Aula 4 o texto na internet

815 visualizações

Publicada em

AULA DE WEBJORNALISMO

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
815
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 4 o texto na internet

  1. 1. O texto na internet
  2. 2. O texto na internet Chamado de webwritting, termo criado em 1997 por Krawford Killian, o texto para internet procura adaptar a escrita para o sistema hipertextual da web. O webwritting engloba uma série de técnicas para a elaboração de conteúdos digitais jornalísticos.
  3. 3. O texto na internet A elaboração de um texto para internet prevê um planejamento de possibilidades do meio e do formato a serem utilizados. Logo, a narrativa passa a ser fragmentada, desdobrada em outras várias submatérias do texto principal (lidão).
  4. 4. O texto na internet O limite espacial também perde o sentido na web, no sentido de que não existe a limitação de texto, mas é claro, requer o bom senso do redator. A seguir temos um exemplo do tipo textual que melhor funciona na internet. A proposta foi definida a partir de pesquisas empíricas do instituto Nielsen de pesquisas.
  5. 5. Produção Textual A produção textual na web segue uma lógica em que a pauta é o próprio roteiro. A definição preliminar das interatividades é fundamental para guiar o trabalho de apuração, os formatos a serem trabalhados (áudio, vídeo, imagem, infográficos, slideshow), e a fragmentação da narrativa, que será escrita por último, alinhavando os subtextos criados a partir de um texto inicial, chamado de lidão.
  6. 6. No exemplo, se observa um texto inicial no nível 1 (N1), que será desdobrado em subtemas. Neles, já são previstos os formatos (N2) (áudio, vídeo, imagem, infográficos, slideshow) serão utilizados, facilitando o planejamento e a divisão de tarefas na fase de captação jornalística. Dependendo da edição, pode-se optar pelo aprofundamento de um subtema em um novo subtema (N3)
  7. 7. Técnicas de redação Deve-se tentar, sempre que possível, adaptar o tamanho do texto para a tela de leitura, pois a barra de rolagem na web causa desconforto ao leitor. Deve-se definir o número de parágrafos de acordo com a mídia em que a matéria for veiculada (textos com mais parágrafos para web e menores para tablets e smartphones). Tudo isso, é claro, respeitando o projeto gráfico e editorial da publicação.
  8. 8. Pirâmide Invertida A técnica da Pirâmide Invertida continua sendo uma das melhores técnicas utilizada para transmissão objetiva de informação, ainda que mantenha os pilares da linearidade.
  9. 9. • Primeiro parágrafo – o lead (= do inglês, liderar, conduzir) • Segundo parágrafo – ampliação do lead • Terceiro parágrafo – contextualização • Quarto parágrafo – material secundário ou menos importante
  10. 10. Vantagens para o leitor - captam mais facilmente a atenção - permitem que o leitor interrompa a leitura sem ter que chegar ao final do texto - na web, os usuários não costuma rolar a tela, e portanto, não lêem até o final No entanto, a WEB deu a ela novas possibilidades, proporcionadas pelo uso do Hipertexto.
  11. 11. Pirâmides Flutuantes Combinada com o uso das interatividades, convencionou-se chamar de Pirâmides Flutuantes (Nielsen). É nela que a narrativa é fragmentada, já prevendo as interatividades.
  12. 12. Pirâmide Deitada Outra técnica de redação é proposta pela pesquisador português João Canavilhas. Nela são trabalhados os níveis de leitura. Na prática, parte das perguntas de uma unidade base textual (“o quê”, “quando”, “quem” e “onde”) para o nível explicativo (“por quê” e “como”). Após a contextualização, inicia-se o nível de contextualização, onde entrariam os outros formatos interativos (áudio, vídeo, imagem, infográficos, slideshow). Por último, no nível exploratório, o texto pode adicionar outros links externos.
  13. 13. O Diamante da Notícia Para os casos de grandes cobertura jornalísticas, Paul Brandshaw criou um modelo extremamente detalhado que prevê todas as fases de cobertura da notícia: o chamado Diamante da Notícia.
  14. 14. • Nesse modelo, três fatores são fundamentais: velocidade, profundidade e interatividade. A cobertura jornalística envolve sete passos: 1) Alerta – Um alerta é enviado sobre um fato que acaba de ocorrer. Esse alerta é enviado para todas as plataformas e serviços informativos (sites jornalísticos, facebook, Twitter e Smartphones) 2) Rascunho – Uma nota preliminar é divulgada, envolvendo aspectos básicos da notícia (lead). 3) Artigo (Notícia) – com informações mais apuradas, é escrita uma notícia 4) Contextualização – são adicionadas interatividades ao texto. 5) Análise – uma análise é feita por um especialista, que pode ser textual ou via podcast 6) Interatividade – chamada por Brandshaw de “a cauda longa da notícia”, é criada uma atualização interativa (animação em flash que combine hipertexto, vídeo, áudio, animação e base de dados). Podem ser criados ainda chats, fóruns ou até uma página wiki. 7) Customização – criam-se formas personalizadas de distribuição da notícia para outras plataformas, ou uma forma personalizada de distribuição, via RSS, por exemplo
  15. 15. Dicas textuais: - títulos factuais - uso de palavras-chave no título ou no primeiro parágrafo (para melhor posicionamento nas ferramentas de SEO (Search Engine Optmization) - Títulos não devem prometer o que não cumprem - o títulos tem que ser autônomo, já que poderá veiculado em outras plataformas
