SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
FEC - FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO

Arquitetura, Tecnologia e Cidade
AQ084A - Projeto e Construção Sustentável
Profa. Dra. Vanessa Gomes da Silva,
Aluna: Míriam Morata Novaes – PE 120396
Sistema de Avaliação e Certificação de Habitação de Interesse Social
Resumo
A proposta deste trabalho é utilizar alguns critérios comuns aos 3 Sistemas de Avaliação –
LEED FOR HOME, AQUA e SELO CASA AZUL DA CAIXAe introduzir os critérios de
responsabilidade social, baixo custo e desenvolvimento econômico focando exclusivamente a
construção de uma casa popular com área aproximada de 50.00m2, para zona rural ou urbana,
público alvo é população que ganha de zero a 3 salários mínimos e o custo final da obra não
deve exceder o valor de 10 salários mínimos.
Os sistemas de avaliação surgem como uma resposta às crescentes questões
ambientais,através da criação de critérios, abordagens e guias para a melhoria do desempenho
ambiental da edificação; entre os principais desafios estão amelhoriada qualidade e
durabilidade do ambiente construído; redução e otimização do consumo de materiais, água e
energia;redução de resíduos gerados; melhoria da infraestrutura e serviços sanitários;
preservação do ambiente natural.
Embora os sistemas de avaliação tenham por objetivo possibilitar a integração entre a
preocupação ambiental e os critérios tradicionais da obra e abordem essa tarefa com diferentes
perspectivas, alguns elementos são comuns a todos e sugerem soluções e desafios que não
levam em conta o custo financeiro da obra e de todos os processos que envolvem o ciclo de
vida da edificação.
Na área da Habitação de Interesse Social, toda abordagem sustentável deve ter caráter
interdisciplinar e, portanto, levar em conta, alémde todos os critérios utilizados para outras
camadas da população, a abordagem, interação e pós intervenção, para que a cultura da
sustentabilidade em todos os seus aspectos, econômico, social e ambiental, seja incorporada
ao universo da comunidade.
Tags: casa popular sustentável, autoconstrução, construção baixo custo, sistemas de avaliação,
habitação de interesse social.

Abstract
The purpose of this work is to use some common criteria evaluation systems 3 – LEED FOR
HOME, AQUA and BLUE HOUSE SEAL the BOX and enter the criteria of social
responsibility, low cost and economic development focusing exclusively on building a House
popular with area of approximately 50.00 m2, rural or urban, target audience is people who
win from zero to 3 minimum wages and the final cost of the work shall not exceed the value
of 10 salaries minimal.
Evaluation systems arise as a response to growing environmental issues through the creation
of criteria, approaches and guidelines for improving the environmental performance of the
building; among the main challenges are improving the quality and durability of the built
environment; reduction and optimization of consumption of materials, water and energy;
reduction of waste generated; improvement of infrastructure and health services; preservation
of the natural environment.
Although the evaluation systems have as their objective to enable integration between the
environmental concern and the traditional criteria of the work and approach this task with
2
different perspectives, some elements are common to all and suggest solutions and challenges
that do not take into account the financial cost of the work and of all processes that involve
the life cycle of the building.
In the area of Social interest housing, sustainable approach should have interdisciplinary
character and, therefore, take into account, in addition to all the criteria used for other layers
of the population, the approach, interaction and post intervention, so that the culture of
sustainability in all its aspects, economic, social and environmental, is incorporated into the
universe of the community.
Tags:popular house sustainable, self-construction, low-cost construction rating systems, social
interest housing.

Objetivo
Apresentar diretrizes para que a população de baixa renda possa ter acesso a habitação de
qualidade e desenvolver práticas sustentáveis, para a construção e uso dessa casa nas
comunidades a que pertencem.

Introdução
A produção de habitações sustentáveis de baixo custo representa um desafio para o Estado,
pesquisadores, construtores e a sociedade contemporânea. O desafio maior não é apenas a
preservação dos recursos ambientais e do meio ambiente, mas, principalmente, de assegurar
acesso à moradia para as famílias de baixa renda, com tecnologias construtivas sustentáveis e
condições de vida digna a uma população que chega a aproximadamente 6 milhões de
famílias.
“De acordo com o 4º Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos do
Milênio, em 2008, o déficit habitacional estimado era de 5,8 milhões de
domicílios, dos quais 82,2% estavam localizados em áreas urbanas. Sendo que,
89,2% do déficit habitacional incidindo sobre a população com renda média
familiar mensal até três salários mínimos.”
(Fonte: Ministério das Cidades/Secretaria Nacional de Habitação; elaborado pela Fundação
João Pinheiro, com base nos microdados da PNAD/IBGE 2008.)

A relevância desse tema também pode ser atribuída alguns fatores como, crescimento
populacional; crescimento desordenado das cidades, nos grandes centros urbanos;falta de
capitalização e de acesso ao crédito para financiamento habitacional - dentre os brasileiros
diretamente afetados pelo déficit habitacional, estima-se que 97,2% não têm acesso a crédito
imobiliário.
“De acordo com o Relatório, durante 99,9% da história da humanidade fomos
menos de 10 milhões de pessoas habitando o planeta; só muito recentemente
chegamos aos 7 bilhões de pessoas, a tendência da população mundial está
sendo dobrar a cada 35 anos aproximadamente.”(RELATÓRIO, 2011)
3
Diante de uma realidade repleta de carências (moradias populares, mão de obra capacitada
para a construção civil, políticas eficazes para gestão de resíduos da construção, tecnologia
limpa e materiais sustentáveis de baixo custo, acessíveis às camadas miseráveis da população,
etc.) e excessos (lixo, desperdício de energia e água, impactos ambientais, degradação do
meio ambiente, emissão de CO2, etc.) a ênfase de pesquisa de Habitação de Interesse Social
Sustentável deve priorizar um desenvolvimento que atenda às necessidades básicas, uma vez
que as interações sociais em uma comunidade afetam as esferas econômicas e ambientais.

“(...) tempo que o crescimento da riqueza costuma estar associado à depleção
dos recursos ambientais, a pobreza extrema pode acarretar uma situação em
que não resta às pessoas nenhuma outra opção a não ser a devastação de seu
próprio ambiente – de modo que a erradicação sustentável da pobreza depende
da provisão aos pobres de acesso a recursos naturais adequados e a um
ambiente saudável.”
(A Estratégia de Desenvolvimento Sustentável do Governo Britânico- 2005)
Os dois sistemas mais utilizados no Brasil são o LEED realizado pelo Green Council do
Brasil e o AQUA (Alta Qualidade Ambiental) lançado em 2007, desenvolvido pela Fundação
Vanzolini, em parceria com a POLI-USP e consiste em uma adaptação técnica para o Brasil
da do modelo francês HQE, ferramenta de avaliação de critérios em sustentabilidade em
edifícios utilizada em países da Europa desde 2002.
Ambos os sistemas LEED e Processo AQUA tem preocupações, como a geração de resíduos,
preservação dos recursos naturais energia e água, redução da emissão de gases, interação com
o entorno e conforto do usuário.Como são Sistemas de Certificação, ambos estão voltados
para atender às expectativas do incorporador e do corpo técnico, relacionados ao processo
construtivo. O consumidor final fica à margem desse processo anterior e posterior ao uso.
A certificação agrega valor ao produto, mas não alimenta a cultura da sustentabilidade.
“O coordenador executivo do Processo AQUA na Fundação Vanzolini, Prof.
Manuel Carlos Reis Martins, explica que com um lar certificado como
sustentável, o comprador sabe que terá uma habitação mais saudável e
confortável, com valorização patrimonial, além de menores custos no consumo
de água, energia e conservação.”
O Selo Casa Azul Caixa (JOHN; PRADO, 2010) foi constituído em 2010pela Caixa
Econômica Federal - principal agente de programas de financiamento da casa própria no país
- destacando a prioridade para habitações de interesse social, como meio de incentivar
edificações habitacionais de bom desempenho e a redução de impactos ambientais
relacionados à sua construção, por meio da concessão de financiamentos em condições
especiais para empreendimentos que obtivessem o Selo.

