SlideShare uma empresa Scribd logo

Cq cosmetico

1 de 72
Baixar para ler offline
Marcelo de Souza Pinto 1
CONTROLE DA QUALIDADECONTROLE DA QUALIDADE
NANA
INDINDÚÚSTRIA COSMSTRIA COSMÉÉTICATICA
Marcelo de Souza Pinto 2
PARABÉNS !!!!!!
Marcelo de Souza Pinto 3
Marcelo de Souza Pinto
Químico – Faculdades Oswaldo Cruz
Pós Graduações :
• Gestão da Qualidade – Faculdades Oswaldo Cruz
• Gestão Ambiental – Faculdades Senac
17 anos de experiência em Industrias Nacional e
Multinacional nas áreas de Controle e Garantia da Qualidade.
Marcelo de Souza Pinto 4
TRABALHAR COM A ÁREA DA
QUALIDADE !!!!!
Marcelo de Souza Pinto 5
C
H
A
OMPROMETIMENTO/CAPACIDADE
ABILIDADE
MOR
Marcelo de Souza Pinto 6
MERCADO CONSUMIDOR
1º - EUA
2º - JAPÃO
3º - BRASIL

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...
Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...
Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...Intertox Ltda.
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oDaniel Jovana Joaquim
 
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607 1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607 Seminário CME
 
Manual de boas_práticas
Manual de boas_práticasManual de boas_práticas
Manual de boas_práticasUNIP
 
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreiraCuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreiraKarla Georgia
 
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E InspetoresCurso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetoresguest9ca81a
 
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...Agrosys Tecnologia
 
Programas de Auto-Regulamentação para Azeite
Programas de Auto-Regulamentação para AzeiteProgramas de Auto-Regulamentação para Azeite
Programas de Auto-Regulamentação para AzeiteAgricultura Sao Paulo
 
2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?
2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?
2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?Seminário CME
 
Passos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de Aves
Passos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de AvesPassos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de Aves
Passos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de AvesAgrosys Tecnologia
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrãoRafael Correia
 
Tese estudo da estabilidade em cosméticos
Tese estudo da estabilidade em cosméticosTese estudo da estabilidade em cosméticos
Tese estudo da estabilidade em cosméticosRenato Machado
 
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de raçãoBPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de raçãoCarla Souza
 
Laboratório de qualidade
Laboratório de qualidadeLaboratório de qualidade
Laboratório de qualidadePaulo Santos
 
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...Seminário CME
 
Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012
Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012
Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012Nathália Camargo
 

Mais procurados (20)

Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...
Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...
Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméti...
 
Curso porto alegre bpf_2012_sft
Curso porto alegre bpf_2012_sftCurso porto alegre bpf_2012_sft
Curso porto alegre bpf_2012_sft
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
 
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607 1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607
1º Seminário CME e Centro Cirúrgico- Embalagens, RDC 15 & ISO 11607
 
Manual de boas_práticas
Manual de boas_práticasManual de boas_práticas
Manual de boas_práticas
 
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreiraCuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
 
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E InspetoresCurso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
 
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
Software Agrosys Gestão Qualidade Abatedouros Aves visando atender requisitos...
 
Programas de Auto-Regulamentação para Azeite
Programas de Auto-Regulamentação para AzeiteProgramas de Auto-Regulamentação para Azeite
Programas de Auto-Regulamentação para Azeite
 
2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?
2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?
2ª Edição do 1º Seminário CME - RDC15 DE 2012 - Implantação Estamos Preparados?
 
Passos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de Aves
Passos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de AvesPassos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de Aves
Passos para Implantação Certificação Qualidade em Abatedouro de Aves
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrão
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
Tese estudo da estabilidade em cosméticos
Tese estudo da estabilidade em cosméticosTese estudo da estabilidade em cosméticos
Tese estudo da estabilidade em cosméticos
 
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de raçãoBPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
BPF- Boas prática de fabricação em fábricas de ração
 
Laboratório de qualidade
Laboratório de qualidadeLaboratório de qualidade
Laboratório de qualidade
 
Programa de treinamento
Programa de treinamentoPrograma de treinamento
Programa de treinamento
 
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
2ª Edição do 1º Seminário CME- Sobre Monitores de Esterilização e Limpeza- Us...
 
Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012
Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012
Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos 2012
 

Destaque

Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23
Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23
Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23DrMariani
 
TP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da QualidadeTP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da QualidadeCristiana
 
Chapter 4 drug cosmetic stability
Chapter 4   drug cosmetic stabilityChapter 4   drug cosmetic stability
Chapter 4 drug cosmetic stabilityMalou Mojares
 
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)Nemésio Carlos Silva
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeSandra Silva
 

Destaque (6)

Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23
Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23
Mkt 1043 stability and efficiency testing-SPPT23
 
Principais Falhas em Auditorias do PBQP-H
Principais Falhas em Auditorias do PBQP-HPrincipais Falhas em Auditorias do PBQP-H
Principais Falhas em Auditorias do PBQP-H
 
TP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da QualidadeTP1 - Gestão da Qualidade
TP1 - Gestão da Qualidade
 
Chapter 4 drug cosmetic stability
Chapter 4   drug cosmetic stabilityChapter 4   drug cosmetic stability
Chapter 4 drug cosmetic stability
 
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
 

Semelhante a Cq cosmetico

amostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdfamostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdfssuser66f178
 
Folder Sistema DuPont de Gestão em Q&SA
Folder Sistema DuPont de Gestão em Q&SAFolder Sistema DuPont de Gestão em Q&SA
Folder Sistema DuPont de Gestão em Q&SANelio Bento
 
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizadosManual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizadosFernando Rufus
 
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E InspetoresCurso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E InspetoresSergio Pereira
 
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21wallisson lima
 
Ana Cristina de Abreu Maia, CV Portugues
Ana Cristina de Abreu Maia, CV PortuguesAna Cristina de Abreu Maia, CV Portugues
Ana Cristina de Abreu Maia, CV PortuguesAna Cristina Maia
 
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOSAPPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOSRegiane Rodrigues
 
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Cooperrita
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoVanessa Rodrigues
 
Controle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumosControle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumosVanessa Rodrigues
 
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdfBoas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdfDaniSilva665881
 
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leiteGarantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leiteNathalie Leite
 
Appcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCar
Appcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCarAppcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCar
Appcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCarthemis dovera
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteAna Helena
 
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptxcontroledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptxAlerrandroGuimaresSi
 

Semelhante a Cq cosmetico (20)

amostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdfamostragem. medições.pdf
amostragem. medições.pdf
 
Apostila 13485 2012
Apostila 13485 2012Apostila 13485 2012
Apostila 13485 2012
 
Folder Sistema DuPont de Gestão em Q&SA
Folder Sistema DuPont de Gestão em Q&SAFolder Sistema DuPont de Gestão em Q&SA
Folder Sistema DuPont de Gestão em Q&SA
 
Plano de Total Quality Management
Plano de Total Quality ManagementPlano de Total Quality Management
Plano de Total Quality Management
 
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizadosManual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
 
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E InspetoresCurso   CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
Curso CertificaçãO OrgâNica Consultores E Inspetores
 
Aula 00
Aula 00Aula 00
Aula 00
 
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
 
Ana Cristina de Abreu Maia, CV Portugues
Ana Cristina de Abreu Maia, CV PortuguesAna Cristina de Abreu Maia, CV Portugues
Ana Cristina de Abreu Maia, CV Portugues
 
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOSAPPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
 
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
 
Apresentação inicial - Enfisa 2016
Apresentação inicial - Enfisa 2016Apresentação inicial - Enfisa 2016
Apresentação inicial - Enfisa 2016
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Controle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumosControle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumos
 
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdfBoas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
 
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leiteGarantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
 
Appcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCar
Appcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCarAppcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCar
Appcc – AnáLise De Perigo E Pontos CríTicos De Controle Na Empresa De AçúCar
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
 
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptxcontroledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
 
9225 49880-1-pb
9225 49880-1-pb9225 49880-1-pb
9225 49880-1-pb
 

Último

MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024
MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024
MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024miladlasse
 
Edital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdf
Edital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdfEdital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdf
Edital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdfPortal NE10
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024miladlasse
 
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...dl assessoria 8
 
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...DlAssessoriaacadmica2
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...leitev350
 
O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...
O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...
O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...Dl assessoria 16
 
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...leitev350
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...dl assessoria9
 
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...DassessoriaAa
 
manual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac prmanual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac prSergio Augusto da Luz
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...dl assessoria9
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024dlp391622
 
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...assessoria dl 10
 
Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...
Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...
Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...sdl192405
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024dlp391622
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...assedlmoi
 
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...mariaclarinhaa2723
 
MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024
MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024
MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024AcademiaDL
 
MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024dlalicia08
 

Último (20)

MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024
MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024
MAPA - GAMB - ECOLOGIA APLICADA - 51/2024
 
Edital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdf
Edital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdfEdital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdf
Edital Caixa 2024 - nível superior - DOU.pdf
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
A identificação e classificação das orações são ações que se constituem apena...
 
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
A prensa é um maquinário fundamental e é utilizada na conformação e corte de ...
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
 
O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...
O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...
O gestor ambiental é um profissional de suma importância. Ele atua atento ao ...
 
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
Olá, estudante! Chegou o momento de colocarmos em prática toda aprendizagem c...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
Seu aluno de personal trainer chegou até você e solicitou que prescrevesse um...
 
manual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac prmanual de aprendizagem comercial senac pr
manual de aprendizagem comercial senac pr
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
Em um protocolo de avaliação física, a avaliação da composição corporal é fun...
 
Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...
Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...
Quando submetemos um indivíduo a um programa de exercícios resistidos, a depe...
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
PRIMEIRA ETAPA: leitura do texto de apoio A administração de recursos humanos...
 
MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024
MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024
MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024MAPA - ADM - CIÊNCIAS SOCIAIS- 51/2024
 
MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
MAPA - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
 

