RELATÓRIODA
DIRETORIA2012
ÍNDICE 3
CódigodeÉticadaABEMI
MensagemdoPresidente
DestaquesdaGestão2012
10 Plano Estratégico da ABEMI
12 GTs de Competiti...
MENSAGEMDOPRESIDENTE 5
MENSAGEMDO
PRESIDENTE
Senhores Associados.
Assumimos a ABEMI no início de 2012 conscientes da missã...
CÓDIGODEÉTICADAABEMI 7
Missão
Congregar e representar empresas cujas atividades se
relacionam com a implantação de empreen...
Conselho de Administração
Ricardo Ribeiro Pessôa
Legendas:
Diretorias de Serviços Conselheiros e Suplentes das Diretorias ...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 11
O plano institucional e estratégico da ABEMI para o período
2012-2014 apoiou-se nos pontos comuns...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 13
Açõesdemédioprazo
◊ Pesquisar, propagar e difundir o conhecimento e as novas tecnologias, em coop...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 15
MetasdaPetrobras
Durante apresentação no evento do IBP no Rio de Janeiro, a presidente Maria das ...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 17
NovosProcedimentosdeFaturamentoePagamento
AvaliaçãoEstratégica–Petrobras
E&PdaPetrobras
OTC–Offsh...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 19
RioOil&Gas2012
Associadas com mais de 60 anos de atividade:
Carioca, EBSE, Heleno & Fonseca e Mil...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 21
CoordenadoresdasComissões
ReuniõesdaABEMInoRioeemBeloHorizonte
Por decisão da Diretoria da ABEMI,...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 23
CerimôniadePossedoConselhoeDiretoria
A Diretoria e Conselho de Administração, eleitos na Assemble...
DESTAQUESDAGESTÃO2012 25
IIIEncontroABEMI
deCompetitividade
Está agendada a realização do III Encontro ABEMI
de Competitiv...
DIRETORIADESEGMENTOSECONÔMICOS 27
DIRETORIADESEGMENTOS
ECONÔMICOS
São responsáveis pela coordenação entre Associadas,
clie...
DIRETORIADESEGMENTOSECONÔMICOS 29
SGTProcedimentosMínimosPadronizados
deProcessosExecutivosdeConstruçãoeMontagem
A Petrobr...
SGTHoldPointsdeEquipamentos	
O SGT coordenado pelo diretor Cristian Jaty Silva foi criado para eliminar os
hold points na ...
DIRETORIADESEGMENTOSECONÔMICOS 33
AlmoçodeConfraternizaçãodoGTPetrobras-ABEMI-ABCE(em12dedezembro)SGTAcreditaçãodeEmpresas...
Diretor: José Octávio Alvarenga.
Participa do GT Petrobras/ETM-ABEMI-ABCE e coordena os SGTs:
◊ SGT Reavaliação dos Comuni...
DIRETORIADESERVIÇOS 37
MontagemeManutenção
Engenharia
ServiçosComplementares
Diretor: Francisco Assis de Oliveira Rocha.
P...
COMISSÕESPERMANENTES 39
COMISSÕES
PERMANENTES
Diretor: Marcelo F. C. A. Corrêa.
Integradas pelos representantes das empres...
COMISSÕESPERMANENTES 41
Coordenador: Frederico Augusto A. Machado – MCE Engenharia Ltda..
Vice-coordenador: Francisco Pate...
COMISSÕESPERMANENTES 43
Coordenador: Frederico Porto Souza – Mendes & Mitugui.
Vice-coordenador: Fernando Dantas – ENFIL.
...
COMISSÕESPERMANENTES 45
SeminárioABEMIdeQsmsrs2012
O 11º Seminário ABEMI de QSMSRS, evento anual realizado
pela CESMT, aco...
COMISSÕESPERMANENTES 47
ComissãodaQualidade
Coordenadora: Lucy Tavares Bahia – Fidens.
Vice-coordenador: Nazario del Rio G...
ABEMIEOUTRASENTIDADES 49
ABEMIEOUTRAS
ENTIDADES
O 9º Encontro Nacional do Prominp foi realizado em Belo Horizonte,
nos dia...
PALESTRASEOUTRASAÇÕES 51
DecisãodoSTF
Rodrigo Cesar de Oliveira Marinho também apresentou as consequências
da decisão do S...
PALESTRASEOUTRASAÇÕES 53
IISoldaBrasil–SeminárioNacionaldeTecnologia
eMercadodaSoldagem
O conselheiro Oscar Simonsen fez u...
REPRESENTAÇÕESDAABEMI 55
SecretariadeEnergiadoEstadodeSãoPaulo
O diretor Joaquim Passos Maia representou a ABEMI na reuniã...
ASSUNTOSINTERNOS 57
ComissãodeCompetitividade
Aprovada pela Diretoria a criação da Comissão Permanente de Competitividade....
ASSUNTOSINTERNOS 59
◊ a publicação de “Melhoria de Produtividade em Tubulação –
Problemas, Causas e Soluções” – 1º livro t...
QUADROSOCIAL 61
NovasAssociadasem2012
ANDRITZ HYDRO INEPAR DO BRASIL S.A.
CFPS – ENGENHARIA E PROJETOS S.A.
CHICAGO ENGENH...
ReceitaBruta
CONSTRUÇÃOCIVIL
ENGENHARIA
FABRICAÇÃO
MONTAGEM EMANUTENÇÃO
1972
1973
1974
1976
1977
1975
1979
19801981
1978
1...
DADOSESTATÍSTICOS 65
Faturamento
NíveldeEmprego
Evolução do faturamento das 20 maiores empresas Associadas
Fontes: revista...
PrincipaisAtividadesdasAssociadas
1	 ABB LUMMUS l l l l l l l l l l l l l l l l
2	 ADLER l
3	 AGUILAR Y SALAS l l
4	 AIR C...
ADMINISTRAÇÃO
PessoaleTerceiros
Sede–SãoPaulo
Vice-Presidente Executivo
Márcio Moreira dos Santos Severine
Diretor Executi...
Relatório Anual da Diretoria ABEMI 2012 #Lavajato Ricardo Pessoa
Relatório Anual da Diretoria ABEMI 2012 #Lavajato Ricardo Pessoa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório Anual da Diretoria ABEMI 2012 #Lavajato Ricardo Pessoa

890 visualizações

Publicada em

Relatório Anual da Diretoria ABEMI
Ricardo Pessoa - UTC - Constran - Lava Jato - Petrobras

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
890
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório Anual da Diretoria ABEMI 2012 #Lavajato Ricardo Pessoa

  1. 1. RELATÓRIODA DIRETORIA2012
  2. 2. ÍNDICE 3 CódigodeÉticadaABEMI MensagemdoPresidente DestaquesdaGestão2012 10 Plano Estratégico da ABEMI 12 GTs de Competitividade ABEMI 13 Petrobras 18 Rio Oil & Gas 2012 20 Coordenadores das Comissões 20 Reuniões da ABEMI no Rio e em Belo Horizonte 21 50 Anos da ABEMI 22 Cerimônia de Posse do Conselho e Diretoria 24 Nova Sede 25 III Encontro ABEMI de Competitividade 25 Vice-Presidente Executivo da ABEMI 25 Plano de Marketing DiretoriadeSegmentos Econômicos 27 Petróleo e Gás 34 Petroquímica e Química 34 MIneração e Siderurgia ComissõesPermanentes 38 Comissão de Assuntos Jurídicos 40 Comissão de Recursos Humanos 42 Comissão de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente – CESMT 46 Comissão da Qualidade DiretoriaeConselhos deAdministraçãoeVitalícios 4 6 ÍNDICE 8 10 26 38 Palestrase OutrasAções50 56 AssuntosInternos 57 Assembleia Geral Ordinária 60 QuadroSocial 60 Novas Associadas em 2012 60 Lista das Empresas Associadas 68 Administração 68 Pessoal e Terceiros 68 Assessorias 62 DadosEstatísticos 62 Receita Bruta 64 Faturamento 64 Nível de Emprego 66 Principais Atividades das Associadas Representações daABEMI54 DiretoriadeServiços 36 Montagem e Manutenção 37 Engenharia 37 Serviços Complementares 36 ABEMIeoutrasEntidades 48 Prominp – Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural 49 ONIP – Organização Nacional da Indústria do Petróleo 49 CNI – Confederação Nacional da Indústria 48
  3. 3. MENSAGEMDOPRESIDENTE 5 MENSAGEMDO PRESIDENTE Senhores Associados. Assumimos a ABEMI no início de 2012 conscientes da missão maior da entidade, que é a de representar o setor de engenharia industrial nacional, exercendo a defesa dos interesses das Associadas e reunindo conhecimento em prol da competitividade coletiva. A nova Diretoria é constituída por engenheiros, administradores e executivos de elevada capacitação e grande experiência profissional, o que influiu acentuadamente nas decisões tomadas ao longo deste primeiro período de mandato e no sucesso alcançado na gestão da ABEMI. Nesse sentido, podemos destacar dentre tantas realizações de 2012: ◊ Inauguração da nova sede da entidade, com mais de 500 m², na Avenida Paulista – um espaço moderno e com infraestrutura completa para o desenvolvimento das diversas atividades da ABEMI. ◊ Continuidade dos Grupos de Trabalho (GT) criados no I Encontro de Competitividade, realizado em 2009, além da impressionante marca de 100 reuniões promovidas pelo GT Petrobras-ABEMI-ABCE, em 10 anos de trabalho ininterrupto. ◊ Desenvolvimento de trabalhos sobre desoneração dos encargos trabalhistas, com foco nas empresas de projeto, construção civil, montagem e fabricantes, visando diminuir os desequilíbrios comerciais entre o setor nacional e estrangeiro. O projeto foi realizado em conjunto com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e encaminhado no final de 2012 ao Comitê Executivo do Prominp, sendo aprovado com louvor. ◊ Apresentação ao Comitê Executivo do Prominp de projeto da ABEMI-PEARSON-NCCER-SENAI para implantação do Sistema de Capacitação e Certificação de Profissionais no segmento de construção e montagem. Esses dois projetos coordenados pela ABEMI fazem parte dos cinco aprovados no 9º Encontro Nacional do Prominp e serão apresentados ao Comitê Diretivo. Desafios O segundo semestre de 2012 foi um período de atenção para as empresas e 2013 será desafiador para um setor que depende de investimento intensivo. Por isso, ao longo do ano atual, a ABEMI intensificará a sua atuação institucional, buscando proximidade com grandes clientes, como Petrobras, Vale e operadoras de energia e logística. Além disso, irá atuar de forma proativa com o poder público em suas três esferas, procurando garantir a continuidade de importantes empreendimentos do interesse das Associadas da ABEMI. Ainda no ano de 2013, implantaremos um projeto-piloto de Sistema de Capacitação e Certificação de Profissionais no segmento de construção e montagem, contemplados na parceria ABEMI-PEARSON-NCCER-SENAI. Essa ação significará um dos mais importantes passos para a melhoria da produtividade e da competitividade. A ABEMI também focará em 2013 a continuidade na busca da produtividade de QSMSRS, com foco especial na segurança no trabalho e na proteção ao meio ambiente nos empreendimentos em que seus membros atuam. A atual Diretoria continuará empenhada em 2013, visando fortalecer a posição da ABEMI de forma preponderante no mercado e tornando-se cada vez mais líder no segmento de engenharia industrial, cuja atuação abrange desde o projeto básico de engenharia até a colocada em marcha do empreendimento. Com a união das empresas Associadas e disponibilidade dedicada de seus representantes, sem dúvida, vamos conseguir vencer os desafios e conquistar as melhorias que beneficiarão as Associadas da ABEMI. Essa é a convicção, o empenho e a disposição desta Diretoria. AntonioE.F.Müller Diretor Presidente
