SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha

Edição janeiro/2009



Gerência de Comunicação

     Ana Paula Costa

Transcrição:

     Else Albuquerque

Copidesque:

     Adriana Santos

Revisão:

     Ana Paula Costa e Marcelo Ferreira

Capa e Diagramação:

     Luciano Buchacra
Introdução

    Em todos os atos e todas as ações de Deus, há um
propósito. Nada Ele faz por acaso. E nós cremos que cada
pessoa que ouviu a voz do Senhor foi com um propósito
específico: não apenas para que ela receba, mas para que,
também, ela se transforme num canal de graça, de bên-
ção e de favor na vida de tantos outros. Debaixo desta
unção tão gloriosa de louvor e de adoração ao Senhor, na
intimidade com Ele e na certeza da presença do Pai em
nossas vidas, queremos dividir a Palavra do Senhor.
    Esta mensagem é bem voltada para o tema restauran-
do o ferido. É bem verdade que Jesus disse que “o ladrão
vem somente para roubar, matar e destruir”, conforme le-
mos em João 10.10, mas também é verdade que o matar,
muitas vezes, não significa apenas um momento, mas

                           5
todo um processo também. Porque digo que é um pro-
cesso? Existem pessoas que estão com a alma ferida, e se
não receberem a cura, esta ferida pode levar à morte. É
relativamente tão fácil, muitas vezes, a cura física em rela-
ção à cura da alma. Pode-se tirar parte do corpo para so-
correr aquela que está precisando, como a doação de um
rim, por exemplo. Porém, a cura da alma é algo delicado e
difícil de fazer. Não dá para operar, para transplantar e fa-
zer curativo. A ferida da alma não é visível. Apenas o Pai e
a pessoa que a carrega a conhecem. E também Satanás.
     Creio, de todo o coração, que o Eterno liberou esta
palavra porque deseja libertação e cura sobre a sua vida.
Mas para isso, é preciso que você se posicione e se levante
como filho do Deus do impossível. Abra o coração, ama-
do leitor, e receba a mensagem que o Pai preparou para
você. Tenha uma abençoada leitura, em nome de Jesus!




                             6
Posicionamento

     É verdade que quando entendemos a Palavra do Se-
nhor e deixamos o nosso coração perceber o que está es-
crito nela, nós teremos tudo, porque a única “ferramenta”
capaz e poderosa para trazer restauração à alma é a Lei
do Senhor, a Palavra. A Bíblia é mais do que um livro; é a
Palavra de Deus. E a Palavra de Deus é uma pessoa viva
chamada Jesus. Veja o que ela diz no Salmo 19, verso 7: “A
lei do Senhor é perfeita e restaura a alma; o testemunho do
Senhor é fiel e dá sabedoria aos símplices.” E o próprio Deus,
por intermédio do profeta Oséias, também afirmou: “O
meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conheci-
mento.” (Oséias 4.6.)
     O nosso maior inimigo não é o diabo, nem os demô-
nios, mas a ignorância. E a falta do conhecimento nos

                              7
levaria à destruição. O apóstolo Paulo nos diz esta verda-
de: não devemos ignorar os desígnios de Satanás (2 Co-
ríntios 2.11). E saiba, amado leitor, que os desígnios dele
têm, basicamente, um alvo, que é o de ferir. No mundo
natural, em uma guerra, os homens usam as mesmas es-
tratégias do inimigo. Imagine uma trincheira com cinco
soldados e uma outra com apenas dois. Se observarmos,
perceberemos que um grupo está em minoria, e parece
que são mais fracos, pois são apenas dois soldados. Mas
qual é a estratégia em uma guerra? Eles estão em des-
vantagem e, se eles atirarem para matar, e matarem um
dos soldados, os quatro que restaram irão revidar. Então
qual seria a estratégia? Eles procurarão atirar para ferir e
quando um é ferido, dois terão que sair para levar o ferido
para ser socorrido. Quando ferem um soldado, três saem
da trincheira. A estratégia continua sendo ferir porque, se
um soldado é ferido, o outro tem de sair para socorrer o
ferido. E o ferido pode vir a morrer se não receber os cui-
dados necessários.
     A pessoa precisa entender isto e ter a compreensão
de que uma vez ferida pelas trevas, ela carece urgente-
mente da cura e que também o único remédio para isso
é a Palavra do Senhor. Não existe outra maneira de trazer
realmente uma cura, uma restauração. Não há paliativos.
“A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”, afirmou Davi
no Salmo 19. Ela restaura o ferido, aquele que o inimigo
conseguiu ferir. Essas feridas podem ser ocasionadas por
palavras, desprezo, solidão, entre outras coisas. Mas este

                             8
é o momento para apresentar, de maneira clara e sem ro-
deios, que a única solução, o único caminho, é a Palavra
do Senhor.




                           9
10
Atitude

    “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”, escreveu
Davi. E o próprio Senhor Jesus também dissera: “Exami-
nais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e
são elas mesmas que testificam de mim.” (João 5.39.) Se o
maior inimigo é a ignorância, tenho de pautar a minha
vida pela Palavra de Deus. E vida eterna a que Jesus se
refere não é quantidade de vida, mas qualidade de vida,
sem feridas ou traumas. E esse é o sonho de Deus para
os seus filhos. O Senhor Jesus disse: “[...] eu vim para que
tenham vida, e a tenham com abundância.” (João 10.10b.)
A palavra “vida”, no grego, não significa a nossa vida, mas
é a palavra “zoe”, ou seja, a própria vida de Deus. É isto
que o Senhor operou em nós. Quando nos convertemos,
passamos a ter ‘a vida’.

                             11
O inimigo só consegue me ferir quando eu deixo de
lado o que é mais importante na minha caminhada, que
é a minha identidade com Deus. Quando eu esqueço a
minha identidade e começo a abrir espaço para a auto-
comiseração, o inimigo encontra um espaço terrível para
continuar ferindo e mantendo as feridas abertas, para
não cicatrizarem. Existem pessoas que passam anos e
anos com feridas expostas, chagas na alma abertas por-
que desprezam o que está escrito na Palavra: “A lei do Se-
nhor é perfeita e restaura a alma.”
    Eu quero “plantar” no seu coração algo e você nunca
poderá esquecer desta verdade: não temos que caminhar
por aquilo que sentimos, por aquilo que as pessoas dizem
a nosso respeito, e nem dar ouvidos às mentiras de Sata-
nás e seus demônios, mas única e exclusivamente sob a
Palavra de Deus e do que ela diz a nosso respeito. Temos
de estar convictos acerca da nossa identidade em Cristo
Jesus. Uma coisa é termos a identidade e outra é assumir-
mos a posição que a identidade nos dá.
    Todos conhecem a história do príncipe que virou
mendigo. A identidade dele era a de príncipe, mas a po-
sição dele era de mendigo. Isto quer dizer que a pessoa
pode ter a identidade de príncipe e viver como mendigo.
O que acontece? Ele não desfruta da sua identidade. São
duas realidades completamente distintas, porque a sim-
ples identidade, por si só, não leva a pessoa a viver a posi-
ção. A mesma situação na história do filho pródigo (Lucas
15.11). Quando, digamos assim, o filho mais abusado vol-

                             12
ta e o pai celebra uma festa, há muita alegria, e quando
o irmão mais velho, voltando do campo, ouve o som da
música e percebe que alguma coisa está acontecendo,
ele pergunta: “O quê está havendo?” E dizem para ele: “Teu
irmão voltou”. Esse texto trata de identidade. O moço, a ouvir
a resposta de que seu irmão voltara após tanto tempo fora
de casa, ele fica do lado de fora e diz: “Aquele indigno voltou
e meu pai está dando uma festa para ele? Eu não vou entrar”.
O pai vem e procura demovê-lo da sua atitude e diz: “Filho”
– essa era a identidade do moço – “seu irmão” – a identidade
de seu irmão – “voltou”. E o filho volta para o pai e diz: “Meu
pai, há tantos anos eu te sirvo e o senhor nunca me deu um ca-
britinho sequer para eu me alegrar com os meus amigos”. Ou
seja, o moço tinha a identidade correta, mas a posição dele
não era a posição de filho, mas de servo, de escravo, porque
assim se via, ainda que sendo filho. Eis sua identidade de
servo: “Há tantos anos eu te sirvo e o senhor nunca me deu um
cabritinho sequer para eu me alegrar com os meus amigos”. O
pai retruca, na intenção de reafirmar a identidade do filho:
“Filho, tudo o que eu tenho é teu”.
     Aquele moço tinha a identidade de filho, mas ele não
desfrutava dessa posição e por isto vivia na casa e não via
o pai como pai, mas como patrão, como um líder, como
aquele que dava ordens. Ele não desfrutava da posição de
filho. Pura falta de conhecimento. Naquele instante, o pai
disse: “Meu filho, tudo o que eu tenho é teu”.
     Para as feridas da alma, “a lei do Senhor é perfeita e res-
taura a alma”. A primeira coisa que nós temos que guardar,

                              13
imprimir em nossa alma, é exatamente o conhecimento
sobre quem somos em Cristo. Quem eu sou em Cristo?
   Declare que você é aceito pelo Pai e não um rejeitado.
O Pai o aceitou não pelos méritos ou pelas virtudes que
você possui, Ele o aceitou pela sua graça absoluta.




