SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
1
ViolênciaViolência
e Assédio Morale Assédio Moral
no Trabalhono Trabalho
2Verônica Lopes da S. Nascimento
Violência no TrabalhoViolência no Trabalho
Acidentes físicos
Sofrimentos psíquicos
A Violência está cada vez
mais perversa e sutil.
3
CENÁRIOCENÁRIO
 Flexibilização no trabalho
 Novas politicas de gestão.
 Terceirização
 Pressão por resultado
 Estimulo da competitividade
 Relações autoritárias e abuso de poder.
O GRITO ( 1893 ) - EDVARD MUNCH
4
Assédio Moral
Atitude abusiva manifestada por:Atitude abusiva manifestada por:
 AtosAtos
 PalavrasPalavras
 GestosGestos
Que venham atentar contraQue venham atentar contra
– DignidadeDignidade
– Integridade física e psíquica dasIntegridade física e psíquica das
pessoaspessoas
Caráter Repetitivo eCaráter Repetitivo e
ProlongadoProlongado
5
Alvo do Assédio MoralAlvo do Assédio Moral
 O alvo das situações deO alvo das situações de
Assédio Moral é oAssédio Moral é o
Coletivo.Coletivo.
 Não se dirige a vitimaNão se dirige a vitima
especificamente masespecificamente mas
para que a situação sejapara que a situação seja
exemplo.exemplo.
 SUN TZU - A ARTE DA GUERRASUN TZU - A ARTE DA GUERRA
ColetivoColetivo
6
Nem toda Violência no Trabalho éNem toda Violência no Trabalho é
Assédio MoralAssédio Moral
 Eventos isoladosEventos isolados
 Agressões pontuaisAgressões pontuais
 Expressões de reatividade eExpressões de reatividade e
impulsividadeimpulsividade
 Más condições de trabalho
7
ObjetivosObjetivos
 Destruir
Psicológica e Profissionalmente
 Pressionar o trabalhador
para:
 Abandonar um projeto ou
cargo
 Local de trabalho ou
emprego
Humilhação
8
Assédio MoralAssédio Moral
CHE FIACHE FIA
SUBORDINADOSUBORDINADO SUBORDINADOSUBORDINADO
CHEFIACHEFIA
HORIZONTALHORIZONTAL
14,85%
VERTICALVERTICAL
DESCENDENTEDESCENDENTE
45,54%
VERTICALVERTICAL
ASCENDENTEASCENDENTE
3,96%
9
Quem são Assediados?Quem são Assediados?
Dedicados ao trabalhoDedicados ao trabalho
CriativosCriativos
Mais competentes que osMais competentes que os
agressoresagressores
Crença Etnia ou OpçãoCrença Etnia ou Opção
Sexual diferente doSexual diferente do
AgressorAgressor
10
VÍTIMAS DO ASSÉDIO MORALVÍTIMAS DO ASSÉDIO MORAL
(Vulneráveis)(Vulneráveis)
Mulheres.
 Pessoas com estabilidade:
 Gestantes
 Membros da (Cipa)
 Dirigentes sindicais
 Pessoas em auxílio-doença
do INSS.
 Beneficiados em gestões
anteriores
 Servidores públicos em geral
11
Métodos de Assédio MoralMétodos de Assédio Moral
12
DignidadeDignidade
 Insinuações desdenhosas eInsinuações desdenhosas e
desqualificantesdesqualificantes
 Tratar a vítima por um apelidoTratar a vítima por um apelido
pejorativopejorativo
 Brincadeiras, sarcasmos e piadasBrincadeiras, sarcasmos e piadas
envolvendo o assediado;envolvendo o assediado;
 Críticas em públicoCríticas em público
 Atribuir tarefas humilhantesAtribuir tarefas humilhantes e inúteise inúteis
 Transferência de setor com o intuito deTransferência de setor com o intuito de
humilharhumilhar
 Isolamento do assediadoIsolamento do assediado
 Cumprimento metas impossíveis;Cumprimento metas impossíveis;
13
Atitudes HostisAtitudes Hostis
 Boicote de informações
 Negação de oportunidades
 Contribuições não consideradas
 Repetidas perseguições
 Supervisão excessiva
 Privar do acesso dos instrumentos
de trabalho
 Exigência de trabalhos complexos
em tempo insuficiente
 Marcação de tempo e de vezes para
ir ao banheiro
14
OO que sente o Trabalhadorque sente o Trabalhador
 CEFALÉIA
 SENSAÇÃO DE MAL ESTAR
 SENSAÇÃO DE PRESSÃO NO
PEITO
 FADIGA CRÔNICA
 ESTADOS DEPRESSIVOS
 TRANSTORNOS ANSIOSOS
 TENTATIVAS DE SUICÍDIO
Evoluindo
15
DANOS A SAÚDEDANOS A SAÚDE
EsquecimentosEsquecimentos
constantesconstantes
Insônia ou sonolênciaInsônia ou sonolência
excessivaexcessiva
Pesadelos, com oPesadelos, com o
ambiente trabalhoambiente trabalho
Idéias suicidasIdéias suicidas
Desordens alimentaresDesordens alimentares
Aumento do consumoAumento do consumo
de drogasde drogas
16
Reações psicossomáticasReações psicossomáticas
Hipertensão arterialHipertensão arterial