“O Selo Casa Azul, pretende incentivar o uso racional de recursos naturais na
construção de empreendimentos habitacionais, reduzir o custo de manutenção
dos edifícios e as despesas mensais de seus usuários, bem como promover a
4
conscientização de empreendedores e moradores sobre as vantagens das
construções sustentáveis.”
O Selo Casa Azul prioriza as categorias Projeto e Conforto, Conservação de Recursos
Materiais e Práticas Sociais, enquanto o LEED concentra praticamente metade dos pontos em
duas categorias: Energia e Atmosfera e Qualidade Ambiental Interna, ambas análogas à
categoria simplificada “Eficiência Energética”.
A certificação AQUA prevê a criação da estratégia ambiental global do empreendimento, a
partir da preservação dos recursos, redução da poluição e da geração de resíduos, gestão dos
recursos naturais durante a operação (água e energia), gestão patrimonial (durabilidade,
adaptabilidade, conservação, manutenção, custos de uso e operação), conforto (dos usuários,
da vizinhança, dos operários de obra), saúde (dos usuários, da vizinhança, dos funcionários de
obra).
Ainda que as avaliações ambientais sejam, cada vez mais importantes nos indicadores de
qualidade dos projetos arquitetônicos e urbanísticos, a revisão dos Sistemas LEED e AQUA
revelou que não são adequados para o objetivo deste trabalho. O Selo Casa Azul mostrou-se
mais adequado, mas ainda não cobre determinados aspectos, principalmente nas fases de
planejamento e pós-ocupação. Levando em conta a ênfase social e o público alvo objeto deste
trabalho, faz-se necessário introduzir alguns critérios anteriores à escolha do sitio e projeto.

Metodologia
Revisão de literatura e análise de trabalhos de campo junto a comunidades carentes.

Planejamento
Estudo de caso
A fase de planejamento da ação na comunidade é fundamental para a continuidade do projeto.
Essa conclusão é resultado de suas abordagens feitas pela ONG RECRIAR em uma favela na
Vila Rosina em Caieiras e em uma família moradora de área rural em Mairiporã.
No primeiro caso, entramos na comunidade através de um politico, que já conhecia a família e
solicitou que demolíssemos o barraco e construíssemos uma casa sustentável,junto com a
família e os moradores da comunidade. O material utilizado seria bloco de solocimento, e o
sistema construtivo seria através de mutirão.
Não foi feita nenhuma abordagem antes da intervenção, portanto não conhecíamos os
moradores da comunidade e suas expectativas e necessidades. Não houve nenhum
levantamento da área, para conhecermos o sitio onde estava implantada a comunidade. O
resultado foi uma série de problemas quanto ao relacionamento com os “lideres” da
comunidade, que se sentiram invadidos e desrespeitados; a construção e o sistema construtivo
proposto foram inviabilizados depois da demolição, pois descobrimos que todos os barracos
foram construídos em cima de um aterro sanitário.

5
A segunda experiência “desastrosa” no que se refere à Categoria Planejamento de Intervenção
foi com uma família em uma área rural da cidade de Mairiporã. A família foi apresentada por
um membro do Conselho Tutelar da cidade. A família era grande, com 5 filhos e o casal,
incluindo bebê e o barraco não tinha nenhuma condição de habitabilidade.
O material utilizado era Superadobe e o sistema construtivo autoconstrução. Para esse projeto
convidamos um grupo de internos de uma Casa de recuperação de dependentes químicos. A
técnica foi rapidamente aprendida, todos se mobilizaram para captar os materiais. No entanto,
depois de alguns meses de trabalho fomos informados que a família havia invadido o local um
ano antes da nossa visita e já negociava a venda da casa, além de possuírem outros imóveis
alugados. Saímos do local por medo de ameaças por parte “lideranças” da região.
Diante dessas duas experiências, acredito na importância da fase de Planejamento como
fundamental para o sucesso de um programa para construção de casas populares sustentáveis,
para população de baixa renda.

Princípios que norteiam diretrizes de uma edificação sustentável
O primeiro passo é encontrar um local para as reuniões e a implantação do projeto, esse local
pode ser o salão da Igreja, uma área já utilizada como clube ou espaço para reunião, o ideal é
que não seja a casa de nenhum morador, pois isso poderá acarretar alguns problemas como
limitação dos membros dos grupos por problemas pessoais com o morador.
Categoria 1 –Planejamento da Intervenção
1. Contato com a Comunidade
1.1. Identificação dos líderes
Objetivo – Conhecer as pessoas que representam a comunidade, seja no campo
religioso, comercial, politico, relações, saúde, lazer. Fazer levantamento das
expectativas, desafios, necessidade, limitações e obstáculos ao trabalho a ser
desenvolvido.
Requisito – Pessoas que tenham interesse no desenvolvimento da comunidade, através
da educação, trabalho e ética.
A partir do contato com esses lideres, haverá a possibilidade da criação de grupos de
moradores, que tenham afinidade com essas lideranças.
Cuidado – A proposta da aproximação é basicamente criar grupos de trabalho e não
construir hierarquias no poder.
1.2. Criação de grupos de moradores para mão de obra e articuladores
Objetivo –A partir das expectativas, necessidade e desafios buscar pessoas que tenham
“talentos” e interesses semelhantes, para organizar grupos de trabalho – administração
do projeto, produção e relações internas, mão de obra para construção e confecção de
componentes; tecnologia e marketing; saneamento; gestão de resíduos e reciclagem;
educação e capacitação.
Requisito – Todo grupo deve ter um líder que será responsável pela documentação de
todas as reuniões e atividades. Esses líderes farão reuniões mensais para avaliação e
sugestões para continuidade do trabalho ou criação de novas abordagens e logística.
Cuidado – Acompanhamento dos trabalhos e da interação constante com a
comunidade de um modo geral e órgãos competentes.
6
1.3. Inventário físico do local – documentação, materiais, carências, potencialidades
Objetivo – Conhecer a documentação do local e buscar diálogo com Prefeitura e
CETESB para saber se a área faz parte de área de risco, é área privada, ou existem
fatores que inviabilizem a continuidade e melhoramento do condomínio. Caso não
exista nenhum interdito, buscar junto aos órgãos competentes a legalização do local ou
a proposta de uma nova área para aquela comunidade.
Requisito – O grupo deve ser orientado por uma equipe jurídica.
Cuidado – Toda resolução deverá ser documentada e não será aceito nenhum
compromisso ou “troca de favores” para manutenção da área, se esta apresentar risco.
1.4. Levantamento das expectativas, potencialidades e necessidades da comunidade
Objetivo – Através desse levantamento será definido o projeto, materiais que serão
utilizados, sistema construtivo, criação das oficinas e produção de componentes e
tecnologias, abordagem com os órgão públicos, escolas e moradores em geral.
Requisito – Os lideres devem fazer o levantamento com o maior número possível de
moradores, documentar e criar dinâmicas de grupo para estabelecer prioridades e
estratégias de trabalho.
Cuidado – Atender a expectativas e necessidades do maior número de pessoas,
evitando privilégios e negociações que atendam à interesse de pessoas ou grupos que
não façam parte da comunidade.
Depois dessa etapa, os grupos podem se organizar e iniciar os trabalhos:
2. Seleção de Grupos de moradores
2.1.Capacitação
Objetivo–Oferecer noções básicas de reciclagem de sustentabilidade e educação
ambiental, resíduos da construção para confecção dos materiais e tecnologias
desenvolvidas, horta e jardim; sistemas construtivos utilizando diversas técnicas e
materiais sustentáveis (locais, recicláveis e reciclados), banheiro seco, energia limpa e
captação e reuso de água. A partir desse primeiro contato com a sustentabilidade, os
grupos poderão se dividir em subgrupos de acordo com os interesses e aptidões de
cada um.
Requisitos – O material didático devera ser disponibilizado para todos os moradores
que se interessarem; todas as etapas serão avaliadas através de oficinas.
Cuidado – Não focar em teoria e abordagens que não tenham nenhuma relação com o
cotidiano da comunidade, para que o curso e a proposta não esvaziem.
2.2.Oficinas
Objetivo – Aprofundar os temas do Curso de capacitação, para os novos grupos que se
formaram a partir de interesses e aptidões comuns. Os lideres devem iniciar
negociações com parcerias para captação dos materiais e maquinário que serão
utilizados nas oficinas.
Requisitos – Todo material ou componente produzido nas oficinas deve atender às
Normas de segurança e qualidade. Todo processo deverá se documentado para
continuidade em futuros projetos.
Cuidados –O controle de qualidade deverá ser rigoroso e adequado às Normas
Brasileiras.
2.3. Inclusão Social
Objetivo –Possibilitar aos grupos que sejam reintegrados ao mercado de trabalho, seja
da construção civil, ou produção de componentes e equipamentos.

