SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
POR QUE AS EMPRESAS
QUEREM MUDAR SEM MUDAR
                       Augusto de Franco
                        18 de outubro de 2012




                           INTRODUÇÃO



Nos novos mundos altamente conectados que estão emergindo no
dealbar deste terceiro milênio, as empresas estão condenadas a inovar.
Elas pressentem isso na forma de um imperativo categórico. Em alguns
casos – como os das empresas do ramo do conhecimento, por exemplo –
esse imperativo chega a ser dramático: inovação ou morte!

Ora, inovação é mudança. É o surgimento do que ainda não existe. Para
inovar é preciso mudar a maneira de fazer as coisas. Quem faz tudo
sempre do mesmo modo não muda. As empresas também sabem disso.
Eis a razão pela qual, em princípio, até se dispõem a avaliar qualquer
mudança que lhes for proposta. O problema é que fazem isso, em geral,
defensivamente. Deixam claro que prefeririam mudar sem mudar.
Mudança sim, mas desde que não mude nada (do que consideram
essencial).


                                   1
Por último, algumas empresas também já estão descobrindo que há uma
relação entre inovação e rede como padrão de organização (ou modo de
funcionamento). Sabem que suas organizações foram desenhadas para
alcançar a excelência na reprodução das mesmas coisas (mesmos
processos, mesmos produtos, mesmos serviços). Para tanto, seus modelos
de gestão almejam direcionar e disciplinar a interação, não deixá-la fluir
livremente. Um padrão de organização capaz de deixar a interação fluir é
o padrão de rede e não um padrão vertical.

O padrão de rede é aquele que proporciona múltiplos caminhos:




                                    2
O padrão de organização atual das empresas é o padrão piramidal,
baseado na escassez de caminhos e desenhado para ensejar o comando e
o controle.




As empresas estão aprendendo isso do jeito mais árduo, ao constatar que
seus esforços para se tornar mais inovadoras não são tão bem-sucedidos
quanto gostariam. Desconfiam que esse insucesso tem a ver com a
incapacidade de mudar o seu padrão de organização (ou modo de
funcionamento) mas não sabem o que fazer para modificar tal padrão sem
colocar em risco seus negócios.


                                  3
É importante não confundir os padrões centralizado, descentralizado e
distribuído de organização. O padrão descentralizado (que corresponde à
hierarquia) é bem diferente do padrão distribuído (que corresponde à
rede).




Para entender melhor o que acontece, vamos usar aqui uma metáfora: a
do software e do hardware. O termo software foi criado como um
trocadilho com o termo hardware (que significa ferramenta física).
Software seria tudo aquilo que faz a ferramenta funcionar excetuando-se
sua parte física. Software, quando usado no sentido de programa de


                                  4
computador, é uma sequencia de instruções a serem executadas pela
máquina (o hardware, no caso, o computador: suas unidades de
processamento, memória e seus dispositivos de entrada e saída).

As empresas aceitam mudar softwares. Temem, porém, mexer no
hardware. O hardware é o padrão de organização da empresa.




Então as empresas acabam comprando qualquer novo software de
inovação. Desde que esteja garantido que não será necessário mudar o
seu hardware.



                                   5
Consultores de inovação entram nesse jogo (“me engana que eu gosto”)
vendendo programas, cursos, palestras motivacionais, vivências e outras
metodologias e tecnologias sociais que não mexem nas relações que
fazem da empresa o que ela é. Dizem, via de regra, que tal ou qual
empresa (mas isso acaba valendo para todas) não está ainda
“culturalmente preparada” para mudanças abruptas ou radicais.

O problema é que não adianta mudar o software se não se mudar o
hardware.

O hardware é a topologia da rede interna da empresa e da rede externa
que envolve o seu ecossistema (incluindo todos os stakeholders). Para
seguir com a nossa metáfora, o modelo de gestão e o sistema de
governança estão gravados no hardware, são partes do firmware (o
conjunto de instruções operacionais programadas diretamente no
hardware). Isso é que é difícil mudar.

