ARQUITETURA BRASILEIRA Aula 11 – INÍCIO DO SÉC. XX Parte I
Início do séc. XX
FINS  DO  SÉC.  XIX <ul><li>1889 – em Juiz de Fora, MG – 1ª usina hidro-elétrica do Brasil </li></ul><ul><li>iluminação a ...
<ul><li>1901 – em Santana de Parnaíba, SP - 1ª usina hidro-elétrica  de porte do país -  The São Paulo Railway Light </li>...
<ul><li>1912 – 1º arranha-céu de 8 andares, na Rua Direita , nº37, próximo a Praça da Sé </li></ul><ul><li>bondes com traç...
<ul><li>Belle Époque Paulista   </li></ul><ul><li>São Paulo, a  influência francesa  se fez notar no final do século 19 e ...
<ul><li>- Na arquitetura paulistana a  influência francesa  foi enorme.  </li></ul><ul><li>No lugar das construções coloni...
 
<ul><li>No início do séc. XX predominava no Rio de Janeiro  </li></ul><ul><li>a influência francesa (tradição da Missão Fr...
SÃO  PAULO <ul><li>RAMOS DE AZEVEDO </li></ul><ul><li>- Engenheiro da  Companhia Paulista de Estradas de Ferro  – Campinas...
SÃO  PAULO RAMOS DE AZEVEDO sede da Light (empresa de origem canadense antecessora da atual Eletropaulo Metropolitana), Ho...
SÃO  PAULO RAMOS DE AZEVEDO Teatro Municipal Escola Normal (hoje Caetano de Campos) e a Politécnica Liceu de Artes e ofíci...
SÃO  PAULO <ul><li>No começo do séc. XX prolifera nas residências projetos com um Ecletismo desordenado.  </li></ul><ul><l...
SÃO  PAULO ESTILOS MEDIEVAIS E PITORESCOS NEO-ROMÂNICO Igreja da Consolação Arq. Max Hehl (alemão) NEO-MEDIEVAL Igreja da ...
SÃO  PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” O  Art Nouveau Já estava presente na Europa e foi uma reação ao Ecletismo. Tinha como car...
SÃO  PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Casa Álvares Penteado – 1902 Arq. Karl Ekman (suéco) Hoje prédio da Pós-FAU_USP
SÃO  PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Res. Ercília Nogueira Cobra Arq. Victor Dubugras - 1921
SÃO  PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Rancho da Maioridade Conjunto de obras na Serra do Mar por Washington Luis em comemoração...
SÃO  PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Res, Horácio Sabino Arq. Victor Dubugras - 1922 Outras residências
SÃO  PAULO ESTILOS  NEOCOLONIAL Considerado como a primeira manifestação de uma tomada de consciência, por parte dos brasi...
RIO  DE  JANEIRO ESTILOS  NEOCOLONIAL No Rio de janeiro teve como divulgador do movimento o crítico de arte José Mariano F...
SÃO  PAULO ESTILOS  NEOCOLONIAL
SÃO  PAULO ESTILOS  NEOCOLONIAL azulejos
SÃO  PAULO ESTILOS  NEOCOLONIAL piso em mosaico vitrais clarabóia (iluminação zenital)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

aula 11 - Início séc. XX - parte 1

2.439 visualizações

Publicada em

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.439
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

