Hans-Günter Wallraff ( nasceu em Burscheid
na Alemanha ,no dia 1 de Outubro de 1942) é
um jornalista de investigação alemã...
Foi uma das primeiras pessoas na Alemanha à invocar
seu direito constitucional de não fazer armado o serviço
militar, reje...
Wallraff iniciou sua carreira na imprensa sindical,
expondo para os trabalhadores das fábricas alemãs que
sofriam alguns a...
Günter além de repórter investigativo, Wallraff também
era engajado politicamente. Em maio de 1974 Günter
Wallraff viajou ...
Seus livros foram traduzidos para mais
de 30 línguas entre elas o português. No
Brasil, foi publicado o volume Cabeça de
t...
O polêmico Wallraff, consegue ser
contratado com nome falso pelo mais
popular jornal alemão o Bild. seu objetivo é
mostrar...
Sob o pseudônimo de Kwami
Ogonno, o jornalista resolveu sentir
na pele como o racismo se
manifesta em seu pais , durante
m...
Na Alemanha, a expressão método wallraffen chega a
representar disciplinas em cursos de jornalismo , sobre a
forma de trab...
Foi agraciado com diversas distinções e prémios
(e.g. prémio literário Gerrit-Engelke (1980), medalha da
Liga Internaciona...
Gunter Wallraff
Gunter Wallraff
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gunter Wallraff

364 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gunter Wallraff

  1. 1. Hans-Günter Wallraff ( nasceu em Burscheid na Alemanha ,no dia 1 de Outubro de 1942) é um jornalista de investigação alemão. Günter Wallraff é conhecido pelo seu método de investigação baseado na experiência pessoal através da sua infiltração no meio onde vive o investigado. Wallraff ganhou destaque graças aos seus notáveis ​​métodos de investigação jornalística e vários livros importantes sobre baixas condições de trabalho de classe e jornalismo de tablóide .
  2. 2. Foi uma das primeiras pessoas na Alemanha à invocar seu direito constitucional de não fazer armado o serviço militar, rejeitado seu pedido para não servir,como pena foi internado para observação no departamento psiquiátrico do hospital Bundeswehr em Klobenz. Para sobreviver em um ambiente que achava que era louco escrevia um diário, na esperança de colocar à disposição suas experiências para o público. Seu primeiro , mas ainda involuntário papel , como paciente consciente , se tornou uma experiência fundamental para ele e foi o ponto de partida suas obras posteriores .
  3. 3. Wallraff iniciou sua carreira na imprensa sindical, expondo para os trabalhadores das fábricas alemãs que sofriam alguns abusos sociais. Algumas indústrias, após suas denúncias, distribuíram fotos tentando impedir que ele se infiltrasse. Com isso, Wallraff passou a se disfarçar para continuar suas infiltrações. Para muitos Wallraff foi o inventor do conceito de "jornalismo intervencionista", sem se preocupar com a objetividade. "Günter toma o partido dos fracos, das vítimas, dos sem-teto, dos explorados e marginalizados em nossa sociedade. Construiu uma identidade fictícia e criou livros que denunciam o que ele considera ser as injustiças sociais e que tentam fornecer aos leitores novas percepções sobre a forma como a sociedade funciona.
  4. 4. Günter além de repórter investigativo, Wallraff também era engajado politicamente. Em maio de 1974 Günter Wallraff viajou como membro do Comitê de Solidariedade para presos políticos para a Grécia, ele foi preso em Atenas durante uma manifestação contra o regime militar na Grécia e só foi libertado depois de 14 meses na solitária. O mais recente mergulho de Wallraff foi no mundo dos call centers ,para ele é uma praga na sociedade onde se pertuba as pessoas e induzem idosos a fazer compras, um cargo fácil mais com enorme desgate ,onde poucas pessoas continuam no cargo depois de um semestre , em torno de dez a vinte em um total de mil contratados , é uma ferida na sociedade onde se forma trapaceiros , Wallraff observou a evolução da discriminação na Alemanha, não mais na origem mais sim na classe social.
  5. 5. Seus livros foram traduzidos para mais de 30 línguas entre elas o português. No Brasil, foi publicado o volume Cabeça de turco, obra que expõe a forma desumana como são tratados os trabalhadores turcos na Alemanha. Os suecos até transformaram seu nome numa expressão: no país, "wallraffa" passou a designar "o ato de expor uma má conduta, ao assumir um papel".
  6. 6. O polêmico Wallraff, consegue ser contratado com nome falso pelo mais popular jornal alemão o Bild. seu objetivo é mostrar como o periódico inventa os fatos e despreza os seres humanos . Exerce seu papel esclarecendo a sociedade quanto a manipulação que pode vir também dos meios de comunicação. No vácuo de sua obseção pela denúncia da fábrica de mentiras.
  7. 7. Sob o pseudônimo de Kwami Ogonno, o jornalista resolveu sentir na pele como o racismo se manifesta em seu pais , durante meses se disfarçou de homem negro fez uma viagem, foi aos festivais, as pessoas se recusaram a tomar cerveja ao lado dele , sofreu várias represárias durante meses em vários outros locais da Alemanha. Ao final, Wallraff constatou que, como negro, ele era "sempre definido exclusivamente com base na cor da pele". Quando se é negro, as pessoas não se concentram naquilo que realmente faz do indivíduo uma pessoa - reclama.
  8. 8. Na Alemanha, a expressão método wallraffen chega a representar disciplinas em cursos de jornalismo , sobre a forma de trabalho utilizada por Gunter Wallraff , o método wallraffen inclui infiltração e alteração de identidade , seus livros também são utilizados no ensino alemão.
  9. 9. Foi agraciado com diversas distinções e prémios (e.g. prémio literário Gerrit-Engelke (1980), medalha da Liga Internacional para os Direitos Humanos (1984), prémio Jean d’Arcy (1987), prémio da British Academy of Film and Television Arts (1987), prémio August Bebel (2013).

×