7
Requisitos – Os grupos deverão trazer para a comunidade os resultados do projeto,
tanto como mão de obra, quanto como multiplicadores do curso de capacitação ou
instrutores de oficinas e produção.
Cuidados – Dar continuidade ao processo de aprendizagem através de atualização
permanente, em cursos e oficinas oferecidas fora da comunidade.
2.4. Busca de parcerias
Objetivo –Buscar nas áreas próximas á comunidade, empresas, escolas, órgão de apoio
a empreendedorismo, mídia local, etc. parcerias para apoiar, divulgar e aperfeiçoar os
resultados do projeto e ampliar o raio de atuação.
Requisitos – Pessoas que tenham compromisso e identificação com o projeto e os
moradores da comunidade.
Cuidados – Fazer parcerias visando unicamente o beneficio da comunidade como um
todo e não interesses pessoais.
2.5. Interdisciplinaridade
Objetivo –É fundamental que todos os grupos e todas as etapas tenham coordenadores
com formação em diversas áreas como Direito, Psicologia, Ciências Sociais,
Arquitetura, Administração, Engenharia, TI, Meio Ambiente, Educadores, Artesãos,
etc. para garantir a qualidade das abordagens e desenvolvimento dos trabalhos.
Requisitos – Todos os profissionais deverão ter qualificação e envolvimento com a
causa e o grupo de moradores da comunidade.
Cuidados –Não permitir que a teoria seja desvinculada da prática e documentar todas
as ações e propostas.
2.6. Produção de materiais e tecnologias
Objetivo – A partir do levantamento dos materiais existentes na região e dos interesses
dos grupos de capacitação, buscar profissionais para orientar a produção e qualidade
de componentes e tecnologia, bem como a comercialização dos mesmos para investir
na própria comunidade.
Requisitos – Todos os materiais deverão estar de acordo com as Normas de qualidade
e segurança brasileiras. Os produtos serão avaliados por profissionais de cada área.O
grupo não poderá utilizar o trabalho infantil em suas atividades.
Cuidados –Fazer ensaios para certificar a qualidade de todo material produzido.
2.7. Gestão de resíduos e reciclagem
Objetivo – Criar um espaço para cooperativa de reciclagem de materiais descartados
na comunidade. Buscar parcerias com órgãos que administram, capacitam e legalizam
cooperativas de reciclagem. Criar grupos de conscientização dos moradores para
distribuir cartilhas que ensinam compostagem, reciclagem, reutilização, etc. Organizar
mutirões de limpeza de bueiros e terrenos e buscar parceria com a Prefeitura para
recolher material coletado. Buscar apoio de entidades públicas de controle de pragas
como ratos, baratas, etc.
Requisitos – O grupo de Gestão não poderá utilizar o trabalho infantil em suas
atividades.
Cuidados - Pessoas que trabalhem nessa área deverão utilizar Equipamentos de
proteção para manuseio dos materiais.
2.8.Paisagismo e Horta
Objetivo – Criar espaços para horta e jardins, plantação de árvores e floreiras
suspensas quando não houver espaço nas casas. Buscar parceria com a Secretaria do
Meio Ambiente e seus programas de implantação de projeto de hortas.
Requisitos – A produção será para uso da comunidade e a plantação e manutenção
poderá ser feita por todos os moradores, inclusive crianças e jovens.
8
Cuidados –Seguir orientação de profissionais, para não haver contaminação dos
alimentos.
2.10. Gestão Financeira
Objetivo – Organizar e administrar os recursos que serão necessários para a
implantação do Projeto, bem como os recursos gerados pelo comércio dos produtos
gerados pelo projeto, de modo que toda a comunidade seja beneficiada.
Requisitos – Pessoas com formação em administração e gestão financeira deverão
coordenar esse grupo e moradores serão responsáveis por apresentar contas e priorizar
a transparência e ética em todas as operações.
Cuidados – Documentar todas as operações através de contratos, notas fiscais e
relatórios.
Categoria 3.- Planejamento Sustentável da obra
As diretrizes desta categoria são comuns aos sistemas de avaliação de um modo geral.
3. Projeto que prevê:
3.1. Acessibilidade – Todos os espaços de passagem e banheiros permitem a movimentação
segura de idosos e cadeirantes.
3.2. Adequação Climática - Adequação ao local e ao clima, visando o combate à radiação
solar excessiva, à grande luminosidade e privilegiando a ventilação e iluminação natural.
3.3. Águas – Captação e utilização de água de chuva, redução do uso e tratamento de águas
residuárias, utilização de dispositivos economizadores de água, reuso de águas cinzas.
3.4. Energia –Redução do consumo de energia e desenvolvimento de tecnologias de baixo
custo, para utilização de energia solar e eólica, de acordo com a região.
3.5. Materiais e Tecnologias de Construção - Identificar os materiais locaisambientalmente
mais adequadosque reduzam o impacto gerado na sua produção e distribuição, emprego de
madeira e agregados com origem legalizada, geração e correta destinação de resíduos no
canteiro e reuso de materiais,desenvolver novos materiais e componentes - melhor integração
da avaliação do ciclo de vida (ACV); proporcionar a interação dos moradores da comunidade
e seus saberes com o processo construtivo.
3.6. Saneamento eficiente – Sobre esgoto, é interessante prevertratamento adequado de esgoto
no local e, quando possível, o uso de banheiro seco.Desenvolver fossa séptica mais eficiente
e, ao mesmo tempo, acessível às populações mais pobres.
3.7. Sistema construtivo - Adoção de sistemas de construção otimizados que possibilitem a
autoconstrução e a diminuição de perdas de material.
3.8. Paisagismo produtivo – Capacidade de aproveitar as características da flora e dos
recursos naturais disponíveis da região integrando o empreendimento ao seu entorno e
ajudando napreservação das espécies locais.Toda casa deverá ter uma horta ou jardim.

Categoria 4.- Pós uso
4.1. Educação ambiental dos moradores
9
Objetivo – Criar eventos e cursos permanentes para atualizar e propor novas abordagens para
a prática sustentável. Dar continuidade ao trabalho de educação ambiental iniciado na fase de
Planejamento – capacitação, para que os moradores incorporem a cultura da sustentabilidade
na sua rotina, valores e hábitos.
Requisitos – Envolver toda a comunidade e escolas das redondezas. Buscar parcerias entre
educadores, agentes de saúde e profissionais ligados à aárea.
Cuidados – Não deixar espaço de tempo longo, entre os eventos, para que novos hábitos e
valores sejam sedimentados.
4.2. Capacitação para gestão do empreendimento
Objetivo – Ampliar o grupo de Gestão Financeiracriado na fase de Implantação do Projeto e
introduzir mais membros da comunidade. Abrir espaço para parcerias com órgãos de apoio ao
trabalhador e jovens, através de cursos profissionalizantes para jovens, mulheres e
aposentados.
Requisitos – Todo curso deverá ser gratuito e aberto para toda comunidade.
Cuidados – Os coordenadores deste grupo deverão ter vivência com empresas e projetos
sociais.

Considerações Finais
O elemento que define a “escolha” de um tipo de edificação, para essa camada da população
não é o custo ambiental, mas o custo econômico final da edificação e como eles poderão arcar
com esse valor, portanto, a necessidade de redução da desigualdade social e econômica é tão
importante quanto o aspecto ambiental.
As categorias avaliadas nos Sistemas analisados incluem aspectos de projeto, construção e
manutenção pós-ocupação. No entanto, não podemos pensar em Desenvolvimento Sustentável
sem equidade social e, para tanto é urgente criar novos instrumentos de interação,
aproximação, trocas de saberes e fazeres com essa camada da população que sempre esteve à
margem das decisões e benefícios produzidos pela ciência e tecnologia.
Tentei desenvolver apenas as Categorias relacionadas ao processo de Planejamento é Pós uso,
as categorias relacionadas à Implantação, Projeto e Construção merecem um novo olhar,
desde a “escolha” do terreno, que tem como único critério de escolha - “área desocupada
temporariamente”, até a diretrizes de projeto que devem se adequar a uma realidade de
carência total, enquanto tenta manter a qualidade e a proposta de sustentabilidade.
Precisamos de um jeito novo para pensar Arquitetura e Construção Sustentável, para um
planeta rico em carências, miséria e explosão demográfica.