                           14
Eu sou aceito
  como filho
    de Deus

    Em João, capítulo 1, verso 12, a Palavra do Senhor
proclama, de um modo tão glorioso: “Mas, a todos quan-
tos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de
Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.” Quem eu sou?
Eu sou aceito como filho.
    A fé cristã não é uma fé por adesão. Existem pessoas
que são adeptas a uma religião. Porém, a fé cristã é algo
completamente diferente, em que somos aceitos, mesmo
na condição de falhos e pecadores. Nós não somos adep-
tos de uma fé. A Palavra do Senhor revela, de maneira

                            15
profunda, que hoje eu sou aceito como filho. Quando Sa-
tanás tentou a Jesus (e o deserto não foi a única tentação;
foram várias as tentações), diz o texto que ele procurava
atingir o ponto nevrálgico. Satanás sempre começava
dizendo: “Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se
transformem em pães.” (Mateus 4.3.) “Se és Filho de Deus,
pule daqui de cima”.
    “Se tu és Filho de Deus”. O ponto é sempre este: a nossa
identidade. Porque quando perdemos a nossa identida-
de, entramos por caminhos perigosos e abrimos a nossa
alma para que ela se transforme em um alvo tão terrível
para sermos feridos. Muitas vezes, aquilo que nós vemos
não determina o que somos. O que determina o que so-
mos é o que a Palavra de Deus diz.
    Jesus estava no deserto, quarenta dias sem comer, e
o tentador volta e diz: “Ah, Filho de Deus não passa fome.
Filho de Deus com fome? Se tu és o Filho de Deus...” A Palavra
revela: “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma.” Quan-
do eu começo a vivenciar a minha identidade e a minha
posição como filho, sempre caminhando dentro do co-
nhecimento e na certeza de que é o seu Pai, tudo passa
a ser diferente. Temos de caminhar não por aquilo que as
circunstâncias nos dizem, pelo que as pessoas dizem, mas
caminhar sobre o conceito que Deus tem a nosso respei-
to. O próprio Senhor afirmou em sua Palavra: “Eu é que sei
que pensamentos tenho a vosso respeito...” (Jeremias 29.2.)
    Em momentos de feridas da alma é tão importan-
te ouvir o que o Pai nos fala. Muitas vezes, vem aquele

                             16
sentimento: “Ninguém me ama”. É hora de dizer: “Meu Pai
celestial me diz: ‘Eu o amo’. ‘Ninguém me ama’ é mentira.
‘Ninguém se importa comigo’ é mentira! Meu Pai celestial
me diz: ‘Eu te cerco por trás e por diante e sobre ti ponho a
minha mão’.” (Salmo 139.5). Quantas vezes nós queremos
ouvir mais o que as circunstâncias dizem e, de repente,
vem aquele sentimento: “Eu sou um inútil. Nada vai dar
certo na minha vida”, verdade ou mentira? Mentira! É
tão simples porque “a lei do Senhor é perfeita e restaura a
alma”. O que é restaurar a alma? É voltar a ser como era
no princípio. Restauração é isto: é voltar a ser como antes.
É tão lindo caminharmos em cima desta revelação: Eu sou
aceito como filho!




                             17
18
Eu sou aceito
 como amigo
   de Cristo

     Como é tão diferente, em momentos e situações de
feridas, vivenciarmos esta realidade: Jesus é meu amigo!
“Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que
faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque
tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer.”
(João 15.15.) Como alguém pode continuar com uma fe-
rida na alma, se ele tem a compreensão de que Jesus é
amigo? Jesus é amigo. Amigo é aquela pessoa com quem
nos sentimos muito bem ao lado dela. Amigo é aquela
pessoa para quem podemos rasgar o coração e falar com

                          19
ela coisas que não falaríamos com mais ninguém. Amigo
é aquele que nos conhece tão bem. Amigo é aquele que,
se você bater à sua porta às três horas da manhã, não irá
recebê-lo com a cara fechada, pois é amigo.
     A fé cristã não é uma religião, mas intimidade com Deus. É
um relacionamento com Ele. Só o amigo é que pode colocar o
dedo onde dói. Eu me lembro de uma vez quando o André, o
meu filho, caiu e cortou o queixo. Eu o levei para o hospital, mas
ele não deixava ninguém tocar no corte. Eu estava ao lado dele
e dizia: “Papai está aqui, deixa o moço tocar.” Ele olhou para o
médico e disse: “Papai, me deixa fazer xixi?” Eu respondi: “Deixo.”
Então ele saiu, mas saiu correndo fugindo. Eu fui atrás e disse:
“Filho, vamos voltar, o moço é amigo.” Ele perguntou: “É amigo?”
Eu disse: “É amigo e papai está aqui.” Eu segurei a mão dele e o
médico anestesiou e deu os pontos. Por que ele deixou? Dei-
xou porque eu disse que o médico era amigo. Amigo não faz
mal. Amigo ajuda. E o André sabia disso.
     Não olhe para Jesus como se estivesse distante. Mui-
tas vezes você enxerga Deus como o Todo-Poderoso ape-
nas. Ele realmente é. Mas Deus se encarnou, tomou forma
humana, e veio até nós, porque só Ele é quem pode tocar
nas feridas. Só ele pode. Entenda esta verdade. E Ele toca
hoje por meio da Palavra. Quantas vezes você lê a Palavra
e, de repente, algo nela toca você exatamente naquele lu-
gar onde dói. Toca naquelas lembranças que estão ali de
uma forma terrível e que precisam ser restauradas. Toca
porque o amigo tem este acesso. Eu sou aceito como ami-
go. Amigo de Jesus. Jesus é meu amigo.

                                20
Jesus disse: “Já não vos chamo servos”. O Senhor não
nos chamou para sermos seus servos, mas seus filhos.
Nós somos filhos e servimos. O servo serve por obrigação,
por dever e pelo salário. Já o filho serve por amor.




                           21
22
Eu sou aceito
  como justo
  e único com
     Cristo

    Satanás só faz três coisas: ele tenta, acusa e inventa.
Toda estratégia do inimigo passa apenas por estas três
coisas: tentação, acusação e mentira. Ele não tem outro
caminho. A única maneira de ele chegar à alma do ho-
mem é exatamente por estes três caminhos: da tentação,
da acusação e do engano. Ele procura, muitas vezes, nos
enganar sobre a nossa filiação e amizade com Jesus. Mas
a Palavra do Senhor revela: “Justificados, pois, mediante a

                            23
fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cris-
to.” (Romanos 5.1.)
     Eu fui aceito e sou justificado. O que é ser justificado?
O que é justificação? Justificação é um ato declaratório
de Deus. É Deus declarando que o homem é justo. Justo
significa que Deus passa a nos ver como se nunca tivés-
semos cometido um único pecado. Ou seja, no momento
em que uma pessoa se converte, Deus a declara justa. Na-
quele exato momento, Deus a vê como se ela não tivesse
cometido um único pecado. E a grande ferida da alma é
também porque a pessoa não consegue se perdoar. Deus
a perdoa, mas ela não se perdoa. Uma pessoa pode ter
cometido os mais terríveis pecados, mas, no momento
em que ela vem para Jesus, Deus a declara justa. Uma jo-
vem pode ter tido experiência sexual com muitos, mas no
momento em que ela vem para Jesus, Deus a torna tão
pura, tão santa, quanto a Maria, mãe de Jesus.
     Se o Senhor traz o perdão, eu tenho de viver este
perdão. Você diz: “Mas eu não me sinto perdoado”. Você
nunca vai se sentir perdoado, porque você tem que viver
como perdoado, a despeito de como se sinta. E outra coi-
sa: Satanás busca os caminhos: tentar, acusar e enganar.
É esta a estratégia dele para chegar à alma humana. Eu
tenho que viver nesta certeza: “A lei do Senhor é perfeita
e restaura a alma”, e eu sou justificado. Se Deus me de-
clarou justo, eu tenho que andar assim. Se você diz: “Ah,
eu sou um pecador, um grande pecador”. Não! Você foi um
pecador. Você precisa entender que você não é obrigado

                             24
a pecar. Você pode passar um dia inteiro sem pecar, você
pode passar dois dias sem pecar, você pode passar uma
semana inteira, um mês inteiro, sem pecar. Não permita
ser enganado por Satanás. Ele quer que você acredite
que não é possível viver sem pecar. Você peca por von-
tade e por falta do conhecimento “porque não vem sobre
nós uma única tentação que seja além das nossas forças” (1
Coríntios 10.13).
     Eu já escutei alguns crentes orando e pedindo para
que Deus perdoasse a multidão dos pecados. Quanta ig-
norância! Nós não temos multidão de pecados. Acabou.
Quantas vezes devemos confessar um pecado ao Senhor?
A Palavra diz: “O que encobre as suas transgressões jamais
prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará mise-
ricórdia.” (Provérbios 28.13.) Eu sou aceito, diz a Palavra.
Quando eu começo a vivenciar esta verdade de que “a lei
do Senhor é perfeita e restaura a alma”, eu sou aceito como
filho, como amigo, como justificado.
     O texto de 1 Coríntios, capítulo 6, verso 17, também
diz que eu sou unido com o Senhor, que eu sou um espí-
rito com Ele: “Mas aquele que se une ao Senhor é um espí-
rito com ele.” Você não vai ver Deus fora de você. Deus lá
em cima, totalmente distante e inatingível. Não! Ele está
unido a você. Não é a minha opinião. Está registrado na
Palavra: “Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito
com ele.” Nós passamos a ser unidos, ligados. Passamos
a ser um com Ele. Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (João
10.30), e por meio de Jesus, nós nos unimos ao Pai. Se eu

                            25
não tiver este conhecimento, muitas vezes, um sentimen-
to pode brotar no meu coração e fazer com que eu abra
espaço para o engano, para as tentações e para as acu-
sações do diabo. E ele só pode atingir a minha alma por
meio dos três caminhos, conforme já citado: tentação,
acusação e engano. Porém, “aquele que se une ao Senhor é
um espírito com ele”.




                          26
Eu fui
  comprado
 por um preço

    Não são poucas as vezes em que surge aquele sen-
timento de que não valemos nada. Entretanto, a Palavra
registra em 1 Coríntios, capítulo 6, versos 19 e 20: “Acaso,
não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo,
que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não
sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço.
Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo.” Quando con-
templo o preço que Cristo Jesus pagou pela minha salva-
ção, sinto-me valoroso demais, pois Jesus pagou o preço
com a própria vida. Um alto preço foi pago por mim.