Pois enquanto o software pode ser alterado sem a troca de um
componente de hardware, o firmware não pode: ele está envolvido com
as operações básicas sem as quais o sistema não funciona mais nos
termos em que foi projetado.

É isso, portanto, que deve ser mudado: o hardware, a estrutura (o padrão
de   organização)    que   determina     uma   dinâmica   (o   modo   de
funcionamento).




                                     6
Mas quando se trata de mudança de hardware, a gerência média das
empresas liga o alerta vermelho. E não raro sabota as mudanças, mesmo
quando estas mudanças já foram determinadas pelo CEO e pela alta
direção da organização.

Algumas vezes são os CIOs que resistem, outras vezes são os chefes do RH
ou do Marketing e quase sempre o Jurídico.

Todos esses agentes de departamentos acabam agindo como anticorpos
do velho sistema e se mobilizam com uma rapidez incrível quando o que
está em jogo é a mudança do padrão de organização.




                                   7
O resultado é previsível: temos poucas mudanças quando mudamos para
não mudar.

As poucas mudanças que conseguem ser implementadas são incrementais
e, em geral, são incapazes de alterar a estrutura e a dinâmica da
organização como um todo.

As pessoas que têm tanto medo de mudar acreditam que estão sendo
responsáveis. Avaliam que qualquer mudança de hardware pode colocar
em risco a organização. Não conseguem compreender que não se trata de
destruir a empresa e sim de iniciar uma mudança de hardware e que essa
mudança não precisa ser feita de modo abrupto.

Sim, é claro que não se pode tomar uma empresa hierárquica e
transformá-la em uma empresa em rede de uma vez e, nem, em sua
totalidade.

No entanto, pode-se aumentar progressivamente o grau de distribuição
(e, consequentemente, de conectividade e interatividade) da rede social
que já existe em qualquer empresa (formada pelas conexões entre seus
colaboradores e demais stakeholders em geral).

Além disso, pode-se agilizar esse incremento do grau de distribuição em
áreas específicas de qualquer empresa, sobretudo naquela área mais
sensível (e compreensível por parte de seus dirigentes): a inovação.

Bolhas de inovação – com topologia mais distribuída do que centralizada –
podem ser criadas em qualquer empresa hierárquica:



                                     8
Do que se trata – em primeiro lugar – é de reconfigurar o ambiente físico e
virtual da empresa visando à criação de estruturas mais adequadas à
conectividade e à interatividade no seu ecossistema, ensejando a
precipitação de dinâmicas de inovação permanente.

Ou seja, do que se trata é de transitar para um padrão de rede mais
distribuída. Em outras palavras, isso significa aumentar o grau de
distribuição em áreas ou departamentos da empresa. Uma vez aberta uma
bolha com topologia mais distribuída do que centralizada, ela pode se
expandir. É a essa expansão que nos referimos quando falamos da
transição da empresa hierárquica para a empresa em rede:



                                    9
Trata-se, porém, mais de não-fazer do que de fazer. Trata-se de remover
os obstáculos à distribuição, à conectividade e à interatividade que ainda
vigem – por herança de uma velha cultura hierárquica e fechada – na
maior parte das organizações. Esses obstáculos eram justificáveis em
organizações voltadas para a reprodução (para replicar em série os
mesmos processos, os mesmos produtos, os mesmos serviços). Mas
quando o assunto é inovação, eles estão se revelando não apenas
desnecessários, senão também prejudiciais.

Esse pode ser um dos motivos pelos quais a expectativa média de vida das
empresas está despencando (num levantamento feito no âmbito da SP



                                   10
500, essa expectativa caiu de 75 anos em 1937 para 15 anos em 2011 e
não há qualquer razão para acreditar que não continuará caindo).

Como será a empresa mais distribuída do que centralizada? Não sabemos.
Provavelmente cada caso será um caso. Mas é bem possível que – em
muito breve – tenhamos estruturas mais ou menos assim:




Acompanhe os próximos capítulos.