Palpitações cardíacas,Palpitações cardíacas,
taquicardiataquicardia
Inflamações de peleInflamações de pele
Perda de cabeloPerda de cabelo
Dores generalizadas noDores generalizadas no
corpocorpo
EnxaquecasEnxaquecas
Distúrbios digestivosDistúrbios digestivos
Diminuição da libidoDiminuição da libido
““ Sin Esperanza” 1945 MéxicoSin Esperanza” 1945 México
Frida KahloFrida Kahlo
1717
Reações de comportamentoReações de comportamento
 Desordens alimentaresDesordens alimentares
 Atitudes agressivasAtitudes agressivas
 Aumento do consumo de drogasAumento do consumo de drogas
18
1818
Sintomas do assédio moral na saúdeSintomas do assédio moral na saúde
Sintomas (reação em %)Sintomas (reação em %) MulheresMulheres HomensHomens
Crises de choroCrises de choro 100100 --
Dores generalizadasDores generalizadas 8080 8080
Palpitações, tremoresPalpitações, tremores 8080 4040
SSentimento de inutilidadeentimento de inutilidade 7272 4040
Insônia ou sonolência excessivaInsônia ou sonolência excessiva 69,669,6 63,663,6
DepressãoDepressão 6060 7070
Diminuição da libidoDiminuição da libido 6060 1515
Sede de vingançaSede de vingança 5050 100100
Aumento da pressão arterialAumento da pressão arterial 4040 51,651,6
Dor de cabeçaDor de cabeça 4040 33,233,2
Distúrbios digestivosDistúrbios digestivos 4040 1515
TonturasTonturas 22,322,3 3,23,2
Idéia de suicídioIdéia de suicídio 16,216,2 100100
Falta de apetiteFalta de apetite 13,613,6 2,12,1
Falta de arFalta de ar 1010 3030
Uso de bebida alcoolicaUso de bebida alcoolica 55 6363
Tentativa de suicídioTentativa de suicídio -- 18,318,3
19
Quem pratica?Quem pratica?
 Problemas de Reconhecimento
 Comportamentos arrogantes
 Inveja
 Relações de Opressão eRelações de Opressão e
Submissão ReproduzSubmissão Reproduz
 Práticas PerversasPráticas Perversas
20
Colegas de TrabalhoColegas de Trabalho
 Medo do desemprego
 Rompem os laços afetivos com a vítima
 Reproduzem ações e atos do agressor no ambiente de
trabalho
 ““Pacto da Tolerância e do Silêncio”Pacto da Tolerância e do Silêncio”
21
ConseqüênciasConseqüências
 AbsenteísmoAbsenteísmo
 Baixo índice de criatividadeBaixo índice de criatividade
 Danos aos equipamentosDanos aos equipamentos
 Alta – rotatividadeAlta – rotatividade
 Aumento de demandas trabalhistasAumento de demandas trabalhistas
22
O que as Empresas
podem fazer ?
Estar atenta ao tipo deEstar atenta ao tipo de
conduta adotada na gestãoconduta adotada na gestão
Disque denúnciaDisque denúncia
Caixa postalCaixa postal
Comitê para investigarComitê para investigar
denúnciasdenúncias
Promover palestrasPromover palestras
Código de ÉticaCódigo de Ética
prevendo pena para oprevendo pena para o
assediadorassediador
23
LEGISLAÇÃOLEGISLAÇÃO
24
LegislaçãoLegislação
ATUALATUAL
 Constituição Federal
 Código Penal Coação Moral
 Lei 8.112
 Reg Prev.Social Art.20 Lei 8.213/91
 Assédio Sexual
 Crime de Tortura
 Resolução CFM 1488/98
 PORTARIA Nº 777/GM/MS
abril de 2004
EM CONSTRUÇÃOEM CONSTRUÇÃO
 02 Projetos de Reforma do
Código Penal
 02 Projetos de Reforma da Lei
8.112
 Dia Nacional de Luta contra o
Assédio Moral no Trabalho 2 de
maio.
25
Lei Distrital Assédio MoralLei Distrital Assédio Moral
Lei 2.949, de 19 de abril de 2002Lei 2.949, de 19 de abril de 2002
 AdvertênciaAdvertência
 Multa de 5 a 10 mil reaisMulta de 5 a 10 mil reais
 Suspensão do alvará de funcionamentoSuspensão do alvará de funcionamento
por 30 diaspor 30 dias
 Cassação do alvará de funcionamentoCassação do alvará de funcionamento
Inabilitação para contratos com o GDFInabilitação para contratos com o GDF
Credito concedido pelo GDFCredito concedido pelo GDF
ou quaisquer benefícios de natureza tributáriaou quaisquer benefícios de natureza tributária
Responsabilidade da Secretaria de Governo do DFResponsabilidade da Secretaria de Governo do DF
Aplicação de qualquer dessa Sanções
implicará
26
ASSÉDIO MORALASSÉDIO MORAL
O que fazer?O que fazer?
27
DicasDicas
 CCriarriar um diárioum diário
 TirarTirar cópias dos memorandos, dos bilhetes e das cartascópias dos memorandos, dos bilhetes e das cartas
recebidosrecebidos