                            27
Quando nosso coração é ferido por um sentimento
de inutilidade, de desvalorização, passamos a viver amar-
rados, se arrastando. Mas quando entendemos o preço
que foi pago, tudo muda. E saiba, amado leitor, que Jesus
continua achando que valeu a pena o “penoso trabalho”.
O preço que Ele pagou por mim foi o mesmo que pagou
por você. Precisamos e devemos vivenciar a realidade de
que somos aceitos. Ele pagou caro demais por todos nós.
Temos, então, um alto valor.
     Ao encontrar alguém com o sentimento de desvalori-
zação, de inferioridade, ministre ao coração dele que “a lei
do Senhor é perfeita e restaura a alma”. Talvez não vamos
entender o porquê deste amor incondicional de Deus
para conosco, porém não estamos aqui para entender e
sim para aceitar e reconhecer o grande e precioso sacri-
fício de Jesus por cada um de nós. “Porque Deus amou ao
mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para
que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eter-
na.” (João 3.16.)
     Quando caminhamos em cima dessa verdade tudo
passa a ser tão diferente. Há uma música que a minha fi-
lha, Ana Paula, compôs para as crianças, especialmente
para as meninas. O nome da canção é “Aos olhos do Pai”,
e faz parte do CD Crianças Diante do Trono. Ana Paula,
quando era criança, sentia-se feia em relação às outras
meninas. Contudo, ela percebeu que isso era uma grande
mentira, pois ela era linda, perfeita, uma obra prima. Aliás,
ela é linda, uma bonequinha! Mas assim como a minha

                             28
Ana, muitas meninas, principalmente na adolescência,
passam por esse conflito. Sentem-se feias, diferentes das
outras meninas, esquisitas. O que não é verdade, pois fo-
mos criados por Deus. Essa música, que fora criada para
as crianças, tem sido usada como ferramenta para trans-
mitir cura a muitas mulheres com feridas na alma. Toda
honra e toda glória sejam somente para o nosso Deus!
    Que, em nome de Jesus, você possa entender a pro-
fundidade das últimas palavras de Jesus, antes de render
o espírito: “Está consumado”, ‘Tele Testai’, ou seja, “Está
pago!” Então se levante e tome posição, a sua posição de
filho em Cristo Jesus. Não seja destruído pela falta de co-
nhecimento.




                            29
30
Sou aceito
       como
     membro do
      Corpo de
       Cristo

     Eu sou parte do Corpo de Cristo. “Ora, vós sois corpo de
Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.” (1 Corín-
tios 12.27.) Quando o conceito de Igreja não é real, torna-
se frágil. Quando as pessoas não vivenciam a realidade do
que é ser parte do Corpo de Cristo, perde-se a verdadeira
identidade. Corpo de Cristo não é um título, mas uma rea-

                             31
lidade. “Vós sois corpo de Cristo; individualmente, membros
desse corpo.”
    É preciso que você tenha os olhos abertos para vi-
venciar a realidade do que é ser membro da Igreja. Nós
não somos adeptos da Igreja, e nem freqüentadores dela,
mas somos Corpo e, quando vivenciamos essa realidade,
acontece a cura. Isso quer dizer que aquela pessoa que
está integrada não só como sendo do rol de membros da
igreja, mas com quem procura algo espiritual, ela não só
é fonte de cura, mas também receptora dessa cura. Quan-
do uma pessoa entra no templo triste, abatida, oprimida
pelo diabo, e de repente recebe um abraço, um sorriso,
uma ministração, a paz do Corpo, tudo muda, porque o
Corpo de Cristo é algo visível, que você pode tocar. Você
precisa ter a compreensão do valor do Corpo de Cristo.
    Proclame e aproprie-se destas verdades: Eu sou acei-
to como filho de Deus, como amigo de Cristo, justificado.
Eu estou unido com o Senhor, eu fui comprado por preço,
eu sou membro do Corpo de Cristo! Amém!




                            32
Sou aceito
como santo e
tenho acesso
   ao Pai

    Em Efésios, capítulo 1, verso 1, Paulo diz: “Paulo, após-
tolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, aos santos que
vivem em Éfeso e fiéis em Cristo Jesus.” Eu sou santo. É o
que a Palavra diz, é o que Deus diz. Eu não vou viver por
aquilo que os meus sentimentos dizem, mas por aquilo
que a Palavra de Deus afirma que eu sou. É o que a Palavra
do Senhor diz. Nós precisamos viver assim. E a Palavra de
Deus diz: “Aos santos que vivem em Éfeso.”

                             33
O que faz Satanás, dia e noite, diante do Senhor? Ele
nos acusa. Mas, ao lado dele, Jesus intercede. Ele é o Ad-
vogado de defesa da nossa posição como santo. O cora-
ção de um santo pode ser ferido? Pode, mas a Palavra de
Deus restaura. “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma.”
Não é preciso acrescentar nada; ela é completa. Paulo nos
diz em Efésios 1.5: “Nos predestinou para ele, para a ado-
ção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o benepláci-
to de sua vontade.”
     Diz a Palavra que nós somos filhos adotivos, que o Pai
nos adotou. Mas Ele fez algo diferente na nossa adoção.
Jesus era o Filho unigênito do Pai. Ele foi à cruz como Fi-
lho Unigênito de Deus, foi sepultado também como Filho
Unigênito de Deus, mas quando Jesus ressuscitou, não
mais era Filho Unigênito de Deus, mas Filho primogênito
de Deus (Romanos 8.29). Por quê? A partir da ressurreição
de Jesus, uma nova família foi criada, agora formada pe-
los filhos de Deus. Nós fomos adotados, mas numa situa-
ção muito diferente.
     Eu tenho três filhos: a Ana, o André e a Mariana. Se
vocês os ouvirem falar, vocês dirão: “Eles parecem com o
pai e com a mãe”. Não fisicamente apenas, mas o modo de
falar tem algo da natureza. Eu poderia adotar uma criança
e ela viver comigo até a fase adulta, mas ao fazer um exa-
me de DNA, será constatado que ela não é minha filha.
Ela pode até aprender a me imitar, falar como eu falo, mas
a natureza é diferente. A Palavra diz que Deus nos ado-
tou como filhos. Mas Ele faz algo diferente: Deus coloca

                             34
dentro de nós a sua própria natureza. Esta adoção, como
filhos, não nos faz ser diferentes. Vejamos o que a Pala-
vra diz em 2 Pedro 1.4: “Pelas quais nos têm sido doadas as
suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas
vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-
vos da corrupção das paixões que há no mundo.” Ou seja,
quando Deus nos adotou, Ele colocou dentro de nós a
sua natureza divina. Por isto aquele que está em Cristo
é uma nova criação (2 Coríntios 5.17), ou seja, ele tem,
agora, dentro dele, a própria vida, a própria natureza de
Cristo. “Maior é aquele que está em vós do que o que está no
mundo.” (1 João 4.4.) Interessante que nem todos sabem
disso. “O meu povo está sendo destruído porque lhe falta o
conhecimento.”
    Também em Efésios 2.18 está escrito: “Porque, por ele,
ambos temos acesso ao Pai em um Espírito.” Da mesma ma-
neira que Jesus tem acesso ao Pai, nós também o temos.
A Palavra afirma que fomos redimidos, perdoados, e so-
mos completos nele.
    Eu sou o que a Bíblia diz que eu sou. Eu tenho o que a
Bíblia diz que eu tenho. Eu posso fazer o que a Bíblia diz
que eu posso. “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma.”




                             35
36
Estou seguro
  em Cristo e
 livre de toda
 condenação

    Observe bem: somos aceitos. É o primeiro ponto. O
segundo ponto é: estamos seguros, livres, confiantes em
Cristo. “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os
que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida,
em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.” (Ro-
manos 8.1.)
    Nenhuma condenação há. Porém, muitas vezes, nós
abrimos espaço quando ouvimos mais o que as pesso-

                             37
as dizem do que o que Deus diz. “Você está condenado”.
Mentira! Por que nós ouvimos mais a mentira do que o
que Deus diz? Porque, muitas vezes, nós não consegui-
mos conhecer o coração do Senhor. Nós não consegui-
mos achar que Ele tem direito de nos amar como nos
amou. Muitas vezes dizemos: “Não, Deus, eu não mereço
ser amado pelo Senhor, nem que o Senhor me ame. Eu não
sou digno”. Quando o filho pródigo decidiu retornar para
a casa, ele disse consigo mesmo: “Pai, já não sou digno”.
(Lucas 15.11). Mas essa não era a opinião do pai a respei-
to do filho. O pai o abraçou e o cobriu de beijos. O pai
trocou as suas vestes, colocou sandálias nos seus pés e
anel no seu dedo. O moço podia dizer: “Eu não sou digno”.
Mas o pai dizia: “Eu te amo”. Nós não recebemos nada do
Pai porque merecemos. Tudo é pela graça. E graça é favor
imerecido!
     Muitas vezes, nos condenamos e abrimos feridas na
nossa alma porque não conseguimos permitir que Deus
nos ame. Porém, Ele nos ama. Deixe Deus ser Deus, deixe
o Pai ser Pai. Deus se revelou na Palavra e Ele diz: “Agora,
pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cris-
to Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te
livrou da lei do pecado e da morte.”
     A Bíblia revela que eu tenho que estar seguro de que
todas as coisas cooperam para o meu bem. Veja o que
está escrito em Romanos 8.28: “Sabemos que todas as
coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus,
daqueles que são chamados segundo o seu propósito.”

                              38
Muitas feridas da alma surgem porque a pessoa de-
clara assim: “Deus perdeu o controle. Deus não está mais no
trono. Deus não liga, não se importa”. Hoje existem mais
de seis bilhões de seres humanos sobre a face da Terra,
mas, aos olhos de Deus, é como se só você existisse. A
capacidade de abstração de Deus é infinita, Ele olha para
você durante as 24 horas do dia, como se ninguém mais
existisse. Você então pode dizer: “Mas isto é grande de-
mais!” Mas quando você vive a realidade na compreensão
de que “o Senhor é bom e que a misericórdia dele dura para
sempre”, as suas feridas são curadas. Pois este é o caráter
dele.
    A Palavra também nos revela: “Conheçamos e pros-
sigamos em conhecer o Senhor.” (Oséias 6.3.) Conhecer o
Senhor é ter o conhecimento de que “todas as coisas co-
operam para o bem daqueles que amam a Deus”. Vejamos
Romanos 8.31: “Que diremos, pois, à vista destas coisas?
Se Deus é por nós, quem será contra nós?” Você foi livre de
qualquer condenação. Você foi estabelecido pelo Senhor.
Você vive debaixo da graça do Pai, com a consciência de
que aquele que começou a boa obra não terminou ainda.
Em Filipenses 1.6, lemos: “Estou plenamente certo de que
aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até
ao Dia de Cristo Jesus.”
    Eu estou confiante de que a boa obra que Deus come-
çou em mim será aperfeiçoada, será completada.