                                   11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo piramide lean final
Artigo piramide lean   finalArtigo piramide lean   final
Artigo piramide lean finalStartupi
 
Management 3.0 - Como gerenciar organizações complexas
Management 3.0 - Como gerenciar organizações complexasManagement 3.0 - Como gerenciar organizações complexas
Management 3.0 - Como gerenciar organizações complexasManoel Pimentel Medeiros
 
Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)Alessandro Almeida
 
Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)Alessandro Almeida
 
ApresentaçãO Lc+Dpe Sistema Re De
ApresentaçãO Lc+Dpe    Sistema Re DeApresentaçãO Lc+Dpe    Sistema Re De
ApresentaçãO Lc+Dpe Sistema Re DeOwn Steps Owner
 
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADEREDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADEaugustodefranco .
 
Webinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara Tanaka
Webinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara TanakaWebinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara Tanaka
Webinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara TanakaMJV Technology & Innovation Brasil
 
Sete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-rede
Sete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-redeSete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-rede
Sete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-redeaugustodefranco .
 
Mudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional FinalMudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional FinalNany Ortiz
 
Gerenciamento de mudanças
Gerenciamento de mudançasGerenciamento de mudanças
Gerenciamento de mudançasAnderson Simão
 
Ebook contextos complexos
Ebook   contextos complexosEbook   contextos complexos
Ebook contextos complexosPaulo Ocelotl
 
Palestra Nepomuceno Transpetro
Palestra Nepomuceno TranspetroPalestra Nepomuceno Transpetro
Palestra Nepomuceno Transpetrocnepo
 
2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...
2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...
2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...Fernando Monteiro D'Andrea
 
Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...
Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...
Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...bortoloniana
 
Metodologia agil scrum x pmbok
Metodologia agil   scrum x pmbokMetodologia agil   scrum x pmbok
Metodologia agil scrum x pmbokMarisa Wittmann
 
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de SistemasModelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de SistemasImpacta Eventos
 
Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...
Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...
Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...Mário Ferreira
 

Mais procurados (20)

Artigo piramide lean final
Artigo piramide lean   finalArtigo piramide lean   final
Artigo piramide lean final
 
Management 3.0 - Como gerenciar organizações complexas
Management 3.0 - Como gerenciar organizações complexasManagement 3.0 - Como gerenciar organizações complexas
Management 3.0 - Como gerenciar organizações complexas
 
Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (16/10/2014)
 
Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)
Gestão da Tecnologia da Informação (13/03/2014)
 
ApresentaçãO Lc+Dpe Sistema Re De
ApresentaçãO Lc+Dpe    Sistema Re DeApresentaçãO Lc+Dpe    Sistema Re De
ApresentaçãO Lc+Dpe Sistema Re De
 
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADEREDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
REDES SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE
 
Webinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara Tanaka
Webinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara TanakaWebinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara Tanaka
Webinar Gamificação para Gestão de Mudança - Bruno Medina e Samara Tanaka
 
Sete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-rede
Sete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-redeSete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-rede
Sete aprendizagens sobre inovação na sociedade-em-rede
 
Mudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional FinalMudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional Final
 
Gerenciamento de mudanças
Gerenciamento de mudançasGerenciamento de mudanças
Gerenciamento de mudanças
 
Ebook contextos complexos
Ebook   contextos complexosEbook   contextos complexos
Ebook contextos complexos
 
Palestra Nepomuceno Transpetro
Palestra Nepomuceno TranspetroPalestra Nepomuceno Transpetro
Palestra Nepomuceno Transpetro
 
2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...
2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...
2011 09-09 - aula 06 de 20 - cap. 4 novos paradigmas de gestão (parte 1) - bu...
 
Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...
Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...
Resenha do livro Os Bruxos da Administração - Como entender a Babel dos gurus...
 
Metodologia agil scrum x pmbok
Metodologia agil   scrum x pmbokMetodologia agil   scrum x pmbok
Metodologia agil scrum x pmbok
 
Redesesustentabilidade
RedesesustentabilidadeRedesesustentabilidade
Redesesustentabilidade
 
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de SistemasModelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
Modelagem dos Processos de Negócio para a Definição de Requisitos de Sistemas
 
ToC Melhoria Continua
ToC Melhoria ContinuaToC Melhoria Continua
ToC Melhoria Continua
 
Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...
Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...
Teoria ágil da administração: mecanismos de coordenação - padronização da com...
 