 ProcurarProcurar aliados entre os colegas e apoio dos amigos ealiados entre os colegas e apoio dos amigos e
familiaresfamiliares
 ExigirExigir por escrito explicações do ato agressor.por escrito explicações do ato agressor.
 Demissão,Demissão, não assinar nada antes de falar com o Sindicato ounão assinar nada antes de falar com o Sindicato ou
um advogadoum advogado
 ComunicarComunicar aoao Departamento Médico da sua empresaDepartamento Médico da sua empresa
 Resistir psicologicamente:Resistir psicologicamente: buscar recursos terapêuticosbuscar recursos terapêuticos
que possibilitem lidar com a situação para se fortalecer.que possibilitem lidar com a situação para se fortalecer.
 Licença médica,Licença médica, preencher a CAT e colocar como causa apreencher a CAT e colocar como causa a
opressão do chefe.opressão do chefe.
 AcionarAcionar a justiça.a justiça.
28
SAÚDE DO TRABALHADORSAÚDE DO TRABALHADOR
CERESTCEREST
 Dar visibilidade a essa forma deDar visibilidade a essa forma de
Violência nas relações deViolência nas relações de
trabalho;trabalho;
 Ouvir, ver, sentir, identificar e seOuvir, ver, sentir, identificar e se
solidarizar com o trabalhador;solidarizar com o trabalhador;
 Difundir e fortalecer o trabalhoDifundir e fortalecer o trabalho
em Rede;em Rede;
 Traçar metas, estratégias comunsTraçar metas, estratégias comuns
de resistência e proposiçõesde resistência e proposições
coletivas;coletivas;
 Divulgar legislaçãoDivulgar legislação
 Centro de Referência deCentro de Referência de
Saúde do Trabalhador –Saúde do Trabalhador –
CERESTCEREST
 Procurar a representa- çãoProcurar a representa- ção
em cada cidade / regiãoem cada cidade / região
 CEREST Regional deCEREST Regional de
Campinas:Campinas:
http://www.cerestcampinas.net
saude.crst@campinas.sp.gov.br
29
GAVAM - Grupo de Apoio Às Vítimas deGAVAM - Grupo de Apoio Às Vítimas de
Assédio Moral (Brasília)Assédio Moral (Brasília)
 Assédio moral comoAssédio moral como
Social e não individualSocial e não individual
 Visa estimular criaçãoVisa estimular criação
desses grupos em outrosdesses grupos em outros
espaços (Sindicatos,espaços (Sindicatos,
Associações, RegionaisAssociações, Regionais
de Saúde, etc).de Saúde, etc).
 http://www.os.org.br/portal/taxonomy/term/89
 www.assediomoral.org
30
Como denunciar?Como denunciar?
31
Procure:Procure:
 SindicatoSindicato
 Ministério Público do Trabalho -Ministério Público do Trabalho -
MPTMPT
 Justiça do TrabalhoJustiça do Trabalho
 Comissão de Direitos HumanosComissão de Direitos Humanos
 DRT/ Delegacias Regionais doDRT/ Delegacias Regionais do
TrabalhoTrabalho
 Conselho Regional de MedicinaConselho Regional de Medicina
ResoluçãoResolução1488/981488/98
 CEREST (regionais)CEREST (regionais)
 saude.crst@campinas.sp.gov.brsaude.crst@campinas.sp.gov.br
 Fones: (19)3272.8025 e (19)3272.1292Fones: (19)3272.8025 e (19)3272.1292
32
FilmesFilmes
33
SOLIDARIEDADESOLIDARIEDADE
Remédio para
Agressores
e
Vitimas
34
No caminho com Maiakóvski
Eduardo Alves da Costa
 Na primeira noite eles se aproximamNa primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flore roubam uma flor
do nosso jardim.do nosso jardim.
E não dizemos nada.E não dizemos nada.
 Na segunda noite, já não se escondem;Na segunda noite, já não se escondem;
pisam as flores,pisam as flores,
matam nosso cão,matam nosso cão,
E não dizemos nada.E não dizemos nada.
 Até que um dia,Até que um dia,
o mais frágil deleso mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nadaE já não podemos dizer nada..
35
Mais informaçõesMais informações
 www.assediomoral.orgwww.assediomoral.org
 www.direb.fiocruz.brwww.direb.fiocruz.br “Base Legal para“Base Legal para
Ação de vigilância em Saúde do TrabalhadorAção de vigilância em Saúde do Trabalhador
na questão Assédio Moral”na questão Assédio Moral”
 www.sindbancariospe.com.brwww.sindbancariospe.com.br
36
Violência e Assédio MoralViolência e Assédio Moral
no Trabalhono Trabalho
Verônica Lopes da S. NascimentoVerônica Lopes da S. Nascimento
CEREST - DFCEREST - DF
assediomoral.df@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1.violencia e assedio moral no trabalho

Apresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdf
Apresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdfApresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdf
Apresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdfEva Cordeiro
 
Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023
Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023
Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023WalterKleidson1
 
ASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptx
ASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptxASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptx
ASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptxjadib73800
 
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptxASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptxCatarinaJacinto6
 
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdfFundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdfPris57
 
Atitudes e mudanças de atitudes
Atitudes e mudanças de atitudesAtitudes e mudanças de atitudes
Atitudes e mudanças de atitudesVanessa Fragiacomo
 
Qualidade de vida como diferencial competitivo pessoal
Qualidade de vida como diferencial  competitivo pessoalQualidade de vida como diferencial  competitivo pessoal
Qualidade de vida como diferencial competitivo pessoalWORKRESULT
 
Assédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoAssédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoSandro Moraes
 
Apresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdf
Apresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdfApresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdf
Apresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdfGilvan Leal
 
Cartilha assedio moral e sexual do Senado Federal
Cartilha assedio moral e sexual do Senado FederalCartilha assedio moral e sexual do Senado Federal
Cartilha assedio moral e sexual do Senado FederalRoberta Andrade
 
SIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
SIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTESSIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
SIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTESjosianebernardesdeBr
 
comportamentos de risco
comportamentos de riscocomportamentos de risco
comportamentos de riscoSara Silva
 
MANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADE
MANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADEMANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADE
MANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADECENAT Cursos
 

Semelhante a 1.violencia e assedio moral no trabalho (20)

assedio-moral-e-sexual.docx
assedio-moral-e-sexual.docxassedio-moral-e-sexual.docx
assedio-moral-e-sexual.docx
 
Apresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdf
Apresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdfApresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdf
Apresentação - 28.10.19 - Compliance (1).pdf
 
Pastoral sobriedade
Pastoral sobriedadePastoral sobriedade
Pastoral sobriedade
 
Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023
Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023
Apresentação DE ASSEDIO SEXUAL CIPA 2023
 
ASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptx
ASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptxASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptx
ASSEDIO TREINAMENTO PARA TODOS.pptx
 
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptxASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
 
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdfFundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
 
Atitudes e mudanças de atitudes
Atitudes e mudanças de atitudesAtitudes e mudanças de atitudes
Atitudes e mudanças de atitudes
 
Assédio[1]
Assédio[1]Assédio[1]
Assédio[1]
 
Assédio[1]
Assédio[1]Assédio[1]
Assédio[1]
 
Qualidade de vida como diferencial competitivo pessoal
Qualidade de vida como diferencial  competitivo pessoalQualidade de vida como diferencial  competitivo pessoal
Qualidade de vida como diferencial competitivo pessoal
 
Assédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoAssédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalho
 
148
148148
148
 
Apresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdf
Apresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdfApresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdf
Apresentacao_ifsc-ética-MH-final-28-11-14_mariahelena.pdf
 
Curso online assédio moral no trabalho
Curso online assédio moral no trabalhoCurso online assédio moral no trabalho
Curso online assédio moral no trabalho
 
Cartilha assedio moral e sexual do Senado Federal
Cartilha assedio moral e sexual do Senado FederalCartilha assedio moral e sexual do Senado Federal
Cartilha assedio moral e sexual do Senado Federal
 
Marco vianna
Marco viannaMarco vianna
Marco vianna
 
SIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
SIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTESSIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
SIPAT SENAI ARCOS.pptx SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
 
comportamentos de risco
comportamentos de riscocomportamentos de risco
comportamentos de risco
 
MANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADE
MANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADEMANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADE
MANEJOS DE CRISES EM ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADE
 