                            39
40
Sou cidadão
   dos céus e
   tenho um
  significado

     Nossos pés podem estar pisando aqui, mas somos
cidadãos dos céus. “Pois a nossa pátria está nos céus, de
onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cris-
to.” (Filipenses 3.20.) Quantas vezes injustiças e diversas
outras situações procuram nos magoar, nos ferir, e você
se levanta e diz: “Eu sou cidadão do céu”.
     Quando você veio para o Senhor, Ele lhe deu um es-
pírito novo e tudo passou a ser novo dentro de você, con-

                            41
forme podemos conferir na Palavra (em 2 Timóteo 1.7):
“Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas
de poder, de amor e de moderação.”
      Filho, proclame esta verdade: “O meu maravilhoso
Deus me ama tanto, se importa tanto comigo, que Ele não
me deu um espírito de covardia, de medo, mas Ele me deu
um espírito de poder, de amor e de moderação”.
      Eu também nasci para Deus, e o maligno não me toca,
pois sou significativo para Deus. Veja o que está registra-
do na Palavra, em Mateus 5.13 e 14: “Vós sois o sal da terra
[...] Vós sois a luz do mundo.” Em João 15, Jesus disse que
eu sou um ramo da videira, um canal de vida. Verso 16:
“Não fostes vós que me escolhestes a mim”.
      Quando vamos comprar uma fruta, escolhemos uma
por uma e sempre as mais bonitas, as mais saudáveis, e
as outras vão ficando e acabam jogadas na cesta de lixo.
Deus não tem lata de lixo. “Não fostes vós que me esco-
lhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e
vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto per-
maneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao meu Pai em
meu nome, ele vo-lo conceda.” Abra o coração e diga: “Que
presente imensurável! Ele me escolheu!”
      Nossas palavras têm poder, e elas podem ferir as ou-
tras pessoas e a nós mesmos muitas vezes. Quando você
tira a venda espiritual dos olhos e vê quão tremendo é
ser escolhido por Deus, as aparentes derrotas da vida são
encaradas como realmente devem ser. Deus me escolheu
para reger o mundo, para reinar com Ele.

                             42
Filho, nós vivemos aqui como se já estivéssemos lá,
na eternidade. Creia que Deus sempre tem o melhor para
você. Por isto a Palavra diz: “Em tudo, dai graças.” (1 Tessa-
lonicenses 5.18.) O que é dar graças em tudo? É reconhe-
cer que o Senhor está no trono. Se você está esperando
o ônibus e ele não pára para você, você diz: “Deus tem o
melhor para a minha vida”. E Ele tem mesmo. Pode acon-
tecer que depois venha uma pessoa com a alma ferida
e você tenha a oportunidade de ministrar na vida dela;
porque melhor é dar do que receber (Atos 20.35). Eu sou
significante porque sou uma testemunha do Senhor.
    Sou o templo de Deus. Sou cooperador de Deus. Estou
assentado com Cristo nas regiões celestiais. Sou feitura
de Deus, uma obra artesanal de Deus. Eu posso me apro-
ximar de Deus com liberdade e com ousadia. Eu posso
fazer todas as coisas por meio de Cristo que me fortalece.
Por isto “a Palavra do Senhor é perfeita e restaura a alma”.
Que você volte ao início de todas as coisas e reconheça
que a Palavra do Senhor é viva, que somente a Palavra do
Senhor pode restaurar a alma.




                             43
44
Conclusão

    Amado, escolha dizer para você mesmo estas verda-
des: “Ele me ama e só a Palavra traz ao meu coração não
a compreensão porque Ele escolheu me amar, mas a com-
preensão de que Ele me ama e, se Ele me ama, isto traz toda
cura para a minha alma. Por isto, eu deixo o meu coração no
coração dele e descanso nele.
    Eu quero me ver, não no espelho, no natural, mas na
Palavra. Eu quero me ver como Ele me vê. Ele me diz que
eu sou seu filho. Ele me diz que é meu amigo. Ele me diz
que eu sou justo, que eu estou unido com Ele, que eu
sou um espírito com Ele. Ele me diz que eu fui comprado
por preço, que eu pertenço a Ele. Ele me diz que eu sou
membro do Corpo de Cristo. Ele chegou ao ponto de di-
zer que eu sou santo. Eu fui adotado como filho de Deus

                            45
e Ele colocou em mim a sua natureza, e por isto, sou co-
participante da natureza de Cristo e não há rejeição. Eu
fui redimido, perdoado de todos os meus pecados. Eu sou
completo, aperfeiçoado em Cristo. Eu estou livre de toda
condenação, eu estou seguro de que todas as coisas co-
operam para o meu bem. Eu fui confirmado, gerado por
Deus, eu estou escondido com Cristo em Deus. Eu estou
confiante que a boa obra que Deus começou na minha
vida, será aperfeiçoada, será completada. Eu sou um cida-
dão do céu e eu não tenho recebido um espírito de medo,
mas de poder, de amor e de moderação. Eu posso, hoje,
achar graça e misericórdia em tempo de necessidade. Eu
nasci de Deus e o maligno não me toca, porque hoje eu
sou tão significante! Eu sou sal, eu sou a luz do mundo, eu
sou um ramo da videira, eu sou um canal da vida de Deus.
Eu fui escolhido, eu fui designado para produzir frutos. Eu
sou uma testemunha pessoal de Jesus Cristo. Eu sou o
templo de Deus e eu sou também um ministro da recon-
ciliação com Deus, e Deus me fez seu cooperador e me
levou a uma posição de estar assentado com Cristo nas
regiões celestes. Eu sou feitura de Deus, uma obra artesa-
nal dele. Eu posso me aproximar de Deus com liberdade e
com ousadia. Eu posso fazer todas as coisas por meio de
Cristo que me fortalece”.
     A Palavra me diz que “a lei do Senhor é perfeita e res-
taura a alma”. Meu irmão, deixe a Palavra tocar nas feridas
que ninguém vê. A Palavra de Deus é como uma espada
que divide a alma e o espírito e que toca onde dói. Meu

                            46
irmão, a partir de hoje, procure se ver como Deus o vê, e
nunca mais como as pessoas dizem que você é.
   Seja restaurado, em nome de Jesus!

   Pr. Márcio Valadão




                           47
48
JESUS TE
  AMA E QUER
    VOCÊ!

     1º PASSO: Deus o ama e tem um plano maravi-
lhoso para sua vida. “Porque Deus amou o mundo de
tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo
o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.“ (Jo
3.16).

    2º PASSO: O Homem é pecador e está sepa-
rado de Deus. “Pois todos pecaram e carecem da
glória de Deus.“ (Rm 3.23b).



                          49
3º PASSO: Jesus é a resposta de Deus, para
o conflito do homem. “Respondeu-lhe Jesus: Eu
sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem
ao Pai senão por mim.“ (Jo 14.6).

    4º PASSO: É preciso receber a Jesus em nos-
so coração. “Mas, a todos quantos o receberam,
deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a
saber, aos que crêem no seu nome.“ (Jo 1.12a). “Se,
com tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em
teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre
os mortos, será salvo. Porque com o coração se crê
para justiça e com a boca se confessa a respeito da
salvação.” (Rm 10.9-10).

    5º PASSO: Você gostaria de receber a Cristo
em seu coração? Faça essa oração de decisão em
voz alta:
    “Senhor Jesus eu preciso de Ti, confesso-te o
meu pecado de estar longe dos teus caminhos. Abro
a porta do meu coração e te recebo como meu úni-
co Salvador e Senhor. Te agradeço porque me aceita
assim como eu sou e perdoa o meu pecado. Eu dese-
jo estar sempre dentro dos teus planos para minha
vida, amém”.




                        50
6º PASSO: Procure uma igreja evangélica
próxima à sua casa.
    Nós estamos reunidos na Igreja Batista da
Lagoinha, à rua Manoel Macedo, 360, bairro São
Cristóvão, Belo Horizonte, MG.
    Nossa igreja está pronta para lhe acompanhar
neste momento tão importante da sua vida.
    Nossos principais cultos são realizados aos
domingos, nos horários de 10h, 15h e 18h horas.

   Ficaremos felizes com sua visita!




                       51
Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha

         Gerência de Comunicação



 Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão

   CEP 31110-440 - Belo Horizonte - MG

             www.lagoinha.com




                    52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oração que transporta montes gordon lindsay
Oração que transporta montes   gordon lindsayOração que transporta montes   gordon lindsay
Oração que transporta montes gordon lindsay
deusdetdfsoares
 
Ebook 289 site (1)
Ebook 289 site (1)Ebook 289 site (1)
Ebook 289 site (1)
Luiza Dayana
 
Mensagens reveladas na palavra de deus 2
Mensagens reveladas na palavra de deus 2Mensagens reveladas na palavra de deus 2
Mensagens reveladas na palavra de deus 2
Elvys Marinho
 
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da faltaMuitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
antonio ferreira
 

Mais procurados (20)

7 maneiras de encontrar a vontade de Deus
7 maneiras de encontrar a vontade de Deus7 maneiras de encontrar a vontade de Deus
7 maneiras de encontrar a vontade de Deus
 
Oração que transporta montes gordon lindsay
Oração que transporta montes   gordon lindsayOração que transporta montes   gordon lindsay
Oração que transporta montes gordon lindsay
 
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefíciosAs 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
 
Jornal Missionário nº 101
Jornal Missionário nº 101Jornal Missionário nº 101
Jornal Missionário nº 101
 
As 12 pedras do alicerce aula 1A: A Palavra de Deus
As 12 pedras do alicerce aula 1A: A Palavra de DeusAs 12 pedras do alicerce aula 1A: A Palavra de Deus
As 12 pedras do alicerce aula 1A: A Palavra de Deus
 
Oração em ação
Oração em açãoOração em ação
Oração em ação
 
Ebook 289 site (1)
Ebook 289 site (1)Ebook 289 site (1)
Ebook 289 site (1)
 