Cq cosmetico

  • 1. Marcelo de Souza Pinto 1 CONTROLE DA QUALIDADECONTROLE DA QUALIDADE NANA INDINDÚÚSTRIA COSMSTRIA COSMÉÉTICATICA
  • 2. Marcelo de Souza Pinto 2 PARABÉNS !!!!!!
  • 3. Marcelo de Souza Pinto 3 Marcelo de Souza Pinto Químico – Faculdades Oswaldo Cruz Pós Graduações : • Gestão da Qualidade – Faculdades Oswaldo Cruz • Gestão Ambiental – Faculdades Senac 17 anos de experiência em Industrias Nacional e Multinacional nas áreas de Controle e Garantia da Qualidade.
  • 4. Marcelo de Souza Pinto 4 TRABALHAR COM A ÁREA DA QUALIDADE !!!!!
  • 5. Marcelo de Souza Pinto 5 C H A OMPROMETIMENTO/CAPACIDADE ABILIDADE MOR
  • 6. Marcelo de Souza Pinto 6 MERCADO CONSUMIDOR 1º - EUA 2º - JAPÃO 3º - BRASIL
  • 7. Marcelo de Souza Pinto 7 As empresas Cosméticas são regulamentadas, pela ANVISA, portanto os produtos são considerados passíveis de provocar danos a saúde do consumidor
  • 8. Marcelo de Souza Pinto 8 A preocupação com a qualidade dos produtos devem iniciar no momento do desenvolvimento dos mesmos, utilizando substâncias permitidas e em quantidades permitidas pela legislação vigente. Ex.: RES 47/06 Filtros UV RES 215/05 Lista Restritiva RES 48/06 Lista Proibitiva RES 162/01 Conservantes RES 79/00 Corantes
  • 9. Marcelo de Souza Pinto 9 QUALIDADE • É o total de características de um produto ou serviço que lhe confere a capacidade de satisfazer as necessidades explícitas e implícitas do cliente. SEGURANÇA E EFICÁCIA
  • 10. Marcelo de Souza Pinto 10 O QUE MOVE A QUALIDADE ? Exigências do mercado + Leis e Portarias + Necessidades de aprimoramento constante e intensivo
  • 11. Marcelo de Souza Pinto 11 O Controle de Qualidade não deve se restringir as atividades laboratoriais, mas abranger todas as decisões relacionadas à qualidade do produto. Limpeza dos equipamentos utilizados Pontos de amostragem
  • 12. Marcelo de Souza Pinto 12 O Controle de Qualidade está dividido em : • Laboratório Físico-Químico • Laboratório Microbiológico • Laboratório de Materiais de Embalagem • Laboratório de Controle de Processo
  • 13. Marcelo de Souza Pinto 13 Documentação envolvida: • Procedimentos • Metodologias • Especificações • Registros
  • 14. Marcelo de Souza Pinto 14 QUEM ESTABELECE ? PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Procedimentos operacionais são estabelecidos pela própria empresa, seguindo fielmente as atividades desenvolvidas.
  • 15. Marcelo de Souza Pinto 15 METODOLOGIAS Estabelecidas pela empresa, tendo como referências compêndios oficiais, legislações internacionais (Infarmed, EU, etc.) fornecedores de matérias-primas ou por meio da criação e validação interna.
  • 16. Marcelo de Souza Pinto 16 ESPECIFICAÇÕES É o documento onde são descritos os atributos do material, substância ou produto exigida por lei e/ou desejada pela empresa de modo a assegurar a fabricação e uso. Contém as características Físicas, Químicas ou Microbiológicas.
  • 17. Marcelo de Souza Pinto 17 QUEM ESTABELECE ? •Compêndios, Farmacopéias •Órgãos Legais •P&D •CQ •Marketing •Fornecedores •Consumidor
  • 18. Marcelo de Souza Pinto 18 REGISTROS “ ATIVIDADE NÃO REGISTRADA É UMA ATIVIDADE NÃO REALIZADA”
  • 19. Marcelo de Souza Pinto 19 REGISTROS DE ANÁLISES •Resultados das Análises •Cálculos •Correções •Reanálises
  • 20. Marcelo de Souza Pinto 20 REGISTROS •Vistar /datar os campos referentes a cada etapa do processo efetivamente realizada. •Nunca registrar o trabalho de outra pessoa. •Proibido o uso de lápis.
