SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 79
Metabolismo Energético Professor Rodrigo Nogueira
TIPOS DE NUTRIÇÃO Fotossíntese : energia usada é a luz. Ex: plantas, algas e algumas bactérias. Autótrofa ou autotrófica  (do grego  auto : por si só; sozinha e  tróphos : alimento) – o ser vivo fabrica seu próprio alimento usando substâncias inorgânicas e energia vindas do ambiente.  Quimiossíntese : energia usada vem da quebra de substâncias inorgânicas, onde há liberação de elétrons. Ex: algumas bactérias. Heterótrofa ou heterotrófica  (do grego  hetero : diferente e  tróphos : alimento) – o ser vivo busca seu alimento em outro ser vivo ou em restos destes. Por ingestão:  o alimento é ingerido e posteriormente digerido. Ex: animais e protozoários. Por absorção:  o alimento é digerido e posteriormente absorvido. Ex: fungos, bactérias, protozoários.
Metabolismo Energético Celular  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Reações Exergônicas e Endergônicas
ATP – a moeda energética das células
• ATP = Adenosina Trifosfato. • Trata-se de um ribonucleotídeo de Adenina associado a três radicais Fosfato. As ligações entre os Fosfatos são de Alta energia. ATP Adenina Ribose Ligação de Alta Energia
Molécula  de ATP NUCLEOSÍDEO NUCLEOTÍDEO = adenosina monofosfato (AMP) Adenosina  di fosfato (ADP) Adenosina  tri fosfato (ATP) Adenina Fosfato Ribose
ATP(Adenosina Trifosfato)
ATP em ação A B Reação endotérmica Reação exotérmica C D Reação exotérmica Reação endotérmica ADP + Pi ATP e Calor e Calor REAÇÕES ACOPLADAS
A FOTOSSÍNTESE 6 O 2 6 CO 2  +  12 H 2 O CLOROFILA Energia Luminosa Energia Química   C 6 H 12 O 6  +  6  H 2 O   +  6 O 2 MATÉRIA INORGÂNICA 6 CO 2  +  12 H 2 O MATÉRIA ORGÂNICA GLICOSE C 6 H 12 O 6 Luz Solar Energia Luminosa CLOROFILA ENERGIA QUÍMICA + 6   H 2 O
[object Object],[object Object],[object Object],FOTOSSÍNTESE BACTERIANA
FOTOSSÍNTESE BACTERIANA +   6  H 2 O 12  S 6 CO 2  +  12 H 2 S C 6 H 12 O 6  +  6  H 2 O +  12   S   Energia Luminosa Energia Química   BACTERIOCLOROFILA MATÉRIA INORGÂNICA 6 CO 2  +   12 H 2 S MATÉRIA ORGÂNICA GLICOSE C 6 H 12 O 6  Luz Solar Energia Luminosa BACTERIOCLOROFILA ENERGIA QUÍMICA
QUIMIOSSÍNTESE ,[object Object],[object Object]
QUIMIOSSÍNTESE 6 CO 2  +  12 H 2 O C 6 H 12 O 6  +  6  H 2 O   +  6 O 2 Substancia inorgânica +  O2  Substância  inorgânica oxidada + Energia Química   MATÉRIA INORGÂNICA 6 CO 2  +  12 H 2 O MATÉRIA ORGÂNICA GLICOSE C 6 H 12 O 6  Oxidação de  Compostos Inorgânicos ENERGIA QUÍMICA 6 O 2 + 6  H 2 O
Processos de Incorporação de Energia – produção de glicose www.bioloja.com Clorofila Reações de Oxidação E  O 2 FOTOSSÍNTESE BACTERIANA (C O 2   +  H 2 ) GLICOSE C 6 H 12 O 6 FOTOSSÍNTESE (C O 2   +  H 2 O ) QUIMIOSSÍNTESE (  C O 2   +  H 2 O  ) Bacterioclorofila O 2
[object Object],[object Object]
Processos de Liberação de Energia ,[object Object],[object Object],[object Object]
Processos de Liberação de Energia: respiração ,[object Object],[object Object],[object Object]
Processos de Liberação de Energia: respiração ,[object Object],[object Object],[object Object]
Respiração Aeróbia e Anaeróbia ,[object Object],[object Object],Respiração Resp. Aeróbia Rep. Anaeróbia Quebra total da Glicose – C 6 H 12 O 6 Quebra total da  Glicose – C 6 H 12 O 6   Com O 2 Nitritos / Nitratos / Carbonatos  ENERGIA 38 ATP Matéria inorgânica CO 2   e  H 2 O ENERGIA 36 ATP Matéria Inorgânica CO 2   e  H 2 O
Processos de Liberação de Energia: Fermentação ,[object Object],[object Object]
Processos de Liberação de Energia: Fermentação ,[object Object],[object Object],[object Object],Os diversos tipos de fermentação são utilizados pelo homem na produção de bebidas, alimentos e combustíveis.
Fermentação FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA LÁTICA Sem Oxigênio  Álcool Etílico 2 ATP de Energia Gás Carbônico Ácido Lático 2 ATP de Energia
A Degradação da Matéria Orgânica: resumo GLICOSE RESPIRAÇÃO FERMENTAÇÃO QUEBRA  TOTAL QUEBRA  PARCIAL Com Oxigênio Sem Oxigênio  ENERGIA 38 ATP MATÉRIA  INORGÂNICA MATÉRIA INORGÂNICA ENERGIA 2 ATP MATÉRIA ORGÂNICA
Ferm. Lática – ac. Lática Alcoólica – CO2 + álcool etílico C 6 H 12 O 6 Resp. Anaeróbia CO2  + H2O 36  ATP Carbonatos Fosfatos, etc Resp. Aeróbia CO 2  + H 2 O  38ATP O 2 C 6 H 12 O 6 CO 2   +  H 2 CLOROFILA BACTERIOCLOROFILA CO 2   +  H 2 CO 2   +  H 2 O O GLICOSE Oxidação de compostos inorgânicos Sem oxigênio VISÃO GERAL C 6 H 12 O 6 FOTOSSÍNTESE BACTERIANA QUIMIOSSÍNTESE FERMENTAÇÃO RESPIRAÇÃO FOTOSSÍNTESE GLICOSE
Fotossíntese   ,[object Object],[object Object],[object Object]
Organismos fotossintetizadores ,[object Object],[object Object],[object Object]
Caminho da Fotossíntese Célula clorofilada Membrana do tilacóide Esquema   da molécula de clorofila Folha Granum Parede celular Cloroplasto Membrana externa Membrana interna Tilacóide Granum Estroma DNA Núcleo Vacúolo Cloroplasto Tilacóide Complexo antena
Cloroplastos Função :Realizar FOTOSSÍNTESE - captação de energia luminosa para transformação em energia química. - gás carbônico (CO 2 ) e água (H 2 O) reagem formando glicose ( C 6 H 12 O 6 ) e gás oxigênio(O 2 )
CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE
LOCALIZAÇÃO DOS CLOROPLASTOS Os cloroplastos localizam-se nas partes verdes de plantas e algas.  Nas plantas superiores, geralmente se localiza nas folhas, órgão vegetal responsável em captar luz e gás carbônico e realizar a fotossíntese. cloroplastos vistos no microscópio óptico
Cloroplastos realizam a fotossíntese . Para isso é necessária a presença de um pigmento verde chamado clorofila, presente nessas organelas exclusivas de algas e plantas. Acredita-se que os cloroplastos eram bactérias que ao longo da evolução se associaram as células eucariontes. cloroplasto visto no microscópio eletrônico
 
