadrinhado por Jorge, um homem humilde, mas que conseguiu
enriquecer com seu restaurante vegetariano. Ele tirou a bebida e os animais do
seu cardápio e tentou fazer o mesmo comigo, porém, só teve sucesso com o
álcool. Ele também me apresentou a natação, que me ajudou na abstinência
com a bebida.
Voltei a estudar, terminei o ensino médio e fui aprovado em educação
física em uma universidade pública. Formei e durante todo esse tempo, estive
trabalhando com meu padrinho Jorge, juntando dinheiro e buscando meu
sonho de abrir uma academia.
Durante esse tempo, meu pai perdeu o emprego, o carro e a casa.
Enquanto estávamos aproveitando a vida com bebidas e mulheres, na nossa
própria casa, acabamos por nos falir. Disso tudo, como o grande louco que
meu pai era, ele me deu metade do dinheiro da venda da casa e a outra
metade, gastou com bebidas. A minha sorte foi que eu consegui não gastar
tudo e com isso, consegui me manter em uma quitinete até que a academia
abrisse. Então, fui morar dentro dela.
Enquanto crescia e expandia meu empreendimento, consegui construir
um cômodo para mim, anexo a ela. Era um quarto-sala-cozinha e um banheiro,
pouco maior que minha quitinete. Eu não precisava de nada além disso, porque
meu foco eram as endorfinas que a atividade física me proporcionava,
principalmente a natação.
Até o primeiro ano da minha academia, me mantive recatado e
consciente. As mulheres que frequentavam as esteiras, bicicletas e aulas de
zumba faziam apostas para ver quem eu pegaria. Eu me permitia paquerar
apenas desconhecidas e que não me conhecessem.
Depois de um tempo sem sucesso da parte delas, o boato era que eu
era gay e os homens começaram a fazer suas investidas. Eu era bonito, estava
com um porte atlético invejável, não aguentei a pressão e acabei levando para
a minha cama uma muito disposta aluna, Silvana. Ela era linda, gostosa e me
deixou usá-la por muitas noites, até se cansar, abandonar minha academia e a
mim. No final, quem usou alguém foi ela.
Não me importei, apesar de sentir falta de transar quase todas as
noites.
Então, enquanto eu crescia na vida, meu pai estava largado por algum
lugar nesse mundo. A primeira vez que me encontraram, foi há três anos,
quando ele foi internado por algum acidente de carro e encontraram seus
documentos, com isso, me acharam.
Não tive notícias dele por sete anos e encontrá-lo depois de tanto
tempo me fez sentir péssimo. Ele não era exemplo de pai, mas era a única
família que eu tinha, já que minha mãe desapareceu de nossas vidas.
Eu comecei sustentando ele em uma pensão, depois precisei interná-
lo, mas ele fugia e quando seu dinheiro acabava, me encontrava e o ciclo
continuava, até que encontrei uma ótima clínica, que conseguiu segurá-lo até
estar completamente bem, há um ano. Até então, ele se internava por vontade
própria.
Ele melhorou, mas teve recaídas, porque não queria participar dos
grupos de aconselhamento e não aceitava um padrinho.
Depois das duas últimas vezes, eu estava de saco cheio e com pouco
dinheiro para gastar com ele e suas superficialidades. Ele me procurou e eu
queria interná-lo, mas ele se recusou e estava me assediando. Não podia
interná-lo à força, então, consultei um advogado e decidi interditá-lo, uma forma
de torná-lo irresponsável pelos seus atos.
Fui para a clínica que ele esteve das últimas vezes, ela era bem-
conceituada e conseguiu fazer com que meu pai ficasse mais de um mês
sóbrio depois de sair dela. Percebi que eu precisarei ficar no pé dele quando
terminar seu tratamento, porque as recaídas são rotina e a única coisa que não
fiz de diferente, foi colocá-lo dentro de casa e participar com afinco na sua
recuperação.
Eu não queria dividir a mesma casa com o meu pai. Ele me deu
ilusórios bons momentos e quase me afundei com ele. Eu tinha medo de não
ser forte o suficiente e estar em contato diário com meu padrinho, cuidando da
minha academia e fazendo meu nado noturno, antes de dormir, me fazia sentir
bem e equilibrado. Ter meu pai ao meu lado ameaçava a vida que conquistei.
Na clínica que meu pai frequentou, falei apenas com um assistente
administrativo, não interessado em procedimentos e inclusão social. Eu só
queria despachá-lo e seguir com minha vida.
Então, qual não foi minha surpresa quando a recepcionista me
apresentou uma das psicólogas do local. Júlia, aquela menina que eu tirei a
virgindade e me afastei como o gato fugia da água. Eu nunca soube dela
depois que a dispensei, porque não frequentei mais a escola, ignorei meu
celular e meus amigos de colégio.
Lembrando exatamente do que aconteceu no dia que fiquei com Júlia,
me envergonho das minhas ações. Eu havia esquecido o que aconteceu entre
nós, mas ao vê-la bem, bonita e sorrindo, me fez lembrar tudo o que eu poderia
ter e menosprezei. Meus pensamentos e ambições, naquela época, eram
mesquinhos e fúteis. O que fiz foi imperdoável e antes que ela desvanecesse
seu sorriso ao me reconhecer, queria não ter marcado a vida dela para sempre.
— Luís? O que você está fazendo aqui? — ela pergunta cautelosa
assim que entro na sua sala.
— Sim, sou eu, Júlia. — Mesmo envergonhado, olho em seus olhos em
busca de um perdão que não mereço. — Vim em busca de documentos do
meu pai. Ele foi internado aqui duas vezes e novamente teve uma recaída, mas
desta vez, não quer ser internado voluntariamente. Preciso de documentos que
comprovem seu vício para fazer uma interdição.
Pensando melhor, acho que meu perdão veio com o meu pai. Com ele
na minha casa, eu nunca mais transaria. Também, depois do que fiz a essa
garota, agora mulher, não deveria conseguir transar nunca mais.
— Seu pai é... — ela parece encabulada e confusa.
— Guilherme Pontes, ele é um dependente e sou o único parente vivo
— digo muito mais com meu olhar: ele é o meu fardo por ter feito tanto mal a
você.
— Ah sim, senhor Guilherme. — Reconhece quem é e aponta um sofá
para me sentar. — Por favor, sente-se.
— Eu queria os documentos de internação, o advogado precisa para a
interdição e então, a internação compulsória. — Sento-me no sofá e encaro os
olhos azuis que uma vez esqueci.
Como eu esqueci o mal que fiz a essa garota? Bem que dizem, quem
bate não lembra e quem apanha nunca esquece. Um peso monstruoso pairou
em meus ombros e um pedido de desculpas começou a se formar nos meus
lábios.
— Tudo bem, os arquivos estão no almoxarifado, já volto. — Ela se
levantou, estava sentada em uma cadeira na minha frente. Segurei sua mão e
evitei que se levantasse.
— Eu me lembro — digo com pesar. — Eu te fiz tanto mal e queria me
desculpar. Não mudará nada, você parece feliz e bem-sucedida, mas agora
que lembrei o que fiz, o quanto fui um babaca em te dispensar depois do que
aconteceu entre nós, eu queria me desculpar. — Aperto sua mão e ela me olha
com cautela. — Me perdoa, de coração. Se servir de consolo, eu perdi dois
anos da minha vida para o álcool, como meu pai e agora, eu tenho ele como
fardo.
— Não me consola. — Ela retira minha mão da sua e continua sentada.
Recebo essas palavras como um banho gelado, porque eu afetei a vida dessa
mulher mais do que imaginei e isso me incomoda. Muito. — Olha, eu já superei
o que aconteceu entre nós. Éramos adolescentes, irresponsáveis e
sonhadores. — Ela olha para suas mãos, que estão no seu colo. — Sobre
perdoar, eu ainda estou tentando. É difícil aceitar as desculpas de alguém,
quando o resultado de suas ações resultou em uma criança em um orfanato.
Arregalo os olhos e empalideço. Uma criança, em um orfanato.
Nós tínhamos transado sem camisinha. Ela engravidou. Eu tinha receio
que acontecesse isso na época, mas ocupei minha cabeça e dias para não
pensar sobre isso.
Céus, como isso aconteceu? Como eu permiti que isso acontecesse?
Abro e fecho minha boca, sem saber o que falar. Os olhos marejados
de Júlia terminam de esmagar um coração que achei que tinha sido recuperado
pelo vício no álcool. Passo minhas mãos pelos cabelos e aprecio o silêncio
entre nós. Tenho muitas perguntas e estou morrendo de medo das respostas.
Eu preciso saber delas e não estou preparado.
— Luís, como eu disse, éramos jovens. Como estou fazendo, tente
superar, até porque, o que poderíamos fazer, duas crianças que não se
amavam cuidando de outra criança inocente. — Ela tenta não colocar emoção
em suas palavras, mas percebo que esse fardo que carregou, sozinha, a
atormenta.
— Eu nem posso dizer que, se eu soubesse na época, algo mudaria
em mim e nós ficaríamos juntos. Não quero justificar meus atos, mas depois da
última vez que nos encontramos, no intervalo do colégio, cheguei em casa,
meu pai quase matou minha mãe, depois ela tentou me matar e então, fugiu. —
Suspiro e tento controlar a onda de emoção que ameaça quebrar em mim. —
Quando precisamos vender a casa, encontrei exames dela que a
diagnosticavam com esquizofrenia e meu pai, em vez de ajudá-la, decidiu
começar a beber e a atormentá-la.
— Tudo bem... — ela sussurra e vejo uma lágrima escorrer de seu
olho. Droga de mente vazia de adolescente que eu tive.
— Não está tudo bem e gostaria de mudar isso. Você é a psicóloga,
sugira o que eu preciso fazer para remediar meus atos do passado. Eu estou
disposto a tudo... — digo um pouco animado demais. Eu queria resolver isso e
achava que, com ela sendo psicóloga, facilitaria.
— Primeiro, crie uma máquina do tempo, me convença a não dormir
com você ou então, se convença a usar camisinha. Uma primeira vez ruim é
fácil de superar, mas não a doação de um filho — diz com raiva e isso apenas
massacra meu coração.
Olho para meus sapatos e não me importo com o novo visitante na
sala, até que uma mão me oferece um copo de água e olho para a mulher mais
triste que já conheci. Júlia pareceu triste e rancorosa, mas apenas quando me
reconheceu. Essa mulher, mesmo com seu sorriso simpático, seus olhos me
