Fluzz pilulas 81

639 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Fluzz pilulas 81

  1. 1. Em pílulasEdição em 92 tópicos da versão preliminar integral do livro de Augusto deFranco (2011), FLUZZ: Vida humana e convivência social nos novos mundosaltamente conectados do terceiro milênio 81 (Corresponde ao segundo tópico do Capítulo 10, intitulado Mundos-bebês em gestação) Inove permanentementeColocar-se em processo de inovação permanente é viver em processo deÍtaca (ou em processo de fluzz)Nos Highly Connected Worlds estamos todos condenados a inovarpermanentemente. Não se trata mais de buscar uma grande inovação paraviver dela até o fim da vida: coroar uma bela carreira, inaugurar um grandeempreendimento ou amealhar uma fabulosa fortuna. A inovação passa a sero modo cotidiano de viver e conviver.A maior parte dos sistemas de inovação urdidos por organizaçõeshierárquicas são, de fato, contra a inovação. Não querem a inovação,
  2. 2. querem a inovação que eles querem. Ora, mas se eles já sabem qual é ainovação que deve acontecer, então não é inovação. Se fosse, nãopoderiam conhecê-la de antemão. Via de regra acabam constituindo escolasde inovação (que são túmulos para as novas idéias). Querem usar as novasidéias para justificar as velhas (porque suas escolas, lato sensu, nada maissão do que coagulações de velhas idéias).Em termos de idéias, a inovação acontece quando os muros epistemológicossão perfurados por hifas, viabilizando a polinização, a fertilização cruzadaentre campos do conhecimento que foram separados (pelas escolas).Grande parte dos que falam em inovação não são inovadores. Inovador équem inova, não quem fala como a inovação deve ser. Para inovar vocêdeve fazer o contrário do que lhe dizem, do que querem ouvir de você, doque esperam que você faça. Simplesmente, faça diferente. Para tanto, vocêtem que ter liberdade. Como já foi dito, o espírito de liberdade é a fonte detoda criatividade. Você não pode inovar sob encomenda e vigilância de umsistema que quer que você inove, sim, ma non troppo. É como se lhedissessem: inove, mas não exagere: não saia fora de nossa visão, nãobagunce nossos processos, não desarrume nosso modelo de gestão. Amesma pulsão de morte que exige obediência para disciplinar a interação,quer também disciplinar a inovação.De modo geral, toda inovação é fluzz. Mas inovação-fluzz propriamente ditaé aquela que aumenta a interatividade. Grandes inovações-fluzz serão, porexemplo, aquelas que favorecem a articulação de interworlds (por isso osinovadores-fluzz têm muito com que se ocupar na construção das novasinternets distribuídas). Ou, dizendo de outro modo, na construção de“membranas sociais”. Ou, ainda, na remoção das separações: entre pessoas(inclusive entre pessoas que falam idiomas diferentes), entre quem busca equem gera conhecimento, entre dispositivos tecnológicos e o corpo humanoe entre pessoas e não-pessoas.Você quer inovar seguindo o curso (ou surfando na onda-fluzz)? Não sejapor falta de pauta. Tudo que você inventar para remover a centralizaçãodas comunicações e para superar a descentralização da Internet (emdireção a mais distribuição) será inovação-fluzz. Tudo que você inventarpara oferecer alternativas às caixas-pretas onde alguém trancou umalgorítmo, um programa, um conhecimento (para poder viver à custa desua inovação aprisionada), será inovação-fluzz. Tudo que você inventarpara derrubar a barreira da língua será inovação-fluzz. Tudo que vocêinventar para ensejar que cada busca crie novos significados, evitando quesignificados únicos sejam arquivados de modo centralizado, será inovação- 2
  3. 3. fluzz. Tudo que você inventar para aproximar do corpo humano dipositivostecnológicos nômades que intensifiquem a interação, será inovação-fluzz.Se você quer inovar no mundo digital, nada de copiar os Gates, os Jobs, osPages, os Stones e os Zuckerbergs. Hoje o signo da mudança não está maiscom essa gente e sim, por um lado, com os que estão retomando o espíritolibertário dos primórdios e introduzindo inovações em prol do surgimento degovernment-less internets (em projetos como Openet, Netsukuku,Openmesh, Daihimia, Digitata, Freifunk e wlanljubljana) e, por outro lado,com os que estão tentando construir plataformas i-based adequadas aonetweaving de redes distribuídas.Esses são apenas alguns exemplos, apresentados a título ilustrativo, paratentar tornar compreensível um sentido. A rigor, não há como fazer umapauta concreta das inovações-fluzz porque uma verdadeira inovação-fluzz(como qualquer inovação) é aquela que sequer conseguimos imaginar antesque apareça. Isso não significa, entretanto, que não possamos afirmar queo sentido do curso é +interatividade.Além da desobediência aos que querem aprisioná-lo no mundo de baixainteratividade, para poder se colocar em processo de inovação permanente(ou em processo de Ítaca = em processo de fluzz) você precisa sair daprisão que você mesmo construiu para você ao se aquartelar no seuquadrado para enfrentar o “mundo exterior”. 3

×