SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Em pílulas
Edição em 92 tópicos da versão preliminar integral do livro de Augusto de
Franco (2011), FLUZZ: Vida humana e convivência social nos novos mundos
altamente conectados do terceiro milênio




                               78
                 (Corresponde à introdução do Capítulo 10,
                   intitulado Mundos-bebês em gestação)




– E o que vocês esperam que eu faça?
– Você já sabe.
– Não, não sei. Por favor, ensine-me!
– Você fez muitas coisas sem precisar que o ensinassem a fazê-las.
Será que lhe ensinamos a desobediência?
Diálogo entre um ghola Duncan Idaho e o bashar Miles Teg
por Frank Herbert em Os hereges de Duna (1984)



O homem vive num filme, o homem vive num filme.
Mark Slade em The New Metamorphosis (1975),
realçando comentário de Joseph Conrad em O coração das trevas (1902)
O terrível segredo, que ninguém parece ter a coragem de encarar,
é que o mundo não pode ser salvo de uma só vez.
Não há como se varrer a miséria da existência
em grandes e eficientes vassouradas...
Salvar o mundo é um serviço sujo que só você pode fazer,
ao ritmo de um ínfimo passo de cada vez...
redimindo-se um momento de cada vez.
Um remédio de cada vez. Uma refeição de cada vez.
Uma conversa de cada vez. Um abraço de cada vez.
Uma caminhada de cada vez.
Paulo Brabo em Microsalvamentos:
como salvar o mundo um instante de cada vez (2007)




                                      2
A despeito do fato, incontestável, de a dinâmica global da interação
      entre as velhas instâncias organizativas ter mudado, anunciando a
      emersão de uma verdadeira sociedade-rede, um novo padrão de
      organização distribuído não logrou se materializar no interior e no
      entorno das organizações empresariais, governamentais e sociais,
      que continuaram ainda se estruturando de modo centralizado ou
      hierárquico. Ou seja, o muro que caiu em 1989, caiu para o mundo
      construído pelo broadcasting como um único mundo, sob o efeito das
      poderosas forças da globalização (sobretudo da globalização das
      telecomunicações e da globalização dos mercados), mas não chegou
      a se localizar nas organizações realmente existentes em todos os
      setores. A mudança continuou acontecendo, mas os novos (e
      múltiplos) Highly Connected Worlds como que "cresceram
      escondidos" nesta época de mudança e não apareceram ainda à luz
      do dia, de sorte a consumar o que poderíamos chamar de uma
      mudança de época. Esses mundos-bebês estão agora em gestação.

      Os fenômenos acompanhantes do glocal swarming serão
      surpreendentes. Alguns já começaram a se manifestar: uma
      tendência acentuada à desobediência dentro das organizações
      hierárquicas, a incapacidade dessas organizações de inovar no ritmo
      exigido pelas mudanças contemporâneas (ou melhor, de se estruturar
      para inovar permanentemente) e - o que é mais drástico - as perdas
      irreversíveis de oportunidades e condições de sustentabilidade para
      as organizações fechadas que não forem capazes iniciar a transição
      do seu padrão piramidal para um padrão de rede.




Fluzz é a queda dos muros. Em 1989 houve uma queda: a do Muro de
Berlim. O episódio, pleno de significado simbólico, assinalou o início de uma
época de mudanças nos padrões de relação entre Estado e sociedade. Um
processo até então oculto de mudança social tornou-se visível de repente.
Embora fugaz, o momento abriu uma brecha pela qual se pode ver um novo
tecido societário em gestação, uma nova topologia – mais distribuída – da


                                     3
rede social sendo tramada. Com efeito, nos anos seguintes, como se diz, "o
mundo mudou": a Internet (com a World Wide Web) nos anos 90 expressou
aspectos importantes dessa mudança profunda.

Os anos 2000, contrariando uma série de profecias futuristas, não raro
inspiradas por algum tipo de milenarismo, e frustrando as mais animadoras
expectativas da New Age, não consumaram o que foi prefigurado. A
primeira década do século 21 - marcada indelevelmente pela queda das
torres gêmeas do World Trade Center - conquanto tal evento também seja
riquíssimo de significado simbólico (místico, como revela a famosa Carta 16
do Tarot; e ideológico: o que ruiu foi um centro mundial de comércio, dando
a alguns a impressão, não raro regressiva, de que a dinâmica reguladora do
mercado estava com os dias contados e seria substituída pela normatização
estatal), não foi o vestíbulo de entrada para aquele terceiro milênio
imaginário desejado.