mostravam sua alma e nela, existia apenas sofrimento e tristeza.
Será que era apenas minha própria alma refletida em seus olhos?
Seu cabelo curto, suas roupas largas e postura assertiva me fazia
pensar em uma contradição. Parecia até que ela se vestia assim de propósito,
para não parecer tão bonita quanto era.
Sua beleza estava camuflada, mas eu vi e tentei controlar minha
vontade de tocá-la e sentir qualquer coisa, porque eu era um homem, ou
melhor, era um pai e não merecia nenhum afeto ou consideração.
Não pressiono Júlia para continuarmos nossa conversa, apesar de
pedir que a continuemos em outro momento. Eu quero remediar o que fiz a ela
e essa criança que nunca conheci. Respiro aliviado quando a outra psicóloga,
Isabel, a auxilia.
Troco algumas palavras com Isabel, falo sobre meu pai e vou embora,
com os documentos para a interdição na mão, metade do meu coração
faltando, a outra metade esmagada e o peso do mundo nos meus ombros.
Saio de lá em minha moto e sigo direto para o restaurante do meu
padrinho. Se eu não me controlar, não pedir ajuda agora que consigo identificar
os sinais, me afundarei no álcool como há dez anos.
Termino o expediente na clínica, troco minha blusa por uma cinza e
sigo para um dos abrigos que voluntario. Eu tenho quatro deles na minha lista,
mesma gerência e costumo ajudá-los no período noturno, pois é quando existe
mais limpeza a se fazer e mais conversa de apoio para ter com os abrigados.
Era nesse momento que meu lado assistente social entrava em ação.
Às vezes, eu pedia dinheiro para os meus pais, para comprar alimentos
e um pouco de roupa. Outras vezes, eu saía de casa em casa buscando
doações.
Todos os dias da semana eu procurava me ocupar, transformei meus
horários de lazer em voluntariado. Uma vez por ano, eu ficava reclusa por duas
semanas dentro do meu pequeno apartamento, lia, bebia e assistia filmes.
Seria um tipo de férias forçadas, porque fiquei dois anos nessa rotina e quase
enlouqueci. Eu não poderia me dar ao luxo de ficar incapacitada para ajudar as
pessoas.
Ando quase dois quilômetros até o abrigo. O clima está agradável e o
sol já se pôs. O bairro não é muito agradável e já fui abordada várias vezes por
homens querendo me assaltar ou coisa pior. Porém, assim que eles me
reconhecem, me deixam em paz. Eu ajudava a comunidade e o mínimo que
poderiam fazer por mim era não me prejudicar.
Subo dois degraus para atravessar a porta aberta do abrigo. A
recepção está cheia de pessoas da rua, buscando pelo menos um local no sofá
para se acomodar e dormir. Uma pequena televisão está no alto, transmitindo a
novela.
Cumprimento todos no local, a maioria adultos. Um por um, ofereço
minha mão e pergunto como estão, o que precisavam para hoje. A maioria
pede comida, outros choram pela vida difícil que estão tendo. Escuto um a um,
sem me incomodar com sua aparência ou cheiro. Esse era o meu papel, o que
eu precisava fazer para tentar alguma absolvição no final da minha vida.
Depois de quase duas horas em torno deles, o cheiro dos alimentos
cozidos começarem a pairar no recinto. Sigo para o refeitório, onde pessoas já
estão jantando e outras se servindo.
Vou até o balcão, coloco minha bolsa debaixo dele e pego um avental.
— Boa noite, Jonas, Aline — cumprimento outros dois voluntários,
praticamente com a mesma idade que eu. Eles não pareciam felizes, na
verdade, eles nunca pareciam. Serviam as bandejas de forma automática e
sem emoção. Era o padrão deles, faziam isso por obrigação.
— Alguém fez a maior bagunça no banheiro dos homens — Jonas
anuncia, não reparando na careta que o homem com a bandeja de comida fez
quando ele o serviu. Eu segui até a pia que ficava atrás de nós e lavei minhas
mãos, ainda atenta ao que o voluntário dizia. — Seu João tentou limpar, mas a
merda está até no teto.
Faço uma careta interna, imaginando o que poderia ter acontecido.
Alguém passou mal, houve uma briga e tudo ficou pior. Seu João era um
senhor de idade que ajudava na limpeza do abrigo. Ele frequentou o local e
quis mudar de vida, então, o governo paga seu salário como serviços gerais.
— Será que ele precisará de ajuda? — Enxugo minha mão e assumo o
local onde entregava um copo com suco.
— Sim, ele precisa e não serei eu a ajudá-lo — Jonas resmunga e
continua servindo a contragosto.
Talvez, estar em um barzinho e rindo com os amigos seria a melhor
opção para ele, mas estava aqui, a pedido dos pais ou mesmo como uma
experiência social. Os voluntários não ficavam por muito tempo e os dois, já
faria um mês. Com certeza iriam embora em poucos dias.
— Vou ajudar um pouco aqui, então, auxiliarei João. Não se preocupe,
Jonas. — Sorrio de forma engessada e vejo-o resmungando baixo.
Se eu não tivesse minha própria penitência para pagar, eu com certeza
estaria fazendo como Jonas, ou pior, estaria humilhando todos aqui, por causa
de seus cheiros, cabelos e falta de dentes.
Quase antes da meia-noite, eu termino a limpeza dos banheiros junto
com Seu João. Ele era calado e não reclamava, porém, quando não queria
fazer algo, ele não fazia e pronto. Limpar esse banheiro era uma dessas, mas o
convenci a me ajudar. O cheiro da água sanitária ardeu em meu nariz e
manchou minha calça jeans.
Não me importei, porque essa era eu, quanto mais massacrada, mais
achava que estava sendo absolvida. Eu achava que era minha sina fazer
coisas que não me agradavam.
Vou para minha casa, nem um pouco incomodada com a distância e
com o vazio das ruas. Aproveito esse momento para escutar um pouco de
música e tentar relaxar. Coloco os fones de ouvido, encaixo no meu celular e
aperto o botão para começar a tocar minha lista de músicas.
Até o fim, da banda Engenheiro do Havaí começa a tocar e eu canto
baixo junto com a música. O tempo e a distância passaram que eu nem
percebi. Olho para os lados, procurando algum desabrigado ou dependente,
mas as ruas estão desertas.
Todo mundo quer cuidar de mim, da cantora Brava começa a tocar no
mesmo momento que sou abordada por um homem enlouquecido.
— Dinheiro, eu preciso de dinheiro. — Acelerado, seu corpo está
completamente agitado, não há nenhuma parte dele que não está se
movimentando ou tremendo.
Não é a primeira vez que fui abordada dessa forma e nem seria a
última. Verifico de forma rápida se o homem está armado, para saber como
proceder. Normalmente, os armados não aceitam conversar e é melhor
entregar tudo a eles. Os desarmados são os desesperados, que conseguem
tudo no susto e no impulso, mas eu estava preparada para eles, eu estava
pronta para conversar e aconselhar.
— Tudo bem, senhor, eu vou te ajudar. — Tiro meus fones, abro minha
bolsa e vejo sua mão tentando tirá-la de mim. — Eu tenho uma barra de cereal
para o senhor, não precisa se apressar.
— Eu quero dinheiro! — diz enérgico. Ele me empurra e eu me
equilibro para não cair. Tenho conhecimento de defesa pessoal, mas uso
apenas em último caso. Eu sempre tento ajudá-los.
— Eu tenho apenas alguns trocados, para o passe do ônibus. Coma
alguma coisa, vai lhe fazer bem. — Consigo segurar minha bolsa e tirar de
dentro a barra de cereal. Ele começa a me chacoalhar, desesperado. Ele deve
estar em abstinência e sendo assim, é mais perigoso do que sob o efeito do
entorpecente.
— Me dá dinheiro, sua vadia, senão te mato! — Ele consegue me
derrubar, mas eu não solto a bolsa do meu aperto. Ele avança em cima de mim
e eu o chuto entre suas pernas, de leve, apenas para que eu consiga falar com
ele. — Filha da puta! — Ajoelha e se encolhe no chão.
— Me perdoe por isso, mas não havia outro meio, senhor. Eu quero
ajudá-lo. Que droga você precisa? Eu posso ajudá-lo com isso e também
posso auxiliá-lo a se livrar disso. Não deixe que ela te domine. — Aproximo-me
dele devagar, agachada e falo o mais suave que consigo.
— Eu não sou viciado! — ele grita e pula em cima de mim. Eu caio de
costas no chão e bato minha cabeça. Ele começa a me apalpar, procurando
dinheiro ou tentando se satisfazer. Meu coração congela com essa
constatação.
— Por favor, deixe-me ajudá-lo. Assim eu não... — minhas palavras
morrem quando ele coloca a mão dentro da minha calça e eu endureço meu
corpo em uma tentativa de me defender.
Cheguei ao meu limite, eu não iria conseguir ajudá-lo. Respiro fundo,
levanto o meu quadril para tirá-lo de cima de mim e então, coloco meu joelho
com força em sua virilha, arrancando um grito estridente dele. Saio correndo,
esqueço a direção da minha casa e procuro abrigo em qualquer
estabelecimento que estivesse aberto. Minha bolsa ainda estava em minhas
mãos.
— Eu vou te matar! — o homem grita atrás de mim e o medo preenche
minhas veias.
Duas, três quadras, ele ainda está atrás de mim e eu ainda estou
correndo o máximo que consigo. Não acredito que ele não desistiu e isso
apenas faz com que meu temor aumente ainda mais.
Começo a bater nas portas, em busca de alguma aberta e não
desacelero. Na próxima esquina, quando bato em uma porta de vidro, ela se
abre e eu apenas entro e continuo correndo, sem olhar para os lados. Pulo
roletas, uma mureta e então, dou de cara com uma enorme piscina. Assustada,
eu paro minha corrida e vejo um homem parando seu nado para me olhar. Está
escuro, não consigo ver sua fisionomia e mesmo que conseguisse, o meu
perseguidor grita, pula em cima de mim e nos joga dentro da piscina.
Ele não me deixa nadar, eu estava sem fôlego e o homem que tentei
ajudar estava me segurando debaixo da água. Ele realmente queria me matar.
Estou desesperada, esperneando, mas parecia que nada resolvia. Fui ficando
sem ar e minhas vistas começaram a embaçar.
Então, era assim que eu iria terminar?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O amigo espiritual
O amigo espiritualO amigo espiritual
O amigo espiritualHelio Cruz
 