  4. 4. CÓDIGODEÉTICADAABEMI 7 Missão Congregar e representar empresas cujas atividades se relacionam com a implantação de empreendimentos públicos ou privados nos setores industrial e de infraestrutura, exercendo a defesa dos interesses das Associadas, protegendo a livre concorrência, reunindo conhecimentos na busca da competitividade coletiva e contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do país. Visão Ser reconhecida como instituição com prestígio e representatividade nacional na defesa dos interesses de suas Associadas e da engenharia brasileira. Princípios ◊ Conduzir as atividades da ABEMI com transparência e integridade, cultivando credibilidade com as Associadas, clientes e sociedade brasileira. ◊ Esforçar-se no sentido da elevação social da ABEMI, realizando dignamente sua propaganda. ◊ Não criticar ou injuriar, de maneira desleal ou desabonadora, a atuação de uma Associada, bem como de outras entidades de classe. ◊ Eximir-se de praticar atos que possam, direta ou indiretamente, prejudicar os interesses das Associadas, como aproveitar-se, sem citação ou autorização, de ideias, planos ou projetos de terceiros. ◊ Não agir em nome da ABEMI para obter vantagens individuais ou para a empresa que representa. ◊ Considerar como confidencial toda e qualquer informação que obtenha da ABEMI, quando esta assim o solicitar. ◊ Informar imediatamente às Associadas qualquer impedimento que julgue relacionado com seus projetos ou serviços. ◊ Cumprir e fazer cumprir o disposto no Estatuto da ABEMI. ◊ Incentivar as Associadas a disseminarem os princípios éticos e compromissos de conduta aqui expressos. O presente Código de Ética reitera aos membros do Conselho de Administração e da Diretoria, aos colaboradores e aos representantes das Associadas, o compromisso de respeitar os princípios da ABEMI em todas as atividades exercidas na Associação e em suas empresas. CÓDIGODEÉTICA DAABEMI
  5. 5. Conselho de Administração Ricardo Ribeiro Pessôa Legendas: Diretorias de Serviços Conselheiros e Suplentes das Diretorias de ServiçosConselho Vitalício Aylton Antoniazzi Fernando Couto Marques Lisbôa David Fischel Roberto Mendonça Cristiano Kok Manuel Antonio Lopes Carlos Maurício Lima de Paula Barros José Luiz do Lago Diretoria SistemaSdeGestãoENGENHARIAFABRICAÇÃOCONSTRUÇÃOCIVILMONTAGEMeMANUTENÇÃOSERV.COMPLEMENTARES Guilherme Pires de Mello Techint Engenharia e Construção S.A. Petróleo e Gás Química e Petroquímica José Octávio L. de Alvarenga Promon Engenharia Ltda. Mineração e Siderurgia Gabriel Aidar Abouchar Enfil S.A. Controle Ambiental Energia José Lima Oliver Júnior Potencial Engenharia S.A. Papel e Celulose Marcelo Handro Cordaro Poyry Tecnologia S.A. InFRAESTRUTURA em Geral Silvério Totaro Garbin Camargo Corrêa Construções Industriais S.A. Sérgio Salomão IMC Saste Construções, Serviços e Comércio Ltda. Conselheiro Carlos Alberto de Oliveira e Silva Tomé Engenharia S.A. Francisco Assis de Oliveira Rocha UTC Engenharia S.A. Conselheiro Paulo Nishimura Niplan Engenharia S.A. Conselheiro André Glogowsky Hochtief do Brasil S.A. Wagner Othero Jaraguá Equipamentos Industriais Ltda. Conselheiro Valdir Folgosi Centroprojekt do Brasil S.A. Maurício Mendonça Godoy Toyo Setal Empreendimentos Ltda. Conselheiro Oscar Simonsen Junior Montcalm Montagens Industriais S.A. Liliam M. Torresan Valentin CFPS Engenharia e Projetos S.A. Conselheiro Gerson Ricardi Construtora Norberto Odebrecht S.A. – CNO Gestão 2012-2014 DIRETORIAECONSELHOS DEADMINISTRAÇÃOEVITALÍCIOS Diretor Presidente Antonio E. F. Müller Tridimensional Engenharia S.A. Diretor Vice-Presidente Márcio Alberto Cancellara Projectus Consultoria Ltda. Diretor Executivo Aurélio Escudero Diretoria Nomeada Diretor Marcelo F. C. A. Corrêa Remac Engenheiros e Consultores Ltda. Cristian Jaty Silva Voga Assessoria Comercial Ltda. Diretor Joaquim Passos Maia JMA Assessoria Comercial Marketing e Representações Ltda. Diretor Conselheiro Suplente Nelson Cortonesi Maramaldo NM Engenharia e Construções Ltda. Conselheiro Suplente Paulo Massa Filho EBE – Empresa Brasileira de Engenharia S.A. Conselheiro Suplente Cesar Jorge Maalouf Schahin Engenharia S.A. Conselheiro Suplente Renato Teixeira de Freitas Pontec Engenharia e Comércio Ltda. Conselheiro Suplente Samuel Fernando Scalise Miranda TKK Engenharia Ltda. Conselheiro Suplente José Eduardo C. S. de Figueiredo IESA Óleo e Gás S.A. Diretorias de Segmentos Econômicos Vice-Presidente Executivo Márcio Moreira dos Santos Severine Alberto E. Vilaça Gomes Carioca Christiani-Nielsen Engenharia S.A. 9
  6. 6. DESTAQUESDAGESTÃO2012 11 O plano institucional e estratégico da ABEMI para o período 2012-2014 apoiou-se nos pontos comuns constantes dos planos de ação apresentados pelos diretores. A consolidação do material teve por base a visão, a missão e a estrutura organizacional – com a composição da Diretoria; diretores de segmentos econômicos, de serviços e nomeados; e os conselhos vitalício e de administração. OsobjetivosdoPlanodeAção: ◊ maior presença institucional com governos federais e estaduais; ◊ aumento do quadro de Associadas por meio de convite a empresas do setor; ◊ defesa dos interesses coletivos das Associadas; ◊ participação do maior número possível de Associadas nas ações da ABEMI; ◊ fortalecimento das empresas pela sinergia e disseminação das melhorias conseguidas; ◊ valorização da imagem da Associação com ações institucionais, bem como a promoção de eventos, apresentações e workshops; ◊ treinamento e aperfeiçoamento dos recursos humanos das Associadas; ◊ criação e operação de sistema de informações e a comunicação eficaz. Asériedeaçõesespecíficasdetalhadaspordiretoriasdesegmentoseconômicosdemineração esiderurgia;petróleoegás;energia;químicaepetroquímica;papelecelulose;einfraestrutura emgeral;epordiretoriasdeserviçosdeconstruçãocivil;montagememanutenção;engenharia; sistemasdegestão;fabricaçãoedeserviçoscomplementaresforamagrupadaspara: Açõesdecurtoprazo ◊ Agir com a administração pública em defesa dos interesses da ABEMI. ◊ Maximizar a qualidade e a quantidade de informação às Associadas. ◊ Institucionalizar calendário e temática anual, priorizando eventos relacionados ao tema definido. ◊ Intensificar a atuação da ABEMI na qualificação e certificação de mão de obra. ◊ Intensificar a divulgação das atividades da Associação, em especial perante as Associadas. ◊ Otimizar o uso dos ativos empresariais (salas, material técnico etc.). ◊ Estimular a sinergia e a cooperação entre a ABEMI e suas empresas Associadas. ◊ Desenvolver ações conjuntas com empresas e/ou entidades públicas e privadas no Brasil e no exterior. ◊ Estimular a participação de maior quantidade de Associadas nos diversos grupos temáticos existentes. ◊ Promover eventos como seminários e palestras, que contribuam para a informação e atualização das Associadas. DESTAQUES DAGESTÃODE2012 PlanoEstratégicodaABEMI
  7. 7. DESTAQUESDAGESTÃO2012 13 Açõesdemédioprazo ◊ Pesquisar, propagar e difundir o conhecimento e as novas tecnologias, em cooperação com outros organismos e entidades; ◊ Apoiar as Associadas nos assuntos de natureza técnica e jurídica de interesse coletivo, com as Comissões Permanentes; ◊ Incentivar e apoiar a atuação das Comissões Permanentes; ◊ Intensificar a comunicação interna (Associadas) e externa (público em geral); ◊ Criar e operar um sistema de informações de mercado, que subsidie as Associadas no seu direcionamento comercial; ◊ Promover a formação de novos Grupos de Trabalho (GT). GTCapacitação,Certificaçãoe Competitividade Coordenador: Joaquim Passos Maia. Desde 2011, vem mantendo negociações com as norte-americanas NCCER (The National Center for Construction Education and Research) e Pearson, além do brasileiro SENAI, visando estruturar uma parceria Em 2010, o I Encontro ABEMI de Competitividade, realizado em Buenos Aires, criou vários GTs, cujos trabalhos se estendem até os dias atuais. GTSdeCompetitividadeABEMI GTMétricasdeProdutividade Coordenadores: Walter Dias, da TKK, e Laerte Galhardo, da Petrobras. PossedaPresidente Materiais Petrobras O presidente da ABEMI e representantes de empresas Associadas participaram da cerimônia de posse da presidente da Petrobras, a engenheira Maria das Graças Silva Foster, em 13 de fevereiro, no Rio de Janeiro. O evento foi prestigiado com a presença da Presidente da República, Ministros, Governadores e representantes das principais empresas do país. Reunião com a Gerência de Gestão de Relacionamento da Unidade de Materiais da Petrobras, em 18 de janeiro, no Rio de Janeiro, teve a participação dos diretores Francisco Rocha e José Lima Oliver Junior. A ABEMI foi convidada pelo gerente Ronaldo Martins para falar sobre fluxo de caixa neutro e o Progredir – Programa de Financiamento da Cadeia Produtiva da Petrobras, exclusivamente para materiais. O GT, junto com a UFF (Universidade Federal Fluminense), definiu as métricas prioritárias, a coleta das informações e o gerenciamentos dos dados. O GT decidiu contratar o CII (Construction Industry Institute) via Centro de Excelência em EPC. O projeto previu 18 meses de prazo, com a aplicação dos questionários, o desenvolvimento de software, para qualificar e certificar a mão de obra de construção e montagem. A cúpula do Senai se interessou em participar do projeto ABEMI-NCCER-PEARSON e o seu business plan está em fase de preparação. Para o primeiro semestre de 2013, está prevista a vinda de representantes da NCCER e da PEARSON para road show e assinatura de Memorando de Intenção com a ABEMI. GTQualificaçãodePessoaldeProjeto Coordenadores: Liliam M. Torresan Valentim, diretora de Engenharia, e Elon Guimarães de Oliveira, da PROGEN. Job Leader e Coordenador – negociações para realizar os cursos para job leader e coordenadores foram feitas com o SENAI e a FGV. A grade curricular foi definida, mas o projeto acabou cancelado por falta de interessados devido às alterações na demanda do mercado. treinamentos, relatórios parciais e final. Com os resultados coletados, será possível comparar métricas individuais com as médias nacional e internacional. A ABEMI exigirá que o repositório dos dados seja o CE em EPC e não o CII. Esse trabalho está sendo desenvolvido em parceria entre a ABEMI, CE-EPC e Petrobras. GTGestãoeLiderança Coordenadores: Francisco Assis de Oliveira Rocha, diretor de Montagem e Manutenção, e Francisco Paternostro Neto, da TÜV Rheinland. Realizada análise comparativa de MBA’s de FGV, Vanzolini, USP e FIA; e a proposta de grade com carga horária de 360 horas.