No entanto, subterraneamente, prosseguiu a gestação de novos padrões
societários. O mundo descobriu as redes. Entrou em franco
desenvolvimento uma nova ciência das redes. E surgiram por toda parte
novas plataformas tecnológicas interativas de articulação e animação de
redes sociais. As ferramentas começaram a ficar disponíveis. Faltaram ao
encontro apenas as pessoas, ainda arrebanhadas e cercadas, em grande
parte, nos tradicionais currais organizativos.

E tudo permanecerá assim nos mundos em que as pessoas não
desobedecerem, não saírem do seu quadrado (as fortalezas organizativas
que criaram para se proteger do “mundo exterior”), não inovarem e não
iniciarem a transição para uma padrão de rede. Por isso não haverá mesmo
uma (única) New Age. Enquanto as pessoas não desistirem da Old Age
permanecerão em mundos murados contra fluzz; ou melhor: vice-versa.

É claro que o vento continuará soprando, mas – dependendo da opacidade
de seus muros – você pode nem notar. Assim como não notou a formidável
orgia fúngica sob seus pés (uma espécie de sexo grupal que está
acontecendo agora em Zion, i. e., nos subterrâneos, com hifas surgindo por
toda parte). Assim como não notou o espalhamento dos esporos no ar que
você respira. Assim como não está vendo as miríades de interfaces
conectando miríades de mundos à sua volta e “explodindo como uma
ramada de neurônios”... (1)

Esse é o glocal swarming – que você só percebe se estiver nele. Para
invocá-lo em seu mundo você precisa, antes de qualquer coisa, conceber e




                                    4
dar à luz ao seu mundo. Sim, agora chegou a hora de você mesmo fazer o
seu mundo!




                                  5
Nota

(1) Referência a um artigo de Pierre Lèvy: Op. cit.




                                         6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (8)

Fluzz pilulas 59
Fluzz pilulas 59Fluzz pilulas 59
Fluzz pilulas 59
 
Fluzz pilulas 33
Fluzz pilulas 33Fluzz pilulas 33
Fluzz pilulas 33
 
A sociedade em rede e a economia criativa
A sociedade em rede e a economia criativaA sociedade em rede e a economia criativa
A sociedade em rede e a economia criativa
 
Fluzz pilulas 61
Fluzz pilulas 61Fluzz pilulas 61
Fluzz pilulas 61
 
Liberalismo 3.0 o surto da descentralização do século XXI
Liberalismo 3.0   o surto da descentralização do século XXILiberalismo 3.0   o surto da descentralização do século XXI
Liberalismo 3.0 o surto da descentralização do século XXI
 
Série FLUZZ Volume 1 A REDE
Série FLUZZ Volume 1 A REDESérie FLUZZ Volume 1 A REDE
Série FLUZZ Volume 1 A REDE
 
Niilismo
NiilismoNiilismo
Niilismo
 
Fluzz capítulo 9
Fluzz capítulo 9Fluzz capítulo 9
Fluzz capítulo 9
 

Destaque (20)

Controles operacionais da câmera unicap
Controles operacionais da câmera unicapControles operacionais da câmera unicap
Controles operacionais da câmera unicap
 
áCidos nucléicos 2011
áCidos nucléicos 2011áCidos nucléicos 2011
áCidos nucléicos 2011
 
Criterios para seminarios
Criterios para seminariosCriterios para seminarios
Criterios para seminarios
 
De que se trata
De que se trataDe que se trata
De que se trata
 
Direct Web Remoting Sun Tech Days2007
Direct Web Remoting Sun Tech Days2007Direct Web Remoting Sun Tech Days2007
Direct Web Remoting Sun Tech Days2007
 
Seminário POS EPTC
Seminário POS EPTCSeminário POS EPTC
Seminário POS EPTC
 
Condomínio Rural
Condomínio RuralCondomínio Rural
Condomínio Rural
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Presentación material educativo
Presentación material educativoPresentación material educativo
Presentación material educativo
 
Sara, Adriana e Leo - Telefone
Sara, Adriana e Leo - TelefoneSara, Adriana e Leo - Telefone
Sara, Adriana e Leo - Telefone
 