aula 11 - Início séc. XX - parte 1

  1. 1. ARQUITETURA BRASILEIRA Aula 11 – INÍCIO DO SÉC. XX Parte I
  2. 2. Início do séc. XX
  3. 3. FINS DO SÉC. XIX <ul><li>1889 – em Juiz de Fora, MG – 1ª usina hidro-elétrica do Brasil </li></ul><ul><li>iluminação a gás </li></ul><ul><li>veículos de tração animal : carroças, carruagens. </li></ul><ul><li>1893 – 1º automóvel no Brasil, de Henrique Santos Dumont </li></ul><ul><li>1894 – Escola Politécnica de São Paulo, tendo como diretor Paula Souza </li></ul>INÍCIO DO SÉC. XX Rua direita, São Paulo, SP 1900
  4. 4. <ul><li>1901 – em Santana de Parnaíba, SP - 1ª usina hidro-elétrica de porte do país - The São Paulo Railway Light </li></ul><ul><li>a cidade de São Paulo : 39.100 habitantes em 1911 </li></ul><ul><li>bairros começam a se afastar lentamente do centro antigo </li></ul><ul><li>1912 – 1º arranha-céu de 8 andares, na Rua Direita próximo a Praça da Sé </li></ul><ul><li>bondes com tração animal passam a ser movidos a eletricidade e depois a gasolina </li></ul>INÍCIO DO SÉC. XX
  5. 5. <ul><li>1912 – 1º arranha-céu de 8 andares, na Rua Direita , nº37, próximo a Praça da Sé </li></ul><ul><li>bondes com tração animal </li></ul>INÍCIO DO SÉC. XX
  6. 6. <ul><li>Belle Époque Paulista </li></ul><ul><li>São Paulo, a influência francesa se fez notar no final do século 19 e começo do século 20, </li></ul><ul><li>auge do desenvolvimento da riqueza do c afé , </li></ul><ul><li>a alta burguesia procurava reproduzir os hábitos e os costumes franceses . </li></ul><ul><li>filhos de fazendeiros ou da elite local estudavam na França. </li></ul><ul><li>chegada de: modistas, cabeleireiras, perfumistas e o glamour tomou conta da capital </li></ul><ul><li>as mulheres imitavam a moda francesa, vestindo-se com roupas de seda da alta costura de Poiret, e usavam luvas, leques e chapéus com plumas ou de palha chamados de chapéus cloche. </li></ul><ul><li>as mulheres, por influência dos costumes franceses, elas começaram a aparecer em público , não apenas para assistir as missas, mas também para ir às corridas de cavalos, aos cinemas e teatros. </li></ul><ul><li>época dos grandes eventos sociais : bailes, das confeitarias requintadas, dos restaurantes elegantes e das agitadas casas de espetáculos, como o famoso Teatro São José e o Teatro Municipal. </li></ul>INÍCIO DO SÉC. XX
  7. 7. <ul><li>- Na arquitetura paulistana a influência francesa foi enorme. </li></ul><ul><li>No lugar das construções coloniais, apareceram construções afrancesadas , com platibandas e masardas ao gosto francês. </li></ul><ul><li>Essas construções se harmonizavam perfeitamente com as novas ruas largas , inspiradas nos boulevars parisienses </li></ul>Palácio dos Campos Elísios SÃO PAULO <ul><li>continua a influência italiana </li></ul><ul><li>contribuição também da presença alemã das famílias Glette, Nothmann, Haüsler) </li></ul>
  8. 9. <ul><li>No início do séc. XX predominava no Rio de Janeiro </li></ul><ul><li>a influência francesa (tradição da Missão Francesa de 1816) </li></ul><ul><li>novo Plano Urbanístico de Haussmann para Paris com grandes avenidas </li></ul>Francisco Pereira Passos – prefeito e engº do Rio – destrói parte do centro antigo para abrir amplas avenidas (ex. Av. Central) Haussmann RIO DE JANEIRO <ul><li>No final do séc. XIX a Europa tem: </li></ul><ul><li>breve influência da Renascença italiana com palácios romanos </li></ul>
  9. 10. SÃO PAULO <ul><li>RAMOS DE AZEVEDO </li></ul><ul><li>- Engenheiro da Companhia Paulista de Estradas de Ferro – Campinas </li></ul><ul><li>estudou arquitetura na Europa </li></ul><ul><li>refez o antigo Largo do Palácio (hoje Pátio do Colégio ) que conservava sua arquitetura colonial </li></ul><ul><li>construiu a Escola Normal (hoje Caetano de Campos ) e a Politécnica (organizou como prof. O curso de engenheiro-arquiteto </li></ul><ul><li>Vignola (mestre arquiteto italiano) era o seu ídolo </li></ul><ul><li>criou o Liceu de Artes e Ofícios (formação de artesãos) </li></ul><ul><li>Teatro Municipal (“cópia” da Ópera de Paris) </li></ul><ul><li>não se deixou influenciar pelos novos estilos Art Nouveau nem Neocolonial </li></ul>