Resumo implantação ECM / GED com sucesso e sem maiores preocupações
Resumo implantação ECM / GED com sucesso e sem maiores preocupaçõesResumo implantação ECM / GED com sucesso e sem maiores preocupações
Resumo implantação ECM / GED com sucesso e sem maiores preocupações
 

Destaque

Presentacion I Campus de Verano Osos Rivas
Presentacion I Campus de Verano Osos RivasPresentacion I Campus de Verano Osos Rivas
Presentacion I Campus de Verano Osos RivasEdouard Barrera
 
Campus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la Horadada
Campus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la HoradadaCampus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la Horadada
Campus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la HoradadaVisit Pilar de la Horadada
 
Campus fútbol robres monegros
Campus fútbol robres monegrosCampus fútbol robres monegros
Campus fútbol robres monegrosWeb Futbolaragones
 
Futbol base preparación
Futbol base preparaciónFutbol base preparación
Futbol base preparaciónLINAFACR
 
UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)
UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)
UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)ivanrivilla
 
ENTRENAMIENTO FUTBOL 7
ENTRENAMIENTO FUTBOL 7ENTRENAMIENTO FUTBOL 7
ENTRENAMIENTO FUTBOL 7José Morales
 
Entrenamiento 58 Ejercicios De Futbol
Entrenamiento 58 Ejercicios De FutbolEntrenamiento 58 Ejercicios De Futbol
Entrenamiento 58 Ejercicios De FutbolJesús
 
80 fichas de entrenamiento para benjamines
80 fichas de entrenamiento para benjamines80 fichas de entrenamiento para benjamines
80 fichas de entrenamiento para benjaminesWILLY FDEZ
 

Destaque (9)

Presentacion I Campus de Verano Osos Rivas
Presentacion I Campus de Verano Osos RivasPresentacion I Campus de Verano Osos Rivas
Presentacion I Campus de Verano Osos Rivas
 
Campus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la Horadada
Campus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la HoradadaCampus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la Horadada
Campus Deportivos Verano 2012 en Pilar de la Horadada
 
Campus fútbol robres monegros
Campus fútbol robres monegrosCampus fútbol robres monegros
Campus fútbol robres monegros
 
Futbol base preparación
Futbol base preparaciónFutbol base preparación
Futbol base preparación
 
UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)
UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)
UNA LÍNEA DE TRABAJO DISTINTA (PACO SEIRUL-LO, 2000)
 
ENTRENAMIENTO FUTBOL 7
ENTRENAMIENTO FUTBOL 7ENTRENAMIENTO FUTBOL 7
ENTRENAMIENTO FUTBOL 7
 
s.deportivos
s.deportivoss.deportivos
s.deportivos
 
Entrenamiento 58 Ejercicios De Futbol
Entrenamiento 58 Ejercicios De FutbolEntrenamiento 58 Ejercicios De Futbol
Entrenamiento 58 Ejercicios De Futbol
 
80 fichas de entrenamiento para benjamines
80 fichas de entrenamiento para benjamines80 fichas de entrenamiento para benjamines
80 fichas de entrenamiento para benjamines
 

Semelhante a Por que as empresas querem mudar sem mudar

Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrHbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrjob Titri company
 
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrHbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrjob Titri company
 
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrHbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrjob Titri company
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Webcompany [LABS]: Ambiente de Trabalho
Webcompany [LABS]: Ambiente de TrabalhoWebcompany [LABS]: Ambiente de Trabalho
Webcompany [LABS]: Ambiente de TrabalhoWebcompany GetSocial
 
BetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e Lideranças
BetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e LiderançasBetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e Lideranças
BetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e LiderançasBetaCodex Brasil
 
Gonçalves processo que processo
Gonçalves processo que processoGonçalves processo que processo
Gonçalves processo que processoMarcia Bevilaqua
 