Fluzz pilulas 10
Fluzz pilulas 10Fluzz pilulas 10
Fluzz pilulas 10
 
Tecidos 1ºb
Tecidos 1ºbTecidos 1ºb
Tecidos 1ºb
 
Diapositivas constructivismo (2)
Diapositivas constructivismo (2)Diapositivas constructivismo (2)
Diapositivas constructivismo (2)
 
OS 7 DIAS QUE ABALARAM O BRASIL
OS 7 DIAS QUE ABALARAM O BRASILOS 7 DIAS QUE ABALARAM O BRASIL
OS 7 DIAS QUE ABALARAM O BRASIL
 
A Cesta
A CestaA Cesta
A Cesta
 
Trabajo 3 nticx subir
Trabajo 3 nticx subirTrabajo 3 nticx subir
Trabajo 3 nticx subir
 
Apa 6 ed
Apa 6 edApa 6 ed
Apa 6 ed
 
XPQ3jTwXX4461eV28FetSMaZKU
XPQ3jTwXX4461eV28FetSMaZKUXPQ3jTwXX4461eV28FetSMaZKU
XPQ3jTwXX4461eV28FetSMaZKU
 
Gente como a gente
Gente como a genteGente como a gente
Gente como a gente
 
projectoeducativo0811
projectoeducativo0811projectoeducativo0811
projectoeducativo0811
 

Semelhante a Fluzz pilulas 78

Semelhante a Fluzz pilulas 78 (20)

A SEGUNDA QUEDA DO MURO
A SEGUNDA QUEDA DO MUROA SEGUNDA QUEDA DO MURO
A SEGUNDA QUEDA DO MURO
 
Highly Connected Worlds
Highly Connected WorldsHighly Connected Worlds
Highly Connected Worlds
 
Fluzz capítulo 2
Fluzz capítulo 2Fluzz capítulo 2
Fluzz capítulo 2
 
Fluzz pilulas 79
Fluzz pilulas 79Fluzz pilulas 79
Fluzz pilulas 79
 
Fluzz pilulas 32
Fluzz pilulas 32Fluzz pilulas 32
Fluzz pilulas 32
 
Série FLUZZ Volume 2 HIGHLY CONNECTED WORLDS
Série FLUZZ Volume 2 HIGHLY CONNECTED WORLDSSérie FLUZZ Volume 2 HIGHLY CONNECTED WORLDS
Série FLUZZ Volume 2 HIGHLY CONNECTED WORLDS
 
Fluzz pilulas 20
Fluzz pilulas 20Fluzz pilulas 20
Fluzz pilulas 20
 
ELES JÁ ESTÃO ENTRE NÓS
ELES JÁ ESTÃO ENTRE NÓSELES JÁ ESTÃO ENTRE NÓS
ELES JÁ ESTÃO ENTRE NÓS
 
Fluzz capítulo 11
Fluzz capítulo 11Fluzz capítulo 11
Fluzz capítulo 11
 
Fluzz pilulas 58
Fluzz pilulas 58Fluzz pilulas 58
Fluzz pilulas 58
 
Fluzz pilulas 19
Fluzz pilulas 19Fluzz pilulas 19
Fluzz pilulas 19
 
FRANCO, Augusto - Você é o Inimigo
FRANCO, Augusto - Você é o InimigoFRANCO, Augusto - Você é o Inimigo
FRANCO, Augusto - Você é o Inimigo
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
FLUZZ SÉRIE COMPLETA
FLUZZ SÉRIE COMPLETAFLUZZ SÉRIE COMPLETA
FLUZZ SÉRIE COMPLETA
 
Fluzz pilulas 62
Fluzz pilulas 62Fluzz pilulas 62
Fluzz pilulas 62
 
Fluzz pilulas 54
Fluzz pilulas 54Fluzz pilulas 54
Fluzz pilulas 54
 
Série FLUZZ Volume 9 BEM-VINDOS AOS NOVOS MUNDOS-FLUZZ
Série FLUZZ Volume 9 BEM-VINDOS AOS NOVOS MUNDOS-FLUZZSérie FLUZZ Volume 9 BEM-VINDOS AOS NOVOS MUNDOS-FLUZZ
Série FLUZZ Volume 9 BEM-VINDOS AOS NOVOS MUNDOS-FLUZZ
 
Comunicação e globalização
Comunicação e globalizaçãoComunicação e globalização
Comunicação e globalização
 
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃOUM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
UM NOVO CONCEITO DE REVOLUÇÃO
 
Fluzz pilulas 90
Fluzz pilulas 90Fluzz pilulas 90
Fluzz pilulas 90
 

Mais de augustodefranco .

