A arte de falar e de escutar em publico

616 visualizações

Publicada em

A arte de falar e de escutar em publico

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A arte de falar e de escutar em publico

  1. 1. A ARTE DEFALAR E DEESCUTAR EM PÚBLICO
  2. 2. A VOZ humana:Um elemento de grandevalor nas relaçõesinterpessoais, porque eladeclara, revela, anuncia oque a própria pessoa é,suas potencialidades, suasdeficiências; reflete apersonalidade, e isto temenorme influência noaprendizado do outro.
  3. 3. • A rigor, quando estamos falando, o receptor está a nossa “disposição”, sob o nosso “controle”. O som vocal tem poderes inimagináveis: pode aproximar, mas também afastar; pode alegrar, mas também entristecer; pode afagar, mas também agredir...
  4. 4. A ORATÓRIA• A ORATÓRIA é a arte de proferir discursos. Parece simples, mas não é. As atividades humanas, as ciências e as artes mantêm relações recíprocas. Assim, a oratórias tem como auxiliares: a Filosofia, a Ética, a Psicologia, a História, a Antropologia, a Sociologia, a Fisiologia, a Linguística, a Fonética e o bom senso.
  5. 5. ALGUNSPor QUESTIONAMENTOS em que as pessoas falampúblico discursando tão mal?Por que, tendo tudo paraagradar, terminam por afastar aspessoas da idéia central? Porque para uns falar apresentamum problema e para outros umasatisfação? A oratória está emdesuso?
  6. 6. A oratória não está em desuso,o problema é questão técnica. 3 Princípios podem nos ajudar:1.preparar a estruturaintelectual do discurso;2.arquitetar a forma de falar ;3.conhecer as características de cada auditório e se informarsobre o tipo de público.
  7. 7. ORADOR REAL X ORADOR IDEAL CARACTERÍSTICA DO ORADOR REAL• Dono da verdade: fala como se detivesse o controle das situações. A história e o tempo são muito generosos, fornecendo elementos apenas para ele. Os demais nada entendem. Por isso fala... fala... e não agrada ninguém.• Arrogante: Impõe-se com soberba e insolência, como quem se presume o mais hábil, intelectual informado, elegante e controlador.
  8. 8. *Complicador: Sobrecarrega seudiscurso com excesso de assuntossem levar em consideração se opúblico vai ou não receber bem suasinformações. Para ele tanto faz, oque importa é emitir suas idéias...*Não planificador: Aquele tipoque fala “inspirado”. As idéiassurgem “na hora”, perde a forma ese afasta do essencial.
  9. 9. *Gritador: O tom da voz é sempre agudo, intenso, rápido, desrespeitando as mais elementares regras de comunicação.* *Desatualizado: Está sempre fazendo referências ao passado; nutre-se de informações tendenciosas, preconceituosas, de gosto duvidoso. Sua biblioteca não é variada e nem atualizada. Vive do passado, alheio ao presente e negando o futuro.
  10. 10. *Assim, são os oradores reais.Pode não parecer, mas vivemosentre eles. O que mais causasurpresa e pesar é a resistênciaque eles têm para mudar,atualizar e contextualizar. Porisso, estão e continuarãolimitados e empobrecidos dagraça do saber.
  11. 11. CARACTERÍSTICAS DO ORADOR IDEALInveste em si mesmo:consulta especialistas, lê bons livros, faz bons cursos, é um bom ouvinte. Está com os pés no presente e os olhos no futuro.Tem cuidado com a sua voz: Treina sempre a sua voz, atualiza-se, muda os tons e intensidade, o ritmo; Tem domínio sobre a voz e dificilmente tem problemas vocais, além de estar sempre bem disposto.
  12. 12. *Pesquisador: Sabe suprir todoscom informações seguras econtextualizadas; lê sobre tudo e retémo melhor para que seus lideradossejam privilegiados.*Informador: Procura ouvir seusliderados com freqüência; analisaantes o que vai fazer; sabe trabalharem equipe; entende que sozinho nãopode fazer nada. Por isso, mantém umfluxo de informações.