  16. 16. Dicas textuais - uso de parágrafos curtos - uso da voz ativa (reduz o tamanho do texto) - data nas matérias (imprescindível, graças ao fator perenidade da informação na web) - uso de tags no corpo do texto - sempre que possível, utilize listas, tópicos e ícones dentro de um texto.
  17. 17. Tipos textuais na grande imprensa 1) Flash – informação rápida e curta, variando de uma a três linhas em média. Comunica um fato grandioso, espetacular, confirmado, mas que ainda está em processo de apuração. Exemplo: Copom eleva taxa Selic para 13,25% ao ano
  18. 18. 2) Factual – é o relato de um fato se atendo estritamente ao lead. Exemplo: Copom eleva taxa Selic para 13,25% ao ano O Banco Central confirmou o que era esperado pelo mercado e elevou nesta quarta-feira (29) a taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, para 13,25% ao ano. Foi a quinta alta seguida desde a reeleição de Dilma Rousseff, no fim de outubro.
  19. 19. 3) Agenda – é a informação de um fato que está previsto para acontecer Exemplo: Mercado aposta em alta do juro básico a 12,25% ao ano Economistas de instituições financeiras cravaram as apostas de que o ritmo de aperto monetário será mantido nas próximas semanas e a taxa Selic, que será divulgada nesta quarta, terá elevação de 0,50 ponto percentual, em um ambiente de inflação ainda mais alta e crescimento mais fraco. A expectativa do mercado é de que a taxa básica de juros, atualmente em 11,75% ao ano será elevada a 12,25% ao ano, ao final da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).
  20. 20. 4) Repercute – é a repercussão de um fato com uma (ou mais) fonte(s ) a partir de um factual Exemplo: Para economista, inflação deve pressionar juros em junho A alta de juros da taxa Selic para 13,25% ao mês deve projetar um cenário de alta de inflação. Segundo o economista-chefe da gestora INVX Global Partners , Eduardo Velho, a inflação alta deve fazer com que o BC faça novo aumento de juros em junho. "Mas deve ser a última alta, porque o contexto da economia nacional não permite novos aumentos, sob risco de afetar mais ainda o crescimento do Brasil", afirmou. Segundo o economista, a meta de inflação de 2015 já foi comprometida em virtude do atraso na aprovação do ajuste fiscal.
  21. 21. 5) Consolidado – é o texto jornalístico completo, reunindo o factual e os desdobramentos dele, incluindo detalhes e repercussões.
  22. 22. Exemplo: BC aumenta taxa básica de juros para 13,25% ao ano O Banco Central confirmou o que era esperado pelo mercado e elevou nesta quarta-feira (29) taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, para 13,25% ao ano. Foi a quinta alta seguida desde a reeleição de Dilma Rousseff, no fim de outubro. O aumento da taxa, que serve de referência para o custo do dinheiro na economia brasileira, veio em conformidade com as expectativas do mercado. A alta era a aposta de 53 dos 61 economistas ouvidos em pesquisa da Bloomberg. Os outros oito viam aumento de 0,25 ponto percentual, a 13%. A decisão foi unânime e o comunicado foi exatamente o mesmo da reunião passada. Os juros estão agora no maior nível desde janeiro de 2009. Naquela época, o BC iniciava um processo de redução da taxa básica para reanimar a economia diante dos efeitos da queda do banco Lehman Brothers. A decisão foi anunciada em um momento em que o dólar e o reajuste de tarifas pressionam a inflação e a atividade econômica aprofunda a recessão - o PIB recuará 1,1%, segundo analistas.
  23. 23. A taxa Selic é utilizada nos empréstimos que o BC faz a instituições financeiras. Ela também serve de referência para a economia e para os juros cobrados de consumidores e empresas. Para a próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), marcada para 2 e 3 de junho, as previsões divergem sobre a possibilidade de uma nova alta de juros. Um novo aumento poderia afetar ainda mais a atividade econômica, e a expectativa é que a inflação comece a retroceder sob efeito da política monetária. Para Eduardo Velho, economista-chefe da gestora INVX Global Partners, a inflação alta deve fazer com que o BC faça novo aumento de juros em junho. "Mas deve ser a última alta, porque o contexto da economia nacional não permite novos aumentos, sob risco de afetar mais ainda o crescimento do Brasil", afirma. Para a equipe de análise da Concórdia, a alta desta quarta-feira foi a última deste ano, para não afetar mais ainda a economia brasileira. O BC tenta trazer a inflação ao consumidor, que está acima de 8% no acumulado em 12 meses, para a meta de 4,5% até o fim de 2016. Para isso, conta com o aumento de juros, com a desaceleração da economia e com a melhora nas contas públicas (menos gastos e mais impostos). Para o BC, é preciso agir para evitar que os efeitos da alta do dólar e da correção de tarifas e preços controlados pelo governo se espalhem ainda mais pela economia e mantenham a inflação alta.
  24. 24. LINKS DOS PRINCIPAIS JORNAIS • Folha http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/09/1681423-corregedoria- pede-prisao-de-seis-pms-envolvidos-em-morte-em-sp.shtml • Estadão http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,corregedoria-pede-prisao-de- 6-pms-por-morte-de-suspeito-jogado-de-telhado,1762004 • G1 http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/09/corregedoria-pede-prisao- de-6-dos-10-pms-envolvidos-em-morte-de-suspeito.html

×