Entreguei minha vida pra jesus e-book
Entreguei minha vida pra jesus   e-bookEntreguei minha vida pra jesus   e-book
Entreguei minha vida pra jesus e-book
 
Princípios cristãos básicos para crianças
Princípios cristãos básicos para criançasPrincípios cristãos básicos para crianças
Princípios cristãos básicos para crianças
 
Eu e Minha Boca Grande - Joyce Meyer Sua resposta está bem debaixo do seu nariz
Eu e Minha Boca Grande - Joyce Meyer Sua resposta está bem debaixo do seu narizEu e Minha Boca Grande - Joyce Meyer Sua resposta está bem debaixo do seu nariz
Eu e Minha Boca Grande - Joyce Meyer Sua resposta está bem debaixo do seu nariz
 
JORMI - Jornal Missionário nº 85
JORMI -   Jornal Missionário nº 85JORMI -   Jornal Missionário nº 85
JORMI - Jornal Missionário nº 85
 
LIVRO Oração e intimidade com Deus
LIVRO Oração e intimidade com DeusLIVRO Oração e intimidade com Deus
LIVRO Oração e intimidade com Deus
 
Mensagens reveladas na palavra de deus 2
Mensagens reveladas na palavra de deus 2Mensagens reveladas na palavra de deus 2
Mensagens reveladas na palavra de deus 2
 
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combatePedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
 
Morrendo Diariamente - John Owen
Morrendo Diariamente - John Owen Morrendo Diariamente - John Owen
Morrendo Diariamente - John Owen
 
Nova vida
Nova vidaNova vida
Nova vida
 
O PODER DA ORAÇÃO- 40 DIAS DE JEJUM E ORAÇÃO
O PODER DA ORAÇÃO- 40 DIAS DE JEJUM E ORAÇÃOO PODER DA ORAÇÃO- 40 DIAS DE JEJUM E ORAÇÃO
O PODER DA ORAÇÃO- 40 DIAS DE JEJUM E ORAÇÃO
 
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em açãoAs 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
 
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da faltaMuitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
Muitas pessoas não conseguem receber o que eles oram por causa da falta
 
Oração
OraçãoOração
Oração
 

Semelhante a Restaurando o ferido

estudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdf
estudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdfestudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdf
estudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdf
Tiago Silva
 
Eu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grandeEu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grande
Carlos André
 
155856 eu e_minha_boca_grande
155856 eu e_minha_boca_grande155856 eu e_minha_boca_grande
155856 eu e_minha_boca_grande
zanzasilva
 

Semelhante a Restaurando o ferido (20)

Morrer para viver
Morrer para viverMorrer para viver
Morrer para viver
 
Jornal Missionário n° 104
Jornal Missionário n° 104Jornal Missionário n° 104
Jornal Missionário n° 104
 
Jormi 40
Jormi 40Jormi 40
Jormi 40
 
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida)   bob mumfordA patrola de deus (reinando em vida)   bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
 
Pensar certo ou errado
Pensar certo ou erradoPensar certo ou errado
Pensar certo ou errado
 
Falando sobre a graça em jesus
Falando sobre a graça em jesusFalando sobre a graça em jesus
Falando sobre a graça em jesus
 
A vontade de Deus para sua vida
A vontade de Deus para sua vidaA vontade de Deus para sua vida
A vontade de Deus para sua vida
 
Daniel
DanielDaniel
Daniel
 
Daniel
DanielDaniel
Daniel
 
Oração
OraçãoOração
Oração
 
Daniel
DanielDaniel
Daniel
 
estudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdf
estudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdfestudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdf
estudosobreoespritosanto-140127190800-phpapp01 (1).pdf
 
Hans k la rondelle
Hans k la rondelleHans k la rondelle
Hans k la rondelle
 
Biblia solução dos seus problemas
Biblia solução dos seus problemasBiblia solução dos seus problemas
Biblia solução dos seus problemas
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
 
Eu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grandeEu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grande
 
Eu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grandeEu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grande
 
155856 eu e_minha_boca_grande
155856 eu e_minha_boca_grande155856 eu e_minha_boca_grande
155856 eu e_minha_boca_grande
 
Eueminhabocagrande 140212064503-phpapp02
Eueminhabocagrande 140212064503-phpapp02Eueminhabocagrande 140212064503-phpapp02
Eueminhabocagrande 140212064503-phpapp02
 
Eu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grandeEu e minha_boca_grande
Eu e minha_boca_grande
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 

Último (20)

UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 

Restaurando o ferido

  • 1.
  • 2. Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Edição janeiro/2009 Gerência de Comunicação Ana Paula Costa Transcrição: Else Albuquerque Copidesque: Adriana Santos Revisão: Ana Paula Costa e Marcelo Ferreira Capa e Diagramação: Luciano Buchacra
  • 3. Introdução Em todos os atos e todas as ações de Deus, há um propósito. Nada Ele faz por acaso. E nós cremos que cada pessoa que ouviu a voz do Senhor foi com um propósito específico: não apenas para que ela receba, mas para que, também, ela se transforme num canal de graça, de bên- ção e de favor na vida de tantos outros. Debaixo desta unção tão gloriosa de louvor e de adoração ao Senhor, na intimidade com Ele e na certeza da presença do Pai em nossas vidas, queremos dividir a Palavra do Senhor. Esta mensagem é bem voltada para o tema restauran- do o ferido. É bem verdade que Jesus disse que “o ladrão vem somente para roubar, matar e destruir”, conforme le- mos em João 10.10, mas também é verdade que o matar, muitas vezes, não significa apenas um momento, mas 5
  • 4. todo um processo também. Porque digo que é um pro- cesso? Existem pessoas que estão com a alma ferida, e se não receberem a cura, esta ferida pode levar à morte. É relativamente tão fácil, muitas vezes, a cura física em rela- ção à cura da alma. Pode-se tirar parte do corpo para so- correr aquela que está precisando, como a doação de um rim, por exemplo. Porém, a cura da alma é algo delicado e difícil de fazer. Não dá para operar, para transplantar e fa- zer curativo. A ferida da alma não é visível. Apenas o Pai e a pessoa que a carrega a conhecem. E também Satanás. Creio, de todo o coração, que o Eterno liberou esta palavra porque deseja libertação e cura sobre a sua vida. Mas para isso, é preciso que você se posicione e se levante como filho do Deus do impossível. Abra o coração, ama- do leitor, e receba a mensagem que o Pai preparou para você. Tenha uma abençoada leitura, em nome de Jesus! 6
  • 5. Posicionamento É verdade que quando entendemos a Palavra do Se- nhor e deixamos o nosso coração perceber o que está es- crito nela, nós teremos tudo, porque a única “ferramenta” capaz e poderosa para trazer restauração à alma é a Lei do Senhor, a Palavra. A Bíblia é mais do que um livro; é a Palavra de Deus. E a Palavra de Deus é uma pessoa viva chamada Jesus. Veja o que ela diz no Salmo 19, verso 7: “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos símplices.” E o próprio Deus, por intermédio do profeta Oséias, também afirmou: “O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conheci- mento.” (Oséias 4.6.) O nosso maior inimigo não é o diabo, nem os demô- nios, mas a ignorância. E a falta do conhecimento nos 7
  • 6. levaria à destruição. O apóstolo Paulo nos diz esta verda- de: não devemos ignorar os desígnios de Satanás (2 Co- ríntios 2.11). E saiba, amado leitor, que os desígnios dele têm, basicamente, um alvo, que é o de ferir. No mundo natural, em uma guerra, os homens usam as mesmas es- tratégias do inimigo. Imagine uma trincheira com cinco soldados e uma outra com apenas dois. Se observarmos, perceberemos que um grupo está em minoria, e parece que são mais fracos, pois são apenas dois soldados. Mas qual é a estratégia em uma guerra? Eles estão em des- vantagem e, se eles atirarem para matar, e matarem um dos soldados, os quatro que restaram irão revidar. Então qual seria a estratégia? Eles procurarão atirar para ferir e quando um é ferido, dois terão que sair para levar o ferido para ser socorrido. Quando ferem um soldado, três saem da trincheira. A estratégia continua sendo ferir porque, se um soldado é ferido, o outro tem de sair para socorrer o ferido. E o ferido pode vir a morrer se não receber os cui- dados necessários. A pessoa precisa entender isto e ter a compreensão de que uma vez ferida pelas trevas, ela carece urgente- mente da cura e que também o único remédio para isso é a Palavra do Senhor. Não existe outra maneira de trazer realmente uma cura, uma restauração. Não há paliativos. “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”, afirmou Davi no Salmo 19. Ela restaura o ferido, aquele que o inimigo conseguiu ferir. Essas feridas podem ser ocasionadas por palavras, desprezo, solidão, entre outras coisas. Mas este 8
  • 7. é o momento para apresentar, de maneira clara e sem ro- deios, que a única solução, o único caminho, é a Palavra do Senhor. 9
  • 8. 10
  • 9. Atitude “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”, escreveu Davi. E o próprio Senhor Jesus também dissera: “Exami- nais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim.” (João 5.39.) Se o maior inimigo é a ignorância, tenho de pautar a minha vida pela Palavra de Deus. E vida eterna a que Jesus se refere não é quantidade de vida, mas qualidade de vida, sem feridas ou traumas. E esse é o sonho de Deus para os seus filhos. O Senhor Jesus disse: “[...] eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.” (João 10.10b.) A palavra “vida”, no grego, não significa a nossa vida, mas é a palavra “zoe”, ou seja, a própria vida de Deus. É isto que o Senhor operou em nós. Quando nos convertemos, passamos a ter ‘a vida’. 11
  • 10. O inimigo só consegue me ferir quando eu deixo de lado o que é mais importante na minha caminhada, que é a minha identidade com Deus. Quando eu esqueço a minha identidade e começo a abrir espaço para a auto- comiseração, o inimigo encontra um espaço terrível para continuar ferindo e mantendo as feridas abertas, para não cicatrizarem. Existem pessoas que passam anos e anos com feridas expostas, chagas na alma abertas por- que desprezam o que está escrito na Palavra: “A lei do Se- nhor é perfeita e restaura a alma.” Eu quero “plantar” no seu coração algo e você nunca poderá esquecer desta verdade: não temos que caminhar por aquilo que sentimos, por aquilo que as pessoas dizem a nosso respeito, e nem dar ouvidos às mentiras de Sata- nás e seus demônios, mas única e exclusivamente sob a Palavra de Deus e do que ela diz a nosso respeito. Temos de estar convictos acerca da nossa identidade em Cristo Jesus. Uma coisa é termos a identidade e outra é assumir- mos a posição que a identidade nos dá. Todos conhecem a história do príncipe que virou mendigo. A identidade dele era a de príncipe, mas a po- sição dele era de mendigo. Isto quer dizer que a pessoa pode ter a identidade de príncipe e viver como mendigo. O que acontece? Ele não desfruta da sua identidade. São duas realidades completamente distintas, porque a sim- ples identidade, por si só, não leva a pessoa a viver a posi- ção. A mesma situação na história do filho pródigo (Lucas 15.11). Quando, digamos assim, o filho mais abusado vol- 12
  • 11. ta e o pai celebra uma festa, há muita alegria, e quando o irmão mais velho, voltando do campo, ouve o som da música e percebe que alguma coisa está acontecendo, ele pergunta: “O quê está havendo?” E dizem para ele: “Teu irmão voltou”. Esse texto trata de identidade. O moço, a ouvir a resposta de que seu irmão voltara após tanto tempo fora de casa, ele fica do lado de fora e diz: “Aquele indigno voltou e meu pai está dando uma festa para ele? Eu não vou entrar”. O pai vem e procura demovê-lo da sua atitude e diz: “Filho” – essa era a identidade do moço – “seu irmão” – a identidade de seu irmão – “voltou”. E o filho volta para o pai e diz: “Meu pai, há tantos anos eu te sirvo e o senhor nunca me deu um ca- britinho sequer para eu me alegrar com os meus amigos”. Ou seja, o moço tinha a identidade correta, mas a posição dele não era a posição de filho, mas de servo, de escravo, porque assim se via, ainda que sendo filho. Eis sua identidade de servo: “Há tantos anos eu te sirvo e o senhor nunca me deu um cabritinho sequer para eu me alegrar com os meus amigos”. O pai retruca, na intenção de reafirmar a identidade do filho: “Filho, tudo o que eu tenho é teu”. Aquele moço tinha a identidade de filho, mas ele não desfrutava dessa posição e por isto vivia na casa e não via o pai como pai, mas como patrão, como um líder, como aquele que dava ordens. Ele não desfrutava da posição de filho. Pura falta de conhecimento. Naquele instante, o pai disse: “Meu filho, tudo o que eu tenho é teu”. Para as feridas da alma, “a lei do Senhor é perfeita e res- taura a alma”. A primeira coisa que nós temos que guardar, 13
  • 12. imprimir em nossa alma, é exatamente o conhecimento sobre quem somos em Cristo. Quem eu sou em Cristo? Declare que você é aceito pelo Pai e não um rejeitado. O Pai o aceitou não pelos méritos ou pelas virtudes que você possui, Ele o aceitou pela sua graça absoluta. 14
  • 13. Eu sou aceito como filho de Deus Em João, capítulo 1, verso 12, a Palavra do Senhor proclama, de um modo tão glorioso: “Mas, a todos quan- tos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.” Quem eu sou? Eu sou aceito como filho. A fé cristã não é uma fé por adesão. Existem pessoas que são adeptas a uma religião. Porém, a fé cristã é algo completamente diferente, em que somos aceitos, mesmo na condição de falhos e pecadores. Nós não somos adep- tos de uma fé. A Palavra do Senhor revela, de maneira 15
  • 14. profunda, que hoje eu sou aceito como filho. Quando Sa- tanás tentou a Jesus (e o deserto não foi a única tentação; foram várias as tentações), diz o texto que ele procurava atingir o ponto nevrálgico. Satanás sempre começava dizendo: “Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.” (Mateus 4.3.) “Se és Filho de Deus, pule daqui de cima”. “Se tu és Filho de Deus”. O ponto é sempre este: a nossa identidade. Porque quando perdemos a nossa identida- de, entramos por caminhos perigosos e abrimos a nossa alma para que ela se transforme em um alvo tão terrível para sermos feridos. Muitas vezes, aquilo que nós vemos não determina o que somos. O que determina o que so- mos é o que a Palavra de Deus diz. Jesus estava no deserto, quarenta dias sem comer, e o tentador volta e diz: “Ah, Filho de Deus não passa fome. Filho de Deus com fome? Se tu és o Filho de Deus...” A Palavra revela: “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma.” Quan- do eu começo a vivenciar a minha identidade e a minha posição como filho, sempre caminhando dentro do co- nhecimento e na certeza de que é o seu Pai, tudo passa a ser diferente. Temos de caminhar não por aquilo que as circunstâncias nos dizem, pelo que as pessoas dizem, mas caminhar sobre o conceito que Deus tem a nosso respei- to. O próprio Senhor afirmou em sua Palavra: “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito...” (Jeremias 29.2.) Em momentos de feridas da alma é tão importan- te ouvir o que o Pai nos fala. Muitas vezes, vem aquele 16
  • 15. sentimento: “Ninguém me ama”. É hora de dizer: “Meu Pai celestial me diz: ‘Eu o amo’. ‘Ninguém me ama’ é mentira. ‘Ninguém se importa comigo’ é mentira! Meu Pai celestial me diz: ‘Eu te cerco por trás e por diante e sobre ti ponho a minha mão’.” (Salmo 139.5). Quantas vezes nós queremos ouvir mais o que as circunstâncias dizem e, de repente, vem aquele sentimento: “Eu sou um inútil. Nada vai dar certo na minha vida”, verdade ou mentira? Mentira! É tão simples porque “a lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”. O que é restaurar a alma? É voltar a ser como era no princípio. Restauração é isto: é voltar a ser como antes. É tão lindo caminharmos em cima desta revelação: Eu sou aceito como filho! 17
  • 16. 18