O amigo espiritual
O amigo espiritualO amigo espiritual
O amigo espiritualHelio Cruz
 
Sobre o preconceito
Sobre o preconceitoSobre o preconceito
Sobre o preconceitoHelio Cruz
 
Trecho de uma vida sem limites
Trecho de uma vida sem limitesTrecho de uma vida sem limites
Trecho de uma vida sem limitesAna Barreto
 
Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)Alice Lirio
 
TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares
TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares
TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares Prii Paschoalini
 
Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.
Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.
Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.Igor Tibuski
 
Uso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovasculares
Uso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovascularesUso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovasculares
Uso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovascularesTCC_FARMACIA_FEF
 
Igor cristiano de lima tibuski
Igor cristiano de lima tibuskiIgor cristiano de lima tibuski
Igor cristiano de lima tibuskiIgor Tibuski
 
Dedicado ao professor Filipe
Dedicado ao professor FilipeDedicado ao professor Filipe
Dedicado ao professor Filipeguestd03f7af
 

Mais procurados (17)

Aula M1 (19/01/12) - Chico Xavier
Aula M1 (19/01/12) - Chico XavierAula M1 (19/01/12) - Chico Xavier
Aula M1 (19/01/12) - Chico Xavier
 
Uma Comunicação
Uma ComunicaçãoUma Comunicação
Uma Comunicação
 
Juventude de João Bosco
Juventude de João BoscoJuventude de João Bosco
Juventude de João Bosco
 
O amigo espiritual
O amigo espiritualO amigo espiritual
O amigo espiritual
 
O amigo espiritual
O amigo espiritualO amigo espiritual
O amigo espiritual
 
Sobre o preconceito
Sobre o preconceitoSobre o preconceito
Sobre o preconceito
 
Carta de gratidão
Carta de gratidãoCarta de gratidão
Carta de gratidão
 
Trecho de uma vida sem limites
Trecho de uma vida sem limitesTrecho de uma vida sem limites
Trecho de uma vida sem limites
 
Pago meus impostos
Pago meus impostosPago meus impostos
Pago meus impostos
 
Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)
 
TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares
TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares
TCC - Uso do AAS nas doenças cardiovasculares
 
Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.
Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.
Palestra / Testemunho / Projeto Voluntário de Sorrisos.
 
Uso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovasculares
Uso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovascularesUso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovasculares
Uso do ácido acetilsalicílico na prevenção de doenças cardiovasculares
 
Igor cristiano de lima tibuski
Igor cristiano de lima tibuskiIgor cristiano de lima tibuski
Igor cristiano de lima tibuski
 
O que é casa do alcoolatra
O que é casa do alcoolatraO que é casa do alcoolatra
O que é casa do alcoolatra
 
Dedicado ao professor Filipe
Dedicado ao professor FilipeDedicado ao professor Filipe
Dedicado ao professor Filipe
 
( Espiritismo) # - a d e p - o caso de celso
( Espiritismo)   # - a d e p - o caso de celso( Espiritismo)   # - a d e p - o caso de celso
( Espiritismo) # - a d e p - o caso de celso
 

Semelhante a Superando com Amor (Degustação)

Quando a depressao_ataca
Quando a depressao_atacaQuando a depressao_ataca
Quando a depressao_atacaGLAUCIA CASTRO
 
A arte de ver e ouvir
A arte de ver e ouvirA arte de ver e ouvir
A arte de ver e ouvirLuiz Neto
 
Homossexualidade um engano em minha vida
Homossexualidade um engano em minha vidaHomossexualidade um engano em minha vida
Homossexualidade um engano em minha vidawww.osEXgays.com
 
Carta aberta aos_jovens
Carta aberta aos_jovensCarta aberta aos_jovens
Carta aberta aos_jovensRodrigo Soares
 
