Navegação à Deriva

6.170 visualizações

Publicada em

Poema trabalhado no Curso Tecnologias na educação: ensinando e Aprendendo com as TIC - Unidade 2

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.170
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
233
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Navegação à Deriva

  1. 1. Navegação à Deriva Marcus Vinicius Quem Navega à deriva Sabe que há vida além dos mares nos mapas Além das bússolas, astrolábios, diários de bordos Além das lendas de monstros marinhos, dos mitos Quem navega à deriva Acredita que há mares miragens, portos inesperados,ilhas flutuantes, botes e salva-vidas Água potável, aves voando sobre a terra, vertigem
  2. 2. <ul><li>quem navega à deriva </li></ul><ul><li>aprende que há mares dentro do mar à vista </li></ul><ul><li>profundidade secreta, origem do mundo, poesia </li></ul><ul><li>escrita cifrada à espera de quem lhe dê sentido </li></ul>quem navega à deriva se perde na costa, do farol na torre, dos olhares atentos, dos radares, das cartas de navegação imigra para mares de imprevista dicção
  3. 3. Quem é Marcus Vinícius? É carioca, professor de literatura brasileira, ensaísta, crítico literário e poeta para lá de premiado. Revelando coisas que sabe, acredita, aprende e vive quem navega à deriva, revela-nos o que é ser poeta: é quem nos faz ver poesia onde nem suspeitávamos que havia. “ Navegação à deriva” está no livro “Manual de Instruções para cegos”, editado pela 7letras, de Juiz de Fora, MG e ganhou prêmio Cidade de Juiz de Fora de Literatura da FUNALFA. Comentários: O poema do Marcus Vinícius nos traz à atenção o que ganha quem se permite algum vagar quando enfrenta o que é novo. Navegar sem rumo talvez seja uma boa forma de descobrir e inventar rumos possíveis além dos previsíveis. Experimente um pouco isso, permita-se algum tempo de navegação sem rumo para ver aonde vai dar; o que vai aparecer. É comum termos boas surpresas quando, ao pesquisar pela primeira vez um tema na Internet, vagarmos um pouco pelos diversos sites e páginas que os programas de busca nos oferecem. Isso não é exatamente novo ou moderníssimo nem é inovação que veio com as TIC. Já nos tempos da enciclopédia de papel havia professores que “brincavam” assim com seus alunos: de um verbete iam a outro, depois outro... Faça isso na Internet, faça isso ao ler poemas, faça isso ao ler contos... Depois de um pouco vagar, volte ao seu tema central.

×