A Organização Escolar em Ciclos

2.243 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Carreiras
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Organização Escolar em Ciclos

  1. 1. A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR EM CICLOS Miguel G. Arroyo .
  2. 2. <ul><li>A organização em ciclos tornou-se legal após sua inclusão na LDB, art. 23 e deixou de ser uma proposta isolada; </li></ul><ul><li>Os ciclos trazem questionamentos sobre a formação de professores e na implementação da organização e suas competências; </li></ul><ul><li>Os questionamentos podem fazer com que os professores se aperfeiçoem e tornem-se novos profissionais </li></ul>
  3. 3. QUESTIONAMENTO A CONCEPÇÃO PRECEDENTE DE FORMAÇÃO <ul><li>O que antecede qualquer qualificação é inquestionável tanto na formação dos professores ou quando estes pensam na educação dos seus alunos. </li></ul><ul><li>A idéia de educação modifica-se em dois tempos: aprender e fazer, pensar e fazer, o trabalho intelectual e o manual. </li></ul><ul><li>Idéias de inovar ou melhorar a educação são absorvidas e devem ser preenchidas de tempo e ser caro o preparo daquelas que irão aplica-las. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A proposta para organizar a escola tradicional em ciclos e que antes aprendam o que é ciclos, conteúdo, avaliação, passagem ou retenção no ciclo. </li></ul><ul><li>Tendo-se ignorado e desqualificado a função de educador, educação reduziu-se ao ensino e a transmissão de informações, desqualificando a sua vocação de mestre </li></ul><ul><li>O destaque é compreender que a vocação vem antes da formação. </li></ul>
  5. 5. COMO DEFINIR O PERFIL DE EDUCADOR <ul><li>É curioso com que facilidade cada lei ou parecer, lista novas atribuições com a pretensão de formar um novo perfil, mais moderno e atualizado do educador. </li></ul><ul><li>O agravante não é só a pretensão, mas também a confusão da função do educador com outras técnicas e critérios e também porque as leis, pareceres, currículos, pesquisas e políticas de formação não atingem o ponto principal da vocação de mestre do seu papel de educador. </li></ul><ul><li>Dar um formação de qualidade aqueles com a vocação de mestre para termos profissionais com capacitação qualquer que seja a organização escolar. </li></ul>
  6. 6. O PERMANENTE NO OFÍCIO DE MESTRE <ul><li>O ofício de mestre é anterior a escola e nela se reproduz. </li></ul><ul><li>O educador dificilmente consegue fugir dos estilos, culturas, praticas e identidades que tem uma longa historia. </li></ul><ul><li>Na implementação das propostas pedagógicas que se empenham em organizar a escola por ciclos é reforçado o que há de mais permanente na função social, cultural dos profissionais da educação. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Cada professor ou grupo de profissionais carregam diariamente para a escola um imagem de educador que não inventam e nem aprenderam nos cursos de formação, mas da sua vocação de mestre. </li></ul><ul><li>Dependendo do patamar em que se coloque a organização por ciclos, níveis superficiais e profundos da escola e do perfil e educador poderão ser alcançados. </li></ul>
  8. 8. CONCEPÇÕES DE CICLO QUE DEFORMAM <ul><li>Na maioria dos ciclos a propostas lógica seriada não é alterada, as vezes reforçada, somente o fluxo escolar pode ser amenizado com mecanismo de não reprovação, de aceleração ou de retenção. </li></ul><ul><li>Poucas são as mudanças no perfil do professor, sensibilidade e habilidades podem ser adquiridas em cursos de treinamento antes que implementem os ciclos ou em sua trajetória. </li></ul><ul><li>O perfil de professor e as proposta para sua formação pouco tem mudado nas ultimas décadas e pouco deve mudar apenas trocando serie por ciclo. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Se as mudanças não passam de retoques na velha lógica seriada será lógico preparar professores para mudanças em um sistema que continua inalterado na estrutura e concepção de educação básica. </li></ul><ul><li>Podemos estar apenas fazendo uma maquiagem e assim adiando e escondendo problemas crônicos, sem na realidade, mudar o papel da escola e seus profissionais. </li></ul><ul><li>Esta concepção de ciclo pode esta deformando e não formando um novo perfil de educador. </li></ul>
  10. 10. REQUALIFICANDO DIMENSÕES PERMANENTES DE NOSSO OFÍCIO <ul><li>A organização por ciclos e apenas uma consequência da mudança na concepção e na pratica da educação básica. </li></ul><ul><li>Organizar a escolar em ciclos de desenvolvimento humano significa que todos repensemos nossa concepção de educação e se repense o papel, o perfil, a função social de educador. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Ouvimos com frequência dos professores que participam dos encontros de profissionais de ciclos: que não foi fácil, que perderam o chão, o tapete de nossa cultura seriada, que estão mudados, que são outros como professores e pessoas </li></ul><ul><li>A visão mais radical da educação básica é o caminho para o sempre velho e novo perfil e sentido da vocação de mestres. </li></ul>

×