  • 17. Eu sou aceito como amigo de Cristo Como é tão diferente, em momentos e situações de feridas, vivenciarmos esta realidade: Jesus é meu amigo! “Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer.” (João 15.15.) Como alguém pode continuar com uma fe- rida na alma, se ele tem a compreensão de que Jesus é amigo? Jesus é amigo. Amigo é aquela pessoa com quem nos sentimos muito bem ao lado dela. Amigo é aquela pessoa para quem podemos rasgar o coração e falar com 19
  • 18. ela coisas que não falaríamos com mais ninguém. Amigo é aquele que nos conhece tão bem. Amigo é aquele que, se você bater à sua porta às três horas da manhã, não irá recebê-lo com a cara fechada, pois é amigo. A fé cristã não é uma religião, mas intimidade com Deus. É um relacionamento com Ele. Só o amigo é que pode colocar o dedo onde dói. Eu me lembro de uma vez quando o André, o meu filho, caiu e cortou o queixo. Eu o levei para o hospital, mas ele não deixava ninguém tocar no corte. Eu estava ao lado dele e dizia: “Papai está aqui, deixa o moço tocar.” Ele olhou para o médico e disse: “Papai, me deixa fazer xixi?” Eu respondi: “Deixo.” Então ele saiu, mas saiu correndo fugindo. Eu fui atrás e disse: “Filho, vamos voltar, o moço é amigo.” Ele perguntou: “É amigo?” Eu disse: “É amigo e papai está aqui.” Eu segurei a mão dele e o médico anestesiou e deu os pontos. Por que ele deixou? Dei- xou porque eu disse que o médico era amigo. Amigo não faz mal. Amigo ajuda. E o André sabia disso. Não olhe para Jesus como se estivesse distante. Mui- tas vezes você enxerga Deus como o Todo-Poderoso ape- nas. Ele realmente é. Mas Deus se encarnou, tomou forma humana, e veio até nós, porque só Ele é quem pode tocar nas feridas. Só ele pode. Entenda esta verdade. E Ele toca hoje por meio da Palavra. Quantas vezes você lê a Palavra e, de repente, algo nela toca você exatamente naquele lu- gar onde dói. Toca naquelas lembranças que estão ali de uma forma terrível e que precisam ser restauradas. Toca porque o amigo tem este acesso. Eu sou aceito como ami- go. Amigo de Jesus. Jesus é meu amigo. 20
  • 19. Jesus disse: “Já não vos chamo servos”. O Senhor não nos chamou para sermos seus servos, mas seus filhos. Nós somos filhos e servimos. O servo serve por obrigação, por dever e pelo salário. Já o filho serve por amor. 21
  • 20. 22
  • 21. Eu sou aceito como justo e único com Cristo Satanás só faz três coisas: ele tenta, acusa e inventa. Toda estratégia do inimigo passa apenas por estas três coisas: tentação, acusação e mentira. Ele não tem outro caminho. A única maneira de ele chegar à alma do ho- mem é exatamente por estes três caminhos: da tentação, da acusação e do engano. Ele procura, muitas vezes, nos enganar sobre a nossa filiação e amizade com Jesus. Mas a Palavra do Senhor revela: “Justificados, pois, mediante a 23
  • 22. fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cris- to.” (Romanos 5.1.) Eu fui aceito e sou justificado. O que é ser justificado? O que é justificação? Justificação é um ato declaratório de Deus. É Deus declarando que o homem é justo. Justo significa que Deus passa a nos ver como se nunca tivés- semos cometido um único pecado. Ou seja, no momento em que uma pessoa se converte, Deus a declara justa. Na- quele exato momento, Deus a vê como se ela não tivesse cometido um único pecado. E a grande ferida da alma é também porque a pessoa não consegue se perdoar. Deus a perdoa, mas ela não se perdoa. Uma pessoa pode ter cometido os mais terríveis pecados, mas, no momento em que ela vem para Jesus, Deus a declara justa. Uma jo- vem pode ter tido experiência sexual com muitos, mas no momento em que ela vem para Jesus, Deus a torna tão pura, tão santa, quanto a Maria, mãe de Jesus. Se o Senhor traz o perdão, eu tenho de viver este perdão. Você diz: “Mas eu não me sinto perdoado”. Você nunca vai se sentir perdoado, porque você tem que viver como perdoado, a despeito de como se sinta. E outra coi- sa: Satanás busca os caminhos: tentar, acusar e enganar. É esta a estratégia dele para chegar à alma humana. Eu tenho que viver nesta certeza: “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”, e eu sou justificado. Se Deus me de- clarou justo, eu tenho que andar assim. Se você diz: “Ah, eu sou um pecador, um grande pecador”. Não! Você foi um pecador. Você precisa entender que você não é obrigado 24
  • 23. a pecar. Você pode passar um dia inteiro sem pecar, você pode passar dois dias sem pecar, você pode passar uma semana inteira, um mês inteiro, sem pecar. Não permita ser enganado por Satanás. Ele quer que você acredite que não é possível viver sem pecar. Você peca por von- tade e por falta do conhecimento “porque não vem sobre nós uma única tentação que seja além das nossas forças” (1 Coríntios 10.13). Eu já escutei alguns crentes orando e pedindo para que Deus perdoasse a multidão dos pecados. Quanta ig- norância! Nós não temos multidão de pecados. Acabou. Quantas vezes devemos confessar um pecado ao Senhor? A Palavra diz: “O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará mise- ricórdia.” (Provérbios 28.13.) Eu sou aceito, diz a Palavra. Quando eu começo a vivenciar esta verdade de que “a lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”, eu sou aceito como filho, como amigo, como justificado. O texto de 1 Coríntios, capítulo 6, verso 17, também diz que eu sou unido com o Senhor, que eu sou um espí- rito com Ele: “Mas aquele que se une ao Senhor é um espí- rito com ele.” Você não vai ver Deus fora de você. Deus lá em cima, totalmente distante e inatingível. Não! Ele está unido a você. Não é a minha opinião. Está registrado na Palavra: “Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele.” Nós passamos a ser unidos, ligados. Passamos a ser um com Ele. Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (João 10.30), e por meio de Jesus, nós nos unimos ao Pai. Se eu 25
  • 24. não tiver este conhecimento, muitas vezes, um sentimen- to pode brotar no meu coração e fazer com que eu abra espaço para o engano, para as tentações e para as acu- sações do diabo. E ele só pode atingir a minha alma por meio dos três caminhos, conforme já citado: tentação, acusação e engano. Porém, “aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele”. 26
  • 25. Eu fui comprado por um preço Não são poucas as vezes em que surge aquele sen- timento de que não valemos nada. Entretanto, a Palavra registra em 1 Coríntios, capítulo 6, versos 19 e 20: “Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo.” Quando con- templo o preço que Cristo Jesus pagou pela minha salva- ção, sinto-me valoroso demais, pois Jesus pagou o preço com a própria vida. Um alto preço foi pago por mim. 27
  • 26. Quando nosso coração é ferido por um sentimento de inutilidade, de desvalorização, passamos a viver amar- rados, se arrastando. Mas quando entendemos o preço que foi pago, tudo muda. E saiba, amado leitor, que Jesus continua achando que valeu a pena o “penoso trabalho”. O preço que Ele pagou por mim foi o mesmo que pagou por você. Precisamos e devemos vivenciar a realidade de que somos aceitos. Ele pagou caro demais por todos nós. Temos, então, um alto valor. Ao encontrar alguém com o sentimento de desvalori- zação, de inferioridade, ministre ao coração dele que “a lei do Senhor é perfeita e restaura a alma”. Talvez não vamos entender o porquê deste amor incondicional de Deus para conosco, porém não estamos aqui para entender e sim para aceitar e reconhecer o grande e precioso sacri- fício de Jesus por cada um de nós. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eter- na.” (João 3.16.) Quando caminhamos em cima dessa verdade tudo passa a ser tão diferente. Há uma música que a minha fi- lha, Ana Paula, compôs para as crianças, especialmente para as meninas. O nome da canção é “Aos olhos do Pai”, e faz parte do CD Crianças Diante do Trono. Ana Paula, quando era criança, sentia-se feia em relação às outras meninas. Contudo, ela percebeu que isso era uma grande mentira, pois ela era linda, perfeita, uma obra prima. Aliás, ela é linda, uma bonequinha! Mas assim como a minha 28
  • 27. Ana, muitas meninas, principalmente na adolescência, passam por esse conflito. Sentem-se feias, diferentes das outras meninas, esquisitas. O que não é verdade, pois fo- mos criados por Deus. Essa música, que fora criada para as crianças, tem sido usada como ferramenta para trans- mitir cura a muitas mulheres com feridas na alma. Toda honra e toda glória sejam somente para o nosso Deus! Que, em nome de Jesus, você possa entender a pro- fundidade das últimas palavras de Jesus, antes de render o espírito: “Está consumado”, ‘Tele Testai’, ou seja, “Está pago!” Então se levante e tome posição, a sua posição de filho em Cristo Jesus. Não seja destruído pela falta de co- nhecimento. 29
  • 28. 30
  • 29. Sou aceito como membro do Corpo de Cristo Eu sou parte do Corpo de Cristo. “Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.” (1 Corín- tios 12.27.) Quando o conceito de Igreja não é real, torna- se frágil. Quando as pessoas não vivenciam a realidade do que é ser parte do Corpo de Cristo, perde-se a verdadeira identidade. Corpo de Cristo não é um título, mas uma rea- 31
  • 30. lidade. “Vós sois corpo de Cristo; individualmente, membros desse corpo.” É preciso que você tenha os olhos abertos para vi- venciar a realidade do que é ser membro da Igreja. Nós não somos adeptos da Igreja, e nem freqüentadores dela, mas somos Corpo e, quando vivenciamos essa realidade, acontece a cura. Isso quer dizer que aquela pessoa que está integrada não só como sendo do rol de membros da igreja, mas com quem procura algo espiritual, ela não só é fonte de cura, mas também receptora dessa cura. Quan- do uma pessoa entra no templo triste, abatida, oprimida pelo diabo, e de repente recebe um abraço, um sorriso, uma ministração, a paz do Corpo, tudo muda, porque o Corpo de Cristo é algo visível, que você pode tocar. Você precisa ter a compreensão do valor do Corpo de Cristo. Proclame e aproprie-se destas verdades: Eu sou acei- to como filho de Deus, como amigo de Cristo, justificado. Eu estou unido com o Senhor, eu fui comprado por preço, eu sou membro do Corpo de Cristo! Amém! 32
  • 31. Sou aceito como santo e tenho acesso ao Pai Em Efésios, capítulo 1, verso 1, Paulo diz: “Paulo, após- tolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, aos santos que vivem em Éfeso e fiéis em Cristo Jesus.” Eu sou santo. É o que a Palavra diz, é o que Deus diz. Eu não vou viver por aquilo que os meus sentimentos dizem, mas por aquilo que a Palavra de Deus afirma que eu sou. É o que a Palavra do Senhor diz. Nós precisamos viver assim. E a Palavra de Deus diz: “Aos santos que vivem em Éfeso.” 33
  • 32. O que faz Satanás, dia e noite, diante do Senhor? Ele nos acusa. Mas, ao lado dele, Jesus intercede. Ele é o Ad- vogado de defesa da nossa posição como santo. O cora- ção de um santo pode ser ferido? Pode, mas a Palavra de Deus restaura. “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma.” Não é preciso acrescentar nada; ela é completa. Paulo nos diz em Efésios 1.5: “Nos predestinou para ele, para a ado- ção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o benepláci- to de sua vontade.” Diz a Palavra que nós somos filhos adotivos, que o Pai nos adotou. Mas Ele fez algo diferente na nossa adoção. Jesus era o Filho unigênito do Pai. Ele foi à cruz como Fi- lho Unigênito de Deus, foi sepultado também como Filho Unigênito de Deus, mas quando Jesus ressuscitou, não mais era Filho Unigênito de Deus, mas Filho primogênito de Deus (Romanos 8.29). Por quê? A partir da ressurreição de Jesus, uma nova família foi criada, agora formada pe- los filhos de Deus. Nós fomos adotados, mas numa situa- ção muito diferente. Eu tenho três filhos: a Ana, o André e a Mariana. Se vocês os ouvirem falar, vocês dirão: “Eles parecem com o pai e com a mãe”. Não fisicamente apenas, mas o modo de falar tem algo da natureza. Eu poderia adotar uma criança e ela viver comigo até a fase adulta, mas ao fazer um exa- me de DNA, será constatado que ela não é minha filha. Ela pode até aprender a me imitar, falar como eu falo, mas a natureza é diferente. A Palavra diz que Deus nos ado- tou como filhos. Mas Ele faz algo diferente: Deus coloca 34