Etapas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Etapas da Fotossíntese
Fotossíntese em ação Etapa II QUÍMICA Etapa I FOTOQUÍMICA E S T R O M A Glicose C L O R O P L A S T O Tilacóide Luz H 2 O CO 2 ADP NADP H 2 O C 6 H 12 O 6 ATP NADPH 2 O 2
glicose O  NADP  é um transportador de átomos de hidrogênio liberados pela quebra da água. Ele captura hidrogênio na fase clara se convertendo em  NADPH  e fornece esse hidrogênio na fase escura para a formação da glicose, voltando a se converter em NADP. O  ADP  é um transportador de energia. Ele recolhe a energia luminosa do ambiente para que ocorra um processo chamado de fosforilação, onde há a união de mais um átomo de fósforo (com absorção de energia) ao ADP, transformando-o em  ATP   que fornece essa energia para que as reações da fase escura ocorram. A água é quebrada (sofre fotólise) e libera átomos de hidrogênio e oxigênio. Os átomos de oxigênio se unem para formar o gás oxigênio. Gás carbônico fornece produtos (C e O) para que junto com os hidrogênios vindos da água ocorra a formação da glicose. Glicose será usada no processo de respiração celular. Fase clara Fase escura
Etapa Fotoquímica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
FATORES DE INFLUÊNCIA DA FOTOSSÍNTESE COMPRIMENTO DE ONDA (nm) TAXA DE FOTOSSÍNTESE LUZ É o principal fator de influência da taxa de fotossíntese. A luz branca é formada pela união das sete cores do espectro visível. Dessas sete cores, a planta absorve melhor os comprimentos de onda que representam as cores vermelho e azul, sendo que a cor verde é pouco absorvida pela folha.
Fotólise da água:  quebra da molécula de água em presença de luz Fotofosforilação:  adição de fosfato em presença de luz ATP ADP 2 NADPH 2 4 H +  +  4 e -   + 2 H 2 O 4 H +  + 2 NADP Luz Clorofila O 2
FOTOFOSFORILAÇÃO CÍCLICA FONTE: http://vsites.unb.br/ib/cel/microbiologia/metabolismo/fotoss.jpg
FOTOFOSFORILAÇÃO ACÍCLICA Fonte: http://curlygirl.no.sapo.pt/imagens/luminosa.jpg
NADP- nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato- Transportador  de hidrogênio. e- elétros  H+ prótons
Etapa Química ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Equação da etapa química 6C O 2  + 12NADPH 2  + nATP  C 6  H 12  O 6  + 6 H 2  O + nADP + nP
CICLO DE CALVIN Fonte:http://www.netxplica.com/figuras_netxplica/exanac/ciclo.calvin.completo.1.png
RESUMO DO PROCESSO FOTOSSÍNTESE ETAPA CLARA  LOCAL :   ETAPA ESCURA LOCAL:   Tilacóides Estroma 12H 2 O 6 H 2 O 6O 2 12NADPH 2 18ATP Glicídio (C 6 H 12 0 6 ) 6CO 2 LUZ
PASSO A PASSO DA FOTOSSÍNTESE A luz é absorvida pela clorofila e sua energia é usada num processo chamado de fosforilação – a incorporação de mais um átomo de fósforo a molécula de ADP (adenosina difosfato) que é transformada em ATP (adenosina trifosfato). A água é quebrada (sofre fotólise) em átomos de hidrogênio e oxigênio.  Os átomos de hidrogênio são  “capturados” pelo NADP (nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato), que se transforma em NADPH. O átomo de oxigênio se junta a outro e se transforma em gás oxigênio. FASE CLARA FASE ESCURA O gás carbônico  é convertido em glicose usando-se os átomos de hidrogênio vindos do NADPH e a energia da molécula de ATP produzidos durante a fase clara. O NADPH ao deixar os hidrogênios vira NADP e o ATP se transforma em ADP. O NADP e o ADP voltam para a etapa clara para novamente serem convertidos.
Fatores limitantes da Fotossíntese ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
INTENSIDADE LUMINOSA
COMPENSAÇÃO E SATURAÇÃO LUMINOSA Situação x Situação B Situação A Ponto de compensação luminosa  é quando a taxa de fotossíntese é igual a taxa de respiração. Nesse ponto a planta produz a mesma quantidade de gás oxigênio que ela própria consome.  Ponto de saturação luminosa  é quando a taxa de fotossíntese é freada e não aumenta independente do aumento da quantidade de luz que é fornecida a planta. y planta libera gás oxigênio e cresce. planta consome gás oxigênio e definha.
CONCENTRAÇÃO DE CO 2
TEMPERATURA
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CICLO C4 E CAM(METABOLISMO ÁCIDO DAS CRASSULÁCEAS) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
C 4 CAM CAM
Exemplos de Vegetais de acordo com o metabolismo energético C3 Leguminosas de clima temperado (trevos...) Gramíneas de clima temperado (azevém anual, azevém perene, festuca...) Leguminosas de clima tropical (fisiologia C 3  mas temp. ótima >; leucena,  cunhã, estilosantes, desmodium, calopogônio...) C4 Gramíneas de clima tropical (cana-de-açúcar, milho, sorgo, milheto...) CAM Cactáceas palma forrageira ( Opuntia ficus-indica ,  Nopalea cochenilifera )  mandacaru ( Cereus jamacaru ) xique-xique ( Cereus gounellei ) facheiro ( Pilosocereus pachycladus ) Bromeliáceas macambira ( Bromelia laciniosa ) sisal ( Agave sisalana )
C 4
 
