A	  COMPETITIVIDADE	  DO	  TERRITORIO	  ESCANDINAVO.	                    Caracterís7cas	  dos	  Parques	  Tecnológicos	  d...
Alguns	  indicadores	  dos	  paíseis	  escandinávos	  
Indicadores	  de	  facilidade	  para	  fazer	  negócios	  na	  Escandinávia	  x	  Brasil	  
Parques	  Tecnológicos	  e	  Ins7tuições	  visitadas	  na	  Escandinávia	  
 FINLANDIA	      	  
Parques	  Tecnológicos	  e	  Ins7tuições	  	  Finlandeses	  
Caracterís7cas	  Parques	  Finlandeses	  •  Abordagem	  fundamentada	  na	  compe%%vidade	  dos	  clusters	  existentes	  ...
SUECIA	  
Parques	  Tecnológicos	  da	  Suécia	  
LUND	  IDEON	  SCIENCE	  PARK	  	  
Caracterís7cas	  Parques	  Suécos	  •  Forte	  envolvimento	  do	  setor	  privado	  -­‐	  gestão	  e	  ocupação	  dos	  P...
Caracterís7cas	  Parques	  Suécos	  	  	  •  Projetos	  ousados	  de	  vinculação	  universidade-­‐empresas-­‐governo	  vi...
DINAMARCA	  
Parques	  Tecnológicos	  da	  Dinamarca	  
Caracterís7cas	  Parques	  Dinamarqueses	  •  Forte	  presença	  dos	  interesses	  das	  universidades	  publicas	      	...
4	  Pilares	  de	  Sustentação	  dos	  Parques	  da	  Escandinávia	         1)  Parceria	  publico-­‐privada	  	         2...
Na	  comparação,	  o	  que	  o	  Brasil	  deveria	  fazer?	  •  Maior	  envolvimento	  do	  setor	  privado	  •  Pesquisa	...
AGRADECIMENTOS	  
             	          Obrigado!	              	              	              	              	  sergioperussi@uol.com.br	 ...
Slides - Artigo Anprotec 2011
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slides - Artigo Anprotec 2011

953 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Slides - Artigo Anprotec 2011