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaaugustodefranco .
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilaugustodefranco .
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaaugustodefranco .
 
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeAlgumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeaugustodefranco .
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA augustodefranco .
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...augustodefranco .
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...augustodefranco .
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMAaugustodefranco .
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialaugustodefranco .
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?augustodefranco .
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaaugustodefranco .
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Deweyaugustodefranco .
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELAaugustodefranco .
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesaugustodefranco .
 

Mais de augustodefranco . (20)

Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democraciaFranco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
Franco, Augusto (2017) Conservadorismo, liberalismo econômico e democracia
 
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasilFranco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
Franco, Augusto (2018) Os diferentes adversários da democracia no brasil
 
Hiérarchie
Hiérarchie Hiérarchie
Hiérarchie
 
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventadaA democracia sob ataque terá de ser reinventada
A democracia sob ataque terá de ser reinventada
 
JERARQUIA
JERARQUIAJERARQUIA
JERARQUIA
 
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em redeAlgumas notas sobre os desafios de empreender em rede
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
 
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISEAS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
AS EMPRESAS DIANTE DA CRISE
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
 
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
CONDORCET, Marquês de (1792). Relatório de projeto de decreto sobre a organiz...
 
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
NIETZSCHE, Friederich (1888). Os "melhoradores" da humanidade, Parte 2 e O qu...
 
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
100 DIAS DE VERÃO BOOK DO PROGRAMA
 
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede socialNunca a humanidade dependeu tanto da rede social
Nunca a humanidade dependeu tanto da rede social
 
Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?Um sistema estatal de participação social?
Um sistema estatal de participação social?
 
Quando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democraciaQuando as eleições conspiram contra a democracia
Quando as eleições conspiram contra a democracia
 
100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO100 DIAS DE VERÃO
100 DIAS DE VERÃO
 
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John DeweyDemocracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
Democracia cooperativa: escritos políticos escolhidos de John Dewey
 
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLAMULTIVERSIDADE NA ESCOLA
MULTIVERSIDADE NA ESCOLA
 
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAISDEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
DEMOCRACIA E REDES SOCIAIS
 
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELARELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
RELATÓRIO DO HUMAN RIGHTS WATCH SOBRE A VENEZUELA
 
Diálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantesDiálogo democrático: um manual para practicantes
Diálogo democrático: um manual para practicantes
 