  8. 8. DESTAQUESDAGESTÃO2012 15 MetasdaPetrobras Durante apresentação no evento do IBP no Rio de Janeiro, a presidente Maria das Graças Silva Foster, da Petrobras, afirmou que as reservas brasileiras somam, atualmente: Deu ênfase ao mercado doméstico em 2011-2012 e declarou que o conteúdo local haverá de ser cumprido e documentado, 15bilhõesdebarris sendo 1bilhãodestesdopré-sal. está em torno de 50% e 65% Foi criado um GT para isTo A Petrobras tem 27sondas A empresa vai perfurar 42poços Terá como alvo vazamento zero, que “não existe, mas quer”. A meta de produção até 2020 é de 6milhõesde b/d. Também quer preparar a Petrobras para 2030e 2050 com foco no Cenpes (Centro de Pesquisa da Petrobras) e em novas tecnologias. atividade esta da presidência da empresa e terá 40até o fim do ano.
  9. 9. DESTAQUESDAGESTÃO2012 17 NovosProcedimentosdeFaturamentoePagamento AvaliaçãoEstratégica–Petrobras E&PdaPetrobras OTC–OffshoreTechnologyCongress O presidente Antonio E. F. Müller, o vice-presidente Márcio Cancellara e o diretor de Petróleo e Gás, Guilherme Pires de Mello, apresentaram ao diretor da Petrobras, Almir Guilherme Barbassa, a preocupação das Associadas da ABEMI com os novos procedimentos de pagamento e faturamento adotados pela Petrobras, que acabam com as isonomias técnica e financeira. Em reunião realizada no dia 18 de setembro, no Rio de Janeiro, foram apresentadas as preocupações da ABEMI, destacando-se aditivos, fluxo de caixa neutro e engenharia. Grupo integrado pelo presidente Antonio E. F. Müller, o vice-presidente Márcio Cancellara e os diretores Guilherme Pires e Francisco Rocha. Antonio E. F. Müller e Francisco Rocha se reuniram com o diretor de E&P José Miranda Formigli Filho, no dia 13 de novembro, quando apresentou a posição da ABEMI em E&P. A ABEMI participará da OTC Houston, que será realizada em maio, e da OTC Brasil, em outubro, no Rio de Janeiro.
  10. 10. DESTAQUESDAGESTÃO2012 19 RioOil&Gas2012 Associadas com mais de 60 anos de atividade: Carioca, EBSE, Heleno & Fonseca e Mills. No painel “Capacitação e Certificação de Mão de Obra” promovido pelo IBP no setor de congressos, o diretor Joaquim Passos Maia, da ABEMI, fez uma apresentação sobre o projeto ABEMI-NCCER- PEARSON-SENAI de qualificação e certificação de mão de obra direta de construção e montagem. No último dia da Rio Oil & Gas, o Centro de Excelência em EPC promoveu um seminário sobre a busca da produtividade, com a participação de 80 pessoas, onde proferiu palestra o diretor da ABEMI de Petroquímica e Química, o engenheiro José Octávio Alvarenga. O presidente da ABEMI, Antonio E. F. Müller, integrou a mesa da cerimônia de abertura da Rio Oil & Gas 2012. A ABEMI participou da feira, realizada no período de 17 a 20 de setembro, no Estande das Associações (Pavilhão 3). Durante o evento, no dia 19, a ABEMI ofereceu um coquetel em comemoração à realização da 100ª reunião do GT Petrobras/ETM-ABEMI-ABCE. A ABEMI preparou mais cinco volumes com a atualização dos Comunicados e procedimentos de execução de construção e montagem do GT e encaminhou ao diretor José Antônio de Figueiredo, à gerente executiva ETM-Corp. Renata Baruzzi e ao gerente geral Paulo Fernando Cavalcanti. Também prestou homenagem a quatro empresas
  11. 11. DESTAQUESDAGESTÃO2012 21 CoordenadoresdasComissões ReuniõesdaABEMInoRioeemBeloHorizonte Por decisão da Diretoria da ABEMI, foram convocados os coordenadores das comissões permanentes para participar das reuniões de Diretoria e Conselho de Administração da Associação: Frederico Porto Souza, da CESMT; Frederico Augusto Machado, do RH; Daniel Esteves, de Assuntos Jurídicos; e Lucy Tavares Bahia, de Qualidade. A Diretoria da ABEMI se reuniu em outras capitais: no Rio de Janeiro, em 13 de novembro, e em Belo Horizonte, em 5 de dezembro. A primeira em função da Rio Oil & Gas e a segunda com empresas Associadas de Minas Gerais e convidadas da região para participar do 9º Encontro Nacional do Prominp (realizado em BH). 50AnosdaABEMI A ABEMI completará 50 anos de atividades em 2014. Seus diretores e conselheiros aprovaram a elaboração do livro “ABEMI – 50 anos”.
  12. 12. DESTAQUESDAGESTÃO2012 23 CerimôniadePossedoConselhoeDiretoria A Diretoria e Conselho de Administração, eleitos na Assembleia Geral Ordinária em 27 de março, tomaram posse no dia 29 de maio, em cerimônia realizada no Buffet Leopoldo, em Itaim, São Paulo.
  13. 13. DESTAQUESDAGESTÃO2012 25 IIIEncontroABEMI deCompetitividade Está agendada a realização do III Encontro ABEMI de Competitividade para o dia 22 de março de 2013. O comitê constituído pelos diretores vice-presidentes Márcio Cancellara e Márcio Severine e pelos diretores Gabriel Abouchar, Francisco Rocha, Marcelo Corrêa e Aurélio Escudero será responsável pelo planejamento e organização do Encontro. PlanodeMarketing Márcio Severine, vice-presidente executivo, apresentou o plano de marketing para 2013-2014, que foi aprovado pelos diretores e conselheiros. Vice-PresidenteExecutivo daABEMI Márcio Moreira dos Santos Severine, vice-presidente executivo, engenheiro e administrador de empresas – contratado para gerenciar as áreas de relações institucionais, comunicação, feiras e eventos –, foi apresentado aos diretores pelo presidente da ABEMI, Antonio E. F. Müller, em 16 de outubro, e aos diretores e conselheiros pelo vice-presidente, Márcio Cancellara, no dia 30. NovaSede A nova sede da ABEMI foi inaugurada, oficialmente, no dia 19 de dezembro. As novas instalações têm mais de 500 m2 de área, auditório para 91 pessoas, salas de reuniões (com 32, 12 e 8 lugares), sala da presidência e instalações para o staff interno da Associação.
  14. 14. DIRETORIADESEGMENTOSECONÔMICOS 27 DIRETORIADESEGMENTOS ECONÔMICOS São responsáveis pela coordenação entre Associadas, clientes e terceiros, na busca da melhoria das relações comerciais, dos instrumentos contratuais e da disseminação das oportunidades. Cada diretor responde pelo relacionamento com as empresas e entidades do seu respectivo segmento (Petróleo e Gás; Química e Petroquímica; Mineração e Siderurgia; Energia; Papel e Celulose; Infraestrutura em Geral) para assuntos de interesse coletivo, de natureza institucional, contratual ou técnica, coordenando as Associadas e interagindo com as demais Diretorias. PetróleoeGás Diretor: Guilherme Pires de Mello. GTPETROBRAS/ETM-ABEMI-ABCE Os cinco pontos a serem fortalecidos pelo GT são: ◊ fortalecimento da engenharia brasileira; ◊ implantação de métricas internacionais no Brasil; ◊ Sistema de Gestão Integrada (Maquete 4D); ◊ gestão de SMS; ◊ produtividade. Com base na Lei nº 12.527, de 18/11/11, de acesso à informação, a Petrobras consultou a ABEMI sobre a possibilidade de abrir à divulgação pública os procedimentos de execução de construção e montagem, aprovados pelo GT. Após análise da legislação, a conclusão da ABEMI foi que por envolver tecnologias e procedimentos exclusivos das empresas Associadas, tais procedimentos não terão sua divulgação aberta. As instruções de acesso a eles se encontram em seus respectivos Comunicados. ReduçãodecustoseprazosnosinvestimentosdaPetrobras A ABEMI apresentou os principais pontos de otimização de custos e prazos nos contratos da Petrobras, resultante de trabalho do SGT Redução de Custos e Prazos nos Investimentos da Petrobras, em busca das causas e sugerindo ações corretivas para mitigá-las. A Diretoria de ETM (Engenharia, Tecnologia e Materiais) da Petrobras recomendou um acompanhamento mais eficiente no planejamento dos projetos, com foco nas curvas S, física, financeira e de conteúdo local. A Petrobras sinalizou a utilização das métricas de execução e de produtividade internacionais como referência, visando a otimização de custos dos projetos.
  15. 15. DIRETORIADESEGMENTOSECONÔMICOS 29 SGTProcedimentosMínimosPadronizados deProcessosExecutivosdeConstruçãoeMontagem A Petrobras comunicou que a utilização dos procedimentos passará a ser obrigatória pelos empreendimentos. OstatusdoSGT: Resumo | Acumulado até 2012 QUANTIDADE PERCENTUAL SubmetidosaoGGT 97 89% AsubmeteraoGGT 12 11% TOTAL 109 100% Publicados 79 72% Apublicar 30 28% TOTAL 109 100% SGTDefiniçãodos“gates” Foi criado um subgrupo de trabalho para definir os “dados de entrada e saída de cada fase de Projeto de Engenharia” (Projeto Conceitual, Básico, FEED e de Detalhamento). O trabalho desenvolvido pelo Centro de Excelência em EPC será a base e José Octávio Alvarenga coordena o SGT pela ABEMI/ABCE. ProcedimentosdeEngenharia A ABEMI-ABCE disponibilizou o Procedimento de Engenharia, Redes de Precedência e as LVs (listas de verificação de documentos de projeto de engenharia) para a Petrobras. ABEMI-ABCE e Petrobras entendem que o Procedimento de Engenharia, Redes de Precedência e LVs não serão objeto de Comunicado; contudo, estão alinhados com as boas práticas de engenharia e devem ser mantidos sempre atualizados consoante ao estado da técnica. SistemaCOMOS ABEMI-ABCE consideraram adequada a grade dos cursos de treinamento que estão sendo oferecidos pelo Prominp, na UFF, os quais poderão ter a participação dos profissionais das empresas Associadas.
