Gaudium et spes go

339 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
339
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gaudium et spes go

  1. 1. Constituição PastoralGaudium et Spes,sobre a Igrejano Mundo de Hoje(07/12/1965)
  2. 2. Esse importante documento inaugura umaépoca nova nas relações entre a Igreja e asociedade contemporânea. Ele édeterminante para se compreender apresença pública da Igreja.
  3. 3. Ele nasceu dos discursos e acontecimentos daprimeira sessão de 1962, e sua redação exigiuum trabalho ingente.
  4. 4. Neste nosso breve estudo da Gaudium et spesnos atemos a alguns pontos:1) Uma breve alusão à história da redação dotexto2) a novidade do título da Constituição Pastorale seu significado3) a explicação em uma nota de rodapé4) alguns dos grandes temas tratados no texto5) elementos da atualidade da GS
  5. 5. 1 - A complexa história da redação daConstituição Pastoral
  6. 6. No final da primeira Sessão, os 73 esquemasiniciais se reduziram a 16 e acrescentou-se uminteiramente novo, o 17o.Nessa lista, o primeiro era o De Ecclesia(futura Lumen gentium) e o último o Depraesentia activa Ecclesiae in Mundo (sobre apresença ativa da Igreja no mundo – a futuraGaudium et spes).
  7. 7. A votação global sobre o texto, dia 06 dedezembro de 1965 (durante a últimacongregação), resultou em 2111 placet, 251non placet e 11 votos inválidos.Na votação solene do dia 07 de dezembro, dos2391 votantes, 2309 votaram favoravelmente,79 votaram contra e 7 votos foram nulos
  8. 8. Sua história, marcada por inúmerasintervenções e por oito redações sucessivas,resulta em um texto heterogêneo. Do pontode vista da qualidade redacional poderiacaracterizá-lo como estilisticamente fraco.Do ponto de vista teológico, porém, pode estamesma heterogeneidade pode se consideraruma riqueza.
  9. 9. Essa mesma história é usada em argumentosdas mais variadas naturezas, no período pós-conciliar: desde a ruptura dos grupostradicionalistas, até à tensão também“discontinuísta” de grupos vanguardistas.
  10. 10. 2 - A novidade do títuloe do conteúdo
  11. 11. Uma nota, cuja chamada está posta logo apósa qualificação “pastoral” no título daconstituição sobre a Igreja no mundo de hoje,procura explicar o sentido dessa novidade nahistória dos Concílios. De fato, nos vinteConcílios precedentes houve Constituições,Decretos e Declarações.Mas “Constituição Pastoral”, jamais houveuma.
  12. 12. A novidade do título serve de chamada para anovidade do conteúdo. Não se trata de umaexposição geral de princípios da fé. Trata-setambém de temas de fé, principalmente noprimeiro capítulo, cujo conteúdo fundamentalé a dignidade humana. Mas o conjunto geralcompreende temas de interesse concreto parao mundo contemporâneo.
  13. 13. A lista dos temas é impressionante: naturezasocial do ser humano, o sentido do trabalho, afamília, o progresso, a cultura, a economia, apolítica, a paz e a comunidade internacional.Por isso, com ironia, o documento já foichamado de arca de Noé.
  14. 14. 3 - O significado do termo“pastoral” em uma nota derodapé
  15. 15. Texto da nota de rodapé ao título:“A Constituição pastoral ‘A Igreja no mundoatual’, formada por duas partes, constitui umtodo unitário. E chamada ‘pastoral’, porque,apoiando-se em princípios doutrinais,pretende expor as relações da Igreja com omundo e os homens de hoje. Assim, nem àprimeira parte falta a intenção pastoral, nem àsegunda a doutrinal.
  16. 16. Na primeira parte, a Igreja expõe a sua própriadoutrina acerca do homem, do mundo noqual o homem está integrado e da sua relaçãopara com eles. Na segunda, considera maisexpressamente vários aspectos da vida e dasociedade contemporâneas, e sobretudo asquestões e os problemas que, nessesdomínios, padecem hoje de maior urgência.
  17. 17. Daqui resulta que, nesta segunda parte, amatéria, tratada à luz dos princípiosdoutrinais, não compreende apenaselementos imutáveis, mas tambémtransitórios. A Constituição deve, pois, serinterpretada segundo as normas teológicasgerais, tendo em conta, especialmente nasegunda parte, as circunstâncias mutáveiscom que estão intrinsecamente ligados osassuntos em questão”.
  18. 18. Uma auto-avaliação:“Diante da variedade imensa, não só dassituações, mas também das formas da culturahumana no mundo, esta exposição apresentadeliberadamente um caráter genérico. Aindamais. Ainda que enuncie a doutrina játradicional na Igreja, como não raro trata dasrealidades sujeitas a permanente evolução,deverá ser prosseguida e ampliada” (GS, 91).
  19. 19. • “Confiamos que muitas coisas queenunciamos, apoiados na Palavra de Deus eno espírito do Evangelho, poderão trazer atodos um auxílio valioso, sobretudo depoisque os cristãos, sob a orientação dos Pastores,tiverem realizado a adaptação para cada povoe mentalidade” (GS, 91).
  20. 20. 4 - Os grandes temas daGaudium et spes
  21. 21. A primeira parte consta de quatrocapítulos:1) da dignidade da pessoa humana2) da comunidade humana3) do sentido da atividade humana no mundo4) da função da Igreja no mundo de hoje