A Mais Linda Definição de Saudade
A Mais Linda Definição de SaudadeA Mais Linda Definição de Saudade
A Mais Linda Definição de SaudadeForumBBB
 
Socorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexoSocorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexoguest0e4b361
 
Socorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexoSocorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexoguest0e4b361
 
Minha mãe - Da montnha 21-08-2016
Minha mãe - Da montnha  21-08-2016 Minha mãe - Da montnha  21-08-2016
Minha mãe - Da montnha 21-08-2016 Jardinera Msf
 
Palestra Super Ação e Projeto Voluntário de Sorrisos
Palestra Super Ação e Projeto Voluntário de SorrisosPalestra Super Ação e Projeto Voluntário de Sorrisos
Palestra Super Ação e Projeto Voluntário de SorrisosIgor Tibuski
 
perfil_natalia_queiros
perfil_natalia_queirosperfil_natalia_queiros
perfil_natalia_queirosMaria_Papoila
 
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrcTestemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrcSandra Figueiredo
 
Boletim informativo mai2014
Boletim informativo mai2014Boletim informativo mai2014
Boletim informativo mai2014fespiritacrista
 
Dra. Rosa Célia x Adriane Galisteu
Dra. Rosa Célia x Adriane GalisteuDra. Rosa Célia x Adriane Galisteu
Dra. Rosa Célia x Adriane GalisteuCesar Fuentes
 
Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)
Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)
Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)Adenilda Santos
 
16810620 Espiritismo Poesias E Historias Infantis
16810620 Espiritismo Poesias E Historias Infantis16810620 Espiritismo Poesias E Historias Infantis
16810620 Espiritismo Poesias E Historias InfantisAna Cristina Freitas
 

Semelhante a Superando com Amor (Degustação) (20)

Quando a depressao_ataca
Quando a depressao_atacaQuando a depressao_ataca
Quando a depressao_ataca
 
A arte de ver e ouvir
A arte de ver e ouvirA arte de ver e ouvir
A arte de ver e ouvir
 
Homossexualidade um engano em minha vida
Homossexualidade um engano em minha vidaHomossexualidade um engano em minha vida
Homossexualidade um engano em minha vida
 
Carta aberta aos_jovens
Carta aberta aos_jovensCarta aberta aos_jovens
Carta aberta aos_jovens
 
A Mais Linda Definição de Saudade
A Mais Linda Definição de SaudadeA Mais Linda Definição de Saudade
A Mais Linda Definição de Saudade
 
Saudade
SaudadeSaudade
Saudade
 
Socorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexoSocorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexo
 
Socorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexoSocorro errraram o meu sexo
Socorro errraram o meu sexo
 
Amo pessoas
Amo pessoasAmo pessoas
Amo pessoas
 
Amo pessoas11111
Amo pessoas11111Amo pessoas11111
Amo pessoas11111
 
Minha mãe - Da montnha 21-08-2016
Minha mãe - Da montnha  21-08-2016 Minha mãe - Da montnha  21-08-2016
Minha mãe - Da montnha 21-08-2016
 
Palestra Super Ação e Projeto Voluntário de Sorrisos
Palestra Super Ação e Projeto Voluntário de SorrisosPalestra Super Ação e Projeto Voluntário de Sorrisos
Palestra Super Ação e Projeto Voluntário de Sorrisos
 
perfil_natalia_queiros
perfil_natalia_queirosperfil_natalia_queiros
perfil_natalia_queiros
 
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrcTestemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
 
À Espera
À EsperaÀ Espera
À Espera
 
Beijo Roubado ?
Beijo Roubado ?Beijo Roubado ?
Beijo Roubado ?
 
Boletim informativo mai2014
Boletim informativo mai2014Boletim informativo mai2014
Boletim informativo mai2014
 
Dra. Rosa Célia x Adriane Galisteu
Dra. Rosa Célia x Adriane GalisteuDra. Rosa Célia x Adriane Galisteu
Dra. Rosa Célia x Adriane Galisteu
 
Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)
Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)
Formula da Prosperidade (primeiros capítulos)
 
16810620 Espiritismo Poesias E Historias Infantis
16810620 Espiritismo Poesias E Historias Infantis16810620 Espiritismo Poesias E Historias Infantis
16810620 Espiritismo Poesias E Historias Infantis
 

Superando com Amor (Degustação)