  1. 1. A  COMPETITIVIDADE  DO  TERRITORIO  ESCANDINAVO.   Caracterís7cas  dos  Parques  Tecnológicos  da    Finlândia,  Suécia  e  Dinamarca                    STP  5  –  Habitats  de  Inovação  Sustentáveis       Prof.Dr.  Sergio  Perussi  Filho   Ins7tuto  Nacional  de  Op7ca  e  Fotônica/CNPq   Centro  de  Pesquisa  em  Op7ca  e  Fotônica/Fapesp   Ins%tuto  de  Física  de  São  Carlos   Universidade  de  São  Paulo   h9p://cepof.ifsc.usp.br/   ANPROTEC,  2011   Porto  Alegre-­‐RS,  de  25  a  26  de  Outubro  de  2011.  
  2. 2. Alguns  indicadores  dos  paíseis  escandinávos  
  3. 3. Indicadores  de  facilidade  para  fazer  negócios  na  Escandinávia  x  Brasil  
  4. 4. Parques  Tecnológicos  e  Ins7tuições  visitadas  na  Escandinávia  
  5. 5.  FINLANDIA    
  6. 6. Parques  Tecnológicos  e  Ins7tuições    Finlandeses  
  7. 7. Caracterís7cas  Parques  Finlandeses  •  Abordagem  fundamentada  na  compe%%vidade  dos  clusters  existentes  no   país  •   Forte  relacionamento  entre  os  três  agentes  da  Hélice  Tripla  (ETZKOWITZ  e   LEYDESDORFF,  1997)    •  Criação  de  ambientes  de  alta  qualidade  onde  os  parques  estão  instalados,   com  forte  ênfase  ao  es_mulo  às  empresas  nascentes,  spin  off  de   universidades  ou  laboratórios  de  empresas  privadas  •  Localizados  em  áreas  novas,  especialmente  des%nadas  aos  Parques.  •  Agir  localmente,  pensando  globalmente    
  8. 8. SUECIA  
  9. 9. Parques  Tecnológicos  da  Suécia  
  10. 10. LUND  IDEON  SCIENCE  PARK    
  11. 11. Caracterís7cas  Parques  Suécos  •  Forte  envolvimento  do  setor  privado  -­‐  gestão  e  ocupação  dos  Parques  •   Parques  como  obje%vo  de  locus  de  qualidade  para  a%vidades  de  PDI,   facilitando  a  atração  de  grandes  companhias  mul%nacionais  –  âncoras  na   criação  de  spin  off,  além  das  universidades  •  Forte  presença  de  par%cipação  das  universidades  (todas  públicas)  na   criação  de  ambiente  favorável  para  a  disseminação  de  cultura  do   empreendedorismo  e  da  inovação,  -­‐  par%cipação  acionária  em  algumas   empresas  criadas,  assumindo,  inclusive,  risco  em  alguns  negócios  •  Forte  presença  de  interesses  imobiliários,  via  urbanização  e   reurbanização  de  áreas  em  regiões  portuárias  (caso  do  Lindholmen   Science  Park,  em  Gothenbourg,  Suécia)    
  12. 12. Caracterís7cas  Parques  Suécos      •  Projetos  ousados  de  vinculação  universidade-­‐empresas-­‐governo  visando  a   construção  de  ambiente  de  cooperação  nas  áreas  de  ciências  da  vida  e   outras  áreas  portadoras  de  futuro,  como  a  nanotecnologia,  TCI,  energia,   defesa,  portabilidade  e  mobilidade;  •  Forte  visão  de  Parque  Tecnológico  como  negócio  que  viabiliza  negócios.    •  Apoio  de  alto  nível  aos  empreendedores,  com  programas  completos  e   consultorias  •  Gerenciamento  profissional  de  alto  nível  
  13. 13. DINAMARCA  
  14. 14. Parques  Tecnológicos  da  Dinamarca  
  15. 15. Caracterís7cas  Parques  Dinamarqueses  •  Forte  presença  dos  interesses  das  universidades  publicas    Universidade  de  Copenhagen      Universidade  Tecnologia  da  Dinamarca  •  Forte  interesse  do  país  para  a  exploração  das  área  de  Biotecnologia  e     Ciências  da  Vida  •  A  integração  entre  parceiro  privado  experiente  (Sistema  Symbion)  com   um  parceiro  importante  do  setor  publico  (Sistema  Scion  DTU),  na   gestão  de  um  novo  Parque  (COBIS)  -­‐  Hélice  Tripla  (ETZKOWITZ  e   LEYDESDORFF,  1997)  em  prá%ca  •  Gestão  profissional  com  visão  de  mercado  internacional.  
  16. 16. 4  Pilares  de  Sustentação  dos  Parques  da  Escandinávia   1)  Parceria  publico-­‐privada     2)   Pesquisa  de  ponta,  básica  e  aplicada     3)  Forte  cultura  empreendedora     4)  Forte  visão  de  negócio  –  dos  Parques  e   Universidades  
  17. 17. Na  comparação,  o  que  o  Brasil  deveria  fazer?  •  Maior  envolvimento  do  setor  privado  •  Pesquisa  básica  e  pesquisa  aplicada  são  fundamentais,  mas  é  preciso   incrementar  a  visão  de  negócio  •    -­‐  visão  de  mercado  para  a  criação  de  tecnologias  •  Abordagens  de  clusters  para  poli%cas  publicas  •  Fortalecer  a  formação  de  empreendedores  com  visão  de  mercado  •  Inovar  para  resolver  os  problemas  dos  brasileiros,  que  são  muitos  e   ainda  básicos,  mas  também  criar  inovações  para  atender   necessidades  mundiais    •  Parque  precisa  ir  buscar  oportunidades  no  mercado    
  18. 18. AGRADECIMENTOS  
  19. 19.     Obrigado!          sergioperussi@uol.com.br      

×