CAM (fosfoenolpirúvico carboxilase)
Quimiossíntese ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
“ fumarola” exalando sulfeto de hidrogênio bactérias que fazem quimiossíntese vermes se alimentam das bactérias CADEIA ALIMENTAR NAS PROFUNDEZAS DO OCEANO outros seres se alimentam dos vermes
Respiração  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Respiração em Eucariontes Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 FASE ANAERÓBIA FASE AERÓBIA MITOCÔNDRIA CITOPLASMA 2   CO 2 Ciclo de Krebs 4   CO 2 2 ATP H 2 6 H 2 O  CADEIA RESPIRATÓRIA Saldo de 32 ou 34   ATPs 6 O 2 Piruvato (3 C) GLICÓLISE Saldo de 2 ATP
Respiração Aeróbia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Glicólise ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Respiração Aeróbia
Glicólise 1. Duas moléculas de ATP são utilizadas para ativar uma molécula de glicose e iniciar a reação. 2. A molécula de glicose ativada pelo ATP divide-se em duas moléculas de três carbonos.  3. Incorporação de fosfato  inorgânico e formação de NADH. 4. Duas moléculas de ATP são liberadas  recuperando as duas utilizadas no início. 5. Liberação de duas moléculas de ATP e formação de piruvato. P ~ 6 C ~ P 3 C Piruvato 3 C Piruvato Glicose (6C) C 6 H 12 O 6 ADP ATP ADP ATP 3 C ~ P   3 C ~ P   Pi Pi NAD P ~ 3 C ~ P NADH NAD P ~ 3 C ~ P NADH P ~ 3 C ADP ATP P ~ 3 C ADP ATP ADP ATP ADP ATP
Ciclo de Krebs ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Respiração Aeróbia
Cadeia respiratória ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Respiração Aeróbia
Visão geral do processo respiratório em célula eucariótica Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 Total:  10  NADH   2 FADH 2   Citosol Crista mitocondrial Mitocôndria 1 ATP 1 ATP 1 NADH 1 NADH Piruvato (3 C)  Piruvato (3 C)  6 O 2 6 H 2 O 32 ou 34 ATP 6 NADH 2 FADH 2 ATP 4 CO 2 2 CO 2 2 NADH 2 acetil-CoA  (2 C) Ciclo de Krebs
Respiração Anaeróbia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fermentação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fermentação Lática ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fermentação Lática Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 Glicólise ATP ATP Piruvato (3 C) Piruvato (3 C) NADH NADH Ácido lático 3 C NAD Ácido lático 3 C NAD
Fermentação Alcoólica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fermentação Alcoólica Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 Glicólise ATP ATP Piruvato (3 C) Piruvato (3 C) NADH NADH CO 2 CO 2 Álcool etílico 3 C Álcool etílico 3 C NAD NAD
Fermentação Acética Glicose (6C) C 6 H 12 O 6 Glicólise ATP ATP NADH NADH Ácido acético 3 C CO 2 NAD NADH 2 H 2 O Ácido acético 3 C CO 2 NAD NADH 2 H 2 O Piruvato (3 C) Piruvato (3 C)
Resumo dos Tipos de fermentação  e a respiração Glicose    ácido lático + 2 ATP Fermentação Lática Glicose    álcool etílico + CO 2  + 2 ATP Fermentação Alcoólica Glicose    ácido acético + CO 2  + 2 ATP Fermentação Acética Glicose + O 2     CO 2  + H 2 O + 36 ou 38 ATP Respiração