  16. 16. SGTHoldPointsdeEquipamentos O SGT coordenado pelo diretor Cristian Jaty Silva foi criado para eliminar os hold points na inspeção de fabricação de equipamentos e encerrado com a emissão dos Comunicados abaixo: ◊ Nº 38 – Hold Points – Cartilha de Esclarecimentos. ◊ Nº 40 – Abrandamento do tipo de inspeção para equipamentos caracterizados, como vasos de pressão. ◊ Nº 42 – Sistemática para simplificação no processo de aprovação dos procedimentos de Ensaios Não Destrutivos (END) utilizados pelos fabricantes e empresas de construção e montagem. ◊ Nº 43 – Padronização dos pits e requisitos de inspeção para válvulas. SGTReavaliaçãodosComunicados O objetivo deste SGT é proceder a uma avaliação dos Comunicados do GT publicados, visando sua atualização, alinhar conceitos e consolidá-los. O GT aprovou a proposta de cancelamento do Comunicado nº 01, emissão e divulgação dos Comunicados: ◊ Nº 01 – Rev. A – Prazos para Cotação de Editais/Convites. ◊ Nº 01 – Rev. B – Eliminação do Risco Cambial. ◊ Nº 13 – Rev. A – Prática Recomendada para Modularização. A revisão do Comunicado nº 39 – Exigências de Experiência por Categoria Profissional – está sendo finalizada. Constará também a previsão de inclusão de cláusula que permite a participação de trainees nos contratos da Engenharia. O Comunicado nº 39 – Rev. A será publicado no primeiro semestre de 2013. SGTBoasPráticasdeSMS O objetivo é o estabelecimento de boas práticas de SMS pelas empresas prestadoras de serviços nos empreendimentos da Petrobras. Encontra-se em estudo a adequação dos percentuais de entrega de certificados e data books das EAPs Padronizadas. CritériosdeAvançodoProjeto A Diretoria da Petrobras decidiu suspender a aplicação do fluxo de caixa neutro nas contratações de bens e serviços, bem como os adiantamentos referentes a aquisições de materiais e equipamentos. Todos os processos de contratação instaurados a partir de 22/5/2012 que envolvam fornecimento de bens terão seus pagamentos realizados em evento único, após sua entrega e emissão da correspondente nota fiscal. As EAPs de Engenharia e Critérios de Avanço de Projeto para adequação do “cash flow” se encontram em revisão. SGTDiretrizesdeSMS A Petrobras apresentou à ABEMI a minuta de diretriz de SMS que substituirá as atuais, com o objetivo de implantar uma única diretriz, uniformizando sua utilização em todos os empreendimentos construídos pela ETM. A ABEMI, – por intermédio das Comissões de Engenharia de Segurança, Saúde e Meio Ambiente e da Qualidade – já encaminhou suas propostas à Petrobras. SGTEAPsPadronizadas DIRETORIADESEGMENTOSECONÔMICOS 31
  17. 17. DIRETORIADESEGMENTOSECONÔMICOS 33 AlmoçodeConfraternizaçãodoGTPetrobras-ABEMI-ABCE(em12dedezembro)SGTAcreditaçãodeEmpresas PrestadorasdeServiçosdeEnsaios NãoDestrutivos–END O SGT coordenado pelo diretor Cristian Jaty Silva foi criado a pedido da Petrobras, que pretende solicitar contratualmente aos fabricantes e EPCistas que as empresas contratadas para prestação de serviços de ENDs (Ensaios Não Destrutivos) ou seus departamentos internos de controle de qualidade sejam ACREDITADAS pelo INMETRO. Esta proposta já está aprovada na Petrobras, faltando apenas estabelecer o início de vigência precedido de um período de divulgação e preparação da indústria – razão da criação deste SGT. A dificuldade nesse movimento é a formação de profissionais de inspeção Nível 3. A ABEMI considerou o caminho da Acreditação como indutor da solução dos problemas com ensaios não destrutivos, que afetam custo e prazo nas obras da Petrobras. O tempo de experiência profissional requerido foi reduzido de 10 anos para 18 meses. A ABENDI (Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção) tem nessa modalidade 177 inspetores certificados e 84 em processo. Próximospassos Finalizada a fase de diagnóstico, o SGT discutirá as seguintes ações: ◊ divulgação para incentivar a participação dos players; ◊ patrocínio à certificação dos inspetores e à Acreditação das empresas; SGTAndaimes A Petrobras apresentou a diretriz pretendida para os Requisitos de Contratação de Andaimes e cuidados a serem tomados em relação à SEGURANÇA; com conclusões sobre a utilização de andaimes com encaixes na execução de empreendimentos gerenciados pela ETM, a partir de 2013. A ABEMI elaborou estudo sobre o tema encaminhado à Petrobras, com a recomendação de que sua aplicação seja gradativa para adequação do mercado. SGTCanteirodeObras Visando a redução de custos na construção de canteiros de obras utilizados na execução de empreendimentos da Petrobras, foi criado este SGT com o objetivo de propor a elaboração de diretriz de um Projeto Básico para Instalações Provisórias de Canteiro de Obras, dentro da legislação que rege o assunto. A Petrobras forneceu seu Padrão de Contratação PC-07/006 – Requisitos Básicos para Canteiros da Petrobras – para balizar os trabalhos. ◊ demanda inicial de certificação de 100 inspetores Nível 3, distribuídos em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife; numa proporção de 70% para ultrassom e 30% para Raio X.
  18. 18. Diretor: José Octávio Alvarenga. Participa do GT Petrobras/ETM-ABEMI-ABCE e coordena os SGTs: ◊ SGT Reavaliação dos Comunicados; ◊ SGT Dados de Entrada e Saída de cada Fase de Projeto de Engenharia; ◊ SGT Redução de Custos e Prazos nos Investimentos da Petrobras. Apresentou palestras nas seguintes oportunidades: ◊ na Reunião de Análise Crítica da Gestão Integrada dos Empreendimentos da Área de Engenharia, Tecnologia e Materais da Petrobras, a convite da Diretoria de ETM, em dezembro de 2012; ◊ no evento do CE-EPC, na Rio Oil & Gas 2012. PetroquímicaeQuímica MineraçãoeSiderurgia Diretor: Gabriel Aidar Abouchar. Coordena o Projeto IND P&G 65 do Prominp – Desoneração dos Encargos Trabalhistas no Segmento de Engenharia Industrial – e contrato da consultoria DAC – Diogo Alarcon Clemente para desenvolver o trabalho. A contratação da DAC é uma parceria entre a ABEMI e a CNI. Esse projeto será entregue ao comitê executivo do Prominp no primeiro semestre de 2013 e as reuniões estão sendo reiniciadas, neste período, com as empresas de mineração – especialmente a Vale. Promoveu a palestra “Brasil: Trabalho e Competitividade”, do professor José Pastore, na ABEMI. 35
  19. 19. DIRETORIADESERVIÇOS 37 MontagemeManutenção Engenharia ServiçosComplementares Diretor: Francisco Assis de Oliveira Rocha. Participa do GT Petrobras/ETM-ABEMI-ABCE e vem coordenando os seguintes SGTs: ◊ SGT Boas Práticas de SMS; ◊ SGT Diretrizes de SMS; ◊ SGT Andaimes; ◊ SGT Canteiro de Obras. SgtProcedimentosMínimosPadronizadosde ProcessosExecutivosdeConstruçãoeMontagem As reuniões serão agendadas em sistema rotativo entre as cidades de Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. O SGT contabiliza 109 procedimentos, dos quais 79 publicados e 30 a publicar. Diretora: Liliam M. Torresan Valentin. GTEngenhariaemContratosEPC Grupos das Diretorias de Engenharia, Construção, Montagem e Fabricação realizaram reuniões específicas e uma conjunta que consolidou propostas de recomendações para adequação das condições contratuais. GTPadronizaçãodeProcedimentos deProjetos O GT elaborou procedimento para execução de projetos, Rede de Precedência, LVs e encaminhou para comentários da Petrobras. Diretor: Sérgio Salomão. BitributaçãodoISS A bitributação do ISS na sede da empresa contratada e retenção pela contratante no local do empreendimento preocupam as empresas do segmento. MaiorAbrangência Diretores e conselheiros aprovaram a inclusão, na Diretoria de Serviços Complementares, de SGTs com temas e serviços como andaimes, inspeção, corrosão, novos materiais e logística. Responsáveis pela coordenação entre Associadas, clientes e terceiros, buscando a evolução das atividades de seu respectivo setor (Sistemas de Gestão; Engenharia; Fabricação; Construção Civil; Montagem e Manutenção; Serviços Complementares), o que inclui a melhoria dos sistemas de execução e controle, dos métodos e processos construtivos, da formação de pessoal técnico e gerencial, com o objetivo de manter um nível internacional de competitividade. DIRETORIA DESERVIÇOS
  20. 20. COMISSÕESPERMANENTES 39 COMISSÕES PERMANENTES Diretor: Marcelo F. C. A. Corrêa. Integradas pelos representantes das empresas, são responsáveis pela análise da legislação que afeta o setor, estudos das exigências dos clientes e outras questões de interesse das empresas e do mercado. Em suas respectivas áreas, distribuem aos associados essas conclusões, com recomendações e propostas para o melhor andamento das atividades profissionais e empresariais. Criam também subcomissões para temas específicos. ComissãodeAssuntosJurídicos Coordenador: Daniel Santa Bárbara Esteves – Skanska. Vice-coordenador: Rodrigo Françoso Martini – Techint. A Comissão tratou dos assuntos abaixo. ◊ ISSQN – Construção civil: dupla tributação dos serviços subempreitados. Relator: Rodrigo Chohfi. ◊ Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT) – Lei 12.440/2011 | Banco Nacional de Devedores Trabalhistas (BNDT): aspectos controvertidos. Relatora: Anna Lee Carr de M. Meira. ◊ Cláusulas de Limitação de Responsabilidade Apresentação de Wanderley Fernandes, doutor pela USP e professor da FGV, deste relevante tema na negociação de contratos de grandes empreendimentos (objeto de sua tese de doutorado). ◊ Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT) Apresentação de Tulio de Oliveira Massoni, mestre e doutor pela USP, e especialista em Direito Sindical pela Universidade de Modena (Itália). ◊ Contratação de pessoas portadoras de necessidades especiais na engenharia industrial. Forma de enfrentar o problema. Exemplo de questionamento bem-sucedido em nome de uma das Associadas. Apresentação de Ronney Greve, advogado em Salvador/BA, mestre em Filosofia pela UFBA. ◊ Circular BACEN nº 3.580, de 1º de março de 2012 (altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais – RMCCI), e seus impactos em contratos firmados anteriormente à sua edição. Possíveis soluções para a continuidade da execução dos contratos. Apresentação feita por representantes da Advanced Corretora de Câmbio, João Carlos do Carmo, Isaías Mendes e Celso Siqueira. ◊ Adiantamentos por exportação de no máximo um ano – norma do Banco Central. Irreal para a atividade. O BC prometeu revisar a norma, ampliando o prazo. ◊ Aviso Prévio Proporcional – Lei 12.506/2011: controvérsias e consequências contratuais. Relatora: Anna Lee Carr de M. Meira. ◊ Cotas de deficientes. Relatora: Rubênia Prandato. ◊ Audiência pública sobre terceirização, a ser promovida pelo TST: implicações nas atividades das Associadas e atuação da Associação. Relatora: Renata Lopes.
  21. 21. COMISSÕESPERMANENTES 41 Coordenador: Frederico Augusto A. Machado – MCE Engenharia Ltda.. Vice-coordenador: Francisco Paternostro Neto – TÜV Rheinland do Brasil. Em 2012, o planejamento e as ações da Comissão atenderam às áreas de interesse e prioridades em Recursos Humanos na ABEMI: ◊ Atração e Retenção – banco de dados, pesquisa salarial, pesquisa de clima etc.. ◊ Desenvolvimento – projetos de capacitação profissional dos Grupos de Trabalho – Competitividade. ◊ Gestão – relações sindicais, legislação trabalhista etc.. ◊ Apresentação de Vera Módolo e Adriana Maria Cruz Frias, da WTorre, sobre a experiência de real sucesso, que servirá de apoio à comissão que vai discutir PCDs com parlamentares em Brasília. ◊ A Comissão produziu um documento contendo as dificuldades e barreiras para as Associadas da ABEMI e as justificativas para ir à Comissão Parlamentar, em Brasília, solicitando a não aprovação do aumento da quota e revisão de alguns pontos da lei vigente. ◊ A Diretoria da ABEMI deu o aval à Comissão para dar o andamento pela ABEMI do acordo de parceria entre ABEMI, SindusCon-SP, SRTE (Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego) e Sindicato dos Trabalhadores-SP, com objetivo de flexibilizar a aplicação da lei dos deficientes, as quotas e estabelecer acordo de aplicação. Assuntos tratados: PPD–PessoasPortadorasdeDeficiência. ◊ Apresentação de Anna Lee Carr de M. Meira. ◊ Cases de empresas Associadas: CNO, UTC, Skanska, MPE e Camargo Corrêa. ◊ Revisitado o pacto do SindusCon expirado e não renovado. ◊ Apresentações de José Carlos do Carmo, coordenador do Projeto de Inclusão da Pessoa com Deficiência, da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego. ◊ Apresentação de Açucena Calixto Bonanato, do Instituto Pró-Cidadania. ◊ Apresentação de Carolina Godoy Martins Vizeu, do SINICESP, sobre quotas para deficiente e os acordos tripartite com as empresas. ◊ Apresentação de Rosilene C. Santos, do SindusCon-SP, sobre inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, abordando os pactos do Sindicato de São Paulo. ComissãodeRecursosHumanos ◊ Novidades sobre a Lei do Ponto Eletrônico. ◊ Apresentação da Towers sobre a Pesquisa Salarial 2012. ◊ Apresentação à Diretoria da ABEMI da proposta enviada pela AON Hewitt para Pesquisa de Engajamento e busca de apoio para viabilizá-la. ◊ Apresentação da Ernest Young sobre expatriados, legislação, procedimentos e pacotes de benefícios. ◊ Apresentação de dois grupos de trabalho existentes na ABEMI acerca do tema: capacitação profissional. Elon Guimarães, coordenador do GT Qualificação de Pessoal de Projeto, falou sobre os cursos de job leader e coordenador de projetos (desenvolvidos com a FGV) e o sistema COMOS (desenvolvido com a Petrobras/Prominp e negociado pela Associação). Já o diretor Joaquim Passos Maia abordou o convênio ABEMI-NCCER-SENAI. ◊ Relações Sindicais. Mapeamento dos índices de reajuste e principais solicitações. Busca por atuações de representatividade da ABEMI, em parceria com outras entidades (associações, ONGs etc.), para reivindicações nos órgãos públicos. ◊ Banco de Dados de Currículos da ABEMI, em parceria com prestador de serviços externo (Elancers).