  10. 11. SÃO PAULO RAMOS DE AZEVEDO sede da Light (empresa de origem canadense antecessora da atual Eletropaulo Metropolitana), Hoje Shopping Light Escola Estadual Rodrigues Alves, construída em 1919 – Av. Paulista Casa das Rosas – Av. Paulista – projeto para a filha dele Largo do Palácio (hoje Pátio do Colégio)
  11. 12. SÃO PAULO RAMOS DE AZEVEDO Teatro Municipal Escola Normal (hoje Caetano de Campos) e a Politécnica Liceu de Artes e ofícios Pinacoteca
  12. 13. SÃO PAULO <ul><li>No começo do séc. XX prolifera nas residências projetos com um Ecletismo desordenado. </li></ul><ul><li>A fantasia andava a solta, o exótico, o inesperado o bizarro tornam-se moda. </li></ul>Vila Itororó Foi a primeira residência da cidade a ter uma piscina particular
  13. 14. SÃO PAULO ESTILOS MEDIEVAIS E PITORESCOS NEO-ROMÂNICO Igreja da Consolação Arq. Max Hehl (alemão) NEO-MEDIEVAL Igreja da Sé Arq. Max Hehl (alemão) O CATOLICISMO vai escolher o período Medieval como sendo o que mais teve sucesso e simbolizou o apogeu da fé católica.
  14. 15. SÃO PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” O Art Nouveau Já estava presente na Europa e foi uma reação ao Ecletismo. Tinha como características a abundância de motivos decorativos de flora naturalista, com linhas onduladas. No Brasil – foi uma tentativa de renovação e de síntese das artes – arquitetura, artes plásticas e artes decorativas. Mas como a indústria brasileira era ineficiente e esse movimento necessitava de materiais importados (ferro, vidro, louça, etc.) ele teve pouco mais de uma década de existência. Foi amplamente utilizado pelos fazendeiros de café em suas residências, pois esses tinha acesso à Europa e lá era moda. Arquiteto:Giuseppe Sachetti
  15. 16. SÃO PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Casa Álvares Penteado – 1902 Arq. Karl Ekman (suéco) Hoje prédio da Pós-FAU_USP
  16. 17. SÃO PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Res. Ercília Nogueira Cobra Arq. Victor Dubugras - 1921
  17. 18. SÃO PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Rancho da Maioridade Conjunto de obras na Serra do Mar por Washington Luis em comemoração ao Centenário da Independência Arq. Victor Dubugras - 1922
  18. 19. SÃO PAULO ESTILOS “ART NOUVEAU” Res, Horácio Sabino Arq. Victor Dubugras - 1922 Outras residências
  19. 20. SÃO PAULO ESTILOS NEOCOLONIAL Considerado como a primeira manifestação de uma tomada de consciência, por parte dos brasileiros das possibilidades do seu país e da sua originalidade. Valorização da arte luso-brasileira. Início em São Paulo - 1914 Tenha como arquitetos que começaram a valorizar as características e potencialidades da história da arquitetura colonial os arquiteto estrangeiros: Victor Dubugras (francês) e Ricardo Severo (português) <ul><li>Influência da Arquitetura portuguesa </li></ul><ul><li>varandas </li></ul><ul><li>balcões </li></ul><ul><li>telhados planos de telhas-canal </li></ul><ul><li>largos beirais </li></ul><ul><li>lintéis nas janelas </li></ul><ul><li>frontões com pináculos </li></ul>
  20. 21. RIO DE JANEIRO ESTILOS NEOCOLONIAL No Rio de janeiro teve como divulgador do movimento o crítico de arte José Mariano Filho. Lucio Costa depois, aos 24 anos de idade veio a adotar o estilo.
  21. 22. SÃO PAULO ESTILOS NEOCOLONIAL
  22. 23. SÃO PAULO ESTILOS NEOCOLONIAL azulejos
  23. 24. SÃO PAULO ESTILOS NEOCOLONIAL piso em mosaico vitrais clarabóia (iluminação zenital)

×