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
crisbio10
 
Metabolismo e energia
Metabolismo e energiaMetabolismo e energia
Metabolismo e energia
emanuel
 
2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel
bianca
 
Atividade mitose e meiose
Atividade mitose e meioseAtividade mitose e meiose
Atividade mitose e meiose
julianapbicalho
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
matheusrl98
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
profatatiana
 
Introduçao a genetica
Introduçao a geneticaIntroduçao a genetica
Introduçao a genetica
emibio
 

Mais procurados (20)

Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
 
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdfLista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Metabolismo e energia
Metabolismo e energiaMetabolismo e energia
Metabolismo e energia
 
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
Pcasd uploads-vinicius2-listas de ecologia-lista 11 - fluxo de energia e pirâ...
 
Química Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONOQuímica Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONO
 
2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel
 
Atividade mitose e meiose
Atividade mitose e meioseAtividade mitose e meiose
Atividade mitose e meiose
 
Os seres vivos e a energia cap 15
Os seres vivos e a energia cap 15Os seres vivos e a energia cap 15
Os seres vivos e a energia cap 15
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
 
Pilha e eletrolise
Pilha e eletrolisePilha e eletrolise
Pilha e eletrolise
 
Epistasia
EpistasiaEpistasia
Epistasia
 
condutores e isolantes
condutores e isolantescondutores e isolantes
condutores e isolantes
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
ÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAISÁGUA E SAIS MINERAIS
ÁGUA E SAIS MINERAIS
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
 
Introduçao a genetica
Introduçao a geneticaIntroduçao a genetica
Introduçao a genetica
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Atividades de ciências avaliação com os descritores
Atividades de ciências avaliação com os descritoresAtividades de ciências avaliação com os descritores
Atividades de ciências avaliação com os descritores
 

Destaque

Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossínteseMetabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
pereira159
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
MARCIAMP
 
Metabolismo celular 1
Metabolismo celular 1Metabolismo celular 1
Metabolismo celular 1
Jorgelgl
 

Destaque (20)

Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético Metabolismo enérgético
Metabolismo enérgético
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
 
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossínteseMetabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
Metabolismo energético II | Fermentação, respiração e fotossíntese
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
 
Aula 2 - Bioenergetica - Fisiologia do exercício
Aula 2   - Bioenergetica - Fisiologia do exercícioAula 2   - Bioenergetica - Fisiologia do exercício
Aula 2 - Bioenergetica - Fisiologia do exercício
 
Transformação e utilização da energia
Transformação e utilização da energiaTransformação e utilização da energia
Transformação e utilização da energia
 
Metabolismo Energético - Introdução
Metabolismo Energético - IntroduçãoMetabolismo Energético - Introdução
Metabolismo Energético - Introdução
 
Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03
 
Metabolismo e catabolismo bioquimica
Metabolismo e catabolismo   bioquimicaMetabolismo e catabolismo   bioquimica
Metabolismo e catabolismo bioquimica
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Aula 4 fermentação
Aula 4 fermentaçãoAula 4 fermentação
Aula 4 fermentação
 
Bioenergetica 2
Bioenergetica 2Bioenergetica 2
Bioenergetica 2
 
BioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbiaBioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbia
 
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
Aula 1   introdução a bioquímica metabólica Aula 1   introdução a bioquímica metabólica
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
 
Respiracao Celular
Respiracao CelularRespiracao Celular
Respiracao Celular
 
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
Aula 3   Metabolismo E ExercicioAula 3   Metabolismo E Exercicio
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
 