10
ReferênciasBibliográficas
A Estratégia de Desenvolvimento Sustentável do Governo Britânico - Apresentada ao
Parlamento pelo Secretário de Estado para o Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais
por ordem de Sua Majestade - Março de 2005 - Sumário em português
FCAV-FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI. Referencial técnico de certificação
“Edifícios habitacionais - Processo AQUA". v2. São Paulo: FCAV, 2013.
GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL – GBCB. Referencial GBC Brasil Casa. Planilha
de Pontuação do Projeto. Versão Piloto. São Paulo, 2012.
JOHN, Moacyr Vanderley (coordenador); PPRADO, Racine Tadeu Araújo (coordenador).
SELO CASA AZUL Boas Praticas para Habitação Mais Sustentável. São Paulo: Páginas &
Letras – Editora e Gráfica, 2010.
JOHN, VanderleyMoacyr (Coord.); PRADO, Racine TadeuAraújo (Coord.).Selo Casa Azul:
boas práticas para habitação mais sustentável. Prado . São Paulo: Páginas & Letras - Editora e
Gráfica, 2010.
MAGNANI, Juliana Mattos. Análise Comparativa do selo Casa Azul e do sistema de
certificação LEED FOR HOMES. ESPECIALIZAÇÂO/UFMG, 1ª ed. Belo Horizonte: 2011,
76 p.
Relatório sobre a Situação da População Mundial 2011 - produzido pela Divisão de
Informações e Relações Externas do UNFPA, o Fundo de População das Nações Unidas.
Vinicius Fares Leite - CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL –
SISTEMAS LEED E AQUA - Belo Horizonte - Escola de Engenharia da UFMG – 2011

11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009Larissa Pereira Mayer
 
Fundamentos pc brasil_e_book
Fundamentos pc brasil_e_bookFundamentos pc brasil_e_book
Fundamentos pc brasil_e_bookAlexandre Panerai
 
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica MatosConstrução Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica MatosCarla Angelo Santos
 
A casa do futuro tem horta
A casa do futuro tem hortaA casa do futuro tem horta
A casa do futuro tem horta2016arqmiriam
 
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidadeA relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidadeCeyrla Mendes
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveisMaster Ambiental
 
Sustentabilidade e Design de Interiores
Sustentabilidade e Design de InterioresSustentabilidade e Design de Interiores
Sustentabilidade e Design de InterioresNaianne Dias
 
Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel Uni Cid Agosto ...
Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel   Uni Cid   Agosto ...Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel   Uni Cid   Agosto ...
Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel Uni Cid Agosto ...Antonio Macêdo Filho
 
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimentoSustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimentoLinccon Carvalho
 

Mais procurados (20)

Artigo unicamp
Artigo unicampArtigo unicamp
Artigo unicamp
 
Projeto recriar liderança
Projeto recriar   liderançaProjeto recriar   liderança
Projeto recriar liderança
 
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
 
05 11 final
05 11 final05 11 final
05 11 final
 
Fundamentos pc brasil_e_book
Fundamentos pc brasil_e_bookFundamentos pc brasil_e_book
Fundamentos pc brasil_e_book
 
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica MatosConstrução Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
 
A casa do futuro tem horta
A casa do futuro tem hortaA casa do futuro tem horta
A casa do futuro tem horta
 
Projeto recriar fec unicamp
Projeto recriar   fec unicampProjeto recriar   fec unicamp
Projeto recriar fec unicamp
 
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidadeA relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveis
 
Ecodesign
EcodesignEcodesign
Ecodesign
 
Cap3
Cap3Cap3
Cap3
 
Sustentabilidade e Design de Interiores
Sustentabilidade e Design de InterioresSustentabilidade e Design de Interiores
Sustentabilidade e Design de Interiores
 
Projeto recriar apresentacao
Projeto recriar   apresentacaoProjeto recriar   apresentacao
Projeto recriar apresentacao
 
Projeto recriar bioconstrução
Projeto recriar   bioconstruçãoProjeto recriar   bioconstrução
Projeto recriar bioconstrução
 
Arquitetura Sustentável
Arquitetura SustentávelArquitetura Sustentável
Arquitetura Sustentável
 
Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel Uni Cid Agosto ...
Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel   Uni Cid   Agosto ...Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel   Uni Cid   Agosto ...
Aula Magna Arquitetura Para O Desenvolvimento SustentáVel Uni Cid Agosto ...
 
Sustentabilidade 2 E
Sustentabilidade 2 ESustentabilidade 2 E
Sustentabilidade 2 E
 
Inovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidadeInovação e sustentabilidade
Inovação e sustentabilidade
 
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimentoSustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
Sustentabilidade ambiental, social e perspectiva para o desenvolvimento
 

Destaque (20)

Fogão a Lenha
Fogão a LenhaFogão a Lenha
Fogão a Lenha
 
Manual superadobe
Manual superadobeManual superadobe
Manual superadobe
 
Janelas e arcos - Moldes
Janelas e arcos - Moldes Janelas e arcos - Moldes
Janelas e arcos - Moldes
 
Rebocos
RebocosRebocos
Rebocos
 
Habitacao social
Habitacao socialHabitacao social
Habitacao social
 
His sustentavel sattler
His sustentavel sattlerHis sustentavel sattler
His sustentavel sattler
 
CURSO DE BIOCONSTRUÇÃO
CURSO DE BIOCONSTRUÇÃOCURSO DE BIOCONSTRUÇÃO
CURSO DE BIOCONSTRUÇÃO
 
Como construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipaComo construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipa
 
Cartilha PNUD
Cartilha PNUDCartilha PNUD
Cartilha PNUD
 
Homes apres.
Homes apres.Homes apres.
Homes apres.
 
Pasar Saham - 17 Volume
Pasar Saham - 17 VolumePasar Saham - 17 Volume
Pasar Saham - 17 Volume
 
Praia limpa, lixo no lixo
Praia limpa, lixo no lixoPraia limpa, lixo no lixo
Praia limpa, lixo no lixo
 
Novos Postos de salvamento
Novos Postos de salvamentoNovos Postos de salvamento
Novos Postos de salvamento
 
Boletim informativo de Guarujá - Dezembro de 2009
Boletim informativo de Guarujá - Dezembro de 2009Boletim informativo de Guarujá - Dezembro de 2009
Boletim informativo de Guarujá - Dezembro de 2009
 
Oficina 2 (16/03/2012) - PLHIS/UFABC
Oficina 2  (16/03/2012) - PLHIS/UFABCOficina 2  (16/03/2012) - PLHIS/UFABC
Oficina 2 (16/03/2012) - PLHIS/UFABC
 
Cdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologiasCdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologias
 
Projeto Órla Fortaleza
Projeto Órla FortalezaProjeto Órla Fortaleza
Projeto Órla Fortaleza
 
Permacultura fundamentos
Permacultura fundamentosPermacultura fundamentos
Permacultura fundamentos
 
Oficina PLHIS Cordeiros
Oficina PLHIS CordeirosOficina PLHIS Cordeiros
Oficina PLHIS Cordeiros
 
Forum joao whitaker
Forum joao whitakerForum joao whitaker
Forum joao whitaker
 

Semelhante a Casa Popular Sustentável

Selo casa azul construção sustentável
Selo casa azul   construção sustentávelSelo casa azul   construção sustentável
Selo casa azul construção sustentávelThiago Eros de Almeida
 
AULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdfAULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdfClaudiaSiano
 
6 característica de um projeto habitacional ecoeficiente
6 característica de um projeto habitacional ecoeficiente6 característica de um projeto habitacional ecoeficiente
6 característica de um projeto habitacional ecoeficienteVictor Afonso
 
Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02Carlos Elson Cunha
 
Manual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas SustentáveisManual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas SustentáveisPref_SBC
 
Newton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientes
Newton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientesNewton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientes
Newton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientesCICI2011
 
Projetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentávelProjetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentávelJean Pires
 
Moderna construção sustentável
Moderna construção sustentávelModerna construção sustentável
Moderna construção sustentávelLiliane Almeida
 
responsabilidade social e meio ambiente
responsabilidade social e meio ambienteresponsabilidade social e meio ambiente
responsabilidade social e meio ambienterenatabofreire
 
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 21º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2Ana Genesy
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasTiago Machado, MBA
 
Af6 asbea sustentabilidade
Af6 asbea sustentabilidadeAf6 asbea sustentabilidade
Af6 asbea sustentabilidadeAna Claudia
 
Gestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administraçãoGestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administraçãoe-Tec
 
Gestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa CoelceGestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa CoelceOdilio Augusto
 

Semelhante a Casa Popular Sustentável (20)

Selo casa azul construção sustentável
Selo casa azul   construção sustentávelSelo casa azul   construção sustentável
Selo casa azul construção sustentável
 
AULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdfAULA 1- AUDITORIA.pdf
AULA 1- AUDITORIA.pdf
 
6 característica de um projeto habitacional ecoeficiente
6 característica de um projeto habitacional ecoeficiente6 característica de um projeto habitacional ecoeficiente
6 característica de um projeto habitacional ecoeficiente
 
3 6 engevista11
3 6 engevista113 6 engevista11
3 6 engevista11
 
Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02
 
Manual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas SustentáveisManual de Obras Públicas Sustentáveis
Manual de Obras Públicas Sustentáveis
 
Sessão técnica - 11 dezembro 2017
Sessão técnica - 11 dezembro 2017Sessão técnica - 11 dezembro 2017
Sessão técnica - 11 dezembro 2017
 
Newton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientes
Newton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientesNewton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientes
Newton Figueiredo_Cidades integradoras de energias renováveis e eficientes
 
Projetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentávelProjetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentável
 
Moderna construção sustentável
Moderna construção sustentávelModerna construção sustentável
Moderna construção sustentável
 
responsabilidade social e meio ambiente
responsabilidade social e meio ambienteresponsabilidade social e meio ambiente
responsabilidade social e meio ambiente
 
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 21º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
1º trabalho analise matriz swot empreendedorismo 2
 
Gestao sustentavel
Gestao sustentavelGestao sustentavel
Gestao sustentavel
 
Sustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obrasSustentabilidade no canteiro de obras
Sustentabilidade no canteiro de obras
 
Gonzalez Pesquisa
Gonzalez PesquisaGonzalez Pesquisa
Gonzalez Pesquisa
 
CONSTRUÇÃO SUSTENTAVEL
CONSTRUÇÃO SUSTENTAVELCONSTRUÇÃO SUSTENTAVEL
CONSTRUÇÃO SUSTENTAVEL
 
Amanda zago
Amanda zagoAmanda zago
Amanda zago
 
Af6 asbea sustentabilidade
Af6 asbea sustentabilidadeAf6 asbea sustentabilidade
Af6 asbea sustentabilidade
 
Gestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administraçãoGestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administração
 
Gestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa CoelceGestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
 

Mais de Míriam Morata Novaes

Permacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmoPermacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmoMíriam Morata Novaes
 
Relatório do Desenvolvimento Humano 2014
Relatório do Desenvolvimento Humano 2014Relatório do Desenvolvimento Humano 2014
Relatório do Desenvolvimento Humano 2014Míriam Morata Novaes
 
Pnuma panorama biodiversidade-global-4
Pnuma panorama biodiversidade-global-4Pnuma panorama biodiversidade-global-4
Pnuma panorama biodiversidade-global-4Míriam Morata Novaes
 
Manual de sobrevivencia para a crise
Manual de sobrevivencia para a criseManual de sobrevivencia para a crise
Manual de sobrevivencia para a criseMíriam Morata Novaes
 
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISONIntrodução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISONMíriam Morata Novaes
 
Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown
Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown
Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown Míriam Morata Novaes
 

Mais de Míriam Morata Novaes (20)

Manual de hortas verticais
Manual de hortas verticaisManual de hortas verticais
Manual de hortas verticais
 
Permacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmoPermacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmo
 
Estado do mundo_2015
Estado do mundo_2015Estado do mundo_2015
Estado do mundo_2015
 
Hortas urbanas
Hortas urbanasHortas urbanas
Hortas urbanas
 
De olho na_agua_guia_de_referencia
De olho na_agua_guia_de_referenciaDe olho na_agua_guia_de_referencia
De olho na_agua_guia_de_referencia
 
Telhados Verdes - Gernot Minke
Telhados Verdes - Gernot Minke Telhados Verdes - Gernot Minke
Telhados Verdes - Gernot Minke
 
Reboco Natural
Reboco NaturalReboco Natural
Reboco Natural
 
Como hacer hornos_de_barro
Como hacer hornos_de_barroComo hacer hornos_de_barro
Como hacer hornos_de_barro
 
Banheiroseco
BanheirosecoBanheiroseco
Banheiroseco
 
Governando para sustentabilidade
Governando para sustentabilidadeGovernando para sustentabilidade
Governando para sustentabilidade
 
Relatório do Desenvolvimento Humano 2014
Relatório do Desenvolvimento Humano 2014Relatório do Desenvolvimento Humano 2014
Relatório do Desenvolvimento Humano 2014
 
Pnuma panorama biodiversidade-global-4
Pnuma panorama biodiversidade-global-4Pnuma panorama biodiversidade-global-4
Pnuma panorama biodiversidade-global-4
 
Manual de Arborização
Manual de Arborização Manual de Arborização
Manual de Arborização
 
Manual de sobrevivencia para a crise
Manual de sobrevivencia para a criseManual de sobrevivencia para a crise
Manual de sobrevivencia para a crise
 
Guia de Compostagem Caseira
Guia de Compostagem CaseiraGuia de Compostagem Caseira
Guia de Compostagem Caseira
 
Horta em pequenos_espacos
Horta em pequenos_espacosHorta em pequenos_espacos
Horta em pequenos_espacos
 
05 11 final_capa
05 11 final_capa05 11 final_capa
05 11 final_capa
 
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISONIntrodução à Permacultura - BILL MOLLISON
Introdução à Permacultura - BILL MOLLISON
 
Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown
Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown
Plano B 4.0 – Mobilização Para Salvar a Civilização - Lester Brown
 