  • 1.
  • 2. Hoodid 2017 Mari Sales Revisão: Cleidi Natal de Alcântara e Marta Fagundes. Capa: Mari Sales Todos os direitos reservados. Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, lugares e acontecimentos descritos são produtos da imaginação da autora. Qualquer semelhança com nomes, datas e acontecimentos reais é mera coincidência. Este livro segue as regras da Nova Ortografia da Língua Portuguesa. São proibidos o armazenamento e/ou a reprodução de qualquer parte dessa obra, através de quaisquer meios — tangível ou intangível — sem o consentimento por escrito da autora. ISBN: 978-85-923385-0-3
  • 3. Para os que acreditam no poder do perdão e nas segundas chances.
  • 4. No espelho, eu via apenas gordura e feiura. Eu era deprimente e um vazio esteve dentro de mim desde sempre. Não havia nada de belo em mim, apenas defeitos, imperfeições e indignidade. Estava cansada de fazer terapia, de tomar remédios e falar dos meus sentimentos. Eles diziam que eu estava doente, que meu comportamento estava errado, mas nada poderia refutar o que o espelho refletia. Eu não tinha conserto, era apenas uma aberração da natureza. Apesar de ver gorda, eu escutava no colégio que era muito magra. Eu não entendia de onde eles tiravam isso, talvez mais uma forma de me ridicularizarem. Sem vaidade, pele muito branca e sem peitos para serem admirados pelos meninos, sempre me senti um lixo de gente. Nos meus diários, sempre escrevia cartas de despedida. Parecia a escolha certa a fazer desde quando comecei a escrever neles. Eu pesquisava na internet sobre encerrar minhas atividades nesse mundo e as imagens e notícias que o sistema de busca me trazia de resultado eram inspiradores. Além disso, o site de pesquisa apontou o número 141. Ele ficou por muito tempo gravado na minha memória e não lembro o motivo de não ter discado ele. Talvez, as coisas poderiam ter sido diferentes. Em um momento de recaída, quando minha mãe se predispunha a sentar comigo, conversar e me enfeitar com elogios e carinho, me arrisquei a ir na festa do colégio. Não me importei com a maldade, não pensei que o pequeno momento de alegria poderia se tornar o gatilho para fazer algo que eu pensava, mas não tinha coragem de fazer.
  • 5. Meus pais eram os melhores, mas por algum motivo, deveria ter algum defeito de fabricação e por isso, eu precisava ser refeita. Só assim conseguiria me arrumar. Depois que o ato foi consumado, descobri que estava completamente errada. A ajuda especializada e a clínica não poderiam ter sido interrompidas como fiz, eles estavam me ajudando, eu estava melhorando. O número 141 era do Centro de Valorização da Vida e não deveria ter sido desconsiderado por mim. Meus pais me amavam e não deveriam arcar com a culpa que coloquei em seus ombros quando meu ato foi consumado. Na verdade, eu não deveria ter escutado as palavras maldosas dos meus colegas de colégio. E, já que era fraca demais, precisava abrir minha boca e pedir ajuda às pessoas que mais me amavam nesse mundo: meus pais. E, como na lei do retorno, da causa e efeito, eu receberia de retorno tudo o que desse aos outros da mesma forma que as pessoas do meu colégio receberiam tudo o que me causaram. “Quem semeia vento, colhe tempestades”.
  • 6. “O preço que se paga às vezes é alto demais. É alta madrugada, já é tarde demais. Pra pedir perdão... Pra fingir que não foi mal.” Engenheiros do Hawaii, O Preço.
  • 7. Entro na Igreja como faço todo ano. Eu cultivava esse hábito para lembrar o aniversário de morte de Lucirene e hoje, faria dez anos de sua morte. Descobri que seu nome era a junção do nome de suas duas avós, Lucia e Irene, mulheres de garra e que criaram seus filhos de forma independente, já que os maridos morreram antes do filho mais novo completar um ano. Coincidência, não? Apenas para me torturar, todo ano que me sento no banco dessa Igreja e peço perdão pelos meus pecados, relembro minha época do colégio, o quanto de futilidade que eu valorizava e quanto mal fiz para as pessoas ao meu redor. Cultivei o desprezo e incentivei o bullying, matei uma pessoa e para meu pecado não havia perdão. Mesmo sabendo que não seria absolvida no final da vida, quando eu fosse julgada pelas minhas ações aqui na Terra, decidi mudar minha postura a fim de reverter o que tinha feito. Eu não salvaria Lucirene, mas tentaria salvar outras pessoas. Mudei de escola, cortei cabelo o mais curto possível e abandonei a vaidade. Continuava bonita, mas não mais referência de beleza. Eu não queria ser mais o centro das atenções, isso alimentava o monstro da vaidade e o poder maquiavélico que habitava meu íntimo. Terminei o ensino médio e a universidade passando despercebida. Formei-me em psicologia e assistência social. O primeiro, porque queria estudar o comportamento humano e os fenômenos psíquicos, para servir como
  • 8. terapeuta; o segundo, porque queria promover o bem-estar coletivo e a integração do indivíduo na sociedade. Eu usaria o resto da minha vida em prol de ajudar os outros, e já não merecia mais atenção, nem de mim mesma. Minha mãe estranhou a minha mudança de postura, mas não criticou, porque eu continuava seguindo seus comandos quando dentro de casa. Ela queria saber a minha motivação para escolher um curso que possuía um padrão de remuneração tão baixo e teve que se contentar com “ajudar as pessoas me faz feliz”. Bem de vida como eram, meus pais permitiram que eu trabalhasse de forma voluntária em todos os abrigos e clínicas de reabilitação. Eles me pagavam um salário, uma mesada, que era apenas o suficiente para manter meu pequeno apartamento, carro e alimentação. Começaram a me ver como uma pessoa de bom coração e caridosa. Mal sabiam eles que tudo isso não se passava de peso na consciência. Eu não saía, não tinha amigos e não queria ter ambição. Minha vida se resumia na felicidade e recuperação dos meus pacientes e voluntariados. Minha colega de trabalho na clínica de reabilitação de dependentes químicos, Júlia, dizia que eu tinha síndrome de mártir. Estávamos sempre juntas e nos consultávamos, a fim de manter o protocolo das psicólogas. Nós tínhamos nossos carmas, mas diferente de mim, ela parecia ter se dado uma nova chance e era feliz com sua família. Eu não conseguia me dar uma chance, acreditava que não havia sofrido o suficiente para isso. Talvez, nunca conseguiria e por isso, seguiria a vida simples e de doação que decidi ter. Poderia parecer estranho que uma pessoa com tantos problemas como eu ajudava outras pessoas. Na verdade, era muito mais fácil ajudar os outros do que a mim mesma. Fecho meus olhos e faço minha oração.
  • 9. “Senhor Jesus, pelo sangue precioso que derramastes carregando vossa cruz, dignai-vos socorrer e livrar as almas do Purgatório, principalmente a que sofre pelos maus exemplos que lhe dei. Levai-a hoje para o céu, a fim de que, unida aos Anjos e à vossa Mãe Santíssima, ela vos bendiga para sempre. Amém.1” Desta vez, não só pela alma de Lucirene, mas pela alma de uma paciente, a dona Beatriz, que acabou cedendo à esquizofrenia e num descuido, ao atravessar a rua, foi atropelada por um ônibus. Ela era uma mulher muito perturbada e nunca sabíamos o que era a realidade e o que era sua mente pregando peças. Ela não aceitava o tratamento e vivia de abrigo em abrigo contando suas histórias sobre homens que tentavam matá-la com armas de caco de vidro. Levanto-me de onde estou e sigo para meu turno vespertino na clínica de dependentes químicos. Estou usando minha roupa habitual, calça jeans larga, uma blusa indicando que era voluntária e meus cabelos curtos. Sempre curtos, porque nada em mim teria indícios de vaidade. Eu prezava muito a minha beleza quando adolescente e ainda hoje me pego cobiçando maquiagens e penteados, mas essa era uma tortura que eu merecia e precisava. O único luxo que me permitia eram algumas pulseiras feitas e presenteadas pelos meus pacientes. Elas ficavam em meu pulso esquerdo e tinham um significado muito importante para mim. Tenho um carro, dado pelo meu pai, que utilizo apenas para ir à sua casa. No meu dia a dia, caminho ou uso transporte coletivo. A facilidade não me atraía. Caminho quase um quilômetro até chegar à clínica. Atravesso o estacionamento e abro a porta de vidro da recepção. — Boa tarde, Joana, tudo bem? — Chego sorridente e cumprimento a jovem recepcionista. Ela é simpática e atenciosa, mas muito fechada quando se trata de seus assuntos pessoais. Existe algo de muito ruim ou muito triste na 1 Orai sem cessar 2: A força de todo cristão, Áurea Cristina Assis Barreto, 3ª. Edição, Editora Santuário.