Respiração anaeróbia
Respiração anaeróbiaRespiração anaeróbia
Respiração anaeróbia
 
Metabolismo celular 1
Metabolismo celular 1Metabolismo celular 1
Metabolismo celular 1
 
Introducao metabolismo
Introducao metabolismoIntroducao metabolismo
Introducao metabolismo
 

Semelhante a Metabolismos Energético

coleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.ppt
coleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.pptcoleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.ppt
coleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.ppt
VERONICA47548
 
Processos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energiaProcessos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energia
Larissa Yamazaki
 
Processos de obtenção de energia - Parte II
Processos de obtenção de energia - Parte IIProcessos de obtenção de energia - Parte II
Processos de obtenção de energia - Parte II
Larissa Yamazaki
 
Aula produção de energia final
Aula   produção de energia finalAula   produção de energia final
Aula produção de energia final
Odonto ufrj
 
Metab energético unidade 1 módulo 2
Metab energético unidade 1 módulo 2Metab energético unidade 1 módulo 2
Metab energético unidade 1 módulo 2
César Milani
 
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Roberto Bagatini
 

Semelhante a Metabolismos Energético (20)

coleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.ppt
coleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.pptcoleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.ppt
coleguiummetabolismoenergtico-110803141349-phpapp02-140917185522-phpapp01.ppt
 
Processos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energiaProcessos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energia
 
Microbiologia Geral - Metabolismo Microbiano
Microbiologia Geral - Metabolismo MicrobianoMicrobiologia Geral - Metabolismo Microbiano
Microbiologia Geral - Metabolismo Microbiano
 
Processos de obtenção de energia - Parte II
Processos de obtenção de energia - Parte IIProcessos de obtenção de energia - Parte II
Processos de obtenção de energia - Parte II
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Metabolismo celular
Metabolismo celularMetabolismo celular
Metabolismo celular
 
1 s respiração_out_ 2015
1 s respiração_out_ 20151 s respiração_out_ 2015
1 s respiração_out_ 2015
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Aula produção de energia final
Aula   produção de energia finalAula   produção de energia final
Aula produção de energia final
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo Energético
 
Respiracao celular
Respiracao celularRespiracao celular
Respiracao celular
 
Aula sobre fotossíntese fase clara e escura
Aula sobre fotossíntese fase clara e escuraAula sobre fotossíntese fase clara e escura
Aula sobre fotossíntese fase clara e escura
 
FOTOSSÍNTESE FUTURO DOUTOR.ppt
FOTOSSÍNTESE FUTURO DOUTOR.pptFOTOSSÍNTESE FUTURO DOUTOR.ppt
FOTOSSÍNTESE FUTURO DOUTOR.ppt
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Metab energético unidade 1 módulo 2
Metab energético unidade 1 módulo 2Metab energético unidade 1 módulo 2
Metab energético unidade 1 módulo 2
 
Fotossíntese Tio Oto
Fotossíntese Tio OtoFotossíntese Tio Oto
Fotossíntese Tio Oto
 
Respiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetaisRespiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetais
 
1°Série Respiracao
1°Série Respiracao 1°Série Respiracao
1°Série Respiracao
 
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
Processos energéticos que ocorrem nas células[1]
 
Bioenergetica
BioenergeticaBioenergetica
Bioenergetica
 

Mais de arvoredenoz (10)

Revisao8ano
Revisao8anoRevisao8ano
Revisao8ano
 
Histologia e Fisiologia Vegetal
Histologia e Fisiologia VegetalHistologia e Fisiologia Vegetal
Histologia e Fisiologia Vegetal
 
Cordados rodrigo
Cordados rodrigoCordados rodrigo
Cordados rodrigo
 
Revisao4etapa
Revisao4etapaRevisao4etapa
Revisao4etapa
 
Revisao4etapa
Revisao4etapaRevisao4etapa
Revisao4etapa
 
Histologia Animal
Histologia AnimalHistologia Animal
Histologia Animal
 
Sistema Locomotor
Sistema LocomotorSistema Locomotor
Sistema Locomotor
 
Bio tqf orgveg
Bio tqf orgvegBio tqf orgveg
Bio tqf orgveg
 
Histologia e Fisiologia Vegetal
Histologia e Fisiologia VegetalHistologia e Fisiologia Vegetal
Histologia e Fisiologia Vegetal
 
Coleguium gincana
Coleguium gincanaColeguium gincana
Coleguium gincana
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 