  22. 22. COMISSÕESPERMANENTES 43 Coordenador: Frederico Porto Souza – Mendes & Mitugui. Vice-coordenador: Fernando Dantas – ENFIL. Assuntos tratados: ◊ Custos de SMS previstos e imprevistos das obras – e como criar formas de controle. ◊ Como tratar incidentes na empresa. ◊ Atribuições do médico do trabalho nas empresas. ◊ As empresas estão dando o devido valor às questões da Qualidade, Saúde, Segurança e Meio Ambiente? Estabelecem investimentos/custos de SMS para agregar valor ao negócio? ◊ Análise e revisão das diretrizes de QSMSRS nos editais da Petrobras/Engenharia. ◊ Indicadores anuais de SMS. ◊ Manual de Segurança para Operações com Guindastes. ◊ Desenvolvimento de procedimentos de execução de construção e montagem no manuseio e uso de ferramentas. ◊ Criada subcomissão para elaborar uma estrutura de indicadores de SMS, que deve ir além dos legais de taxa de frequência e gravidade. Será formada pelos representantes das empresas. ◊ Criada a subcomissão do Seminário ABEMI de QSMSRS 2012, com objetivo de estruturar o evento, formada pelos representantes das empresas Associadas. ◊ Indicadores Estatísticos de 2011 – os trabalhos foram concluídos e a estatística de acidentes em 2011 divulgada no Seminário ABEMI de QSMSRS 2012, conforme os números ao lado. ComissãodeEngenhariadeSegurança, SaúdeeMeioAmbiente–CESMT ◊ O representante da Engevix apresentou a cartilha “Segurança de Máquinas e Equipamentos de Trabalho – Meios de Proteção Contra os Riscos Mecânicos” (exemplar disponível para consulta na ABEMI). A cartilha foi desenvolvida pela SRTE/RJ (Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego), do MTE, em parceria com o Sistema FIRJAN. Ela pode ser obtida no SESI/RJ – Gerência de Segurança do Trabalho, no endereço: Rua Mariz e Barros, 678/bloco 1, 5º andar – Tijuca (RJ). Acidentes em 2011 TODASASOBRAS OBRASPETROBRAS DISCRIMINAÇÃO TOTALGERAL TOTALGERAL Homens-HoraTrabalhadas(HHT) 364.264.212 138.264.958 Acidentescomafastamento 662 102 Acidentessemafastamento 2.081 714 Acidentesfatais 10 1 Diasperdidos+transportados+debitados 101.092 9.657 Taxadefrequênciacomafastamento 1.82 0.74 Taxadefrequênciasemafastamento 5.71 5.16 Taxadegravidade 278 70 Casosregistradosdedoençasocupacionais 1 –
  23. 23. COMISSÕESPERMANENTES 45 SeminárioABEMIdeQsmsrs2012 O 11º Seminário ABEMI de QSMSRS, evento anual realizado pela CESMT, aconteceu no auditório da ABEMI, no dia 4 de outubro. O evento contou com a presença de 90 pessoas. Foram cinco painéis: I. MEIO AMBIENTE, com palestras sobre ciclo de vida do produto – logística reversa e gases de efeito estufa; II. SAÚDE OCUPACIONAL, com palestra sobre inclusão social (Decreto 8.213); III. QUALIDADE, com palestra sobre Sistema Integrado de Gestão QSMSRS; IV. COMUNICAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL, com palestra sobre balanço social e relacionamento com o terceiro setor; V. SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, com palestras sobre comportamento humano – Conscientização em SST e Controle de Drogas e Álcool. Foi realizada uma pesquisa de avaliação do Seminário ABEMI de QSMSRS 2012 e o resultados foram extremamente satisfatórios: A CESMT sugeriu ao SGT Padronização de Procedimentos de Execução de Construção e Montagem, em conjunto com a Petrobras, a elaboração de procedimentos específicos para: ◊ trabalho em altura; ◊ veículos automotores; ◊ equipamentos móveis – caminhão Munck; ◊ bloqueio e sinalização; ◊ movimentação de carga; ◊ espaço confinado; ◊ proteção de máquinas; ◊ estabilização de taludes; ◊ explosivos e detonação; ◊ produtos químicos; ◊ trabalhos com eletricidade. O Subgrupo de Trabalho de Procedimentos de Execução de Construção e Montagem, do GT Petrobras/ETM-ABEMI-ABCE, aprovou a criação do Grupo XI – Procedimentos de SMS. Foram criadas três subcomissões para desenvolver os procedimentos. consideraram o Seminário bom ou ótimo, disseram que tanto o evento quanto os palestrantes satisfizeram suas expectativas. 98% 94%
  24. 24. COMISSÕESPERMANENTES 47 ComissãodaQualidade Coordenadora: Lucy Tavares Bahia – Fidens. Vice-coordenador: Nazario del Rio Gonzalez – Engevix. A Diretoria aprovou a reativação da Comissão da Qualidade da ABEMI, que vinha funcionando como Subcomissão da CESMT. CritériosdeReexame Alfredo Moura (TOMÉ) apresentou o funcionamento das entidades certificadoras FBTS, ABRAMAN, ABENDI e IBRACON relativos aos critérios de reexame. SimuladordeSoldagem Apresentação da Lincoln Electric Holding sobre o simulador de soldagem utilizado para treinamento (VRTEX). NãoConformidade,AçãoCorretiva eAçãoPreventiva Os representantes das empresas Enfil, Potencial e Projectus apresentaram seus cases, promovendo a troca de experiências e consolidação de conceitos. A Enfil apresentou uma sistemática que possibilita diagnosticar o custo da não qualidade. ConduçãodeAuditoriaExterna O representante da certificadora Lloyd’s Register apresentou a palestra “Sistemática Adotada na Condução de Auditoria Externa – ISO 9001”. SeminárioABEMIdeQSMSRS2012 A Comissão deu sua contribuição ao 11º Seminário ABEMI de QSMSRS, realizado em 4 de outubro, apresentando a palestra “Sistema Integrado de Gestão em QSMSRS”. QualificaçãodeFornecedores As empresas Azevedo & Travassos e TOMÉ trouxeram seus cases de qualificação de fornecedores. ComoGerenciarumContratonaÁreadaQualidade Além da apresentação do palestrante Frederico Porto Souza, os representantes da Engevix e da Fidens comentaram como estes processos de gerenciamento acontecem em suas empresas. José Roberto Amaral, da Qualidade e Comissionamento da Petrobras, contribuiu para o enriquecimento do debate apresentando a visão da empresa no processo.
  25. 25. ABEMIEOUTRASENTIDADES 49 ABEMIEOUTRAS ENTIDADES O 9º Encontro Nacional do Prominp foi realizado em Belo Horizonte, nos dias 5, 6 e 7 de dezembro, com total apoio da atual presidência da Petrobras. Dos 10 projetos prioritários do programa, a ABEMI participa de três e coordenou o Projeto IND P&G 65 – Desoneração dos Encargos Trabalhistas na Indústria do Petróleo e Gás. No evento, a ABEMI coordenou o Painel 5 – Empregabilidade. O diretor Joaquim Passos Maia apresentou três pontos básicos: ◊ adequar o PNQP à demanda do mercado; ◊ certificação; ◊ novas áreas de qualificação e requalificação – offshore precisará de 60 mil novos profissionais nos próximos três anos. Para coordenar a participação da Associação no Prominp, integram o Comitê Diretivo da ABEMI o presidente Antonio E. F. Müller e os diretores Francisco Rocha, Gabriel Abouchar, Marcelo Corrêa, Aurélio Escudero, Joaquim Passos Maia, Guilherme Pires de Mello e José Octávio Alvarenga. ONIP–OrganizaçãoNacionaldaIndústriadoPetróleo A ABEMI participa do Conselho Deliberativo da ONIP e é representada pelo presidente Antonio E. F. Müller. Entre as atividades da Organização, está em andamento os programas para desenvolvimento de fornecedores: Cadfor, Navipeças e o de conteúdo local – trabalho que a ONIP vem desenvolvendo por meio de contrato com a ANP (Agência Nacional de Petróleo e Gás). A Associação participa também do Conselho Consultivo e do Núcleo de Política Industrial, tendo como responsabilidade a coordenação da política de geração e implantação da engenharia básica. A ABEMI é representada pelo diretor Marcelo Corrêa. CNI–ConfederaçãoNacionaldaIndústria A ABEMI e a CNI contrataram a consultoria DAC para desenvolver o trabalho sobre desoneração de encargos trabalhistas na indústria de petróleo e gás (Projeto IND P&G 65). Prominp–ProgramadeMobilizaçãodaIndústria NacionaldePetróleoeGásNatural No Comitê Executivo do Prominp, José Renato Ferreira de Almeida explicou as modificações introduzidas na Petrobras. A nova presidente, Maria das Graças Silva Foster, chamou para si a responsabilidade do Prominp, que terá Paulo Alonso como coordenador geral e mais três outras coordenações. José Renato ficará com a coordenação do conteúdo local e contatos com a indústria. O coordenador relatou que o PNQP treinou 80.464 profissionais, com investimento de R$ 212 milhões. Para o próximo ciclo, a ANP aprovou verba de R$ 120 milhões e tem R$ 10 milhões de saldo da verba anterior.
  26. 26. PALESTRASEOUTRASAÇÕES 51 DecisãodoSTF Rodrigo Cesar de Oliveira Marinho também apresentou as consequências da decisão do STF que permitiu a uma Associada da ABEMI deduzir da base de cálculo do ISS os materiais utilizados e as subempreitadas. Em sua interpretação, a medida cabível seria o mandado de segurança – com remota chance de perda. 3ºSemináriodeEnergiaNuclear No dia 9 de fevereiro, o conselheiro Carlos Maurício Lima de Paula Barros abordou, em sua palestra, o tema dos recursos humanos na obra de Angra e os projetos da Petrobras no Comperj e da Nuclep. 2ºSeminárioCaminhosdaEngenhariaBrasileira –AEngenhariaNacionaldePetróleo No dia 7 de maio, Márcio Cancellara, diretor vice-presidente da ABEMI, e o conselheiro Ricardo Pessôa, proferiram palestras no Seminário do Instituto de Engenharia de São Paulo. 1ºSeminárioFBTS –InovaçãoeQualidadeparaoAumento daProdutividadeeReduçãodeCustosnaSoldagem O nível tecnológico das apresentações no evento realizado em 25 de abril, no Rio de Janeiro, levaram os diretores a pleitear uma apresentação às Associadas. A ABEMI foi representada pelos conselheiros Oscar Simonsen e José Luiz do Lago. PALESTRASE OUTRASAÇÕES ApresentaçãosobreAçãoRegressivadoINSS Rodrigo Cesar de Oliveira Marinho (Porto Advogados), da assessoria jurídica da ABEMI, apresentou a ação regressiva do INSS. Quando o Instituto conclui que a empresa foi responsável pelo acidente causado ao trabalhador afastado e remunerado pelo INSS, a AGU entra com ação regressiva para se ressarcir das despesas.
