Metodologia, sugestão: deixe seus preconceitos correrem livremente
1) Humor
Dogmas
1) O descarte A primeira idéia é sempre ruim: jogue fora.
2) Originalidade É superestimada, praticamente tudo já foi feito. E se te roubarem uma idéia: você tem um cérebro, reponha...
É para os fracos. Humor é julgamento sumário, tribunal de exceção: tem que haver uma vítima. 3) Justiça
4) Extremos Bom.
5) Humor a favor Não bom.
6) Piada pronta Evite.
7) Panfletarismo Idem.
Regra de ouro do jornalismo aplicada ao humor: proteja suas fontes "Good artists borrow, great artists steal" - ...
O deadline é a musa
 
 
<ul><li>Charge Charge é a representação gráfica, e se possível cômica, da situação social, política e econômica no planeta...
Difere do cartum, que é atemporal Jaguar, anos 60
 
Caricatura: A primeira coisa que chamou a atenção como matéria-prima de humor: as feições e as roupas. Roupas um pouco men...
 
Leonardo Da Vinci sabia a diferença entre mulher gostosa e humor
Antigamente o maior recurso dos chargistas era a metáfora ilustrada, que não comunicava diretamente. O humor com legendas.
 
&quot;O illustre collega Quintino Bocayuva, irritado de vêr quão perniciosa é a febre amarella para o paiz, pinta este com...
A coisa progrediu: os humoristas entenderam que comunicavam mais rápido quanto mais de domínio público é a idéia central. ...
Humor gráfico ou ilustração? O cartão postal do humor.
Charges podem ter jargão, exatamente como a política. ...e mar de lama, etc. Usar como último recurso, POR FAVOR.
Usar os signos em favor da piada. ... Capitalistas de charuto e cartola, justiça cega, etc.
Segmentação Jornal Popular Revista metida a besta
2) Quadrinhos (tira diária)
Alguns preferem “arte sequencial” a quadrinhos, mas acho que é só para evitar o diminutivo
Os quadrinhos começaram mudos, como o cinema
Aliás, foi uma invenção premonitória: o storyboard décadas antes do cinema
E também como o cinema, teve influência do surrealismo cedo Little Nemo Krazy Kat Old man Muffaroo
Personagens: menos é mais.
Geralmente a tira é um jogo de jogo de vôlei, prepara no primeiro quadrinho, levanta no segundo e corta no terceiro.
Mas alguns quadrinistas quebram o paradigma do terceiro quadro
Plano de reação: quadrinho hitchcokiano
Recursos
Reversão de expectativa
Identificação
Infâmia
O sagrado e o profano Wagner & Beethoven
 
Concisão
3) Animação
O storyboard que se mexe
Território hostil (timing diferente, melhor escrever roteiro original)
Aliciadores de menores
Atropelamento e fuga
Dublagem: grande chance de acabar com a ditadura do ator.
Grandes temas
Orçamento ilimitado, locações infinitas
Fim dos intermediários
 
 
 
 
 
 
4) Graphic novel e adaptação
Will Eisner
Arte, pop, reconhecimento.
 
Cuidado com o noir
A maldição do samba, a tentação do folclore.
A divisão do trabalho
Cortar palavras
Respeito ao autor
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso

782 visualizações

Publicada em

Curso de quadrinhos

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
782
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso

  1. 2. Metodologia, sugestão: deixe seus preconceitos correrem livremente
  2. 3. 1) Humor
  3. 4. Dogmas
  4. 5. 1) O descarte A primeira idéia é sempre ruim: jogue fora.
  5. 6. 2) Originalidade É superestimada, praticamente tudo já foi feito. E se te roubarem uma idéia: você tem um cérebro, reponha o estoque.
  6. 7. É para os fracos. Humor é julgamento sumário, tribunal de exceção: tem que haver uma vítima. 3) Justiça
  7. 8. 4) Extremos Bom.
  8. 9. 5) Humor a favor Não bom.
  9. 10. 6) Piada pronta Evite.
  10. 11. 7) Panfletarismo Idem.
  11. 12. Regra de ouro do jornalismo aplicada ao humor: proteja suas fontes &quot;Good artists borrow, great artists steal&quot; - Pablo Picasso
  12. 13. O deadline é a musa
  13. 16. <ul><li>Charge Charge é a representação gráfica, e se possível cômica, da situação social, política e econômica no planeta em que você vive, ou pelo menos na parte que te interessa. </li></ul>
  14. 17. Difere do cartum, que é atemporal Jaguar, anos 60
  15. 19. Caricatura: A primeira coisa que chamou a atenção como matéria-prima de humor: as feições e as roupas. Roupas um pouco menos.
  16. 21. Leonardo Da Vinci sabia a diferença entre mulher gostosa e humor
  17. 22. Antigamente o maior recurso dos chargistas era a metáfora ilustrada, que não comunicava diretamente. O humor com legendas.
  18. 24. &quot;O illustre collega Quintino Bocayuva, irritado de vêr quão perniciosa é a febre amarella para o paiz, pinta este com as mais negras cores, as da escravidão! O quadro é dedicado aos poderes públicos. Mas estes olham para elle, como se fôra para um palacio&quot; - Ângelo Agostini
  19. 25. A coisa progrediu: os humoristas entenderam que comunicavam mais rápido quanto mais de domínio público é a idéia central. Borjalo
  20. 26. Humor gráfico ou ilustração? O cartão postal do humor.
  21. 27. Charges podem ter jargão, exatamente como a política. ...e mar de lama, etc. Usar como último recurso, POR FAVOR.
  22. 28. Usar os signos em favor da piada. ... Capitalistas de charuto e cartola, justiça cega, etc.
  23. 29. Segmentação Jornal Popular Revista metida a besta
  24. 30. 2) Quadrinhos (tira diária)
  25. 31. Alguns preferem “arte sequencial” a quadrinhos, mas acho que é só para evitar o diminutivo
  26. 32. Os quadrinhos começaram mudos, como o cinema
  27. 33. Aliás, foi uma invenção premonitória: o storyboard décadas antes do cinema
  28. 34. E também como o cinema, teve influência do surrealismo cedo Little Nemo Krazy Kat Old man Muffaroo
  29. 35. Personagens: menos é mais.
  30. 36. Geralmente a tira é um jogo de jogo de vôlei, prepara no primeiro quadrinho, levanta no segundo e corta no terceiro.
  31. 37. Mas alguns quadrinistas quebram o paradigma do terceiro quadro
  32. 38. Plano de reação: quadrinho hitchcokiano
  33. 39. Recursos
  34. 40. Reversão de expectativa
  35. 41. Identificação
  36. 42. Infâmia
  37. 43. O sagrado e o profano Wagner & Beethoven
  38. 45. Concisão
  39. 46. 3) Animação
  40. 47. O storyboard que se mexe
  41. 48. Território hostil (timing diferente, melhor escrever roteiro original)
  42. 49. Aliciadores de menores
  43. 50. Atropelamento e fuga
  44. 51. Dublagem: grande chance de acabar com a ditadura do ator.
  45. 52. Grandes temas
  46. 53. Orçamento ilimitado, locações infinitas
  47. 54. Fim dos intermediários
  48. 61. 4) Graphic novel e adaptação
  49. 62. Will Eisner
  50. 63. Arte, pop, reconhecimento.
  51. 65. Cuidado com o noir
  52. 66. A maldição do samba, a tentação do folclore.
  53. 67. A divisão do trabalho
  54. 68. Cortar palavras
  55. 69. Respeito ao autor

×