Metabolismos Energético

  • 2. TIPOS DE NUTRIÇÃO Fotossíntese : energia usada é a luz. Ex: plantas, algas e algumas bactérias. Autótrofa ou autotrófica (do grego auto : por si só; sozinha e tróphos : alimento) – o ser vivo fabrica seu próprio alimento usando substâncias inorgânicas e energia vindas do ambiente. Quimiossíntese : energia usada vem da quebra de substâncias inorgânicas, onde há liberação de elétrons. Ex: algumas bactérias. Heterótrofa ou heterotrófica (do grego hetero : diferente e tróphos : alimento) – o ser vivo busca seu alimento em outro ser vivo ou em restos destes. Por ingestão: o alimento é ingerido e posteriormente digerido. Ex: animais e protozoários. Por absorção: o alimento é digerido e posteriormente absorvido. Ex: fungos, bactérias, protozoários.
  • 3.
  • 4. Reações Exergônicas e Endergônicas
  • 5. ATP – a moeda energética das células
  • 6. • ATP = Adenosina Trifosfato. • Trata-se de um ribonucleotídeo de Adenina associado a três radicais Fosfato. As ligações entre os Fosfatos são de Alta energia. ATP Adenina Ribose Ligação de Alta Energia
  • 7. Molécula de ATP NUCLEOSÍDEO NUCLEOTÍDEO = adenosina monofosfato (AMP) Adenosina di fosfato (ADP) Adenosina tri fosfato (ATP) Adenina Fosfato Ribose
  • 9. ATP em ação A B Reação endotérmica Reação exotérmica C D Reação exotérmica Reação endotérmica ADP + Pi ATP e Calor e Calor REAÇÕES ACOPLADAS
  • 10. A FOTOSSÍNTESE 6 O 2 6 CO 2 + 12 H 2 O CLOROFILA Energia Luminosa Energia Química C 6 H 12 O 6 + 6 H 2 O + 6 O 2 MATÉRIA INORGÂNICA 6 CO 2 + 12 H 2 O MATÉRIA ORGÂNICA GLICOSE C 6 H 12 O 6 Luz Solar Energia Luminosa CLOROFILA ENERGIA QUÍMICA + 6 H 2 O
  • 11.
  • 12. FOTOSSÍNTESE BACTERIANA + 6 H 2 O 12 S 6 CO 2 + 12 H 2 S C 6 H 12 O 6 + 6 H 2 O + 12 S Energia Luminosa Energia Química BACTERIOCLOROFILA MATÉRIA INORGÂNICA 6 CO 2 + 12 H 2 S MATÉRIA ORGÂNICA GLICOSE C 6 H 12 O 6 Luz Solar Energia Luminosa BACTERIOCLOROFILA ENERGIA QUÍMICA
  • 13.
  • 14. QUIMIOSSÍNTESE 6 CO 2 + 12 H 2 O C 6 H 12 O 6 + 6 H 2 O + 6 O 2 Substancia inorgânica + O2 Substância inorgânica oxidada + Energia Química MATÉRIA INORGÂNICA 6 CO 2 + 12 H 2 O MATÉRIA ORGÂNICA GLICOSE C 6 H 12 O 6 Oxidação de Compostos Inorgânicos ENERGIA QUÍMICA 6 O 2 + 6 H 2 O
  • 15. Processos de Incorporação de Energia – produção de glicose www.bioloja.com Clorofila Reações de Oxidação E O 2 FOTOSSÍNTESE BACTERIANA (C O 2 + H 2 ) GLICOSE C 6 H 12 O 6 FOTOSSÍNTESE (C O 2 + H 2 O ) QUIMIOSSÍNTESE ( C O 2 + H 2 O ) Bacterioclorofila O 2
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Fermentação FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA LÁTICA Sem Oxigênio Álcool Etílico 2 ATP de Energia Gás Carbônico Ácido Lático 2 ATP de Energia
  • 24. A Degradação da Matéria Orgânica: resumo GLICOSE RESPIRAÇÃO FERMENTAÇÃO QUEBRA TOTAL QUEBRA PARCIAL Com Oxigênio Sem Oxigênio ENERGIA 38 ATP MATÉRIA INORGÂNICA MATÉRIA INORGÂNICA ENERGIA 2 ATP MATÉRIA ORGÂNICA
  • 25. Ferm. Lática – ac. Lática Alcoólica – CO2 + álcool etílico C 6 H 12 O 6 Resp. Anaeróbia CO2 + H2O 36 ATP Carbonatos Fosfatos, etc Resp. Aeróbia CO 2 + H 2 O 38ATP O 2 C 6 H 12 O 6 CO 2 + H 2 CLOROFILA BACTERIOCLOROFILA CO 2 + H 2 CO 2 + H 2 O O GLICOSE Oxidação de compostos inorgânicos Sem oxigênio VISÃO GERAL C 6 H 12 O 6 FOTOSSÍNTESE BACTERIANA QUIMIOSSÍNTESE FERMENTAÇÃO RESPIRAÇÃO FOTOSSÍNTESE GLICOSE
  • 26.
  • 27.
  • 28. Caminho da Fotossíntese Célula clorofilada Membrana do tilacóide Esquema da molécula de clorofila Folha Granum Parede celular Cloroplasto Membrana externa Membrana interna Tilacóide Granum Estroma DNA Núcleo Vacúolo Cloroplasto Tilacóide Complexo antena
  • 29. Cloroplastos Função :Realizar FOTOSSÍNTESE - captação de energia luminosa para transformação em energia química. - gás carbônico (CO 2 ) e água (H 2 O) reagem formando glicose ( C 6 H 12 O 6 ) e gás oxigênio(O 2 )