  • 21. Marcelo de Souza Pinto 21 REGISTROS •Sem rasuras •O uso de corretivo é proibido •Caneta Preta / Azul O que fazer se errar ? Passar um único risco, deixando exposto o erro, anotar o resultado correto e rubricar. ERRO
  • 22. Marcelo de Souza Pinto 22 PROGRAMA DE CALIBRAÇÃO Todos os equipamentos de medição devem possuir um programa de calibração. (Balanças, pHmetros, tituladores, picnômetros, cromatógrafos, espectrofotômetros, etc.) Balanças devem possuir selo do INMETRO.
  • 23. Marcelo de Souza Pinto 23 Controle de Qualidade O que controlar ? • Água • Matérias-Primas • Produto em processo • Produto Acabado • Materiais de embalagem
  • 24. Marcelo de Souza Pinto 24 ÁGUA
  • 25. Marcelo de Souza Pinto 25 ALGUNS TIPOS DE ÁGUA UTILIZADAS •Desmineralizada •Osmose •Destilada •Potável (Rede Pública ou Poço Artesiano)
  • 26. Marcelo de Souza Pinto 26 ÁGUA Não há uma legislação específica para o controle da água na indústria cosmética. Então, onde se basear e o que controlar ?
  • 27. Marcelo de Souza Pinto 27 Testes Físico-Químicos e Microbiológicos Pode ser baseado em farmacopéias (recomendado). Portaria 518 MS 03/2004 Resolução SS65 CVS-SP 04/2005
  • 28. Marcelo de Souza Pinto 28 MATÉRIAS PRIMAS
  • 29. Marcelo de Souza Pinto 29 MATÉRIAS-PRIMAS Depois da RDC 128 de 09/05/2002, os fabricantes de produtos são responsáveis pelos seus fornecedores de matérias- primas.
  • 30. Marcelo de Souza Pinto 30 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES QUALIDADE ASSEGURADA
  • 31. Marcelo de Souza Pinto 31 Um bom programa de qualificação de fornecedores, exige tempo e dedicação. Qualidade Assegurada não elimina a necessidade de inspeção. Necessário, no mínimo, um teste de identificação no ato do recebimento e análises completas periódicas.
  • 32. Marcelo de Souza Pinto 32 O Programa de Qualidade assegurada reduz custos, mas se não for bem estruturado pode trazer danos irreparáveis.
  • 33. Marcelo de Souza Pinto 33 AMOSTRAGEM
  • 34. Marcelo de Souza Pinto 34 AMOSTRAGEM Onde tudo começa, inclusive a imprecisão das análises.
  • 35. Marcelo de Souza Pinto 35 AMOSTRAGEM Deverá ser: -Representativa -Validade estatística -Segurança
  • 36. Marcelo de Souza Pinto 36 AMOSTRAGEM -Evitar a contaminação cruzada -Cuidar da homogeneidade da amostra -Equipamentos ou acessórios usados para amostragem, manuseio, preparação ou extração da amostra devem ser selecionados para evitar modificações indesejadas na natureza da amostra, que podem influenciar no resultado final
  • 37. Marcelo de Souza Pinto 37 ANÁLISE DAS MATÉRIAS-PRIMAS Microbiológicas Físico Químicas Registros Retenção
  • 38. Marcelo de Souza Pinto 38 PRODUTOS EM PROCESSO
  • 39. Marcelo de Souza Pinto 39
  • 40. Marcelo de Souza Pinto 40 Guia ANVISA – Controle da qualidade de produtos cosméticos. 28/05/2007 Orientar as empresas quanto aos procedimentos básicos para garantir a qualidade dos produtos e fornecer subsídios para os laboratórios oficiais.
  • 41. Marcelo de Souza Pinto 41 ANVISA ABC ABIHPEC Instituto Adolfo Lutz INCQS – Instituto Oswaldo Cruz FUNED Universidade do Rio de Janeiro (CATEC) Universidade Ceará
  • 42. Marcelo de Souza Pinto 42 O Guia está dividido em 2 parte: Primeira – Instruções sobre o programa de controle de qualidade Segunda – Metodologias analíticas (Empresas, Laboratórios Oficiais, Universidades, etc.).