  27. 27. PALESTRASEOUTRASAÇÕES 53 IISoldaBrasil–SeminárioNacionaldeTecnologia eMercadodaSoldagem O conselheiro Oscar Simonsen fez uma apresentação mencionando a preocupação das entidades em relação à baixa produtividade e à busca de melhorias; separando o que é possível e o que está fora de sua alçada. Citou exemplos de racionalização e automatização na obra e a aproximação da ABEMI com a NCCER. O Seminário aconteceu no dia 29 de agosto, no Centro Empresarial Rio. Brasil:TrabalhoeCompetitividade O professor José Pastore apresentou palestra na ABEMI, promovida pelo diretor Gabriel Aidar Abouchar. LeanManagement Consultores da empresa KAEFER fizeram uma apresentação sobre aumento de produtividade. O evento foi promovido pelo conselheiro Renato Freitas. ONIPMULTIFOR–ProgramadeDesenvolvimentodeFornecedores Eloi Fernández y Fernández, diretor geral, e Luis Fernando Mendonça Frutuoso, superintendente, ambos da ONIP, apresentaram palestra sobre o seu Programa de Desenvolvimento de Fornecedores. SistemaCOMOS Vicente Gullo, da Engenharia da Petrobras, apresentou palestra sobre a necessidade da Companhia usar o Sistema COMOS. Na sequência, apresentação técnica da SIEMENS. BrazilMarketUpdate Antonio E. F. Müller, presidente da ABEMI, apresentou o que é a Associação, o mercado e o que geram as Associadas, durante o workshop Market Update, em 18 de setembro, no Rio de Janeiro. Uma comitiva empresarial canadense participou do encontro. ProgramaProgredireFdic Palestra na ABEMI por Roberto Alfradique, gerente do Programa PROGREDIR e FDIC, e Gustavo Tardin, gerente executivo da Diretoria Financeira da Petrobras (DIFIN). BIM–BuildingInformationModeling O conselheiro André Glogowsky apresentou palestra na ABEMI sobre o BIM – Building Information Modeling.
  28. 28. REPRESENTAÇÕESDAABEMI 55 SecretariadeEnergiadoEstadodeSãoPaulo O diretor Joaquim Passos Maia representou a ABEMI na reunião de definição de unidade móvel para treinamento gratuito para instrumentadores. ConselhodeCompetitividadeSetorialdePetróleo,Gás eNaval–PlanoBrasilMaior O diretor José Octávio Alvarenga representou a Associação na reunião do Conselho, que aconteceu no dia 3 de abril, em Brasília. CerimôniadeInauguraçãodaNovaSededaFbts Oscar Simonsen, conselheiro de sistemas de gestão da ABEMI, representou a Associação na inauguração da nova sede, no Rio de Janeiro. DesafioseOportunidadesdaAdministraçãodaPetrobras Antonio E. F. Müller, presidente da ABEMI, representou a Associação no evento do IBP, no Rio de Janeiro, onde a presidente Maria das Graças Silva Foster fez uma apresentação sobre desafios e oportunidades da nova administração da Petrobras. ParceriasparaoDesenvolvimento:PppseConcessões O presidente Antonio E. F. Müller representou a Associação no Seminário Internacional – Parcerias para o Desenvolvimento: PPPs e Concessões, promovido por ABCE, FEPAC e SINAENCO, nos dias 16 e 17 de abril, na FIRJAN. A ABEMI foi uma das entidades apoiadoras do evento. 1ºSeminárioFbts–InovaçãoeQualidadeparaoAumento daProdutividadeeReduçãodeCustosnaSoldagem Os conselheiros Oscar Simonsen e José Luiz do Lago e o presidente Antonio E. F. Müller representaram a Associação no evento da FBTS. ConcursodaFINEP Numa proposta conjunta, o CE-EPC, FBTS, ABEMI e ABENDI ganharam recursos da FINEP para desenvolver o tema “Gestão de Inovação”. Contrato já assinado, a ABEMI indicou Toshiwo Yoshikai, da UTC. BrasilMaior O presidente da ABEMI atendeu ao convite para integrar o Conselho de Competitividade Setorial de Petróleo, Gás e Naval – Brasil Maior, do MDIC. REPRESENTAÇÕES DAABEMI
  29. 29. ASSUNTOSINTERNOS 57 ComissãodeCompetitividade Aprovada pela Diretoria a criação da Comissão Permanente de Competitividade. Mensalidades A Diretoria aprovou a proposta, apresentada pelo vice-presidente Márcio Cancellara, de revisão dos valores das mensalidades das empresas Associadas, com base nos Grupos de Receita Operacional Bruta do exercício de 2010; além do reajuste nos valores pela inflação oficial. EstruturadasDiretorias A Diretoria de Indústrias em Geral foi substituída por Infraestrutura em Geral. Já a de Serviços de Manutenção foi absorvida pela Diretoria de Montagem e Manutenção. AssembleiaGeralOrdinária Realizada no dia 27 de março de 2012, a Assembleia ouviu o então diretor presidente Carlos Maurício Lima de Paula Barros destacar trabalhos e conquistas de seus quatro anos na Presidência da ABEMI, como: ◊ o GT Petrobras/ETM-ABEMI-ABCE “que constitui a materialização de conhecimentos com dezenas de procedimentos e cerca de 43 Comunicados – patrimônio das Associadas”; ◊ o Plano Nacional de Qualificação Profissional (PNQP), com mais de 80 mil profissionais formados, em 180 categorias e em 18 estados; ◊ a participação em feiras e congressos, como a OTC – Houston e Rio Oil & Gas, com estande próprio e promovendo homenagens a empresas Associadas com mais de 60 anos de atividade; ◊ os dois Encontros de Competitividade – iniciados na Argentina –, que geraram diretrizes que nortearam trabalhos dos GTs; ◊ em São Paulo, com prestação de contas dos GTs e formulação de recomendações à nova Diretoria; ASSUNTOSINTERNOS Diretoria de Indústrias em Geral Infraestrutura em Geral Serviços de Manutenção Diretoria de Montagem e Manutenção
  30. 30. ASSUNTOSINTERNOS 59 ◊ a publicação de “Melhoria de Produtividade em Tubulação – Problemas, Causas e Soluções” – 1º livro técnico da ABEMI; ◊ de entidade exclusivamente de executivos, maridos e esposas passaram a participar dos eventos da ABEMI – uma conquista importante; ◊ o aumento de 100 para 140 Associadas. A participação maior de empresas e o aumento da receita foram motivos de grande satisfação para a ABEMI – como reconhecimento empresarial. A Assembleia aprovou o relatório e as contas da Diretoria em exercício no ano de 2011 e o orçamento para o exercício de 2012. Elegeu também os membros do Conselho de Administração e da Diretoria para o biênio 2012-2014.
  31. 31. QUADROSOCIAL 61 NovasAssociadasem2012 ANDRITZ HYDRO INEPAR DO BRASIL S.A. CFPS – ENGENHARIA E PROJETOS S.A. CHICAGO ENGENHARIA CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA. COBRAPI GERENCIAMENTO E CONSULTORIA LTDA. DORIS ENGENHARIA LTDA. LAYHER COMÉRCIO DE SISTEMAS DE ANDAIMES LTDA. MARFIN ESTRUTURAS METÁLICAS LTDA. MENDES & MITUGUI LTDA. MIC MONTAGENS INDUSTRIAIS E CIVIS LTDA. PROJEFLEX ENGENHARIA LTDA. SUPORTENGE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUPORTES METÁLICOS LTDA. TECDATA ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA. VOGA ASSESSORIA COMERCIAL LTDA. ListadasEmpresasAssociadas 1. ABB LUMMUS GLOBAL LTDA. 2. ADLER ANDAIMES LTDA. 3. AGUILAR Y SALAS BRASIL IND. E COM. IMP. EXP. E REPRESENTAÇÃO LTDA. 4. AIR CONDITIONING TECNOLOGIA E SISTEMAS EIRELI 5. ALUSA ENGENHARIA LTDA. 6. ANDRITZ HYDRO INEPAR DO BRASIL S.A. 7. AP CONSULTORIA E PROJETOS LTDA. 8. AZEVEDO E TRAVASSOS S.A. 9. BAREFAME INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS LTDA. 10. BELLELLI & ZUBARAN PLANEJ. E CONTROLE LTDA. 11. BRASFOND FUNDAÇÕES ESPECIAIS S.A. 12. BSM ENGENHARIA S.A. 13. CALORISOL ENGENHARIA LTDA. 14. CAMARGO CORRÊA CONSTRUÇÕES INDUSTRIAIS S.A. 15. CARIOCA CHRISTIANI-NIELSEN ENGENHARIA S.A. 16. CEGELEC S.A. 17. CENTROPROJEKT DO BRASIL S.A. 18. CFPS – ENGENHARIA E PROJETOS S.A. 19. CH2M HILL DO BRASIL ENGENHARIA LTDA. 20. CHEMTECH SERVIÇOS DE ENGENHARIA E SOFTWARE LTDA. 21. CHICAGO ENGENHARIA CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA. 22. CMI CONSTRUÇÕES LTDA. 23. CNEC WORLEYPARSONS ENGENHARIA S.A. 24. COBRAPI GERENCIAMENTO E CONSULTORIA LTDA. 25. CONDUTO CIA. NACIONAL DE DUTOS 26. CONSTRAN S.A. CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO 27. CONSTRUBASE ENGENHARIA LTDA. 28. CONSTRUCAP CCPS ENGª E COMÉRCIO S.A. 29. CONSTRUTECKMA ENGENHARIA LTDA. 30. CONSTRUTORA ANDRADE GUTIERREZ S.A. 31. CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S.A. – CNO 32. CONSTRUTORA OAS LTDA. 33. CONSTRUTORA QUEIROZ GALVÃO S.A. 34. CONTEMAT ENGENHARIA E GEOTECNIA S.A. 35. CONTRERAS ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. 