  • 31. LOCALIZAÇÃO DOS CLOROPLASTOS Os cloroplastos localizam-se nas partes verdes de plantas e algas. Nas plantas superiores, geralmente se localiza nas folhas, órgão vegetal responsável em captar luz e gás carbônico e realizar a fotossíntese. cloroplastos vistos no microscópio óptico
  • 32. Cloroplastos realizam a fotossíntese . Para isso é necessária a presença de um pigmento verde chamado clorofila, presente nessas organelas exclusivas de algas e plantas. Acredita-se que os cloroplastos eram bactérias que ao longo da evolução se associaram as células eucariontes. cloroplasto visto no microscópio eletrônico
  • 33.  
  • 34.
  • 36. Fotossíntese em ação Etapa II QUÍMICA Etapa I FOTOQUÍMICA E S T R O M A Glicose C L O R O P L A S T O Tilacóide Luz H 2 O CO 2 ADP NADP H 2 O C 6 H 12 O 6 ATP NADPH 2 O 2
  • 37. glicose O NADP é um transportador de átomos de hidrogênio liberados pela quebra da água. Ele captura hidrogênio na fase clara se convertendo em NADPH e fornece esse hidrogênio na fase escura para a formação da glicose, voltando a se converter em NADP. O ADP é um transportador de energia. Ele recolhe a energia luminosa do ambiente para que ocorra um processo chamado de fosforilação, onde há a união de mais um átomo de fósforo (com absorção de energia) ao ADP, transformando-o em ATP que fornece essa energia para que as reações da fase escura ocorram. A água é quebrada (sofre fotólise) e libera átomos de hidrogênio e oxigênio. Os átomos de oxigênio se unem para formar o gás oxigênio. Gás carbônico fornece produtos (C e O) para que junto com os hidrogênios vindos da água ocorra a formação da glicose. Glicose será usada no processo de respiração celular. Fase clara Fase escura
  • 38.
  • 39. FATORES DE INFLUÊNCIA DA FOTOSSÍNTESE COMPRIMENTO DE ONDA (nm) TAXA DE FOTOSSÍNTESE LUZ É o principal fator de influência da taxa de fotossíntese. A luz branca é formada pela união das sete cores do espectro visível. Dessas sete cores, a planta absorve melhor os comprimentos de onda que representam as cores vermelho e azul, sendo que a cor verde é pouco absorvida pela folha.
  • 40. Fotólise da água: quebra da molécula de água em presença de luz Fotofosforilação: adição de fosfato em presença de luz ATP ADP 2 NADPH 2 4 H + + 4 e - + 2 H 2 O 4 H + + 2 NADP Luz Clorofila O 2
  • 41. FOTOFOSFORILAÇÃO CÍCLICA FONTE: http://vsites.unb.br/ib/cel/microbiologia/metabolismo/fotoss.jpg
  • 42. FOTOFOSFORILAÇÃO ACÍCLICA Fonte: http://curlygirl.no.sapo.pt/imagens/luminosa.jpg
  • 43. NADP- nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato- Transportador de hidrogênio. e- elétros H+ prótons
  • 44.
  • 45. Equação da etapa química 6C O 2 + 12NADPH 2 + nATP C 6 H 12 O 6 + 6 H 2 O + nADP + nP
  • 46. CICLO DE CALVIN Fonte:http://www.netxplica.com/figuras_netxplica/exanac/ciclo.calvin.completo.1.png
  • 47. RESUMO DO PROCESSO FOTOSSÍNTESE ETAPA CLARA LOCAL : ETAPA ESCURA LOCAL: Tilacóides Estroma 12H 2 O 6 H 2 O 6O 2 12NADPH 2 18ATP Glicídio (C 6 H 12 0 6 ) 6CO 2 LUZ
  • 48. PASSO A PASSO DA FOTOSSÍNTESE A luz é absorvida pela clorofila e sua energia é usada num processo chamado de fosforilação – a incorporação de mais um átomo de fósforo a molécula de ADP (adenosina difosfato) que é transformada em ATP (adenosina trifosfato). A água é quebrada (sofre fotólise) em átomos de hidrogênio e oxigênio. Os átomos de hidrogênio são “capturados” pelo NADP (nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato), que se transforma em NADPH. O átomo de oxigênio se junta a outro e se transforma em gás oxigênio. FASE CLARA FASE ESCURA O gás carbônico é convertido em glicose usando-se os átomos de hidrogênio vindos do NADPH e a energia da molécula de ATP produzidos durante a fase clara. O NADPH ao deixar os hidrogênios vira NADP e o ATP se transforma em ADP. O NADP e o ADP voltam para a etapa clara para novamente serem convertidos.
  • 49.