1.violencia e assedio moral no trabalho

  • 1. 1 ViolênciaViolência e Assédio Morale Assédio Moral no Trabalhono Trabalho
  • 2. 2Verônica Lopes da S. Nascimento Violência no TrabalhoViolência no Trabalho Acidentes físicos Sofrimentos psíquicos A Violência está cada vez mais perversa e sutil.
  • 3. 3 CENÁRIOCENÁRIO  Flexibilização no trabalho  Novas politicas de gestão.  Terceirização  Pressão por resultado  Estimulo da competitividade  Relações autoritárias e abuso de poder. O GRITO ( 1893 ) - EDVARD MUNCH
  • 4. 4 Assédio Moral Atitude abusiva manifestada por:Atitude abusiva manifestada por:  AtosAtos  PalavrasPalavras  GestosGestos Que venham atentar contraQue venham atentar contra – DignidadeDignidade – Integridade física e psíquica dasIntegridade física e psíquica das pessoaspessoas Caráter Repetitivo eCaráter Repetitivo e ProlongadoProlongado
  • 5. 5 Alvo do Assédio MoralAlvo do Assédio Moral  O alvo das situações deO alvo das situações de Assédio Moral é oAssédio Moral é o Coletivo.Coletivo.  Não se dirige a vitimaNão se dirige a vitima especificamente masespecificamente mas para que a situação sejapara que a situação seja exemplo.exemplo.  SUN TZU - A ARTE DA GUERRASUN TZU - A ARTE DA GUERRA ColetivoColetivo
  • 6. 6 Nem toda Violência no Trabalho éNem toda Violência no Trabalho é Assédio MoralAssédio Moral  Eventos isoladosEventos isolados  Agressões pontuaisAgressões pontuais  Expressões de reatividade eExpressões de reatividade e impulsividadeimpulsividade  Más condições de trabalho
  • 7. 7 ObjetivosObjetivos  Destruir Psicológica e Profissionalmente  Pressionar o trabalhador para:  Abandonar um projeto ou cargo  Local de trabalho ou emprego Humilhação
  • 8. 8 Assédio MoralAssédio Moral CHE FIACHE FIA SUBORDINADOSUBORDINADO SUBORDINADOSUBORDINADO CHEFIACHEFIA HORIZONTALHORIZONTAL 14,85% VERTICALVERTICAL DESCENDENTEDESCENDENTE 45,54% VERTICALVERTICAL ASCENDENTEASCENDENTE 3,96%
  • 9. 9 Quem são Assediados?Quem são Assediados? Dedicados ao trabalhoDedicados ao trabalho CriativosCriativos Mais competentes que osMais competentes que os agressoresagressores Crença Etnia ou OpçãoCrença Etnia ou Opção Sexual diferente doSexual diferente do AgressorAgressor
  • 10. 10 VÍTIMAS DO ASSÉDIO MORALVÍTIMAS DO ASSÉDIO MORAL (Vulneráveis)(Vulneráveis) Mulheres.  Pessoas com estabilidade:  Gestantes  Membros da (Cipa)  Dirigentes sindicais  Pessoas em auxílio-doença do INSS.  Beneficiados em gestões anteriores  Servidores públicos em geral
  • 11. 11 Métodos de Assédio MoralMétodos de Assédio Moral
  • 12. 12 DignidadeDignidade  Insinuações desdenhosas eInsinuações desdenhosas e desqualificantesdesqualificantes  Tratar a vítima por um apelidoTratar a vítima por um apelido pejorativopejorativo  Brincadeiras, sarcasmos e piadasBrincadeiras, sarcasmos e piadas envolvendo o assediado;envolvendo o assediado;  Críticas em públicoCríticas em público  Atribuir tarefas humilhantesAtribuir tarefas humilhantes e inúteise inúteis  Transferência de setor com o intuito deTransferência de setor com o intuito de humilharhumilhar  Isolamento do assediadoIsolamento do assediado  Cumprimento metas impossíveis;Cumprimento metas impossíveis;
  • 13. 13 Atitudes HostisAtitudes Hostis  Boicote de informações  Negação de oportunidades  Contribuições não consideradas  Repetidas perseguições  Supervisão excessiva  Privar do acesso dos instrumentos de trabalho  Exigência de trabalhos complexos em tempo insuficiente  Marcação de tempo e de vezes para ir ao banheiro
  • 14. 14 OO que sente o Trabalhadorque sente o Trabalhador  CEFALÉIA  SENSAÇÃO DE MAL ESTAR  SENSAÇÃO DE PRESSÃO NO PEITO  FADIGA CRÔNICA  ESTADOS DEPRESSIVOS  TRANSTORNOS ANSIOSOS  TENTATIVAS DE SUICÍDIO Evoluindo
  • 15. 15 DANOS A SAÚDEDANOS A SAÚDE EsquecimentosEsquecimentos constantesconstantes Insônia ou sonolênciaInsônia ou sonolência excessivaexcessiva Pesadelos, com oPesadelos, com o ambiente trabalhoambiente trabalho Idéias suicidasIdéias suicidas Desordens alimentaresDesordens alimentares Aumento do consumoAumento do consumo de drogasde drogas