  13. 13. Assim são o orador real e o ideal.Seria interessante fazer uma auto-avaliação sobre o comportamentoem oratória: A ARTE DE FALAR E DEESCUTAR EM BÚBLICO. Estamos naera da Informática, da comunicaçãodigital, dos crescimentos pessoal einterpessoal. É salutar cadamudança que gera maturidade eeficácia nos relacionamentoshumanos e na comunicação.
  14. 14. SETE CAMINHOS PARA UMACOMUNICAÇÃO EFICAZ
  15. 15. ObjetivosApresentar sete caminhos para umacomunicação eficaz Promover a auto- análise e a sensibilização para uma comunicação clara, objetiva e segura.
  16. 16. 7 Caminhos para uma Comunicação Eficaz 7 Caminhos para uma Comunicação Eficaz1. Comunicação humana e Autoconhecimento2. Conhecimento das Barreiras3. Plano de Ação4. Aplicação das Técnicas de Comunicação5. A Assertividade6. A Arte de escutar7. Celebrar as conquistas e buscar novos desafios
  17. 17. 1 - Comunicação humana e autoconhecimento Comunicação Eficaz: a arte da interação e do encontro. A arte de tornar comum uma mensagem Símbolo de poder e
  18. 18.  Somos do tamanho da comunicação que conseguimos estabelecer no meio em que atuamos Tercoragem de comunicar-se é estar disponível para o contato socialA conversa é a cola que une o relacionamento FALAR É FALAR-SE
  19. 19. IMAGEMDefinição:• Imagem é a impressão que as pessoas tem de você• O importante é que sua imagem seja um reflexo do que você é• A imagem deve ser uma expressão genuína de você mesmo, mas essa expressão deve ser adequada à situação, ao ambiente ou à cultura em que você está inserido.
  20. 20. A Imagem é uma combinação de 3percepções - Como eu me vejo - Como os outros me vêem - Qual a imagem que eu gostaria de transmitir?
  21. 21. 1 - Comunicação Humana e AutoconhecimentoFontes de Informações Expressões Faciais Tom de Voz Vocabulário Gestos Trajes
  22. 22. 2 - Barreiras nas comunicações Escolha Dificuldade Excesso de Egocentrism Preconceitos Timidez Status inadequada: de expressão intermediários o receptor;   momento, local e meio.  Egocentrismo  Preconceitos Timidez  Status Dificuldade de expressão Excesso de intermediários
  23. 23. 3 - Plano de Ação  Identificar as necessidades.  Criar objetivos para superação dos obstáculos.  Determinar o tempo para con- quistar os objetivos propostos.  Planejar estratégias facilitadoras.  Avaliar os resultados.
  24. 24. 4 – Aplicação do recurso V.I.P.V – VONTADEI – INFORMAÇÃOP – PRÁTICA
  25. 25. 4 – Aplicação do recursoV.I.P .V – VONTADEDe:. Planejar. Apresentar. Avaliar a mensagem
  26. 26. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. I - INFORMAÇÃOTodos os conhecimentos necessáriospara uma mensagem eficaz: • público-alvo • conteúdo • técnicas de comunicação verbal e não-verbal • técnicas de controle da emoção
  27. 27. 4 – Aplicação do recursoV.I.P. P - PRÁTICA:• a aplicação dos conhecimentos• o treino das habilidades de comunicação verbal e não-verbal• a percepção do outro• a coragem para a auto-análise
  28. 28. 4 – Aplicação do recurso V.I.P.Na comunicação verbal EVITE Pronunciar mal as palavras; falar muito baixo ou muito alto; falar muito depressa ou muitodevagar; respirar mal; usar vícios de linguagem como “tá?”,“né?”, “ok”, “certo?”, “entendeu?”,“percebe?”, “é isso aí!”, “tipo assim”, “agente”, “acho que” e outros;
  29. 29. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. Na comunicação verbal EVITEfalar como robô, em tom monocórdio; cometer erros gramaticais; engolir esses e erres; falar com estridência; ser prolixo ou monossilábico; expressar-se sem objetividade e clareza;
  30. 30. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. Na comunicação verbal EVITE usar termos técnicos para público leigo; contar piadas e usar chavões; usar argumentos inconsistentes; perder-se em detalhes;
  31. 31. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. Na comunicação verbal EVITE baixar a voz no final das frases; não destacar as idéias principais; não aliar a técnica à naturalidade na comunicação.