Manual Gernot Minke
Manual Gernot MinkeManual Gernot Minke
Manual Gernot Minke
 

Casa Popular Sustentável

  • 1. FEC - FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Arquitetura, Tecnologia e Cidade AQ084A - Projeto e Construção Sustentável Profa. Dra. Vanessa Gomes da Silva, Aluna: Míriam Morata Novaes – PE 120396
  • 2. Sistema de Avaliação e Certificação de Habitação de Interesse Social Resumo A proposta deste trabalho é utilizar alguns critérios comuns aos 3 Sistemas de Avaliação – LEED FOR HOME, AQUA e SELO CASA AZUL DA CAIXAe introduzir os critérios de responsabilidade social, baixo custo e desenvolvimento econômico focando exclusivamente a construção de uma casa popular com área aproximada de 50.00m2, para zona rural ou urbana, público alvo é população que ganha de zero a 3 salários mínimos e o custo final da obra não deve exceder o valor de 10 salários mínimos. Os sistemas de avaliação surgem como uma resposta às crescentes questões ambientais,através da criação de critérios, abordagens e guias para a melhoria do desempenho ambiental da edificação; entre os principais desafios estão amelhoriada qualidade e durabilidade do ambiente construído; redução e otimização do consumo de materiais, água e energia;redução de resíduos gerados; melhoria da infraestrutura e serviços sanitários; preservação do ambiente natural. Embora os sistemas de avaliação tenham por objetivo possibilitar a integração entre a preocupação ambiental e os critérios tradicionais da obra e abordem essa tarefa com diferentes perspectivas, alguns elementos são comuns a todos e sugerem soluções e desafios que não levam em conta o custo financeiro da obra e de todos os processos que envolvem o ciclo de vida da edificação. Na área da Habitação de Interesse Social, toda abordagem sustentável deve ter caráter interdisciplinar e, portanto, levar em conta, alémde todos os critérios utilizados para outras camadas da população, a abordagem, interação e pós intervenção, para que a cultura da sustentabilidade em todos os seus aspectos, econômico, social e ambiental, seja incorporada ao universo da comunidade. Tags: casa popular sustentável, autoconstrução, construção baixo custo, sistemas de avaliação, habitação de interesse social. Abstract The purpose of this work is to use some common criteria evaluation systems 3 – LEED FOR HOME, AQUA and BLUE HOUSE SEAL the BOX and enter the criteria of social responsibility, low cost and economic development focusing exclusively on building a House popular with area of approximately 50.00 m2, rural or urban, target audience is people who win from zero to 3 minimum wages and the final cost of the work shall not exceed the value of 10 salaries minimal. Evaluation systems arise as a response to growing environmental issues through the creation of criteria, approaches and guidelines for improving the environmental performance of the building; among the main challenges are improving the quality and durability of the built environment; reduction and optimization of consumption of materials, water and energy; reduction of waste generated; improvement of infrastructure and health services; preservation of the natural environment. Although the evaluation systems have as their objective to enable integration between the environmental concern and the traditional criteria of the work and approach this task with 2
  • 3. different perspectives, some elements are common to all and suggest solutions and challenges that do not take into account the financial cost of the work and of all processes that involve the life cycle of the building. In the area of Social interest housing, sustainable approach should have interdisciplinary character and, therefore, take into account, in addition to all the criteria used for other layers of the population, the approach, interaction and post intervention, so that the culture of sustainability in all its aspects, economic, social and environmental, is incorporated into the universe of the community. Tags:popular house sustainable, self-construction, low-cost construction rating systems, social interest housing. Objetivo Apresentar diretrizes para que a população de baixa renda possa ter acesso a habitação de qualidade e desenvolver práticas sustentáveis, para a construção e uso dessa casa nas comunidades a que pertencem. Introdução A produção de habitações sustentáveis de baixo custo representa um desafio para o Estado, pesquisadores, construtores e a sociedade contemporânea. O desafio maior não é apenas a preservação dos recursos ambientais e do meio ambiente, mas, principalmente, de assegurar acesso à moradia para as famílias de baixa renda, com tecnologias construtivas sustentáveis e condições de vida digna a uma população que chega a aproximadamente 6 milhões de famílias. “De acordo com o 4º Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos do Milênio, em 2008, o déficit habitacional estimado era de 5,8 milhões de domicílios, dos quais 82,2% estavam localizados em áreas urbanas. Sendo que, 89,2% do déficit habitacional incidindo sobre a população com renda média familiar mensal até três salários mínimos.” (Fonte: Ministério das Cidades/Secretaria Nacional de Habitação; elaborado pela Fundação João Pinheiro, com base nos microdados da PNAD/IBGE 2008.) A relevância desse tema também pode ser atribuída alguns fatores como, crescimento populacional; crescimento desordenado das cidades, nos grandes centros urbanos;falta de capitalização e de acesso ao crédito para financiamento habitacional - dentre os brasileiros diretamente afetados pelo déficit habitacional, estima-se que 97,2% não têm acesso a crédito imobiliário. “De acordo com o Relatório, durante 99,9% da história da humanidade fomos menos de 10 milhões de pessoas habitando o planeta; só muito recentemente chegamos aos 7 bilhões de pessoas, a tendência da população mundial está sendo dobrar a cada 35 anos aproximadamente.”(RELATÓRIO, 2011) 3
  • 4. Diante de uma realidade repleta de carências (moradias populares, mão de obra capacitada para a construção civil, políticas eficazes para gestão de resíduos da construção, tecnologia limpa e materiais sustentáveis de baixo custo, acessíveis às camadas miseráveis da população, etc.) e excessos (lixo, desperdício de energia e água, impactos ambientais, degradação do meio ambiente, emissão de CO2, etc.) a ênfase de pesquisa de Habitação de Interesse Social Sustentável deve priorizar um desenvolvimento que atenda às necessidades básicas, uma vez que as interações sociais em uma comunidade afetam as esferas econômicas e ambientais. “(...) tempo que o crescimento da riqueza costuma estar associado à depleção dos recursos ambientais, a pobreza extrema pode acarretar uma situação em que não resta às pessoas nenhuma outra opção a não ser a devastação de seu próprio ambiente – de modo que a erradicação sustentável da pobreza depende da provisão aos pobres de acesso a recursos naturais adequados e a um ambiente saudável.” (A Estratégia de Desenvolvimento Sustentável do Governo Britânico- 2005) Os dois sistemas mais utilizados no Brasil são o LEED realizado pelo Green Council do Brasil e o AQUA (Alta Qualidade Ambiental) lançado em 2007, desenvolvido pela Fundação Vanzolini, em parceria com a POLI-USP e consiste em uma adaptação técnica para o Brasil da do modelo francês HQE, ferramenta de avaliação de critérios em sustentabilidade em edifícios utilizada em países da Europa desde 2002. Ambos os sistemas LEED e Processo AQUA tem preocupações, como a geração de resíduos, preservação dos recursos naturais energia e água, redução da emissão de gases, interação com o entorno e conforto do usuário.Como são Sistemas de Certificação, ambos estão voltados para atender às expectativas do incorporador e do corpo técnico, relacionados ao processo construtivo. O consumidor final fica à margem desse processo anterior e posterior ao uso. A certificação agrega valor ao produto, mas não alimenta a cultura da sustentabilidade. “O coordenador executivo do Processo AQUA na Fundação Vanzolini, Prof. Manuel Carlos Reis Martins, explica que com um lar certificado como sustentável, o comprador sabe que terá uma habitação mais saudável e confortável, com valorização patrimonial, além de menores custos no consumo de água, energia e conservação.” O Selo Casa Azul Caixa (JOHN; PRADO, 2010) foi constituído em 2010pela Caixa Econômica Federal - principal agente de programas de financiamento da casa própria no país - destacando a prioridade para habitações de interesse social, como meio de incentivar edificações habitacionais de bom desempenho e a redução de impactos ambientais relacionados à sua construção, por meio da concessão de financiamentos em condições especiais para empreendimentos que obtivessem o Selo. “O Selo Casa Azul, pretende incentivar o uso racional de recursos naturais na construção de empreendimentos habitacionais, reduzir o custo de manutenção dos edifícios e as despesas mensais de seus usuários, bem como promover a 4