  • 16. 16 Reações psicossomáticasReações psicossomáticas Hipertensão arterialHipertensão arterial Palpitações cardíacas,Palpitações cardíacas, taquicardiataquicardia Inflamações de peleInflamações de pele Perda de cabeloPerda de cabelo Dores generalizadas noDores generalizadas no corpocorpo EnxaquecasEnxaquecas Distúrbios digestivosDistúrbios digestivos Diminuição da libidoDiminuição da libido ““ Sin Esperanza” 1945 MéxicoSin Esperanza” 1945 México Frida KahloFrida Kahlo
  • 17. 1717 Reações de comportamentoReações de comportamento  Desordens alimentaresDesordens alimentares  Atitudes agressivasAtitudes agressivas  Aumento do consumo de drogasAumento do consumo de drogas
  • 18. 18 1818 Sintomas do assédio moral na saúdeSintomas do assédio moral na saúde Sintomas (reação em %)Sintomas (reação em %) MulheresMulheres HomensHomens Crises de choroCrises de choro 100100 -- Dores generalizadasDores generalizadas 8080 8080 Palpitações, tremoresPalpitações, tremores 8080 4040 SSentimento de inutilidadeentimento de inutilidade 7272 4040 Insônia ou sonolência excessivaInsônia ou sonolência excessiva 69,669,6 63,663,6 DepressãoDepressão 6060 7070 Diminuição da libidoDiminuição da libido 6060 1515 Sede de vingançaSede de vingança 5050 100100 Aumento da pressão arterialAumento da pressão arterial 4040 51,651,6 Dor de cabeçaDor de cabeça 4040 33,233,2 Distúrbios digestivosDistúrbios digestivos 4040 1515 TonturasTonturas 22,322,3 3,23,2 Idéia de suicídioIdéia de suicídio 16,216,2 100100 Falta de apetiteFalta de apetite 13,613,6 2,12,1 Falta de arFalta de ar 1010 3030 Uso de bebida alcoolicaUso de bebida alcoolica 55 6363 Tentativa de suicídioTentativa de suicídio -- 18,318,3
  • 19. 19 Quem pratica?Quem pratica?  Problemas de Reconhecimento  Comportamentos arrogantes  Inveja  Relações de Opressão eRelações de Opressão e Submissão ReproduzSubmissão Reproduz  Práticas PerversasPráticas Perversas
  • 20. 20 Colegas de TrabalhoColegas de Trabalho  Medo do desemprego  Rompem os laços afetivos com a vítima  Reproduzem ações e atos do agressor no ambiente de trabalho  ““Pacto da Tolerância e do Silêncio”Pacto da Tolerância e do Silêncio”
  • 21. 21 ConseqüênciasConseqüências  AbsenteísmoAbsenteísmo  Baixo índice de criatividadeBaixo índice de criatividade  Danos aos equipamentosDanos aos equipamentos  Alta – rotatividadeAlta – rotatividade  Aumento de demandas trabalhistasAumento de demandas trabalhistas
  • 22. 22 O que as Empresas podem fazer ? Estar atenta ao tipo deEstar atenta ao tipo de conduta adotada na gestãoconduta adotada na gestão Disque denúnciaDisque denúncia Caixa postalCaixa postal Comitê para investigarComitê para investigar denúnciasdenúncias Promover palestrasPromover palestras Código de ÉticaCódigo de Ética prevendo pena para oprevendo pena para o assediadorassediador
  • 24. 24 LegislaçãoLegislação ATUALATUAL  Constituição Federal  Código Penal Coação Moral  Lei 8.112  Reg Prev.Social Art.20 Lei 8.213/91  Assédio Sexual  Crime de Tortura  Resolução CFM 1488/98  PORTARIA Nº 777/GM/MS abril de 2004 EM CONSTRUÇÃOEM CONSTRUÇÃO  02 Projetos de Reforma do Código Penal  02 Projetos de Reforma da Lei 8.112  Dia Nacional de Luta contra o Assédio Moral no Trabalho 2 de maio.
  • 25. 25 Lei Distrital Assédio MoralLei Distrital Assédio Moral Lei 2.949, de 19 de abril de 2002Lei 2.949, de 19 de abril de 2002  AdvertênciaAdvertência  Multa de 5 a 10 mil reaisMulta de 5 a 10 mil reais  Suspensão do alvará de funcionamentoSuspensão do alvará de funcionamento por 30 diaspor 30 dias  Cassação do alvará de funcionamentoCassação do alvará de funcionamento Inabilitação para contratos com o GDFInabilitação para contratos com o GDF Credito concedido pelo GDFCredito concedido pelo GDF ou quaisquer benefícios de natureza tributáriaou quaisquer benefícios de natureza tributária Responsabilidade da Secretaria de Governo do DFResponsabilidade da Secretaria de Governo do DF Aplicação de qualquer dessa Sanções implicará
  • 26. 26 ASSÉDIO MORALASSÉDIO MORAL O que fazer?O que fazer?