36. DORIS ENGENHARIA LTDA. 37. EBSE ENGENHARIA DE SOLUÇÕES 38. ECMAN ENGENHARIA S.A. 39. EGESA ENGENHARIA S.A. 40. ELETRODATA CONST. E MONTAGENS INDUSTRIAIS LTDA. 41. ELFE ÓLEO E GÁS OPERAÇÕES E MANUTENÇÃO LTDA. 42. EMPRESA BRASILEIRA DE ENGENHARIA S.A. – EBE 43. ENCONSULT ENGENHARIA E CONSULTORIA LTDA. 44. ENESA ENGENHARIA LTDA. 45. ENFIL S.A. CONTROLE AMBIENTAL 46. ENGECAMPO ENGENHARIA LTDA. 47. ENGEFORM CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA. 48. ENGESIQUE ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E MONTAGENS LTDA. 49. ENGEVIX ENGENHARIA S.A. 50. ESTALEIRO ATLÂNTICO SUL S.A. 51. EUROBRAS CONSTR. METÁLICAS MODULADAS LTDA. 52. FAST ENGENHARIA E MONTAGENS S.A. 53. FIDENS ENGENHARIA S.A. 54. FIGUEIREDO FERRAZ CONSULT. E ENG. DE PROJETO LTDA. 55. FLUXO SOLUÇÕES INTEGRADAS LTDA. 56. GALVÃO ENGENHARIA S.A. 57. GDK S.A. 58. GEMON GERAL DE ENGENHARIA E MONTAGENS S.A. 59. GENPRO ENGENHARIA LTDA. 60. GEOCOMPANY – TECNOLOGIA, ENG. E MEIO AMBIENTE LTDA. 61. GEOFIX ENG. FUNDAÇÕES E ESTAQUEAMENTO S/C LTDA. 62. HATCH CONSULTORIA E GERENCIAMENTO DE EMPREENDIMENTOS LTDA. 63. HEATING & COOLING TECNOLOGIA TÉRMICA LTDA. 64. HELENO & FONSECA CONSTRUTÉCNICA S.A. 65. HEMISUL.SCET SOLUCÕES DE ENGENHARIA E TECNOLOGIA DO HEMISFÉRIO SUL LTDA. 66. HOCHTIEF DO BRASIL S.A. 67. IESA ÓLEO E GÁS S.A. 68. IMC SASTE CONSTR., SERVIÇOS E COMÉRCIO LTDA. 69. INTECH ENGENHARIA LTDA. 70. IRGA LUPERCIO TORRES S.A. 71. ISOTEC ENGENHARIA LTDA. 72. JARAGUÁ EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS LTDA. 73. JMA ASS. COML. MARKETING E REPRESENTAÇÕES LTDA. 74. KTY ENGENHARIA LTDA. 75. LAYHER COMÉRCIO DE SISTEMAS DE ANDAIMES LTDA. 76. LIDERROLL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUPORTES ESTRUTURAIS LTDA. 77. LIMA NETO ENGENHARIA E REPRESENTAÇÃO LTDA. 78. LURGI DO BRASIL INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS LTDA. 79. MAGRAL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS LTDA. 80. MANA ENGENHARIA E CONSULTORIA S.A. 81. MARFIN ESTRUTURAS METÁLICAS LTDA. 82. MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S.A. CONSTRUÇÕES 83. MAUBERTEC ENGENHARIA E PROJETOS LTDA. 84. MCE ENGENHARIA LTDA. 85. MENDES & MITUGUI LTDA. 86. MENDES JÚNIOR TRADING E ENGENHARIA S.A. 87. MERCOTUBOS IND. DE EQUIPAMENTOS E PEÇAS LTDA. – MAXEN 88. MIC MONTAGENS INDUSTRIAIS E CIVIS LTDA. 89. MILLS ESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA S.A. 90. MIP ENGENHARIA S.A. 91. MONTCALM MONTAGENS INDUSTRIAIS S.A. 92. MPE MONTAGENS E PROJETOS ESPECIAIS S.A. 93. MULTITEK ENGENHARIA LTDA. 94. NIPLAN ENGENHARIA S.A. 95. NM ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. 96. OMC ENGENHEIROS ASSOCIADOS LTDA. 97. ORTENG SPE PROJETOS E MONTAGENS LTDA. 98. PARANASA ENGENHARIA E COMÉRCIO S.A. 99. PAREX CONSTRUÇÕES INDUSTRIAIS LTDA. 100. PCP ENGENHARIA E MONTAGENS INDUSTRIAIS LTDA. 101. PETROBRAS – PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. 102. PIPECONSULT ENGENHARIA E REPRESENTAÇÕES LTDA. 103. PLANOVA PLANEJAMENTO E CONSTRUÇÕES S.A. 104. PONTEC ENGENHARIA E COMÉRCIO LTDA. 105. POTENCIAL ENGENHARIA S.A. 106. POYRY TECNOLOGIA LTDA. 107. PRODUMAN ENGENHARIA LTDA. 108. PROGEN – PROJETOS, GERENCIAMENTO E ENG. LTDA. 109. PROJECTUS CONSULTORIA LTDA. 110. PROJEFLEX ENGENHARIA LTDA. 111. PROMON ENGENHARIA LTDA. 112. QUALIMAN MONTAGENS INDUSTRIAIS LTDA. 113. REMAC ENGENHEIROS E CONSULTORES LTDA. 114. ROHR S.A. ESTRUTURAS TUBULARES 115. SANTOS BARBOSA TÉCNICA COM. E SERVIÇOS LTDA. 116. SCHAHIN ENGENHARIA S.A. 117. SERVTEC INSTALAÇÕES E MANUTENÇÃO LTDA. 118. SETEC TECNOLOGIA S.A. 119. SIMA ENGENHARIA LTDA. 120. SKANSKA BRASIL LTDA. 121. SODECOIN – SOCIEDADE DE DESENVOLVIMENTO DE CONCRETO INDUSTRIALIZADO LTDA. 122. SUPORTENGE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUPORTES METÁLICOS LTDA. 123. TECDATA ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA. 124. TECHINT ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO S.A. 125. TECHNIP BRASIL – ENGª, INSTALAÇÕES E APOIO MARÍTIMO S.A. 126. TECNA BRASIL LTDA. 127. TECNIMONT DO BRASIL CONSTRUÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS LTDA. 128. TELSAN ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA. 129. TKK ENGENHARIA LTDA. 130. TOMÉ ENGENHARIA S.A. 131. TOYO SETAL EMPREENDIMENTOS LTDA. 132. TRIDIMENSIONAL ENGENHARIA S.A. 133. UNICONTROL INTERNATIONAL LTDA. 134. USIMINAS MECÂNICA S.A. 135. UTC ENGENHARIA S.A. 136. VOGA ASSESSORIA COMERCIAL LTDA. 137. VWS BRASIL LTDA. 138. WBS GERENCIAMENTO E EMPREENDIMENTOS LTDA. 139. WTORRE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO S.A. 140. ZOPONE ENGENHARIA E COMÉRCIO LTDA. QUADROSOCIAL
  32. 32. ReceitaBruta CONSTRUÇÃOCIVIL ENGENHARIA FABRICAÇÃO MONTAGEM EMANUTENÇÃO 1972 1973 1974 1976 1977 1975 1979 19801981 1978 1982 1983 19851986 1987 1984 1988 1989 19901991 1992 1993 19941995 1996 199719981999 2000 20012002 2003 2004 2005 200620072008 2009 2010 2011 CONSOLIDADOABEMI 3.22 4.38 5.34 5.84 5.76 7.94 8.11 9.17 11.80 12.74 9.95 8.75 11.82 8.86 10.30 6.40 7.48 7.04 9.88 9.80 10.83 16.10 12.98 13.25 17.95 17.62 14.74 14.88 15.28 20.14 21.07 18.00 24.25 23.31 24.44 28.15 37.96 37.85 38.64 2.93 EmUS$bilhões 0.00 5.00 10.00 15.00 20.00 25.00 30.00 35.00 40.00 3.11 Proporçãodareceitabruta,porsetor,em2011: 0.00 0.20 0.40 0.60 0.80 1.00 1.20 1.40 1.60 1.80 EmUS$bilhões FABRICAÇÃO 19721973 1974 1976 1977 1975 197919801981 1978 19821983 19851986 1987 1984 1988 198919901991 199219931994 1995 1996 19971998 19992000 2001 20022003 2004 20052006 20072008 20092010 2011 0.70 0.50 0.60 0.31 0.33 0.26 0.24 0.27 0.31 0.28 0.16 0.25 0.55 0.52 0.46 0.43 0.40 0.38 0.38 0.12 0.44 0.48 0.43 0.63 0.78 0.83 0.87 1.61 1.44 1.60 1.51 0.38 EmUS$bilhões MONTAGEMEMANUTENÇÃO 19721973 1974 1976 1977 1975 197919801981 1978 19821983 19851986 1987 1984 1988 198919901991 199219931994 1995 1996 19971998 19992000 2001 20022003 2004 20052006 20072008 20092010 2011 1.55 1.70 1.99 1.40 1.41 1.08 0.80 0.63 0.56 1.95 1.85 1.42 1.00 2.31 1.19 1.10 1.52 1.91 1.44 1.33 1.20 1.44 1.29 1.87 0.99 1.62 1.30 2.49 4.07 5.88 3.66 4.23 4.56 5.67 6.98 9.79 2.37 0.00 2.00 4.00 6.00 8.00 10.00 12.00 14.00 12.46 12.58 11.75 CONSTRUÇÃOCIVIL 0.00 5.00 10.00 15.00 20.00 25.00 EmUS$bilhões 19721973 1974 1976 1977 1975 197919801981 1978 19821983 19851986 1987 1984 1988 198919901991 199219931994 1995 1996 19971998 19992000 2001 20022003 2004 20052006 20072008 20092010 2011 6.41 5.89 5.43 3.80 3.89 3.81 3.29 2.30 2.54 8.87 9.75 7.83 7.17 10.08 16.29 4.80 5.33 8.43 15.75 22.28 9.78 4.81 6.81 7.52 11.52 13.78 21.30 6.93 9.88 13.08 10.18 9.62 11.80 13.56 15.28 15.05 22.46 22.00 21.21 6.85 0.00 0.20 0.40 0.60 0.80 1.00 1.20 1.40 1.60 1.80 2.00 2.20 2.40 EmUS$bilhões ENGENHARIA 19721973 1974 1976 1977 1975 197919801981 1978 19821983 19851986 1987 1984 1988 198919901991 199219931994 1995 1996 19971998 19992000 2001 20022003 2004 20052006 20072008 20092010 2011 0.49 0.51 0.51 0.55 0.53 0.44 0.27 0.17 0.11 0.46 0.52 0.38 0.24 0.32 0.20 0.20 0.30 0.20 0.25 0.37 0.28 0.25 0.29 0.46 0.32 0.30 0.32 0.24 0.34 0.69 0.59 0.78 0.84 0.99 1.29 1.68 2.29 0.26 2.67 2.44 63 DADOSESTATÍSTICOS
  33. 33. DADOSESTATÍSTICOS 65 Faturamento NíveldeEmprego Evolução do faturamento das 20 maiores empresas Associadas Fontes: revista Exame, revista O Empreiteiro e ABEMI. TOTAL OUTROS TÉCNICO SUPERIOR EVOLUÇÃODONÚMERODEEMPREGADOS–CONSOLIDADOABEMI 12,2 12,1 11,9 16,1 9,1 8,5 7,7 12,8 12,9 11,4 14,1 17,2 15 17,4 19,9 29,133,6 30 25,3 29,9 13,6 11,5 9 18 12,6 16,1 18,3 17,4 20,4 21 24,5 32 241 217 179 223 111 92 56 112,5 90,1 97,9 92,1 92,5 145,2 151,6 177,3 290,2286,8 259,1 216,2 269 133,7 112 72,7 143,3 115,6 125,4 124,5 127,1 180,6 190 221,7 351,3 33,4 32,7 22,8 39,1 352,6 375,1 418,7 447 50,0 100,0 150,0 200,0 250,0 300,0 350,0 400,0 450,0 1981 1982 1985 1988 1991 1994 1997 2001 2002 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 EmMil EmMil NíveldeEmprego–MONTAGEMEMANUTENÇÃO 0,0 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 120,0 9,4 14,4 88,3 112,3 20122005 3,1 8,4 32,7 44,2 2006 2,9 6,3 42,8 52 2007 4,5 9,6 59 73,1 2008 5,3 9,8 60 75,1 2009 6 12 60,4 78,4 2010 8,8 12,6 81 102,4 9,2 13,5 90,9 113,6 2011 EmMil NíveldeEmprego–ENGENHARIA 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 5,4 2,8 6,2 14,6 20122005 1,8 1,9 1,3 5 2006 2 1,6 0,9 4,6 2007 3 2,3 3,6 8,9 2008 3,9 2,9 4,6 11,4 2009 4,8 3,3 4,9 13,1 2010 5,6 2,6 6,8 15 6,2 3,8 5,5 15,5 2011 EmMil