Gestão de mudanças organizacionais .pptx
Gestão de mudanças organizacionais .pptxGestão de mudanças organizacionais .pptx
Gestão de mudanças organizacionais .pptxRSConsultoriaEmpresa
 
Tendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativasTendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativasMilton Jeronimides
 
Tendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativasTendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativasMilton Jeronimides
 
Gary hamel vantegem evolutiva
Gary hamel   vantegem evolutivaGary hamel   vantegem evolutiva
Gary hamel vantegem evolutivaCarolina Kallas
 
BetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOT
BetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOTBetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOT
BetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOTBetaCodex Brasil
 
Como a forma e organização dos times afeta
Como a forma e organização dos times afetaComo a forma e organização dos times afeta
Como a forma e organização dos times afetaPablo Ernst
 
Processo que processo
Processo que processo Processo que processo
Processo que processo gtiprotec
 
6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hoje6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hojeDebora Santtos
 
Como ensinar um elefante a dançar.pdf
Como ensinar um elefante a dançar.pdfComo ensinar um elefante a dançar.pdf
Como ensinar um elefante a dançar.pdfValriaFerreira59
 

Semelhante a Por que as empresas querem mudar sem mudar (20)

Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrHbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
 
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrHbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
 
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbrHbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
Hbr 7-questions-ask-before-next-transformation-ptbr
 
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do ConhecimentoAula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
Aula 9 Estruturas Organizacionais e a Gestão do Conhecimento
 
Webcompany [LABS]: Ambiente de Trabalho
Webcompany [LABS]: Ambiente de TrabalhoWebcompany [LABS]: Ambiente de Trabalho
Webcompany [LABS]: Ambiente de Trabalho
 
BetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e Lideranças
BetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e LiderançasBetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e Lideranças
BetaCodex 11 - Física Organizacional - Estruturas, Poder e Lideranças
 
10 dicas para escalar Agile usando SAFe
10 dicas para escalar Agile usando SAFe10 dicas para escalar Agile usando SAFe
10 dicas para escalar Agile usando SAFe
 
Gonçalves processo que processo
Gonçalves processo que processoGonçalves processo que processo
Gonçalves processo que processo
 
E book - O RH do Futuro
E book - O RH do Futuro E book - O RH do Futuro
E book - O RH do Futuro
 
Gestão de mudanças organizacionais .pptx
Gestão de mudanças organizacionais .pptxGestão de mudanças organizacionais .pptx
Gestão de mudanças organizacionais .pptx
 
Tendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativasTendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativas
 
Tendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativasTendência das redes sociais corporativas
Tendência das redes sociais corporativas
 
Gary hamel vantegem evolutiva
Gary hamel   vantegem evolutivaGary hamel   vantegem evolutiva
Gary hamel vantegem evolutiva
 
BetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOT
BetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOTBetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOT
BetaCodex 15 - Segredos da Transformação Organizacional Muito Rápida - VFOT
 
Como a forma e organização dos times afeta
Como a forma e organização dos times afetaComo a forma e organização dos times afeta
Como a forma e organização dos times afeta
 
Processo que processo
Processo que processo Processo que processo
Processo que processo
 
Organização Contemporânea 5
Organização Contemporânea 5Organização Contemporânea 5
Organização Contemporânea 5
 
As 10 grandes mudanças no mercado de trabalho
As 10 grandes mudanças no mercado de trabalhoAs 10 grandes mudanças no mercado de trabalho
As 10 grandes mudanças no mercado de trabalho
 
6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hoje6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hoje
 
Como ensinar um elefante a dançar.pdf
Como ensinar um elefante a dançar.pdfComo ensinar um elefante a dançar.pdf
Como ensinar um elefante a dançar.pdf
 

Mais de augustodefranco .

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaaugustodefranco .
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilaugustodefranco .
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaaugustodefranco .
 
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeAlgumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeaugustodefranco .
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA augustodefranco .
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...augustodefranco .
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...augustodefranco .
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMAaugustodefranco .
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialaugustodefranco .
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?augustodefranco .
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaaugustodefranco .
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Deweyaugustodefranco .
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELAaugustodefranco .
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesaugustodefranco .
 