  • 51. COMPENSAÇÃO E SATURAÇÃO LUMINOSA Situação x Situação B Situação A Ponto de compensação luminosa é quando a taxa de fotossíntese é igual a taxa de respiração. Nesse ponto a planta produz a mesma quantidade de gás oxigênio que ela própria consome. Ponto de saturação luminosa é quando a taxa de fotossíntese é freada e não aumenta independente do aumento da quantidade de luz que é fornecida a planta. y planta libera gás oxigênio e cresce. planta consome gás oxigênio e definha.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57. C 4 CAM CAM
  • 58. Exemplos de Vegetais de acordo com o metabolismo energético C3 Leguminosas de clima temperado (trevos...) Gramíneas de clima temperado (azevém anual, azevém perene, festuca...) Leguminosas de clima tropical (fisiologia C 3 mas temp. ótima >; leucena, cunhã, estilosantes, desmodium, calopogônio...) C4 Gramíneas de clima tropical (cana-de-açúcar, milho, sorgo, milheto...) CAM Cactáceas palma forrageira ( Opuntia ficus-indica , Nopalea cochenilifera ) mandacaru ( Cereus jamacaru ) xique-xique ( Cereus gounellei ) facheiro ( Pilosocereus pachycladus ) Bromeliáceas macambira ( Bromelia laciniosa ) sisal ( Agave sisalana )
  • 59. C 4
  • 60.  
  • 62.
  • 63. “ fumarola” exalando sulfeto de hidrogênio bactérias que fazem quimiossíntese vermes se alimentam das bactérias CADEIA ALIMENTAR NAS PROFUNDEZAS DO OCEANO outros seres se alimentam dos vermes
  • 64.
  • 65. Respiração em Eucariontes Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 FASE ANAERÓBIA FASE AERÓBIA MITOCÔNDRIA CITOPLASMA 2 CO 2 Ciclo de Krebs 4 CO 2 2 ATP H 2 6 H 2 O CADEIA RESPIRATÓRIA Saldo de 32 ou 34 ATPs 6 O 2 Piruvato (3 C) GLICÓLISE Saldo de 2 ATP
  • 66.
  • 67.
  • 68. Glicólise 1. Duas moléculas de ATP são utilizadas para ativar uma molécula de glicose e iniciar a reação. 2. A molécula de glicose ativada pelo ATP divide-se em duas moléculas de três carbonos. 3. Incorporação de fosfato inorgânico e formação de NADH. 4. Duas moléculas de ATP são liberadas recuperando as duas utilizadas no início. 5. Liberação de duas moléculas de ATP e formação de piruvato. P ~ 6 C ~ P 3 C Piruvato 3 C Piruvato Glicose (6C) C 6 H 12 O 6 ADP ATP ADP ATP 3 C ~ P 3 C ~ P Pi Pi NAD P ~ 3 C ~ P NADH NAD P ~ 3 C ~ P NADH P ~ 3 C ADP ATP P ~ 3 C ADP ATP ADP ATP ADP ATP
  • 69.
  • 70.
  • 71. Visão geral do processo respiratório em célula eucariótica Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 Total: 10 NADH 2 FADH 2 Citosol Crista mitocondrial Mitocôndria 1 ATP 1 ATP 1 NADH 1 NADH Piruvato (3 C) Piruvato (3 C) 6 O 2 6 H 2 O 32 ou 34 ATP 6 NADH 2 FADH 2 ATP 4 CO 2 2 CO 2 2 NADH 2 acetil-CoA (2 C) Ciclo de Krebs
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75. Fermentação Lática Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 Glicólise ATP ATP Piruvato (3 C) Piruvato (3 C) NADH NADH Ácido lático 3 C NAD Ácido lático 3 C NAD
  • 76.
  • 77. Fermentação Alcoólica Glicose (6 C) C 6 H 12 O 6 Glicólise ATP ATP Piruvato (3 C) Piruvato (3 C) NADH NADH CO 2 CO 2 Álcool etílico 3 C Álcool etílico 3 C NAD NAD
  • 78. Fermentação Acética Glicose (6C) C 6 H 12 O 6 Glicólise ATP ATP NADH NADH Ácido acético 3 C CO 2 NAD NADH 2 H 2 O Ácido acético 3 C CO 2 NAD NADH 2 H 2 O Piruvato (3 C) Piruvato (3 C)
  • 79. Resumo dos Tipos de fermentação e a respiração Glicose  ácido lático + 2 ATP Fermentação Lática Glicose  álcool etílico + CO 2 + 2 ATP Fermentação Alcoólica Glicose  ácido acético + CO 2 + 2 ATP Fermentação Acética Glicose + O 2  CO 2 + H 2 O + 36 ou 38 ATP Respiração

Notas do Editor

  1. As ferrobactérias oxidam compostos de ferro e as nitrobactérias compostos de nitrogênio.
  2. As bactérias desnitrificantes do solo, como a Pseudomonas denitricans que participam o ciclo do nitrogênio é um bom exemplo a ser citado. Essas bactérias participam do ciclo do nitrogênio devolvendo para a atmosfera o N2. Como só realizam esse processo na ausência de O2, a desnitrificação não é um mecanismo muito freqüente em solos oxigenados, sendo muito comuns em regiões pantanosas onde a taxa de O2 é reduzida.