  • 10. sua vida e percebo que o trabalho é uma fuga. Não pressiono para informações ou sugerir soluções, apenas tento proporcionar o melhor ambiente possível para que ela se sinta bem. Joana tem dezoito anos e largou os estudos para ajudar com a renda da família. — Estou indo, Dra. Isabel e você? — ela responde como sempre, nunca está bem, apenas indo. Abro minha bolsa e tiro de dentro um bombom trufado. No dia anterior, a vi disfarçando o olhar quando o parente de um de nossos pacientes trouxe uma caixa de bombons trufados. Joana era humilde e todo o salário que recebia, entregava para os pais, que bancavam mais outros quatro irmãos. Entrego o presente a ela, que abre um grande sorriso, um que nunca vi. — Passei na frente da loja de chocolate e não resisti. Experimenta! — Estimulo e ela prontamente faz o que sugiro. Desembrulha o bombom como se fosse uma joia rara e então, dá a primeira mordida, pequena, como se tivesse medo de acabar com essa preciosidade. — Hum, delicioso. — Aprecia a menina. — Então coma tudo! — Sorrio, encorajando-a. — Vou guardar para depois, comerei aos poucos. — Ela ameaça fechar o bombom quando pego outro dentro da minha bolsa. — Esse você come agora. — Indico o que está na sua mão. — Esse aqui, você pode deixar para depois. — Mostro o outro na minha mão. Seus olhos se arregalam de um jeito que me faz querer comprar a loja inteira. Essa é a minha recompensa, o que preciso para seguir em frente. — Eles devem ser caros, você não deveria... — ela fica sem graça. Poucos sabem que meus pais eram ricos e que isso não faria falta a mim e a eles.
  • 11. — Bobagem, coma esse logo, senão não lhe darei o outro. — Ameaço colocá-lo na minha bolsa e ela rapidamente coloca todo o primeiro bombom na boca. Ela se levanta e me dá um abraço de urso. — Obrigada! Eu nunca comi um desses — diz e se afasta, envergonhada por revelar algo tão pessoal quanto isso. — Se você continuar tratando meus pacientes com tanto amor e carinho, talvez eu compre uma caixa e então, você pode compartilhar em casa. — Tento descontrair, mas ao mencionar sua casa, ela murcha sua alegria e apenas concorda com a cabeça, calada. Passo por ela e ando pelo corredor, colocando minha cabeça para dentro das salas abertas e proferindo boas-tardes para todos. Quem me vê feliz e prestativa não imagina que isso é apenas uma fachada para que as pessoas se sintam bem e não a minha verdadeira felicidade. No final do corredor, abro a porta da sala, que é a mesma que divido com Júlia e me surpreendo por encontrá-la ocupada por ela e um homem. Ele é bonito, apesar de não conseguir ver seu rosto por completo, já que está olhando para o chão. Seus ombros são largos e estão salientados pela camiseta de manga curta, braços torneados e, sua postura curvada indica que a conversa que estava acontecendo com Júlia não era agradável. Olho para Júlia e a vejo enxugar as lágrimas em seu rosto e controlar o choro. Ela levanta da cadeira quando percebe minha presença e vai até um canto da sala, onde temos uma mesa com copos e uma jarra de água. — Precisa de ajuda, Júlia? — pergunto, preocupada pelo estado da minha colega, mas sabendo que não devo ultrapassar o limite invisível de nossa não intimidade. — Não, está tudo bem, nós... — ela funga e serve dois copos de água com a mão trêmula. Sigo minha intuição e entro na sala, vou até minha colega e termino de servir a água por ela. Aperto sua mão e nos encaramos. Ela sorri agradecida e vou até o rapaz sentado no sofá.
  • 12. — Aqui, senhor. — Ofereço o copo de água e ele levanta sua cabeça em minha direção. Nossos olhos se encontram e algo dentro de mim se aquece, como um cobertor no frio de zero grau. Ele pega o copo da minha mão, nossos dedos se tocam brevemente e foi o suficiente para que eu imaginasse essa mão na minha, forte e cuidadosa. Ele olha para Júlia, bebe todo o copo e se levanta com determinação. — Eu gostaria de poder conversar mais, se você permitir. — Ele estende o copo em minha direção e agradece de forma silenciosa. Sua atenção era toda de Júlia. — Tudo bem, sim, claro — ela responde no automático e respira fundo. — Vou trazer a ficha do seu pai, aguarde só um momento. — Júlia sai da sala, quase correndo e franzo a testa para esse visitante, que deve conhecer algum paciente. — Você é parente de algum paciente? — pergunto, sigo até a mesa de canto e devolvo o copo na bandeja. — Sim, meu pai esteve nessa clínica duas vezes no ano passado e desta vez, não estou conseguindo que ele venha por vontade própria. Então, preciso de alguns documentos para entregar ao advogado, para interditá-lo e interná-lo contra sua vontade. — O cansaço e a frustração são evidentes em seu tom. — Entendo. — Aproximo-me dele e nos encaramos por um momento. — Muito prazer, sou Isabel, psicóloga voluntária da clínica. Quem é seu pai? Talvez o conheça e possa ajudar. — Estendo minha mão e ele a pega. Sua palma na minha e, seu olhar intenso no meu me deixa tímida, como nunca antes fiquei. Abaixo meu olhar, solto minha mão da sua e dou um passo para trás, receosa da aproximação e dessa reação que nunca antes senti. Não sei o que está acontecendo comigo e essa sensação estranha faz com que meu coração comece a bater forte. — Guilherme Pontes, 54 anos, alcoólatra e usuário de crack — ele diz com vergonha e pesar. Minha mente começa a trabalhar, imaginando o que esse homem e esse pai já passaram.
  • 13. Júlia volta para a sala recomposta, com o seu sorriso simpático no rosto e um envelope branco nas mãos. — Pronto, Luís. Espero que dê tudo certo e estaremos aqui para recebê-lo com muito amor e dedicação — ela diz, entrega o envelope, faz o discurso padrão para os parentes e dá um passo para trás, me olha com súplica. — Isabel, você poderia acompanhá-lo até a saída? — Claro. Por favor, me acompanhe. — Sigo na frente de Luís e sinto seus olhos na minha nuca. Assim que chegamos à porta de saída da clínica, abro-a e me despeço. — Até breve. — Luís sai, se despedindo de mim apenas com o olhar. — Nossa, doutora, o cara é lindo — Joana sussurra e olho para ela com o cenho franzido para repreensão de brincadeira. Ela se ajeita em sua cadeira e fica acanhada. Aproximo-me dela e falo em seu ouvido: — Bonito e esconde muitos segredos, Joana. — Pisco um olho para ela e volto para a sala, em busca de Júlia e algumas explicações. Ela está sentada no sofá, olhos fechados e cabeça apoiada no encosto. — Júlia, quer conversar sobre isso? — pergunto, com meu tom profissional. — Lembra-se do rapaz que dei minha virgindade e então, engravidei? — Ela eleva sua cabeça e abre seus olhos para mim. A dor e a desolação que vejo neles é assustadora. — Então, é Luís, o filho do nosso paciente Guilherme.
  • 14. Saio da clínica que meu pai frequentou em suas duas últimas recaídas mais devastado do que entrei. Depois que minha mãe tentou me matar e fugiu, há dez anos, nunca mais soube dela e nunca pensei em procurá-la. Estar com um pai irresponsável e alcoólatra, com dezesseis anos, se mostrou muito melhor do que imaginei. Eu consegui tudo o que queria, ser um pegador e então, cabulei dois anos de colégio. A decadência e falta de dinheiro, depois de toda a diversão, não foi tão atraente. O choque de realidade quando meus amigos se formaram, entraram na faculdade e me excluíram de suas vidas por eu ser um bêbado chato, fiquei consciente da minha situação e pedi ajuda para o dono do bar que fornecia todas as nossas bebidas e comidas. Ele me encaminhou para os Alcoólicos Anônimos e tive a grande sorte de ser apadrinhado por Jorge, um homem humilde, mas que conseguiu enriquecer com seu restaurante vegetariano. Ele tirou a bebida e os animais do seu cardápio e tentou fazer o mesmo comigo, porém, só teve sucesso com o álcool. Ele também me apresentou a natação, que me ajudou na abstinência com a bebida. Voltei a estudar, terminei o ensino médio e fui aprovado em educação física em uma universidade pública. Formei e durante todo esse tempo, estive trabalhando com meu padrinho Jorge, juntando dinheiro e buscando meu sonho de abrir uma academia.
  • 15. Durante esse tempo, meu pai perdeu o emprego, o carro e a casa. Enquanto estávamos aproveitando a vida com bebidas e mulheres, na nossa própria casa, acabamos por nos falir. Disso tudo, como o grande louco que meu pai era, ele me deu metade do dinheiro da venda da casa e a outra metade, gastou com bebidas. A minha sorte foi que eu consegui não gastar tudo e com isso, consegui me manter em uma quitinete até que a academia abrisse. Então, fui morar dentro dela. Enquanto crescia e expandia meu empreendimento, consegui construir um cômodo para mim, anexo a ela. Era um quarto-sala-cozinha e um banheiro, pouco maior que minha quitinete. Eu não precisava de nada além disso, porque meu foco eram as endorfinas que a atividade física me proporcionava, principalmente a natação. Até o primeiro ano da minha academia, me mantive recatado e consciente. As mulheres que frequentavam as esteiras, bicicletas e aulas de zumba faziam apostas para ver quem eu pegaria. Eu me permitia paquerar apenas desconhecidas e que não me conhecessem. Depois de um tempo sem sucesso da parte delas, o boato era que eu era gay e os homens começaram a fazer suas investidas. Eu era bonito, estava com um porte atlético invejável, não aguentei a pressão e acabei levando para a minha cama uma muito disposta aluna, Silvana. Ela era linda, gostosa e me deixou usá-la por muitas noites, até se cansar, abandonar minha academia e a mim. No final, quem usou alguém foi ela. Não me importei, apesar de sentir falta de transar quase todas as noites. Então, enquanto eu crescia na vida, meu pai estava largado por algum lugar nesse mundo. A primeira vez que me encontraram, foi há três anos, quando ele foi internado por algum acidente de carro e encontraram seus documentos, com isso, me acharam. Não tive notícias dele por sete anos e encontrá-lo depois de tanto tempo me fez sentir péssimo. Ele não era exemplo de pai, mas era a única família que eu tinha, já que minha mãe desapareceu de nossas vidas.