Mais de augustodefranco . (20)

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
 
Hiérarchie
Hiérarchie Hiérarchie
Hiérarchie
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
 
JERARQUIA
JERARQUIAJERARQUIA
JERARQUIA
 
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeAlgumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
 
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISEAS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democracia
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
 
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLAMULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
 
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAISDEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantes
 

Por que as empresas querem mudar sem mudar

  • 1. POR QUE AS EMPRESAS QUEREM MUDAR SEM MUDAR Augusto de Franco 18 de outubro de 2012 INTRODUÇÃO Nos novos mundos altamente conectados que estão emergindo no dealbar deste terceiro milênio, as empresas estão condenadas a inovar. Elas pressentem isso na forma de um imperativo categórico. Em alguns casos – como os das empresas do ramo do conhecimento, por exemplo – esse imperativo chega a ser dramático: inovação ou morte! Ora, inovação é mudança. É o surgimento do que ainda não existe. Para inovar é preciso mudar a maneira de fazer as coisas. Quem faz tudo sempre do mesmo modo não muda. As empresas também sabem disso. Eis a razão pela qual, em princípio, até se dispõem a avaliar qualquer mudança que lhes for proposta. O problema é que fazem isso, em geral, defensivamente. Deixam claro que prefeririam mudar sem mudar. Mudança sim, mas desde que não mude nada (do que consideram essencial). 1
  • 2. Por último, algumas empresas também já estão descobrindo que há uma relação entre inovação e rede como padrão de organização (ou modo de funcionamento). Sabem que suas organizações foram desenhadas para alcançar a excelência na reprodução das mesmas coisas (mesmos processos, mesmos produtos, mesmos serviços). Para tanto, seus modelos de gestão almejam direcionar e disciplinar a interação, não deixá-la fluir livremente. Um padrão de organização capaz de deixar a interação fluir é o padrão de rede e não um padrão vertical. O padrão de rede é aquele que proporciona múltiplos caminhos: 2
  • 3. O padrão de organização atual das empresas é o padrão piramidal, baseado na escassez de caminhos e desenhado para ensejar o comando e o controle. As empresas estão aprendendo isso do jeito mais árduo, ao constatar que seus esforços para se tornar mais inovadoras não são tão bem-sucedidos quanto gostariam. Desconfiam que esse insucesso tem a ver com a incapacidade de mudar o seu padrão de organização (ou modo de funcionamento) mas não sabem o que fazer para modificar tal padrão sem colocar em risco seus negócios. 3
  • 4. É importante não confundir os padrões centralizado, descentralizado e distribuído de organização. O padrão descentralizado (que corresponde à hierarquia) é bem diferente do padrão distribuído (que corresponde à rede). Para entender melhor o que acontece, vamos usar aqui uma metáfora: a do software e do hardware. O termo software foi criado como um trocadilho com o termo hardware (que significa ferramenta física). Software seria tudo aquilo que faz a ferramenta funcionar excetuando-se sua parte física. Software, quando usado no sentido de programa de 4
  • 5. computador, é uma sequencia de instruções a serem executadas pela máquina (o hardware, no caso, o computador: suas unidades de processamento, memória e seus dispositivos de entrada e saída). As empresas aceitam mudar softwares. Temem, porém, mexer no hardware. O hardware é o padrão de organização da empresa. Então as empresas acabam comprando qualquer novo software de inovação. Desde que esteja garantido que não será necessário mudar o seu hardware. 5