Fluzz pilulas 78

  • 1. Em pílulas Edição em 92 tópicos da versão preliminar integral do livro de Augusto de Franco (2011), FLUZZ: Vida humana e convivência social nos novos mundos altamente conectados do terceiro milênio 78 (Corresponde à introdução do Capítulo 10, intitulado Mundos-bebês em gestação) – E o que vocês esperam que eu faça? – Você já sabe. – Não, não sei. Por favor, ensine-me! – Você fez muitas coisas sem precisar que o ensinassem a fazê-las. Será que lhe ensinamos a desobediência? Diálogo entre um ghola Duncan Idaho e o bashar Miles Teg por Frank Herbert em Os hereges de Duna (1984) O homem vive num filme, o homem vive num filme. Mark Slade em The New Metamorphosis (1975), realçando comentário de Joseph Conrad em O coração das trevas (1902)
  • 2. O terrível segredo, que ninguém parece ter a coragem de encarar, é que o mundo não pode ser salvo de uma só vez. Não há como se varrer a miséria da existência em grandes e eficientes vassouradas... Salvar o mundo é um serviço sujo que só você pode fazer, ao ritmo de um ínfimo passo de cada vez... redimindo-se um momento de cada vez. Um remédio de cada vez. Uma refeição de cada vez. Uma conversa de cada vez. Um abraço de cada vez. Uma caminhada de cada vez. Paulo Brabo em Microsalvamentos: como salvar o mundo um instante de cada vez (2007) 2
  • 3. A despeito do fato, incontestável, de a dinâmica global da interação entre as velhas instâncias organizativas ter mudado, anunciando a emersão de uma verdadeira sociedade-rede, um novo padrão de organização distribuído não logrou se materializar no interior e no entorno das organizações empresariais, governamentais e sociais, que continuaram ainda se estruturando de modo centralizado ou hierárquico. Ou seja, o muro que caiu em 1989, caiu para o mundo construído pelo broadcasting como um único mundo, sob o efeito das poderosas forças da globalização (sobretudo da globalização das telecomunicações e da globalização dos mercados), mas não chegou a se localizar nas organizações realmente existentes em todos os setores. A mudança continuou acontecendo, mas os novos (e múltiplos) Highly Connected Worlds como que "cresceram escondidos" nesta época de mudança e não apareceram ainda à luz do dia, de sorte a consumar o que poderíamos chamar de uma mudança de época. Esses mundos-bebês estão agora em gestação. Os fenômenos acompanhantes do glocal swarming serão surpreendentes. Alguns já começaram a se manifestar: uma tendência acentuada à desobediência dentro das organizações hierárquicas, a incapacidade dessas organizações de inovar no ritmo exigido pelas mudanças contemporâneas (ou melhor, de se estruturar para inovar permanentemente) e - o que é mais drástico - as perdas irreversíveis de oportunidades e condições de sustentabilidade para as organizações fechadas que não forem capazes iniciar a transição do seu padrão piramidal para um padrão de rede. Fluzz é a queda dos muros. Em 1989 houve uma queda: a do Muro de Berlim. O episódio, pleno de significado simbólico, assinalou o início de uma época de mudanças nos padrões de relação entre Estado e sociedade. Um processo até então oculto de mudança social tornou-se visível de repente. Embora fugaz, o momento abriu uma brecha pela qual se pode ver um novo tecido societário em gestação, uma nova topologia – mais distribuída – da 3
  • 4. rede social sendo tramada. Com efeito, nos anos seguintes, como se diz, "o mundo mudou": a Internet (com a World Wide Web) nos anos 90 expressou aspectos importantes dessa mudança profunda. Os anos 2000, contrariando uma série de profecias futuristas, não raro inspiradas por algum tipo de milenarismo, e frustrando as mais animadoras expectativas da New Age, não consumaram o que foi prefigurado. A primeira década do século 21 - marcada indelevelmente pela queda das torres gêmeas do World Trade Center - conquanto tal evento também seja riquíssimo de significado simbólico (místico, como revela a famosa Carta 16 do Tarot; e ideológico: o que ruiu foi um centro mundial de comércio, dando a alguns a impressão, não raro regressiva, de que a dinâmica reguladora do mercado estava com os dias contados e seria substituída pela normatização estatal), não foi o vestíbulo de entrada para aquele terceiro milênio imaginário desejado. No entanto, subterraneamente, prosseguiu a gestação de novos padrões societários. O mundo descobriu as redes. Entrou em franco desenvolvimento uma nova ciência das redes. E surgiram por toda parte novas plataformas tecnológicas interativas de articulação e animação de redes sociais. As ferramentas começaram a ficar disponíveis. Faltaram ao encontro apenas as pessoas, ainda arrebanhadas e cercadas, em grande parte, nos tradicionais currais organizativos. E tudo permanecerá assim nos mundos em que as pessoas não desobedecerem, não saírem do seu quadrado (as fortalezas organizativas que criaram para se proteger do “mundo exterior”), não inovarem e não iniciarem a transição para uma padrão de rede. Por isso não haverá mesmo uma (única) New Age. Enquanto as pessoas não desistirem da Old Age permanecerão em mundos murados contra fluzz; ou melhor: vice-versa. É claro que o vento continuará soprando, mas – dependendo da opacidade de seus muros – você pode nem notar. Assim como não notou a formidável orgia fúngica sob seus pés (uma espécie de sexo grupal que está acontecendo agora em Zion, i. e., nos subterrâneos, com hifas surgindo por toda parte). Assim como não notou o espalhamento dos esporos no ar que você respira. Assim como não está vendo as miríades de interfaces conectando miríades de mundos à sua volta e “explodindo como uma ramada de neurônios”... (1) Esse é o glocal swarming – que você só percebe se estiver nele. Para invocá-lo em seu mundo você precisa, antes de qualquer coisa, conceber e 4
  • 5. dar à luz ao seu mundo. Sim, agora chegou a hora de você mesmo fazer o seu mundo! 5
  • 6. Nota (1) Referência a um artigo de Pierre Lèvy: Op. cit. 6