  • 43. Marcelo de Souza Pinto 43 Primeira Parte Definições e orientações: • Calibração • Validação • Especificações • Amostragem • Tratamento das amostras para análise • Reagentes • Ensaios Analíticos (Organolépticos e Físico-Químicos) • Registros/Rastreabilidade • Descarte de materiais • Liberação para o mercado • Amostras de Retenção
  • 44. Marcelo de Souza Pinto 44 Segunda Parte – Metodologias • Chumbo • Ácido Bórico • Ácido Glicólico • Ácido Tioglicólico • Alumínio e Zircônio • Filtros Ultra Violeta • Flúor • Formaldeído • Hidróxido de Amônio / Cálcio / Potássio /Sódio • Peróxido de Hidrogênio • Uréia
  • 45. Marcelo de Souza Pinto 45 Critério para a escolha das metodologias : • Substâncias que oferecem riscos (Listas Restritivas) • Facilidade de implementação, com algumas exceções.
  • 46. Marcelo de Souza Pinto 46 Metodologias extraídas de legislações européias (Infarmed, UE, EUA, entre outras). As empresas tem livre escolha para utilizar métodos próprios, desde que sejam extraídos de compêndios oficiais ou desenvolvidos internamente e validados.
  • 47. Marcelo de Souza Pinto 47 Aspecto Cor Odore/ou sabor pH Densidade Densidade aparente Viscosidade Pontode fusão Teor alcóolico Teorde ativos Alcalinidade livre/Ácido GraxoLivre Umidade * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * E N S A IO S Á g u a de c o l ô n i a , á g u a p e r fu m a da , pe r fu m e e e x tr a to a r o m á ti c o Á g u a o x i g e n a da (1 0 a 4 0 vo l u m e s ) A l i s a n t e / O n du l a n te P R O D U T O C l a r e a d o r da pe l e C l a r e a d o r / D e s c o l o r a n t e pa r a c a be l o s C l a r e a d o r pa r a pê l o s do c o r p o C o n di c i o n a d o r / C r e m e r i n s e / M á s c a r a c a p i l a r C r e m e , l o ç ã o , g e l o u ó l e o pa r a o r o s to / c o r po / c a be l o s / m ã o s / pé s D e n ti fr í c i o s D e pi l a t ó r i o q u í m i c o D e s o do r a n te / D e s o do r a n te a n ti tr a n s pi r a n te / a n ti pe r s pi r a n te (a e r o s s o l )
  • 48. Marcelo de Souza Pinto 48 ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS
  • 49. Marcelo de Souza Pinto 49 Os Controles Microbiológicos não devem ser restritos ao laboratório, nas análises produtos em matérias-primas, produto em processo e produtos acabados.
  • 50. Marcelo de Souza Pinto 50 O que controlar ? • Água • Matérias-Primas • Produto em processo • Produto Acabado • Swab • Exposição Ambiental • Embalagens
  • 51. Marcelo de Souza Pinto 51 ESPECIFICAÇÕES Res. ANVISA 481/99
  • 52. Marcelo de Souza Pinto 52 METODOLOGIAS Guia de Microbiologia da ABC Manual de Microbiologia ABIHPEC Normas ISO : ISO 21148/05 – Instruções Gerais ISO 21149/06 – Mesófilos ISO 21150/06 – E. Coli ISO 21151/06 – Staphylococus
  • 53. Marcelo de Souza Pinto 53 ANÁLISES MATERIAL DE EMBALAGEM
  • 54. Marcelo de Souza Pinto 54 Quem inspeciona ? Técnicos contratados ou, mais comum, formados dentro da própria empresa. Como inspecionar ? De acordo com normas, padrões e procedimentos devidamente acordados com os fornecedores.
  • 55. Marcelo de Souza Pinto 55 N.Q.A. (Nível de Qualidade Aceitável) É o que define o nível de qualidade que as empresas desejam ter. É definido por tipo de defeito e são números que fazem parte dos planos e tabelas de amostragem (Military Standard). O fornecedor deve utilizar, no mínimo, o mesmo N.Q.A. que seus clientes.
  • 56. Marcelo de Souza Pinto 56 Plano de Amostragem O plano de amostragem normalmente utilizado segue o Military Standard 105D. Atributos – Nível II Variáveis – S-3 NQA mais utilizado: Defeito Crítico = 0,25 Defeito Maior = 1,50 Defeito Menos = 4,00