  • 16. Eu comecei sustentando ele em uma pensão, depois precisei interná- lo, mas ele fugia e quando seu dinheiro acabava, me encontrava e o ciclo continuava, até que encontrei uma ótima clínica, que conseguiu segurá-lo até estar completamente bem, há um ano. Até então, ele se internava por vontade própria. Ele melhorou, mas teve recaídas, porque não queria participar dos grupos de aconselhamento e não aceitava um padrinho. Depois das duas últimas vezes, eu estava de saco cheio e com pouco dinheiro para gastar com ele e suas superficialidades. Ele me procurou e eu queria interná-lo, mas ele se recusou e estava me assediando. Não podia interná-lo à força, então, consultei um advogado e decidi interditá-lo, uma forma de torná-lo irresponsável pelos seus atos. Fui para a clínica que ele esteve das últimas vezes, ela era bem- conceituada e conseguiu fazer com que meu pai ficasse mais de um mês sóbrio depois de sair dela. Percebi que eu precisarei ficar no pé dele quando terminar seu tratamento, porque as recaídas são rotina e a única coisa que não fiz de diferente, foi colocá-lo dentro de casa e participar com afinco na sua recuperação. Eu não queria dividir a mesma casa com o meu pai. Ele me deu ilusórios bons momentos e quase me afundei com ele. Eu tinha medo de não ser forte o suficiente e estar em contato diário com meu padrinho, cuidando da minha academia e fazendo meu nado noturno, antes de dormir, me fazia sentir bem e equilibrado. Ter meu pai ao meu lado ameaçava a vida que conquistei. Na clínica que meu pai frequentou, falei apenas com um assistente administrativo, não interessado em procedimentos e inclusão social. Eu só queria despachá-lo e seguir com minha vida. Então, qual não foi minha surpresa quando a recepcionista me apresentou uma das psicólogas do local. Júlia, aquela menina que eu tirei a virgindade e me afastei como o gato fugia da água. Eu nunca soube dela depois que a dispensei, porque não frequentei mais a escola, ignorei meu celular e meus amigos de colégio.
  • 17. Lembrando exatamente do que aconteceu no dia que fiquei com Júlia, me envergonho das minhas ações. Eu havia esquecido o que aconteceu entre nós, mas ao vê-la bem, bonita e sorrindo, me fez lembrar tudo o que eu poderia ter e menosprezei. Meus pensamentos e ambições, naquela época, eram mesquinhos e fúteis. O que fiz foi imperdoável e antes que ela desvanecesse seu sorriso ao me reconhecer, queria não ter marcado a vida dela para sempre. — Luís? O que você está fazendo aqui? — ela pergunta cautelosa assim que entro na sua sala. — Sim, sou eu, Júlia. — Mesmo envergonhado, olho em seus olhos em busca de um perdão que não mereço. — Vim em busca de documentos do meu pai. Ele foi internado aqui duas vezes e novamente teve uma recaída, mas desta vez, não quer ser internado voluntariamente. Preciso de documentos que comprovem seu vício para fazer uma interdição. Pensando melhor, acho que meu perdão veio com o meu pai. Com ele na minha casa, eu nunca mais transaria. Também, depois do que fiz a essa garota, agora mulher, não deveria conseguir transar nunca mais. — Seu pai é... — ela parece encabulada e confusa. — Guilherme Pontes, ele é um dependente e sou o único parente vivo — digo muito mais com meu olhar: ele é o meu fardo por ter feito tanto mal a você. — Ah sim, senhor Guilherme. — Reconhece quem é e aponta um sofá para me sentar. — Por favor, sente-se. — Eu queria os documentos de internação, o advogado precisa para a interdição e então, a internação compulsória. — Sento-me no sofá e encaro os olhos azuis que uma vez esqueci. Como eu esqueci o mal que fiz a essa garota? Bem que dizem, quem bate não lembra e quem apanha nunca esquece. Um peso monstruoso pairou em meus ombros e um pedido de desculpas começou a se formar nos meus lábios.
  • 18. — Tudo bem, os arquivos estão no almoxarifado, já volto. — Ela se levantou, estava sentada em uma cadeira na minha frente. Segurei sua mão e evitei que se levantasse. — Eu me lembro — digo com pesar. — Eu te fiz tanto mal e queria me desculpar. Não mudará nada, você parece feliz e bem-sucedida, mas agora que lembrei o que fiz, o quanto fui um babaca em te dispensar depois do que aconteceu entre nós, eu queria me desculpar. — Aperto sua mão e ela me olha com cautela. — Me perdoa, de coração. Se servir de consolo, eu perdi dois anos da minha vida para o álcool, como meu pai e agora, eu tenho ele como fardo. — Não me consola. — Ela retira minha mão da sua e continua sentada. Recebo essas palavras como um banho gelado, porque eu afetei a vida dessa mulher mais do que imaginei e isso me incomoda. Muito. — Olha, eu já superei o que aconteceu entre nós. Éramos adolescentes, irresponsáveis e sonhadores. — Ela olha para suas mãos, que estão no seu colo. — Sobre perdoar, eu ainda estou tentando. É difícil aceitar as desculpas de alguém, quando o resultado de suas ações resultou em uma criança em um orfanato. Arregalo os olhos e empalideço. Uma criança, em um orfanato. Nós tínhamos transado sem camisinha. Ela engravidou. Eu tinha receio que acontecesse isso na época, mas ocupei minha cabeça e dias para não pensar sobre isso. Céus, como isso aconteceu? Como eu permiti que isso acontecesse? Abro e fecho minha boca, sem saber o que falar. Os olhos marejados de Júlia terminam de esmagar um coração que achei que tinha sido recuperado pelo vício no álcool. Passo minhas mãos pelos cabelos e aprecio o silêncio entre nós. Tenho muitas perguntas e estou morrendo de medo das respostas. Eu preciso saber delas e não estou preparado. — Luís, como eu disse, éramos jovens. Como estou fazendo, tente superar, até porque, o que poderíamos fazer, duas crianças que não se amavam cuidando de outra criança inocente. — Ela tenta não colocar emoção
  • 19. em suas palavras, mas percebo que esse fardo que carregou, sozinha, a atormenta. — Eu nem posso dizer que, se eu soubesse na época, algo mudaria em mim e nós ficaríamos juntos. Não quero justificar meus atos, mas depois da última vez que nos encontramos, no intervalo do colégio, cheguei em casa, meu pai quase matou minha mãe, depois ela tentou me matar e então, fugiu. — Suspiro e tento controlar a onda de emoção que ameaça quebrar em mim. — Quando precisamos vender a casa, encontrei exames dela que a diagnosticavam com esquizofrenia e meu pai, em vez de ajudá-la, decidiu começar a beber e a atormentá-la. — Tudo bem... — ela sussurra e vejo uma lágrima escorrer de seu olho. Droga de mente vazia de adolescente que eu tive. — Não está tudo bem e gostaria de mudar isso. Você é a psicóloga, sugira o que eu preciso fazer para remediar meus atos do passado. Eu estou disposto a tudo... — digo um pouco animado demais. Eu queria resolver isso e achava que, com ela sendo psicóloga, facilitaria. — Primeiro, crie uma máquina do tempo, me convença a não dormir com você ou então, se convença a usar camisinha. Uma primeira vez ruim é fácil de superar, mas não a doação de um filho — diz com raiva e isso apenas massacra meu coração. Olho para meus sapatos e não me importo com o novo visitante na sala, até que uma mão me oferece um copo de água e olho para a mulher mais triste que já conheci. Júlia pareceu triste e rancorosa, mas apenas quando me reconheceu. Essa mulher, mesmo com seu sorriso simpático, seus olhos me mostravam sua alma e nela, existia apenas sofrimento e tristeza. Será que era apenas minha própria alma refletida em seus olhos? Seu cabelo curto, suas roupas largas e postura assertiva me fazia pensar em uma contradição. Parecia até que ela se vestia assim de propósito, para não parecer tão bonita quanto era.