  • 5. conscientização de empreendedores e moradores sobre as vantagens das construções sustentáveis.” O Selo Casa Azul prioriza as categorias Projeto e Conforto, Conservação de Recursos Materiais e Práticas Sociais, enquanto o LEED concentra praticamente metade dos pontos em duas categorias: Energia e Atmosfera e Qualidade Ambiental Interna, ambas análogas à categoria simplificada “Eficiência Energética”. A certificação AQUA prevê a criação da estratégia ambiental global do empreendimento, a partir da preservação dos recursos, redução da poluição e da geração de resíduos, gestão dos recursos naturais durante a operação (água e energia), gestão patrimonial (durabilidade, adaptabilidade, conservação, manutenção, custos de uso e operação), conforto (dos usuários, da vizinhança, dos operários de obra), saúde (dos usuários, da vizinhança, dos funcionários de obra). Ainda que as avaliações ambientais sejam, cada vez mais importantes nos indicadores de qualidade dos projetos arquitetônicos e urbanísticos, a revisão dos Sistemas LEED e AQUA revelou que não são adequados para o objetivo deste trabalho. O Selo Casa Azul mostrou-se mais adequado, mas ainda não cobre determinados aspectos, principalmente nas fases de planejamento e pós-ocupação. Levando em conta a ênfase social e o público alvo objeto deste trabalho, faz-se necessário introduzir alguns critérios anteriores à escolha do sitio e projeto. Metodologia Revisão de literatura e análise de trabalhos de campo junto a comunidades carentes. Planejamento Estudo de caso A fase de planejamento da ação na comunidade é fundamental para a continuidade do projeto. Essa conclusão é resultado de suas abordagens feitas pela ONG RECRIAR em uma favela na Vila Rosina em Caieiras e em uma família moradora de área rural em Mairiporã. No primeiro caso, entramos na comunidade através de um politico, que já conhecia a família e solicitou que demolíssemos o barraco e construíssemos uma casa sustentável,junto com a família e os moradores da comunidade. O material utilizado seria bloco de solocimento, e o sistema construtivo seria através de mutirão. Não foi feita nenhuma abordagem antes da intervenção, portanto não conhecíamos os moradores da comunidade e suas expectativas e necessidades. Não houve nenhum levantamento da área, para conhecermos o sitio onde estava implantada a comunidade. O resultado foi uma série de problemas quanto ao relacionamento com os “lideres” da comunidade, que se sentiram invadidos e desrespeitados; a construção e o sistema construtivo proposto foram inviabilizados depois da demolição, pois descobrimos que todos os barracos foram construídos em cima de um aterro sanitário. 5
  • 6. A segunda experiência “desastrosa” no que se refere à Categoria Planejamento de Intervenção foi com uma família em uma área rural da cidade de Mairiporã. A família foi apresentada por um membro do Conselho Tutelar da cidade. A família era grande, com 5 filhos e o casal, incluindo bebê e o barraco não tinha nenhuma condição de habitabilidade. O material utilizado era Superadobe e o sistema construtivo autoconstrução. Para esse projeto convidamos um grupo de internos de uma Casa de recuperação de dependentes químicos. A técnica foi rapidamente aprendida, todos se mobilizaram para captar os materiais. No entanto, depois de alguns meses de trabalho fomos informados que a família havia invadido o local um ano antes da nossa visita e já negociava a venda da casa, além de possuírem outros imóveis alugados. Saímos do local por medo de ameaças por parte “lideranças” da região. Diante dessas duas experiências, acredito na importância da fase de Planejamento como fundamental para o sucesso de um programa para construção de casas populares sustentáveis, para população de baixa renda. Princípios que norteiam diretrizes de uma edificação sustentável O primeiro passo é encontrar um local para as reuniões e a implantação do projeto, esse local pode ser o salão da Igreja, uma área já utilizada como clube ou espaço para reunião, o ideal é que não seja a casa de nenhum morador, pois isso poderá acarretar alguns problemas como limitação dos membros dos grupos por problemas pessoais com o morador. Categoria 1 –Planejamento da Intervenção 1. Contato com a Comunidade 1.1. Identificação dos líderes Objetivo – Conhecer as pessoas que representam a comunidade, seja no campo religioso, comercial, politico, relações, saúde, lazer. Fazer levantamento das expectativas, desafios, necessidade, limitações e obstáculos ao trabalho a ser desenvolvido. Requisito – Pessoas que tenham interesse no desenvolvimento da comunidade, através da educação, trabalho e ética. A partir do contato com esses lideres, haverá a possibilidade da criação de grupos de moradores, que tenham afinidade com essas lideranças. Cuidado – A proposta da aproximação é basicamente criar grupos de trabalho e não construir hierarquias no poder. 1.2. Criação de grupos de moradores para mão de obra e articuladores Objetivo –A partir das expectativas, necessidade e desafios buscar pessoas que tenham “talentos” e interesses semelhantes, para organizar grupos de trabalho – administração do projeto, produção e relações internas, mão de obra para construção e confecção de componentes; tecnologia e marketing; saneamento; gestão de resíduos e reciclagem; educação e capacitação. Requisito – Todo grupo deve ter um líder que será responsável pela documentação de todas as reuniões e atividades. Esses líderes farão reuniões mensais para avaliação e sugestões para continuidade do trabalho ou criação de novas abordagens e logística. Cuidado – Acompanhamento dos trabalhos e da interação constante com a comunidade de um modo geral e órgãos competentes. 6
  • 7. 1.3. Inventário físico do local – documentação, materiais, carências, potencialidades Objetivo – Conhecer a documentação do local e buscar diálogo com Prefeitura e CETESB para saber se a área faz parte de área de risco, é área privada, ou existem fatores que inviabilizem a continuidade e melhoramento do condomínio. Caso não exista nenhum interdito, buscar junto aos órgãos competentes a legalização do local ou a proposta de uma nova área para aquela comunidade. Requisito – O grupo deve ser orientado por uma equipe jurídica. Cuidado – Toda resolução deverá ser documentada e não será aceito nenhum compromisso ou “troca de favores” para manutenção da área, se esta apresentar risco. 1.4. Levantamento das expectativas, potencialidades e necessidades da comunidade Objetivo – Através desse levantamento será definido o projeto, materiais que serão utilizados, sistema construtivo, criação das oficinas e produção de componentes e tecnologias, abordagem com os órgão públicos, escolas e moradores em geral. Requisito – Os lideres devem fazer o levantamento com o maior número possível de moradores, documentar e criar dinâmicas de grupo para estabelecer prioridades e estratégias de trabalho. Cuidado – Atender a expectativas e necessidades do maior número de pessoas, evitando privilégios e negociações que atendam à interesse de pessoas ou grupos que não façam parte da comunidade. Depois dessa etapa, os grupos podem se organizar e iniciar os trabalhos: 2. Seleção de Grupos de moradores 2.1.Capacitação Objetivo–Oferecer noções básicas de reciclagem de sustentabilidade e educação ambiental, resíduos da construção para confecção dos materiais e tecnologias desenvolvidas, horta e jardim; sistemas construtivos utilizando diversas técnicas e materiais sustentáveis (locais, recicláveis e reciclados), banheiro seco, energia limpa e captação e reuso de água. A partir desse primeiro contato com a sustentabilidade, os grupos poderão se dividir em subgrupos de acordo com os interesses e aptidões de cada um. Requisitos – O material didático devera ser disponibilizado para todos os moradores que se interessarem; todas as etapas serão avaliadas através de oficinas. Cuidado – Não focar em teoria e abordagens que não tenham nenhuma relação com o cotidiano da comunidade, para que o curso e a proposta não esvaziem. 2.2.Oficinas Objetivo – Aprofundar os temas do Curso de capacitação, para os novos grupos que se formaram a partir de interesses e aptidões comuns. Os lideres devem iniciar negociações com parcerias para captação dos materiais e maquinário que serão utilizados nas oficinas. Requisitos – Todo material ou componente produzido nas oficinas deve atender às Normas de segurança e qualidade. Todo processo deverá se documentado para continuidade em futuros projetos. Cuidados –O controle de qualidade deverá ser rigoroso e adequado às Normas Brasileiras. 2.3. Inclusão Social Objetivo –Possibilitar aos grupos que sejam reintegrados ao mercado de trabalho, seja da construção civil, ou produção de componentes e equipamentos. 7