NíveldeEmprego–FABRICAÇÃO 2012 1,2 1 14,7 16,9 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 20,0 2005 5,7 2,2 10,7 18,6 2006 3,5 1,6 6,4 11,5 2007 0,5 1,1 6,4 7,9 2008 0,4 0,4 3,5 4,3 2009 0,8 0,7 13 14,5 2010 0,7 0,3 12,5 13,5 2011 0,7 0,5 13,2 14,3 0,0 50,0 100,0 150,0 200,0 250,0 300,0 EmMil NíveldeEmprego–CONSTRUÇÃOCIVIL 3,5 5,8 47,4 56,7 2005 8,8 7,9 42,4 59,1 2006 6,9 7,4 76,2 90,5 2007 7,8 7,9 83,5 99,2 2008 8,3 8,5 99 115,8 2009 14 16,5 189,9 220,4 2010 17,3 14,9 243,1 275,3 2011 16,5 20,7 265,8 303,1 2012 TOTAL OUTROS TÉCNICO SUPERIOR EVOLUÇÃODONÚMERODEEMPREGADOS–CONSOLIDADOABEMI 12,2 12,1 11,9 16,1 9,1 8,5 7,7 12,8 12,9 11,4 14,1 17,2 15 17,4 19,9 29,133,6 30 25,3 29,9 13,6 11,5 9 18 12,6 16,1 18,3 17,4 20,4 21 24,5 32 241 217 179 223 111 92 56 112,5 90,1 97,9 92,1 92,5 145,2 151,6 177,3 290,2286,8 259,1 216,2 269 133,7 112 72,7 143,3 115,6 125,4 124,5 127,1 180,6 190 221,7 351,3 33,4 32,7 22,8 39,1 352,6 375,1 418,7 447 50,0 100,0 150,0 200,0 250,0 300,0 350,0 400,0 450,0 1981 1982 1985 1988 1991 1994 1997 2001 2002 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 EmMil EVOLUÇÃODOFATURAMENTO–ÚLTIMOS7ANOS 5 10 15 20 25 30 35 40 0 EmUS$bilhõesePorcentagemdeCrescimento 5.2 6.6 10.9 13.7 21.8 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 26% 109% 163% 317% 367% 20.7 298%24.3
  34. 34. PrincipaisAtividadesdasAssociadas 1 ABB LUMMUS l l l l l l l l l l l l l l l l 2 ADLER l 3 AGUILAR Y SALAS l l 4 AIR CONDITIONING l l l l l l 5 ALUSA l l l l l l l l l l l 6 ANDRITZ l l l l l l l l l l l l l l l l l 7 AP CONSULTORIA l l l 8 AZEVEDO & TRAVASSOS l l l l l l l l l 9 BAREFAME l l l l l l l l l l l 10 BELLELLI l l l 11 BRASFOND l l l l 12 BSM l l 13 CALORISOL l l l l l 14 CAMARGO CORRÊA l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 15 CARIOCA CHRISTIANI-NIELSEN l l l l l l l l l l l l l l l 16 CEGELEC l l l l l l l l l l l 17 CENTROPROJEKT l l l l l l l l l l l l l l l 18 CFPS l l l l l l l l 19 CH2M HILL l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 20 CHEMTECH l l l l l 21 CHICAGO l l l l l l l l l l l l l l l l 22 CMI l l l l l l l l 23 CNEC WORLEYPARSONS l l l l l l l 24 COBRAPI l l l l l l l 25 CONDUTO l l l l l l l l l l l l 26 CONSTRAN l l l 27 CONSTRUBASE l l l l l l l l 28 CONSTRUCAP l l 29 CONSTRUTORA ANDRADE GUTIERREZ l l l l l l 30 CONSTRUTORA NORB. ODEBRECHT l l l l l l l l l l l l l l l l l 31 CONSTRUTORA OAS l l l l l l l l l l 32 CONSTRUTURA QUEIROZ GALVÃO l l l l l l l l l l l l l l l l 33 CONTEMAT l l 34 CONTRERAS l l l l l l l l l l l l l l l l Projeto Industrial Montagem Industrial Serviços de Obras Especiais Fabricação Outros ATIVIDADES CONCEPÇÃOBÁSICA ESTUDODEVIABILIDADE PROJETOBÁSICO PROJETOEXECUTIVO CONSULTORIA SUPRIMENTOS/COMPRAS CONSTRUÇÃOCIVILINDUSTRIAL CONSTRUÇÃOCIVILPESADA GERENCIAMENTO MECÂNICA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ISOLAMENTOEREFRATÁRIO REVESTIMENTOEPINTURA DIVERSAS TESTES/PRÉ-OPERAÇÕES GEOFÍSICA CONTROLEDEQUALIDADE INSPEÇÃODECAMPO LEVANTAMENTOSTOPOGRÁFICOS DUTOS/ADUTORAS LINHAS/SUBESTAÇÕES OUTROS MANUTENÇÃOINDUSTRIAL ESTRUTURASMETÁLICAS VASOS/TANQUES OUTROSEQUIP./TRANSPORTES CONTRATOSEPC PRODUÇÃOPETRÓLEO/GÁS REDESDEÁGUA/ESGOTOS ANDAIMES Projeto Industrial Montagem Industrial Serviços de Obras Especiais Fabricação Outros 35 DORIS l l l l 36 EBE l l l l l l l l l 37 EBSE l l l l l l l l 38 ECMAN l l l l l l l l l 39 EGESA l l l l 40 ELETRODATA l l l 41 ELFE l l l l l l l l 42 ENCONSULT l 43 ENESA l l l l l l l l l l l l l l l 44 ENFIL l l l l l l l l l l l l l l l 45 ENGECAMPO l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 46 ENGEFORM l l l l l l l l l 47 ENGESIQUE l l l l l l l l l l l 48 ENGEVIX l l l l l l l l l l l l l l 49 ESTALEIRO ATLÂNTICO SUL l l 50 EUROBRAS l l l 51 FAST l 52 FIDENS l l l l l l 53 FIGUEIREDO FERRAZ l l l l l l l 54 FLUXO l l l l l 55 GALVÃO ENGENHARIA l l l l l l 56 GDK l l l l l 57 GEMON l l l l l 58 GENPRO l l l l l l 59 GEOCOMPANY l l l l l l l l 60 GEOFIX l l 61 HATCH l l l l l l l l l l l l l 62 HEATING & COOLING l l l l l l 63 HELENO & FONSECA l l l l l l l l l 64 HEMISUL.SCET l l l l l l l l l l l 65 HOCHTIEF l l l l l l l 66 IESA l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 67 IMC SASTE l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 68 INTECH l 69 IRGA l l 70 ISOTEC l l l l l l l l l l l l l l l l 71 JARAGUÁ l l l l l l l l l l 72 JMA l 73 KTY l l l l l l l l l l l 74 LAYHER l l l l l l 75 LIDERROLL l l l l 76 LIMA NETO l 77 LURGI DO BRASIL l l l l l 78 MAGRAL l l l l l l l l 79 MANA l l l l l l 80 MARFIN l l 81 MASCARENHAS BARBOSA l l 82 MAUBERTEC l l l l l l 83 MCE l l l l l l l l l 84 MENDES & MITUGUI l l l l l l l l l l l l l l l 85 MENDES JÚNIOR l l l l l l l l 86 MERCOTUBOS l l l l 87 MIC l l l l 88 MILLS l l l l 89 MIP l l l l l l l l l l l l 90 MONTCALM l l l l l l l l l l l 91 MPE l l l l l l l l l l l l 92 MULTITEK l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 93 NIPLAN l l l l l l 94 NM ENGENHARIA l l l l l l l l l l l l l l l l l 95 OMC l 96 ORTENG l l l l l l l l l l l l 97 PARANASA l l l l l l l l l 98 PAREX l l l l l l l l l l 99 PCP l l l l l l l l 100 PETROBRAS l l l l l l l l l l 101 PIPECONSULT l 102 PLANOVA l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 103 PONTEC l l l l l l l l 104 POTENCIAL l l l l l l l l l 105 POYRY TECNOLOGIA l l l l l 106 PRODUMAN l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 107 PROGEN l l l l l l l l l l l l Projeto Industrial Montagem Industrial Serviços de Obras Especiais Fabricação Outros ATIVIDADES CONCEPÇÃOBÁSICA ESTUDODEVIABILIDADE PROJETOBÁSICO PROJETOEXECUTIVO CONSULTORIA SUPRIMENTOS/COMPRAS CONSTRUÇÃOCIVILINDUSTRIAL CONSTRUÇÃOCIVILPESADA GERENCIAMENTO MECÂNICA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ISOLAMENTOEREFRATÁRIO REVESTIMENTOEPINTURA DIVERSAS TESTES/PRÉ-OPERAÇÕES GEOFÍSICA CONTROLEDEQUALIDADE INSPEÇÃODECAMPO LEVANTAMENTOSTOPOGRÁFICOS DUTOS/ADUTORAS LINHAS/SUBESTAÇÕES OUTROS MANUTENÇÃOINDUSTRIAL ESTRUTURASMETÁLICAS VASOS/TANQUES OUTROSEQUIP./TRANSPORTES CONTRATOSEPC PRODUÇÃOPETRÓLEO/GÁS REDESDEÁGUA/ESGOTOS ANDAIMES Projeto Industrial Montagem Industrial Serviços de Obras Especiais Fabricação Outros 108 PROJECTUS l l l l l l l l l l l 109 PROJEFLEX l l l 110 PROMON l l l l l l l l 111 QUALIMAN l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 112 REMAC l 113 ROHR l l l l l l l l l l 114 SANTOS BARBOSA l l l l l l l l l l l l l l l 115 SCHAHIN l l l l l l l l l l l l l 116 SERVTEC l l l l l l 117 SETEC TECNOLOGIA l l l l l l l l l l l l l l l l l l 118 SIMA l l l l l l l l l l l 119 SKANSKA BRASIL l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 120 SODECOIN l l l l l l l 121 SUPORTENGE l l l l 122 TECDATA l l l l l l l l l 123 TECHINT l l l l l l l l l l l l l l l l l l 124 TECHNIP l l l l l l l l l l l l l 125 TECKMA l l l l 126 TECNA BRASIL l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l 127 TECNIMONT DO BRASIL l l l l l l l l l l 128 TELSAN l l l l l l l l l l 129 TKK l l l l l l l l l l 130 TOMÉ ENGENHARIA l l l l l l l l l l 131 TOYO SETAL l l l l l l l l l l l l l l l l l 132 TRIDIMENSIONAL l l l l l l l l l l l l l l 133 UNICONTROL l l l l l l l l l l l l 134 USIMINAS MECÂNICA l l l l l l l l l l l l l l l l l 135 UTC ENGENHARIA l l l l l l l l l l l l l l l l l l 136 VOGA l 137 VWS BRASIL l l l l l l l l l 138 WBS l l l l l l l l l l l l l l l l 139 WTORRE l l l 140 ZOPONE l l l l l l l l 67
  35. 35. ADMINISTRAÇÃO PessoaleTerceiros Sede–SãoPaulo Vice-Presidente Executivo Márcio Moreira dos Santos Severine Diretor Executivo Aurélio Escudero Secretária Francizanna dos Santos Mesquita Assistente Administrativo/Financeiro Hermes Sala Auxiliar de Escritório Reinaldo Oliveira Auxiliar Administrativa Andrezza Cristina dos Santos Rodrigues Escritório–RiodeJaneiro Auxiliar Administrativa Josiane Paes Assessorias Jurídica Porto Advogados Associados S.C. Comunicações JOYMA – Informações e Dados S.C. Ltda. ME Técnica CEA Arquitetura S.C. Ltda. | Tácito Brito de Macedo Engenharia Ltda. Imprensa Mandarim Comunicação Ltda. Contábil Sergecont Serviços Gerais de Contabilidade Ltda. Projeto Gráfico Mary Dutra Design Revisão Sidarta Monteiro Fotos Arquivo ABEMI Impressão Stilgraf 68

×