  • 6. Consultores de inovação entram nesse jogo (“me engana que eu gosto”) vendendo programas, cursos, palestras motivacionais, vivências e outras metodologias e tecnologias sociais que não mexem nas relações que fazem da empresa o que ela é. Dizem, via de regra, que tal ou qual empresa (mas isso acaba valendo para todas) não está ainda “culturalmente preparada” para mudanças abruptas ou radicais. O problema é que não adianta mudar o software se não se mudar o hardware. O hardware é a topologia da rede interna da empresa e da rede externa que envolve o seu ecossistema (incluindo todos os stakeholders). Para seguir com a nossa metáfora, o modelo de gestão e o sistema de governança estão gravados no hardware, são partes do firmware (o conjunto de instruções operacionais programadas diretamente no hardware). Isso é que é difícil mudar. Pois enquanto o software pode ser alterado sem a troca de um componente de hardware, o firmware não pode: ele está envolvido com as operações básicas sem as quais o sistema não funciona mais nos termos em que foi projetado. É isso, portanto, que deve ser mudado: o hardware, a estrutura (o padrão de organização) que determina uma dinâmica (o modo de funcionamento). 6
  • 7. Mas quando se trata de mudança de hardware, a gerência média das empresas liga o alerta vermelho. E não raro sabota as mudanças, mesmo quando estas mudanças já foram determinadas pelo CEO e pela alta direção da organização. Algumas vezes são os CIOs que resistem, outras vezes são os chefes do RH ou do Marketing e quase sempre o Jurídico. Todos esses agentes de departamentos acabam agindo como anticorpos do velho sistema e se mobilizam com uma rapidez incrível quando o que está em jogo é a mudança do padrão de organização. 7
  • 8. O resultado é previsível: temos poucas mudanças quando mudamos para não mudar. As poucas mudanças que conseguem ser implementadas são incrementais e, em geral, são incapazes de alterar a estrutura e a dinâmica da organização como um todo. As pessoas que têm tanto medo de mudar acreditam que estão sendo responsáveis. Avaliam que qualquer mudança de hardware pode colocar em risco a organização. Não conseguem compreender que não se trata de destruir a empresa e sim de iniciar uma mudança de hardware e que essa mudança não precisa ser feita de modo abrupto. Sim, é claro que não se pode tomar uma empresa hierárquica e transformá-la em uma empresa em rede de uma vez e, nem, em sua totalidade. No entanto, pode-se aumentar progressivamente o grau de distribuição (e, consequentemente, de conectividade e interatividade) da rede social que já existe em qualquer empresa (formada pelas conexões entre seus colaboradores e demais stakeholders em geral). Além disso, pode-se agilizar esse incremento do grau de distribuição em áreas específicas de qualquer empresa, sobretudo naquela área mais sensível (e compreensível por parte de seus dirigentes): a inovação. Bolhas de inovação – com topologia mais distribuída do que centralizada – podem ser criadas em qualquer empresa hierárquica: 8
  • 9. Do que se trata – em primeiro lugar – é de reconfigurar o ambiente físico e virtual da empresa visando à criação de estruturas mais adequadas à conectividade e à interatividade no seu ecossistema, ensejando a precipitação de dinâmicas de inovação permanente. Ou seja, do que se trata é de transitar para um padrão de rede mais distribuída. Em outras palavras, isso significa aumentar o grau de distribuição em áreas ou departamentos da empresa. Uma vez aberta uma bolha com topologia mais distribuída do que centralizada, ela pode se expandir. É a essa expansão que nos referimos quando falamos da transição da empresa hierárquica para a empresa em rede: 9
  • 10. Trata-se, porém, mais de não-fazer do que de fazer. Trata-se de remover os obstáculos à distribuição, à conectividade e à interatividade que ainda vigem – por herança de uma velha cultura hierárquica e fechada – na maior parte das organizações. Esses obstáculos eram justificáveis em organizações voltadas para a reprodução (para replicar em série os mesmos processos, os mesmos produtos, os mesmos serviços). Mas quando o assunto é inovação, eles estão se revelando não apenas desnecessários, senão também prejudiciais. Esse pode ser um dos motivos pelos quais a expectativa média de vida das empresas está despencando (num levantamento feito no âmbito da SP 10
  • 11. 500, essa expectativa caiu de 75 anos em 1937 para 15 anos em 2011 e não há qualquer razão para acreditar que não continuará caindo). Como será a empresa mais distribuída do que centralizada? Não sabemos. Provavelmente cada caso será um caso. Mas é bem possível que – em muito breve – tenhamos estruturas mais ou menos assim: Acompanhe os próximos capítulos. 11