  • 27. 27 DicasDicas  CCriarriar um diárioum diário  TirarTirar cópias dos memorandos, dos bilhetes e das cartascópias dos memorandos, dos bilhetes e das cartas recebidosrecebidos  ProcurarProcurar aliados entre os colegas e apoio dos amigos ealiados entre os colegas e apoio dos amigos e familiaresfamiliares  ExigirExigir por escrito explicações do ato agressor.por escrito explicações do ato agressor.  Demissão,Demissão, não assinar nada antes de falar com o Sindicato ounão assinar nada antes de falar com o Sindicato ou um advogadoum advogado  ComunicarComunicar aoao Departamento Médico da sua empresaDepartamento Médico da sua empresa  Resistir psicologicamente:Resistir psicologicamente: buscar recursos terapêuticosbuscar recursos terapêuticos que possibilitem lidar com a situação para se fortalecer.que possibilitem lidar com a situação para se fortalecer.  Licença médica,Licença médica, preencher a CAT e colocar como causa apreencher a CAT e colocar como causa a opressão do chefe.opressão do chefe.  AcionarAcionar a justiça.a justiça.
  • 28. 28 SAÚDE DO TRABALHADORSAÚDE DO TRABALHADOR CERESTCEREST  Dar visibilidade a essa forma deDar visibilidade a essa forma de Violência nas relações deViolência nas relações de trabalho;trabalho;  Ouvir, ver, sentir, identificar e seOuvir, ver, sentir, identificar e se solidarizar com o trabalhador;solidarizar com o trabalhador;  Difundir e fortalecer o trabalhoDifundir e fortalecer o trabalho em Rede;em Rede;  Traçar metas, estratégias comunsTraçar metas, estratégias comuns de resistência e proposiçõesde resistência e proposições coletivas;coletivas;  Divulgar legislaçãoDivulgar legislação  Centro de Referência deCentro de Referência de Saúde do Trabalhador –Saúde do Trabalhador – CERESTCEREST  Procurar a representa- çãoProcurar a representa- ção em cada cidade / regiãoem cada cidade / região  CEREST Regional deCEREST Regional de Campinas:Campinas: http://www.cerestcampinas.net saude.crst@campinas.sp.gov.br
  • 29. 29 GAVAM - Grupo de Apoio Às Vítimas deGAVAM - Grupo de Apoio Às Vítimas de Assédio Moral (Brasília)Assédio Moral (Brasília)  Assédio moral comoAssédio moral como Social e não individualSocial e não individual  Visa estimular criaçãoVisa estimular criação desses grupos em outrosdesses grupos em outros espaços (Sindicatos,espaços (Sindicatos, Associações, RegionaisAssociações, Regionais de Saúde, etc).de Saúde, etc).  http://www.os.org.br/portal/taxonomy/term/89  www.assediomoral.org
  • 31. 31 Procure:Procure:  SindicatoSindicato  Ministério Público do Trabalho -Ministério Público do Trabalho - MPTMPT  Justiça do TrabalhoJustiça do Trabalho  Comissão de Direitos HumanosComissão de Direitos Humanos  DRT/ Delegacias Regionais doDRT/ Delegacias Regionais do TrabalhoTrabalho  Conselho Regional de MedicinaConselho Regional de Medicina ResoluçãoResolução1488/981488/98  CEREST (regionais)CEREST (regionais)  saude.crst@campinas.sp.gov.brsaude.crst@campinas.sp.gov.br  Fones: (19)3272.8025 e (19)3272.1292Fones: (19)3272.8025 e (19)3272.1292
  • 34. 34 No caminho com Maiakóvski Eduardo Alves da Costa  Na primeira noite eles se aproximamNa primeira noite eles se aproximam e roubam uma flore roubam uma flor do nosso jardim.do nosso jardim. E não dizemos nada.E não dizemos nada.  Na segunda noite, já não se escondem;Na segunda noite, já não se escondem; pisam as flores,pisam as flores, matam nosso cão,matam nosso cão, E não dizemos nada.E não dizemos nada.  Até que um dia,Até que um dia, o mais frágil deleso mais frágil deles entra sozinho em nossa casa,entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e,rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo,conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta.arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nadaE já não podemos dizer nada..
  • 35. 35 Mais informaçõesMais informações  www.assediomoral.orgwww.assediomoral.org  www.direb.fiocruz.brwww.direb.fiocruz.br “Base Legal para“Base Legal para Ação de vigilância em Saúde do TrabalhadorAção de vigilância em Saúde do Trabalhador na questão Assédio Moral”na questão Assédio Moral”  www.sindbancariospe.com.brwww.sindbancariospe.com.br
  • 36. 36 Violência e Assédio MoralViolência e Assédio Moral no Trabalhono Trabalho Verônica Lopes da S. NascimentoVerônica Lopes da S. Nascimento CEREST - DFCEREST - DF assediomoral.df@gmail.com