MAQUINA DE POST
Alunos
Alexandre Lemke
Augusto Schmidt
Disciplina
Teoria da Computação
Emil Leon Post
 Introdução
 Caracterização
 Definição
 Componentes Diagrama de Fluxo
 Exemplos
 Bibliografia
INDICE
INTRODUÇÃO
Em 1936, Emil Leon Post propôs um modelo de Máquina Universal
denominada Máquina de Post. Uma máquina de Post c...
Uso da estrutura FILA (Variável X) para Entrada, Saída
e Memória de Trabalho.
X não possui tamanho nem limite fixo. Seu
co...
DEFINIÇÃO
É dado por uma tripla.
M = (Σ , D, #)
Onde:
● Σ alfabeto de entrada
● D diagrama de fluxo
● # símbolo auxiliar
COMPONENTES:
DIAGRAMA DE FLUXO
 Partida - Só existe uma instrução de início.
 Parada - A Máquina só para se Aceita ou Re...
COMPONENTES:
DIAGRAMA DE FLUXO
 Atribuição (X ← Xs) - Se Xs = { Σ U { # } } então
armazena o símbolo s indicado no final ...
 Considere a linguagem Duplo Balanceamento
DB = {anbn | n ≥ 0}
 Máquina de Post
MP = ({a,b}, D, #)
EXEMPLO:
DUPLO BALANC...
EXEMPLO:
BIBLIOGRAFIA
 Teoria da Computação, T. A. Divério e P. B Menezes,
Bookman, 2008, 2ª edição.
 Programs and Machines – An ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teoria da Computação - Maquina de post

1.224 visualizações

Publicada em

Trabalho Maquina de post

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.224
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria da Computação - Maquina de post

  1. 1. MAQUINA DE POST Alunos Alexandre Lemke Augusto Schmidt Disciplina Teoria da Computação Emil Leon Post
  2. 2.  Introdução  Caracterização  Definição  Componentes Diagrama de Fluxo  Exemplos  Bibliografia INDICE
  3. 3. INTRODUÇÃO Em 1936, Emil Leon Post propôs um modelo de Máquina Universal denominada Máquina de Post. Uma máquina de Post consiste em duas partes: uma variável X e um programa. O poder de expressão da Máquina de Post é o mesmo que o da Máquina de Turing ou seja para toda Máquina de Turing existe uma Máquina de Post equivalente e vice-versa. Todo conteúdo da fita de uma MT, pode ser expresso por uma máquina de POST. O dispositivo reconhecedor é na verdade um modelo matemático que descreve o funcionamento de uma máquina, onde as cadeias são submetidas para aceitação ou rejeição.
  4. 4. Uso da estrutura FILA (Variável X) para Entrada, Saída e Memória de Trabalho. X não possui tamanho nem limite fixo. Seu comprimento é dado pelo tamanha da palavra armazenada no momento. Os símbolos são: ● Alfabeto de entrada ( Σ ) ● Símbolo auxiliar { # } ● Entrada vazia ε O programa é constituído de uma sequencia finita de instruções, as instruções podem ser de: partida, parada, desvio(teste), e atribuição. CARACTERIZAÇÃO
  5. 5. DEFINIÇÃO É dado por uma tripla. M = (Σ , D, #) Onde: ● Σ alfabeto de entrada ● D diagrama de fluxo ● # símbolo auxiliar
  6. 6. COMPONENTES: DIAGRAMA DE FLUXO  Partida - Só existe uma instrução de início.  Parada - A Máquina só para se Aceita ou Rejeita.
  7. 7. COMPONENTES: DIAGRAMA DE FLUXO  Atribuição (X ← Xs) - Se Xs = { Σ U { # } } então armazena o símbolo s indicado no final da FILA.  Desvio (X ← ler(X)) - essa operação lê o primeiro simbolo, exclui ele da fila e desvia o fluxo do programa. Prever se X contem palavra vazia. Se Σ têm n elementos então existem n+2 (# ε) arestas de desvios condicionais.
  8. 8.  Considere a linguagem Duplo Balanceamento DB = {anbn | n ≥ 0}  Máquina de Post MP = ({a,b}, D, #) EXEMPLO: DUPLO BALANCEAMENTO
  9. 9. EXEMPLO:
  10. 10. BIBLIOGRAFIA  Teoria da Computação, T. A. Divério e P. B Menezes, Bookman, 2008, 2ª edição.  Programs and Machines – An Introduction to the Theory of Computation, R. Bird, John Wiley and Sons, 1976.

×