  • 8. Requisitos – Os grupos deverão trazer para a comunidade os resultados do projeto, tanto como mão de obra, quanto como multiplicadores do curso de capacitação ou instrutores de oficinas e produção. Cuidados – Dar continuidade ao processo de aprendizagem através de atualização permanente, em cursos e oficinas oferecidas fora da comunidade. 2.4. Busca de parcerias Objetivo –Buscar nas áreas próximas á comunidade, empresas, escolas, órgão de apoio a empreendedorismo, mídia local, etc. parcerias para apoiar, divulgar e aperfeiçoar os resultados do projeto e ampliar o raio de atuação. Requisitos – Pessoas que tenham compromisso e identificação com o projeto e os moradores da comunidade. Cuidados – Fazer parcerias visando unicamente o beneficio da comunidade como um todo e não interesses pessoais. 2.5. Interdisciplinaridade Objetivo –É fundamental que todos os grupos e todas as etapas tenham coordenadores com formação em diversas áreas como Direito, Psicologia, Ciências Sociais, Arquitetura, Administração, Engenharia, TI, Meio Ambiente, Educadores, Artesãos, etc. para garantir a qualidade das abordagens e desenvolvimento dos trabalhos. Requisitos – Todos os profissionais deverão ter qualificação e envolvimento com a causa e o grupo de moradores da comunidade. Cuidados –Não permitir que a teoria seja desvinculada da prática e documentar todas as ações e propostas. 2.6. Produção de materiais e tecnologias Objetivo – A partir do levantamento dos materiais existentes na região e dos interesses dos grupos de capacitação, buscar profissionais para orientar a produção e qualidade de componentes e tecnologia, bem como a comercialização dos mesmos para investir na própria comunidade. Requisitos – Todos os materiais deverão estar de acordo com as Normas de qualidade e segurança brasileiras. Os produtos serão avaliados por profissionais de cada área.O grupo não poderá utilizar o trabalho infantil em suas atividades. Cuidados –Fazer ensaios para certificar a qualidade de todo material produzido. 2.7. Gestão de resíduos e reciclagem Objetivo – Criar um espaço para cooperativa de reciclagem de materiais descartados na comunidade. Buscar parcerias com órgãos que administram, capacitam e legalizam cooperativas de reciclagem. Criar grupos de conscientização dos moradores para distribuir cartilhas que ensinam compostagem, reciclagem, reutilização, etc. Organizar mutirões de limpeza de bueiros e terrenos e buscar parceria com a Prefeitura para recolher material coletado. Buscar apoio de entidades públicas de controle de pragas como ratos, baratas, etc. Requisitos – O grupo de Gestão não poderá utilizar o trabalho infantil em suas atividades. Cuidados - Pessoas que trabalhem nessa área deverão utilizar Equipamentos de proteção para manuseio dos materiais. 2.8.Paisagismo e Horta Objetivo – Criar espaços para horta e jardins, plantação de árvores e floreiras suspensas quando não houver espaço nas casas. Buscar parceria com a Secretaria do Meio Ambiente e seus programas de implantação de projeto de hortas. Requisitos – A produção será para uso da comunidade e a plantação e manutenção poderá ser feita por todos os moradores, inclusive crianças e jovens. 8
  • 9. Cuidados –Seguir orientação de profissionais, para não haver contaminação dos alimentos. 2.10. Gestão Financeira Objetivo – Organizar e administrar os recursos que serão necessários para a implantação do Projeto, bem como os recursos gerados pelo comércio dos produtos gerados pelo projeto, de modo que toda a comunidade seja beneficiada. Requisitos – Pessoas com formação em administração e gestão financeira deverão coordenar esse grupo e moradores serão responsáveis por apresentar contas e priorizar a transparência e ética em todas as operações. Cuidados – Documentar todas as operações através de contratos, notas fiscais e relatórios. Categoria 3.- Planejamento Sustentável da obra As diretrizes desta categoria são comuns aos sistemas de avaliação de um modo geral. 3. Projeto que prevê: 3.1. Acessibilidade – Todos os espaços de passagem e banheiros permitem a movimentação segura de idosos e cadeirantes. 3.2. Adequação Climática - Adequação ao local e ao clima, visando o combate à radiação solar excessiva, à grande luminosidade e privilegiando a ventilação e iluminação natural. 3.3. Águas – Captação e utilização de água de chuva, redução do uso e tratamento de águas residuárias, utilização de dispositivos economizadores de água, reuso de águas cinzas. 3.4. Energia –Redução do consumo de energia e desenvolvimento de tecnologias de baixo custo, para utilização de energia solar e eólica, de acordo com a região. 3.5. Materiais e Tecnologias de Construção - Identificar os materiais locaisambientalmente mais adequadosque reduzam o impacto gerado na sua produção e distribuição, emprego de madeira e agregados com origem legalizada, geração e correta destinação de resíduos no canteiro e reuso de materiais,desenvolver novos materiais e componentes - melhor integração da avaliação do ciclo de vida (ACV); proporcionar a interação dos moradores da comunidade e seus saberes com o processo construtivo. 3.6. Saneamento eficiente – Sobre esgoto, é interessante prevertratamento adequado de esgoto no local e, quando possível, o uso de banheiro seco.Desenvolver fossa séptica mais eficiente e, ao mesmo tempo, acessível às populações mais pobres. 3.7. Sistema construtivo - Adoção de sistemas de construção otimizados que possibilitem a autoconstrução e a diminuição de perdas de material. 3.8. Paisagismo produtivo – Capacidade de aproveitar as características da flora e dos recursos naturais disponíveis da região integrando o empreendimento ao seu entorno e ajudando napreservação das espécies locais.Toda casa deverá ter uma horta ou jardim. Categoria 4.- Pós uso 4.1. Educação ambiental dos moradores 9
  • 10. Objetivo – Criar eventos e cursos permanentes para atualizar e propor novas abordagens para a prática sustentável. Dar continuidade ao trabalho de educação ambiental iniciado na fase de Planejamento – capacitação, para que os moradores incorporem a cultura da sustentabilidade na sua rotina, valores e hábitos. Requisitos – Envolver toda a comunidade e escolas das redondezas. Buscar parcerias entre educadores, agentes de saúde e profissionais ligados à aárea. Cuidados – Não deixar espaço de tempo longo, entre os eventos, para que novos hábitos e valores sejam sedimentados. 4.2. Capacitação para gestão do empreendimento Objetivo – Ampliar o grupo de Gestão Financeiracriado na fase de Implantação do Projeto e introduzir mais membros da comunidade. Abrir espaço para parcerias com órgãos de apoio ao trabalhador e jovens, através de cursos profissionalizantes para jovens, mulheres e aposentados. Requisitos – Todo curso deverá ser gratuito e aberto para toda comunidade. Cuidados – Os coordenadores deste grupo deverão ter vivência com empresas e projetos sociais. Considerações Finais O elemento que define a “escolha” de um tipo de edificação, para essa camada da população não é o custo ambiental, mas o custo econômico final da edificação e como eles poderão arcar com esse valor, portanto, a necessidade de redução da desigualdade social e econômica é tão importante quanto o aspecto ambiental. As categorias avaliadas nos Sistemas analisados incluem aspectos de projeto, construção e manutenção pós-ocupação. No entanto, não podemos pensar em Desenvolvimento Sustentável sem equidade social e, para tanto é urgente criar novos instrumentos de interação, aproximação, trocas de saberes e fazeres com essa camada da população que sempre esteve à margem das decisões e benefícios produzidos pela ciência e tecnologia. Tentei desenvolver apenas as Categorias relacionadas ao processo de Planejamento é Pós uso, as categorias relacionadas à Implantação, Projeto e Construção merecem um novo olhar, desde a “escolha” do terreno, que tem como único critério de escolha - “área desocupada temporariamente”, até a diretrizes de projeto que devem se adequar a uma realidade de carência total, enquanto tenta manter a qualidade e a proposta de sustentabilidade. Precisamos de um jeito novo para pensar Arquitetura e Construção Sustentável, para um planeta rico em carências, miséria e explosão demográfica. 10
  • 11. ReferênciasBibliográficas A Estratégia de Desenvolvimento Sustentável do Governo Britânico - Apresentada ao Parlamento pelo Secretário de Estado para o Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais por ordem de Sua Majestade - Março de 2005 - Sumário em português FCAV-FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI. Referencial técnico de certificação “Edifícios habitacionais - Processo AQUA". v2. São Paulo: FCAV, 2013. GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL – GBCB. Referencial GBC Brasil Casa. Planilha de Pontuação do Projeto. Versão Piloto. São Paulo, 2012. JOHN, Moacyr Vanderley (coordenador); PPRADO, Racine Tadeu Araújo (coordenador). SELO CASA AZUL Boas Praticas para Habitação Mais Sustentável. São Paulo: Páginas & Letras – Editora e Gráfica, 2010. JOHN, VanderleyMoacyr (Coord.); PRADO, Racine TadeuAraújo (Coord.).Selo Casa Azul: boas práticas para habitação mais sustentável. Prado . São Paulo: Páginas & Letras - Editora e Gráfica, 2010. MAGNANI, Juliana Mattos. Análise Comparativa do selo Casa Azul e do sistema de certificação LEED FOR HOMES. ESPECIALIZAÇÂO/UFMG, 1ª ed. Belo Horizonte: 2011, 76 p. Relatório sobre a Situação da População Mundial 2011 - produzido pela Divisão de Informações e Relações Externas do UNFPA, o Fundo de População das Nações Unidas. Vinicius Fares Leite - CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL – SISTEMAS LEED E AQUA - Belo Horizonte - Escola de Engenharia da UFMG – 2011 11