  22. 22. A segunda parte, mais ampla, aborda:1) da promoção da dignidade do matrimônio e da família2) da promoção do progresso cultural - em duas sessões:princípios para a promoção da cultura e algumasobrigações mais urgentes dos cristãos em relação àcultura3) da vida econômico-social - em duas sessões: odesenvolvimento econômico e princípios que regem oconjunto econômico-social4) da vida da comunidade política5) da construção da paz e da promoção da comunidade dospovos - também em duas seções: a eliminação da guerrae a construção da comunidade internacional
  23. 23. A perspectiva a partir da qual esses temas sãotratados pode ser captada no prólogo, queafirma:
  24. 24. “As alegrias e as esperanças, as tristezas e asangústias dos homens de hoje, sobretudo dospobres e de todos aqueles que sofrem, são tambémas alegrias e as esperanças, as tristezas e asangústias dos discípulos de Cristo; e não hárealidade alguma verdadeiramente humana quenão encontre eco no seu coração” (GS, 1).
  25. 25. • E em seguida, a perspectiva da fé e de seuanúncio é reafirmada de modo claro e belo: “asua comunidade é formada por homens, que,reunidos em Cristo, são guiados pelo EspíritoSanto na sua peregrinação para o reino do Pai,e receberam a mensagem da salvação para acomunicar a todos. Por este motivo, a Igrejasente-se real e intimamente ligada ao gênerohumano e à sua história” (GS, 1).
  26. 26. “Procurando o seu fim salvífico, a Igreja não selimita a comunicar ao homem a vida divina; espalhasobre todo o mundo os reflexos da sua luz,sobretudo enquanto cura e eleva a dignidade dapessoa humana, consolida a coesão da sociedade edá um sentido mais profundo à quotidianaatividade dos homens. A Igreja pensa, assim, quepor meio de cada um dos seus membros e por todaa sua comunidade, muito pode colaborar paratornar mais humana a família dos homens e a suahistória” (GS, 40).
  27. 27. “ O Concílio Vaticano II, tendo investigadomais profundamente o mistério da Igreja, nãohesita agora em dirigir a sua palavra, não jáapenas aos filhos da Igreja e a quantosinvocam o nome de Cristo, mas a todos oshomens. Deseja expor-lhes o seu modo deconceber a presença e atividade da Igreja nomundo de hoje” (n. 2).
  28. 28. “Este sagrado Concílio, proclamando a sublimevocação do homem, e afirmando que nele estádepositado um germe divino, oferece ao gênerohumano a sincera cooperação da Igreja, a fim deinstaurar a fraternidade universal que a estavocação corresponde. Nenhuma ambição terrenamove a Igreja, mas unicamente este objetivo:continuar, sob a direção do Espírito Consolador, aobra de Cristo que veio ao mundo para dartestemunho da verdade , para salvar e não parajulgar, para servir e não para ser servido” (n. 3).
  29. 29. “Lembrados da palavra do Senhor: «nistoreconhecerão todos que sois meus discípulos, sevos amardes uns aos outros» (Jo 13,35), oscristãos nada podem desejar mais ardentementedo que servir sempre com maior generosidade eeficácia os homens do mundo de hoje. E assim,fiéis ao Evangelho e graças à sua força, unidos aquantos amam e promovem a justiça, têm arealizar aqui na terra uma obra imensa, da qualprestarão contas Aquele que a todos julgará noúltimo dia” (N. 93).
  30. 30. “Deste modo, em toda a terra, os homensserão estimulados à esperança viva, dom doEspírito Santo, para que finalmente sejamrecebidos na paz e felicidade infinitas, napátria que refulge com a glória do Senhor” (n.93)
  31. 31. “A missão própria confiada por Cristo à sua Igreja,não é de ordem política, econômica ou social: o fimque lhe propôs é, com efeito, de ordem religiosa.Mas desta mesma missão religiosa deriva umencargo, uma luz e uma energia que podem servirpara o estabelecimento e consolidação dacomunidade humana segundo a lei divina. Etambém, quando for necessário, tendo em conta ascircunstâncias de tempos e lugares, pode elaprópria, e até deve, suscitar obras destinadas aoserviço de todos, sobretudo dos pobres, tais comoobras caritativas e outras semelhantes” (GS, 42).
  32. 32. O serviço que a Igreja é chamada a prestar aomundo, é, como evidencia o documento, umserviço de fé, de iluminação em vista dodiscernimento concreto. E mesmo quando setraduz em serviço de ordem temporal, social,política ou econômica, sua fonte explícitacomo também sua finalidade não sedesvinculam jamais desse fundamento, quedeve ser sempre explícito.
  33. 33. 5 – Elementos da atualidade daGaudium et spes
  34. 34. Um novo processo de “colonização” danatureza humana – o “caso Argentina 2011”,que, em um ano, aprovou três leis:1) A procriação artificial2) O “aluguel de útero”3) A “identidade de gênero”
  35. 35. 1) A procriação artificial: desnaturaliza aprocriação humana
  36. 36. 2) O “aluguel de útero”: desnaturaliza ageneratividade, a paternidade-maternidade ea filiação
  37. 37. 3) A “identidade de gênero”: desnaturaliza acomposição da família
  38. 38. • Coloca-se de lado a noção de “naturezahumana”, a sociedade tende a não se basearmais nessa noção;
  39. 39. • Pretende-se excluir do debate público ainspiração da fé católica para a construção dasociedade;
  40. 40. • Trata-se de um “mercado do corpo”, queenvolve inclusive a violência e o tráfico depessoas;
  41. 41. • Muitos outros casos podem ser abordados apartir dos outros temas da GS, e ainda “apartir” de sua inspiração: trabalho, violência,etc.

×