  • 33. dentro de nós a sua própria natureza. Esta adoção, como filhos, não nos faz ser diferentes. Vejamos o que a Pala- vra diz em 2 Pedro 1.4: “Pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando- vos da corrupção das paixões que há no mundo.” Ou seja, quando Deus nos adotou, Ele colocou dentro de nós a sua natureza divina. Por isto aquele que está em Cristo é uma nova criação (2 Coríntios 5.17), ou seja, ele tem, agora, dentro dele, a própria vida, a própria natureza de Cristo. “Maior é aquele que está em vós do que o que está no mundo.” (1 João 4.4.) Interessante que nem todos sabem disso. “O meu povo está sendo destruído porque lhe falta o conhecimento.” Também em Efésios 2.18 está escrito: “Porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito.” Da mesma ma- neira que Jesus tem acesso ao Pai, nós também o temos. A Palavra afirma que fomos redimidos, perdoados, e so- mos completos nele. Eu sou o que a Bíblia diz que eu sou. Eu tenho o que a Bíblia diz que eu tenho. Eu posso fazer o que a Bíblia diz que eu posso. “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma.” 35
  • 34. 36
  • 35. Estou seguro em Cristo e livre de toda condenação Observe bem: somos aceitos. É o primeiro ponto. O segundo ponto é: estamos seguros, livres, confiantes em Cristo. “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.” (Ro- manos 8.1.) Nenhuma condenação há. Porém, muitas vezes, nós abrimos espaço quando ouvimos mais o que as pesso- 37
  • 36. as dizem do que o que Deus diz. “Você está condenado”. Mentira! Por que nós ouvimos mais a mentira do que o que Deus diz? Porque, muitas vezes, nós não consegui- mos conhecer o coração do Senhor. Nós não consegui- mos achar que Ele tem direito de nos amar como nos amou. Muitas vezes dizemos: “Não, Deus, eu não mereço ser amado pelo Senhor, nem que o Senhor me ame. Eu não sou digno”. Quando o filho pródigo decidiu retornar para a casa, ele disse consigo mesmo: “Pai, já não sou digno”. (Lucas 15.11). Mas essa não era a opinião do pai a respei- to do filho. O pai o abraçou e o cobriu de beijos. O pai trocou as suas vestes, colocou sandálias nos seus pés e anel no seu dedo. O moço podia dizer: “Eu não sou digno”. Mas o pai dizia: “Eu te amo”. Nós não recebemos nada do Pai porque merecemos. Tudo é pela graça. E graça é favor imerecido! Muitas vezes, nos condenamos e abrimos feridas na nossa alma porque não conseguimos permitir que Deus nos ame. Porém, Ele nos ama. Deixe Deus ser Deus, deixe o Pai ser Pai. Deus se revelou na Palavra e Ele diz: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cris- to Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.” A Bíblia revela que eu tenho que estar seguro de que todas as coisas cooperam para o meu bem. Veja o que está escrito em Romanos 8.28: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” 38
  • 37. Muitas feridas da alma surgem porque a pessoa de- clara assim: “Deus perdeu o controle. Deus não está mais no trono. Deus não liga, não se importa”. Hoje existem mais de seis bilhões de seres humanos sobre a face da Terra, mas, aos olhos de Deus, é como se só você existisse. A capacidade de abstração de Deus é infinita, Ele olha para você durante as 24 horas do dia, como se ninguém mais existisse. Você então pode dizer: “Mas isto é grande de- mais!” Mas quando você vive a realidade na compreensão de que “o Senhor é bom e que a misericórdia dele dura para sempre”, as suas feridas são curadas. Pois este é o caráter dele. A Palavra também nos revela: “Conheçamos e pros- sigamos em conhecer o Senhor.” (Oséias 6.3.) Conhecer o Senhor é ter o conhecimento de que “todas as coisas co- operam para o bem daqueles que amam a Deus”. Vejamos Romanos 8.31: “Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” Você foi livre de qualquer condenação. Você foi estabelecido pelo Senhor. Você vive debaixo da graça do Pai, com a consciência de que aquele que começou a boa obra não terminou ainda. Em Filipenses 1.6, lemos: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus.” Eu estou confiante de que a boa obra que Deus come- çou em mim será aperfeiçoada, será completada. 39
  • 38. 40
  • 39. Sou cidadão dos céus e tenho um significado Nossos pés podem estar pisando aqui, mas somos cidadãos dos céus. “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cris- to.” (Filipenses 3.20.) Quantas vezes injustiças e diversas outras situações procuram nos magoar, nos ferir, e você se levanta e diz: “Eu sou cidadão do céu”. Quando você veio para o Senhor, Ele lhe deu um es- pírito novo e tudo passou a ser novo dentro de você, con- 41
  • 40. forme podemos conferir na Palavra (em 2 Timóteo 1.7): “Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” Filho, proclame esta verdade: “O meu maravilhoso Deus me ama tanto, se importa tanto comigo, que Ele não me deu um espírito de covardia, de medo, mas Ele me deu um espírito de poder, de amor e de moderação”. Eu também nasci para Deus, e o maligno não me toca, pois sou significativo para Deus. Veja o que está registra- do na Palavra, em Mateus 5.13 e 14: “Vós sois o sal da terra [...] Vós sois a luz do mundo.” Em João 15, Jesus disse que eu sou um ramo da videira, um canal de vida. Verso 16: “Não fostes vós que me escolhestes a mim”. Quando vamos comprar uma fruta, escolhemos uma por uma e sempre as mais bonitas, as mais saudáveis, e as outras vão ficando e acabam jogadas na cesta de lixo. Deus não tem lata de lixo. “Não fostes vós que me esco- lhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto per- maneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao meu Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.” Abra o coração e diga: “Que presente imensurável! Ele me escolheu!” Nossas palavras têm poder, e elas podem ferir as ou- tras pessoas e a nós mesmos muitas vezes. Quando você tira a venda espiritual dos olhos e vê quão tremendo é ser escolhido por Deus, as aparentes derrotas da vida são encaradas como realmente devem ser. Deus me escolheu para reger o mundo, para reinar com Ele. 42
  • 41. Filho, nós vivemos aqui como se já estivéssemos lá, na eternidade. Creia que Deus sempre tem o melhor para você. Por isto a Palavra diz: “Em tudo, dai graças.” (1 Tessa- lonicenses 5.18.) O que é dar graças em tudo? É reconhe- cer que o Senhor está no trono. Se você está esperando o ônibus e ele não pára para você, você diz: “Deus tem o melhor para a minha vida”. E Ele tem mesmo. Pode acon- tecer que depois venha uma pessoa com a alma ferida e você tenha a oportunidade de ministrar na vida dela; porque melhor é dar do que receber (Atos 20.35). Eu sou significante porque sou uma testemunha do Senhor. Sou o templo de Deus. Sou cooperador de Deus. Estou assentado com Cristo nas regiões celestiais. Sou feitura de Deus, uma obra artesanal de Deus. Eu posso me apro- ximar de Deus com liberdade e com ousadia. Eu posso fazer todas as coisas por meio de Cristo que me fortalece. Por isto “a Palavra do Senhor é perfeita e restaura a alma”. Que você volte ao início de todas as coisas e reconheça que a Palavra do Senhor é viva, que somente a Palavra do Senhor pode restaurar a alma. 43
  • 42. 44
  • 43. Conclusão Amado, escolha dizer para você mesmo estas verda- des: “Ele me ama e só a Palavra traz ao meu coração não a compreensão porque Ele escolheu me amar, mas a com- preensão de que Ele me ama e, se Ele me ama, isto traz toda cura para a minha alma. Por isto, eu deixo o meu coração no coração dele e descanso nele. Eu quero me ver, não no espelho, no natural, mas na Palavra. Eu quero me ver como Ele me vê. Ele me diz que eu sou seu filho. Ele me diz que é meu amigo. Ele me diz que eu sou justo, que eu estou unido com Ele, que eu sou um espírito com Ele. Ele me diz que eu fui comprado por preço, que eu pertenço a Ele. Ele me diz que eu sou membro do Corpo de Cristo. Ele chegou ao ponto de di- zer que eu sou santo. Eu fui adotado como filho de Deus 45
  • 44. e Ele colocou em mim a sua natureza, e por isto, sou co- participante da natureza de Cristo e não há rejeição. Eu fui redimido, perdoado de todos os meus pecados. Eu sou completo, aperfeiçoado em Cristo. Eu estou livre de toda condenação, eu estou seguro de que todas as coisas co- operam para o meu bem. Eu fui confirmado, gerado por Deus, eu estou escondido com Cristo em Deus. Eu estou confiante que a boa obra que Deus começou na minha vida, será aperfeiçoada, será completada. Eu sou um cida- dão do céu e eu não tenho recebido um espírito de medo, mas de poder, de amor e de moderação. Eu posso, hoje, achar graça e misericórdia em tempo de necessidade. Eu nasci de Deus e o maligno não me toca, porque hoje eu sou tão significante! Eu sou sal, eu sou a luz do mundo, eu sou um ramo da videira, eu sou um canal da vida de Deus. Eu fui escolhido, eu fui designado para produzir frutos. Eu sou uma testemunha pessoal de Jesus Cristo. Eu sou o templo de Deus e eu sou também um ministro da recon- ciliação com Deus, e Deus me fez seu cooperador e me levou a uma posição de estar assentado com Cristo nas regiões celestes. Eu sou feitura de Deus, uma obra artesa- nal dele. Eu posso me aproximar de Deus com liberdade e com ousadia. Eu posso fazer todas as coisas por meio de Cristo que me fortalece”. A Palavra me diz que “a lei do Senhor é perfeita e res- taura a alma”. Meu irmão, deixe a Palavra tocar nas feridas que ninguém vê. A Palavra de Deus é como uma espada que divide a alma e o espírito e que toca onde dói. Meu 46
  • 45. irmão, a partir de hoje, procure se ver como Deus o vê, e nunca mais como as pessoas dizem que você é. Seja restaurado, em nome de Jesus! Pr. Márcio Valadão 47
  • 46. 48
  • 47. JESUS TE AMA E QUER VOCÊ! 1º PASSO: Deus o ama e tem um plano maravi- lhoso para sua vida. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.“ (Jo 3.16). 2º PASSO: O Homem é pecador e está sepa- rado de Deus. “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus.“ (Rm 3.23b). 49
  • 48. 3º PASSO: Jesus é a resposta de Deus, para o conflito do homem. “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.“ (Jo 14.6). 4º PASSO: É preciso receber a Jesus em nos- so coração. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.“ (Jo 1.12a). “Se, com tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo. Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.” (Rm 10.9-10). 5º PASSO: Você gostaria de receber a Cristo em seu coração? Faça essa oração de decisão em voz alta: “Senhor Jesus eu preciso de Ti, confesso-te o meu pecado de estar longe dos teus caminhos. Abro a porta do meu coração e te recebo como meu úni- co Salvador e Senhor. Te agradeço porque me aceita assim como eu sou e perdoa o meu pecado. Eu dese- jo estar sempre dentro dos teus planos para minha vida, amém”. 50
  • 49. 6º PASSO: Procure uma igreja evangélica próxima à sua casa. Nós estamos reunidos na Igreja Batista da Lagoinha, à rua Manoel Macedo, 360, bairro São Cristóvão, Belo Horizonte, MG. Nossa igreja está pronta para lhe acompanhar neste momento tão importante da sua vida. Nossos principais cultos são realizados aos domingos, nos horários de 10h, 15h e 18h horas. Ficaremos felizes com sua visita! 51
  • 50. Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Gerência de Comunicação Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão CEP 31110-440 - Belo Horizonte - MG www.lagoinha.com 52