  • 20. Sua beleza estava camuflada, mas eu vi e tentei controlar minha vontade de tocá-la e sentir qualquer coisa, porque eu era um homem, ou melhor, era um pai e não merecia nenhum afeto ou consideração. Não pressiono Júlia para continuarmos nossa conversa, apesar de pedir que a continuemos em outro momento. Eu quero remediar o que fiz a ela e essa criança que nunca conheci. Respiro aliviado quando a outra psicóloga, Isabel, a auxilia. Troco algumas palavras com Isabel, falo sobre meu pai e vou embora, com os documentos para a interdição na mão, metade do meu coração faltando, a outra metade esmagada e o peso do mundo nos meus ombros. Saio de lá em minha moto e sigo direto para o restaurante do meu padrinho. Se eu não me controlar, não pedir ajuda agora que consigo identificar os sinais, me afundarei no álcool como há dez anos.
  • 21. Termino o expediente na clínica, troco minha blusa por uma cinza e sigo para um dos abrigos que voluntario. Eu tenho quatro deles na minha lista, mesma gerência e costumo ajudá-los no período noturno, pois é quando existe mais limpeza a se fazer e mais conversa de apoio para ter com os abrigados. Era nesse momento que meu lado assistente social entrava em ação. Às vezes, eu pedia dinheiro para os meus pais, para comprar alimentos e um pouco de roupa. Outras vezes, eu saía de casa em casa buscando doações. Todos os dias da semana eu procurava me ocupar, transformei meus horários de lazer em voluntariado. Uma vez por ano, eu ficava reclusa por duas semanas dentro do meu pequeno apartamento, lia, bebia e assistia filmes. Seria um tipo de férias forçadas, porque fiquei dois anos nessa rotina e quase enlouqueci. Eu não poderia me dar ao luxo de ficar incapacitada para ajudar as pessoas. Ando quase dois quilômetros até o abrigo. O clima está agradável e o sol já se pôs. O bairro não é muito agradável e já fui abordada várias vezes por homens querendo me assaltar ou coisa pior. Porém, assim que eles me reconhecem, me deixam em paz. Eu ajudava a comunidade e o mínimo que poderiam fazer por mim era não me prejudicar. Subo dois degraus para atravessar a porta aberta do abrigo. A recepção está cheia de pessoas da rua, buscando pelo menos um local no sofá
  • 22. para se acomodar e dormir. Uma pequena televisão está no alto, transmitindo a novela. Cumprimento todos no local, a maioria adultos. Um por um, ofereço minha mão e pergunto como estão, o que precisavam para hoje. A maioria pede comida, outros choram pela vida difícil que estão tendo. Escuto um a um, sem me incomodar com sua aparência ou cheiro. Esse era o meu papel, o que eu precisava fazer para tentar alguma absolvição no final da minha vida. Depois de quase duas horas em torno deles, o cheiro dos alimentos cozidos começarem a pairar no recinto. Sigo para o refeitório, onde pessoas já estão jantando e outras se servindo. Vou até o balcão, coloco minha bolsa debaixo dele e pego um avental. — Boa noite, Jonas, Aline — cumprimento outros dois voluntários, praticamente com a mesma idade que eu. Eles não pareciam felizes, na verdade, eles nunca pareciam. Serviam as bandejas de forma automática e sem emoção. Era o padrão deles, faziam isso por obrigação. — Alguém fez a maior bagunça no banheiro dos homens — Jonas anuncia, não reparando na careta que o homem com a bandeja de comida fez quando ele o serviu. Eu segui até a pia que ficava atrás de nós e lavei minhas mãos, ainda atenta ao que o voluntário dizia. — Seu João tentou limpar, mas a merda está até no teto. Faço uma careta interna, imaginando o que poderia ter acontecido. Alguém passou mal, houve uma briga e tudo ficou pior. Seu João era um senhor de idade que ajudava na limpeza do abrigo. Ele frequentou o local e quis mudar de vida, então, o governo paga seu salário como serviços gerais. — Será que ele precisará de ajuda? — Enxugo minha mão e assumo o local onde entregava um copo com suco. — Sim, ele precisa e não serei eu a ajudá-lo — Jonas resmunga e continua servindo a contragosto. Talvez, estar em um barzinho e rindo com os amigos seria a melhor opção para ele, mas estava aqui, a pedido dos pais ou mesmo como uma
  • 23. experiência social. Os voluntários não ficavam por muito tempo e os dois, já faria um mês. Com certeza iriam embora em poucos dias. — Vou ajudar um pouco aqui, então, auxiliarei João. Não se preocupe, Jonas. — Sorrio de forma engessada e vejo-o resmungando baixo. Se eu não tivesse minha própria penitência para pagar, eu com certeza estaria fazendo como Jonas, ou pior, estaria humilhando todos aqui, por causa de seus cheiros, cabelos e falta de dentes. Quase antes da meia-noite, eu termino a limpeza dos banheiros junto com Seu João. Ele era calado e não reclamava, porém, quando não queria fazer algo, ele não fazia e pronto. Limpar esse banheiro era uma dessas, mas o convenci a me ajudar. O cheiro da água sanitária ardeu em meu nariz e manchou minha calça jeans. Não me importei, porque essa era eu, quanto mais massacrada, mais achava que estava sendo absolvida. Eu achava que era minha sina fazer coisas que não me agradavam. Vou para minha casa, nem um pouco incomodada com a distância e com o vazio das ruas. Aproveito esse momento para escutar um pouco de música e tentar relaxar. Coloco os fones de ouvido, encaixo no meu celular e aperto o botão para começar a tocar minha lista de músicas. Até o fim, da banda Engenheiro do Havaí começa a tocar e eu canto baixo junto com a música. O tempo e a distância passaram que eu nem percebi. Olho para os lados, procurando algum desabrigado ou dependente, mas as ruas estão desertas. Todo mundo quer cuidar de mim, da cantora Brava começa a tocar no mesmo momento que sou abordada por um homem enlouquecido. — Dinheiro, eu preciso de dinheiro. — Acelerado, seu corpo está completamente agitado, não há nenhuma parte dele que não está se movimentando ou tremendo.
  • 24. Não é a primeira vez que fui abordada dessa forma e nem seria a última. Verifico de forma rápida se o homem está armado, para saber como proceder. Normalmente, os armados não aceitam conversar e é melhor entregar tudo a eles. Os desarmados são os desesperados, que conseguem tudo no susto e no impulso, mas eu estava preparada para eles, eu estava pronta para conversar e aconselhar. — Tudo bem, senhor, eu vou te ajudar. — Tiro meus fones, abro minha bolsa e vejo sua mão tentando tirá-la de mim. — Eu tenho uma barra de cereal para o senhor, não precisa se apressar. — Eu quero dinheiro! — diz enérgico. Ele me empurra e eu me equilibro para não cair. Tenho conhecimento de defesa pessoal, mas uso apenas em último caso. Eu sempre tento ajudá-los. — Eu tenho apenas alguns trocados, para o passe do ônibus. Coma alguma coisa, vai lhe fazer bem. — Consigo segurar minha bolsa e tirar de dentro a barra de cereal. Ele começa a me chacoalhar, desesperado. Ele deve estar em abstinência e sendo assim, é mais perigoso do que sob o efeito do entorpecente. — Me dá dinheiro, sua vadia, senão te mato! — Ele consegue me derrubar, mas eu não solto a bolsa do meu aperto. Ele avança em cima de mim e eu o chuto entre suas pernas, de leve, apenas para que eu consiga falar com ele. — Filha da puta! — Ajoelha e se encolhe no chão. — Me perdoe por isso, mas não havia outro meio, senhor. Eu quero ajudá-lo. Que droga você precisa? Eu posso ajudá-lo com isso e também posso auxiliá-lo a se livrar disso. Não deixe que ela te domine. — Aproximo-me dele devagar, agachada e falo o mais suave que consigo. — Eu não sou viciado! — ele grita e pula em cima de mim. Eu caio de costas no chão e bato minha cabeça. Ele começa a me apalpar, procurando dinheiro ou tentando se satisfazer. Meu coração congela com essa constatação.
  • 25. — Por favor, deixe-me ajudá-lo. Assim eu não... — minhas palavras morrem quando ele coloca a mão dentro da minha calça e eu endureço meu corpo em uma tentativa de me defender. Cheguei ao meu limite, eu não iria conseguir ajudá-lo. Respiro fundo, levanto o meu quadril para tirá-lo de cima de mim e então, coloco meu joelho com força em sua virilha, arrancando um grito estridente dele. Saio correndo, esqueço a direção da minha casa e procuro abrigo em qualquer estabelecimento que estivesse aberto. Minha bolsa ainda estava em minhas mãos. — Eu vou te matar! — o homem grita atrás de mim e o medo preenche minhas veias. Duas, três quadras, ele ainda está atrás de mim e eu ainda estou correndo o máximo que consigo. Não acredito que ele não desistiu e isso apenas faz com que meu temor aumente ainda mais. Começo a bater nas portas, em busca de alguma aberta e não desacelero. Na próxima esquina, quando bato em uma porta de vidro, ela se abre e eu apenas entro e continuo correndo, sem olhar para os lados. Pulo roletas, uma mureta e então, dou de cara com uma enorme piscina. Assustada, eu paro minha corrida e vejo um homem parando seu nado para me olhar. Está escuro, não consigo ver sua fisionomia e mesmo que conseguisse, o meu perseguidor grita, pula em cima de mim e nos joga dentro da piscina. Ele não me deixa nadar, eu estava sem fôlego e o homem que tentei ajudar estava me segurando debaixo da água. Ele realmente queria me matar. Estou desesperada, esperneando, mas parecia que nada resolvia. Fui ficando sem ar e minhas vistas começaram a embaçar. Então, era assim que eu iria terminar?