  • 57. Marcelo de Souza Pinto 57 Tipos de Inspeção Variáveis – São inspeções onde se analisa itens que podem variar – dimensionais – usados para ensaios funcionais e destrutivos. Ex.: Peso,Volume, largura, diâmetro, etc. Atributos – São inspeções usadas para os itens visuais. Ex.: Cor, Manchas, etc.
  • 58. Marcelo de Souza Pinto 58 Classificação dos defeitos Crítico – Impede o uso, coloca em risco a saúde do consumidor, deixa de atender a legislação. (Frasco quebrado, informações ilegíveis, etc.) Maior – Denigre a imagem da empresa, provoca problemas na produção. (Manchas, vazamento, tamanho divergente) Menor – Técnico percebe, porém passa desapercebido pelo consumidor. (Pequenas manchas, cor, etc.)
  • 59. Marcelo de Souza Pinto 59 ANÁLISES PRODUTOS ACABADOS
  • 60. Marcelo de Souza Pinto 60 Análises determinadas pelo fabricante, dependendo do tipo de embalagem utilizada e seguindo normas INMETRO. Ex.: Peso / Volume Lote e Validade Vazamento Torque Teste de “Clic” Testes no produto embalado
  • 61. Marcelo de Souza Pinto 61 Estas análises são realizadas durante o processo de envase. Ex.: Início/Meio/Fim Ou Auditoria no produto após término de envase, utilizando um método estatístico de amostragem (Ex.: Military Standard 105D).
  • 62. Marcelo de Souza Pinto 62 Algumas Portarias INMETRO 0 7 5 /9 9 A e ro s s o l 0 0 2 /9 9 A p u ra ç ã o d e In fra ç õ e s M e tro ló g ic a s 1 8 0 /9 8 B rin d e s e V a le B rin d e s 0 0 3 /9 3 C re m e e E s p u m a d e B a rb e a r 2 3 4 /0 3 D e n tifríc io s 0 7 3 /0 1 E s p a ç o V a zio e s p e c ífic o s (e s m a lte s , ta lc o s ,e tc ) 1 6 2 /9 5 E s p a ç o V a zio 0 9 5 /0 1 G u a rd a n a p o s , to a lh a s e le n ç o s d e p a p e l 1 4 3 /0 0 P a p e l h ig iê n ic o e m ro lo s 0 6 9 /0 1 U n id a d e s le g a is d e m a s s a e v o lu m e 1 1 5 /0 1 T o le râ n c ia e m p ro d u to s e n tre 5 g /m L e 2 0 g /m L 1 5 7 /0 2 R o tu la g e m 1 2 6 /9 9 S a b ã o e S a b o n e te s 0 7 4 /9 5 T o le râ n c ia e a m o s tra g e m
  • 63. Marcelo de Souza Pinto 63 ESTABILIDADE “SHELF LIFE”
  • 64. Marcelo de Souza Pinto 64 Acompanhamento periódico dos produtos de retenção, verificando as condições de estabilidade destes durante o período de validade.
  • 65. Marcelo de Souza Pinto 65 TERCEIRIZAÇÃO Resolução 176 de setembro de 2006
  • 66. Marcelo de Souza Pinto 66 COSMETOVIGILÂNCIA RDC 332 de dez/05
  • 67. Marcelo de Souza Pinto 67 Acompanhamento, por meio das reclamações direcionadas ao SAC, onde se faz um levantamento das ocorrências considerando a freqüência e a gravidade destas reclamações. Tem o intuito da melhoria contínua e, se necessário, antecipar o recolhimento dos produtos do mercado.
  • 68. Marcelo de Souza Pinto 68 Tipos de Reclamações • Evento adverso (Coceira, ardência, etc.) • Eventos indesejados (corte com a embalagem, ingestão, etc.) • Performance • Embalagem • Fora de especificação
  • 69. Marcelo de Souza Pinto 69 RESUMINDO QUAL O NÍVEL DE QUALIDADE QUE VOCÊ EXIGE QUANDO UTILIZA UM PRODUTO COSMÉTICO?
  • 70. Marcelo de Souza Pinto 70 PORTANTO É ESSE NÍVEL DE QUALIDADE QUE NOSSOS PRODUTOS DEVEM POSSUIR E É NOSSA RESPONSABILIDADE MANTER ESTA QUALIDADE
  • 71. Marcelo de Souza Pinto 71 C H A AMOMILA ERVA CIDREIRA LFACE
  • 72. Marcelo de Souza Pinto 72 OBRIGADO !!!!!!! mspbr@uol.com.br