O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE
SÉNIOR CONTEMPORÂNEA
Património Cultural, Religioso e
Paisagístico do Parque
Nacional da ...
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR
CONTEMPORÂNEA
Património Cultural, religioso e Paisagístico do Parque Nacional
do ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Folheto da visita de estudo Património Cultural, Religioso e Natural do parque nacional da Peneda-Gerês

184 visualizações

Publicada em

VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA
Património Cultural, Religioso e
Paisagístico do Parque
Nacional da Peneda- Gerês
.
24 de Agosto
Coord: Prof. Doutor Artur Filipe dos Santos
(docente e investigador em Comunicação do Património Cultural e Religioso)
Contactos:
usc@usc.pt / 964068452
www.facebook.com/uscontemporanea

Publicada em: Turismo
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Folheto da visita de estudo Património Cultural, Religioso e Natural do parque nacional da Peneda-Gerês

  1. 1. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA Património Cultural, Religioso e Paisagístico do Parque Nacional da Peneda- Gerês Contactos: usc@usc.pt / 964068452 www.facebook.com/uscontemporanea Parceria: 24 de Agosto Coord: Prof. Doutor Artur Filipe dos Santos (docente e investigador em Comunicação do Património Cultural e Religioso)
  2. 2. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA Património Cultural, religioso e Paisagístico do Parque Nacional do Gerês Coord. Prof. Doutor Artur Filipe dos Santos 24 de Agosto, 7h 45 Concentração: na Universidade Sénior Contemporânea Itinerário Pelas 10h 3º chegada à albufeira da Barragem de Vilarinho das Furnas, uma aldeia submersa pelas água e cujas origens se perdem nas brumas da memória, desconhecendo-se a sua antiguidade. quando a barragem é esvaziada para limpeza ou quando desce o nível das águas em períodos de seca, podem ver-se ainda as casas, os caminhos e os muros da antiga aldeia. Rumamos em direção a Campo do Gerês onde ficaremos a conhecer uma das principais portas do nosso único parque nacional e a Geira romana, onde passa um dos mais importantes traçados portugueses dos Caminhos de Santiago. De seguida rumamos para a Caniçada, onde podemos vislumbrar uma paisagem para o rio Cávado e a confluência do Rio Caldo, junto às pontes da Ilha do Gerês e que é o postal desta região do Alto Minho. A manhã termina com a visita ao Santuário de S. Bento da Porta Aberta. Este templo teve a sua origem em 1615, com a construção de uma pequena ermida. O atual santuário é do final do século XIX, iniciando-se a sua reconstrução em 1880 e concluiu-se em 1895. A designação de São Bento da Porta Aberta deve-se ao facto de a ermida ter sempre as suas portas abertas, servindo de abrigo aos viajantes. O santuário foi elevado a basílica pelo Papa Francisco a 21 de março de 2015 em comemoração dos seus 400 anos de existência e recebe anualmente 2,5 milhões de peregrinos. Almoço em restaurante a designar. . Da parte da tarde visita ao Santuário da Nossa Senhora da Abadia, um santuário mariano do séc XVIII que impressiona pela imponente fachada, assim como pelo seu estado de conservação. O interior do templo setecentista, tem três naves, separadas por arcadas de volta inteira assentes em colunas toscanas. Nas naves laterais podem-se admirar vários altares, todos muito bem decorados e preservados. O altar principal deslumbra pela sua grandiosidade, assim como pela beleza da sua talha dourada e imagens. Perto deste altar localiza-se um órgão dos finais do século XVIII. Este templo é mantido pela paróquia de Santa Maria do Bouro. Em seguida visitamos o imponente Mosteiro de Santa Maria de Bouro. Na origem do atual edifício está uma construção que terá sido habitada por eremitas, cujo orago era São Miguel. Em 1148 D. Afonso Henriques doou o couto à Ordem de São Bento. Em 1195 o mosteiro deixa a regra beneditina passando a reger-se pela de Cister, sob a invocação de Nossa Senhora da Assunção.[2] Os vários edifícios monacais desenvolviam-se lateralmente à igreja de três naves, tendo como referência o claustro central. Durante a crise de 1383-1385 o abade do mosteiro juntou 600 homens em defesa da fronteira da Portela do Homem, conseguindo suster o avanço das tropas galegas. Como reconhecimento pelo seu papel D. Nuno Álvares Pereira agraciou o abade com o título de Capitão- Mor e Guarda das Fronteiras dando-lhe a prerrogativa de poder levantar exército, sempre que considerasse necessário. Atualmente integra a rede Pousadas de Portugal com a classificação de "Pousada Histórica Design“. VOTOS DE BOA VIAGEM! Serviços Incluídos: Viagem em autocarro de turismo devidamente identificado; almoço com bebidas incluídas, entradas nos locais a visitar com guia. Não Incluído: outras despesas não contratualizadas.

×