  32. 32. 4 – Aplicação do recurso V.I.P.Na comunicação não-verbal EVITE gestos que conotem nervosismo e inibição; ajeitar a gravata; manusear chaveiro, caneta; ajeitar o cabelo ou os óculos; coçar-se, pigarrear ou bocejar; apoiar-se ora numa perna ora em outra; fixar os olhos no chão, no teto ou numa só pessoa da platéia.
  33. 33. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. Na comunicação não-verbal EVITE olhar através das pessoas; ficar parado como estátua ou com as pernas abertas; movimentar as mãos excessivamente; estufar o peito ou cruzar os braços; mascar ou roer unhas;
  34. 34. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. Na comunicação não-verbal EVITE esfregar as mãos ansiosamente; pôr as mãos nos bolsos; olhar para o vazio; pôr as mãos na cintura;
  35. 35. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. Na comunicação interpessoal EVITE usar a comunicação como forma de poder; esquecer o valor da empatia; ser irônico e sarcástico; apresentar-se sem estar preparado;
  36. 36. 4 – Aplicação do recursoV.I.P. Na comunicação interpessoal EVITE chegar atrasado; ter gestos, atos e palavras incoerentes; ser inflexível; não saber administrar conflitos interpessoais;
  37. 37. 4 – Aplicação do recurso V.I.P. Na comunicação interpessoal EVITEfalar do que nãoconhece;
  38. 38. 5º Caminho - A AssertividadeDefinição: o termo assertividade origina-se de asserção, fazer asserção quer dizer afirmar,do latim afirmare, tornar firme,consolidar,confirmar e declarar com firmeza. Assertividade é o ingrediente dos relacionamentos saudáveis.
  39. 39. 6o Caminho – A arte de escutarCuriosidades:– Ouvimos 4 ou 5 vezes mais depressa do que falamos– Falamos em média 90 a 120 palavras por minuto– 80% do nosso tempo gastamos em comunicação:  Lendo 4%  Escrevendo 11%  Falando 22%  Ouvindo 63%
  40. 40. 6o Caminho – A arte de escutarNós:• Nem sempre escutamos o que outro fala;• Ouvimos o que o outro não está dizendo;• Ouvimos o que queremos ouvir;• Ouvimos o que já imaginávamos o que o outro iria falar;• Ouvimos apenas o necessário para responder;• Ouvimos só o que não queremos ouvir ou...• Simplesmente não escutamos!
  41. 41. 6o Caminho – A arte de escutarPara ouvir bem:*Tenha em mente o porquê ouvir;• Procure concentrar-se em quem fala;• Evite interferências ou interrupções;• Procure o sentido e a verdadeira intenção de quem fala;• Aguarde para responder;• Responda o que representa para você o objetivo principal da conversa.
  42. 42. 7º CaminhoCelebrar asconquistas e buscarnovos desafios
  43. 43. EXERCÍCIOS PARA MELHORAR A DICÇÃO 1. Num ninho de mafagafos tem cinco mafagafinhos. Tem também magafaços, maçagafas, maçagafinhos, mafafagos, magaçafas, maçafagas, magafinhos, magafafos e magafagafinhos. 2. Tenho um pé de cafanguito. Quem o descafanguitar; bom descafanguitador será. Como eu descafanguitei, bom descafanguitador serei. 3. Bagre branco, branco bagre, bagre branco, branco bagre. (Repita 5 vezes). 4. A frota de frágeis fragatas, fretada por um franco frustrado, enfreado de frio, naufragou na refrega, por frêmitos flecheiros africanos.
  44. 44. EXERCÍCIOS PARA MELHORAR A DICÇÃO 5. O desinquivincavacador das caravelarias desinquivincavacaria as cavidades, que deveriam ser desinquivincavacadas. 6. Perlustrando patética petição produzida pela postulante, prevemos possibilidade para pervencê-la, porquanto parecem pressupostos primários permissíveis, para propugnar pelo presente pleito, pois prejulgamos pugna pretérita perfeitíssima.
  45. 45. EXERCÍCIOS PARA MELHORAR A DICÇÃO 7. Vem o vento Ruth Salles Vem o vento, e o verde vale vibra. Voa a vela ao vento vindo. Verde vespa vara o vento, vence o vento e vai! Velhas vozes vivas vêm Varrem vale e vila! Vidros vibram! Vento verga varas verdes. - Vira a vista e vê!

×